Você está na página 1de 5

Bispo Oídes José do Carmo

Presidente

AULA 3:
A IGREJA REVIGORADA NA FÉ E
NO CONHECIMENTO DA SÃ
DOUTRINA
I Tm. 4:6-16; II Tm. 1:13-14

2021
A IGREJA REVIGORADA PARA UM NOVO TEMPO
Bispo Oídes José do Carmo
Presidente

3) A IGREJA REVIGORADA NA FÉ E NO CONHECIMENTO DA SÃ


DOUTRINA
I Tm. 4:6-16; II Tm. 1:13-14

CONSIDERAÇÕES INICIAIS
A Vida Cristã é, fundamentalmente, uma fé que se embasa num conjunto
de verdades e doutrinas que são o conteúdo da nossa confissão. Paulo afirma
contundentemente que a Igreja está edificada sobre o fundamento dos Profetas e
dos Apóstolos.
Na primeira Carta a Timóteo o Apóstolo Paulo está preocupado com a
necessidade e importância da manutenção da Sã Doutrina a fim de que tenhamos
uma igreja "nutrida" e revigorada com as "sãs palavras da fé e da boa doutrina".
Certamente, mais do que nos dias de Paulo, nossos tempos demandam um
consciente e corajoso compromisso com as Doutrinas Fundamentais da Fé Cristã,
visto estarmos vivendo tempos difíceis conforme profetizado nas Escrituras - II
Tm. 1:1-4. E não apenas isso, mas, estamos, também, presenciando uma invasão
de falsos ensinos no movimento evangélico brasileiro ao ponto de descaracterizar
o significado sublime do adjetivo evangélico.
Um dos principais princípios do "pós-modernismo", é a afirmação que não
existe verdade objetiva, e muito menos uma verdade universal e eterna a ser
abraçada e defendida. Na cultura pluralista dos dias atuais, cada um tem a sua
verdade. A consequência daí resultante é a tolerância a qualquer custo. Uma
tolerância que tolera tudo, menos tolerar aqueles que defendem, até o ponto da
intolerância, se necessário, as verdades objetivas e universais do Evangelho da
Graça de Deus.
Paulo, então, convoca a todos nós cristãos a nos comprometermos com o
arcabouço doutrinário da Fé Cristã, e a rejeitarmos esse pluralismo subjetivista
para que sejamos uma Igreja forte e revigorada pela doutrina saudável exarada
nas Escrituras Sagradas.
Como Igreja de Cristo, devemos estar comprometidos com a defesa das
verdades eternas do Evangelho, pois Cristo afirmou ser A Verdade, Ele veio dar
testemunho da verdade, o Espírito Santo que habita na Igreja é o Espírito da
Verdade, e que somente a Verdade, quando conhecida, pode libertar o homem
da escravidão do pecado e do erro.
Bispo Oídes José do Carmo
Presidente

Se desejamos ser uma Igreja forte no enfrentamento aos desvios e da


apostasia desses dias finais, precisamos assumir o compromisso de fidelidade
para com as Doutrinas Cristãs, pois a verdade de Deus é pra valer e caracterizar o
viver cristão prático. Portanto, como, então, alcançarmos o REVIGORAMENTO na
Fé e na Doutrina? Atentando-nos, para as seguintes questões:

I - CONFRONTANDO O DESVIO DOUTRINÁRIO COM AS SÃS PALAVRAS DA FÉ


CRISTÃ
1.1 - Paulo roga que Timóteo permaneça em Éfeso a fim de identificar e
impedir a disseminação do falso ensino;
1.2 - O termo grego: HETERODIDASKALÉÔ, indica que falso ensino não se
trata, propriamente, de uma palavra "falsa", nem simplesmente de "outra"
palavra, nem mesmo de mero "erro", mas, de ensino diferente, algo
totalmente diverso do ensino dos apóstolos que é fundamento da fé cristã;
1.3 - Há um conjunto de doutrina que é normativa e que identifica e
distingue a fé cristã de outras filosofias e ensinos religiosos, e os falsos
mestres desviaram-se dessas "sãs palavras" - II Tm. 4.4;
1.4 - Pelo ensino de Paulo, ficou devidamente esclarecido que já existia um
conjunto de Doutrina definido e reconhecido como padrão por toda a Igreja
de Cristo. Portanto, esse padrão era usado como crivo de juízo para avaliar
e julgar todo e qualquer ensino. Esse padrão era o conteúdo de verdades
ensinado por Cristo e os Apóstolos - Ef. 2.19-22.

II - IDENTIFICANDO AS DANOSAS CONSEQUÊNCIAS DO DESVIO DOUTRINÁRIO


NA IGREJA - II Tm. 2.14-19
2.1 - O falso ensino adoece o rebanho e produz morte espiritual. Portanto,
mina o vigor da igreja;
2.2 - Afasta os fiéis da comunhão da fé, desestimulando-os a viverem a vida
cristã autêntica;
2.3 - Promove contendas e dissensões ao invés de promover edificação do
povo de Deus;
2.4 - Torna os crentes vulneráveis às heresias perniciosas à fé, deixando-os
facilmente manipuláveis e explorados pelos espertalhões da religião das
conveniências;
Bispo Oídes José do Carmo
Presidente

2.5 - O falso ensino impede, tanto a fé como o amor, e conduz os crentes à


controvérsias e à especulações inúteis- II Tm. 2.14

III - RETORNANDO AO ENSINO DIDÁTICO DA EXCELÊNCIA DO EVANGELHO E DA


FIDELIDADE DOUTRINÁRIA - I Tm. 4:6, 11-16
3.1 - A proposta que recebemos do Senhor da Igreja nos Evangelhos, é de
caráter eminentemente didático-pedagógica - Mt. 28.16-20;
3.2 - O Cristianismo não é uma fé centrada, enfaticamente no ritualismo,
mas uma religião que se embasa num conteúdo de Verdades que
constituem o seu arcabouço doutrinário;
3.3 - O Ensino didático das Escrituras é a maneira mais viável de combater
as falsas doutrinas e "nutrir" os crentes "com as palavras da fé e da boa
doutrina...”; - I Tm. 4.6;
3.4 - Paulo disse a Timóteo que se ocupasse e ensinasse a Sã Doutrina a fim
de vencer o falso ensino- I Tm. 4.15;
3.5 - A fidelidade à verdade doutrinária promove o crescimento espiritual
dos crentes revigora a Igreja para o combate em favor da verdade e,
sobretudo, glorifica a Deus;
3.6 - O critério final para avaliarmos qualquer ensino é, se de fato, ele
promove a glória de Deus e resulta em edificação e no bem da Igreja.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Nas cartas pastorais, a preocupação principal do Apóstolo Paulo era no
sentido de manter a verdade doutrinária tal qual recebera do Senhor da Igreja.
Deus confiou a verdade da Palavra a Paulo - I Tm. 1.11, e Paulo confiara o "bom
depósito" a Timóteo. Portanto era sua responsabilidade mantê-lo íntegro - II T.
1.14 e passá-lo, intacto adiante a pessoas fiéis - II Tm. 2.1-2.
A ordem principal era: "Não ensinem doutrinas diferentes das que Paulo
ensinou!" Nas cartas pastorais encontramos 32 vezes as palavras "doutrina",
"ensinar", "mestre" e "ensinamentos".
Na Igreja Primitiva os cristãos aprendiam o conteúdo da Palavra de Deus e
as doutrinas fundamentais da fé cristã a fim de serem crentes fortes e revigorados
na fé.
Esse é o dever de todo ensinador cristão ainda hoje. Venceremos os falsos
ensinos à medida que nos comprometermos com a verdade do Evangelho e,
Bispo Oídes José do Carmo
Presidente

acima de tudo, sermos fiéis às doutrinas fundamentais que constituem o


fundamento da fé cristã. E assim, seremos, então, uma Igreja revigorada na
defesa das verdades do Evangelho num mundo que já não tem mais apreço e nem
respeito pela Fé Cristã e seus valores. Deus seja conosco no cumprimento da
nossa tarefa.

Pr. Enoque Vieira da Silva


Goiânia, 15 de fevereiro de 2021

Você também pode gostar