Você está na página 1de 7

Contabilidade de Gestão I

Departamento de Gestão 1.º Semestre – Ano Letivo 2019/2020

1.ª Frequência – 2019/11/02


Nome: __________________________________________ N.º _____ Curso: ________
GRUPO I
[7,5 valores]
1 – Uma empresa de Viseu que se dedica à comercialização de material de merchandising apurou, em certo
exercício, os seguintes valores:
Inventários iniciais 250.000 € Compras brutas de mercadorias 500.000 €
Descontos comerciais obtidos 20.000 € Descontos financeiros obtidos 40.000 €
Devoluções de compras 20.000 € Dívidas a fornecedores 800.000 €
Adiantamentos a fornecedores 25.000 € Inventários finais 150.000 €
Com base na informação disponível, o custo das mercadorias vendidas da empresa neste período foi de:
A 525.000 € B 550.000 € C 570.000 € D Nenhuma das anteriores
Cálculos [obrigatório]:
Aplicando a norma respetiva do SNC [NCRF 18 – Inventários], o custo dos inventários é igual ao valor acordado com o fornecedor
[compras brutas – devoluções], acrescido de todos os encargos necessários a colocar os bens no local de utilização e deduzido
de todos os descontos comerciais. Assim:

Compras líquidas = 500.000 € – 20.000 € – 20.000 € = 460.000 €


Custo das mercadorias vendidas = Inv.i + Compras – Inv.f = 250.000 € + 460.000 € – 150.000 € = 560.000 €

2 – Determinada empresa dedica-se à produção de cadeiras plásticas e adota o Sistema de Custeio Total, para
efeitos de apuramento dos custos de produção, e o critério valorimétrico do FIFO. Em certo período, a empresa
apresentou a seguinte informação relativamente aos seus Inventários:
Inventário Produtos em vias de fabrico Produtos acabados
Inicial 2.500 € 500 unid. a 10 €/cada
Final 1.500 € ???
A empresa produziu 7.000 cadeiras, tendo vendido 5.500 unidades. Sabendo que o consumo de matérias-primas
e matérias subsidiárias foi de 25.000 € e de 10.000 €, respetivamente, e que a empresa teve ainda que suportar,
naquele período, gastos com pessoal no valor de 37.000 € [18.000 € com salários e encargos do pessoal fabril;
6.000 € com salários e encargos do pessoal de escritório e administração; 9.000 € com salários e encargos dos
encarregados fabris; e 4.000 € com salários e comissões dos vendedores], gastos de financiamento no valor de
5.000 € e outros gastos gerais de fabrico no valor de 17.500 €, o custo industrial dos produtos vendidos foi de:
A 62.500 € B 63.500 € C 79.500 € D Nenhuma das anteriores
Cálculos [obrigatório]:

CIP = 25.000 € + 18.000 € + [10.000 € + 9.000 € + 17.500 €] = 79.500 €


CIPA = 79.500 € + 2.500 € – 1.500 € = 80.500 €
CIPA unit. = 80.500 € / 7.000 cadeiras = 11,5 €/cadeira
CIPV = [500 cadeiras x 10 €] + [5.000 cadeiras x 11,5 €] = 62.500 €
Departamento de Gestão Contabilidade de Gestão I

3 – Num certo período económico, a empresa XLS, Lda. apurou os seguintes custos de produção relativos às duas
linhas de produto que fabrica e comercializa.
Descrição Produto A Produto B
Matérias-primas 167.500 € 1.507.500 €
Mão de obra direta 522.500 € 902.500 €
Horas/Homem aplicadas 27.500 Hh 47.500 Hh
Gastos Gerais de Fabrico:
Materiais e consumíveis 300.000 €
Outros gastos gerais de fabrico 400.000 €
Produção 100.000 unid. 200.000 unid.
A empresa reparte os Gastos Gerais de Fabrico correspondentes a materiais e consumíveis com base numa quota
de imputação real determinada pelas quantidades produzidas. Quanto aos outros gastos gerais de fabrico utiliza
uma quota teórica para imputação destes gastos, baseada nas Hh previstas aplicar no período. Para este período,
o total de Hh previstas foram de 80.000 Hh [30.000 Hh para o A e 50.000 Hh para o B] e a rubrica de outros gastos
gerais de fabrico tinha uma previsão de 320.000 €. O CIPA unitário dos produtos A e B, bem como eventuais
diferenças de imputação:
A A = 9 € / B = 15 € / Diferença de imputação = + 90.000 €
B A = 9 € / B = 14 € / Diferença de imputação = + 100.000 €
C A = 10 € / B = 14 € / Diferença de imputação = + 100.000 €
D A = 10 € / B = 15 € / Diferença de imputação = – 100.000 €
Cálculos [obrigatório]:
Imputação de Materiais e Consumíveis:
Quota de Imputação [real] = 300.000 € / [100.000 unid. + 200.000 unid.] = 1 € / unid.
Valor a imputar ao A = 100.000 unid. x 1 € = 100.000 €
Valor a imputar ao B = 200.000 unid. x 1 € = 200.000 €
Diferenças de Imputação = 0

Imputação de Outros Gastos Gerais de Fabrico:


Quota de Imputação [teórica] = 320.000 € / 80.000 Hh = 4 € / Hh
Valor a imputar ao A = 27.500 Hh x 4 € = 110.000 €
Valor a imputar ao B = 47.500 Hh x 4 € = 190.000 €
Diferenças de Imputação = 400.000 € – 300.000 € = 100.000 €

A B
Matéria Prima 167.500 1.507.500
Mão de Obra direta 522.500 902.500
GGF – Materiais e Consumíveis 100.000 200.000
GGF – Outros Gastos Gerais de Fabrico 110.000 190.000
CIP = CIPA 900.000 2.800.000
Quantidades 100.000 200.000
CIPA unitário 9€ 14 €

1.ª Frequência de 2019/11/02 – Resolução 2 de 7


Departamento de Gestão Contabilidade de Gestão I

Formulário de Contabilidade de Gestão


Inv.I + PRODUÇÃO = VENDAS + Inv.F ..................... PRODUTOS ACABADOS [em quantidade]
Inv.I + COMPRAS = CONSUMO + Inv.F ................... MATÉRIAS-PRIMAS [em quantidade e valor]
Custo primo: CP = MP + MOD
Custo de conversão: CC = MOD + GGF
Custo industrial do período: CIP = MP + MOD + GGF
Custo indust. prod. acabada: CIPA = CIP + Inv.iPVF – Inv.fPVF CIPAunit. = CIPA/Produção
Custo ind. prod. vendidos: CIPV = CIPA + Inv.iPA – Inv.fPA ou, CIPV = Qv x Custo unitário
[Critérios valorização das
saídas]
Custos não Industriais: C Ñ I = Administrativos + Distribuição + Financiamento
Custo complexivo ou completo: C C = CIPV + Custos Ñ Industriais
Custo económico-técnico: C E-T = Custo Complexivo + Gastos Figurativos
Imputação dos Custos Indiretos
Coeficiente de imputação: CI = Custos Indiretos / Base de Repartição
Análise CVR
Resultado: R = V – Kf – Kv ou, R = Qv . [pv – cv] – Kf
Resultado a partir do ponto crítico: R = [Qv – Qc] . [pv – cv] ou, R = [V – Vc] . %MC
Custo/gasto variável unitário: cv = [Kv indust. / Produção] + [Kv ñ. indust. / Vendas]
Margem de contribuição: MC = V – Kv ou, mc = pv – cv
% da margem de contribuição: %MC = [V – Kv] / V ou, %mc = [pv – cv] / pv
Quantidade crítica: Qc = Kf / [pv – cv] ou, Qc = Kf / mc
Valor Crítico: Vc = Kf / [1 – cv/pv] ou, Vc = Qc x pv ou, Vc = Kf / %MC
Ponto crítico Multiproduto: Qc = Kf / mcmp Vc = Kf / %MC
Margem de Segurança: Ms = [Qv – Qc] / Qc ou, Ms = [V – Vc] / Vc
Resultado Marginal: Rm = Qvm . [pv – cv]

Produtos Vendas Mix pv cv mc mcmp

Sistemas de Custeio
Custeio Total: CIP = Kv ind. + Kf ind. | CIÑI = 0
Custeio Variável: CIP = Kv ind. | CIÑI = Kf ind.
Custeio Imputação Racional: CIP = Kv ind. + [Kf ind. x GA] | CIÑI = Kf ind. x [1 – GA]
Grau de Atividade: GA = Ativid. ou Produção Real / Ativid. Normal ou Capacidade
Grau de Subactividade: G. Subativ. = [1 – GA]

1.ª Frequência de 2019/11/02 – Resolução 3 de 7


Departamento de Gestão Contabilidade de Gestão I

GRUPO II
[12,5 valores]

A empresa Mobiliário de Escritório, Lda. produz e comercializa uma gama alargada de armários que agrupa
em dois modelos: ESTUDA e PROFISSÃO, utilizando em termos gerais, os mesmos métodos e equipamentos
de produção para os diferentes armários. Para a imputação dos Gastos Gerais de Fabrico, a empresa utiliza o
número unidades produzidas como base de imputação.
Relativamente ao período económico N foi possível obter a seguinte informação:
Descrição ESTUDA PROFISSÃO TOTAL
Produção 22.500 unid. 11.000 unid.
Vendas 20.000 unid. 10.000 unid.
Preço de venda unitário 120 € 260 €
Materiais aplicados por unidade 40 € 70 €
Outros gastos variáveis industriais, incluindo
25 € 65 €
mão-de-obra-direta por unidade
Gastos Gerais de Fabrico fixos 1.206.000 €
Comissões de venda 4% 2%
Gastos não industriais fixos 852.000 €
Inventários Iniciais de produtos acabados -- --

Pretende-se que:
[1] Apure o CIPA unitário de cada produto pelo sistema de custeio total e calcule o valor do inventário
final de produtos acabados. [1,5 valores]

Gastos Gerais de Fabrico:


GGF = 1.206.000 €
Base de Imputação: unidades produzidas
Valor da unidade de imputação = 1.206.000 € / [22.500 unid. + 11.000 unid.] = 36 € / unid. produzida

GGF Estuda = 22.500 unid. x 36 € = 810.000 €


GGF Profissão = 11.000 unid. x 36 € = 396.000 €

CUSTEIO TOTAL
Produto “Estuda” [E]
CIP = Kvind + Kfind = [65 € x 22.500 unid.] + 810.000 = 1.462.500 + 810.000 = 2.272.500 €
CIPA = CIP + Inv.i PVF – Inv.f PVF = 2.272.500 + 0 – 0 = 2.272.500 €
CIPAunit. = CIPA / Produção = 2.272.500 € / 22.500 unid. = 101 € / unid.
Inv.f = 1.500 unid. x 101 € = 151.500 €

Produto “Profissão” [P]


CIP = Kvind + Kfind = [135 € x 11.000 unid.] + 396.000 = 1.485.000 + 396.000 = 1.881.000 €
CIPA = CIP + Inv.i PVF – Inv.f PVF = 1.881.000 + 0 – 0 = 1.881.000 €
CIPAunit. = CIPA / Produção = 1.881.000 € / 11.000 unid. = 171 € / unid.
Inv.f = 1.000 unid. x 171 € = 171.000 €

1.ª Frequência de 2019/11/02 – Resolução 4 de 7


Departamento de Gestão Contabilidade de Gestão I

[2] Elabore a DR por funções, pelo sistema de custeio variável. [3 valores]


Valor [€]
Descrição
ESTUDA PROFISSÃO TOTAL
Vendas 2.400.000 2.600.000 5.000.000
Gasto de Vendas 1.300.000 1.350.000 2.650.000
Subtotal 1.100.000 1.250.000 2.350.000
CIÑI 810.000 396.000 1.206.000
Resultado Bruto 290.000 854.000 1.144.000
Gastos não industriais:
Variáveis [comerciais] 96.000 52.000 148.000
Fixos 852.000
RAI 144.000

CUSTEIO VARIÁVEL
Produto E
Vendas = 20.000 unid. x 120 € = 2.400.000 €
CIP = Kvind = 1.462.500 €
CIPA = CIP + Inv.i PVF – Inv.f PVF = 1.462.500 + 0 – 0 = 1.462.500 €
CIPAunit. = CIPA / Produção = 1.462.500 € / 22.500 unid. = 65 € Ou, CIPA unit. = 40 € + 25 € = 65 €
CIPV = Qv x Custo unit. = 20.000 unid. x 65 € = 1.300.000 €
CIÑI = Kfind = 810.000 €

Produto P
Vendas = 10.000 unid. x 260 € = 2.600.000 €
CIP = Kvind = 1.485.000 €
CIPA = CIP + Inv.i PVF – Inv.f PVF = 1.485.000 + 0 – 0 = 1.485.000 €
CIPAunit. = CIPA / Produção = 1.485.000 € / 11.000 unid. = 135 € Ou, CIPA unit. = 70 € + 65 € = 135 €
CIPV = Qv x Custo unit. = 10.000 unid. x 135 € = 1.350.000 €
CIÑI = Kfind = 396.000 €

[3] Determine o ponto crítico das vendas decompondo-o por cada modelo de produto. [2,0 valores]

Produtos Vendas Mix pv cv mc mcmp


[Quant.] [Qv / Total Qv] [pv - cv] [mc x mix]
Produto E 20.000 66,67 % 120 69,8 50,2 33,46[6]
Produto F 10.000 33,33 % 260 140,2 119,8 39,93[3]
30.000 100% 73,39[9]

cv Estudo = cvind. + cvñind. = 65 + [120 x 4%] = 65 + 4,8 = 69,8 €


cv Profissão = cvind. + cvñind. = 135 + [260 x 2%] = 135 + 5,2 = 140,2 €
Kf = 1.206.000 + 852.000 = 2.058.000 €
Qc = Kf / mcmp = 2.058.000 / 73,39[9] = 28.038 unid.
Qc Estudo = 28.038 unid. x 66,67% = 18.692 unid. x 120 € = 2.243.040 €
Qc Profissão = 28.038 unid. x 33,33% = 9.346 unid. x 260 € = 2.429.960 €
Vc = 4.673.000 €

1.ª Frequência de 2019/11/02 – Resolução 5 de 7


Departamento de Gestão Contabilidade de Gestão I

[4] Caso a empresa consiga vender a totalidade da sua produção, que impactos são de esperar nas DR´s
de cada sistema de custeio [Total, Racional e Variável]? O que sucederá às diferenças no RAI entre os
sistemas de custeio referidos antes? [1,0 valor]
Resultado’ = 22.500 unid. x [50,2 €] + 11.000 unid. x [119,8 €] – 2.058.000 € = 389.300 €
Se toda a produção do período for vendida, e no pressuposto de que não existem inventários iniciais, verifica-se que
a totalidade dos custos fixos do período surgem nas DR´s, independentemente do sistema de custeio utilizado, pelo
que os resultados serão iguais. Produção = Vendas => RAICT = RAICIR = RAICV

[5] Quais as quantidades, de ambos os produtos, que a empresa terá de vender para dispor de uma
margem de segurança de 60%. [2,0 valores]

MS = [Qv – Qc] / Qc 0,3 = [Qv – 28.038 unid.] / 28.038 unid. Qv = 36.449 unid.
Qv E = 36.449 unid. x 66,6[6]% = 24.299 unid.
Qv P = 36.449 unid. x 33,3[3]% = 12.150 unid.
A empresa terá de vender 24.299 unidades de “E” e 12.150 unidades de “F” para que possa obter uma margem de
segurança de 30%.

[6] Mantendo a estrutura de custos e rendimentos, para obter um resultado de 200.000 €, que
quantidades teria de vender? [2,0 valores]

R = Qv E . [pv E – cv E] + Qv P . [pv P – cv P] – Kf
R = 200.000 €
200.000 € = Margem’ – 2.058.000 € Margem’ = 2.258.000 €
Quantidade vendida’ = Margem’ / mcmp = 2.258.000 € / 73,3[9] € = 30.763 unid.
Qv E = 30.763 unid. x 66,[6]% = 20.509 unid.
Qv P = 30.763 unid. x 33,[3]% = 10.254 unid.
A empresa terá de vender 20.509 unidades de “E” e 10.254 unidades de “P” para que possa obter um resultado de
200.000 €.

1.ª Frequência de 2019/11/02 – Resolução 6 de 7


Departamento de Gestão Contabilidade de Gestão I

[7] Admita agora que a empresa tem a possibilidade de produzir e vender mais 5.000 unidades/ano do
armário modelo PROFISSÃO para um cliente externo com um preço de venda unitário inferior em
20%. Para além da tradicional comissão paga ao vendedor, a empresa incorre ainda num gasto
adicional de 10 € por unidade. A empresa deverá aceitar a encomenda adicional tendo por base
critérios exclusivamente contabilísticos? Justifique comentando a situação e apresentando cálculos
pertinentes. [1,0 valor]

pv’ Profissão = 260 € x 0,8 = 208 €


cv’ Profissão = 135 € + [208 € x 4%] + 10 € = 149,16 €

Rmg = Qvm x [pc – cv] – Custos adicionais Rmg = 5.000 unid. x [208 € – 149,16 €] = 294.200 €

Tendo capacidade para o fazer, a empresa deveria aceitar a encomenda porque obteria um resultado adicional
positivo de 294.200 €.

1.ª Frequência de 2019/11/02 – Resolução 7 de 7

Você também pode gostar