Você está na página 1de 4

Artigos - gabarito comentado

01) Na frase Passaram dois homens a discutir, um a gesticular e o outro com a cara
vermelha, o termo a está empregado, sucessivamente, como:
a)    artigo, preposição, preposição
b)   pronome, preposição, artigo
c)    preposição, preposição, artigo
d)   preposição, pronome, preposição
e)   preposição, artigo, preposição

Os vocábulos o, a, os, as podem pertencer às seguintes classes gramaticais:


Artigo: quando antecederem um substantivo: o homem; a mulher; os homens; as mulheres.
Pronome pessoal oblíquo átono: quando funcionarem como objeto direto, substituindo ele, ela,
eles, elas: Comprei-o; comprei-a; comprei-os, comprei-as.
Pronome demonstrativo: quando substituírem este(s), esse(s), aquele(s), esta(s), essa(s),
aquela(s), isso: Não entendi o que ele disse = Não entendi aquilo que ele disse. A que me
contou a história foi a esposa de João = Aquela que me contou...
Preposição: O a será preposição quando for exigido por verbo, substantivo, adjetivo ou advérbio
para estes se ligarem a outros elementos: Obedecer a algo; obediência a algo; ele é obediente a
algo; agiu obedientemente a algo.
 
Na frase apresentada há o seguinte:
Passaram dois homens a discutir, um a gesticular e o outro com a cara vermelha.
... a discutir... e ...a gesticular...: o a é preposição, pois ligam um verbo a outro:  passar a
discutir; passar a gesticular. Em Portugal, é muito comum o uso da prep. a + infinitivo; no Brasil,
usamos gerúndio: a discutir = discutindo; a gesticular = gesticulando.
... a cara...: o a é artigo, pois antecede o substantivo cara.

 
02) Qual a classe gramatical do a respectivamente em
a)    Esta gravata é a que recebi.
b)   Estou disposto a tudo.
c)    Fiquei contente com a nota.
d)   Comprei-a logo que a vi.
 
Em a que recebi o a é pronome demonstrativo, pois pode ser substituído por aquela: Esta
gravata é aquela que recebi.
Em disposto a tudo, o a é preposição, exigida pelo adjetivo disposto: quem está disposto, está
disposto a algo.
Em com a nota, o a é artigo, pois antecede o substantivo nota.
Em Comprei-a logo que a vi, o a é pronome pessoal oblíquo átono que substitui o pronome ela.
 

03) Onde o a é, respectivamente, artigo, pronome pessoal e preposição?


a)    Esta é a significação a que me referi e não a que entendeste.
b)   A dificuldade é grande e sei que a resolverei a curto prazo.
c)    A escrava declarou que preferia a morte à escravidão.
d)   Esta é a casa que comprei e não a que vendi a ele.
e)   A que cometeu a falta receberá a punição.
 
a- Em a significação, o a é artigo, pois antecede o substantivo significação; em a que me
referi, é preposição que antecede pronome relativo, exigida pelo verbo referir-se: quem se
refere, refere-se a algo; em a que me entendeste, é pronome demonstrativo, pois pode ser
substituído por aquela.
b- Em a dificuldade, é artigo, pois antecede o substantivo dificuldade; em a resolverei é
pronome oblíquo, pois substitui o pronome ela; em a curto prazo, é preposição, que poderia ser
substituída por em: em curto prazo.
c- Em a escrava, é artigo, pois antecede o substantivo escrava; em a morte, é artigo, pois
antecede o substantivo morte; em à escravidão, é a contração da preposição a com o artigo a;
por isso o acento indicador de crase.
d- Em a casa, é artigo, pois antecede o substantivo casa; em a que vendi é pronome
demonstrativo, pois pode ser substituído por aquela; em a ele é preposição exigida pelo verbo
vender: quem vende, vende algo a alguém.
e- em A que cometeu a falta, é pronome demonstrativo, pois pode ser substituído por aquela;
em a falta, é artigo, pois antecede o substantivo falta; em a punição, é artigo, pois antecede o
substantivo punição.

 
04) Em qual frase há erro quanto ao emprego do artigo?
a)    Nem todas opiniões são valiosas.
b)   Disse-me que conhece todo o Brasil.
c)    Leu todos os dez romances do escritor.
d)   Andou por todo Portugal.
e)   Todas cinco, menos uma, estão corretas.
 
Todo(a): usa-se artigo após o pronome indefinido todo quando houver o significado de
totalidade, inteiro(a) e o substantivo posterior o exigir. O substantivo próprio Brasil exige o
artigo: O Brasil é um belo país. Já Portugal não: Portugal é um belo país. Estão, portanto,
certas as frases “conhece todo o Brasil” e “andou por todo Portugal”.
 
Todos(as): usa-se artigo após o pronome indefinido todos(as) sempre que o vocábulo à sua
frente o exigir. Opiniões é um substantivo feminino plural; exige, portanto, o artigo as; este
deve, portanto, ser usado: todas as opiniões.
Quando, depois de todos(as) houver um numeral, o artigo terá de ser usado se o numeral estiver
acompanhado de um substantivo; caso contrário, não se usa o artigo. Portanto em Leu todos os
dez romances, o artigo é obrigatório, pois o numeral acompanha o substantivo romances. Já em
Todas cinco, não se pode usar o artigo, pois o numeral não acompanha substantivo.

05) Onde há erro no emprego do artigo?


a)    Em certos momentos, as pessoas as mais corajosas se acovardam.
b)   Em certos momentos, as pessoas mais corajosas se acovardam.
c)    Em certos momentos, pessoas as mais corajosas se acovardam.
d)   Em certos momentos, as mais corajosas pessoas se acovardam.
e)   Em certos momentos, a mais corajosas pessoas se acovardam.
 
O substantivo pode ser antecedido de artigo ou não. Se o for, especifica; se não o for,
generaliza, ou seja, dizer as pessoas se acovardam é especificar que todas as pessoas se
acovardam; dizer pessoas se acovardam é generalizar: quaisquer pessoas se acovardam, nem
todas.
O substantivo pessoas foi modificado pelo adjetivo corajosas, que está intensificado pelo
advérbio mais:
As pessoas mais corajosas se acovardam. A ordem dos elementos pode variar:
As mais corajosas pessoas se acovardam.
Pessoas as mais corajosas se acovardam.
 
O advérbio mais pode, ainda, ser enfatizado com o acréscimo de outro artigo imediatamente
antes dele. Esse artigo pode ser o mesmo do substantivo (no caso, as) ou o artigo masculino,
singular: o. Pode-se, então, dizer:
As pessoas as mais corajosas se acovardam.
As pessoas o mais corajosas se acovardam.
A frase errada, portanto, é a última: A mais corajosas pessoas se acovardam.

06) Em qual dos casos o artigo denota familiaridade?


a)    O Amazonas é um rio imenso.
b)   D. Manoel, o Venturoso, era bastante esperto.
c)    O Antônio comunicou-se com o João.
d)   O professor João Ribeiro está doente.
e)   Os Lusíadas são um poema épico.
 
Diante de nomes de pessoas, o uso do artigo denota familiaridade. Não se deve usá-lo, portanto,
quando a pessoa não for do convívio. Por exemplo, na frase, o governo de Fidel Castro atrasou
o desenvolvimento de Cuba, não se deve usar o artigo antes de Fidel, pois ele não é do nosso
convívio.
A familiaridade se encontra, portanto na frase O Antônio comunicou-se com o João.

07) Determine o caso em que o artigo tem valor de qualificativo.


a)    Estes são os candidatos de que lhe falei.
b)   Procure-o, ele é o médico.
c)    Certeza e exatidão, estas qualidades não as tenho.
d)   Os problemas que o afligem não me deixam descuidado.
e)   Muita é a procura; pouca a oferta.
 Qualificativo, segundo o dicionário Houaiss, é o que acrescenta ao significado genérico de um
substantivo uma característica, diminuindo a extensão do conceito denotado pelo substantivo.
Isso ocorre na frase      “... ele é o médico”, pois atribui um sentido especial ao médico em
questão.
08) Em uma das frases, o artigo definido está empregado erradamente. Em qual?
a)    A velha Roma está sendo modernizada.
b)   A “Paraíba” é uma bela fragata.
c)    Não reconheço agora a Lisboa do meu tempo.
d)   O gato escaldado tem medo de água fria.
e)   O Havre é um porto de muito movimento. 

Se o nome de cidade estiver modificado, especificado, o uso do artigo é obrigatório. Ex.: A


velha Roma; a Lisboa do meu tempo. Paraíba é nome de uma embarcação e Havre, de um porto;
com artigo, portanto. Gato escaldado, com artigo, especifica, mas a frase é genérica: todos os
gatos escaldados têm medo de água fria; sem artigo, portanto.

09) “... foram intimados a comparecer...”; “... não a fizeram...”; “... a sua oração...”. As três
ocorrências do a são, respectivamente:
a)    Preposição, pronome e preposição
b)   Artigo, artigo e preposição
c)    Pronome, artigo e preposição
d)   Preposição, pronome e artigo
e)   Artigo, pronome e pronome
 
Os vocábulos o, a, os, as podem pertencer às seguintes classes gramaticais:
Artigo: quando antecederem um substantivo: o homem; a mulher; os homens; as mulheres.
Pronome pessoal oblíquo átono: quando funcionarem como objeto direto, substituindo ele, ela,
eles, elas: Comprei-o; comprei-a; comprei-os, comprei-as.
Pronome demonstrativo: quando substituírem este(s), esse(s), aquele(s), esta(s), essa(s),
aquela(s), isso: Não entendi o que ele disse = Não entendi aquilo que ele disse. A que me contou a
história foi a esposa de João = Aquela que me contou...
Preposição: O a será preposição quando for exigida por verbo, substantivo, adjetivo ou advérbio
para estes se ligarem com outros elementos: Obedecer a algo; obediência a algo; ele é obediente
a algo; agiu obedientemente a algo.
Na frase apresentada há o seguinte:
“... foram intimados a comparecer...”: O a é preposição exigida por intimados: quem é
intimado, é intimado a fazer algo.
 “... não a fizeram...”: O a é pronome pessoal oblíquo, pois substitui ela
“... a sua oração...”: O a é artigo, pois antecede o substantivo oração.