Você está na página 1de 13

Texto:“John Locke e

o Individualismo
Liberal”
(1632 – 1704)
Breve Biografia
John Locke (1632-1704):
• Foi um filósofo inglês, protestante e ideólogo do liberalismo;
• Refugia-se na Holanda por conta de suas ideias liberais e crítica ao
Absolutismo;
• Suas ideias Influenciaram as revoluções liberais.
• Não se posicionou contra a escravidão..
• Foi contra a instituição do sufrágio universal (todos têm direito ao voto),
sendo favorável ao voto censitário (critérios para exclusão: renda, cor,
sexo, idade, etc – votam homens ricos, adultos e brancos) e a defesa da
democracia representativa (transfere o voto e voz para um representante
político) restritiva.
• Fundamentou a questão da propriedade, através da teoria do valor
trabalho (o valor de uma mercadoria está na quantidade de tempo de
trabalho utilizada na sua confecção).

Principais livros (publicação entre 1689-90):


Cartas sobre a tolerância; Ensino sobre o entendimento humano e Dois
tratados sobre o governo civil
Concepção de estado de natureza

• O estado de natureza é estado pré-social e pré-


político caracterizado pela mais perfeita liberdade e
igualdade entre os homens. Prevalece a paz, a
concórdia e a harmonia. Ele é imutável. A natureza
humana é vista como algo positivo.
• A existência do indivíduo é anterior a constituição
do Estado e da Sociedade Civil, portanto ao
estabelecimento do Pacto ou Contrato social.
• O estado de natureza se constitui em uma situação
real e historicamente determinada em que a
humanidade passará, ainda que, em épocas
diversas. Alguns povos ainda vivem sem o Estado e a
constituição do contrato social, mas evoluirão para
tal condição social.
Contrato Social
• O contrato social surge de um pacto de social entre os
indivíduos e o governante para preservar os direitos
naturais: direito à vida, à liberdade e à propriedade
privada (bens), que são inalienáveis, invioláveis e
imutáveis.
• O contrato social firmado entre os indivíduos e o
governante é motivado pela razão. Ainda que se tenha
uma relativa harmonia e paz no estado de natureza, os
imprevistos podem existir e ameaçar a vida, a propriedade
e a liberdade.
• Sem um corpo de leis universais e de funcionários
imparciais com papel de arbitrar os conflitos sociais, pode-
se instaurar um estado de guerra. Noção de justiça neutra
e imparcial.
• Contrato social estabelecimento através do livre
consentimento e acordo entre os indivíduos e governante.
Papel do Estado
• Legitimidade do Estado
Nem a força e nem a tradição, a única fonte legítima do poder político é o
consentimento existente entre os homens da importância do Estado como
garantidor dos direitos naturais e civis.
Locke questiona o direito divino dos reis e o Estado absoluto. Ele defende a
democracia liberal representativa e restritiva (voto censitário) e o Estado Laico.

• Limites do exercício do poder político (poder o governante)


O executivo (execução das ações, tarefas e leis; defesa nacional contra
os inimigos externos) deve ser controlado pelo legislativo escolhido pela
maioria e superior aos demais poderes. Prioridade do poder legislativo: a
sociedade controla o governo.
O poder político deve ser dotado de um corpo de leis, ser capaz de
arbitrar e de ter a sua força centrada na comunidade.

• Papel do Estado
Garantir os direitos civis e naturais, em especial o direito à
propriedade privada.
Garantir a proteção dos indivíduos dos perigos internos e externos.
Resumo: estado de natureza, contrato social e Estado
O Estado deve garantir os direitos
naturais (propriedade privada, a vida e
a liberdade). Defesa da democracia
liberal representativa e restritiva (voto
censitário)

estado de natureza
=
estado pré-social e pré-político
+perfeita liberdade
+ igualdade entre os homens
+ paz e concórdia

estado de natureza Estado e da sociedade civil


Os indivíduos dotados de razão buscam preservar os direitos naturais, porque os imprevistos
podem existir no estado de natureza, ameaçando a vida, a propriedade e liberdade.
Direito de resistência
O direito de resistência é o direito de recorrer à
força, quando não há outro recurso ou a quem
apelar para depor um governo tirânico que
descumpre com o contrato social, violando os
direitos naturais e inalienáveis assegurados pela
lei, especial a propriedade (aos bens e a vida), ou
quando usa de forma ilegal a força. O direito do
povo à resistência é legítimo para se defender da
opressão de um Estado Tirânico. Neste último
caso, o governo em estado de guerra coloca a
sociedade contra ele.
5 tipos de autoridade legítima
Sobre a escravidão e a servidão

Locke, John 1993. Political Wrítings (New York: Penguin/Mentor) [Edição de David Wootton. Esta
excelente recopilação inclui, além de suas obras políticas principais, várias cartas, artigos e ensaios.
Várnagy, Tomá - Autor/a Autor(es. O pensamento político de John Locke e o surgimento do
liberalismo. http://biblioteca.clacso.edu.ar/clacso/se/20100603074417/04_varnagy.pdf
Sobre o voto censitário

Locke, John 1993. Political Wrítings (New York: Penguin/Mentor) [Edição de David
Wootton. Esta excelente recopilação inclui, além de suas obras políticas principais,
várias cartas, artigos e ensaios. Várnagy, Tomá - Autor/a Autor(es. O pensamento
político de John Locke e o surgimento do liberalismo.
http://biblioteca.clacso.edu.ar/clacso/se/20100603074417/04_varnagy.pdf
Visão sobre os pobres
Apenas os homens dotados de razão possuem direitos políticos,
estando excluídos os homens e as mulheres pobres e
trabalhadores e as pessoas escravizadas:
A teoria da propriedade privada e
a explicação sobre as desigualdades sociais
• Locke afirma a existência da propriedade privada no estado de natureza.
Trata-se de um direito natural que não pode ser violado nem pelo Estado
nem pelos indivíduos. Com contrato a propriedade se torna um direito
civil.
• O trabalho é a fonte da riqueza (teoria do valor trabalho). O valor de uma
mercadoria será definido pela a quantidade de tempo de trabalho
necessária a sua confecção. Do trabalho que surge a propriedade privada,
porque é através dele se transforma a natureza (matéria prima e bruta)
em bens. A aquisição da propriedade é limitada porque a capacidade de
trabalho do homem também é limitada. Com o surgimento do dinheiro e
do comércio, a propriedade passou a ser adquirida pelo dinheiro e não
apenas pelo trabalho. É nesse processo de transição que a aquisição da
propriedade baseada no dinheiro passou a ser ilimitada, possibilitando a
concentração e acumulação de riqueza. Consequentemente, a situação de
desigualdade social entre os homens.
• Não considera a concentração de riquezas como um processo ilegítimo,
mas natural e necessário uma vez que está fundamentada na capacidade
individual do trabalho.

Você também pode gostar