Você está na página 1de 39

ARTE

3º ANO
A ERA DO
RENASCIMENTO PENSAMENTO
ANTROPOCENTRISTA
O Renascimento Cultural e Científico promoveu sensíveis mudanças no interior
da sociedade europeia, em especial no plano cultural e das mentalidades.
Foi criados instrumentos para que os artistas pudessem desenvolver um
novo paradigma artístico_ o individualismo, o livre arbítrio e a razão.
Defendia o desenvolvimento de uma cultura laica, humanista e
antropocêntrica.
Nas manifestações renascentistas, o otimismo, o individualismo, o naturalismo
e o hedonismo passaram a caracterizar o comportamento e a produção do
homem moderno.
CARACTERÍSTICAS
O movimento destaca-se pela busca e
representação da perfeição e da
harmonia, a partir de um resgate dos
valores clássicos (greco-romanos), dos
quais destacamos o racionalismo, que
vai impulsionar um conjunto de
manifestações humanísticas nas artes e
ciências afins, intimamente ligadas à
nova realidade urbana e ao recém-
nascido grupo burguês.
PERÍODOS IMPORTANTES DO
RENASCIMENTO
O Renascimento apresenta três
grandes períodos, que se ajustam do
século XIV ao XVI. São eles: Trecento,
Quattrocento e Cinquecento.
TRECENTO (RELATIVO AO SÉCULO XIV)

Período que se encontra as manifestações


ocorridas na Itália, em especial na cidade
de Florença, centro em ebulição e
crescimento econômico, político, religioso e
cultural da época. Exaltação do
individualismo e dos detalhes humanos.
Entre seus expoentes, destaca-se Giotto.
QUATTROCENTO (RELATIVO AO SÉCULO XV)

Ocorreu o apogeu do
Renascimento, que se disseminou
por toda a Itália, revelando
orientação greco-romana,
experimentalismo e racionalismo.
Entre outros nomes importantes
para a arte do Renascimento,
destacam-se Massacio, Botticelli,
Rafael, Leonardo da Vinci e
Michelangelo.
CINQUECENTO (SÉCULO XVI)

O Renascimento sagra-se como


movimento universal. Entretanto,
principiou sua decadência. A
Contrarreforma instaura-se, traz
consigo o limiar do Barroco.
Michelangelo e Rafael permanecem
brilhando.

A deposição – Rafael Sanzio


PINTURA RENASCENTISTA
PINTURA RENASCENTISTA
Uso da perspectiva, do claro-escuro e o
realismo, elementos que já eram
conhecidos e utilizados por gregos e
romanos, mas que haviam sido ignorados
ao longo do período medieval.
Aperfeiçoado através da matemática e
a geometria.

O casamento da virgem, Rafael Sanzio


O pintor tinha liberdade para criar.
Surge nesse período a tinta óleo, introduzida originalmente por Jan Van Eyck,
que possibilitou o aumento no tempo de secagem, oportunizando retoques e
aperfeiçoamento da técnica pictórica, além de conferir intensa luminosidade
à obra.
PINTORES RENASCENTISTAS INOVADORES
MASACCIO

O pagamento do tributo

Pintor italiano. Faleceu aos 27 anos, influenciou a pintura ao romper com os


resquícios da arte medieval, conhecida como Gótico tardio. Masaccio adota
uma rígida concepção realista, profundamente enraizada na revelação do
homem pela sua própria imagem.
PIERO DELLA FRANCESCA
No século XV, desenvolve uma pintura
pessoal e solene, misturando figuras
geométricas e cores intensas. Sua pintura
se diferencia pela utilização da
geometria espacial e abstração, o que
será radicalizado pelos cubistas cinco
séculos depois. Além disso, sua
representação sacra apresenta um
aspecto mais oculto e espiritual pela
utilização de jogo de luz e cores.

Ressurreição
SANDRO BOTTICELLI

Produz uma pintura narrativa que


trabalha com temas profanos
ligados à mitologia pagã; suas
personagens são sensuais e
delicadas, em especial suas virgens,
que apresentam um olhar distante e
expressão melancólica, quase triste.

O nascimento de Vênus
A calúnia de Apeles

Entre as obras de temas pagãos, a mais notória é O nascimento de Vênus.


Carregada de simbolismo do qual Botticelli era praticante, a obra representa
o humanismo, a harmonia, a beleza ideal. Os nus femininos são belíssimos; os
corpos, cobertos por véus transparentes, são enfeitados por longas madeixas
douradas.
LEONARDO DA VINCI
De pintor e escultor a engenheiro e
urbanista, de pensador humanista e músico
a biólogo e físico, toda a existência de
Leonardo foi marcada pela busca do
conhecimento na sua plenitude, de modo
que sua curiosidade era a matéria-prima
que o impulsionava em direção à
investigação científica.
Leonardo usou o chiaroscuro para modelar as feições por meio de luz e
sombra. Começando com tonalidades escuras, ele construiu a ilusão de feições
tridimensionais com várias camadas de vidrado fino semitransparente.
Os estudos matemáticos de
proporção e geometria levaram
Leonardo a desenvolver ainda o
estudo do homem vitruviano, que
acabou por se tornar outra de suas
obras primas. Tal estudo analisa a
perspectiva geométrica do corpo
humano, cuja simetria convida o
artista a desvendá-la em busca da
perfeição que, no mundo da
matemática, está presente na
harmonia e no equilíbrio entre as
partes.
MICHELANGELO BUONARROTI
(1475-1564)

Foi uma das figuras-síntese do


Renascimento, sendo reconhecido
como um verdadeiro gênio. Sua obra
atinge o máximo do espírito
renascentista e a glorificação do
humanismo, conjugando temas
cristãos e pagãos.
Retratou episódios do Antigo
Testamento nos afrescos da Capela
Sistina, utilizando vigor e
dramaticidade em suas cores e formas,
antecipando-se assim ao Barroco,
ainda que as formas humanas lá
representadas nas cenas através dos
corpos jovens, fortes e harmoniosos
expressem a concretização magnífica
do ideal da beleza renascentista.
RAFAEL SANZIO (1483-1520)

Conhecido como o pintor das Madonas,


viveu em busca da beleza ideal, da
harmonia e da regularidade de formas
e cores.
A Escola de Atenas
O papa Júlio II o incumbiu de
decorar, com seus afrescos, as salas
do Vaticano, conhecidas atualmente
como as stanze de Rafael, que o
imortalizaram em virtude de seu
trabalho prodigioso e sereno. Com o
tempo, Rafael seria considerado a
figura central do Renascimento
italiano.
JACOPO ROBUSTI TINTORETTO (1518-1594)

Crucificação

Sua obra manifesta tanto os padrões renascentistas quanto os padrões da


arte barroca, preocupando-se igualmente com a forma e com a cor. Tintoretto
toma como referência para sua obra os estilos de Michelangelo e Ticiano. Traz
como marca recorrente em sua obra a dramaticidade, percebida pela
qualidade emocional, que o tornaram mestre das cores.
TICIANO VECELLIO

Pintor italiano, é considerado o maior expoente


da escola veneziana renascentista e precursor
da pintura barroca e da estética moderna.
Versátil, sobressaiu-se com a mesma
competência ao retratar paisagens, temas
religiosos e mitológicos e retratos.

Madalena Penitente
Sua mais notável característica
artística foi o uso de cores fortes e
marcantes, resultando numa pintura
persuasiva e verdadeira. Foi um dos
pioneiros a renunciar ao uso dos
painéis de madeira em benefício do
uso do óleo sobre a tela. Seu estilo
próprio polemizou e escandalizou ao
retratar cenas venezianas e bíblicas
compostas por nus.
A virgem e o menino
HIERONYMUS BOSCH

Excepcional pintor e gravador holandês, traz tal habilidade como herança


familiar, tendo criado algumas das mais criativas e extraordinárias
representações sobre o imaginário, repletas de simbolismo. Suas pinturas
representam o temor aos feitiços e às magias, expressos na natureza
pecaminosa do homem, que se inquieta frente à sua custosa salvação.
PIETER BRUEGHEL
Sua pintura se notabilizou por
retratar a temática social, refletindo
a vida cotidiana e os costumes de
sua época, representando a
realidade ora com profundidade,
ora com zombaria. Em suas cenas,
procura combinar de forma
contraditória pequenos detalhes
reais e oníricos, reflexo de uma
época marcada pelas incertezas
motivadas por conflitos religiosos. Jogos infantis
ALBRECHT DÜRER

Pintor, gravador e ilustrador, nascido em Nuremberg, é considerado o maior expoente do


Renascimento alemão.
Sua produção se caracterizou pela contínua busca do real e pelo acolhimento dos métodos
científicos. Preocupou-se em reproduzir de maneira autêntica e precisa os traços
fisionômicos e corporais das figuras, à procura do ideal da beleza clássica.
ARQUITETURA RENASCENTISTA

Buscavam a uniformidade.
Presença de domos redondos;
Arco pleno;
Abóboda cilíndrica;
Existência de colunas e pórticos;
Construções em concreto.

Hospital dos Inocentes


FILIPPO BRUNELLESCHI

Nascido em Florença, Itália, arquiteto,


pintor e escultor, foi o primeiro a
empregar a perspectiva matemática
(perspectiva linear) estabelecendo assim
novas regras de proporção e simetria.
Tornou-se conhecido com a construção
da cúpula da catedral de Florença,
também conhecida como igreja de
Santa Maria Del Fiore, e do Hospital
dos Inocentes, onde o uso das colunas
oferece sustentação.
Capela Pazzi
ESCULTURAS RENASCENTISTAS
Compreensão da natureza humana;
Estilo da anatomia;
Proporção real e geométrica;
O corpo nu volta a ser trabalhado.
Individualismo: autonomia, novos artistas e novos estilos.
DONATELLO
Foi considerado o maior escultor italiano
antes de Michelangelo, exercendo enorme
influência sobre a sua obra. Rompeu
definitivamente com o Gótico e, ao
retomar o estilo clássico, superou-o tanto
formal quanto estilisticamente. Singular foi
sua competência ao promover a
humanização e interiorização de suas
obras. Foi um artista que preservou sua
liberdade artística, conhecedor de toda e
qualquer técnica e material para
escultura.
São João Evangelista
MICHEANGELO
Criou desenhos, pinturas a óleo,
afrescos, mas sua paixão era a
escultura. Suas esculturas eram
recheadas de expressão de
movimento com detalhes
minuciosos que parece dar vida
a obra.
DIÁRIO
Leitura TEMA 5 – págs. 319 a 322.

Produção de imagens em profundidade (Perspectiva). Pág. 323.

Envio da proposta de atividade sobre as Vanguardas e Semana de


Arte Moderna – docente.gilceliaoliveira@colegiosantissimo.com.br