Você está na página 1de 31

PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS

GRUPO: HEITOR GALVÃO


ALEXANDRE NORONHA
XANGAI OLIVEIRA

1
SUMÁRIO
1. Histórico do Fogo
2. Combustão
2.1. Triângulo de Fogo
2.1.1 Combustível
2.1.2 Fonte de Calor
2.1.3 Comburente
2.2 Tetraedro de Fogo
3. Classes de incêndios

2
SUMÁRIO
3. Classes de incêndios
3.1 Proteção Passiva Contra Incêndio em subestações elétricas.
3.2 Requisitos básicos para proteção contra incêndios em subestações
3.2.1 Instrução técnica nº 37/2011 subestação elétrica
3.2.1.1 Exigências mínimas de proteção para cada tipo de subestação
4. Primeiros Socorros
4.1 Choque elétrico
4.2 Lesões causadas por acidentes com eletricidade.
4.3 Procedimentos
5. Exercícios
6. Conclusão, 7. Referências Bibliográficas

3
1. HISTÓRICO DO FOGO
• Os primeiros contatos, que os primitivos habitantes tiveram com
o fogo, foram através de manifestações naturais: raios.
• Na sua evolução, o homem primitivo passou a utilizar o fogo
como parte integrante da sua vida: utilizado na iluminação e
aquecimento das cavernas e no cozimento da sua comida.
• Arquimedes: ressaltou a importância do fogo, concluindo que
eram quatro os elementos: o ar, a água, a terra e o fogo.
• No século XVIII, um célebre cientista francês, Antoine Lawrence
Lavoisier, descobriu as bases científicas do fogo.

4
2. COMBUSTÃO
• Reação química, na qual uma substância combustível reage com o
oxigênio, ativada pelo calor (elevação de temperatura), emitindo
energia luminosa (fogo), mais calor e outros produtos.
• Classificação: combustão lenta, combustão viva, combustão
muito viva.
• Elemento de estudo desse trabalho envolvendo combustão:
triangulo de fogo, tetraedro de fogo.

5
2.1 TRIÂNGULO DE FOGO
• Para que exista Fogo, 3 elementos são necessários: o combustível, o
comburente (Oxigênio) e a Fonte de Calor (Temperatura de Ignição).

6
2.1.1 COMBUSTÍVEL
• É toda substância capaz de queimar, servindo de campo de
propagação do fogo.
• Podem estar no estado sólido, liquido e gasoso:
 Sólidos Ex: Madeira, Tecido, Papel, Mato, etc.
 Líquidos Ex: Gasolina, Álcool Etílico, Acetona, etc.
 Gasosos Ex: Acetileno, GLP, Hidrogênio, etc

7
2.1.2 FONTE DE CALOR
• É uma forma de energia, denominada energia térmica ou calórica.
Essa energia é transferida sempre de um corpo de maior temperatura
para o de menor temperatura, até existir equilíbrio térmico.
• A energia de ativação pode provir de várias origens, como por
exemplo:
 Origem nuclear. Ex.: Fissão nuclear
 Origem química. Ex.: Reação química(limalha de ferro + óleo)
 Origem elétrica. Ex.: Resistência(aquecedor elétrico)
 Origem mecânica. Ex.: Atrito

8
2.1.3 COMBURENTE
• É o elemento que reage com o combustível, participando da
reação química da combustão, possibilitando assim vida às
chamas e intensidade a combustão.
• Exemplos: gás cloro e o gás flúor, porém o comburente mais
comum é o oxigênio.

9
2.2 TETRAEDRO DO FOGO
• Complementa o triângulo do fogo com
outro elemento de suma importância,
a reação em cadeia.
• A combustão é uma reação que se
processa em cadeia, que após a
partida inicial, é mantida pelo calor
produzido durante o processamento
da reação.
• Formação de produtos intermediários
instáveis: radicais livres
• Radicais livres: cabe a
responsabilidade de transferir a
energia necessária à transformação
da energia química em calorífica

10
3.CLASSES DE INCÊNDIOS
• Classe A: envolvem combustíveis sólidos comuns, queima em
razão do volume do sólido comum.
• Classe B: São incêndios envolvendo líquidos inflamáveis,
graxas e gases combustíveis, não deixar resíduos.
• Classe C: Qualquer incêndio envolvendo combustíveis
energizados. Alguns combustíveis energizados.
• Classe D: Incêndios resultantes da combustão de metais
pirofóricos, queima em altas temperaturas.

11
3. CLASSES DE INCÊNDIOS
• Classe A:

• Classe B:

• Classe C:

• Classe D:

12
3.1 PROTEÇÃO ATIVA X PROTEÇÃO PASSIVA
• Proteção Ativa: medidas ativas de proteção que abrangem a
detecção, alarme e extinção do fogo (automática ou manual).
• Ex.: Chuveiros automáticos, detecção de incêndio, sistema de
extinção automático, extintores.
• Proteção Passiva: medidas de proteção que abrangem o controle
dos materiais, meios de escape, compartimentação e proteção
estrutural da subestação.
• Ex.: Revestimento estrutural, saídas de emergência.

13
3.2 REQUISITOS BÁSICOS PARA PROTEÇÃO
CONTRA INCÊNDIOS EM SUBESTAÇÕES
• Extintores de incêndio sobre rodas:
Os conjuntos transformadores e
reatores de potência ou unidades
individuais devem ser protegidos por
extintores de pó , tipo sobre rodas,
com capacidade de 50 Kg ou outro de
igual ou maior capacidade extintora,
com agente extintor adequado e
conforme legislação vigente. Os
extintores devem ser instalados em
locais de fácil acesso, sinalizados,
abrigados contra intempéries e
identificados

14
3.2 REQUISITOS BÁSICOS PARA PROTEÇÃO
CONTRA INCÊNDIOS EM SUBESTAÇÕES
• Extintores de incêndio portáteis: As
edificações de uma subestação
devem ser protegidas, de preferência,
por extintores de incêndio portáteis de
gás carbônico (CO2) e pó químico
seco.

15
3.2.1 INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 37/2011
SUBESTAÇÃO ELÉTRICA
• Estabelecer as medidas de segurança contra incêndio em
subestações elétricas.
• Esta Instrução Técnica (IT) aplica-se a todos os tipos de subestações
elétricas refrigeradas a óleo e a seco.
• Para efeitos desta Instrução Técnica aplicam-se as definições
constantes da IT 03/11 - Terminologia de segurança contra incêndio.

16
3.2.1.1 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA CADA TIPO
DE SUBESTAÇÃO ELÉTRICA
• Subestação convencional:  Sistema de resfriamento por linhas
manuais, que deve atender aos
 Via de acesso para veículos de parâmetros da IT 25/11;
emergência;
 Resfriamento por sistema fixo
 Parede corta-fogo em automático deve atender aos
transformadores, reatores de parâmetros da NBR 8674/05 –
potência e reguladores de tensão; Execução de sistema fixos
automáticos de proteção contra
 Bacia de captação com sistema de incêndio, com água nebulizada para
drenagem interligado à caixa de transformadores e reatores de
contenção (separadora de potência;
água/óleo) de óleo mineral  Sistema de proteção por espuma para
isolante; tanque do transformador ou bacia de
contenção de óleo isolante com
 Extintores portáteis e sobrerrodas; capacidade maior que 20 m³, de
 Sinalização de incêndio; acordo com os parâmetros da IT
25/11.

17
3.2.1.1 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA CADA TIPO
DE SUBESTAÇÃO ELÉTRICA
• Subestações de uso múltiplo: • Bacia de captação com sistema de
 Via de acesso a veículos de drenagem interligado à caixa de
emergência; contenção (separadora de
água/óleo) de óleo mineral
 Parede corta-fogo em
isolante;
transformadores, reatores de
 potência e reguladores de tensão; • Sinalização de incêndio;

 Separação de transformadores, • Sistema de resfriamento por linhas


reatores de potência e reguladores manuais, que deve atender aos
de tensão, em relação a outros parâmetros da IT 25/11.
equipamentos e edificações, no
mínimo, a 15 m;
 Extintores portáteis e sobrerrodas;

18
3.2.1.1 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA CADA TIPO
DE SUBESTAÇÃO ELÉTRICA
• Subestação compacta abrigada  Extintores portáteis e
e subterrânea: sobrerrodas;
 Vias de acesso para veículos de  Sistema fixo de CO2, em
emergência; transformadores, reatores de
 Paredes corta-fogo em potência ou reguladores de
transformadores, reatores de tensão, conforme a NBR
potência ou reguladores de 12232/05, quando tecnicamente
tensão; viável;
 Bacia de captação com sistema de  Iluminação de emergência;
drenagem interligado à caixa de
contenção (separadora de  Sistema de alarme de incêndio;
água/óleo) de óleo mineral  Saídas de emergência;
isolante;
 Sinalização de incêndio;

19
3.2.1.1 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA CADA TIPO
DE SUBESTAÇÃO ELÉTRICA
• Subestação compacta de uso  Iluminação de emergência;
múltiplo:
 Sistema fixo de gás carbônico CO2
 Vias de acesso para veículos de em transformadores, reatores de
emergência; potência ou reguladores de tensão
 Paredes corta-fogo em conforme a NBR 12232/05, quando
transformadores, reatores de tecnicamente viável;
potência e reguladores de tensão;  Sinalização de incêndio;
 Bacia de captação com sistema de  Sistema de resfriamento por linhas
drenagem interligado à caixa de manuais, que deve atender aos
contenção (separadora de
parâmetros da IT 25/11;
água/óleo) de óleo mineral
isolante;
 Extintores portáteis e sobrerrodas;

20
4. PRIMEIROS SOCORROS

21
4.1 CHOQUE ELÉTRICO

• Choque elétrico ocorre quando a corrente elétrica passa


diretamente através do corpo (contato)
• O corpo humano se comporta como um fio condutor –
possibilita a passagem de corrente elétrica

22
IMPORTANTE!
O acidente com eletricidade também oferece risco de vida para o socorrista!

23
4.2 LESÕES CAUSADAS POR ACIDENTES COM
ELETRICIDADE.

• Paralisação da respiração – por contração muscular – ASFIXIA


• Parada Cardíaca
• Queimaduras de 1º, 2º e terceiro grau – com locais de limites bem
definidos ou de grande extensão.

• Obs.: para falar de primeiros socorros não tem como separar choque
eletrico de queimaduras, ate porque como vai ser mostrado no slide
seguinte, choques elétricos, provocam queimaduras 1º, 2º e 3º.

24
25
4.3 PROCEDIMENTOS
• Antes de tocar a vítima, o socorrista deve desligar a corrente elétrica,
caso não seja possível, separar a vítima do contato utilizando qualquer
material que seja mau condutor de eletricidade como: um pedaço de
madeira cinto de couro, borracha grossa, luvas.

• Procedimentos:

Desligar a Fonte Retirar a vitima do contato 26


4.3 PROCEDIMENTOS
• Se a vitima apresentar parada respiratória ou cardíaca, aplique a
técnica de reanimação cardiopulmonar
• Procedimento:

27
4.3 PROCEDIMENTOS

• Após avaliar o nível de consciência e pulsação, verificar se há


queimaduras causadas na vítima
• Se a vítima tiver sede, molhe seus lábios e a língua com compressas
úmidas
• Encaminhar a vítima para assistência qualificada

28
5.EXERCÍCIOS
1) Classifique o processo de Combustão:
Combustão Lenta, combustão viva, combustão muito viva.
2) Qual a função dos radicais livres:
Responsabilidade de transferir a energia necessária à
transformação da energia química em calorifica.
3)Conceitue Primeiros Socorros:
É a assistência imediata e adequada após um acidente.

29
6. CONCLUSÃO
• O objetivo desse trabalho consiste na conscientização de que o fogo
tanto é útil, como destruidor por isso a prevenção e o combate a
incêndios é de suma importância, nas subestações de energia, pois a
vida de seres humanos está em jogo.

30
7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
• http://www.areaseg.com/bib/11%20-%20Fogo/apostila-02.pdf
acessado em 12/06/2014
• http://ricardorsantos.wordpress.com/2010/03/22/protecao-passiva-
contra-incendio-em-subestacoes-eletricas-uma-solucao-que-salva-
vidas-e-garante-a-disponibilidade/ - acessado em 12/06/2014
• http://www.cbm.pi.gov.br/download/201404/CBM16_64666bbd9a.pdf -
acessado em 12/06/2014
• http://http://www.iqm.unicamp.br/csea/docs/QG362_2009/primeiros%2
0socorros%20Prof.%20Fabio%20Gozo.pdf - acessado em 13 jun.
2014.

31

Você também pode gostar