Você está na página 1de 6

Universidade Federal de Goiás

Escola de Engenharia Civil e Ambiental

Ciências do Ambiente

Poluição do Ar nas Grandes Cidades Brasileiras

Discente:

Tharic de Freitas Araújo – 201700276

Docente:

Prof.ª M.ª Giovana Carla Elias

Goiânia, 2020
1. INTRODUÇÃO

A humanidade vem se modernizando, aprimorando e desenvolvendo


exponencialmente desde a revolução industrial, no entanto, o desenvolvimento humano
e, consequentemente, o desenvolvimento urbano, traz consigo uma série de problemas.
Entre eles está o aumento da poluição, especialmente nos grandes centros urbanos.
Estudar os efeitos das ações poluentes é de fundamental importância para entendermos
as consequências das nossas ações e seus impactos imediatos e nas futuras gerações.
Apenas com o estudo das ações poluentes e seus efeitos podemos eficientemente buscar
sustentabilidade urbana. Isso é promover um desenvolvimento urbano que não
comprometa o meio ambiente.

A contaminação do ar vem por meio dos gases, líquidos, partículas sólidas em


suspensão e até material biológico. Com isso podemos definir a poluição do ar como a
contaminação por resíduos tóxicos, derivados tanto da indústria como do uso intenso de
veículos. Isso tem se tornado um problema tão catastrófico, porém silencioso.
Absorvemos por volta de 15kg de ar nos nossos pulmões por dia e, em São Paulo, uma
das cidades de maior referência de poluição atmosférica no Brasil e na América Latina,
isso equivale a fumar 40 cigarros.
2. DESENVOLVIMENTO

A poluição atmosférica é classificada em duas classes: poluentes primários e


poluentes secundários. Os poluentes primários são aqueles lançados diretamente na
atmosfera através de fontes naturais e antrópicas. Esses podem ser evidenciados em poeira
de locais como desertos e a erupção de vulcanos, metano produzido na digestão de
animais, fumaça e monóxido de carbono emitido nas queimadas naturais, gases sulforosos
provenientes da atividade microbiológica do oceano e da decomposição da matéria
orgânica. O principal vilão natural da cena brasileira se trata do metano produzido pelos
animais devido à nossa forte presença na cultura bovina.

Já os poluentes secundários se tratam de reações químicas e fotoquímicas, os mais


perigosos e nocivos á saúde humana e também os que nós mais temos contato. Esses são
aqueles poluentes produzidos em fábricas, usinas de energia, entre outros locais que
queimam combustíveis fosseis. Também é vidente nos veículos automotores, onde
estima-se que sozinhos são diretamente responsáveis por metade das emissões de
monóxido de carbono e oxido de nitrogênio através da queima de combustível. Os
aerossóis, tintas, sprays de cabelo, entre outros solventes também são poluentes. No
âmbito rural, nem sempre muito afastado das cidades, as queimadas controladas na
agricultura – aquelas realizadas para plantio de pasto e culturas – também são
responsáveis por 75% (setenta e cinco porcento) da emissão de gás carbônico, assim como
aplicação de fertilizantes nessas regiões emite amônio.

A poluição atmosférica nos centros urbanas também é agravado pela remoção da


vegetação local, onde áreas arborizadas e grandes reservas são substituídas por ruas,
praças, viadutos, condomínios, loteamentos, entre outros fatores do cotidiano humano.

As principais sustâncias encontradas na nossa atmosfera destacam-se entre dióxido


de enxofre, monóxido de carbono, ozônio e oxidantes fotoquímicas, dióxido de carbono,
óxidos de hidrogênio e hidrocarbonetos gasosos. Cada um possui a sua forma de liberação
e poluição, onde o controle deve ser fortemente encorajado e estudado, assim como a
redução.

A poluição atmosférica é a forma de poluição mais perigosa à saúde humana devido


à sua natureza silenciosa. A saúde humana pode ser afetada em todas as partes do sistema
respiratório e em seu funcionamento. Em outras palavras, as nossas gargantas, narizes e
olhos são atacados, assim como o pulmão. Notamos dificuldades de respiração,
aparecimento de problemas respiratórios e tosses mais frequentes. A chance de sofrer
ataque cardíaco e desenvolver algum tipo de câncer pulmonar ou de pele também é
bastante elevada em locais de alta concentração de poluentes. A cidade de São Paulo, por
exemplo, o risco de desenvolver câncer de pulmão é de 20% maior que a média nacional.

O meio ambiente também é atacado pela poluição do ar. Nesse caso a chuva ácida
é uma das principais demonstrações de impacto imediato das nossas ações. A chuva ácida
pode provocar a acidificação das águas, levando os organismos que ali habitam à morte,
correndo estruturas e prédios na cidade, manchando roupas, pinturas e até tinta de carro.
O efeito estuda também é impactado aqui onde, por si só é um efeito imprescindível à
vida humana na terra, mas, ao ser tão agravado devido à poluição, pode acabar levando
ao aquecimento global, e consequentemente, o aumento do nível do mar. Esse aumento
pode levar danos catastróficos às cidades litorâneas do nosso Brasil. A camada de ozônio
também vem se diminuindo devido aos poluentes, liberando a entrada exacerbada de raios
ultravioletas, também conhecida como radiação UV. Essa radiação provoca a câncer de
pele – uma espécie de câncer que vem se tornando cada vez mais frequente – assim como
ataca algumas plantas e culturas, inviabilizando seu plantio.
3. CONCLUSÃO

Não há muito que nós possamos individualmente fazer para reduzir


significativamente a degradação do ar nas nossas cidades, no entanto, como sociedade,
podemos juntos melhorar a nossa qualidade de vida. Podemos evitar usar carros sozinhos,
procurar caronas, utilizar transporte público e até meios alternativos como bicicletas ou
patinetes elétricas, uma nova moda no transporte urbano. Tais ações não somente
reduziriam a nossa emissão de poluentes, mas também ajudariam a aliviar o transito das
cidades, tendo menos trânsito e veículos parados, indiretamente reduzindo mais ainda a
emissão de poluentes. Como a produção de energia muitas vezes é um contribuinte do
aquecimento global e da poluição atmosférica, simplesmente buscar desligar aparelhos
domésticos quando não utilizados ajudaria não somente o ambiente, mas também a nós
mesmos, economizando na conta de energia. A reciclagem e o consumo de produtos
reciclados reduzem também o desgaste de matérias primas e a poluição emitida nas suas
produções.

Na questão nacional, foram tomadas várias medidas ao decorrer dos últimos anos
para auxiliar na redução da nossa pegada poluente. Foram determinadas rigorosas leis e
diretrizes quanto à emissão de poluentes por parte dos carros. Atualmente um carro com
catalisador defeituoso não é aprovado na vistoria. Combustíveis foram estudados e alguns
até pararam de ser produzidos, como é o caso do Diesel, onde atualmente o diesel mais
utilizado é o S10, liberando 10 partes de enxofre por milhão do combustível, onde o diesel
“comum” é o S500, liberando 500 partes por milhão do mesmo. Isso não é apenas
benéfico ao meio ambiente, mas também ao motor do carro. O reflorestamento precisa
ser promovido e o desmatamento e queimadas fortemente controlados e punidos. A
redução de uso e permissão de agrotóxicos também auxiliaria muito na redução de
poluentes e até na saúde humana.

Tais medidas podem ter impactos imediatos tanto quanto impactos no futuro,
melhorando a qualidade de vida das futuras gerações e até mesmo a conscientização da
mesma. Assim futuramente poderíamos alcançar tanto uma tão sonhada sociedade
sustentável quanto o desenvolvimento sustentável.
Referências Bibliográficas

DECICINA, R. Poluição nas Cidades – Problemas Ambientais Urbanos Aumentam


no Brasil. Disponível em: https://educacao.uol.com.br/disciplinas/geografia/poluicao-
nas-cidades-problemas-ambientais-urbanos-aumentam-no-brasil.htm. Acesso em 02 dez.
2020.

PENA, Rodolfo F. Alves. "Poluição nos centros urbanos"; Brasil Escola. Disponível em:
https://brasilescola.uol.com.br/geografia/poluicao-nos-centros-urbanos.htm. Acesso em
02 de dezembro de 2020.

O que é Poluição Atmosférica e Suas Causas. Disponível em: https://www.ecycle.


com.br/8120-poluicao-atmosferica.html. Acesso em 02 dez. 2020.

Poluição Urbana. Disponível em https://ambientes.ambientebrasil.com.br/urbano/


poluicao/poluicao_urbana.html. Acesso em 02 dez. 2020.

MIGUEL, M. H. Problemas Urbanos: A Poluição do Ar. Disponível em:


https://meuartigo.brasilescola.uol.com.br/geografia/problemas-urbanos-poluicao-ar.htm.
Acesso em 02 dez. 2020.