Você está na página 1de 2

Resgatar o brincar tradicional

Resumo

Começando com o modo de como as crianças eram vistas nos tempos antigos e como eram
tratadas a fim de que o ato de brincar, a nossa infância só teve uma descoberta mesmo no século
XIII, mesmo que naquela época não era representado como crianças, mas como “adultos em
miniatura”.
Com o passar dos tempos e dos séculos foi visualizando de formas diferentes a infância, sendo
representados por pinturas, e sendo retratadas como anjinhos. Apenas no século XVII, ela
conceituou em arte como uma representação sozinha, de uma figura mais próxima da moderna.
Mesmo naquela época, nós podíamos ver que a infância era relacionada com o momento
social/histórico/politico e mesmo assim nos tempos de burguesia nós podíamos ver que a
educação oferecida era melhor para tal, já para os trabalhadores braçais não era um ensino de
qualidade, se tornando precário. Depois de vários séculos, olhando mais para o Brasil, no século
XVIII era pregada pelo cristianismo caracterizando a ação de levar as crianças para suas casas.
Foi no século XX com o avança da industrialização e o emprego das mulheres no trabalho que
as crianças começaram a ser largadas e não tinha a sua devida atenção, no entanto foi criado à
garantia de creches infantis e pré-escolas para crianças pequenas.
Depois de 1996 foi criada a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Infantil, em decorrência da
LBD se destacava o brincar como atividades fundamentais pra o seu desenvolvimento, a forma
de se expressar, pensamentos, comunicação, etc.
Desta forma, alguns pensadores e psicólogos começaram a mostrar o seu pensamento sobre o
ato de brincar, que ao longo dos anos foi se perdendo por conta da industrialização de
brinquedos que só eram favoráveis a crianças que tinha como ter, excluindo a sua grande
maioria por ser caros, e com o avanço da urbanização o ato de fazer brincadeiras tradicionais
vem se diminuindo e trazendo impactos no desenvolvimento de crianças que não estão tendo
essa oportunidade. Para alguns, a forma de brincar é a expressão e condição para o
desenvolvimento infantil. Em tempos modernos, a forma de trazer a brincadeiras tradicionais
pois fazem parte do nosso conhecimento lúdico.
Nos problemas que foram aparecendo junto das crianças que não se tinha atenção, partindo para
as creches que era uma forma educadora para o aprendizado e a forma de brincar foi notado que
muitos professores sabiam como agir na forma de repassar uma brincadeira no papel, mas que
não conseguiam aplicar isso dentro de sal pois acreditavam que isso se tornaria em outra aérea,
como a Educação Física e que isso só se aplicava fora da sala de aula, que infelizmente restringe
a forma de pensar, aprender, conhecer. Foi proposto que os professores pudessem ousar na hora
do aprendizado do Brincar com métodos que possam ser feitos dentro de sala, como pintar,
construir, para se usar como lúdico.
Para alguns, a forma de como as crianças brincavam não eram na forma de lazer ou do lúdico
porque pensava que as crianças só sabiam correr, bater e brigar, isso fazia com que os
professores não imaginassem que a forma de brincar tradicional ajudaria, pois pensavam só na
forma pedagógica do ensino e não no lúdico.
Concluímos que no artigo que foi nos proposto que o intuito não foi de fazer criticas pelos os
métodos que os professores utilizam em sala, mas sim uma forma que poderiam melhorar
decorrente com as novas tecnologias e meios de comunicação. Mesmo que essas tecnologias
ajudem precisamos destacar que os jogos tradicionais são fundamentais para a construção de
conhecimento. Podemos acreditar que o trabalho que foi proposto ocorra uma reflexão para
contribuir com a formação dos futuros professores sobre a forma de pensar e aplicar de forma
lúdica o ensino de brincar.

Você também pode gostar