Você está na página 1de 4

COLÉGIO ESTADUAL ELIANA BOAVENTURA

PROGRAMA NOVO MAIS EDUCAÇÃO


OFICINA DE LETRAMENTO LINGUÍSTICO
PROFESSOR: DIEGO MACLAUDIO
ALUNO (A)____________________________________________
SÉRIE: 8 ano B

D18 ––––––––– QUESTÃO 02 ––––––––


D4 ––––––––– QUESTÃO 01 ––––––––– ––
Leia o texto abaixo e, a seguir, responda.
– A namorada
Leia o texto abaixo e, a seguir, responda. Manoel de Barros
Medo Havia um muro alto entre nossas casas.
Cora Coralina Difícil de mandar recado para ela.
Viajava uma jardineira, expresso ou Não havia e-mail.
perua, como se diz, de Goiânia para O pai era uma onça.
Goianópolis. Levava na coberta, entre malas e A gente amarrava o bilhete numa pedra presa
trouxas, um caixão vazio de defunto, destinado por um cordão
para uma pessoa falecida naquele distrito. E pinchava a pedra no quintal da casa dela.
Logo adiante na estrada, um homem Se a namorada respondesse pela mesma
parado, dá sinal e a perua para. pedra
Dentro, tudo cheio. O homem que Era uma glória!
precisava seguir viagem aceitou de viajar na Mas por vezes o bilhete enganchava nos
coberta com os volumes e o caixão vazio. galhos da goiabeira
Subiu. O tempo tinha se fechado para chuva e E então era agonia.
logo começou a pingar grosso. O sujeito em No tempo do onça era assim.
cima achou que não seria nada demais ele Disponível em:
entrar dentro do caixão e ali se defender da http://www.releituras.com/manoeldebarros_namorada.asp.
Acesso em 21/02/2013.
chuva. Pensou e melhor fez. Entrou, espichou
bem as pernas, ajeitou a cabeça na almofada
No trecho “O pai era uma onça,” a palavra
que ia dentro, puxou a tampa e, bem
destacada sugere que o pai era
confortado, ouvia a chuva cair.
(A) violento.
Mais adiante, dois outros esperavam
condução. Deram sinal e a perua parou de (B) esperto.
novo; os homens subiram a escadinha e se (C) rápido.
acocoraram no alto. Iam conversando e (D) rígido.
molhados com a chuva fina e insistente.
Passado algum tempo o que ia D5 –––––––––– QUESTÃO 03 ––––––––
resguardado escutando a conversa ali em ––
cima levantou devagarinho a tampa do caixão Leia o texto abaixo e, a seguir, responda.
e perguntou de dentro, só isto: "Companheiro,
será que a chuva já passou?". Foi um salto só
que os dois embobados fizeram correndo. Um
quebrou a perna, o outro partiu braços e
costelas e ficaram ambos estatelados do susto
e sem fala, na estrada.
Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro. Revista
Na Ponta do Lápis, Nº12, São Paulo, dezembro de 2009.

O texto possui um tom de


(A) reflexão.
(B) humor.
(C) crítica.
(D) ironia.

Disponível em: Humorpolitico.com.br. Acessado em 15 de


janeiro de 2013.
O texto revela que o Brasil D7 –––––––––– QUESTÃO 04 ––––––––
(A) desistirá de sediar a Copa do Mundo para
––
focar nos problemas sociais.
Qual a tese do texto?
(B) possui ótimas condições de sediar a
(A) A tragédia que poderia ter sido evitada.
Copa do Mundo em 2014.
(B) A falta de saídas de emergência nas
(C) resolverá seus problemas sociais antes
boates.
da Copa do Mundo.
(C) Maior fiscalização das normas de
(D) está sendo sacrificado para sediar a segurança.
Copa do Mundo.
(D) As tragédias que deixam um rastro de
sofrimento.

Leia o texto abaixo e, a seguir, responda D8 –––––––––– QUESTÃO 05 ––––––––


aos itens 4, 5 e 6.
––
Editorial
29/01/2013 O principal argumento utilizado para
Teatro de absurdos defender a tese apresentada é
Os absurdos que provocaram a tragédia (A) “Eles morreram em decorrência de uma
acontecida na cidade gaúcha de Santa Maria sucessão de erros por parte da casa
fizeram parte também das repercussões noturna.”
mundiais desse doloroso sinistro, que custou a (B) “...a fiscalização não é rotineira, mas feita
vida de tantas pessoas, a maioria jovens. apenas depois de denúncia ou
Eles morreram em decorrência de uma solicitação.”
sucessão de erros por parte da casa noturna. (C) “...de nada vale a lei se ela não for
Não havia saídas de emergência, a única fiscalizada e se sua desobediência não
porta era estreita, o material que revestia o for punida.”
teto da boate era extremamente inflamável e a (D) “Impunes, os infratores se sentirão livres
documentação não estava em dia. para desrespeitar as normas a qualquer
Há boates em todo o Brasil com alvarás momento.”
vencidos. O próprio Corpo de Bombeiros
admite que isso pode ocorrer inclusive em D14 –––––––––– QUESTÃO 06 –––––––
Goiânia, já que a fiscalização não é rotineira, –––
mas feita apenas depois de denúncia ou
Em qual das alternativas abaixo está
solicitação.
expressa uma opinião?
A legislação é rigorosa, ao exigir o
(A) “Há boates em todo o Brasil com alvarás
cumprimento de uma série de normas que
vencidos.”
garantem a segurança dos frequentadores de
casas noturnas. Mas de nada vale a lei se ela (B) “Eles morreram em decorrência de uma
não for fiscalizada e se sua desobediência não sucessão de erros...”
for punida. (C) “O próprio Corpo de Bombeiros admite
Impunes, os infratores se sentirão livres que isso pode ocorrer...”
para desrespeitar as normas a qualquer (D) “Impunes, os infratores se sentirão livres
momento, em favor da economia de gastos e para desrespeitar as normas.”
maior lucratividade. Essa é a armadilha que se
impõe contra a segurança. D11 –––––––––– QUESTÃO 07 –––––––
Não se pode tolerar mais que medidas –––
só sejam tomadas depois de tragédias, que Leia o texto abaixo e, a seguir, responda.
deixam um rastro eterno de sofrimento. Essa
lição dolorosa deixada pela tragédia de Santa PREZADOS SENHORES,
Maria poderia ter sido evitada com Uns amigos me falaram que os senhores
responsabilidade e fiscalização. estão para destruir 45 mil pares de tênis
Disponível em
http://www.opopular.com.br/editorias/opiniao/editorial- falsificados com a marca Nike e que, para
1.145048/teatro-de-absurdos-1.269353, acesso em 29/01/2013. esse fim, uma máquina especial já teria até
sido adquirida. A razão desta cartinha é um
pedido. Um pedido muito urgente.
Antes de mais nada, devo dizer aos Disponível em: http://book-
rede.webnode.com.br/news/reda%C3%A7%C3%A3o%20-
senhores que nada tenho contra a destruição %20carta%20argumentativa/. Acesso em 20/02/2013.
de tênis, ou de bonecas Barbie, ou de
qualquer coisa que tenha sido pirateada. O remetente da carta pediu um par de tênis
Afinal, a marca é dos senhores, e quem usa Nike porque
essa marca indevidamente sabe que está (A) 45 mil pares de tênis seriam destruídos
correndo um risco. Destruam, portanto. Com a por uma máquina especial.
máquina, sem a máquina, destruam. Destruir é (B) sempre sonhou com a marca e queria a
um direito dos senhores. admiração de seus amigos.
Mas, por favor, reservem um par, um (C) falta-lhe dinheiro para comprá-lo e é um
único par desses tênis que serão destruídos admirador dessa marca.
para este que vos escreve. Este pedido é
(D) considera os tênis falsificados idênticos
motivado por duas razões: em primeiro lugar,
aos originais.
sou um grande admirador da marca Nike,
mesmo falsificada. Aliás, estive olhando os
tênis pirateados e devo confessar que não vi
Leia o texto abaixo e, a seguir, responda
grande diferença deles para os verdadeiros.
aos itens 8 e 9.
Em segundo lugar, e isto é o mais importante,
sou pobre, pobre e ignorante. Quem está
escrevendo esta carta para mim é um vizinho,
homem bondoso. Ele vai inclusive colocá-la no
correio, porque eu não tenho dinheiro para o
selo. Nem dinheiro para selo, nem para
qualquer outra coisa: sou pobre como um rato.
Mas a pobreza não impede de sonhar, e eu
sempre sonhei com um tênis Nike. Os
senhores não têm ideia de como isso será
importante para mim. Meus amigos, por
exemplo, vão me olhar de outra maneira se eu
aparecer de Nike. Eu direi, naturalmente, que
foi presente (não quero que pensem que andei
roubando), mas sei que a admiração deles não
diminuirá: afinal, quem pode receber um Nike
de presente pode receber muitas outras
coisas. Verão que não sou o coitado que
pareço.
Uma última ponderação: a mim não
importa que o tênis seja falsificado, que ele Disponível em http://espacoeducar-liza.blogspot.com.br.
Acessado em 05 de fevereiro de 2013.
leve a marca Nike sem ser Nike. Porque,
vejam, tudo em minha vida é assim. Moro num
barraco que não pode ser chamado de casa, D16 –––––––––– QUESTÃO 08 –––––––
mas, para todos os efeitos, chamo-o de casa. –––
Uso a camiseta de uma universidade O humor da tirinha está na
americana, com dizeres em inglês, que não (A) vergonha do pai.
entendo, mas nunca estive nem sequer perto (B) indignação do pai.
da universidade - é uma camiseta que (C) surpresa da menina.
encontrei no lixo. E assim por diante. (D) interpretação da menina.
Mandem-me, por favor, um tênis. Pode ser
tamanho grande, embora eu tenha pé
D17 –––––––––– QUESTÃO 09 –––––––
pequeno. Não me desagradaria nada fingir
que tenho pé grande. Dá à pessoa uma certa –––
importância. E depois, quanto maior o tênis, No segundo quadrinho, o ponto de
mais visível ele é. E, como diz o meu vizinho interrogação reforça a ideia de
aqui, visibilidade é tudo na vida. (A) surpresa.
Moacyr Scliar (B) comoção.
(C) indignação. (D) contentamento.
TEXTO II
D20 –––––––––– QUESTÃO 10 ––––––– Mascarados
Cora Coralina
–––
Leia os textos abaixo e, a seguir, responda.
Saiu o Semeador a semear Semeou o
TEXTO I
dia todo e a noite o apanhou ainda com as
Parábola do semeador
mãos cheias de sementes. Ele semeava
Mt.13, 3-9 tranquilo sem pensar na colheita porque muito
O semeador saiu para semear. Enquanto tinha colhido do que outros semearam. Jovem,
semeava, algumas sementes caíram à beira seja você esse semeador Semeia com
do caminho, e os passarinhos foram e as otimismo Semeia com idealismo as sementes
comeram. Outras sementes caíram em terreno vivas da Paz e da Justiça.
pedregoso, onde não havia muita terra. As Disponível em
sementes logo brotaram, porque a terra não http://www.releituras.com/coracoralina_mascarados.asp.
Acessado em 07 de novembro de 2012.
era profunda. Porém o sol saiu, queimou as
plantas, e elas secaram porque não tinham
raiz. Outras sementes caíram no meio de Comparando os dois textos, percebe-se
espinhos, e os espinhos cresceram e que eles são
sufocaram as plantas. Outras sementes, (A) idênticos.
porém, caíram em terra boa, e renderam cem, (B) contrários.
sessenta e trinta frutos por um. Quem tem (C) divergentes.
ouvidos, ouça! (D) complementares.
Bíblia Sagrada, edição Pastoral, Paulus, 1990.

PRODUÇÃO DE TEXTO

Produza o seu texto com base na crônica de


Moacyr Scliar (item 07 da avaliação) e na proposta
que se segue:

Proposta
O jovem da crônica de Scliar justifica na
carta que seus amigos irão olhá-lo de outra
maneira se ele aparecer de Nike, mesmo que seja
presente.
Nesta proposta, você irá escrever um
editorial para ser publicado no jornal da sua escola
ou da sua cidade, sobre a influência das
tendências da mídia na vida dos jovens. Para isto,
releia o editorial Teatro de absurdos, publicado no
Jornal O Popular, em 29/01/2013 (Item 4 da
avaliação) para retomar alguns elementos básicos
deste gênero textual. O editorial tem caráter
opinativo, com o objetivo de influenciar os leitores
de um jornal ou revista, por meio de uma
linguagem um tanto forte e apelativa, sem
obrigação de se ater a nenhuma imparcialidade ou
objetividade. Mas lembre-se: deve ser escrito de
maneira impessoal e publicado sem assinatura.
Então, vamos lá! Você é, agora, o
editorialista da próxima edição do jornal, da sua
escola ou do seu município, e deverá expor a
opinião desse jornal sobre a influência das
tendências do mídia na vida dos jovens
brasileiros. Capriche!