Você está na página 1de 13

UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE – UNIVILLE

DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA

TROCANDO FIGURINHAS: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO EM DINÂMICA DE


GRUPO E RELAÇÕES HUMANAS

ANDRIELI DO CANTO NUNES


DENISE VIEIRA TABORDA
ELOISA CAPELETTO
ISABELA HOLZ
PROFESSORA MARCIANE CLEURI PEREIRA DOS SANTOS
Dinâmica de grupo e relações humanas

Joinville – SC
2016
ANDRIELI DO CANTO NUNES
DENISE VIEIRA TABORDA
ELOISA CAPELETTO
ISABELA HOLZ

TROCANDO FIGURINHAS: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO EM DINÂMICA DE


GRUPO E RELAÇÕES HUMANAS

Projeto de intervenção apresentado ao curso de Psicologia


da Universidade da Região de Joinville – Univille – como
requisito parcial de avaliação do terceiro bimestre na
disciplina de Dinâmica de Grupo e Relações Humana, sob
orientação da Professora Marciane Cleuri Pereira dos
Santos.

Joinville – SC
2016
1 INTRODUÇÃO

Os avanços das pesquisas científicas e tecnológicas em psicologia social evidenciam o


espaço singular que os grupos ocupam na sociedade moderna. Tais estudos tiveram início com
as pesquisas de Kurt Lewin, o qual elaborou a teoria de campo social que concebem o grupo a
partir de sua totalidade. Com isso, o estudioso concluiu que o comportamento de cada
participante não pode ser compreendido separado do restante do grupo, como num corte
vertical, mas de forma circular, pois todos os aspectos estão interligados (MOTA et al, 2007).
Assim, discute-se a importância do entrosamento e integração dos grupos como aspecto
fundamental para seu bom desenvolvimento.
Nesse sentido, Pontel, Maffioletti e Santian (2014) destacam que com a integração
interpessoal as pessoas se fortalecem como grupo e conseguem superar situações complexas
que anteriormente tinham dificuldades de lidar. Assim sendo, a pauta potencial da realização
de uma dinâmica de grupo é construída na possibilidade de promover maior proximidade
relacional entre os sujeitos e, assim, promover maior funcionalidade na instituição à quem ela
se destina. Para além, Zimerman (2007) explana que a dinâmica de grupo é um excelente
recurso para um amplo leque de aplicações, tanto na saúde física e mental, como também nos
múltiplos aspectos da cultura e numa diversidade de outros campos humanísticos, como na
promoção da saúde mental, educação de crianças e pais, nas escolas, no campo da medicina,
de instituições, etc.
A partir desse referencial, propõe-se uma intervenção psicológica ao segundo ano
noturno de psicologia da Univille, com o intuito de promover saúde social e psicológica aos
relacionamentos interpessoais entre os participantes do grupo. Nesse sentido, ressalta-se que
comumente desafios e ideias em desacordo são encontradas no grupo. Com isso, numa
tentativa de amenizar tal fato e fazer com que os obstáculos inevitáveis sejam superados da
melhor maneira possível realizar-se-á a dinâmica de grupo “trocando figurinhas”.
Segundo Diniz e Almeida (2005) a qualidade da integração acadêmica é a variável
central na tomada de decisão dos estudantes em permanecer ou não na universidade. Tal
integração depende, em larga medida, da congruência entre a motivação e capacidades
acadêmicas do estudante e as exigências sociais e acadêmicas da instituição. Nesse contexto, a
integração deve ser analisada como a interação reciproca entre atividades acadêmicas e
sociais. Astin (1997 apud DINIZ e ALMEIDA, 2005) considera ainda que o envolvimento é a
mais importante condição para a boa adaptação universitária, surgindo as vivências
acadêmicas não estritamente curriculares como fatores favoráveis à integração e ao
envolvimento universitário. Complementando, Guerreiro-Casanova e Polydoro (2010)
afirmam que a integração ao ensino superior interfere no sucesso acadêmico do estudante, que
não é mensurado apenas por notas.
Por fim, para favorecer o ambiente universitário e torná-lo o mais agradável e
instigador possível essa dinâmica se justifica. Desse modo, os quatro domínios principais que
permeiam o ensino superior - acadêmico, social e interpessoal, pessoal e carreira/vocacional -
serão organizados de forma construtiva e não depreciativa.

2 OBJETIVOS

2.1 Objetivo geral

Proporcionar integração e conhecimento entre os membros do grupo através da


identificação de características particulares e compartilhadas pelos mesmos.

2.2 Objetivos específicos

a) Promover entrosamento no grupo;


b) Ampliar o conhecimento individual e coletivo;
c) Possibilitar que o grupo identifique características semelhantes e distintas entre si;
d) Criar momentos de integração e de envolvimento relacional afetivo entre os
participantes para desenvolver e fortalecer o sentimento de pertencimento ao grupo.
3 METODOLOGIA

A metodologia a ser utilizada na proposta de intervenção em dinâmica de grupo e


relações humanas é a dialética materialista de Pichon-Rivière. Segundo Castanho (2012, p.
56) o grupo operativo “é lugar de conversa e de um conhecimento (‘aprendizagem’, diria
Pichon-Rivière) que se produz no encontro com outro”. Os sujeitos do grupo reunem-se em
torno de uma tarefa e através dela tomam para si um objeto problemático, sobre o qual
conversam, fazem descobertas sobre si, operam significados e ultrapassam obstáculos.
A tarefa é aqui entendida com uma atividade individual ou coletiva que se dirige das
necessidades aos objetivos específicos dos grupos. A noção de tarefa pressupõe uma trajeto
dialético que passa por contradições simultâneas e sucessivas até sua resolução. A dialética,
central na visão pichoniana, é então superada e surge um novo aprendizado para o grupo. No
entanto, contradições sempre estarão surgindo e o grupo estará sempre fazendo novas
elaborações, ampliando sua capacidade em lidar com as situações. A tarefa é, portanto,
saudável para grupo e seu cumprimento reforça a identidade dos membros (CASTANHO,
2012; FABRIS, 2014).
A respeito das relações entre tarefa explícita e implícita, Pichon-Rivière (1969, p. 153
apud FABRIS, 2014, p. 114) escreveu: “sob essa tarefa explícita, subjaz outra implícita, que
visa a uma ruptura, através do esclarecimento, das estruturas estereotipadas que dificultam a
aprendizagem e a comunicação, além de operar como um obstáculo frente a toda situação de
progresso ou mudança”. Nesse sentido, a explicitação do implícito faz o grupo caminhar em
direção à tarefa como no movimento de uma espiral dialética (BASTOS, 2010).
Castanho (2007, p. 19) cita que

Através da tarefa proposta cadeias associativas, conteúdos psíquicos, emoções, enfim,


processos e formações psíquicas se compõem ou se opõem mutuamente, formando
essa dinâmica entre as forças que empurram para a realização da tarefa e as forças que
resistem a essa realização.

Assim sendo, para que a saúde mental seja promovida dentro do grupo operativo é
necessário que os papéis circulem, que as estereotipias sejam superadas e que haja novas
possibilidade de compreensão. O que um membro do grupo diz, pensa ou sente deve ser
compreendido como comunicando algo sobre o conjunto no qual está inserido (CASTANHO,
2012). Nessa perspectiva, há uma rede de interações entre os sujeitos, nas quais eles podem
“referenciar-se no outro, encontrar-se com o outro, diferenciar-se do outro, opor-se a ele e,
assim, transformar e ser transformado por este” (BASTOS, 2010, p. 162).
De acordo com a concepção moderna, a dialética é um modo de pensar as contradições
da realidade “compreendendo o real como essencialmente contraditório e em permanente
transformação (KONDER, 1998 apud PEREIRA, 2013, p. 23)”. Para Pichon-Rivière, a tarefa
da dialética é justamente analisar essas contradições (BASTOS, 2010).
Portanto, busca-se através da proposta de intervenção que se segue por em prática os
conhecimentos adquiridos em sala de aula e com o referencial teórico acima explanado dar
continuidade ao processo grupal dos acadêmicos de psicologia da Univille.

3. 1 Proposta de intervenção

Antes da realização da dinâmica principal, haverá uma dinâmica de grupo para


“quebra gelo”. Para isso, primeiramente a condutora Eloisa pedirá que todos peguem uma
caneta. Após, comentará a importância da disciplina e respeito às orientações em um trabalho
grupal. Em seguida será entregue uma folha contendo uma lista de instruções, então a
condutora explicará que todos devem cumprir exatamente o que está sendo orientado na lista
num tempo máximo de 10 minutos, evitando conversas paralelas. Ao final deste quebra gelo,
a partir da condutora Denise, será discutido sobre a importância de se prestar atenção nas
orientações e segui-las corretamente, e verificado como o grupo se sentiu ao perceber que
somente era necessário realizar um item da lista. Para esta etapa, estima-se que será
necessário um tempo de 15 minutos.
Após, no início da dinâmica principal, a condutora Isabela solicitará que os
participantes - os quais podem estar dispostos em um número indeterminado - agrupem-se em
um círculo. No centro deste círculo, cartelas serão organizadas pela condutora Eloisa, as quais
devem permanecer com as suas respectivas informações viradas para baixo. Após, a
condutora Isabela esclarecerá que cada uma dessas cartelas contêm questões em seu verso. A
partir disso, é solicitado que um voluntário vá até o centro, onde as cartelas estão, e retire uma
delas. Ao retirá-la, ele deve selecionar uma das questões contidas na cartela, e escolher um
participante para quem será direcionado a pergunta. O integrante que responder a questão,
deve então se deslocar agora até o centro do círculo, retirar uma nova cartela, contendo
questões diferentes, ler a escolhida para o grupo e solicitar que uma outra pessoa responda. É
importante ressaltar aqui que o participante que já respondeu um questionamento não deve ser
solicitado a responder uma nova questão, para que assim todos participem da dinâmica.
Posteriormente a este período, a condutora Andrieli perguntará se alguém tem
interesse de fazer uma das perguntas a outro participante, para estimular ainda mais o
conhecimento sobre as pessoas do grupo. Então haverá um feedback para saber como as
pessoas se sentiram ao realizar esta dinâmica. Estima-se que para esse processo serão
necessários cerca de 60 minutos. Vale frisar que a dinâmica de grupo aqui proposta visa
quaisquer grupos, porém é gerada maior profundidade quando aplicada com indivíduos que já
se conhecem e/ou convivem.
Se por algum acaso a dinâmica principal “trocando figurinhas” ocorrer de forma
acelerada e sobrar o tempo disponibilizado para sua aplicação, o grupo aplicará uma segunda
dinâmica, esta que foi denominada como “dinâmica das virtudes”. Para a sua realização, a
condutora Denise distribuirá tiras de papel para todos os integrantes do grupo, e informará que
nela eles devem anotar uma qualidade sua que se destaca entre todas as outras - a anotação
será feita com a caneta já utilizada durante o quebra gelo. Em seguida, orientará que os
participantes devem colocar os papéis no chão, virados para baixo, no centro do círculo. A
partir de então, ao sinal da condutora, todos devem pegar um papel e, em ordem, apontar
rapidamente que pessoa tem essa qualidade, justificando sua escolha. Ao final da dinâmica, a
condutora Eloisa falará sobre a importância de analisar as qualidades alheias no processo de
integração grupal. Para isso, estima-se que serão necessários 20 minutos.

3.1.1 Instruções para a dinâmica “Obediência”

O Tempo está passando… Seja rápido; porém, leia tudo antes de executar qualquer tarefa.

1. Disciplina e perseverança são a chave para o sucesso.


2. Escreva seu nome, sublinhado, no alto desta folha, à direita.
3. Levante-se e dê DEZ PASSOS aqui dentro da sala.
4. Volte para seu lugar e desenhe, no verso desta folha, uma casa e uma árvore.
5. Agora escreva o refrão de uma música.
6. Troque de lugar com uma pessoa, de preferência que não esteja perto de você.
7. Dê um abraço em si mesmo e diga: Eu me amo!
8. Dê um beijo e um abraço em três colegas próximos.
9. Dê uma volta, em círculo, na sala, andando de costas.
10. Bata palma três vezes.
11. Dê três pulinhos.
12. Imite um animal de sua preferência.
13. Chame atenção da pessoa a direita e diga algo aleatório.
14. Agora, que você acabou de ler todas as questões, execute apenas a número oito.

3.1.2 Perguntas dos cartões da dinâmica “trocando figurinhas”

1. Complete: Se não fosse eu mesmo gostaria de ser _____. Por quê?


2. Qual a sua missão na vida?
3. Complete: Sinto insegurança quando _____. Por quê?
4. Você sente necessidade de ser elogiado? Por quê?
5. Você sente necessidade de ser um líder? Por quê?
6. Você sente necessidade de dar afeto? Por quê?
7. Você sente necessidade de receber afeto? Por quê?
8. Você sente necessidade de estar em família? Por quê?
9. Você sente necessidade de obter apoio? De quem e por quê?
10. Você sente necessidade de causar boa impressão? Por quê?
11. Você sente necessidade de companhia? Por quê?
12. Você sente necessidade de guardar suas emoções para si? Por quê?
13. Complete: uma das coisas que mais me entristece é _______. Por quê?
14. Complete: preciso melhorar meu comportamento quando ____. Por quê?
15. Complete: Já desisti de_____. Por quê?
16. Qual foi o maior/melhor elogio que você recebeu? Como se sentiu?
17. Qual foi o melhor presente que você já recebeu? Por quê?
18. Se você tivesse que se descrever com uma cor, qual seria? Por quê?
19. Se você pudesse criar uma lei, qual seria? Por quê?
20. Se você pudesse passar o dia com qualquer pessoa do mundo, quem seria? O que
fariam juntos?
21. Se existisse uma máquina do tempo e você pudesse fazer uma viagem, para que época
iria?
22. Quais os seus principais valores? Por quê?
23. Complete: O poder para mim significa... Por quê?
24. Se um gênio saísse de dentro de uma lâmpada e lhe concedesse um desejo, qual você
escolheria?
25. Se você pudesse ter um super poder, qual você escolheria? Porquê?
26. Se você não fosse você, qual pessoa desse círculo você gostaria de ser?
27. Complete: Nos sábados a noite eu costumo…
28. Complete: Se eu pudesse mudar algo em mim, mudaria_____. Por quê?
29. Complete: O que eu mais gosto em mim é é… Por quê?
30. Complete: A situação mais embaraçosa que eu já passei foi quando…
31. Complete: Quando penso no futuro eu me vejo…
32. Complete: Para mim, receber ordens de outra pessoa me causa…
33. Complete: A emoção que mais sinto dificuldade de controlar é…Por quê?
34. Complete: O que mais me irrita é… Por quê?
35. Complete: Quando as pessoas ainda não me conhecem, pensam que eu… Por quê?
36. Complete: A última vez que eu chorei foi quando…Por qual motivo?
37. Complete: A coisa mais importante do mundo, para mim, é... Por quê?
38. Complete: Nesse exato momento eu… Por quê?
39. Complete: Fico feliz quando… Por quê?
40. Complete: Eu morro de medo de…
41. Você dança, mesmo se não tiver música?
42. Qual é a sua música da semana preferida? Cante um pedaço dela para o grupo.
43. Qual é o filme que você menos gosta?
44. Quando foi a última vez que você escreveu uma carta para alguém no papel?
45. O que você queria ser quando era criança?
46. Você sente falta de alguma coisa da sua infância?
47. Qual foi seu maior mico?
48. O que você faria se fosse do sexo/gênero oposto?
49. Assistir um filme em casa ou ir ao cinema?
50. Você já enviou indireta para alguém em rede social? Se sim, como reagiu?
51. Olhando para trás, qual conselho você daria para o seu eu mais jovem?
52. Quais eram os seus desenhos favoritos quando criança?
53. Qual a sua prioridade na vida?
54. Complete: Eu não vou morrer sem_____.
55. Complete: Vivo perdendo_____.
56. Faça uma pergunta de sua escolha para alguém.
57. Qual seu livro/autor preferido?
58. Você costuma acompanhar séries? Já assistiu alguma? Se sim, qual a sua preferida?
59. Se você não tivesse optado por estar aqui agora (estudando psicologia nessa turma),
qual seria sua outra opção?
60. Se você tivesse que utilizar um objeto para se definir, qual seria? Por quê?
61. Qual o seu lugar favorito?

3.2 Recursos materiais

Material Quantidade Valor unitário Valor total

Papel Cartão 1 R$ 2,00 R$ 2,00

Impressão 20 R$ 0,18 R$ 3,60

Folha Sulfite 10 R$ 0,04 R$ 0,40

Caneta 50 un. (caixa) R$ 34,90 R$ 34,90

TOTAL R$46,00
Fonte: As autoras (2016).
3.3 Recursos humanos

Nome Descrição Duração Honorário Valor total

Andrieli Consultoria empresarial 1h30min. R$ 110,76 R$ 110,76

Denise Consultoria empresarial 1h30min. R$ 110,76 R$ 110,76

Eloisa Consultoria empresarial 1h30min. R$ 110,76 R$ 110,76

Isabela Consultoria empresarial 1h30min. R$ 110,76 R$ 110,76

TOTAL R$ 443,04
Fonte: CFP (2016, web).

4. AVALIAÇÃO E FEEDBACK

Após o período de todos responderem as perguntas, será feito um feedback com a


turma. Nesse momento serão levantadas as seguintes questões: como foi direcionar a pergunta
a uma pessoa específica? Como é conhecer cada vez mais os integrantes do grupo?
Perceberam coisas em comuns com pessoas que não tinham tanto contato? Vocês sentiram
dificuldades em responder o questionamento para o grupo? Vocês acreditam que a integração
interpessoal pode levar o grupo a conduzir melhor os desafios cotidianos?
Esses questionamentos pautam-se em fazer com que o grupo compreenda e reflita
sobre a necessidade do convívio e do mantimento de boas relações durante a graduação, tendo
em vista que, como já comentado na introdução do projeto, elas são deveras importantes para
o sucesso acadêmico.
Para encerrar, será realizado a avaliação do grupo para os aplicadores da dinâmica, na
qual os integrantes que sentirem necessidade terão a liberdade de expressar os pontos que
consideram negativos e também positivos encontrados na realização da intervenção
psicológica. Ademais, os mesmos poderão verbalizar a experiência singular e subjetiva
enfrentada por cada um, de forma a provocar identificações e sensações distintas com os
demais participantes. Caso alguém ainda sinta a necessidade de dar seu parecer por escrito, a
equipe o acolherá e dará parecer ao estudante.

5. INVESTIMENTO

O valor dos recursos materiais (R$46,00) somado ao valor referente aos recursos
humanos (R$443,04) acarreta num investimento de R$489,04 (quatrocentos e oitenta e nove
reais e quatro centavos) necessário para a realização da presente intervenção.

6. REFERENCIAS

BASTOS, Alice Beatriz B. Izique. A técnica de grupos-operativos à luz de Pichon-Rivière e


Henri Wallon. Psicólogo inFormação, São Paulo, v. 14, n, 14, jan./dez. 2010. Disponível em:
<http://pepsic.bvsalud.org/pdf/psicoinfo/v14n14/v14n14a10.pdf>. Acesso em: 31 ago. 2016.

CASTANHO, Pablo. O momento da tarefa no grupo: aspectos psicanalíticos e psicossociais.


Revista da SPAGESP, Ribeirão Preto, v. 8, n. 2, p. 13-22, jul.-dez. 2007. Disponível em:
<http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rspagesp/v8n2/v8n2a03.pdf>. Acesso em: 31 ago. 2016.

______. Uma introdução aos grupos operativos: teoria e técnica. Vínculo, v. 9, n. 1, p. 47-60,
2012. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/pdf/vinculo/v9n1/a07.pdf>. Acesso em: 30
ago. 2016.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Valores de referência nacional de honorários


dos psicólogos em (R$). Disponível em:
<http://site.cfp.org.br/servicos/tabela-de-honorarios/>. Acesso em: 30 ago. 2016.

DINIZ, A. M.; ALMEIDA, L. S. Escala de integração social no ensino superior (EISES):


metodologia de construção e validação. Análise Psicológica, v. 23, n. 4, p.461-476, 2005.
Disponível em:
<http://repositorio.ispa.pt/bitstream/10400.12/197/1/AP%2023%284%29%20461-476.pdf>.
Acesso em: 29 ago. 2016.

FABRIS, Fernando. A noção de tarefa, pré-tarefa e trabalho na teoria de E. Pichon-Rivière.


Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, São Paulo, v. 17, n. 1, p. 111-117, 2014.
Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/pdf/cpst/v17nspe/a12v17nspe.pdf>. Acesso em: 30
ago. 2016.

GUERREIRO-CASANOVA, Daniela; POLYDORO, Soely. Integração ao ensino superior:


relações ao longo do primeiro ano de graduação. Psicologia Ensino e Formação, vol. 1, n. 2,
p. 85-96, 2010. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/pdf/pef/v1n2/v1n2a08.pdf>.
Acesso em: 29 ago. 2016.

PEREIRA,Thaís Thomé Seni Oliveira. Pichon-Rivière, a dialética e os grupos operativos:


implicações para pesquisa e intervenção. Revista da SPAGESP, Ribeirão Preto, v. 14, n. 1, p.
21-29, 2013. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rspagesp/v14n1/v14n1a04.pdf>.
Acesso em: 31 ago. 2016.

PONTEL, M. D.; MAFFIOLETTI, G. S. L.; SANTIAN, P. A saúde social e psicológica nos


relacionamentos interpessoais entre participantes de um grupo de fisioterapeutas: um relato de
experiência. Psicologia.pt, 2014. Disponível em:
<http://www.psicologia.pt/artigos/textos/A0834.pdf>. Acesso em: 28 ago. 2016.

MOTTA, K. A. M. B. et al. As trilhas essenciais que fundamentam o processo e


desenvolvimento da dinâmica grupal. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 2 , n. 1, p.
229-241, 2007. Disponível em: <http://www.fen.ufg.br/fen_revista/v9/n1/pdf/v9n1a18.pdf>.
Acesso em: 30 ago. 2016.

IMERMAN, David. A importância dos grupos na saúde, cultura e diversidade. Vínculo, v. 4,


n. 4, p. 1-16, 2007. Disponível em:
<http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid=S1806-24902007000100002&script=sci_arttext&tl
ng=es>. Acesso em: 30 ago. 2016.