Você está na página 1de 6

PROCESSUAL CIVIL. AÇÃO RESCISÓRIA.

Nulidade da decisão rescindenda por

ausência de adequada fundamentação. Inteligência do art. 93, inciso IX, da Constituição

Federal. Literal violação de dispositivo de Lei. Hipótese afastada. Não viola a literal disposição

do art. 93, inciso IX, da Constituição Federal, nem dos artigos 131, 165 e 458 do código de

processo civil, a decisão que, embora emane efeitos para além da relação fático-processual

deduzida em juízo, assim o faz por desvaler, em sede recursal, decisão proferida em juízo de

retratação, restaurando os efeitos da anterior. (TJMG; ARES 1.0000.07.457213-2/0001; Belo

Horizonte; Terceiro Grupo de Câmaras Cíveis; Rel. Des. Mauro Soares de Freitas; Julg.

18/11/2009; DJEMG 26/02/2010)

PROCESSUAL CIVIL. AÇÃO RESCISÓRIA. INÉPCIA DA INICIAL NÃO

CONFIGURADA. OFENSA A COISA JULGADA. AÇÃO DE REINTEGRAÇÃO DE POSSE E

DE DIVISÃO. VIOLAÇÃO A LITERALIDADE DE DISPOSITIVO DE LEI. NULIDADE DE

CITAÇÃO. INOCORRÊNCIA. IMPROCEDÊNCIA DA PRETENSÃO. I - Se os autores pugnam

pela rescisao 'a fim de manter o teor da r. Sentença prolatada nos autos das ações

demarcatórias...' e formularam os demais pedidos de estilo, não resta dúvida que a petição da

ação rescisória, além de atender os requisitos gerais, contem claramente o pedido de

cumulação do iudicium rescindens e do iudicium rescissorium. II - A questão da localização da

vertente água boa (córrego do cemitério ou córrego água boa) não foi posta na parte dispositiva

e nem constitui premissa de julgamento do acórdão prolatado na apelação cível n. 8.499, de

20/12/97, que confirmou a sentença que julgou procedente a ação reintegratória proposta pelo

espólio de manoel Teixeira diniz contra jair simao Vieira e outros, razão pela qual não tem força

de coisa julgada material para impedir o exame da questão no procedimento demarcatório cujo

acórdão a ação rescisória almeja desconstituir, máxime tratando-se aquela de ação que se

funda no direito de posse e este no domínio. Também, não há que se falar em ofensa a coisa

julgada no que pertine a ação divisória datada de 1944, pois nos termos do art. 472, do

Estatuto Processual civil, a sentença faz coisa julgada as partes entre as quais e dada, não

beneficiando e nem prejudicando confrontantes que dela não participaram, restando aos

mesmos o direito de impugna-la, ataca-la, quando lesiva aos seus direitos. III - Ao acolher o

laudo pericial, antes recusado pelo sentenciante, sem que tenha demonstrado os motivos para

tal, deliberou este colendo tribunal de justiça em adotar um posicionamento diverso daquele do
magistrado de primeiro grau, o que não significa ofensa ao princípio da livre convicção e a

literalidade das disposições dos artigos 131 e 436, do código de processo civil, de modo a

ensejar o exercício da ação rescisória, nos moldes do art. 485, inciso V, do código de processo

civil. lV - Falece aos autores interesse processual para insurgirem-se contra o processo

demarcatório, porque a preclusão e a Res iudicata incidem sobre os que participaram

intensamente de todo desenrolar do feito, como contestantes e na condição de sucessores do

promovente da outra demanda; porque falta-lhes legitimidade para postular o Decreto de

nulidade por alegado defeito de citação de terceiros, vício que não teria o condão de causar-

lhes quaisquer prejuízos; e ainda, porque não alcançaram demonstrar de modo satisfatório a

ocorrência de nulidade do processo. Pedido rescisório julgado improcedente. (TJGO; AR 1500-

6/183; Proc. 200300604828; Paraúna; Primeira Seção Cível; Rel. Des. Gilberto Marques Filho;

Julg. 02/05/2007; DJGO 14/06/2007)

AÇÃO RESCISÓRIA.).........................................................................................................................................

RESCISÓRIA. PROVA. INTERPRETAÇÃO. LEI. VIOLAÇÃO. DECISÃO SUCINTA.

FUNDAMENTAÇÃO SUFICIENTE. A ALEGAÇÃO DE QUE A SENTENÇA ESTÁ EM

DESACORDO COM A PROVA DOS AUTOS NÃO ENSEJA PROCEDÊNCIA DE

RESCISÓRIA, AO FUNDAMENTO DE VIOLAÇÃO DE LITERAL DISPOSIÇÃO DE LEI. NÃO

PADECE DE VÍCIO DE NULIDADE A SENTENÇA QUE, EMBORA SUCINTA, TRAZ

FUNDAMENTAÇÃO SUFICIENTE PARA O DESLINDE DA DEMANDA. V. V. AÇÃO

RESCISÓRIA. ALEGAÇÕES DA AUTORA. SUBSUNÇÃO, EM TESE, NO ART. 485, V, DO

CPC. POSSIBILIDADE JURÍDICA DO PEDIDO. INADMISSIBILIDADE DE INDEFERIMENTO

DA INICIAL COM BASE EM JUÍZO DE MÉRITO. VERIFICANDO-SE QUE AS ALEGAÇÕES

DA AUTORA DA AÇÃO RESCISÓRIA SUBSUMEM-SE, EM TESE, NO DISPOSTO NO ART.

485, V, DO CPC, CONFIGURA-SE A POSSIBILIDADE JURÍDICA DO PEDIDO. Em tese, não

se pode negar que o ordenamento jurídico brasileiro contempla a possibilidade de que seja

proposta ação rescisória pela parte que se sentir prejudicada por sentença, entendendo que

esta violou literal disposição de Lei. no caso, o art. 131, do Código de Processo Civil. Estando

presentes as condições de ação e os pressupostos de constituição e desenvolvimento válido e

regular do processo, especialmente a aptidão da exordial, não se pode indeferir a exordial, com
base em juízo meritório. (TJMG; AgRg 1.0000.05.420042-3/001; Belo Horizonte; Oitavo Grupo

de Câmaras Cíveis; Rel. Des. Guilherme Luciano Baeta Nunes; Julg. 15/09/2005; DJMG

09/11/2005)

RESCISÓRIA. PROVA. INTERPRETAÇÃO. LEI. VIOLAÇÃO. DECISÃO SUCINTA.

FUNDAMENTAÇÃO SUFICIENTE. A ALEGAÇÃO DE QUE A SENTENÇA ESTÁ EM

DESACORDO COM A PROVA DOS AUTOS NÃO ENSEJA PROCEDÊNCIA DE

RESCISÓRIA, AO FUNDAMENTO DE VIOLAÇÃO DE LITERAL DISPOSIÇÃO DE LEI. NÃO

PADECE DE VÍCIO DE NULIDADE A SENTENÇA QUE, EMBORA SUCINTA, TRAZ

FUNDAMENTAÇÃO SUFICIENTE PARA O DESLINDE DA DEMANDA. V. V. AÇÃO

RESCISÓRIA. ALEGAÇÕES DA AUTORA. SUBSUNÇÃO, EM TESE, NO ART. 485, V, DO

CPC. POSSIBILIDADE JURÍDICA DO PEDIDO. INADMISSIBILIDADE DE INDEFERIMENTO

DA INICIAL COM BASE EM JUÍZO DE MÉRITO. VERIFICANDO-SE QUE AS ALEGAÇÕES

DA AUTORA DA AÇÃO RESCISÓRIA SUBSUMEM-SE, EM TESE, NO DISPOSTO NO ART.

485, V, DO CPC, CONFIGURA-SE A POSSIBILIDADE JURÍDICA DO PEDIDO. Em tese, não

se pode negar que o ordenamento jurídico brasileiro contempla a possibilidade de que seja

proposta ação rescisória pela parte que se sentir prejudicada por sentença, entendendo que

esta violou literal disposição de Lei. no caso, o art. 131, do Código de Processo Civil. Estando

presentes as condições de ação e os pressupostos de constituição e desenvolvimento válido e

regular do processo, especialmente a aptidão da exordial, não se pode indeferir a exordial, com

base em juízo meritório. (TJMG; AgRg 1.0000.05.420042-3/001; Belo Horizonte; Oitavo Grupo

de Câmaras Cíveis; Rel. Des. Guilherme Luciano Baeta Nunes; Julg. 15/09/2005; DJMG

09/11/2005)

AÇÃO RESCISÓRIA FUNDADA NO INCISO V DO ART. 485 DO CPC. ACÓRDÃO

PROFERIDO EM AÇÃO INDENIZATÓRIA AJUIZADA COM FUNDAMENTO EM ACIDENTE

DE TRABALHO. RESPONSABILIDADE CIVIL DO EMPREGADOR. REAPRECIAÇÃO DE

PROVA INCABÍVEL EM SEDE RESCISÓRIA. MEDIDA CAUTELAR. SUSPENSÃO LIMINAR

DA EXECUÇÃO DO ACÓRDÃO RESCINDENDO. PEDIDO PREJUDICADO. O fundamento do

pedido reside no art. 485, V, do CPC, ao argumento de haver sido violado o art. 458, II, do CPC
e o art. 93, IX da Constituição Federal, diante da alegada falta de fundamentação do acórdão

rescindendo, que não teria apreciado devidamente as provas produzidas. A rescisória não se

presta a apreciar a boa ou má interpretação dos fatos, ao reexame da prova produzida ou a

sua complementação. Em outras palavras, a má apreciação da prova ou a injustiça do julgado

rescindendo não autorizam a ação rescisória. Improcedência do pedido rescindendo.

Prejudicado o pedido cautelar. (TJRJ; AR 0052211-67.2007.8.19.0000; Tribunal Pleno; Relª

Desª Elisabete Filizzola; Julg. 12/07/2010; DORJ 01/10/2010; Pág. 135)

PROCESSUAL CIVIL. AÇÃO RESCISÓRIA. Nulidade da decisão rescindenda por

ausência de adequada fundamentação. Inteligência do art. 93, inciso IX, da Constituição

Federal. Literal violação de dispositivo de Lei. Hipótese afastada. Não viola a literal disposição

do art. 93, inciso IX, da Constituição Federal, nem dos artigos 131, 165 e 458 do código de

processo civil, a decisão que, embora emane efeitos para além da relação fático-processual

deduzida em juízo, assim o faz por desvaler, em sede recursal, decisão proferida em juízo de

retratação, restaurando os efeitos da anterior. (TJMG; ARES 1.0000.07.457213-2/0001; Belo

Horizonte; Terceiro Grupo de Câmaras Cíveis; Rel. Des. Mauro Soares de Freitas; Julg.

18/11/2009; DJEMG 26/02/2010)

EMBARGOS INFRINGENTES. AÇÃO RESCISÓRIA. ACÓRDÃO QUE, POR MAIORIA, DECIDIU


PELO CABIMENTO DO PROCEDIMENTO E REDUZIU A VERBA HONORÁRIA. PRESENTES OS
REQUISITOS PARA A DEMANDA RESCISÓRIA. ACÓRDÃO RESCINDENDO QUE VIOLOU
LITERAL DISPOSIÇÃO DE LEI. MÉRITO DA RESCISÓRIA. REDUÇÃO DA VERBA
HONORÁRIA DE R$ 100.000,00 (CEM MIL REAIS) PARA R$ 2.000,00 (DOIS MIL REAIS).
VALOR NÃO CONDIZENTE COM O TRABALHO ELABORADO. NOVA FIXAÇÃO EM R$
12.000,00 (DOZE MIL REAIS). EMBARGOS INFRINGENTES PARCIALMENTE ACOLHIDOS. I. É
cabível a ação rescisória, pois foram preenchidos os seus requisitos. Vê-se que a decisão rescindenda
além de ter violado os artigos 20 e 458, II, ambos do CPC, infringiu, sobretudo, norma de ordem
constitucional, art. 93, IX da Carta Magna. II. No mérito da rescisória, acertadamente o acórdão
embargado reduziu o valor de R$ 100.000,00 (cem mil reais) a título de honorários advocatícios, por se
configurar exorbitante e desproporcional ao trabalho desenvolvido nos autos. Entretanto, sua redução para
o valor de R$ 2.000,00 (dois mil reais) se demonstra aviltante. Assim, o valor de R$ 12.000,00 (doze mil
reais) é o que melhor se coaduna ao feito. (BRASIL. TJPR; Rec. 0232339-7/03; Curitiba; Seção Cível;
Rel. Des. Guido Döbeli; DJPR 05/11/2009; Pág. 294).

PROCESSUAL CIVIL. AÇÃO RESCISÓRIA. JUSTIÇA GRATUITA. DEPÓSITO

PRÉVIO. ART. 488, INCISO II, DO CPC. DESNECESSIDADE. AÇÃO ORIGINÁRIA.

REPARAÇÃO DE DANOS. ALEGAÇÃO DE FALTA DE APRECIAÇÃO DE PROVA.

AUSÊNCIA DE FUNDAMENTAÇÃO. ART. 93, INCISO IX, DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL.


INOCORRÊNCIA. VIOLAÇÃO LITERAL DE DISPOSIÇÃO DE LEI. INEXISTÊNCIA.

REEXAME DE PROVAS. REDISCUSSÃO DO JULGADO. IMPOSSIBILIDADE. PEDIDO

IMPROCEDENTE. 1. Consoante pacífico entendimento do Superior Tribunal de Justiça, a parte

beneficiária da Justiça Gratuita não está obrigada a fazer o depósito de que trata o art. 488,

inciso II, do CPC. 2. O provimento judicial que se pretende rescindir não desrespeitou ou

deixou de observar literal disposição de Lei, mas optou por uma das teses de possível

aplicação à controvérsia, deixando de aplicar aquela sustentada pelo autor. 3. O inciso IX, do

art. 93 da CF/88 não impõe que as decisões judiciais sejam exaustivamente fundamentada, o

que se exige é que o juiz ou tribunal dê as razões de seu convencimento, não estando obrigado

a responder a todas as alegações das partes. 4. Não se legitima a propositura de ação

rescisória, quando a intenção da parte autora é no sentido de utilizar-se de tal demanda para

reexaminar a valoração da prova e, por conseguinte, rediscutir o julgado. 5. Ação rescisória

julgada improcedente. (TJCE; AR 2004.0006.6189-2/0; Câmaras Civeis Reunidas; Rel. Des.

Antônio Abelardo Benevides Moraes; DJCE 12/12/2008; Pág. 35)

AÇÃO RESCISÓRIA. AÇÃO RESCISÓRIA. Ação de repetição do indébito.


Condenação de devoluçaõ do valor com a incidência dos juros praticados pelas instituições
financeiras, admitida a capitalização mensal. Decisão que se mostra ultra petita em face da
observância do disposto pelo art. 293 do CPC. Ausência de fundamentação caracterizada, com
violação ao disposto pelo art. 93, IX, da CF. Preclusão não caracterizada. Matéria de ordem
pública, que poderia ter sido enfrentada em sede de apelo, até porque aplicável o disposto pelo
art. 515, § 1º, sem embargo, também, da incidência do disposto no art. 512, ambos do CPC.
Violação ao disposto pelos arts. 395 e 407 do CCB ao estabelecer a incidência de juros
remuneratórios quando somente se cogita de juros moratórios e correção monetária. E,
enquanto juros moratórios, a limitação ao máximo de 1% a.m, é de cogência. Não-observância,
outrossim, ao disposto pelo art. 4º do Decreto nº 22.626/33 ao determinar a capitalização
mensal dos juros em favor de particular. Aplicação do disposto pelo art. 485, V, do CPC.
Litigância de má-fé não-caracterizada. Ação rescisória julgada procedente. Unânime. (BRASIL
TJRS. AR 70023970320; Esteio; Nono Grupo Cível; Relª Desª Elaine Harzheim Macedo; Julg.
21/11/2008; DOERS 05/12/2008; Pág. 78)

AÇÃO RESCISÓRIA. MANUTENÇÃO DE POSSE. GRATUIDADE DE JUSTIÇA.

TÍTULO DE DOMÍNIO. ERRO DE FATO. 1. Rescinde-se a sentença, por violação aos arts. 4º,

caput e § 1º da Lei nº 1.060/50, 458, II do CPC e 93, IX da CF, se a parte requerente juntou a

declaração de pobreza nos autos, não houve impugnação da parte contrária, e a decisão que

indeferiu o pedido de gratuidade de justiça não foi fundamentada. 2. Não há violação à literal

disposição de Lei quando a sentença foi proferida enquanto vigorava o Código Civil de 1916,

época em que a jurisprudência admitia a discussão acerca da propriedade nas ações


possessórias, nos casos em que ambos os litigantes discutem a posse com fundamento na

propriedade e quando tanto a posse do autor como a do réu são frágeis. 3. Não há erro de fato

se a sentença valorou os depoimentos das testemunhas de forma fundamentada. 4. Indefere-

se o pedido de condenação do autor às penas da litigância de má-fé quando inexiste prova do

dolo. 5. Julgou-se parcialmente procedente o pedido da ação rescisória. (TJDF; AR

2004.00.2.008061-1; Ac. 278987; Terceira Câmara Cível; Rel. Des. Sérgio Rocha; DJU

28/08/2007; Pág. 105)

RECURSO DE EMBARGOS INFRINGENTES. AÇÃO RESCISÓRIA. PRELIMINAR DE


NULIDADE DO ACÓRDÃO. OMISSÃO DE PONTO RELEVANTE. ACOLHIMENTO.
DECISÃO DECLARADA NULA. AUTOS DEVOLVIDOS AO ÓRGÃO FRACIONÁRIO PARA
NOVO JULGAMENTO. DEMAIS PRELIMINARES E MÉRITO. APRECIAÇÃO
PREJUDICADA. 1. A omissão de ponto relevante laiva a decisão, tornando-a nula por
ausência de fundamentação (art. 93, IX da CF/88), podendo, em conseqüência dessa
circunstância omissiva, ser conhecida de ofício pelo órgão ad quem e debatida em sede de
recurso de embargos infringentes, mesmo que a questão não tenha sido alvo de divergência no
aresto embargado, por configurar aquela matéria de ordem pública. 2. Preliminar acolhida para
declarar nulo o acórdão recorrido com a conseqüente devolução dos autos ao órgão fracionário
para a prolação de novo julgamento, com exame do ponto omisso. Prejudicada a análise dos
demais pontos debatidos no recurso de embargos infringentes. (TJMT; REI 47942/2005;
Cuiabá; Órgão Especial; Rel. Des. José Ferreira Leite; Julg. 23/11/2006)

Você também pode gostar