Você está na página 1de 9

19/10/2010

COMPOSIÇÃO CORPORAL AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL

• Peso
• Perímetro da cintura
• Estatura

o Vários índices
 Interpretação do IMC em crianças é diferente dos adultos e dos
idosos.

5 Níveis de composição corporal


 Atómica
 Molecular(70% água)
 Celular
 Tecidual
 Corporal

Atómica
• Cálcio e fósforo: vamos falar muito, pois está relaccionado com bom
desenvolvimento do organismo
• Vitamina D: é necessária para a absorção do cálcio e para a sua
síntese é necessário 15 minutos de exposição solar por dia.

 São muitos os átomos que se encontram no nosso corpo mas existem 6


elementos que são os mais abundantes (98% do peso corporal)
 Oxigénio
 Carbono
 Hidrogénio
 Nitrogénio
 Cálcio
 Fósforo

Molecular

Água – depende do conteúdo de gordura corporal


• 60-70% do peso corporal
• Intracelular
• Extracelular

Lípidos
o Os TG (triglicéridos) são os mais abundantes. Estamos
programados para armazenar energia para formar
triglicéridos.
o Ácidos gordos saturados – alimentos de origem animal. Óleo
de coco e palma são os únicos alimentos de origem vegetal
com ácidos saturados.
o Monoinsaturados: azeite é o mais rico.

• Os + abundantes: TG
1
• Reserva de energia contra o frio, protecção de órgãos
• % de gordura varia entre 10-25% nos homens e 15-35% nas
mulheres. Em caso de obesidade mórbida pode atingir valores na
ordem dos 60-70%.

LIPIDOS

Ácidos gordos

Saturados
Insaturados
- Animal
- Excepção: óleo de coco e palma.
Monoinsaturados Polisaturados
- Azeite - Nozes
Trans -Frutos secos: -Peixes gordos
- Alimentos amendoim, avelã, (pescada,
processados caju… atum, salmão,
-Carne de ruminantes:
sardinha)
- Óleos
vegetais
Percentagem de gordura
- Valores padrão entre 17 -65 anos
o Homens: 10- 25% (excepto atletas de alta competição)
o Mulheres: 15-35%

Bio-empedância: dá % de massa gorda


o Existem 2 instrumentos que são mais vulgares:
 BF 300: só avalia a % de gordura da cintura para cima
 Tanita (marca): com eléctrodos, mede em todo o corpo
o Existe outro menos vulgar (existe na UATLA): IN BODY (mede tudo
mais preciso), mede massa gorda dos braços isoladamente, das
pernas etc.

Proteínas
• 10-15% (> nos homens do que nas mulheres)
• Não há reservas proteicas
Minerais
• 3-5%
• Cálcio e Fósforo
HC
• Reservas até os 500g (sob a forma de glicogénio
muscular e hepático), fígado e músculos.

Tecidular
- Músculo (40%)
- Tecido adiposo (21,4%)
2
• Constituído por adipócitos que são células que armazenam a gordura
sob a forma de TG (80%), proteínas (1-2%), água e electrólitos
- Sangue (7,9%)
- Ossos (7,1%)
- Pele (3,7%)
- Fígado (2,6%) Fígado é muito importante.
- Total (82,7%)

Antropometria

- Envolve a obtenção de medidas físicas e relaciona-as com um padrão que


reflecte o crescimento e desenvolvimento de cada pessoa
• Peso
o Fornece uma avaliação bruta das reservas adiposa e muscular
globais
o Peso actual, de referência, habitual

Pré-requisitos para uma pesagem adequada:


 Sem sapatos
 Sem adornos
 Preferencialmente sem roupa ou com roupa interior
 Sempre à mesma hora
 Sempre na mesma balança
 Após micção e dejecção

• Estatura
• Perímetros (cintura, braço, etc)
• Pregas cutâneas (bicipital, tricipital, etc)

- Medida da prega do tricipital: através dela calcula-se a área muscular do


braço, principalmente para doentes oncológicos.
- Perímetro do braço (perímetro braquial): é usado para avaliar crianças
desnutridas (ex. África).

- Fornece uma avaliação bruta das reservas adiposa e muscular globais


- Peso actual, de referência, habitual

- Nos meios urbanos, no nosso caso:


o Avalia-se o peso:
 Sempre na mesma balança
 Após micção e dejecção
 Em jejum
 Sem roupa

o Pesar semanalmente e não diariamente:


 Porque o peso sofre oscilações, não necessariamente
porque se come uma vez determinado alimento
 Para evitar obsessão

3
o Deve explicar-se o que é a balança e perguntar se a pessoa se
importa de pesar:
 “vamos medir o peso corporal , importa-se de vir
pesar?”
 Às crianças deve pedir-se que se coloquem como um
soldadinho de chumbo (meninos) ou como uma bailarina
(meninas).
 ? Aos adultos deve pedir-se para colocar os pés paralelos
e os braços ao longo do corpo

- O peso não chega para fazer avaliação antropométrica, porquê?

- Deve fazer-se várias perguntas para saber o peso anteriormente.


No caso da Reinase: Perguntar peso de quando tinha 18 anos
No caso de uma pessoa casada: perguntar peso anterior ao casamento

Reinase responde que quando tinha 18 anos tinha 48 kg Peso


habitual = 48 kg

Peso actual= 45, 5 Kg

Perguntar à 6 meses a trás= 43 Kg


Perguntar à 3 meses a trás=43 Kg

Tentar perceber o porquê da perda de peso, se está associado a algum


momento da vida da pessoa. Às vezes as pessoas não dizem e tentam
camuflar.

Para achar o peso referência usa-se as formulas de Buthau e de Perrault


(saber de cór)
Nota: Não se diz peso ideal, mas sim de referência

1) Fórmula de Buthau
0,80 x (Altura- 100+ (Idade/2)) em cm

2) Fórmula de Peerrault
Peso=50+ (0,75x( altura-150+((idade-20)/4)))
Idade < 40
Nota: Quando a idade é superior a 40, na idade põem-se sempre 40 e não
42 por exemplo.

Peso referência = ((Formula 1+Formula 2)/2) para mulheres tem de


ajustar-se e multiplicar por 0,95

Exemplo de cálculo para mulher com 160 cm de 21 anos:


1) 0,80x (160-100 +(21/2)=0,80x(60+10,5)=56,4 Kg

2) 50+(0,75x(160-150+((21-20)/4)))= 50+(0,75x(160-150+0,25)=
50+(0,75x10,25)=57,69Kg

3) Peso de referência= ((56,4+57,69)/2)*0,95=54,19 Kg

4
No caso de uma mulher de 160 cm com 33 anos o peso referência seria de
55, 22 Kg.

% de perda de peso

Must- avaliação do estado nutricional

(Peso habitual - peso actual)/ peso actual )*100

 <5% = baixo
 5-10% = potencialmente importante
 >10% = significativa

Estatura

 Métodos directos: estadiómetro


 Métodos indirectos: envergadura do braço, altura deitado e altura do
joelho

Estadiometro – mede a estatura


• Pés como se estivesse a fazer bale (60 graus)
• Olhos paralelos às orelhas. Plano de Frankfurt. Segura-se o queixo
com a mão
• Mede-se 2 vezes e faz-se a média em cm, aproximado ao mm mais
próximo
• Calcanhares encostados
• Sem sapatos

Quando não se tem estadiometro, mede-se de forma arcaica. Braços


abertos, etc.

Índice de massa corporal (IMC)


- Feito para população caucasiana. Pode não ser apropriado para africanos,
asiáticos, etc.

Peso (kg)/ Altura^2 (m)=Índice de Quetelet

Ex. 52/1,60^2=20, 3 kg/m^2

No teste tem de apresentar-se a fórmula.

AVALIAÇÃO DO EN CRIANÇAS

 Índice de Massa Corporal (IMC)


 Varia com a idade e com o sexo
 Não se chegou a um consenso universal relativamente aos critérios de
classificação
 A selecção de uma única curva de crescimento levanta questões
pertinentes ainda em discussão

 Critérios de Cole (IOTF)


 Critérios do Center for Disease Control and Prevention (CDC)
5
 Critérios da Organização Mundial de Saúde
 Em Portugal (DGS, 2005)
o  IMC em comparação às curvas de referência (CDC)

Se o IMC for...
 ≤ percentil 5 – Baixo peso/Magreza
 > percentil 5 e <percentil 85 – Peso normal/Normoponderal
 ≥ percentil 85 – Excesso de peso
 ≥percentil 85 e < percentil 95 – Pré-Obesidade
 ≥ percentil 95 – Obesidade
AVALIAÇÃO EN ADULTOS

<18,5 Baixo peso ou magreza


18,5-24,99 Peso normal ou normoponderalidade
>= 25 Excesso de peso

25-29,99 pré-obesidade
>= 30 obesidade
30-34,99 grau I
35-39 grau II
>=40 grau III Obesidade mórbida

Se se diz que um doente tem 27 de IMC, então deve dizer-se que está em
pré-obesidade.
Doente obeso é para sempre (mais risco cardiovascular, diabetes, etc). Pré
obeso pode reverter-se e pode nunca chegar à obesidade.

AVALIAÇÃO EN IDOSOS

• Grande controvérsia em relação aos valores de corte


• Diminuição da estatura, aumento da MG

6
• Food and Nutrition Board, Committee on Diet and Health, National
Research: Implications for reducing chronic disease risk, Washington, DC,
1989, National Academies Press.
• > 65 anos: IMC> 24kg/m2 e < 29kg/m2

Perímetro da Cintura
O perímetro da cintura é uma medida simples, barata e de fácil
interpretação, podendo ser facilmente utilizada como forma de triagem em
programas de promoção da saúde e prevenção de FR cardiovascular
 Melhor predictor de risco para DCV do que o IMC

 Múltiplas vantagens:
o  fácil determinação
o  principal factor de correlação para a distribuição da gordura
visceral (menos afectada pelo sexo, etnia e adiposidade global)
o  importante determinante do risco de DCV

 Principal limitação: inexistência de valores normativos de referência


internacionalmente aceites nas crianças

 A obesidade e a distribuição abdominal da gordura estão associadas a


↓HDL-c e a ↑ TG em muitos adultos e adolescentes

 A gordura visceral isolada tem sido associada:


o  ↑ dos níveis de AG livres circulantes
o  Hiperinsulinemia
o  resistência à insulina
o  ↑da síntese de TG e da secreção de VLDL-c pelo fígado

Andróide
 Deposição de massa gorda predominantemente abdominal
 Característico do sexo masculino
 Preditor de complicações associadas á obesidade
o  Diminuição da tolerância à glicose, hiperinsulinemia, dislipidémias,
HTA, diabetes, DC

Ginóide
 Deposição de gordura ao nível da zona glúteo-femural
 Característico do sexo feminino

Existem várias metodologias para avaliar o PC.


As 2 mais difundidas são:
o  Método de Cameron:
 Posição vertical, pés juntos, braços ao lado do corpo pendendo
livremente;
 Medição ao nível do bordo superior da crista ilíaca, no final de uma
expiração normal;
 Plano da fita perpendicular ao eixo vertical do corpo e paralelo ao chão.
o  Medição à meia distância entre o final da grelha costal (última
costela flutuante) e o topo das cristas ilíacas

 Pelo facto de o método de Cameron induzir < variabilidade inter-


observadores, tem vindo a ser amplamente utilizado na prática clínica

7
 Crianças
o A tabela de referência que temos visto ser mais utilizada na literatura
internacional é a de Fernandez et al (Fernandez JR. et al. J Pediatr
2004; 145: 439-44 )

Perímetro da Cintura – Crianças

P75: aumento do risco de obesidade abdominal


P90: limite acima do qual se define obesidade abdominal

Perímetro da Cintura – Adultos

 Perímetro da cintura
 Risco aumentado
 Homens: ≥94cm
Mulheres: ≥ 80cm
 Risco elevado
 Homens: ≥ 102 cm
Mulheres: ≥ 88 cm

 Procedimento
1. Retirar a roupa. Se não for possível, ficar em roupa interior desde que
retire os casacos, as camisas e camisolas;
2. O perímetro da cintura é medido mantendo a pessoa de pé, com os pés
bem assentes no chão e com os braços estendidos e relaxados sobre os
membros inferiores;
3. Permanecer imóvel e não encolher a barriga;
4. Com o auxílio da fita métrica medir o PC;

5. Colocar a fita métrica paralelamente ao plano do solo, em redor do


abdómen, mais concretamente no ponto marcado;
6. Não comprimir a pele;
7. Inspirar e expirar 3 vezes e realizar a medição no final de uma expiração
normal;
8
8. Registar o perímetro da cintura.