Você está na página 1de 18

LEI DE LAMBERT

Lambert (1870) observou a relação entre a transmissão de luz e a espessura da


camada do meio absorvente. Quando um feixe de luz monocromática, atravessava um
meio transparente homogêneo, cada camada deste meio absorvia igual a fração de luz
que atravessava, independentemente da intensidade da luz que incidia. A partir desta
conclusão foi enunciada a seguinte lei: " A intensidade da luz emitida decresce
exponencialmente à medida que a espessura do meio absorvente aumenta
aritmeticamente ".
Esta lei pode ser expressa pela seguinte equação:
===================
I = Io . 10-x1
===================
Onde: I = Intensidade da luz transmitida
Io= Intensidade da luz incidente
x = constante denominada coeficiente de absorção e que depende do meio
absorvente empregado
1 = Espessura do meio absorvente
LEI DE BEER
Beer em 1852 observou a relação existente entre a transmissão e a concentração do
meio onde passa o feixe de luz. Uma certa solução absorve a luz proporcionalmente à
concentração molecular do soluto que nela encontra, isto é, " A intensidade de um feixe
de luz monocromático decresce exponencialmente à medida que a concentração da
substância absorvente aumenta aritmeticamente ".
Expressa pela equação:
=================
I = Io . 10-kc
=================
Onde: I = Intensidade da luz transmitida
Io= Intensidade da luz incidente
k = Constante denominada coeficiente de absorção
c = Concentração do meio absorvente
As leis de Lambert-Beer são o fundamento da espectrofotometria. Elas são tratadas
simultaneamente, processo no qual a quantidade de luz absorvida ou transmitida por
uma determinada solução depende da concentração do soluto e da espessura da solução
(1).
A lei de Lambert-Beer pode ser expressa matematicamente pela relação: T= e-a .1 . C
Onde:
T= Transmitância
e = Logaritmo Natural de Euler
a= Constante
1= Espessura da solução
c = Concentração da solução (cor)
Convertendo a equação para forma logarítmica:
-lnT=a .l . c
Utilizando-se logaritmo na base 10, o coeficiente de absorção é convertido no
coeficiente de extinção K .
assim: -log T=k.l .c
em que: k = a/2.303.
As determinações das concentrações de compostos, o "1" (caminho óptico), são
mantidas constantes e têm grande importância para os bioquímicos, portanto:
-log T =k' .c
em que: k'=k. l
O -log (I/Io) foi denominado densidade óptica (DO) ou absorbância (A) ou extinção
(E). Portanto, A = k' .c.A relação entre A e a concentração da solução é linear crescente,
conforme mostrado na Figura 1.5.

Figura 1.5 Curva de absorbância versus concentração de glicose (umol/mL).


Comparando com a equação da reta tem-se: y = a .(x) + b; A =k' . c + 0,02.
A Lei de Beer da transferência radiativa tem grande aplicação em
problemas atmosféricos que envolvam valores de radiação solar direta. Uma
síntese da física da atenuação da radiação solar pela atmosfera e da
derivação da lei de Beer é apresentada neste trabalho. São apresentadas
aplicações da lei de Beer no cálculo do espectro de radiação solar direta na
superfície terrestre, na região do ultravioleta, considerando condições de
céu limpo e apenas espalhamento Rayleigh e absorção molecular. O método
de Langley foi aplicado a dados de radiação ultravioleta solar de banda
larga (0,32-0,40 mim) obtidos em Santa Maria, Rio Grande do Sul, no ano de
1994, como um exemplo ilustrativo da obtenção da irradiância no topo da
atmosfera e da espessura óptica atmosférica para a banda utilizada.

: Para outros significados, veja Estado (desambiguação).


Observação:Líquido compressível também é reconhecido em muitos
lugares como Líquido comprimido.

Fases ou estados da matéria - são conjuntos de configurações que


objetos macroscópicos podem apresentar. O estado físico tem a relação
com a velocidade do movimento das partículas de uma determinada
substância. Canonicamente e segundo o meio em que foram estudados, são
três os estados ou fases considerados: sólido, líquido e gasoso.[1] Outros
tipos de fases da matéria, como o condensado de bose-einstein ou o plasma
são estudados em níveis mais avançados de física. As características de
estado físico são diferentes em cada substância e depende da temperatura
e pressão na qual ela se encontra.[2]

Índice

[esconder]
• 1 Os estados físicos da matéria

• 2 Outros estados da matéria

• 3 Estados em baixa temperatura

○ 3.1 Superfluidos

○ 3.2 Condensados de Bose-Einstein

• 4 Mudanças de fase

• 5 Referências

• 6 Ligações externas
[editar] Os estados físicos da matéria

Há muitas discussões sobre quantos estados da matéria existem, porém as


versões mais populares atualmente são de que a matéria somente tem três
estados: sólido, líquido e gasoso. Mas há também outros que, ou são
intermediários ou pouco conhecidos. Por exemplo: os vapores,[3] que nada
mais são uma passagem do estado líquido para o gasoso na mesma fase em
que o gás, porém quando está em estado gasoso, não há mais possibilidade
de voltar diretamente ao estado líquido; já quando em forma de vapor, pode
ir ao estado líquido, desde que exista as trocas de energia necessárias para
tal fato.[2] Por isto que diz comumente "vapor d´água".

O Plasma é o estado em que a maioria da matéria se encontra no universo.


Neste estado há uma certa "pastosidade" da substância, que permite uma
maior e melhor resposta quando recebe informações decodificadas pelos
feixes de luz emitidos pelos componentes da TV. Sabe-se que qualquer
substância pode existir em três estados: sólido, líquido e gasoso, cujo
exemplo clássico é a água que pode ser gelo, água em estado líquido e
vapor de água. Todavia há muito poucas substâncias que se encontram
nestes estados, que se consideram indiscutíveis a difundidos, mesmo
tomando o Universo no seu conjunto. É pouco provável que superem o que
em química se considera como restos infinitamente pequenos. Toda a
substância restante do universo subsiste no estado denominado plasma.[4]

No estado sólido considera-se que a matéria do corpo mantém a forma


macroscópica e as posições relativas das suas partículas. É particularmente
estudado nas áreas da estática e da dinâmica.

No estado líquido, o corpo mantém a sua quantidade de matéria e


aproximadamente o seu volume.A forma e posição relativa das suas
partículas é variável. É particularmente estudado nas áreas da hidrostática
e da hidrodinâmica.

No estado gasoso, o corpo mantém apenas a quantidade de matéria,


podendo variar amplamente a forma e o volume. É particularmente
estudado nas áreas da aerostática e da aerodinâmica.

O condensado de bose-einstein possui características, de ambos, estado


sólido e estado líquido, como supercondutividade e super-fluidez, porém, é
encontrado em temperaturas extremamente baixas (próximas ao zero
absoluto), o que faz com que suas moléculas entrem em colapso. É
particularmente estudado na área da mecânica quântica.

O condensado fermiônico também possui características de ambos.

O Superfluido de Polaritons é um estado novo.

[editar] Outros estados da matéria


Existem outros possíveis estados da matéria; alguns destes só existem sob
condições extremas, como no interior de estrelas mortas, ou no começo do
universo depois do Big Bang:

• Fluidos supercríticos

• Colóide

• Superfluido

• Supersólido

• Matéria degenerada

• Neutrônio

• Matéria fortemente simétrica

• Matéria debilmente simétrica

• Condensado fermiônico

• Plasma de quarks-glúons

• Matéria estranha ou materia de quarK

[editar] Estados em baixa temperatura

[editar] Superfluidos

Ver artigo principal: Superfluido

Perto do zero absoluto, alguns líquidos formam um segundo estado líquido


descrito como superfluido porque tem viscosidade zero ou fluidez infinita.
Isso foi descoberto em 1937 para o hélio, que constitui um superfluido
abaixo da temperatura lambda de 2,17 K. Neste estado, ele vai tentar
"subir" para fora do recipiente.[5] Também tem condutividade térmica
infinita, de modo que nenhum gradiente de temperatura pode se formar em
um superfluido.

Essas propriedades são explicadas pela teoria de que o isótopo comum


hélio-4 faz um condensado de Bose-Einstein (ver próxima seção), no estado
superfluido. Mais recentemente, superfluidos de condensado fermiônico tem
sido formados a temperaturas ainda mais baixas pelo raro isótopo hélio 3 e
lítio-6.[6]

[editar] Condensados de Bose-Einstein

Ver artigo principal: Condensado de Bose-Einstein

Em 1924, Albert Einstein e Satyendra Nath Bosepreviram o "condensado de


Bose-Einstein", por vezes referido como o quinto estado da matéria.
Na fase gasosa, o condensado de Bose-Einstein manteve uma previsão
teórica não verificada durante muitos anos. Em 1995, os grupos de pesquisa
de Eric Cornell e Carl Wieman, de JILA na Universidade do Colorado em
Boulder, produziram pela primeira vez esse condensado
experimentalmente. Um condensado Bose-Einstein é "mais frio" do que um
sólido. Pode ocorrer quando os átomos têm níveis quânticos muito
semelhantes (ou o mesmo), em temperaturas muito perto do zero absoluto
(-273,15 °C).

[editar] Mudanças de fase

Como a cada uma destas fases de uma substância corresponde


determinado tipo de estrutura corpuscular, há vários tipos de mudanças de
estruturas dos corpos quando muda a fase, ou de estado de aglomeração,
da substância que são feitos. A mudança de fases ocorre conforme o
diagrama de fases da substância. Mudando a pressão ou a temperatura do
ambiente onde um objeto se encontra, esse objeto pode sofrer mudança de
fase.

• Fusão - mudança do estado sólido para o líquido.Existem dois tipos de


fusão:

○ Gelatinosa - derrete todo por igual; por exemplo o plástico.

○ Cristalina - derrete de fora para dentro; por exemplo o gelo.

• Vaporização - mudança do estado líquido para o gasoso. Existem três


tipos de vaporização:

○ Evaporação - as moléculas da superfície do líquido tornam-se


gás em qualquer temperatura.

○ Ebulição - o líquido está na temperatura de ebulição e fica


borbulhando, recebendo calor e tornando-se gás.

○ Calefação - o líquido recebe uma grande quantidade de calor


em período curto e se torna gás rapidamente.

• Condensação - mudança de estado gasoso para líquido (inverso da


Vaporização).

• Solidificação - mudança de estado líquido para o estado sólido


(inverso da Fusão).

• Sublimação - um corpo pode ainda passar diretamente do estado


sólido para o gasoso.

• Re-sublimação - mudança direta do estado gasoso para o sólido


(inverso da Sublimação).

• Ionização - mudança de estado gasoso para o estado plasma.


• Desionização - mudança de estado plasma para estado gasoso
(inverso de Ionização).

Referências

1. ↑Química Total - Estados Físicos da Matéria. Página visitada em 23 de


junho de 2009.

2. ↑ ab Paulo Augusto Bisquolo. Mudanças de estado físico - Física - Uol


EducaçãoUOL. Página visitada em 23 de junho de 2009.

3. ↑Equilíbrio Líquido - Vapor do SistemaUnicamp, Departamento de


Processos Químicos. Página visitada em 23 de junho de 2009.

4. ↑ Prof. Alberto Ricardo Präss. Plasma, o quarto estado da


matériaRetirado da "Pequena Enciclopédia da Física Nuclear", de R.
Gladkov. Página visitada em 23 de junho de 2009.

5. ↑ J.R. Minkel (20 de fevereiro de 2009). Strange but True: Superfluid


Helium Can Climb Walls. Scientific American. Página visitada em
23/02/2010.

6. ↑ L. Valigra (22 de junho de 2005). MIT physicists create new form of


matter. MIT News. Páginavisitadaem 23/02/2010.

[editar] Ligações externas

• Capítulo 11 Equilíbrio de Sistemas

• Capítulo 09 Estruturas Longe do Equilíbrio

• Capítulo 08 Diagramas de Equilíbrio

Obtida de "http://pt.wikipedia.org/wiki/Estados_f%C3%ADsicos_da_mat
%C3%A9ria"

Categorias: Físico-química | Mudanças de fase | Estados físicos da matéria

Ferramentas pessoais

• Entrar / criar conta

Espaços nominais

• Artigo

• Discussão

Variantes

Vistas

• Ler
• Editar

• Ver histórico

Ações

Busca

Parte superior do formulário

Especial:Pesquisa

Pesquisa

Parte inferior do formulário

Navegação

• Página principal

• Conteúdo destacado

• Eventos atuais

• Esplanada

• Página aleatória

• Portais

• Informar um erro

Colaboração

• Boas-vindas

• Ajuda

• Página de testes

• Portal comunitário

• Mudanças recentes

• Estaleiro

• Criar página

• Páginas novas

• Contato

• Donativos
Imprimir/exportar

• Criar um livro

• Descarregar como PDF

• Versão para impressão

Ferramentas

• Páginas afluentes

• Alterações relacionadas

• Carregar ficheiro

• Páginas especiais

• Ligação permanente

• Citar esta página

Noutras línguas

• Alemannisch

• Aragonés

• ‫العربية‬

• Asturianu

• Беларуская

• Беларуская (тарашкевіца)

• Български

• Català

• Česky

• Deutsch

• Ελληνικά

• English

• Esperanto

• Español

• Eesti

• Euskara
• ‫فارسی‬

• Suomi

• Français

• Galego

• ‫עברית‬

• िहनदी

• Hrvatski

• Kreyòl ayisyen

• Magyar

• Bahasa Indonesia

• Íslenska

• Italiano

• 日本語

• ಕನನಡ

• 한국어

• Latina

• Lumbaart

• Lietuvių

• Latviešu

• Олык Марий

• Македонски

• മലയാളം

• Монгол

• Nederlands

• Norsk (nynorsk)

• Norsk (bokmål)

• Polski

• ‫پنجابی‬
• Română

• Русский

• Srpskohrvatski / Српскохрватски

• Simple English

• Slovenščina

• Shqip

• Српски / Srpski

• Svenska

• Kiswahili

• தமிழ்

• ไทย

• Türkçe

• Українська

• Tiếng Việt

• Winaray

• 中文

• Esta página foi modificada pela última vez às 17h37min de 1 de


março de 2011.

• Este texto é disponibilizado nos termos da licença Atribuição - Partilha


nos Mesmos Termos 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0); pode estar
sujeito a condições adicionais. Consulte as Condições de Uso para
mais detalhes.
ESTADOS FÍSICOS E ESTADO DE AGREGAÇÃO DAS MOLÉCULAS
Uma substância pode ser encontrada no estado físico líquido, sólido ou
gasoso. Estes diferentes aspectos são chamados de fases de agregação e
dependem da temperatura e pressão.
Para cada substância existe uma faixa de temperatura e pressão na qual
ela mantém suas características como espécie, mudando apenas de fase de
agregação.
Exemplo: a substância água, à temperatura inferior ou igual à 0°C,
submetida à pressão de 1atm, se encontra na fase sólida; entre 0°C e
100°C, submetida à mesma pressão, se encontra na fase líquida e a 100°C,
também submetida à mesma pressão, passará para a forma de vapor de
água, ou seja, fase gasosa.
Fase gasosa
Nesta fase as partículas da substância estão com maior energia cinética.
Elas ficam muito distantes umas das outras. Movem-se com muita
velocidade e colidem entre si.
Um gás qualquer colocado dentro de uma garrafa de 1litro adquire a forma
da garrafa e seu volume será de 1litro. Podemos dizer que uma substância
na fase gasosa possui forma e volume variáveis.
Por que os gases são compressíveis? Sabendo que os gases (ao contrário
dos líquidos e sólidos) não têm volume fixo, com um aumento de pressão
podemos comprimi-los, ou reduzir o seu volume.
Os gases são compressíveis porque há muito espaço entre as partículas que
os compõem.
Fase Líquida
Na fase líquida as partículas estão um pouco mais unidas em relação às
partículas da fase gasosa, mas não totalmente unidas. Não há nenhum
arranjo definido. A energia cinética é intermediária entre a fase gasosa e a
fase sólida.
As partículas nos líquidos “deslizam” umas sobre as outras e se movem.
Isto é o que proporciona a fluidez no líquido. Todos os líquidos podem fluir,
e alguns mais que os outros. A água, por exemplo, flui com mais facilidade
que o mel. Então dizemos que a água tem baixa viscosidade e que o mel
tem alta viscosidade.
Os líquidos com baixa viscosidade oferecem menor resistência para fluir.
Fase Sólida
Na fase sólida, as partículas que formam a substância possuem a menor
energia cinética; elas permanecem praticamente imóveis, unidas por forças
de atração mútuas e dispostas, em geral, de acordo com um arranjo
geométrico definido.
No caso das moléculas de água, esse arranjo é em forma de anéis, no qual
sempre há um átomo de hidrogênio entre dois de oxigênio.
O arranjo das moléculas de água, na fase sólida, é o responsável pelo
aumento do seu volume. Então, ao se congelar, a água se expande,
formando o gelo que é menos denso que a água na fase líquida.
Um bloco de mármore, sobre uma mesa, muda de forma e volume com o
passar do tempo? Podemos concluir que uma substância sólida possui
forma e volume próprios.

MUDANÇA DE FASES E GRÁFICOS


No nosso dia-a-dia observamos que o gelo se derrete sob a ação do calor
transformando-se em água. A água ferve sob calor mais intenso
transformando-se em vapor d água. A água, neste caso, apresenta três
estados: sólido, líquido e gasoso. São também chamado de estados físicos
ou estado de agregação da matéria. Quando se transformam de um estado
para o outro chamamos de Mudança de Estados Físicos. Cada
transformação recebe um nome.

sólida líquida vapor

Fusão – mudança do estado sólido para o líquido.


Vaporização – mudança do estado líquido para o gasoso.
Liquefação ou Condensação – mudança do estado gasoso para o líquido.
Solidificação – mudança do estado líquido para o sólido.
Sublimação – mudança do estado sólido para o gasoso e vice-versa.
Fonte: cienciaparavida.blogspot.com

A fusão obedece a algumas leis:


- uma determinada substância funde-se sempre na mesma temperatura,
em determinada pressão. Essa temperatura é o ponto de fusão (PF)
A água se funde a 0ºC e o ferro a 1500°C.
- durante a fusão, a temperatura permanece constante, ou seja, não é
alterada.
- durante a fusão, as substâncias aumentam de volume, exceto a água,
ferro e a prata.
A temperatura em que uma substância começa a se solidificar é a mesma
que ela começa a se fundir. O ponto de solidificação é o mesmo que o ponto
de fusão.
A mudança da fase líquida para gasosa é dada de três maneiras. A
evaporação é um processo mais lento que ocorre sem temperatura e
pressão determinada. A ebulição é um processo rápido e depende de cada
substância que possui a sua temperatura e pressão já determinada. É
caracterizada pelo aparecimento de grande quantidade de bolhas.
A ebulição obedece à algumas leis:
- as substância entram em ebulição sempre na mesma temperatura.
- durante a ebulição, a temperatura segue inalterada.
Usamos o termo liquefação para indicar o aumento de pressão,
transformando o sólido em gás.
A sublimação é um processo desencadeado a partir de uma temperatura e
pressão determinadas e não passa pela fase líquida.

Gráfico das Mudanças de Estados Físicos:


ALOTROPIA
Alotropia é a propriedade que alguns elementos químicos têm de formar
uma ou mais substâncias simples diferentes.
São alótropos: carbono, oxigênio, fósforo e enxofre.
O carbono possui dois alótropos: o diamante e o grafite.
Essas duas substâncias parecem não ter nada em comum. O grafite é um
sólido macio e cinzento, com fraco brilho metálico, conduz bem a
eletricidade e calor e tem densidade 2,25g/mL. O diamante é sólido duro (o
mais duro de todos), tem brilho adamantino, não conduz eletricidade nem
calor e tem densidade 3,51g/mL. Mas as duas têm em comum a mesma
composição química expressa pela fórmula Cn, sendo n um número muito
grande e indeterminado.
A principal diferença está no arranjo cristalino dos átomos de carbono. No
grafite formam-se hexágonos. Cada átomo de carbono é ligado a apenas
três outros átomos de carbono, em lâminas planas, fracamente atraídas
umas pelas outras. No diamante, cada átomo de carbono está ligado a
quatro outros átomos também de carbono.
O oxigênio tem dois alótropos, formando duas substâncias simples: o gás
oxigênio (O2) e o gás ozônio (O3).
O gás oxigênio é incolor e inodoro. Faz parte da atmosfera e é indispensável
à vida dos seres aeróbicos. As plantas o devolvem para a atmosfera ao
realizar a fotossíntese.
O gás ozônio é um gás azulado de cheiro forte e desagradável. Como
agente bactericida, ele é usado na purificação da água nos chamados
ozonizadores. O ozônio está presente na estratosfera, a mais ou menos
20Km a 30Km da superfície da terrestre. Ele forma uma camada que
absorve parte dos raios ultravioletas (UV) do Sol, impedindo que eles se
tornem prejudiciais aos organismos vivos.

GÁS OXIGÊNIO GÁS OZÔNIO

O fósforo tem duas formas alotrópicas principais: o fósforo branco e o


fósforo vermelho.
O fósforo branco (P4) é um sólido branco com aspecto igual ao da cera. É
muito reativo, tem densidade igual a 1,82g/mL e se funde a uma
temperatura de 44°C e ferve a 280°C. Se aquecermos a 300°C na ausência
de ar ele se transforma em fósforo vermelho, que é mais estável (menos
reativo).
O fósforo vermelho é um pó vermelho-escuro, amorfo (que não tem
estrutura cristalina). Tem densidade igual a 2,38g/mL, ponto de fusão
590°C. Cada grão de pó desta substância é formado por milhões de
moléculas P4, unidas umas às outras originando uma molécula gigante
( P∞).
O enxofre possui dois alótropos principais: o enxofre ortorrômbico ou
simplesmente rômbico e o enxofre monocíclico. As duas formas são
formadas por moléculas em forma de anel com oito átomos de enxofre (S8).
A diferença está no arranjo molecular no espaço. Produzem cristais
diferentes.
Os cristais rômbicos têm densidade 2,08g/mL e seu ponto de fusão é
112,8°C. Os monocíclicos têm densidade igual a 1,96g/mL e o ponto de
fusão é 119,2°C.
Ambos alótropos do enxofre fervem a uma temperatura de 445°C. É um pó
amarelo, inodoro, insolúvel em água e muito solúvel em sulfeto de carbono
(CS2).

Atualizado em ( 03-Abr-2010 )

<
Próxim
Anterio
o>
r

JoomlaTemplatesbyJoomlashack