Você está na página 1de 7

1

1. Redes de Computadores refere-se a interconexão por meio de um sistema de


comunicação baseado em transmissões e protocolos de vários computadores com o
objetivo de trocar informações, além de outros recursos. Essa conexão é chamada
de estações de trabalho (nós, pontos ou dispositivos de rede).
2. Por exemplo, se dentro de uma casa, existe um computador no quarto e outro na sala e
estes estão isolados, eles não se comunicam. Mas, por outro lado, se houver um cabo
coaxial interligando-os de forma que eles entrem em contato com a internet, temos
uma rede.
3. Atualmente, existe uma interconexão entre computadores espalhados pelo mundo que
permite a comunicação entre os indivíduos, quer seja quando eles navegam pela
internet ou assiste televisão. Diariamente, é necessário utilizar recursos como
impressoras para imprimir documentos, reuniões através de videoconferência, trocar e-
mails, acessar às redes sociais ou se entreter por meio de jogos RPG, etc.
4. Hoje, não é preciso estar em casa para enviar e-mails, basta ter um tablet ou
smartphone com acesso à internet em dispositivos móveis. Apesar de tantas vantagens,
o crescimento das redes de computadores também tem seu lado negativo. A cada dia
surgem problemas que prejudicam as relações entre os indivíduos, como pirataria,
espionagem, roubos de identidade (phishing), assuntos polêmicos como racismo, sexo,
pornografia, sendo destacados com mais ênfase, entre outros problemas.
5. Desde muito tempo, o ser humano sentiu a necessidade de compartilhar conhecimento
e estabelecer relações com pessoas distantes. Na década de 1960, durante a Guerra
Fria, as redes de computadores surgiram com objetivos militares: interconectar os
centros de comando dos EUA para proteção e envio de dados.
6. A experiência com redes iniciaram através dos cientistas Lawrence
Roberts e Thomas Merril, que fizeram uma conexão entre os centros de pesquisa na
Califórnia e Massachusetts. Esses experimentos com redes se deu por causa
da corrida espacial durante o programa da Advanced Research Projects
Agency (ARPA), renomeada posteriormente para DARPA. A partir daí, vários
conceitos relacionados a redes de computadores, como transferência de pacotes de
dados, protocolo TCP/IP, entre outros, surgiram estando relacionados à criação da
internet. Após isso, as redes tiveram propósitos acadêmicos e pesquisa em várias
universidades.
2

7. Topologia de uma rede


8. A topologia de rede é o padrão no qual o meio de rede está conectado aos
computadores e outros componentes de rede. Essencialmente, é a estrutura topológica
da rede, e pode ser descrito fisicamente ou logicamente. Há várias formas nas quais se
pode organizar a interligação entre cada um dos nós (computadores) da rede.A
topologia física é a verdadeira aparência ou layout da rede, enquanto que a lógica
descreve o fluxo dos dados através da rede.

9. A diferença entre topologia lógica e topologia física.

10. A topologia física: representa como as redes estão conectadas (layout físico) e o meio
de conexão dos dispositivos de redes (nós ou nodos). A forma com que os cabos são
conectados, e que genericamente chamamos de topologia da rede (física), influencia
em diversos pontos considerados críticos, como a flexibilidade, velocidade e
segurança.

11. A topologia lógica: refere-se à maneira como os sinais agem sobre os meios de rede,
ou a maneira como os dados são transmitidos através da rede a partir de um
dispositivo para o outro sem ter em conta a interligação física dos dispositivos.
Topologias lógicas são frequentemente associadas à Media Access Control métodos e
protocolos. Topologias lógicas são capazes de serem reconfiguradas dinamicamente
por tipos especiais de equipamentos como roteadores e switches.

12. Modelo de referência


13. Camadas de rede: apresentei para vocês que as camadas de rede são divididas
segundo dos modelos de referência o TCP/IP e o ISO/OSI.
14. Modelos de referência são definições que estabelecem descrição, estrutura de uma
determinada tecnologia, um ponto de referência que buscamos seguir para que
possamos nos comunicar. Em outras palavras um modelo de referência pode ser
comparado ao processo de comunicação pois para nos comunicarmos necessitamos de
mensagem, meio, canal e estes são componentes de todo contexto da comunicação.
15. O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo departamento de defesa
americano e adotado como padrão até hoje para comunicação em redes de
computadores. O TCP/IP separa em quatro camadas que, em conjunto proporcionam a
comunicação entre computadores. São elas:
16. Aplicação
17. Transporte
18. Rede
19. Física
20. Cada uma destas camadas tem uma função distinta, onde as camadas inferiores
fornecem serviços às superiores.
3

21. Um outro modelo de referência é o ISO/OSI (International Standardization


Organization/ Open System Interconnect) que é composto pelas camadas:

22. Aplicação
23. Apresentação
24. Sessão
25. Transporte
26. Rede
27. Enlace
28. Física
29. Este modelo/padrão serve de referência para que se possam desenvolver outros
modelos/protocolos, além de modelo para desenvolvimento de hardware que venha
usufruir da comunicação entre sistemas abertos.

30. Quando surgiram as primeiras redes de computadores, cada fabricante utilizava seus
cabos, placas, equipamentos, protocolos e softwares para realizar a comunicação entre
seus dispositivos. Isto significava que, empresas que contrataram uma fabricante “X”
para realizar sua infraestrutura de rede, não conseguiam fazer uma comunicação com
empresas que usaram a infraestrutura da fabricante “Y”.
31. Pensando nisso, a ISO (International Organization for Standardization) desenvolveu o
modelo OSI (Open Systems Interconnection), para que todas as fabricantes seguissem
este modelo, possibilitando a conexão e comunicação entre empresas, e
conseqüentemente, com o mundo inteiro.
4

32. O que é a Camada OSI


33. A Camada OSI é um modelo de protocolos que foi criado exclusivamente para redes
que trocam pacotes de dados.
34. Seu modelo possui sete camadas, cada uma com sua responsabilidade de protocolo.
Abaixo, elas serão descritas de baixo para cima:

35.
36. 1 – Camada Física: define as características mecânicas, elétricas, funcionais e os
procedimentos para ativar, manter e desativar conexões físicas para transmitir bits. Ela
leva em consideração o tamanho e forma dos conectores, pinos, cabos, etc. As placas
de rede e switches podem ser exemplos nesta camada, já que eles irmão enviar os bits
para a segunda camada. A Camada Física não verifica se existem erros na transmissão.
37. 2 – Camada de Enlace: Ela assegura uma transferência confiável de dados entre
sistemas interligados por meios físicos. Ela tem as seguintes funções:
38. Compressão dos dados binários para pacotes de dados;
39. Ativação e desativação do Enlace de Dados;
40. Supervisão e Recuperação em caso de problemas de conexão;
41. Sincronização;
42. Segmentação e delimitação das unidades de dados;
43. Controle de erros e sequenciamento das unidades de dados;
44. Controle de Fluxo.
45. 3 – Camada de Rede: Fornece um suporte de comunicação fim-a-fim para as camadas
superiores. Dentre suas funções:
46. Escolhe o modo de transferência;
47. Ajuda na qualidade do serviço (principalmente quando há algum problema na
transferência)
5

48. Endereça os pacotes ao seu destino final na rede


49. Faz interação com elementos de rede externos se for preciso;
50. Notifica se há erros com a rede externa
51. Faz o controle de fluxo fim a fim.
52. 4 – Camada de Transporte: Responsável por controlar as transferências de dados,
incluindo a qualidade do serviço e a correção de erros fim-a-fim. São exemplos de
protocolos nessa camada, o TCP (Que permite a entrega dos dados sem erros, além de
controlar o fluxo) e o UDP (Este não garante que a informação será entregue).
53. 5 – Camada de Sessão: Responsável por controlar os procedimentos de comunicação
entre duas redes, por meio de abertura e fechamento de sessões. Algumas funções
desta camada:

54. Transferência de dados em ambas direções, normal ou expressa;


55. Gerência de Token;
56. Controle de Diálogo, permitindo às aplicações definirem a forma de diálogo, half-
duplex ou full-duplex;
57. Sincronização e gerência de atividades, permitindo estratificar o diálogo, colocando
títulos, subtítulos e marcas de delimitação.

58. 6 – Camada de Apresentação: Também chamada de camada de tradução, é


responsável por converter o formato do dado recebido pela camada de transporte para
uma linguagem entendível pela camada de aplicação.Em outras palavras, ele faz a
descompressão e adescriptografia dos dados para a camada de aplicação.

59. 7 – Camada de Aplicação –Realiza a interface entre os protocolos e o aplicativo que


solicitou ou irá receber as informações através da rede. HTTP, FTP, SMTP, SSH e
Telnet são exemplos dessa camada. Ela pode realizar:

60. Redirecionamento de dispositivo e o compartilhamento de recursos;


61. Acesso remoto a arquivos;
62. Acesso de impressora remota;
63. Comunicação entre processos;
64. Gerenciamento de rede;
65. Serviços de diretório;
66. Mensagens eletrônicas (como e-mail);
6

67. Terminais de rede virtuais.

68. Por que utilizá-la


69. Computadores pessoais, celulares, servidores, empresas, precisam ter uma
padronização para se conectar com o mundo todo. Por essa razão, todos os
dispositivos de rede precisam seguir os protocolos do modelo OSI.
70. Redes hierárquicas
71. O design de rede hierárquico envolve a divisão da rede em camadas discretas,
facilitando escalabilidade e desempenho. São divididos em três camadas: acesso,
distribuição e núcleo.

72. Camada de acesso

73. A camada de acesso faz interface com dispositivos finais, como PCs, impressoras e
telefones IP, para fornecer acesso ao restante da rede. Na camada de acesso podem
estar roteadores, switches, bridges, hubs e pontos de acesso wireless (AP). O principal
propósito da camada de acesso é fornecer um meio de conectar dispositivos à rede e
controlar quais têm permissão de comunicação na rede.

74. Camada de distribuição

75. A camada de distribuição agrega os dados recebidos dos switches da camada de acesso
antes de serem transmitidos para a camada de núcleo para que haja o roteamento até
seu destino final. A camada de distribuição controla o fluxo do tráfego da rede usando
políticas e determina domínios de broadcast, realizando funções de roteamento entre
redes locais virtuais (VLANs) definidas na camada de acesso. As VLANs permitem
segmentar o tráfego de um switch em sub-redes separadas. Switches da camada de
distribuição costumam ser dispositivos de alto desempenho que têm alta
disponibilidade e redundância para assegurar a confiabilidade.

76. Camada de núcleo

77. A camada de núcleo do design hierárquico é o backbone de alta velocidade das redes
interconectadas. Como a camada de núcleo é essencial à interconectividade entre os
dispositivos da camada de distribuição, é importante que o núcleo seja altamente
disponível e redundante. A área do núcleo também pode se conectar a recursos de
Internet. Como o núcleo agrega o tráfego de todos os dispositivos da camada de
distribuição, ele deve ser capaz de encaminhar grandes quantidades de dados
rapidamente.
7

Referências Bibliográficas:

<http://www.diegomacedo.com.br/wp-content/uploads/2012/02/Modelo-OSI.png>-
Acessadoem 27/03/2015.

<https://support.microsoft.com/pt-br/kb/103884/pt-br>

<http://www.teleco.com.br/tutoriais/tutorialosi/>

Redes de Computadores – Versão revisada e atualizada. 2ª Edição. Gabriel Torres. Ed. Nova
Terra.

<http://nomundodasredes.blogspot.com.br/2011/10/modelo-de-rede-hierarquica.html>
<https://www.oficinadanet.com.br/artigo/2254/topologia_de_redes_vantagens_e_desvantagen
s>
<https://www.oficinadanet.com.br/artigo/2254/topologia_de_redes_vantagens_e_desvantagen
s>