Você está na página 1de 10

DOI: 10.1590/1413-81232020256.

24662018 2193

Treino de estimulação de memória e a funcionalidade do idoso

Artigo Article
sem comprometimento cognitivo: uma revisão integrativa

Memory stimulation training and the functionality of the elderly


without cognitive impairment: an integrative review

Erika Carla Cavalcanti Gomes (https://orcid.org/0000-0003-3156-7053) 1


Sandra Lopes de Souza (https://orcid.org/0000-0001-5695-7344) 1
Ana Paula de Oliveira Marques (https://orcid.org/0000-0003-0731-8065) 1
Marcia Carrera Campos Leal (https://orcid.org/0000-0002-3032-7253) 1

Abstract The scope of this article is to identify Resumo O objetivo deste artigo é identificar as
the repercussions of the effect of memory stimu- repercussões do efeito de estimulação de memó-
lation in healthy elderly individuals. It is an inte- ria em idosos saudáveis. Revisão integrativa da
grative review of the literature, namely of articles literatura, de artigos publicados nos últimos sete
published in the last seven years in English, Por- anos, nos idiomas inglês, português e espanhol. A
tuguese and Spanish. The selection was performed seleção foi realizada por meio de cruzamentos dos
through cross-checking of key words: health of the descritores: saúde do idoso, memória e cognição,
elderly, memory and cognition in the Lilacs, Med- nas bases de Lilacs, Medline e IBECS. Os critérios
line and IBECS databases. The inclusion criteria de inclusão foram: ser artigo original; responder a
were: original article; addressing key issue; full text questão norteadora; ter disponibilidade eletrônica
electronically available; population 60 years and na forma de texto completo; ter como população
above without diagnosis of cognitive impairment. de estudos idosos a partir de 60 anos sem diag-
Twelve articles were selected and it was identified nóstico de comprometimento cognitivo. Foram
that the effect of memory stimulation in the el- selecionados 12 artigos e identificado que o efeito
derly without cognitive impairment can improve de estimulação de memória em idosos sem com-
performance in advanced, instrumental and basic prometimento cognitivo pode melhorar no desem-
activities of daily living and in psychological, so- penho nas atividades avançadas, instrumentais e
cial and quality of life components in the elderly. básicas de vida diária, nos componentes psicológi-
Based on analysis of the articles it is important to cos, sociais e de qualidade de vida dos idosos. De
emphasize the need for further longitudinal and acordo com a análise dos artigos é importante res-
intervention studies focused on cognitive stimula- saltar a necessidade de mais estudos longitudinais
tion in the elderly without cognitive impairment e de intervenção com foco na estimulação cogni-
and that future research can overcome such lim- tiva em idosos sem comprometimento cognitivo e
itations by working towards efficient monitoring que futuros estudos podem superar tais limitações
and evaluation, which is more rigorous and com- através de pesquisas na área que visem um bom
1
Centro de Ciências da mitted to facilitate the cognitive performance of monitoramento e avaliações mais rigorosas, em-
Saúde, Universidade the elderly in daily activities. penhadas em facilitar o desempenho cognitivo dos
Federal de Pernambuco.
Av. da Engenharia, Cidade Key words Health of the Elderly, Memory, Cog- idosos nas atividades cotidianas.
Universitária. 50670- nition Palavras-chave Saúde do Idoso, Memória, Cog-
420 Recife PE Brasil. nição
erikacarlagomes@
yahoo.com.br
2194
Gomes ECC et al.

Introdução As queixas de memória mais comuns entre


a população idosa estão ligadas a dificuldade de
O crescimento populacional é uma realidade, armazenar informações recentes, conseguir res-
especialmente tratando-se da população idosa, gatá-las e manter-se atento nas atividades do co-
cada vez mais evidente nos países em desenvolvi- tidiano5. Normalmente, são indivíduos que não
mento, a exemplo do Brasil, cuja expectativa para lembram nomes de pessoas conhecidas, compro-
os próximos 20 anos poderá chegar a aproxima- missos importantes, objetos pessoais, esquecem
damente 30 milhões de idosos, ou seja, 13% da onde guardaram documentos e dinheiro, fogo
população1. Essa realidade também é um reflexo aceso, administração de medicamentos entre ou-
dos avanços da medicina moderna, da redução tros acontecimentos que estão diretamente rela-
da mortalidade e do aumento da expectativa de cionados com o seu desempenho no dia a dia e
vida. No entanto, tais aspectos podem alertar que podem acarretar em dificuldades na manu-
quanto à incidência de afecções e distúrbios ad- tenção de sua autonomia6.
vindos da idade, principalmente doenças crôni- Os prejuízos funcionais decorrentes das quei-
cas degenerativas que irão repercutir diretamente xas de memórias podem acarretar nos idosos a
na capacidade funcional do idoso2. perda da autoestima, sentimento de inutilida-
Dentre as diversas alterações fisiológicas de, isolamento social, familiar e desencadear o
oriundas do processo natural de envelhecimento, aparecimento de outras doenças, a exemplo dos
a exemplo do processo de atrofia cerebral, dila- transtornos de ansiedade e depressão7. Pesqui-
tação de sulcos e ventrículos e a perda de neurô- sas científicas sugerem que as falhas advindas da
nios, componentes relevantes para a manutenção memória e o envelhecimento é um fenômeno
da capacidade cognitiva, em destaque, a memó- inato do processo natural da senescência, apesar
ria, elemento que está intimamente envolvida na de ainda não haver estudos conclusivos sobre o
funcionalidade e na participação do idoso na so- comprometimento cognitivo se tratar de um fato
ciedade3. inexorável do envelhecimento ou se é oriundo de
A capacidade funcional é um importante in- um fenômeno multifatorial que resulta de um
dicador para o envelhecimento bem sucedido, decréscimo de estímulos sociais, psicológicos e
porém vale considerar que os conceitos de “de- biológicos8,9.
sempenho” e “capacidade funcional” são distin- Nesse contexto, a evolução do declínio cogni-
tos, mas que se complementam: o primeiro ava- tivo seja advinda de um processo fisiológico ou
lia as atividades cotidianas que o idoso realiza no não, as queixas subjetivas sobre o desempenho
seu dia a dia; e o segundo analisa o potencial que mnemônico são reais no cotidiano dos idosos e
o indivíduo possui para executar tais tarefas. É devem ser investigadas e promover procedimen-
avaliada por meio de instrumentos padronizados tos e estratégias de intervenção capazes de mini-
que analisam o desempenho dos idosos nas ati- mizar os déficits do declínio cognitivo e promo-
vidades básicas de vida diária (ABVD), que são: ver ações de prevenção à saúde do idoso10.
tomar banho, se vestir, ir ao banheiro, e ativida- Sendo assim, o objetivo desta revisão integra-
des instrumentais de vida diária (AIVD), como tiva foi identificar quais as relações entre o treino
telefonar, gerir finanças, realizar compras e nas de estimulação de memória em idosos sem com-
atividades avançadas de vida diária (AAVD), que prometimento cognitivo e sua funcionalidade.
são tarefas baseadas em condutas intencionais,
envolvidas com o funcionamento físico, mental
e social e que permitem ao indivíduo desenvolver Método
múltiplos papeis sociais e a manutenção de boa
saúde mental e qualidade de vida4,5. Trata-se de uma revisão integrativa da literatura,
Estudos indicam que diversos fatores podem cujo método permite uma investigação criteriosa
ser determinantes ao envelhecimento cognitivo: e sistematizada sobre determinada problemática
eventos biológicos, hábitos de vida e o ambien- no campo científico, com o objetivo de identificar
te no qual o idoso está inserido. Geralmente, tais eventuais lacunas do conhecimento científico11.
aspectos favorecem a degeneração psicobiológica Para a construção desta revisão de literatura
característica do processo de envelhecimento e foram estipuladas as seguintes etapas: estabeleci-
que promove a inatividade e o déficit nas habili- mento da questão norteadora, seleção e obtenção
dades cognitivas, e assim as queixas de memória dos artigos (critérios de inclusão e exclusão);
relacionadas com as atividades de vida diária fi- avaliação dos estudos pré-selecionados; discus-
cam mais evidentes no cotidiano dos idosos5. são dos resultados e apresentação da revisão
2195

Ciência & Saúde Coletiva, 25(6):2193-2202, 2020


integrativa12. Na primeira etapa na pesquisa foi O AHRQ é uma avaliação que destaca dos
estruturada a seguinte questão norteadora: Quais estudos em seis níveis de evidência: (1) revisão
as evidências científicas publicadas nos últimos sistemática ou metanálise; (2) ensaios clínicos
sete anos que identificaram as relações sobre o randomizados; (3) ensaios clínicos sem rando-
efeito do treino de estimulação de memória na mização; (4) estudos de coorte e de caso-contro-
funcionalidade do idoso sem comprometimento le; (5) revisão sistemática de estudos descritivos
cognitivo? e qualitativos e (6) único estudo descritivo ou
A etapa seguinte foi selecionar os artigos, qualitativo12.
através da busca por publicações da literatura As avaliações supracitadas contemplam em
científica, no período de janeiro 2009 a maio de sua análise: a identificação do artigo original, as
2017, nos idiomas inglês, português e espanhol, características metodológicas do estudo e a ava-
na base de dados da Biblioteca Virtual em Saúde liação dos resultados selecionados nesta revisão.
(BVS), na qual é possível realizar buscas simultâ-
neas nas principais bases de dados científicos na-
cionais e internacionais: Lilacs (Literatura Latino Resultados
-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde),
Medline (Literatura Internacional em Ciências Realizados os possíveis cruzamentos entre os
da Saúde), IBECS (Índice bibliográfico Espanhol descritores pré-estabelecidos, foram encontra-
de Ciências da Saúde). dos 360 artigos, que passaram por uma prévia
Os critérios de inclusão estabelecidos para a seleção por meio da leitura dos títulos e resumos,
seleção dos artigos foram: ser artigo original; res- quando necessário. Ao término dessa fase foram
ponder a questão norteadora; ter disponibilidade selecionados 47 artigos e lidos na íntegra com o
eletrônica na forma de texto completo, publicado objetivo de identificar os mesmos aos critérios de
no período pré-determinado nos idiomas supra- inclusão atribuídos a esta revisão (Figura 1).
citados; ter como população de estudos idosos Após a etapa supracitada, foram excluídos
sem diagnóstico de comprometimento cognitivo. 35 artigos, gerando-se uma amostra final de 12,
Foram excluídos: pesquisas que consideraram apresentados no Quadro 1. Na base de dados Me-
idosos indivíduos com idade inferior a 60 anos, dline foram encontrados seis artigos que se en-
estudos repetidos em uma ou mais bases de da- quadram nos critérios de inclusão mencionados
dos. anteriormente, destes cinco foram publicados na
Para selecionar os artigos foram utilizadas língua inglesa no ano de 2015. Na Lilacs foram
três palavras chaves indexadas nos Descritores incluídos seis estudos, cinco na língua portu-
em Ciências da Saúde (DeCS): saúde do idoso, guesa entre os anos 2012 e 2010, e no IBECS não
memória e cognição. A partir da escolha dos foram encontrados artigos referente ao tema da
termos mencionados, foram realizadas todas as pesquisa.
possibilidades de cruzamentos entre os descrito- No que diz respeito às origens das publica-
res selecionados, por meio de duas estratégias de ções, foram selecionados sete artigos internacio-
busca (A e B). No método A as palavras foram nais em países da América do sul, da Europa e
cruzadas utilizando-se o ícone AND; e na estra- da Ásia. No cenário nacional, foram seleciona-
tégia B através do ícone OR. dos cinco artigos publicados nas áreas: geriatria,
A análise crítica dos artigos pré-selecionados saúde pública e psicologia. Quanto ao desenho
foi realizada a partir da aplicação de dois ins- metodológico dos artigos selecionados, verifi-
trumentos: Critical Appraisal Skill Programme cou-se que 10 utilizaram como método estudos
(CASP) e Agency for Healthcare and Research de intervenção e dois utilizaram o delineamento
and Quality (AHRQ). A utilização das avaliações transversal.
supracitadas teve o objetivo de analisar a quali- De acordo com os artigos selecionados, 42%
dade metodológica dos estudos incluídos nesta estudaram os efeitos da estimulação de memória
revisão integrativa11,12. em relação ao desempenho dos idosos nas ativi-
A CASP é um instrumento que classifica os dades avançadas de vida diária e 70% dos estu-
artigos de acordo com pontuações que variam de dos utilizaram o Mini Exame do Estado Mental
seis a dez (boa qualidade metodológica e viés re- (MEEM) nas intervenções. Em relação à popula-
duzido e cinco pontos ou menos (qualidade me- ção estudada em 80% das pesquisas o percentual
todológica satisfatória, mas com risco considerá- de participantes do sexo feminino foi superior a
vel. Nesta revisão foram considerados os artigos masculina e 20% dos estudos estudaram especifi-
classificados entre 6 a 10 pontos12. camente a população de mulheres idosas.
2196
Gomes ECC et al.

decorrer do processo de envelhecimento, inde-


pendente do diagnóstico de comprometimento
Estudos relacionados cognitivo. A memória episódica, operacional,
ao tema (n=360) atenção e concentração são componentes que
Medine=215
LILACS=130
geralmente estão associados aos déficits na co-
IBECS=15 dificação e na recuperação de informação nos
Estudos excluídos (n=313)
idoso e enfatizam que o treino cognitivo pode
Estudos em duplicata=64 melhorar o desempenho da memória e ajudar na
Estudos não relacionados manutenção da funcionalidade do idoso na exe-
ao tema=100 cução de atividades cotidianas.
Estudos que não Quanto às recomendações mais de 60% dos
responderam a questão
norteadora=95
estudos revelaram que o treino de estimulação de
Estudos com indivíduos memória pode ser um fator de proteção na ma-
não idosos=30 nutenção do declínio cognitivo e da capacidade
Estudos de revisão=24 funcional dos idosos, principalmente no que se
refere às atividades avançadas de vida diária, e
Estudos lidos sugerem que os exercícios para a estimulação de
na íntegra
(n=47)
memória têm melhor efeito quando associados
Estudos não incluídos no com tarefas realizadas no dia a dia.
estudo, por não atenderem Os artigos internacionais enfatizaram a ne-
aos critérios de avaliação cessidade de mais estudos na temática em ques-
metodológica da CASP tão, visto que tais pesquisas podem contribuir
(n=35)
Estudos para o planejamento e a execução de interven-
incluídos ções direcionadas para a prevenção de doenças
na revisão relacionadas com o comprometimento cognitivo
(n=12) e, principalmente, comprometidas com a promo-
ção da saúde e qualidade de vida dos idosos.

Figura 1. Diagrama dos estudos incluídos e excluídos


de acordo com os critérios de inclusão e exclusão Discussão
estabelecidos para o estudo.
O envelhecimento populacional é uma realidade
nos países desenvolvidos e em desenvolvimento
e constitui um desafio para diversos setores da
sociedade, destacando-se o da saúde13. Tais mu-
danças do perfil populacional mundial também
Apenas 25% dos artigos selecionados não sugerem alterações no cenário epidemiológico
possuíam características de intervenção, mas sim desses indivíduos, principalmente no que se re-
de avaliação e acompanhamento, estes artigos fere a doenças crônico-degenerativas, a exemplo
foram incluídos neste estudo pelo fato de consi- das doenças desencadeadas por declínio cogniti-
derarem a realização das atividades produtivas e vo e alterações de humor14.
de vida diária como exercícios que estimulam a A equivalência de artigos internacionais e na-
memória quando comparados a idosos que não cionais incluídos nesta pesquisa sinaliza o quanto
realizam ou deixaram de realizar tais tarefas. essa realidade é relevante e que necessita ser estu-
Identificou-se também que 50% dos estu- dada com cautela, visto que a percepção do fun-
dos apontaram que a estimulação cognitiva em cionamento cognitivo é considerada um indica-
idosos sem comprometimento nas habilidades dor importante na condição de saúde dos idosos,
mnemônicas tem efeito positivo em componen- pois podem potencializar morbidades neuropsi-
tes psicológicos, relações sociais e na qualidade cológicas, como depressão e ansiedade, e assim
de vida e destacam a necessidade de intervenções interferir na qualidade de vida desses indivíduos.
com atividades voltadas a tarefas que são signi- Estudos sugerem que o treino mnemônico
ficativas para a manutenção da autonomia dos pode estimular alterações no funcionamento
idosos. cognitivo e promover melhoras da funcionali-
Todos os artigos selecionados afirmaram dade e independência do idoso14-16. Tal assertiva
que a memória sofre alterações significativas no pode ser observada de acordo com o quantitativo
2197

Ciência & Saúde Coletiva, 25(6):2193-2202, 2020


Quadro 1. Apresentação da síntese dos trabalhos incluídos na revisão integrativa.
Ano de
N Artigo/autor Periódico Idioma Principal objetivo
publicação
Lifetime Occupation Health Care 2015 Inglês Comparar o desempenho
01 and Late-Life Cognitive Women Int; cognitivo de idosas que
Performance Among trabalhavam como donas de
Women. casa e àquelas que trabalhavam
(Ribeiro PCC, Lorenço RA) regularmente remuneradas.
02 Efficacy of memory BMC Geriatra; 2015 Inglês Avaliar a eficácia de oficinas de
training in healthy memória nas habilidades de
community-dwelling autopercepção, função executiva
older people: study e qualidade de vida em idosos
protocol for a saudáveis.
randomized controlled
trial.
(Perez A. et al.)
03 Cognitive performance Dement. 2015 Inglês Investigar a relação entre
and engagement in neuropsychol; o engajamento de idosos
physical, social and sem diagnóstico de
intellectual activities in comprometimentos cognitivos
older adults: The FIBRA nas atividades avançadas de vida
study diária e domínios da cognição
(Sposito G, Yassuda MS) em idosos residentes em sete
localidades brasileiras.
04 Advance Activities of Cad Saude 2015 Português Avaliar o impacto das atividades
daily living and incidence Publica; avançadas de vida diária na
of decline in the elderly incidência de declínio cognitivo
the SABE study. em idosos sem déficit cognitivo.
(Dias EG et al.)
05 Interventions for older Int J Geriatr 2015 Inglês Comparar três intervenções
persons reporting Psychiatry diferentes para pessoas que
memory difficulties: a relatam dificuldades de memória:
randomized controlled promoção da saúde, formação
pilot study. (Cohen- cognitiva e um curso centrado na
Mansfield J. et al) participação
06 Memory banking: a life J Aging Health; 2015 Inglês O objetivo deste estudo é analisar
story intervention for a viabilidade de Bancos de
aging preparation and memória e determinar o impacto
mental health promotion. da intervenção na saúde mental,
(Zanjani F, Downer BG, apoio social e qualidade de vida
Hosier AF, Watkins JD) em mulheres idosas
07 Treino cognitivo em Psico USF 2012 Português Testar a eficácia de treino
adultos maduros e idosos: (Impr.); cognitivo de seis sessões, baseado
impacto de estratégias na apresentação e prática
segundo faixas de de estratégias de memória
escolaridade (categorização) e na realização
(Teixeira-Fabrício A. et al.) de atividades que recrutam as
funções executivas, oferecido a
idosos saudáveis.
08 Desempenho cognitivo Rev. bras. 2012 Português Comparar o desempenho
em diferentes níveis de geriatra. cognitivo em diferentes níveis
escolaridade de adultos e gerontol. de escolaridade de indivíduos
idosos ativos (Impr.); adultos e idosos praticantes de
(Coelho FM. et al.) atividade física.
continua
2198
Gomes ECC et al.

Quadro 1. Apresentação da síntese dos trabalhos incluídos na revisão integrativa.


Ano de
N Artigo/autor Periódico Idioma Principal objetivo
publicação
09 Efeitos de um treino Psicol. (Univ. 2012 Português Verificar os efeitos de um treino
de atenção, memória Fed. Rio Gd. Sul, de atenção, memória e funções
e funções executivas Impr.); executivas na cognição de idosos
na cognição de idosos saudáveis.
saudáveis
(Irigaray TQ, Filho IG,
Schneider RH)
10 Treino cognitivo Rev. bras. 2011 Português Testar a eficácia de um programa
para idosos baseado geriatr. gerontol. de treino cognitivo baseado
em estratégias de (Impr.); em tarefas ecológicas, que
categorização e cálculos mimetizam tarefas de compra,
semelhantes a tarefas do envolvendo a memorização de
cotidiano itens de supermercado e cálculos
(Silva TBL) matemáticos simples.
11 Efeitos de um treino Psicol. (Univ. 2011 Português Verificar os efeitos de um treino
cognitivo na qualidade Fed. Rio Gd. cognitivo na qualidade de vida
de vida e no bem-estar Sul, Impr.); Cad e no bem-estar psicológico de
psicológico de idosos Saude Publica; idosos.
(Irigaray TQ, Schneider
RH, Gomes I)
12 Treino de memória Psicol. (Univ. 2010 Português Verificar os efeitos do treino de
episódica com ênfase em Fed. Rio Gd. memória episódica com idosos
categorização para idosos Sul, Impr.); Cad saudáveis brasileiros
sem demência e depressão Saude Publica;
(Carvalho FCR, Neri AL,
Yassuda MS)

encontrado de artigos selecionados para este es- pelas perdas nas atividades instrumentais de vida
tudo que utilizaram a intervenção do tipo caso- diária (AIVD) e atividades básicas de vida diá-
controle na metodologia, e que possibilita testar ria (ABVD)17. Os estudos supracitados sugerem
hipóteses de causalidade entre efeito da estimu- que alterações no desempenho das AAVD podem
lação cognitiva e a funcionalidade do idoso. Fato representar primeiros sinais de comprometimen-
que justifica a maioria dos artigos apresentarem tos cognitivos leves que podem gerar dificulda-
nível de evidência superior a seis, de acordo com des no desempenho de habilidades para manter
a análise metodológica. o trabalho, viajar e planejar viagens, participação
No entanto, estudos de treino cognitivo no em grupos ou movimentos comunitários, dirigir,
Brasil ainda são escassos, não havendo dados planejar eventos ou jogar.
suficientes para confirmar se os achados nas pu- As AAVD estão ligadas com atividades voli-
blicações internacionais podem ser comparados tivas e são influenciadas por contextos sociais,
à nossa população, considerando que as caracte- culturais e fatores motivacionais e essas questões
rísticas sociodemográficas e epidemiológicas são irão refletir em uma vida comunitária indepen-
diferentes5. Neste estudo foi possível identificar dente17,18. O artigo 01 selecionado para esta re-
que o número de publicações internacionais re- visão faz uma reflexão sobre essa assertiva, que
centes é superior às pesquisas realizadas no âm- a manutenção de atividades profissionais e não
bito nacional. profissionais no envelhecimento pode estar asso-
Outra questão importante que foi ressaltada ciada ao melhor funcionamento cognitivo.
nos artigos 01,02, 04, 06, 07, 09 e 10 (Quadro 1) Os artigos selecionados indicaram a predo-
é a relação entre o declínio cognitivo e as perdas minância do sexo feminino em suas amostras.
funcionais, principalmente na execução das ativi- Não existe na literatura científica um consenso
dades avançadas de vida diária (AAVD) seguidas sobre tal questão, mas sabe-se que as mulheres
2199

Ciência & Saúde Coletiva, 25(6):2193-2202, 2020


idosas, geralmente, têm uma expectativa maior cognitivo ainda são considerados temas pouco
que a dos homens e culturalmente estão mais en- estudados, principalmente tratando-se em estu-
volvidas nas atividades de controle e manutenção dos longitudinais e de intervenção27,28. O presente
domiciliar e que, por isso, têm uma melhor per- estudo observou que os trabalhos nacionais de-
cepção da relação entre as falhas de memória e a vem ter um maior investimento em testar a eficá-
capacidade funcional18. cia de programas de reabilitação cognitiva para a
No entanto, os artigos internacionais refor- população em questão e comprometidos com os
çam a importância do ambiente como fonte de desafios cognitivos diários dos idosos.
experiência cerebral que podem estimular na No envelhecimento saudável existe a possibi-
formação e manutenção de reservas cognitivas19. lidade de compensação dos déficits cognitivos29,30.
Desse modo, fatores ligados à escolaridade, ativi- As pesquisas selecionadas para esta revisão indi-
dades laborais, lazer vivenciadas ao logo da vida, caram que o idoso saudável é capaz de aproximar
poderiam favorecer o crescimento neuronal e se desempenho atual com sua capacidade máxi-
neuroplasticidade e assim postergar o apareci- ma, por meio da plasticidade cognitiva.
mento de déficits cognitivos. De um modo geral objetivo de uma revisão
Pesquisas sinalizam que os padrões de ativi- integrativa consiste em combinar estudos de
dade e as redes neurais são construídos no início diversas metodologias, áreas de conhecimento
da vida e podem ter um papel determinante para e permite combinar informações que ajudam a
manter a saúde cognitiva durante o processo de identificar possíveis lacunas nos estudos e con-
envelhecimento19-21. Os estudos de treino de me- sequentemente, nas intervenções clínicas. No en-
mória selecionados nesta revisão acreditam que tanto, se ressalta que os meios de divulgação das
os idosos têm capacidade de aprender e empregar pesquisas ainda são limitados devido às exigên-
estratégias mnemônicas e que os efeitos advindos cias dos periódicos científicos, sendo a necessi-
dessas estimulações podem ser usados nas ativi- dade de outros idiomas e de recursos financeiros
dades cotidianas e que as repercussões positivas para obtenção das informações fatores limitantes
podem ser mantidas em até seis meses. para a elaboração desta revisão.
Desse modo, a literatura científica a respeito
do treino de memória confirma a noção da plas-
ticidade da memória no envelhecimento, mas Conclusão
sugere limitação na generalização e manutenção
dos efeitos desses programas, e enfatiza a impor- A partir do objetivo desta revisão integrativa foi
tância no planejamento de atividades que sejam possível identificar as relações sobre efeito do
significativas nas tarefas cotidianas dos idosos22,23. treino de estimulação cognitiva em idosos sau-
Neste estudo de revisão observou-se que os dáveis e sua funcionalidade, destacando-se que
programas de treino de estimulação cognitiva tal intervenção pode favorecer a melhora no de-
diferem em diversos aspectos, a exemplo da du- sempenho nas AAVD, AIVD, ABVD, e na possi-
ração, estratégias e metodologias, e por isso são bilidade de favorecer o desempenho atual com
encontradas diversas repercussões relacionadas sua capacidade funcional máxima, e consequen-
aos seus efeitos e quanto à manutenção em longo temente, na promoção da qualidade de vida do
prazo. No entanto, existe um consenso entre os idoso.
estudos selecionados que os treinos têm o objeti- No que diz respeito às lacunas no conheci-
vo de maximizar as funções cognitivas e prevenir mento encontradas sobre a temática estudada,
futuros declínios cognitivos. sugere-se a necessidade de mais investimentos
Nos estudos internacionais é possível perce- em estudos longitudinais, de intervenção, com-
ber um quantitativo significativo de pesquisas prometidos em incentivar a realização de progra-
sobre treino cognitivo em idosos sem diagnósti- mas de estimulação cognitiva em idosos, sobre-
co de demência e/ou depressão24-26. Todos os arti- tudo saudáveis, capazes de contribuir para um
gos internacionais selecionados apontaram para melhor monitoramento da capacidade funcional
a importância de se investir em mais estudos de e na prevenção de doenças neurodegenerativas, e
intervenção com o objetivo de realizar mais pro- assim, favorecer a autonomia e a independência
gramas voltados à prevenção do aparecimento de dos idosos.
declínio cognitivo e principalmente, de promo- Em síntese, deve-se ressaltar a importância do
ção da saúde do idoso. tema referente às informações supracitadas para
No Brasil, os artigos científicos sobre memó- o campo da Neurociência, Geriatria e Geronto-
ria com foco em idosos sem comprometimento logia, visto que o bom funcionamento cognitivo
2200
Gomes ECC et al.

está diretamente interligado com a capacidade


funcional do idoso. Futuras pesquisas podem
superar as limitações e as lacunas apresentadas
neste estudo com inclusão de estudos com mo-
nitoramento e avaliações mais rigorosas e empe-
nhadas em facilitar e aprimorar o desempenho
nas atividades cotidianas.

Colaboradores

ECC Gomes – Trabalhou na concepção, análi-


se dos dados e na redação do artigo; SL Souza e
MCC Leal – Trabalharam na revisão crítica do
artigo; APO Marques – Trabalhou na redação do
artigo e revisão crítica.
2201

Ciência & Saúde Coletiva, 25(6):2193-2202, 2020


Referências

1. López Perez-Dias AGL, Calero MD, Navarro-Gonzá- 15. Diniz BS, Nunes PV, Yassuda MS, Pereira FS, Flaks
lez E. Prediction of cognitive impairment in the el- MK, Viola LF, Radanovic M, Abreu ID, Borelli DT,
derly by analyzing their performance in verbal fluency Gattaz WF, Forlenza OV. Mild cognitive impairment:
and in sustained attention. Rev Neurol 2013; 56(1):1- cognitive screening or neuropsychological assess-
7. ment? Rev Bras Psiquiatr 2008; 30(4):316-321.
2. Willis SL, Tennstedt SL, Marsiske M, Ball K, Elias J, 16. Ramos LR. Fatores determinantes do envelhecimento
Koepke KM, Morris JN, Rebok JW, Unverzagt FW, saudável em idosos residentes em centro urbano: Pro-
Stoddard AM, Wright E, ACTIVE Study Group. For jeto Epidoso. Cad Saude Publica 2003; 19(3):793-797.
the ACTIVE Study Group, Long-term effects of cog- 17. Glei DA, Landau DA, Goldman N, Chuang Y, Rodrí-
nitive training on everyday functional outcomes in guez G, Weinstein M. Participating in social activities
older adults. JAMA 2006; 296(23):2805-2814. helps preserve cognitive function: an analysis of a lon-
3. Jonaitis E, La Rue A, Mueller KD, Koscik RL, Her- gitudinal, population-based study of the elderly. Int J
mann B, Sager MA. Cognitive activities and cognitive Epidemiol 2005; 34(4):864-871.
performance in middle-aged adults at risk for Alzhei- 18. Barnes DE, Cauley JE, Lui L-Y, Fink HA, McCulloch
mer’s disease. Psychol Aging 2013; 28(4):1004-1014 C, Stone KL, Yaffe K. Women who maintain optimal
4. Carvalho FCR, Neri AL, Yassuda MS. Treino de me- cognitive function into old age. J Am Geriatr Soc 2007;
mória episódica com ênfase em categorização para 55(2):259-264.
idosos sem demência e depressão. Psicologia Reflexão 19. Adam S, Bonsang E, Grotz C, Perelman S. Occupatio-
e Crítica 2010; 23(2):317-323. nal activity and cognitive reserve: implications in ter-
5. Yassuda MS, Tavares SS, Fortes AG, Neri AL. Treino de ms of prevention of cognitive aging and Alzheimer’s
memória em idosos saudáveis: Mecanismos e benefí- disease. Clin Interv Aging 2013; 8:377-390.
cios. Psicologia, Reflexão e Crítica 2006; 19(3):470-481. 20. Akbaraly TN, Portet F, Fustinoni S, Dartigues JF, Ar-
6. Aarsten MJ, Smits CH, Van Tiburg T, Knipscheer KCP, tero S, Rouaud O, Touchon J, Ritchie K, Berr C. Lei-
Deeg JH. Activity in older adults: cause or consequen- sure activities and the risk of dementia in the elderly:
ce of cognitive functionning? A longitudinal study on results from the Three-City Study. Neurology 2009;
everyday activities and cognitive performance in older 73(11):854-861.
adults. The Journals of Gerontology 2003; 57 B(2):153- 21. Archat H, Caramelli P, Sameshima K, Nitrini R. Declí-
162. nio da capacidade cognitiva durante o envelhecimen-
7. Lasca VB. Treinamento de memória no envelhecimento to. Revista Brasileira de Psiquiatria 2005; 27(12):79-82.
normal: um programa aplicado a idosos [tese]. Campi- 22. Barulli D, Stern Y. Efficiency, capacity, compensation,
nas: Universidade Estadual de Campinas; 2003. maintenance, plasticity: emerging concepts in cogni-
8. Salmazo-Silva H, Yassuda M. S. Memory training tive reserve. Trends Cogn Sci 2013; 17(10):502-509.
for older adults with low education: mental images 23. De Vriendt P, Gorus E, Cornelis E, Velghe A, Petrovic
versus categorization. Educational Gerontology 2009; M, Mets T. The process of decline in advanced activi-
35(10):890-905. ties of daily living: a qualitative explorative study in
9. Castro-Costa E, Dewey ME, Uchôa E, Firmo JO, Li- mild cognitive impairment. Int Psychogeriatr 2012;
ma-Costa MF, Stewart R. Trajectories of cognitive de- 24(6):974-986.
cline over 10 years in Brazilian elderly population: the 24. Vriendt P, Gorus E, Cornelis E, Velghe A, Petrovic M,
Bambuí Cohort Study of Aging. Cad Saude Publica Mets T. The advanced activities of daily living: a tool
2011; 27(Supl. 3):S345-350. allowing the evaluation of subtle functional decline in
10. Argimon IIL, Stein LM. Habilidades cognitivas em in- mild cognitive impairment. J Nutr Health Aging 2013;
divíduos muito idosos: um estudo longitudinal. Cad 17(1):64-71.
Saude Publica 2005; 21(1):64-72. 25. Guerreiro TC, Veras R, Motta LB. Queixa de memória
11. Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão In- e disfunção objetiva de memória em idosos que in-
tegrativa: método de pesquisa para incorporação de gressam na Oficina da Memória na UnATI/UERJ. Rev.
evidências na saúde e na Enfermagem. Texto Contexto Bras. Geriatr. Gerontol 2006; 9(1):7-20.
Enferm 2008; 17(Supl. 4):758-764. 26. Argimon IIL, Stein LM, Xavier FMF, Trentini CM. O
12. Souza MT, Silva MD, Carvalho R. Revisão integrativa: impacto de atividades de lazer no desenvolvimento
o que é e como fazer. Einstein 2010; 8(Supl. 1):102- cognitivo de idosos. Revista Brasileira de Ciências do
106. Envelhecimento Humano 2004; 1(1):38-47.
13. Vancarenghi RV, Santos SSC, Barlen ELD, Pelzer MT, 27. Souza JN, Chaves EC. O efeito do exercício de esti-
Gomes GC, Lange C. Alterações na funcionalidade/ mulação da memória em idosos saudáveis. Revista da
cognição e depressão em idosos institucionalizados Escola de Enfermagem da USP 2006; 39(10):13-19.
que sofreram quedas. Acta paul enferm 2011; 24(Supl. 28. Garcia EL, Banegas JR, Pérez-Regadera AG. Social ne-
6):828-833. twork and health-related quality of life in older adults:
14. D’Orsi E, Xavier AJ, Ramos LR. Trabalho, suporte so- A population-based study in Spain. Quality of Life Re-
cial e lazer protegem idosos da perda funcional: Estu- search 2005; 14(2):511-520.
do Epidoso. Rev Saude Publica 2011; 45(4):685-692.
2202
Gomes ECC et al.

29. Carvalho FCR, Neri AL, Yassuda MS. Treino de me-


mória episódica com ênfase em categorização para
idosos sem demência e depressão. Psicol. Reflex. Crít
2010; 23(2):317-332.
30. Almeida MHM, Berger, M.L.M, Watanabe, H.A.W.
Oficina de memória para idosos: estratégia para
promoção da saúde. Interface (Botucatu) 2007;
11(22):271-280.

Artigo apresentado em 12/03/2018


Aprovado em 26/11/2018
Versão final apresentada em 28/11/2018

CC BY Este é um artigo publicado em acesso aberto sob uma licença Creative Commons