Você está na página 1de 11

O perigo de ter um coração

endurecido. Atos 7
O irmão Estêvão foi levado ao Sinédrio, o
tribunal de julgamento dos casos
referente aos problemas relacionados ao
templo e a fé dos judeus pela Torá, a Lei
de Moisés ou o pentateuco. Consistia em
setenta membros e era presidida pelo
sumo sacerdote do templo.
Estêvão estava sendo julgado pelas
falsas acusações de blasfêmia contra
Moisés e contra Deus. Diziam que ele não
cessava de falar contra o lugar santo
(Jerusalém ou o templo) e também contra
a Lei. Diziam que ele falava que Jesus
destruiria o lugar santo e mudaria os
costumes que Moisés deu (11-14).
O sumo sacerdote o questiona se isso era
realmente da forma como estavam
dizendo. Estêvão tem a chance de se
defender, de se retratar. A defesa de
Estêvão tem muitas coisas a nos ensinar
sobre a revelação do Evangelho, sobre a
verdadeira interpretação bíblica, sobre a
religiosidade vazia e sobre a
incredulidade dos descrentes.
Conhecimento da Palavra
Estêvão, cheio do Espírito Santo, começa
a apresentar um resumo da história dos
Hebreus, com fatos e interpretação
desses fatos à luz das Escrituras. Com
isso nós aprendemos que precisamos ter
conhecimento das Escrituras, buscar o
pleno conhecimento de Cristo,
conhecimento da nossa fé, daquilo que
cremos, para que, no dia em que formos
questionados sobre a razão da nossa fé,
podermos apresentar, com toda a
convicção, sem embaraço e com firmeza,
aquilo em que cremos.
1 Pedro 3 - Antes, reverenciai a Cristo
como Senhor em vosso coração, estando
sempre preparados para responder a
qualquer pessoa que vos questionar
quanto à esperança que há em vós.
Mas, o Senhor Jesus disse certa vez que
o seu povo perecia por falta de
conhecimento. Creio que esses tempos
são os tempos que o povo tem menos
conhecimento da Palavra de Deus.
Apesar do aumento da informação,
apesar da liberdade em ler a Bíblia,
apesar da liberdade em estudar a Palavra
de Deus, apesar da grande quantidade de
bons livros e uma grande variedade de
Bíblias que estão disponíveis: Bíblia da
mulher, Bíblia do adolescente, Bíblia do
pregador, Bíblia das promessas, das
bênçãos, das revelações... apesar de tudo
isso, vivemos numa das piores eras de
pobreza de conhecimento das Sagradas
Escrituras.
Lembra daquela cena de antigamente em
que um menino discutindo com outro e via
que ele era mais forte e que o mais forte
ameaçava de bater nele. O mais fraco
saia chorando e dizendo: “vou falar com a
minha mãe, você vai ver”. Parece que é
bem assim para assuntos básicos da fé.
Quando um crente é questionado por
algum religioso de alguma seita, o crente
sai dizendo: “vou chamar o meu pastor,
você vai ver”.
O irmão Estêvão era conhecedor das
Sagradas Escrituras. Dedicava-se em
aprender a Palavra de Deus. E você o
quanto tem de conhecimento da Palavra
de Deus? Se te questionarem sobre o
dom de línguas, o que você vai dizer?
Sobre a liberdade de consciência, quais
argumentos bíblicos você tem para
apresentar? O sacerdócio do crente?
Qual a natureza da Igreja?
Muitos cristãos não tem conhecimento
básico da sua fé e vivem como apenas
membros de uma Igreja porque gostam
da companhia dos irmãos, gostam do
pastor ou algo dessa natureza. Estêvão
mostrou estar preparado na Palavra de
Deus.
Apresentação do Evangelho
Estêvão começou falando do Deus da
glória e conclui vendo a glória de Deus
(7:2; 55).
Estêvão apresentou fatos da história dos
hebreus. A caminhada de fé de alguns e a
dureza de coração de outros. Mostrou o
coração inconstante do Povo de Deus e
suas más decisões de se afastar de Deus
pela desobediência. Um povo que deveria
revelar Deus ao mundo, mas que tinha o
coração cheio de si mesmo, coração
orgulhoso, que mesmo sendo avisado de
seus erros, mantinham-se de duro
entendimento e afastados de Deus.
Ele fala desde o chamado de Abraão (3),
da sua jornada de fé (4), da promessa de
Deus que vai se cumprindo na história; Da
inveja dos irmãos de José a ponto de
planejar mata-lo, mas que Deus estava
com ele (9); Que Deus levantou Moisés
para salvá-los, mas foi incompreendido
pelo seu povo que o rejeitou (25); A
ignorância do povo faz com que eles
permaneçam no sofrimento (34); Estêvão
repete a rejeição do povo a Moisés e a
escolha de Deus por ele (35); Rejeitaram
até mesmo a Deus, buscando outros
deuses (39-40); que Deus se afastou do
povo, deixando-os entregue aos desejos
do seu próprio coração pecaminoso (42-
43).
Estêvão apresenta argumentos das
próprias Escrituras para aqueles doutores
da Lei, detentores da interpretação das
Sagradas Escrituras, mas que estavam
cegos àquilo que Deus estavam lhes
revelando. Estêvão mostra que aquele
povo sempre foi um rebelde, invejoso,
orgulhoso, que rejeitava a salvação do
Senhor. Um povo que tinha ouvidos de
surto para compreender a mensagem de
Deus. (51-52).
Eles que deveriam ser interpretes da Lei,
das profecias; deveriam compreender as
Escrituras porque estavam sempre em
contato com elas, se deixaram levar pelas
tradições e costumes dos homens,
rejeitaram a Palavra da Verdade. Por
rejeitar a Palavra da verdade, a verdade
se tornou testemunha contra eles.
Deus estava sempre levantando juízes,
líderes, profetas para corrigir e educar o
povo, mas o coração rebelde e
desobediente não aceitava. Eles
perseguiam, prendiam, matavam os
servos de Deus levantados para falar a
Verdade de Deus. Não se sujeitaram aos
servos enviados de Deus e nem mesmo
ao próprio Deus que veio libertar o seu
povo e eles não o aceitaram, rejeitaram o
próprio Filho de Deus. Pior, eles mesmo
mataram o Messias, o ungido do Senhor.
Resistiram ao Espírito Santo e por isso,
foram rejeitados por Deus.
Resistindo ao Espírito, perseguiram os
profetas, perseguiram os apóstolos,
perseguiram aos servos de Deus e dessa
forma perseguiram ao próprio Deus.
Saulo, Saulo porque me persegues?
Atos 9:4. E a inda achavam que
estavam fazendo um serviço a Deus.
Que estavam agradando a Deus. Só se
agrada a Deus cumprindo a sua Palavra,
seus mandamentos, seus preceitos.
Aplicação
Os incrédulos sempre tiveram coração
duro para compreender as Escrituras. O
orgulho é sempre um grande dificultador
para compreensão das Escrituras.
Quando falo incrédulos, falo também no
contexto de religiosos. Não apenas as
pessoas que não creem em Deus, mas as
pessoas que frequentam Igrejas, que
entregam dízimos e ofertas e até mesmo
fazem parte da membresia de uma Igreja,
mas são duros de entendimento,
orgulhosos, murmuradores,
desobedientes aos preceitos bíblicos,
perseguidores, descompromissados,
respondões. Rejeitam as orientações e
terminações bíblicas. Quando são
orientados pelos enviados de Deus para
consertarem suas vidas segundo as
Escrituras, perseguem os pastores e
líderes. Se voltam contra a Igreja, contra
os irmãos, contra os pastores. Muitos
voltam para a antiga vida sem nenhum
arrependimento. A Palavra de Deus
continua sendo pregada e ensinada,
porém, muitos zombam das Escrituras,
preferem obedecer aos homens do que a
Deus, preferem dar ouvidos ao seu
próprio coração obstinado do que se
quebrantar. Mas a Palavra diz:
Provérbios 29:1 - O homem que muitas
vezes repreendido endurece a cerviz
será quebrantado de repente sem que
haja cura.
A mensagem de Jesus continua sendo a
mesma: Arrependei-vos e crede no
Evangelho. Conserte sua vida com Deus
e Ele te honrará. Se você quer ver os
céus abertos, se você quer ver a glória de
Deus, como Estêvão viu, busque ser
cheio do Espírito Santo. Arrependa-se dos
erros e assuma uma aliança com Deus.
Renove sua aliança com Deus. Abra seu
coração para a mensagem do Evangelho
da salvação em Jesus Cristo. Não deixe
para amanhã, não sabemos o que nos
acontecerá até o final dessa noite. Jesus
tem um Reino estabelecido e você pode
fazer parte, mas é necessário ter o
coração quebrantado.
Perto está o SENHOR dos que têm o
coração quebrantado, e salva os
contritos de espírito. (Sl 34:18)

Você também pode gostar