Você está na página 1de 43

ANO XXXV – ed. 311 – Março 2020 – R$ 7,50 WWW.OMECA NICO.COM.

BR

TORQUES E SEQUÊNCIAS DE APERTO,


M O TDESMONTAGEM
OR E CARACTERÍSTICAS

DETALHES TÉCNICOS DO
MOTOR VW 1.6 16V EA211 MSI

MANUTENÇÃO INTERNA DO
MOTOR RENAULT D4D HI-
FLEX – PT. 2: MONTAGEM
FREIO RAIO X ARTIGO
MANUTENÇÃO DOS CHEVROLET EQUINOX 1.5 É POSSIVEL RECUPERAR
FREIOS DO HYUNDAI HB20 TURBO MIDNIGHT CARROS DE ENCHENTE?
EDITORIAL

INFORMAÇÃO TÉCNICA E
PAIXÃO PELO AUTOMÓVEL
m nossa missão de levar informação técnica da indústria para os mecâ-

E nicos, temos a gratificante tarefa de interagir com grandes especialis-


tas do setor. Toda apuração de reportagem é uma verdadeira aula sobre
automóvel, sua manutenção e seus sistemas – e procuramos reproduzir
todo esse conteúdo o mais fielmente possível em nossas reportagens. Igualmente,
quando recebemos as fabricantes para as transmissões d’O Mecânico Ao Vivo, a
troca de experiências é valiosa.
Ainda em 2019, a Volkswagen esteve em nossos estúdios para explicar e tirar
dúvidas sobre a desmontagem do motor 1.6 16V MSI da família EA211. Naquela
ocasião, acompanhando o gerente de Suporte ao Produto, Adilson Biazotti, estava
o assessor de imprensa Luís Felipe Figueiredo. Jornalista reconhecido pelo vasto
conhecimento técnico e paixão por automóveis, Luís Felipe passou por diversas pu-
blicações, incluindo a CARRO, e estava há 10 anos no time de comunicação da VW.
Conversamos longamente com ele sobre as atuais necessidades do mecânico
profissional e particularidades dos atuais motores da marca. Uma aula na trans-
missão, outra nos bastidores. O trabalho rendeu não apenas o Ao Vivo (que está no
canal O Mecâniconline no YouTube) como também a reportagem do passo a passo
detalhado sobre esse motor, que você lê nesta edição.
Mas, infelizmente, não tivemos tempo de mostrar a ele o resultado. Luís Felipe
Figueiredo nos deixou no dia 25 de fevereiro, com apenas 44 anos de idade, vítima
de um acidente doméstico. A reação de todos os colegas jornalistas, entre o espanto
e a tristeza, foi de reverência a um profissional dedicado, correto e ético, que sabia
da importância em apurar a informação precisa em um segmento como o nosso.
Por isso, tivemos a preocupação em ter certeza de que a matéria que você vai ler nas
próximas páginas estaria impecável, à altura de sua memória.
Nesta edição de março da Revista, não poderíamos deixar de celebrar a presen-
ça feminina em uma área ainda tão masculina. Entrevistamos três jovens mulheres
mecânicas que batalham nas oficinas, provando que competência na profissão e
amor pela mecânica automobilística não estão ligadas a gênero. Também prepara-
mos uma reportagem completa sobre a manutenção dos freios do Hyundai HB20 e
um artigo especial sobre o reparo de carros que sofreram com alagamento.
E no momento em que você receber esta revista em mãos, estará no ar a 4ª edi-
ção da “Pesquisa de Conhecimento de Marca e Hábitos de Consumo 2020”, enco-
mendada ao IBOPE Inteligência pela Revista O Mecânico para mapear as prefe-
rências do mecânico automobilístico no mercado de reposição de autopeças. Saiba
como participar entrando no site omecanico.com.br

Um abraço e ótima leitura,


Fernando Lalli
Editor

3
SUMÁRIO
w w w.ome c a nic o.c om.b r
Diretores
Fabio Antunes de Figueiredo
Alyne Figueiredo

Corpo editorial
Editor: Fernando Lalli (Mtb. 66.430)
Repórteres: Gustavo de Sá (Mtb. 77.198)
Raycia Lima (Mtb. 89.457)
Editora Digital
Anamaria Rinaldi (Mtb. 52.373)

EDIÇÃO 311 - MARÇO 2020 Colaboradores


Fernando Landulfo

34 Como fazer a manutenção dos Victor Piccin


facebook/omecanico – youtube/omecaniconline
freios do Hyundai HB20
Ilustração (Abílio)
Michelle Iacocca

Diretor Comercial
Fabio Antunes de Figueiredo

Representantes:
AGM Representações
Agnaldo Antonio
Rosa Souza
VR Representações
Vanessa Ramires
Alexandre Peloggia
comercial@omecanico.com.br

Diretora Administrativa

54 Especial: Mulher na oficina Alyne Figueiredo


financeiro@omecanico.com.br
virou realidade Arte
Rafael Guimarães
arte@omecanico.com.br

Endereço Gestão editorial


Rua Traipu, 99
Bairro Pacaembu - São Paulo/SP
CEP: 01235-000
Tel: (11) 2039-5807

Assinatura: Tel: (11) 2039-5807


assinatura@omecanico.com.br
Distribuição: Tel: (11) 2039-5807
distribuicao@omecanico.com.br

60
Impressão: Ipsis

Artigo: é possível recuperar


carros de enchente?

14
Edição nº 311 - Circulação: Março / 2020

O Mecânico é uma publicação técnica mensal, formativa e informativa,


sobre reparação de veículos leves e pesados. Circula nacionalmente
SEÇÕES em oficinas mecânicas, de funilaria/pintura e eletricidade, centros
automotivos, postos de serviços, retíficas, frotistas, concessionárias,
distribuidores, fabricantes de autopeças e montadoras. Também é
08 ENTREVISTA
Desmontagem do motor VW 1.6
distribuída em cooperação com lojas de autopeças “ROD” (Rede Oficial

12 ACONTECE de Distribuidores da Revista O Mecânico).

16V MSI: conheça os detalhes do 64 RAIO X É proibida a reprodução total ou parcial de matérias sem prévia
autorização. Matérias, artigos assinados e anúncios publicitários

propulsor da família EA211 que está 70 ABILIO RESPONDE são de responsabilidade dos autores e não representam
necessariamente a opinião da Revista O Mecânico.
72 LANÇAMENTOS
em modelos como Gol, Voyage, Polo,
Tiragem da edição 311 verificada por PwC
Apoio:
80 ABILIO
Virtus, Saveiro, Fox e Golf 82 HUMOR
4 OMECANICO.COM.BR MARÇO 5
E N T R E V I S TA

IKS COMPLETA MEIO a empresa tornou-se, por vários anos,


fornecedora exclusiva desse produto O segmento de
SÉCULO DE HISTÓRIA
para essa sistemista e para a maioria das
fábricas de cabos de comando. No final cabos de comando
dos anos 80, os patinetes motorizados incorporou essa
viraram moda no Brasil e a IKS come- grande evolução
por Fernando Lalli çou a produzir cabos completos para a
empresa Hatsuta, à época o grande fa- tecnológica que
bricante nacional desses equipamentos. atingiu todo o
C
onhecida no mercado No início dos anos 90, já tendo se ins- setor de autopeças
talado em um novo barracão próprio,
de reposição pelos construído num terreno com 25 mil m² automotivas,
na estrada que liga a cidade de Salto a Itu, gerando produtos
cabos para sistemas de trans- a IKS lançou sua marca comercial e pas- muito mais
sou a fornecer seus produtos principal-
missão com câmbio manual, mente para os distribuidores regionais confiáveis
dos principais estados do país. Todavia, e de grande
a IKS chega a 50 anos de o grande marco na história da empresa durabilidade
se deu no período de 1997 a 98, quando
existência no ano de 2020 adquiriu em leilão extrajudicial todo o
parque fabril e também o direito de uso
com ampla gama de aplica- da marca Cablex, a grande fornecedora
de cabos de comando para as montado-
ções, principalmente entre ras nacionais, em especial para a GM FRUET: 2019 não foi um ano dos sonhos
do Brasil. A partir daí, e já utilizando para o setor de autopeças, mas no caso
veículos de cinco a quinze a marca IKS Cablex, foram desenvol- específico da IKS, foi um ano razoável
Nelson Fruet, IKS vidas e incorporadas ao seu portfólio pois tivemos um crescimento um pouco
anos de uso. Nesta entrevista, de produtos as linhas agrícola, pesada acima da média no nosso segmento. No
REVISTA O MECÂNICO: A IKS comple- e de motocicletas. A empresa também início do ano acreditávamos num aque-
o sócio-diretor da IKS, Nel- ta 50 anos de existência em 2020, mas passou por processos de certificação do cimento mais robusto da atividade eco-
a atual administração assumiu em seu Sistema de Gestão da Qualidade e foi nômica, o que gerou certa frustração no
son Fruet, conta a história 1986. Conte-nos sobre os principais homologada nos grandes distribuidores final do período. Para 2020, contamos
momentos da história da empresa. nacionais, que passaram a fazer parte da com a continuidade desse processo de
da fabricante de autopeças, NELSON FRUET: A IKS foi fundada em sua clientela. Novas ampliações físicas recuperação, principalmente se as refor-
1970 tendo como objetivo principal a fa- em seu parque fabril foram realizadas, mas tributária e administrativa em dis-
comenta sobre a importância bricação de componentes para as indús- totalizando hoje 7.500 m² de instalações cussão no Congresso Nacional tiverem
trias de cabos de comando, e foi adquiri- produtivas. Também nesse período foi um desfecho promissor.
do mecânico e projeta um da pelos atuais sócios no ano de 1986. Na criada uma nova empresa coligada, a
ocasião dessa aquisição, o item mais pro- Santa Luzia, que atua no segmento de O MECÂNICO: A queda brusca na ven-
2020 de crescimento, mas de duzido era o eixo flexível giratório uti- componentes para bicicletas e artefatosda de automóveis e a lenta retomada
lizado nos cabos de velocímetro e tacó- de metal, e que também se localiza na mexeu com o negócio de muitos fabri-
trabalho árduo para tornar grafos, e o seu grande cliente era a VDO, cidade de Salto. cantes de autopeças. Na sua visão, como
fornecedora de várias montadoras nessa está o mercado de reposição de auto-
o crescimento duradouro e época. Logo em seguida, através de um O MECÂNICO: Economicamente fa- peças como um todo, atualmente? Há
contrato de comodato, a VDO repassou lando, qual o balanço que a IKS faz perspectiva de crescimento para 2020?
consistente. à IKS todos os seus equipamentos que do ano de 2019? E qual é a perspectiva FRUET: A queda acentuada na venda
também produziam os eixos flexíveis e para 2020? de veículos novos gerou forte impacto
8 OMECANICO.COM.BR MARÇO 9
E N T R E V I S TA

nos fornecedores de produtos para as minada, como uma pastilha de freio por
montadoras ou sistemistas. No caso da O que adiantaria exemplo. Eles são substituídos por oca- Nossa
IKS, só um pequeno percentual do seu ao aplicador sião de uma quebra ou extremo desgaste.
portfólio é destinado a esse segmento. O Assim sendo, eles começam a ser con- expectativa
mercado de reposição continua sendo o indicar uma sumidos mais intensamente 3 ou 4 anos para 2020 é
grande foco de nossa atuação e esse im- marca que após o lançamento do veículo. Então otimista, mas
pacto não teve repercussão em nosso de- custasse acompanhamos os volumes de produção
sempenho. Como citado anteriormente, dos veículos nacionais, a quantidade dos um otimismo
nossa expectativa para 2020 é otimista, alguns reais a veículos importados incorporados à fro- encarado de
mas um otimismo encarado de forma menos, porém ta brasileira e a demanda do mercado de forma realista
realista pois sabemos que após um ciclo de qualidade reposição para programarmos os novos
recessivo, sobrevêm um novo período produtos a serem desenvolvidos.
de crescimento e desenvolvimento, mas inferior, se
será preciso trabalhar arduamente para após um curto O MECÂNICO: Como a IKS atende ao
que esse período seja duradouro e con- período o cliente público de mecânicos? Há ações dire-
sistente. cionadas? Qual é a principal necessi- lestras técnicas voltadas principalmen-
retornasse à dade que a empresa vê nesse público te para balconistas e aplicadores, que
O MECÂNICO: Vocês produzem uma sua oficina e que precisa ser atendida? buscam apresentar e detalhar os nossos
ampla gama de cabos para as mais reclamasse da FRUET: Procuramos estar sempre pró- produtos, dando-lhes o embasamento e
diversas aplicações das linhas leve ximos ao elo final da nossa corrente de conhecimento técnico para se sentirem
e pesada, moto e agrícola. Quantos má qualidade consumo. Temos promotores de venda seguros ao indicar os nossos cabos de
itens compõem o portfólio da IKS do produto que estão constantemente visitando lo- comando. Acrescente-se a isso também
atualmente e qual é o carro-chefe da instalado? jistas e aplicadores para apresentar-lhes as novas ferramentas de contato imedia-
empresa no mercado de reposição? nossos produtos e seus diferenciais em to cliente-fábrica, como as redes sociais,
FRUET: Temos hoje em nosso portfólio relação à concorrência. Esses profissio- WhatsApp e 0800, que possibilitam o
perto de 2 mil itens, com cerca de 80% nais precisam conhecer detalhadamen- esclarecimento de qualquer dúvida so-
desses itens com produção ativa. O car- te os produtos que comercializarão ou bre os produtos de nossa fabricação.
ro-chefe da empresa são os produtos duzir alguns tipos de cabos de comando. aplicarão, pois normalmente o proprie-
para veículos leves com 5 a 10 anos de Não era incomum alguns proprietários tário do veículo não tem conhecimento O MECÂNICO: Na sua opinião, o mecâ-
uso, com destaque para os cabos de en- de Fusca, Brasília ou Kombi carregarem técnico para fazer a opção pela marca do nico tem fator de decisão na marca da
gate e seleção utilizados nos veículos de cabos de acelerador ou embreagem so- cabo a ser instalado. Procuramos tam- peça que será aplicada no veículo?
câmbio manual. bressalentes nos seus veículos, pois eram bém acrescentar informações que sejam FRUET: É claro que sim. E para convencê-
produtos tão primários, tecnologica- pertinentes à rotina do seu trabalho. -lo a fazer essa opção por um produto da
O MECÂNICO: A linha leve abran- mente falando, que tinham uma vida útil Por exemplo, quando o mecânico vai nossa fabricação, o profissional precisa
ge muitos veículos com 10, 20 ou até extremamente curta e necessitavam de substituir o sistema de embreagem de conhecer e confiar nas suas qualidades.
mais anos de uso. O quanto essa gama troca constante. Atualmente, o segmen- um determinado veículo, aconselhamos Temos hoje um número insignificante
representa do negócio da empresa? to de cabos de comando incorporou essa que também seja substituído o cabo de de devoluções em garantia e mesmo as-
FRUET: Aproximadamente 80% de nos- grande evolução tecnológica que atingiu embreagem, mesmo que ele ainda tenha sim esses números são submetidos a um
sas vendas se concentram nos veículos todo o setor de autopeças automotivas, um certo período de vida útil. O custo rígido processo de melhoria contínua,
com 5 a 15 anos de uso, pois a idade mé- gerando produtos muito mais confiáveis do cabo em relação ao sistema como um visando sempre oferecer ao consumidor
dia dos veículos que compõem a frota e de grande durabilidade. todo é tão insignificante que ele apro- um produto de excelência comprovada.
circulante brasileira é de 9,5 anos. Agora veitará melhor a sua mão de obra e dei- E o que adiantaria ao aplicador indicar
convém citar aqui a grande evolução tec- O MECÂNICO: Como a IKS identifica a xará o seu cliente mais satisfeito com o uma marca que custasse alguns reais a
nológica dos produtos de nossa fabrica- necessidade por novas aplicações no resultado final do seu trabalho, pois com menos, porém de qualidade inferior, se
ção. Costumo brincar que nos anos 90, mercado de reposição? certeza lhe entregará um veículo com após um curto período o cliente retor-
quem possuísse em casa um martelo, FRUET: Os produtos de nossa fabricação melhores condições de dirigibilidade. nasse à sua oficina e reclamasse da má
uma morsa e um alicate, poderia pro- não possuem uma vida útil pré-deter- Temos também um programa de pa- qualidade do produto instalado?
10 OMECANICO.COM.BR MARÇO 11
ACONTECE

Sistema GDi da Delphi


A Delphi Technologies apresenta
um novo sistema GDi de 500+ bar,
que pode reduzir as emissões de
partículas em até 50% em relação
ao sistema convencional de 350 bar.
A previsão é que o produto comece
a ser produzido a partir de 2022. A
empresa explica que além de não
exigir modificações dispendiosas
no design do motor, essa tecnologia
permite atingir pressões mais altas
a partir de um sistema de vedação

Caminhões Scania movidos a gás


inovador e um conjunto interno de
tamanho reduzido.

A Scania Latin America passa a produzir caminhões movidos a gás em sua fábrica de São
Bernardo do Campo/SP. Os veículos a GNV (Gás Natural Veicular) e GNL (Gás Natural
Liquefeito), que irão atender ao mercado interno e externo, já foram apresentados ao
MAIS MOLAS público brasileiro em outubro do ano passado durante a Fenatran e as primeiras entregas
PNEUMÁTICAS devem acontecer a partir de abril.

A Continental amplia
sua capacidade produtiva O FERA DO ANO DA NAKATA
de sistemas de molas
pneumáticas no Brasil. A promoção Feras da Oficina da Nakata selecionou o mecânico
As novas instalações Fernando Neves como o Fera do Ano. Ele enviou ao todo
serão usadas para fabricar 16 dicas de manutenção durante a campanha, sendo que
produtos na linha de três se destacaram como campeãs mensais e quatro foram
equipamentos originais classificadas. Como prêmio, recebeu um carrinho com mais de
e reposição para o setor 60 ferramentas. A ação somou em quase um ano 8 mil mecânicos
de veículos comerciais, participantes e mais de 800 dicas de manutenção de veículos.
incluindo ônibus,
caminhões e reboques,
em um único local. OFICINA AUTORIZADA MERITOR
Atualmente, a Continental
NOVOS PONTOS DE RECARGA DA AUDI produz pneus para veículos A Meritor inaugura seu 2º posto de assistência
comerciais, tacógrafos técnica do Brasil, localizado em Ribeirão Preto/
A Audi vai investir R$ 10 milhões em 200 estações digitais e mostradores de SP, em parceria com a MMarra Distribuidora
de recarga para veículos elétricos no Brasil até 2022. tacômetros para veículos Automotiva. No local, serão oferecidos serviços
Instalados em parceria com a empresa Engie, os pontos comerciais leves e pesados de manutenção em eixos diferenciais e seus

Fotos: Divulgação
serão dotados de plug do tipo 2 (padrão europeu). A marca para o mercado sul- respectivos componentes. Este é o 3º posto de
ainda terá 14 Audi Centers habilitados para manutenção americano. serviços da Meritor na América Latina e o 2º no
de seu novo modelo elétrico, o e-tron, em 10 estados Brasil. O outro está em Santana do Parnaíba em
parceria com a empresa Mundial Transmissões.
12 OMECANICO.COM.BR JULHO 13
M OT O R

velas (virabrequim) tem o diâmetro dos diador de óleo, que permite manter mais
mancais principais reduzido e menor adequadamente a temperatura do lubri-
quantidade de contrapesos. ficante.
Com quatro válvulas por cilindro O motor 1.6 16V também traz cole-
(duas para admissão e duas para escape), tor de admissão feito de material poli-
o cabeçote possui comando de admis- mérico, sistema de ignição com uma bo-
são variável. As válvulas são acionadas bina por cilindro (o que elimina os cabos
por balancins roletados (RSH, do termo de vela) e sistema de partida a frio que
em alemão Rollenschlepphebel). A taxa de dispensa o reservatório auxiliar de par-
compressão deste 1.6 16V é de 11,5:1. tida a frio (o conhecido tanquinho). Este
O cabeçote possui coletor de escape motor foi aplicado pela primeira vez
integrado, formando uma peça única, na linha 2015 de Gol Rallye e Saveiro
com refrigeração líquida. Recurso ino- Cross. Nos anos seguintes, foi adotado
vador é o duplo circuito de arrefecimen- por versões do Fox, SpaceFox e Space-
to, que permite temperaturas diferentes Cross, além do Golf nacional de sétima
para o bloco e para o cabeçote. Ainda geração. Atualmente, o 1.6 16V da famí-
que haja apenas uma bomba d’água e um lia EA211 está disponível em versões de
radiador, a solução vem da utilização de Polo e Virtus (MSI e MSI AT), Gol e Vo-
duas válvulas termostáticas no sistema. yage (MSI AT) e Saveiro (Cross).
“Isso ajuda a manter maior tempe- Na família Gol, este motor gera
ratura de funcionamento para o bloco, 120/110 cv de potência (E/G) a 5.750
tornando o óleo mais fluido e gerando rpm e 16,8/15,8 kgfm de torque (E/G) a
menor atrito entre os componentes”, ex- 4.000 rpm. Já em Polo e Virtus, o mes-
plica Cristiano Norberto, instrutor da mo 1.6 16V entrega 3 cv e 0,3 kgfm a
Academia Volkswagen. Além do duplo menos com etanol nos mesmos regimes

DESMONTAGEM DO MOTOR circuito, o 1.6 16V é equipado com ra- de rotação.

VOLKSWAGEN 1.6 16V EA211


Conheça os detalhes do conjunto motriz que equipa
modelos das famílias Gol e Polo, além de Fox e Golf
Texto Gustavo de Sá fotos Leonardo Barboza

motor Volkswagen MSI 1.6 novo motor é um projeto feito do zero,


O 16V da família EA211 chegou
em 2014 para suceder (ou, em
com foco em alívio de peso, redução de
atrito e consequente aumento da efi-
alguns modelos, complemen- ciência energética.
tar) a oferta do 1.6 8V da geração EA111, Neste 1.6 16V, bloco e cabeçote são
presente no mercado desde meados da feitos de alumínio, o que permitiu a re-
década de 1990. Apesar de manter os dução do conjunto em 15 kg na compa-
mesmos diâmetro dos cilindros (76,5 ração com o antecessor. As bielas, por
mm) e curso dos pistões (86,9 mm) – e, sua vez, são cerca de 25% mais leves do
portanto, a cilindrada de 1.598 cm³ –, o que as convencionais. A árvore de mani-
14 OMECANICO.COM.BR MARÇO 15
M OT O R

Conheça as ferramentas.
1 SINCRONISMO E REMOÇÃO
DA CORREIA

1) Antes de apresentar o motor, é preciso


atentar-se aos detalhes do sincronismo.
Soluções em
Desmonte as carenagens do motor para
acesso e colocação das ferramentas.
ferramentas
Tire a tampa dianteira da correia denta-
da, que é fixada por 2 grampos laterais e
automotivas
um parafuso M6 com a chave torx 30. para você fazer
2
2) Na região do comando de válvulas, do
lado do volante, utilize a torx 30 para re-
ainda mais bonito
mover os três parafusos de fixação da
cobertura plástica para ter acesso às
na sua oficina.
árvores de comando.

3) Três ferramentas especiais são ne- Ferramentas


cessárias para fazer o travamento do que atendem
comando de válvulas com o 1º e 4º aos mais variados
cilindros em PMS (Ponto Morto Supe- segmentos
rior). À esquerda, a ferramenta que faz
o travamento. Ao centro, o parafuso que - Escapamento/injeção
substitui o bujão lateral para posicionar - Sistema de ignição
3 a árvore de manivelas para a posição - Direção/suspensão
correta. À direita, a ferramenta usada - Arrefecimento
para pressionar a correia dentada para - Polias de comando
que o travamento do comando de válvu- - Pistão
las seja possível. - Freio
- Rodas
4) Com soquete 18, remova o bujão lateral - Lubrificação
do bloco do motor. - Combustível
- Lanternagem/chapeação
5) No lugar do bujão removido no passo - Painel
anterior, coloque o parafuso especial - Iluminação
4 5a Para mais informações acesse:
tramontina.com/pro

16 OMECANICO.COM.BR MARÇO
M OT O R

5b de aço temperado (de código interno


T-10340) para que a árvore de manive-
las fique na posição correta.

6) O parafuso deve encostar totalmente


no contrapeso da árvore de manivela,
como mostra a foto. Se ele não encaixar
da maneira adequada, é sinal de que a
árvore de manivela não está na posição
ideal (1º e 4º cilindros em PMS). Quando
instalado corretamente, o parafuso im- 10 11
6 pede o movimento da árvore de manive-
las no sentido horário. 12 13

7) Use a ferramenta especial de código


T-10477 para fazer o travamento do co-
mando de válvulas (7a). O semi-círculo
menor da primeira peça deve ficar posi-
cionado na parte de cima do motor (7b).

8) É necessário empurrar a correia com


outra ferramenta especial (T-10487)
7a para que a peça de travamento do co-
mando encaixe na posição adequada. 10) Para a remoção da polia da árvore de
manivelas (também conhecida como
9) Utilize um parafuso para travar a primei- amortecedor de vibração), use uma fer- 14
ra ferramenta até a remoção da tampa ramenta especial e chave 22 mm para
de válvulas. retirar o parafuso do amortecedor.

8 11) A polia é multichavetada (a fim de au-


mentar o torque) e não possui posicio-
namento específico.

12) O parafuso tem torque alto e deve ser


substituído toda vez que for removido.
7b O torque de aperto é de 150 Nm + torque
angular de 180°. 15a

13) Para remover a carenagem da polia, remova


9 os 4 parafusos M-6 com uma chave torx 30.

14) Utilize um soquete 16 para remover os 3


parafusos do suporte do coxim do motor.

15) Solte o tensionador com uma ferramen-


ta especial (código T-10499) (15a) e
uma chave 13 mm (15b).
18 OMECANICO.COM.BR MARÇO 19
M OT O R

15b 16) Segundo a recomendação do manual


de manutenção deste motor, a correia
dentada deve ser inspecionada a cada
20 mil quilômetros (ou 2 anos) e subs-
tituída a cada 120 mil quilômetros (ou
4 anos e meio de uso). Em caso de re-
moção, observe com cuidado a posição
correta de instalação. E jamais dobre a
correia para não danificar as cordoalhas
dela, que são essenciais para a resistên-
cia do componente.
16
17) A polia de sincronismo possui um chan-
fro que indica a posição correta de en-
caixe na árvore de manivelas.

18) Com uma ferramenta especial (código


T-10172) e uma chave estriada 12 mm,
faça a remoção das polias superiores
do comando de válvulas. As polias não
são chavetadas, motivo pelo qual é im-
portante travar o comando de válvulas
no início do procedimento. “Se o coman-
do não estiver travado, na hora que os
parafusos forem soltos – por conta da
17 tensão das molas que prendem as vál-
vulas –, elas irão se fechar rapidamen-
te, e você perceberá um giro no eixo de
comando”, explica o Cristiano Norberto,
instrutor da Academia Volkswagen.

19) Ao contrário do motor 1.0 de três cilin-


dros da mesma família EA211, a polia do
comando de escape não é trioval, mas,
sim, circunferencial – portanto, não exi-
ge posição correta na hora da fixação.

18 19

20 OMECANICO.COM.BR MARÇO
M OT O R

20 20) O parafuso de fixação da polia de escape


sempre deve ser substituído após a re-
moção. O torque de aperto é partilhado:
torque inicial de 15 Nm + segundo torque
de 50 Nm + torque angular de 90°.

21) Com a alavanca de código T-10172, a


ferramenta de contra-apoio de código 25
T-10554 e uma chave torx 55, remova o
parafuso do bujão de fechamento do va- 25) O conjunto do variador trabalha por
riador de fase do comando de válvulas. pressão de óleo – o diagrama de aber- 26
21 tura e fechamento das válvulas pode
22) O parafuso é do tipo bujão, com anel de variar em até 42°, sem escalonamento 27
vedação. O torque de aperto é de 20 Nm. (em relação à árvore de manivelas), de
acordo com a demanda de torque.
23) Para remover a engrenagem de válvulas
com variador de abertura, use as ferra- DESMONTAGEM DA PARTE
mentas T-10172 e T-10554, em conjunto SUPERIOR DO MOTOR
com uma chave estriada 12 mm.
26) Utilize uma chave torx 30 para remover
24) O parafuso de fixação da engrenagem a galeria de combustível.
do comando de válvulas variável deve
22 ser substituído por uma peça nova a 27) A flauta abriga as válvulas injetoras e as
cada remoção. O torque de aperto é do velas aquecedoras de combustível para
tipo partilhado: torque inicial de 15 Nm a partida a frio com etanol. O Volkswa-
+ segundo torque de 50 Nm + torque an- gen Polo E-Flex, de 2009, foi o primeiro
gular de 135°. veículo flex a adotar o sistema, à época
com o motor 1.6 8V da família EA111. As
velas aquecem o etanol a 80°C quando
24 a temperatura externa está igual ou
inferior a 14,3°C, a fim de gerar vapor
do combustível derivado da cana-de-
-açúcar e possibilitar a combustão. O
23 sistema começa a trabalhar quando o
motorista abre a porta e o nível de eta- 28
nol no tanque de combustível é superior
a 85%. Com isso, o reservatório auxiliar
de partida a frio (conhecido popular-
mente como “tanquinho de gasolina”) é
eliminado.

28) Com uma chave torx 30, remova os 4


parafusos de fixação do corpo de bor-
boleta. Há 2 sensores (para garantir o
princípio de redundância) e 1 atuador
que operam a abertura ou fechamento
da borboleta.
22 OMECANICO.COM.BR MARÇO 23
M OT O R

29 29) Ainda com a chave torx 30, remova os


6 parafusos de fixação do coletor de
admissão. O coletor é feito de mate-
rial polimérico de alta resistência e
baixa rugosidade, com o objetivo de
permitir melhor fluxo de ar.

30) Este motor utiliza sistema de injeção


indireta, com injeção de combustível
antes da válvula de admissão.

31) Remova o radiador de óleo do motor


30 com chave soquete 10 mm. O radia-
dor de óleo utiliza o líquido de arre-
fecimento para fazer a refrigeração
do lubrificante. Por isso é importante
tomar cuidado com as vedações da
peça na hora da montagem. A mis-
tura de fluido de arrefecimento com
lubrificante pode ser fatal para o mo-
tor. Por isso evitar a corrosão do sis-
tema é imprescindível. Se o trocador
de calor corroer por causa do fluido
não aditivado poderá ocorrer mistura
31 entre os fluidos.

32) Com uma chave torx 30, remova os


parafusos de fixação da válvula de
ventilação positiva do cárter (PCV),
também chamada de blow by.

33) A válvula PCV faz a separação do óleo


e dos gases do combustível e possui
uma membrana calibrada pela pres-
são atmosférica, controlando a pres-
são dos gases dentro do cárter. Essa
32 válvula controla a pressão interna do
cárter, através da circulação de vapo-
res emitidos com o aquecimento do
lubrificante. Como o lubrificante pode
atingir temperaturas acima dos 100°C,
esses vapores podem conter vapor de
combustível, vapor de lubrificante e
água. “Uma das vantagens é não pos-
suir mangueira, que produz uma borra
branca que prejudica a passagem dos
gases e, em consequência, o funcio-
24 OMECANICO.COM.BR MARÇO
M OT O R 39a

33 namento do motor”, explica o instrutor 39) Solte os 15 parafusos da tampa de vál-


da Academia Volkswagen. vulas (39a). A remoção deve ser feita na
ordem de fora para dentro da tampa, do
34) Utilize uma chave torx 30 para remover parafuso nº15 ao nº1, como indica o es-
os 5 parafusos de fixação do módulo de quema do manual de reparo (39b).
bomba d’água.
40) Os parafusos da tampa de válvulas
35) O módulo é composto pela bomba devem ser substituídos em todas as
d’água em si e duas válvulas termostá- aberturas da peça. Para a instalação, 39b
ticas, pois o sistema tem duplo circuito comece pela ordem inversa à vista no
de arrefecimento (um para o bloco do esquema do passo anterior, de dentro
motor e outro para o cabeçote). O tor- para fora (partindo do parafuso nº 1). O
34 que de aperto dos parafusos da bomba torque de aperto destes parafusos é de
d’água é de 30 Nm. 10 Nm + torque angular de 120°.

36) Recomenda-se a substituição da mini 41) O módulo de comando de válvulas é for-


correia de bomba d’água quando a cor- mado por uma peça inteiriça – os perifé-
reia dentada principal for substituída. ricos que podem ser substituídos são os
retentores de vedação, a solenoide do va-
37) Remova as bobinas de ignição com um riador do comando de válvulas de admis- 40
soquete 10 mm. são (de código interno N-205), a tampa de
abastecimento de óleo, a válvula de entra-
38) Vale ressaltar que não deve ser feito tes- da de ar unidirecional do sistema blow by
te de resistência nas bobinas; a medição (em destaque na imagem) e o sensor de
35 deve ser feita por meio de indução mag- fase do motor (de código G-40).
nética, com o auxílio do osciloscópio.
42) O comando de válvulas é do tipo role-
36 tado, o que ajuda a diminuir atrito e au-
mentar a eficiência energética. 41

43) A junta do módulo da tampa de válvulas


é de aço e deve ser substituída a cada
remoção.

42

37
38
43

26 OMECANICO.COM.BR MARÇO 27
M OT O R

44 44) Por ser um motor de 16 válvulas, conse-


quentemente são 16 balancins e tuchos.
O balancim é do tipo RSH (roletado) e os
tuchos são hidráulicos. “O tucho possui
uma válvula de entrada, por onde é fei-
ta a passagem do óleo lubrificante sob
pressão pelos canais do cabeçote. De
acordo com a posição do tucho, ele li-
bera a válvula, que alimenta a câmara
inferior do tucho”, explica Norberto.

45 45) O cabeçote é fixado por 10 parafusos,


que devem ser removidos de fora para
dentro (do nº1 ao nº10 no gráfico abaixo)
com uma chave estriada 12 mm.

46) Os parafusos devem ser substituídos por


novos após a remoção. O aperto é feito
em 4 etapas, na sequência de dentro para
fora: primeiro torque de 40 Nm + três
torques angulares de 90°. Para reapro-
veitar os tuchos hidráulicos, as posições
46 devem ser numeradas no momento da
remoção.

47) O cabeçote deste motor 1.6 16V da fa-


mília EA211 é de alumínio e possui co-
letor de escape integrado, que otimiza o
aquecimento do motor na fase fria e, na
fase quente, controla a temperatura dos
gases de escape. O sensor de tempera-
tura também fica no cabeçote.

47

28 OMECANICO.COM.BR MARÇO
M OT O R

48 DESMONTAGEM DA PARTE
INFERIOR DO MOTOR

48) A câmara de combustão possui duas vál-


vulas de admissão e duas de escape, sen-
do as de escape menores que as de admis-
são. No centro da câmara, a vela, que não
é de centelha orientada como nos motores
TSI – o torque de aperto é de 25 Nm.
49
49) A junta do cabeçote é de aço e deve ser 53 54a
substituída após cada remoção.

50) O bloco possui galerias de passagem de


líquido de arrefecimento ao redor das ca-
misas dos pistões, que são de aço – en-
quanto o bloco é em alumínio. Segundo
a Volkswagen, o uso do alumínio repre-
50 senta um alívio de peso de 15 kg em rela-
ção ao bloco do motor 1.6 8V da família 54b
EA111, que possui bloco de ferro fundido.
53) O filtro de óleo é fixado ao pré-cárter. 55
51) O cárter é dividido em 2 partes, sendo uma A quantidade de abastecimento deste
peça de aço e outra de alumínio. Com uma motor é de 4,5 l quando trocado o filtro. 56
torx 30, remova os 19 parafusos do cárter
de aço (51a). Esses parafusos devem ser 54) O pré-carter (peça de alumínio) é fixa-
substituídos a cada remoção. Também do por 18 parafusos – para removê-los,
51a deve ser aplicada uma cola de vedação, de utilize uma chave allen 5. Na instalação,
código “D.176.501.A1”. O torque de aperto os parafusos devem ser substituídos
é de 12 Nm e a sequência de aperto deve por novos e seguir a mesma sequência
ser iniciada pela lateral mais comprida e, na de aperto do cárter de aço. A cola de
sequência, nas extremidades (ordem de 1 vedação também é a mesma do cárter.
a 19) (51b). O torque de aperto é de 8 Nm + torque
angular de 90°.
52) O bujão de drenagem do óleo lubrificante é
do tipo convencional, com anel de vedação, 55) Utilize uma torx 30 para remover os dois 57
51b que deve ser substituído a cada remoção. parafusos de fixação do “pescador de
óleo”, que é feito de plástico.
52
56) Remova o defletor de óleo, peça que
evita o balanço e a cavitação do lubrifi-
cante no cárter.

57) A árvore de manivelas é forjada e tem


peso até 40% menor na comparação
com a mesma peça usada no 1.6 8V da
família EA111, segundo a Volkswagen.
30 OMECANICO.COM.BR MARÇO 31
M OT O R

58 59

60 58) Para remover os pistões, utilize soque-


te 10 mm para soltar os parafusos e
uma ferramenta sacadora em formato
de “U” para empurrar abaixo a biela pe-
los orifícios das roscas.

59) Os pistões também são 40% mais leves,


enquanto as bielas tiveram o peso redu-
zido em 32%.

61 60) O pistão possui saia curta, enquanto a


biela é do tipo fraturada. O ponto de jun-
ção entre pistão e biela possui formato
trapezoidal, que melhora a distribuição
de energia no momento da combustão.

61) Para remover a flange que acomoda o


sensor de rotação e a roda geradora de
sinais, utilize os próprios parafusos M-6
da peça em três pontos. Ao apertar os
parafusos até o fim, a peça desencaixa
de forma simples.

62 62) Os mancais de fixação da árvore de ma-


nivelas no bloco são de ferro fundido,
enquanto os parafusos de fixação são
de aço temperado. Eles são parafusa-
dos no bloco, que é de alumínio. “Por
isso, convém não removê-los. Caso
contrário, será necessário fazer a subs-
tituição parcial do motor, por não per-
mitir assentamento”, explica Cristiano
Norberto, instrutor da Academia Volks-
wagen.

Colaboração técnica:
Academia Volkswagen
32 OMECANICO.COM.BR MARÇO
FREIOS

ada veículo tem sua preconi- analisamos os freios do Hyundai HB20,

C zação de quilometragem para


a inspeção dos elementos de
desgaste dos freios – discos,
cujos materiais de desgaste podem ter
tamanhos diferentes conforme o motor
do veículo.
pastilhas, tambores e lonas. Contudo, na A unidade aqui reparada tinha motor
vida real, não há como prever com exa- 1.6. Seus tambores traseiros são iguais
tidão quando essas peças precisarão ser aos da versão 1.0, porém, os discos dian-
trocadas. Se considerarmos exatamente teiros são mais espessos. De acordo com
a mesma distância rodada, carros que a Hipper Freios, o disco de freio para o
trafegam mais em rodovias estarão com HB20 1.6 (código HF 325L) tem espes-
peças muito menos gastas do que veícu- sura de 22 mm, enquanto o destinado ao
los que vivem diariamente no “anda e HB20 1.0 (HF 325J) tem espessura má-
para” do trânsito urbano. Afinal, usa-se xima de 18 mm. Cuidado: ambos têm o
menos o freio em uma estrada do que em mesmo diâmetro externo (256 mm), são
ruas ou avenidas com semáforos, cruza- visualmente idênticos e podem, por um
mentos etc. Sem falar na diferença no descuido, ser montados um no lugar do
estilo de direção de cada pessoa: moto- outro. Por segurança, meça a peça antes
ristas diferentes terão desgastes de freio da instalação no veículo.
diferentes. Não custa lembrar: devido ao deslo-
Cabe ao mecânico executar a inspe- camento de peso no momento do acio-
ção visual e medir o desgaste das peças namento, os freios dianteiros são res-
dentro do período recomendado – ge- ponsáveis por cerca de 70% da força de
ralmente a cada 10 mil km ou, em caso frenagem.
de uso severo, a cada 5 mil km. Ao se “Se o disco no veículo (HB20 1.6)
constatar a necessidade de troca, o me- estiver com 20 mm de espessura ou me-
cânico tem que ficar atento à aplicação nos, descarte-o. Ele não tem mais condi-
correta das peças. Nesta reportagem, ções de ser utilizado ou retificado”, co-

COMO FAZER A MANUTENÇÃO


DOS FREIOS DO HYUNDAI HB20
Veja a substituição completa dos elementos de
desgaste e a sangria do sistema de freios gerenciado
por ABS no compacto da Hyundai com motor 1.6 e
câmbio automático no ano-modelo 2014/2015
texto e fotos Fernando Lalli

34 OMECANICO.COM.BR MARÇO 35
FREIOS

que percorre em média 2 mil ou 3 mil


km por ano terá menos desgaste do que
um que roda 20 mil km em qualquer tipo
de percurso no mesmo período. Porém,
há cuidados especiais que devem ser to-
Hengst | Fazendo do nosso planeta
mados, principalmente com relação a
óleos lubrificantes e fluidos, incluindo um lugar mais puro.
o de freio, pois estão sujeitos a perder
suas características por envelhecimento
e contaminação. Expert em filtragem.
O Hyundai HB20 desta reportagem
havia rodado pouco mais de 10 mil km Com mais de 60 anos de experiência, a
em cinco anos, e todos os seus compo- Hengst atende mundialmente o mercado
nentes de freio ainda eram originais. original (OE) e o mercado de reposição
Quanto ao fluido de freio, a recomen- (IAM), trabalhando com excelência,
dação de fábrica é trocá-lo totalmente a
menta o representante técnico da Hipper cada 10 mil km ou 12 meses de uso. Por- qualidade Premium e inovação em todas
Freios, Domingos Felice. “Lembre-se tanto, considerando que o carro foi fa-
C
as plantas ao redor do mundo.
que é uma peça de segurança. Se o disco bricado em 2014, o fluido já havia supe-M

estiver muito próximo de 20 mm, tam- rado em muito sua vida útil por tempo.
bém não recomendamos a retífica. Subs- Bastou colocar no reservatório do ci-
Y

titua a peça”, determina o especialista. lindro-mestre um aparelho que mede a CM

porcentagem de umidade do ar absorvida


As espessuras original e mínima estão
gravadas no corpo do disco, assim como (higroscopia) para constatar que o fluido
MY Para diversas necessidades.
estão gravados nos tambores traseiros os tinha que ser substituído com urgência.CY
Nosso catálogo abrangente compila
diâmetros original e máximo.
Domingos também observa que o CMY mais de 2.600 aplicações, atendendo à
disco original de fábrica possui dois furos K linha leve, pesada e agrícola com aplica-
em sua pista (foto acima). São limitadores ções nacionais e importadas.
técnicos de desgaste, que funcionam da
mesma forma que o TWI dos pneus: se
a superfície da pista se nivelar ao final
do furo, indica que o desgaste chegou ao
limite e o disco deve ser trocado. “Essa é
uma estratégia de algumas montadoras.
O mercado de reposição não tem norma The SMART Alternative.
técnica para esse item. O que nós reco-
mendamos é fazer a medição da espes-
sura técnica do disco com micrômetro”, Confiando na qualidade Premium.
aponta o representante da Hipper Freios.
Conheça os filtros Hengst e as aplicações corretas em nosso catálogo online.
Descubra mais sobre a nossa história e as montadoras que confiam na excelência
ATENÇÃO PARA O FLUIDO
de nossos serviços desenvolvidos com tecnologia alemã para atender aos mais
Além do “carro de estrada” e do “carro
altos padrões de performance conhecidos no mercado.
que só roda na cidade”, há um terceiro www.hengst.com
perfil de uso do automóvel que deve ser
observado quanto à manutenção em ge- www.hengst.com/smart
ral: carros que rodam pouco. Um veículo
36 OMECANICO.COM.BR MARÇO
Independent Aftermarket
FREIOS

precisa ter um funcionamento perfei-


to, afinal, é um item de segurança. Mas
quando sua manutenção é negligencia-
da, os freios dianteiros ficam sobrecar-
regados e as pastilhas tendem a vitrifi-
car, piorando ainda mais a capacidade de
frenagem do veículo.
“Quando falamos em vitrificação,
na verdade, é a cristalização da resina
fenólica, que é um termofixo que supor-
ta bastante temperatura, desenvolvida
para isso. E quando ela cristaliza, a pas-
tilha perde eficiência de atrito”, explica o
técnico da Cobreq. “A vitrificação ocor-
re mais comumente porque os freios
dianteiros estão superaquecendo por
“O reservatório do fluido de freio não é E esse não é o único problema cau- sobrecarga de frenagem, ou seja, estão
estanque. O fluido absorve umidade do sado pela absorção da umidade com o suportando todo o peso do veículo por car na junção de deslizamento. Isso pode
ar pela tampa do reservatório. Em média, tempo de uso: a água pode provocar a falta de eficiência dos freios traseiros”, travar a pastilha e deixá-la em contato
o fluido absorve de 5 a 10% de umidade corrosão de partes metálicas internas do aponta Luiz. Por isso, a recomendação constante com o disco, sem aplicação da
durante um ano”, detalha o promotor sistema, pois torna o fluido ácido. “Em é sempre verificar o conjunto por com- frenagem, criando um atrito que vai de-
técnico da Cobreq, Luiz Castro. Quanto veículos com atuador hidráulico, esse pleto no momento da parada na oficina. gradar a massa da pastilha por excesso de
mais umidade, mais abaixa a temperatu- problema também vai atingir o sistema Para suprimir a vibração na pastilha, temperatura”, indica Luiz.
ra de ebulição, o que torna o fluido mais de embreagem do veículo”, adverte Luiz. no caso do HB20, as peças tanto de fábrica O formato da massa de atrito tam-
suscetível à fervura sob maior demanda, quanto na reposição possuem dispositi- bém influencia: no caso da pastilha
gerando bolhas de vapor e deixando o pe- POR QUE A PASTILHA “CHIA”? vos como a placa antirruído – uma chapa fornecida pela Cobreq para o HB20, ela
dal de freio “borrachudo”. Uma das principais reclamações após o nas costas da peça. Existem no aftermar- possui extremidades chanfradas, en-
“As bolhas de ar são compressíveis, reparo nos freios é o chiado incômodo ket sprays antirruído para aplicação em quanto a pastilha original possui um
enquanto o líquido não é”, descreve o nos momentos de frenagem. Segundo pastilhas. O especialista da Cobreq diz rasgo ao centro. Ambos têm a mesma
professor de engenharia da FMU, Fer- Luiz Castro, os dois focos de ruído mais que não há problema em utilizar esse função, reduzir o ruído. Já outra fonte de
nando Landulfo. “Ao se utilizar um comuns são o assentamento de pastilhas tipo de produto, mas é necessária muita atrito é proposital: o sensor acústico que
freio hidráulico com líquido contami- novas em discos usados que não foram atenção na aplicação. “Aplique sempre nas indica o limite de desgaste da pastilha
nado com água, a pressão de trabalho e retificados e a falta de manutenção dos costas da pastilha e deixe secar antes de (foto ao lado, abaixo). “Quando esse sensor
o calor recebido do atrito dos elemen- freios traseiros, o que causa vitrificação instalar. Caso contrário, quando a pinça encosta no disco, ele produz um ruído
tos frenantes elevam a temperatura do das pastilhas por sobrecarga. for instalada, o líquido vai escorrer e se- característico que indica que a massa de
fluido. Como o ponto de ebulição dele No primeiro caso, quando há o con- atrito chegou a menos de 3 milímetros
foi abaixado pela presença de água, ele tato da superfície plana da pastilha com a de espessura”, afirma Luiz.
pode entrar em ebulição. Esse fenômeno superfície ondulada do disco usado, ocor- A seguir, você acompanha a demons-
provoca o aparecimento de bolhas de ar re uma variação muito grande da con- tração da substituição dos elementos de
que são compressíveis, ou seja, reduzem dição de atrito. “Essa variação causa um desgaste dos freios, sangria e regulagem
o seu volume com o aumento da pres- excesso de vibração da pastilha no aloja- do freio de estacionamento do Hyun-
são. Em outras palavras: grande parte mento da pinça e isso gera o ruído pela dai HB20 1.6 AT 2014/2015. O proce-
do curso do pedal será destinado a com- fricção das costas da pastilha, tanto no dimento foi executado pelo mecânico
primir bolhas de ar, dando a sensação apoio da pinça quanto no apoio do êm- proprietário da oficina DR Auto Mecâ-
de ‘pedal bobo’”, comenta Landulfo, que bolo”, descreve o especialista da Cobreq. nica, Ricardo Chiarato, sob a supervisão
também é consultor técnico das revistas Quanto à falta de manutenção dos de Domingos Felice, da Hipper Freios e
O Mecânico e CARRO. freios traseiros, é evidente que o sistema Luiz Castro, da Cobreq.
38 OMECANICO.COM.BR MARÇO 39
FREIOS

1 DIAGNÓSTICO DOS COMPONENTES te as porcas de fixação da roda nos 5


DE FREIO DIANTEIRO prisioneiros para encostar o disco ao
máximo e não produzir resultados fal-
1) Verifique o nível de fluido de freio no sos. Vale ressaltar que os parafusos
reservatório do veículo e teste sua qua- de cabeça Philips são apenas guias de
lidade com aparelho apropriado. No montagem.
momento em que Ricardo colocou o Empenamento máximo no conjunto
aparelho no fluido do HB20 da reporta- montado: 0,10 mm
gem, o indicador vermelho piscou ime- Empenamento máximo no cubo de
diatamente, acusando que havia mais roda: 0,05 mm
de 5% de água e indicava a necessidade Importante: se as porcas não forem
de trocar o fluido. vazadas, elas devem ser calçadas
para encostar no disco. Ainda, se ao
2) Com as rodas removidas, já é possível invés de porcas as rodas forem presas
medir a espessura do disco de freio. com parafusos, muito cuidado para
2 Fique atento: a tolerância de desgaste não transpassar o disco e danificar a
para o HB20 1.6 é pequena. roda fônica atrás do cubo. 6
Espessura original do disco: 22 mm
Espessura mínima do disco: 20 mm REMOÇÃO DAS PEÇAS
DO FREIO DIANTEIRO
3) Verifique quanto a danos e desgaste nas
demais peças que compõem o sistema 5) Para remover a pinça de freio, é ne-
na região das rodas, tais como as coifas cessário retirar o fluido velho que
dos pinos deslizantes, flexível e chicote está na câmara pressionando o êm-
do ABS. bolo. Para começar, instale um reci-
piente adequado com uma mangueira
4) Meça o empenamento do disco com para recolher o fluido de freio velho.
relógio comparador. Para tal, reaper- Deixe a saída da mangueira abaixo do
nível do parafuso, assim será possí-
3 4 vel saber se o fluido está realmente
saindo.

6) Use um estrangulador plástico para 7


pressionar o flexível e evitar que o
fluido velho retorne ao circuito.

7) Para descolar as pastilhas do disco,


você pode utilizar uma chave de fen-
da desde que seja com cuidado para
não danificar as peças – principal-
mente em caso de reaproveitamento
dos componentes de desgaste. Neste
momento, abra o sangrador e pressio-
ne a pastilha interna contra o êmbolo
– apenas o suficiente para permitir a
remoção do conjunto. Feche o sangra-
dor em seguida.
40 OMECANICO.COM.BR MARÇO 41
FREIOS

10 8) Solte os parafusos de fixação da pinça


nos pinos deslizantes. Use uma chave
de boca 17 mm para segurar o sextava-
do do pino deslizante e solte o parafuso
com chave 14 mm.

9) Pendure a pinça de modo a não esticar


ou forçar o flexível. Uma recomendação
segura é utilizar um arame enganchado
na própria mola de suspensão.

10) Com a pinça pendurada, faça o retorno


11 do êmbolo usando um sargento e a pró-
pria pastilha interna do freio. Importante
sempre fazer essa operação com o pa-
rafuso sangrador aberto para purgar o
fluido velho e evitar uma contrapressão
sobre a unidade ABS ou cilindro-mestre.

11) Aproveite para observar se o desliza-


mento do pino no cavalete da pinça está
livre. Traga o pino para fora até o final do
curso para examinar se está com folga
axial.
42 OMECANICO.COM.BR MARÇO
FREIOS

12 12) Retire as pastilhas do cavalete.

13) Para retirar o cavalete, solte os dois pa-


rafusos de fixação com chave 17 mm.

14) Neste momento, o disco estará pratica-


mente livre. Basta soltar os dois parafu-
sos-guias com chave Philips e remover
o disco. 17

15) Veja se o cubo de roda apresenta sujeira 17) Faça a limpeza do cavalete com água e
ou ferrugem. Em caso positivo, limpe a sabão dentro de um recipiente adequa- 18
face com uma lixa fina. do. Também é permitido utilizar sprays
específicos para limpeza de freios to-
16) Meça o empenamento do cubo de roda mando os devidos cuidados, como usar
com relógio comparador, mesmo que o máscara e óculos de proteção para não
empenamento do disco medido ante- ter contato com o produto na aplicação.
riormente tenha ficado dentro do ideal.
Empenamento máximo no cubo de Obs: Já que o conjunto está desmontado,
roda: 0,05 mm aproveite para verificar o estado das
13 coifas das homocinéticas e o sensor do
14 ABS.

18) Retire os pinos deslizantes de seus ori- 19


fícios e observe os sinais de desgaste.
Lubrifique-os com cera específica para
a função. Neste caso, foi utilizada uma
cera à base de silicone da Textar com
ponto de gota de 900°C. Nunca utilize
graxa ou qualquer derivado de petróleo.

INSTALAÇÃO DO FREIO DIANTEIRO


15 16
Obs: A montagem segue a ordem inversa da
desmontagem, observando os pontos a
seguir. 20

19) Instale o disco novo. No caso do disco


da Hipper Freios, Domingos Felice expli-
ca que não é necessário limpar o óleo
protetivo que recobre a peça. Inclusive,
ele aponta que esse óleo ajuda a preve-
nir a formação de ferrugem no contato
entre o disco e o cubo de roda.

20) Monte o cavalete e aplique em seus para-


fusos o torque entre 79 a 98 Nm.
44 OMECANICO.COM.BR MARÇO 45
FREIOS

25) Solte os parafusos Philips do tambor, 25


que servem de guia para o componente.

26) Retire o tambor. Antes, coloque uma


bandeja no chão para colher a sujeira
que pode cair do sistema, principalmen-
te, em veículos muito rodados.
21a 27) Antes de começar a desmontar o sis-
tema, confira a condição das coifas do
22 21b cilindro de roda (o famoso “burrinho”).
Não pode haver rasgos nem rachadu-
21) Aplique nas costas das pastilhas (21a) ras, muito menos vazamento de fluido.
e nos pontos de deslizamento (21b) um Qualquer um desses indícios é sinal de 26
pouco da mesma cera utilizada nos pi- fim de vida útil do cilindro de roda, que
nos deslizantes para ajudar a elimidar deve ser trocado.
possíveis fontes de ruído.
28) Observe também a condição das lo-
22) Monte as pastilhas no cavalete. A pas- nas quanto a desgaste, aspectos do
tilha com o sensor acústico fica para o material de desgaste e, em caso de va-
lado interno. zamento do cilindro de roda, possível
contaminação.
23 23) Monte a pinça e aplique em seus para-
fusos de fixação nos pinos deslizantes 29) Limpe todo o mecanismo com água
o torque final de 22 a 31 Nm. e sabão. Também podem ser usados
sprays específicos para aplicação em
ANÁLISE E DESMONTAGEM limpeza de freios. Nunca utilize qual- 27
DO FREIO TRASEIRO quer tipo de derivado de petróleo nessa
área.
24) Solte o parafuso regulador do freio de
estacionamento. O acesso se dá por 28
uma janela atrás da alavanca, coberto
por uma pequena tampa plástica.

24

29

46 OMECANICO.COM.BR MARÇO 47
FREIOS

34) Se você não for substituir o cilindro de 34


roda, assim que soltar as sapatas, pren-
da os êmbolos imediatamente com um
elástico. Isso evita que eles saiam do
lugar se forem acidentalmente subme-
tidos à pressão do pedal.

35) Solte o cabo de freio de estacionamen-


to da sapata secundária com alicate de
bico. Não use alicate de corte.
30 31a ANÁLISE E MEDIÇÕES 35
NO FREIO TRASEIRO
31b 30) Após a limpeza, afaste as coifas do ci-
lindro de roda para observar se há flui- 36) Examine o tambor e as lonas removidas
do na região. Se houver, significa que a do veículo. Em caso de reaproveitamen-
gaxeta não está vedando corretamente to tanto do tambor quanto das lonas,
o êmbolo e o cilindro de roda deve ser não pode haver trincas, rupturas, oxida-
substituído. ções ou manchas na pista de contato e
massa de atrito. Meça o diâmetro inter-
31) Comece a desmontagem soltando o no dos tambores com paquímetro.
pino de ancoragem das sapatas. Pres- Diâmetro de fábrica: 203 mm
sione com cuidado a trava com um ali- Diâmetro máximo: 205,5 mm 36
cate e, com a outra mão, gire o pino.
37) Limpe a sujeira e ferrugem do cubo de
32) Em seguida, com o auxílio de uma chave de roda com uma escova de aço ou lixa fina.
fenda, desloque as sapatas fazendo uma
alavanca por baixo. Remova a mola inferior. 38) Meça o empenamento do cubo de roda
traseiro com relógio comparador. As-
33) Remova as sapatas com cuidado para sim como no dianteiro, o empenamento
os elementos do mecanismo não caí- não pode ser superior a 0,05 mm.
rem no chão, uma vez que já estarão Empenamento do cubo de roda trasei-
praticamente soltos. ro: 0,05 mm (máx.)

32 33 37 38

48 OMECANICO.COM.BR MARÇO 49
FREIOS

39 45) Agora, siga para a mola de retorno in- 45a


ferior. Desloque as sapatas para frente
se necessário para encaixá-la (45a),
mas lembre-se que a mola deve ficar
por baixo do ponto de apoio inferior das
sapatas (45b).
40
46) Com a mesma cera utilizada nas pasti-
MONTAGEM DO FREIO TRASEIRO lhas dianteiras, faça a lubrificação das
sapatas nos três pontos indicados no
39) Encaixe a sapata secundária no cabo espelho do tambor.
do freio de estacionamento com a ajuda
41 de um alicate de bico. Não use qualquer 47) Para regular as sapatas, encaixe o tam- 45b
tipo de alicate cortante para não danifi- bor novo e veja se ele roda livre. Caso
car o cabo em si. não, volte apenas o pouco necessário
para que o tambor volte a girar sem en-
40) Em seguida, fixe a sapata secundária costar nas sapatas. Se já estiver livre de
com seu pino de ancoragem e respec- primeira, é preciso expandir as sapatas
tiva presilha. Use um alicate convencio- até o ponto em que elas comecem a
nal, de bico quadrado. encostar no tambor, e depois voltar um
pouco para liberar o movimento. A ideia
41) Encaixe agora a sapata primária, da é que a distância entre as sapatas e a
mesma forma, com pino de ancoragem pista de contato do tambor seja mínima.
e presilha.
42 48) Instale o tambor novo. Não esqueça dos 46
42) Insira o regulador automático de des- dois parafusos-guia de cabeça Philips.
gaste das sapatas. Encolha-o ao máxi-
mo antes de posicioná-lo. Obs: Domingos da Hipper Freios ressal-
ta que a peça da marca também vem
43) Com ajuda de uma chave de fenda, en- com o mesmo óleo protetivo do disco e,
caixe a mola de retorno superior. igualmente, não precisa ser removido.

44) Depois, encaixe a chapa que segura o 47


regulador travado e sua respectiva mola
de acionamento.

43 44 48

50 OMECANICO.COM.BR MARÇO 51
FREIOS

SANGRIA DOS FREIOS e) Para fazer o bombeamento do fluido f) Para colher o fluido das pinças e cilin-
no sistema, o ideal é que seja utilizado dros de roda, utilize um recipiente ligado
49) Para os freios do HB20 1.6, o indicado é um equipamento sangrador automáti- a uma mangueira transparente. Ao co-
utilizar fluido DOT 4, que tem ponto de co. É possível fazer pelo modo conven- nectar a mangueira ao parafuso sangra-
ebulição em cerca de 30 a 35°C acima do cional, com mais um operador auxiliar dor, segure a mangueira de forma que
DOT 3. Não utilize DOT 5 ou superior: são pressionando o pedal de freio. Porém, ela faça um “arco” para cima.
fluidos com bases diferentes e devem ser o modo de se pressionar o pedal de
utilizados apenas em sistemas específi- freio deve ser similar ao de frenagens g) Em cada roda, abra o parafuso san-
cos. Siga a sequência abaixo: normais: acionar em torno de meio grador e observe o fluxo do fluido. No
curso de pedal e soltar, repetindo por momento em que o fluido novo sair do
a) Remova o fluido velho do reservatório seguidas vezes, de forma constante circuito e completar o “arco” até a garra-
com uma seringa. durante o sangramento das quatro ro- fa, feche o parafuso sangrador. A roda
das, sem se preocupar com a atividade está sangrada.
b) Retire o reservatório de fluido e limpe-o do operador externo. Não force o pedal
com água e sabão. Seque-o. até o final de curso porque isso pode h) É essencial usar o scanner para fazer
afetar o cilindro-mestre. Estes, quan- a sangria do fluido na bomba de recal-
c) Antes de devolver o reservatório ao veí- do muito usados, tendem a formar que do ABS. Sem isso, a sangria do flui-
culo, enxágue-o com um pouco do fluido uma calosidade e/ou oxidação no seu do é apenas parcial.
novo para remover qualquer resquício de interior, na região limite do curso dos
umidade que tenha ficado da lavagem. êmbolos. Essa calosidade ou oxidação
Descarte o fluido usado para descontami- pode danificar o material de vedação FREIO DE ESTACIONAMENTO 50
nação do reservatório e instale-o de volta. dos êmbolos quando eles são forçados
além da região normal de trabalho (no 50) Regule o freio de estacionamento giran-
d) Complete o reservatório com fluido caso, a sangria onde o pedal é solicita- do a porca com a mesma chave-canhão
novo até seu nível máximo. do até o final do curso). que a soltou no começo da operação
nas rodas traseiras. Aperte-a até que a
49f alavanca esteja acionando o freio com
quatro dentes da catraca. Faça a ope-
ração com o carro no chão, para o cabo
esticar e consumir a folga.

Assentamento: De acordo com Domingos, da Hipper Freios, o assentamento dos compo-


nentes aplicados neste procedimento ocorre em um curto trecho devido ao Hipper Grinding,
tecnologia utilizada nos discos da fabricante. Nesse período, oriente o proprietário do veícu-
lo a acionar o freio normalmente, mas sem frenagens bruscas desnecessárias.

Colaboração técnica – Oficina DR Auto Mecânica


Mais informações – Hipper Freios: (11) 99417-7256 // Cobreq: 0800-11-1992
52 OMECANICO.COM.BR MARÇO 53
ESPECIAL

Larissa Simoneti automotivo estão procurando por mu- tas”, relembra Larissa em tom de brin-
lheres para contratar em suas empresas. cadeira. A mecânica explica que há dois
“O nicho automotivo tem mudado anos, quando entrou na área, se via em
bastante, pois muitas empresas estão fa- um beco sem saída, pois sua vida pro-
zendo projetos de inclusão destinados a fissional foi transformada da água para
mulheres. Esses projetos vêm muitas ve- o vinho.
zes de empresas novas, pois essas já che- “Quando eu estudava Eletrônica Auto-
gam no mercado carregando filosofias motiva na FATEC de Santo André/SP, de
de gênero muito mais igualitárias do que onde sou, achava que ia acabar virando
víamos anos atrás”, aponta Reginaldo. professora, pois vagas para nós mulhe-
O resultado está vindo aos poucos, res, nesse setor, são bem escassas. Mas
e se reflete em histórias como a de La- o coordenador do meu curso me indi-
rissa Simoneti. Apesar de jovem, apenas cou para trabalhar na Volvo e em pouco
22 anos, já conseguiu ser um ponto de tempo eu já tive que sair do ambiente
fissura na linhagem de homens nas ofi- de sala de aula, onde achei que iria ficar,
cinas da Volvo. Larissa é a única mulher para lidar com um trabalho braçal”.
mecânica na rede de concessionários da
marca sueca no Brasil. COMPETÊNCIA CONTRA A
“Logo na entrevista eu já percebi que DESCONFIANÇA
algo diferente estava por acontecer, pois No começo, Larissa Simoneti precisou
a primeira coisa que o entrevistador me bastante da ajuda de seus colegas por
falou foi: ‘acho melhor você cortar as entender mais de eletrônica do que de

MULHER NA OFICINA: unhas caso passe, pois aqui o serviço na


oficina é puxado’. Acho que esse não é
um comentário comum nas entrevis-
automóveis de fato, mas era algo que a
incomodava, já que muitas vezes a qua-
lidade de seus serviços prestados era
VIROU REALIDADE
Mudanças no setor automotivo têm englobado, além
de novas tecnologias, mulheres mecânicas que
querem de uma vez por todas fazer do setor o seu lar
texto Raycia Lima fotos Rafael Guimarães

m parte devido à evolução mulheres, não só por conta de direitos

E tecnológica, o crescimento
no setor de manutenção au-
tomobilística tem chamado a
de gênero adquiridos, mas também por-
que com o passar dos anos, estereótipos
femininos foram quebrados.
atenção de profissionais dos mais varia- Manchetes e frases como “sexo frá-
dos ramos. A antiga profissão “mão na gil” são adjetivos praticamente excluí-
graxa” se atualizou e hoje grande parte dos do dia a dia, seja na oficina ou fora
do trabalho é realizado por meio de fer- dela, apesar do setor automotivo ainda
ramentas digitais e de precisão, exigindo ser uma barreira difícil de ser permea-
assim muito mais conhecimento técnico da. Por outro lado, segundo o gestor de
do mecânico. Paralelamente, o cenário Projetos do SEBRAE-SP, Reginaldo de Angelita Martins Aline Maria da Silva
do mercado trabalhista mudou para as Andrade, muitas empresas do segmento
54 OMECANICO.COM.BR MARÇO 55
ESPECIAL

dentemente do gênero, a adaptação a um ela, desde pequena tem contato com me-
mundo novo leva tempo, mas é muito cânica e sempre teve paixão pela parte
gratificante ao final. “Aqui, a Volvo busca de freios e suspensão. “Não sei bem o que
nivelar todos os mecânicos com cursos da me levou a gostar tanto desses assuntos,
marca, dos quais eu também sou a única mas sinto que me identifiquei, princi-
mulher da turma até o momento. O pri- palmente quando comecei a trabalhar
meiro nível que fizemos foi sobre a par- com isso”, comenta. A vocação para a
te mecânica dos veículos, já o nível dois mecânica desperta em momentos que
tratou de questões mais administrativas. muitas vezes nem imaginamos, e como
Esse ano iremos fazer o nível três, focado a própria Aline diz “o amor pela mecâ-
em uma especialização, no qual irei mirar nica vem no dia a dia, com as coisas que
na parte de suspensão”, comenta. aprendemos na prática”.
A profissional fala com orgulho que Um pouco mais distante, Angelita
está prestes a ganhar uma parceira de Martins, profissional que atua na Ofici-
trabalho. “Uma colega que era de outra na Mecânica Moreira, em Alfenas/MG.
área interna virá trabalhar aqui com a Além de ser mecânica, Angelita também
colocada à prova: “Tudo que eu fazia ti- gente. Fico feliz por isso, pois ela mes- tem papel ativo de educadora no SENAI
nha alguém que ia lá conferir se estava ma já falou que o fato de ter uma mulher da cidade. Assim como Aline e Larissa,
correto ou não. Hoje eu sei que não era aqui na oficina foi um dos incentivos a Angelita vê um mercado de mecânica
com maldade, mas com isso, em alguns desbravar um novo desafio”. automotiva ainda resistente a inserção
momentos, comecei a duvidar de mim de mulheres. “Aqui em Alfenas ainda
mesma. No começo, meu serviço girava PAIXÃO E PERSEVERANÇA não vejo mudanças significativas neste
em torno de desconfianças”. Na cidade de Osasco/SP, Aline Maria setor para nós mulheres, mas estou tra-
Mas nada como o tempo. Hoje, con- da Silva, é mecânica do centro automo-
solidada na oficina da concessionária tivo PneuLinhares. Aline se formou há
Autostar da Volvo na Zona Oeste de São pouco em mecânica e parece que já se
Paulo/SP, Larissa mostra que, indepen- encontrou profissionalmente. Segundo

Larissa Simoneti superou as desconfianças mostrando seu trabalho: Angelita Martins vê um mercado de mecânica automotiva ainda resistente
“Nós, mulheres, não queremos provar que somos melhores, mas sim capazes.”. a inserção de mulheres. “Estou trabalhando para reverter a situação”.
56 OMECANICO.COM.BR MARÇO 57
ESPECIAL PESQUISA

balhando para reverter a situação sendo


pioneira na área por aqui”, declara.
Aline Maria da Silva teve contato com
a profissão desde pequena: “o amor pela
4ª PESQUISA O MECÂNICO
Larissa Simoneti opina que o fato de
ser uma mulher na oficina não é apenas
uma quebra da ideia masculinizada da
mecânica vem no dia a dia”
IBOPE INTELIGÊNCIA
profissão, mas também uma oportu-
nidade de mostrar saber usar as ferra- Mecânicos elegem suas marcas preferidas no
mentas e ter conhecimento técnico não
depende do sexo. “Nós, mulheres, não
segmento de reposição automotiva
queremos provar que somos melhores,
mas sim capazes. Tenho certeza de que Revista O Mecânico quer e serviços para utilizar no automóvel
alguns clientes que vem aqui repensam
o porquê nunca deram chance para uma
mulher em alguns dos cargos dentro de
A conhecer você melhor, ami-
go mecânico. Por isso, será
realizada durante o mês de
do cliente, independentemente do cus-
to. Ele procura marcas consolidadas,
mas não tem receio em buscar novida-
suas empresas. Acho que só o fato de es- março a “Pesquisa de Conhecimento des, desde que a empresa fornecedora
tar aqui já faz muitas pessoas refletirem de Marca e Hábitos de Consumo 2020”, esteja próxima, com atendimento qua-
seus preconceitos e julgamentos, pois encomendada ao IBOPE Inteligência lificado.
me sinto e sou uma profissional tão pre- pela Revista O Mecânico para ma- Assim como nas edições anterio-
parada quanto qualquer outro”. pear as preferências do mecânico au- res, a pesquisa quantitativa foi reali-
As três mecânicas comentam que Para elas, estar no cargo que estão é um tomobilístico no mercado de reposição zada através de entrevistas online. Em
é necessário de uma vez por todas fato estimulante para que o mercado de autopeças. 2019, responderam à pesquisa 1.031
desmistificar a ideia de que as mulhe- como todo comece a se adaptar mais ra- Em suas três primeiras edições, a profissionais de oficinas mecânicas,
res não são capazes de serem tão boas pidamente à presença feminina, assim pesquisa se consolidou como o mais empresários e colaboradores com 18
quanto os homens na área automotiva como já estão se adaptando a presença completo estudo de mercado da repo- anos ou mais, de todas as regiões do
e mostrar a outras mulheres que a ma- da tecnologia, do conhecimento espe- sição brasileira, mostrando que o me- Brasil. Se você quiser participar da
nutenção automotiva pode ser tão en- cializado, ou de qualquer outra mudan- cânico de automóveis procura as me- edição deste ano, fique ligado no site
cantadora quanto qualquer outra área. ça que a mecânica exija. lhores opções em autopeças, produtos omecanico.com.br
58 OMECANICO.COM.BR MARÇO 59
ARTIGO

muitas vezes, sua ferramenta de traba- quanto for possível, a mão de obra (pró-
lho) submergir dentro de água barrenta. pria ou de terceiros). Não há margem
Uma visão desesperadora – a não ser para desperdício.
que você pertença à minoria dos “desape- E no caso daqueles como o “Guer-
gados”, que veem o veículo como um sim- reiro das Oficinas”, que trabalham com
ples objeto de consumo, principalmente, bens de terceiros e que, por uma ironia
se foi contratado um bom seguro, cuja do destino, não fez seguro dos veículos
apólice cobre esse tipo de sinistro. Nesses que ficam depositados na oficina, ou sua
casos, as seguradoras preferem indeni- apólice não cobre esse tipo de sinistro, a
zar o segurado com o valor contratado, situação é ainda mais delicada. É preciso
recolher o veículo sinistrado e vendê-lo balancear muito bem o que precisa ser
posteriormente em um leilão. Dá menos gasto, pois ele precisa devolver aos clien-
desgaste na relação com o cliente. tes os bens (sempre no plural) nas mes-
Isso quer dizer que sempre que um mas condições em que ele se encontra-
veículo é alagado ele deve ser descarta- vam, sem falir. E pode ter certeza: pagar
do? Ou seja, nunca pode ser recuperado? na justiça, além ficar muito mais caro,
Nunca é uma palavra muito forte. A deci- mancha irremediavelmente a reputação.
são das seguradoras de dar perda total no
veículo, muitas vezes, é tomada basean- COMO AGIR NUM CASO DESSES?
do-se em fatores financeiros e/ou de rela- Antes de começar a desmontar, é preciso
cionamento. Mas também existe o critério analisar caso a caso. E muito bem. Cada
técnico: uma estatística que mede a quan- situação exige providências próprias.
tidade de retrabalhos e reclamações que Algumas dicas:
ocorrem sobre os veículos recuperados.
Carros submersos em MAS A RESPOSTA PARA A
1) Um veículo que se encontrava des-
ligado e estacionado pode ser recupe-

alagamentos podem ser PERGUNTA: É POSSÍVEL


RECUPERAR UM VEÍCULO QUE FOI
rado. Mas isso não quer dizer que não
ocorreram danos. Principalmente nos

recuperados. Mas compensa?


VÍTIMA DE ALAGAMENTO? É, SIM. sistemas eletroeletrônicos. Dá trabalho,
Mas cada caso deve ser avaliado parti- mas pode valer muito a pena, para o
cularmente. É claro que se um veículo cliente e para o mecânico, se o processo
foi arrastado por uma enxurrada for- for bem gerenciado. No entanto, é preci-
por Fernando Landulfo
te, bateu e além de alagado ficou todo so tomar alguns cuidados para não pio-
amassado... Bem, a conversa muda. Mas rar a situação:
e acordo com os especia- existem aquelas regiões que tradicional- na maioria dos casos, a resposta é sim. A

D listas na área, as chuvas de


verão tenderão a aumentar
em quantidade e intensidade
mente alagam na época das chuvas. Só
que algumas dessas regiões, no passado,
não costumavam alagar. Mas agora com
recuperação é tecnicamente possível. O
fator limitador é o custo.

com o aquecimento global. E pelo que essas novas precipitações, bem mais in- VALE A PENA CONSERTAR?
tem sido mostrado nos noticiários (ala- tensas e violentas, viram lagos ou corre- Para quem não tem seguro nem dinheiro
gamento para tudo quanto é lado), está deiras em coisa de minutos, capazes da para comprar outro veículo, não há mui-
mais do que evidente que a infraestru- arrastar veículos grandes por dezenas, ta escolha: o conserto terá que ser feito.
tura das cidades (grandes ou pequenas, ou mesmo, centenas de metros. Porém, dentro dos limites do bolso do
brasileiras e estrangeiras), não está pre- Um pouco menos trágico quanto ter proprietário. Isso não quer dizer que a
parada para essa nova realidade. Ou seja, a sua casa invadida pelas águas, que não “gambiarra” está liberada! Mas, sim, tro-
a situação só tende a piorar. costumam poupar quase nada, é ver o car aquilo que realmente é necessário,
É claro que nos centros urbanos seu veículo (fruto de muito esforço ou, buscar os melhores preços e otimizar, o
60 OMECANICO.COM.BR MARÇO 61
ARTIGO

- Em primeiro lugar: desligue a sas partes não foram feitas para trabalhar de ar. Se estiver molhado, as chances de
bateria. Centrais eletrônicas “caras” não molhadas. haver entrado água dentro do motor são
entram em curto circuito se não estive- - Painel de instrumentos: Atual- grandes. Se o filtro estiver seco, faça as
rem energizadas. Um simples conector mente, a maioria é dotada de placas e verificações seguintes por segurança.
encharcado pode danificar uma central. módulos eletrônicos. Logo, é preciso re- - Velas de ignição (bicos injetores
Ligar o contato? Nem pensar! Energia mover tudo, limpar e secar muito bem. no caso de motores Diesel): Remo-
elétrica nos sistemas eletroeletrônicos só Não pode haver preguiça. E quando se diz va e os inspecione. Se houver água nas
depois que tudo estiver bem seco. tudo, é tudo mesmo. Em muitos modelos, câmaras de combustão, drene e seque
- A tapeçaria está molhada a suja. uma simples chave de luzes tem um uma tudo. Drene também preventivamente
Mas pode ser recuperada: deve ser total- placa microprocessada no seu interior. o óleo do motor e remova o filtro. Se
mente removida, lavada com produtos Se ele estiver molhada... Já sabe o que vai houver água misturada, remova o cárter
apropriados (não agressivos, mas bacte- acontecer na hora que a mesma for ener- e inspecione a bomba de óleo. Pode ha-
ricidas) e seca. Existem profissionais e gizada. Na dúvida, envie os instrumentos ver água no seu interior. Antes de tentar
equipamentos que fazem muito bem esse a um especialista para secar e testar. girar o motor, tenha certeza de que não
trabalho. Nessa hora, o sol é um grande - Ar-condicionado: O mesmo vale existe água nas bronzinas no lugar do lu-
aliado, pois os seus raios ultravioleta são para o sistema de climatização. A limpeza brificante. Limpe e lubrifique tudo. Não
fatais para fungos e bactérias. Os bancos é fundamental. esqueça de olhar as partes altas do mo-
devem ser desmontados e o enchimento - Lataria: Limpe muito bem a car- tor (comando de válvulas, variador de
lavado e seco. Fazer apenas uma secagem roçaria por dentro e por fora. Higiene é fase, turbo, supercharger etc.). Qualquer
simples pode gerar mal cheiro insuportá- essencial, até mesmo para a segurança do tentativa de movimentação do conjunto
vel. Bancos elétricos? Desmonte e seque mecânico. mecânico após a limpeza deve ser feita bem maiores. Redobre os cuidados com
os mecanismos. - Motor: Há uma enorme probabili- sem as velas de ignição (sem carga sobre o motor e os sistemas eletroeletrônicos.
- Interior das portas (máquinas de dade de haver água no interior do motor. o virabrequim). E que dicas o “Guerreiro das Ofici-
vidros e fechaduras): Limpe e lubrifi- Jamais tente dar partida. O risco de calço - Tanque de combustível: Examine nas” pode dar ao seu cliente, quando o
que. Caso contrário, vão enferrujar. Es- hidráulico é enorme. Inspecione o filtro para ter certeza de que não houve conta- mesmo estiver diante de uma situação
minação. Drene preventivamente é uma de risco?
boa alternativa. Cuidado com o reserva- - Não arrisque passar em locais
tório do cânister: pode ter entrado água alagados. Em alguns modelos, a admis-
nele. são de ar do motor é baixa, o que facilita
- Caixa de marchas e diferencial: a aspiração de água para dentro do mes-
Verifique se não houve entrada de água mo. Se a altura da lamina d’água for bai-
pelo respiro ou vareta de nível: faça uma xa (menos da metade da roda), oriente
verificação preventiva. Na dúvida, tro- passar em baixa velocidade, com marcha
car os fluidos. reduzida (alta rotação) para evitar mo-
- Reservatório do fluido de freio e lhar o sistema de ignição e entrar água
óleo de direção hidráulica: cheque se pelo escapamento.
não houve contaminação: substitua os - Oriente desligar o motor e a ig-
fluidos em caso de dúvida. nição para evitar a aspiração de água
- Conectores e componentes elé- diante de um local que alagou repenti-
tricos e/ou eletroeletrônicos: todos namente (congestionamento).
devem ser verificados, secos e limpos. - Quando o alagamento é inevitá-
Sem exceção. vel e a remoção do veículo é impossível
(ele vai ficar submerso), antes de aban-
2) Um veículo que se encontrava liga- doná-lo, oriente fechar todos os vidros
do e trafegando: as dicas são as mesmas, e desligar a bateria (se possível). Isso
mas as chances do motor ter aspirado pode ajudar a poupar o sistema eletro-
água e ter ocorrido calço hidráulico são eletrônico.
62 OMECANICO.COM.BR MARÇO 63
RAIO X

Marcos Hiroshi Yoshida, mecânico sócio


da oficina Híbrido Premium Auto Center

Chevrolet Equinox 1.5 São Paulo/SP. Antes da avaliação téc-

Turbo atende expectativas nica, o profissional já ressaltou que


para a família Equinox ser completa
só falta uma opção de 7 lugares. Se-
gundo ele, embora o espaço interno
Versão amansada do SUV da General Motors traz atenda às expectativas, uma possível
motor inédito no Brasil e câmbio mais moderno em versão maior talvez colocaria mais
força nas vendas do modelo, que ain-
relação ao sedã Cruze da não alavancou a ponto de ameaçar
seus adversários.
texto Raycia Lima fotos Pedro Valori
MOTOR
estilização escurecida virou de gerar potência de 172 cv a 5.600 Marcos explica que o motor 1.5 turbo
A febre entre as montadoras.
A General Motors entrou
rpm e torque de 27,8 kgfm a 2.500
rpm. A versão ainda conta com câmbio
a gasolina aqui no Brasil é lançamen-
to, estreando no Equinox. Segundo o
na moda e seu portfólio automático de seis marchas e tração mecânico, esse propulsor é uma evo-
das versões Midnight ganhou um dianteira. Seu preço é de R$ 131.990. lução do motor do Cruze 1.4 e, por
novo membro: o Chevrolet Equinox Para avaliar a reparabilidade do conta disso, o layout chama atenção
1.5 Turbo. Rival do Jeep Compass e modelo, contamos com a ajuda do me- pelas semelhanças entre os dois mo-
Volkswagen Tiguan Allspace, o SUV cânico Marcos Hiroshi Yoshida, sócio delos da GM. A principal diferença
médio fabricado no México traz motor da oficina Híbrido Premium Auto fica por conta da maior cilindrada e
1.5 a gasolina inédito no Brasil, capaz Center, localizada na Zona Norte de torque que o 1.5 do Equinox possui.
64 OMECANICO.COM.BR MARÇO 65
RAIO X

Por outro lado, chamou a atenção Componente de leitura de


do profissional a pinça amperimétrica amperagem não é fixado
que o veículo possui. Marcos explica
que esse item tem como papel ler a
amperagem da bateria, porém, segun-
do ele, o modo em que está posicio-
nada parece uma adaptação de último
minuto. “A GM deveria posicionar
melhor o componente para deixá-lo
menos exposto”.
Marcos também se deparou com
um terminal negativo posicionado na
lataria, ao lado da bateria. O mecâ-
nico explica que o componente serve
para transferência de energia, a famo-
sa chupeta. “Apesar de estar aqui, não
indico que seja usado, pois em car-
ros como esse, com muita tecnologia
embarcada, a realização de ‘chupetas’
pode resultar em um colapso na linha
O ambiente de trabalho debaixo do alternador, queimar o módulo do
do capô agrada a Marcos, principal- veículo, além de ocasionar perda de
mente por conta da preocupação da arquivos de funcionamento elétrico
fabricante em fazer um cofre de mo- do carro”, alerta.
tor bem distribuído e organizado.
“A GM sempre pensa na questão de TRANSMISSÃO
manutenção, oferecendo um cofre de Marcos observa que o câmbio 6T40
motor com mais espaço para o traba- automático de 6 marchas é mais mo-
lho do mecânico”, comenta. derno em comparação ao 6T30 pre- bandejas de ferro fundido e coxim hi-
Já sobre o sistema de lubrifica- sente no Chevrolet Cruze, principal- dráulico. O mecânico explica que essa
ção, o mecânico comenta que a fa- mente por conta das configurações de combinação na suspensão ajuda na es-
bricante optou a um óleo bastante válvulas. Os componentes de trans- tabilidade do veículo, proporcionan-
fino, o DEXOS 0W20. Segundo ele, missão de força para as rodas são bem do maciez e ajuste ideal para rodar
essa adoção é por conta da exigência robustos com braços bem acoplados, no piso irregular das estradas e ruas
de redução na emissão de poluentes ELETROELETRÔNICA DO MOTOR além da bitola do eixo ser bem grossa, brasileiras. “Isso já é uma evolução
cada vez mais rígida. Para acessar o turbo e a parte de in- trazendo mais segurança ao veículo. antiga nos veículos, porém continua
Se não for colocado o lubrifi- jeção, o mecânico relata que não há Vale lembrar que sua tração é dian- porque é robusta e ajuda na durabili-
cante correto, Marcos ressalta que o nenhum problema, pois tudo fica bem teira, diferentemente da versão Pre- dade das peças”, comenta.
motorista corre o risco de ter pro- exposto, inclusive os bicos injetores mier 2.0, que possui sistema integral Marcos destaca que “o projeto do
blemas de carbonização no motor e e a f lauta da injeção. As bobinas es- (AWD). Equinox é muito robusto na suspen-
mau funcionamento do carro como tão bem acessíveis também. Sobre o são, pois projetos estadunidenses vi-
um todo. sistema eletrônico, Marcos elogia a SUSPENSÃO sam bastante essa questão de suspen-
O acesso ao bujão do óleo é fácil, qualidade do isolamento dos chicotes Assim como o motor, os mecânicos são, assim como os carros japoneses”.
ajudando na hora de drenar o lubri- da GM. “Não temos problemas com podem ficar tranquilos quanto ao es- Ele ainda chama atenção ao escapa-
ficante, fato que segundo Marcos é chicotes e fios em carros da General paço de trabalho no undercar do novo mento que é bem acoplado à carroce-
um problema para modelos de outras Motors, pois tudo é bem distribuído e SUV. Na parte dianteira, a suspensão ria. O modelo tem vão livre do solo
montadoras. bem encaixado”. independente McPherson vem com de 160 mm, um ponto positivo segun-
66 OMECANICO.COM.BR MARÇO 67
RAIO X

CHEVROLET EQUINOX MIDNIGHT


1.5 TURBO

MOTOR
Posição: Dianteiro, transversal
Combustível: Gasolina
Número de cilindros: 4 em linha
Cilindrada: 1.490 cm3
Válvulas: 16V
Taxa de compressão: 10:1
Injeção de combustível: Direta
Potência: 172 cv a 5.600 rpm
Torque: 27,8 kgfm a 2.500 rpm
do o mecânico, pois essa altura protege é antigo causa muito barulho, além Marcos destaca o fato de o freio de
itens como, por exemplo, o tanque de de acelerar a necessidade de troca da estacionamento ser elétrico: “É uma
combustível de impactos causados por peça”. peça muito eficiente, pois não perde CÂMBIO
lombadas. Uma questão inusitada é o uso do regulagem, vai se ajustando automati- Automático 6 marchas, 6T40, tração dianteira
A suspensão multibraço traseira já fluido de freio DOT 3, algo que Mar- camente. Fora que deixa o uso do freio
se diferença da dianteira por trazer ban- cos estranhou por conta do tamanho de estacionamento muito mais cômodo FREIOS
dejas de mangas de eixo em alumínio. do veículo. Outros modelos parecidos para o motorista”. Dianteiros: Disco ventilado
Marcos diz que por conta do material, normalmente utilizam fluido DOT 4. Traseiros: Disco sólido
esse tipo de item ajuda a aliviar o peso “O uso do DOT 3 deve ser por conta da CAIXA DE DIREÇÃO
do veículo. A manga de eixo também é eficiência do freio que é bem distribuído Com uma caixa de direção assistida DIREÇÃO
de alumínio. O mecânico salienta que quanto à questão de peso e tem uma dis- eletricamente e não hidráulica, o mo- Elétrica
“todos os concorrentes do Equinox estão sipação de calor muito rápida, exigindo delo precisa de atenção no sensor de
no mesmo nível. Todos visam segurança menos do fluido. Porém, acredito que ângulo, explica Marcos. O mecâni- SUSPENSÃO
e economia”. caso se prefira usar um fluido de freio co orienta ter muito cuidado ao fazer Dianteira: McPherson
DOT 4 não haverá problema, pois você qualquer intervenção na suspensão do Traseira: Multibraço
FREIOS colocará algo de qualidade superior e veículo, como por exemplo quando for
No eixo traseiro, o sistema conta com não inferior”. tirar a roda. “É bom evitar batidas com RODAS E PNEUS
disco de freio sólido. Já na parte diantei- martelo ou ferramentas pneumáticas, Rodas: 18 polegadas
ra, o Chevrolet Equinox 1.5 Turbo tem pois essas trepidações podem afetar o Pneus: 225/60
disco ventilado. O sistema é gerenciado sensor de ângulo. Se queimar o sensor,
por ABS aliado a EBD. já era a caixa”. DIMENSÕES
No disco de freio dianteiro perce- Em situações de enchente, apesar da Comprimento: 4.652 mm
bemos um leve desgaste causado pela caixa ser bem vedada, ela fica vulnerá- Largura: 1.843 mm
entrada de alguma impureza. Pergun- vel, pois se o veículo passa por esse tipo Altura: 1.695 mm
tamos ao mecânico se isso seria um de situação extrema, a caixa pode rapi- Entre-eixos: 2.725 mm
problema a longo prazo e ele nos res- damente ser afetada gravemente pela
pondeu: “É sempre bom ficar atento água. “Tenho visto muitos mecânicos CAPACIDADES
aos danos que essas impurezas podem fazendo reparo na caixa de direção por Tanque de combustível: 56 litros
fazer no freio. No veículo novo não é conta de infiltração de água, por isso Porta-malas: 468 litros
um problema, mas quando o veículo reforço a atenção no item”, finaliza. Carga útil: 494 kg

68 OMECANICO.COM.BR MARÇO 69
ABÍLIO RESPONDE

Como evitar: pastilhas de boa


qualidade montadas em discos
Olá, amigo Mecânico! novos ou retificados (sem rebarba)
e não deixar as pastilhas acabarem.
BATERIAS PAR A STOP-START
Eu tenho um Fiat Argo 2018 com stop-
Esse é o nosso canal para tirar start, a bateria dele tá ruim. Gostaria
de saber se eu colocar uma bateria
dúvidas, enviar sugestões e críticas.
TORO DIESEL CARBONIZ ANDO? comum, o carro vai deixar só de usar
Mande sua mensagem para: Me informaram que a Toro diesel o stop-start ou pode danificar alguma
faleconosco@omecanico.com.br com câmbio manual dá muito outra coisa do carro.
problema de carbonização. Vinicius Souza
Quais problemas podem levar a Via Site
carbonização em motores diesel? Veículos com sistema stop-start
Wolf precisam utilizar baterias específicas
PERUA BEBERRONA VIBR AÇÃO DO GOL via YouTube (dos tipos AGM ou EFB, vai de acordo
Estou com um Palio Estou com um probleminha Não temos essa informação sobre a com cada aplicação) projetadas para
Weekend 1.5 com motor em um Gol G5 1.0. Quando dou Toro. Mas carbonização em diesel suportar o desliga-liga constante dos
argentino que bebe muito. partida funciona normalmente, é oriunda de mistura rica. Ou seja veículos com esse tipo de recurso.
Ele é a gasolina. Já fiz após alguns segundos começa turbo fraco ou filtro de ar sujo. Pode Não recomendamos a mudança por
tudo, troquei velas, cabos a falhar e o motor vibra muito. haver também uma falha no sistema baterias comuns.
de vela, sonda lambda Antonio Carlos Almeida de gerenciamento eletrônico que um
foi escaneada, central... Via Site scanner pode ajudar a encontrar.
A injeção está com três É preciso escanear o
bicos de quatro furos, que gerenciamento eletrônico do
são os originais dele, e motor, verificar a presença de
um bico de um furo. Já entradas falsas de ar, testar a
procurei nas autorizadas ignição (velas, cabos e bobinas)
e os bicos vêm de um e medir a vazão e pressão da
furo. Qual o certo? Se eu bomba na ocorrência do defeito.
colocar tudo de um furo,
ele vai beber menos?
Ivanildo CHIADO NOS FREIOS
Via Site Por que é que com o tempo
O consumo não depende as pastilhas de freio fazem
apenas do bico injetor,
mas sim da qualidade do
barulho? Como evitar?
Leonardo
ENTREGA GRÁTIS!
combustível utilizado, modo Via Facebook
como o carro é conduzido, O ruído pode ser oriundo de
local da condução, carga um contato entre o disco e Para celebrar o dia do Consumidor, as compras
aplicada, assim como, da componentes metálicos da feitas durante o mês de março através do site
condição mecânica do pastilha, o fim do elemento www.compremann.com.br, serão entregues por
motor (compressão). Isso frenante, ou seja, o contato nossa conta!
já foi verificado? Quanto direto da base de aço da
ao bico correto é preciso pastilha contra o disco (ferro
consultar um catálogo da com ferro) ou a pastilha tendo
Fiat ou da Marelli tendo em contato com a rebarba do compremann.com.br

mãos o número do chassi disco (pastilha nova montada MANN-FILTER


/MannFilterBrasil

do veículo. em disco velho com rebarba). Perfect parts. Perfect service. @mannfilterbrasil
MANN-FILTER Brasil
www.mann-filter.com.br

70 OMECANICO.COM.BR MARÇO
LANÇAMENTOS por Gustavo de Sá e Fernando Lalli

SUV na tomada
Volvo XC40 2020 estreia versão
híbrida
A linha 2020 do SUV Volvo XC40 che-
ga com novidades na gama de versões e
motores, o que inclui a estreia de uma
configuração híbrida. Anteriormente,
a gama era composta pelas versões T4
(190 cv), T5 Momentum (252 cv) e T5
R-Design (252 cv). Agora, a Momen-
tum (R$ 179.950) passa a ser a opção de
entrada da linha e adota o motor 2.0 T4
de 190 cv e 30,6 kgfm, mesmo conjunto
da inédita Inscription (R$ 196.950) – o
2.0 de 252 cv deixa de ser oferecido. O
câmbio é automático de oito marchas e
a tração, somente dianteira. A topo de
Salto tecnológico gama é a híbrida T5 PHEV R-Design
Duster 2021 muda visual e (R$ 229.950), que combina um motor
reforça acabamento 1.5 de três cilindros e 180 cv a um mo-
tor elétrico de 80 cv que, juntos, geram
O Renault Duster 2021 é uma reesti- 262 cv e 43,3 kgfm. O câmbio é auto-
lização profunda do modelo que co- mático de 7 marchas e a tração, sempre Sedã esportivo a 100 km/h em 8s7 segundos e chega à
nhecemos por aqui desde 2011. Fabri- dianteira. No modo 100% elétrico, o Virtus GTS recebeu mesmo velocidade máxima de 210 km/h.
cado em uma evolução da plataforma SUV híbrido pode rodar até 47 km. tratamento do Polo GTS Equipamentos de série incluem
B0 (chamada de B0+), o SUV ganhou controles de estabilidade e tração, blo-
melhorias estruturais na carroceria O Volkswagen Virtus GTS segue queio eletrônico do diferencial, seletor
e nova arquitetura eletrônica. O vi- a mesma preparação do Polo GTS. do modo de condução (“Eco”, “Normal”,
sual externo segue o estilo robusto Tem direção recalibrada, eixo tra- “Sport” ou “Individual”), acabamen-
do modelo anterior, com linhas retas seiro novo, mais rígido, somado à to interno com detalhes em vermelho,
reforçadas pelas lanternas quadradas barra estabilizadora dianteira 1 mm bancos no estilo concha, painel de ins-
semelhantes às do Jeep Renegade. A mais grossa. Em relação ao hatch, trumentos com tela digital de 12,4 pole-
cabine deu um salto em acabamento mudam os amortecedores traseiros gadas (Active Info Display) e multimí-
e tecnologia, com nova central multi- (com curva diferenciada de carga) dia de 8 polegadas com Android Auto
mídia de 8 polegadas, botão de parti- e as quatro molas (que atendem a e Apple CarPlay. Outros destaques são
da do motor e ar-condicionado digi- outra classe de peso). O motor é 1.4 sistema de partida do motor por botão,
tal. Na mecânica, somente o conjunto flex (250 TSI) da família EA211 atin- stop-start, controle de velocidade de
de molas e amortecedores é novo. ge 150 cv (E/G) a 4.500 rpm e 25,5 cruzeiro, sensores de estacionamento
O motor é o conhecido 1.6 16V flex kgfm (E/G) a 1.500 rpm. O câmbio é dianteiros e traseiros, câmera de ré, de-
da família SCe, que gera até 120 cv e o automático epicíclico de seis mar- tector de fadiga, porta-luvas refrigerado,
16,2 kgfm com etanol. As opções de chas AQ 250. A calibração das uni- retrovisor interno eletrocrômico, senso-
câmbio são manual de cinco marchas dades de gerenciamento eletrônico res de chuva e crepuscular. Em matéria
e automático do tipo CVT. Disponí- de segurança, tem 4 airbags, frenagem
Fotos: Divulgação

do trem de força privilegiam o de-


vel em 4 versões, o novo Duster vai sempenho e respostas mais rápidas automática pós-colisão, assistente para
de R$ 71.790 (Zen MT) a R$ 87.490 ao acelerador. Segundo dados de fá- partida em aclive, indicador de pressão
(Iconic CVT). brica, o Virtus GTS acelera de zero dos pneus e Isofix. Preço: R$ 104.940.
72 OMECANICO.COM.BR MARÇO 73
PA I N E L D E N E G Ó C I O S

74 OMECANICO.COM.BR MARÇO 75
PA I N E L D E N E G Ó C I O S

76 OMECANICO.COM.BR MARÇO 77
PA I N E L D E N E G Ó C I O S

78 OMECANICO.COM.BR MARÇO 79
ABÍLIO

80 OMECANICO.COM.BR MARÇO 81
HUMOR

MINEIRINHO ESPERTO MARIDÃO APAIXONADO


Mineirinho chega no bar e pergunta: O marido deita com muito cuidado na
– Cê pode me vendê uma pinga fiada? cama e sussurra apaixonadamente
O dono do bar olha para o homem e no ouvido de sua mulher:
apontando para um sujeito forte e alto – Estou sem cueca.
que está sentado numa mesa, propõe: – Amanhã eu compro uma pra você.
– Aquele homem, de tanto malhar, – Amor, não é isso. Eu quero amá-la.
ficou tão musculoso que seu pescoço – A mala está em cima do guarda-
parece que ficou pequeno. E quem roupa.
chama ele de “pescocinho”, ele enche – Você não entendeu. Eu quero amar-
de porrada. Se você tiver coragem de te.
chamá-lo de “pescocinho”, eu te vendo – Pode ir a Marte, a Júpiter, a
fiado por um ano! Saturno, dane-se, me deixa dormir!
Mineirinho chega até a mesa e dá
uma batida nas costas do cara e diz
baixinho:
– Meu amigo, cê tá bão? LONGA BARBA
– Mas eu nem te conheço. O rapaz vai passar por uma delicada
– Uai! A gente pescô junto! cirurgia e o médico tenta tranquilizá-
– Não pescamos não! lo:
Aí o mineirinho diz bem alto: – Não tenha medo, companheiro.
– Pescô sim!!! Sou muito experiente nessa área.
Olhe bem para minha longa barba e
tenha confiança. Quando você voltar
PECADOS CAPITAIS da anestesia, conversaremos.
Um paulistano, trabalhando duro, Após a cirurgia, o rapaz abre os
suado, de terno e gravata, vê um olhos e depara com uma enorme
caipira deitado numa rede, na maior barba. Não se contendo de alegria,
folga. ele exclama:
O paulistano não resiste e diz: – Obrigado, doutor! Eu sabia que
— Você sabia, que a preguiça é um podia confiar no senhor!
dos sete pecados capitais? – Que doutor nada, homem! Eu sou
E, o caipira, sem nem se mexer, São Pedro!
responde:
— A inveja também!

VIDA DEPOIS DO CASAMENTO


REAÇÕES DO ÁLCOOL A esposa estava lavando a louça,
Na aula de química o professor enquanto seu marido tomava uma
pergunta: cerveja sentado no sofá.
– Quais as principais reações do De repente o marido se vira para
álcool? esposa e pergunta:
O aluno responde: – Amor, o que você fazia antes de
– Chorar pela ex, achar que esta rico, casar comigo?
ficar valente e pegar mulher feia ... E a mulher, sem pensar duas vezes,
Professor: responde:
– Tirou 10! – Eu vivia!
82 OMECANICO.COM.BR MARÇO

Você também pode gostar