Você está na página 1de 34

80ª Semana do Fazendeiro

80 anos de diálogo com o campo

A busca da sustentabilidade
da agricultura no Brasil

Coordenadora
Irene Maria Cardoso - Profª. adjunto – UFV

Instrutores
Edivânia M. G. Duarte
Rodrigo de Castro Tavares
André Mundstock X. de Carvalho
Maria Eunice Paula de Souza
Breno de Mello Silva
Agroecologia – conceitos e princípios

A Agroecologia tem sua demarcação inicial na afirmação da necessidade


de integrar a ecologia aos sistemas de produção agropecuários,
diferenciando-se, a princípio, das práticas da agricultura convencional.

AGRO + ECOLOGIA
(ecologia: do grego oikos = “casa”, e logos = “estudo”)

A Agroecologia é considerada como campo de conhecimento


transdisciplinar, que recebe as influências das ciências sociais, agrárias e
naturais, em especial da Ecologia Aplicada.
Agroecologia – conceitos e princípios

Principais correntes de
pensamento ligadas ao
movimento
agroecológico e seus precursores:
Manutenção, a longo prazo,
dos recursos naturais e da
produtividade agrícola;
 Mínimo de impactos adversos
ao ambiente;
 Otimização da produção com
o mínimo de insumos externos;
 Satisfação das necessidades
sociais das famílias e das
comunidades rurais
(Ehlers, 2008)
Agroecologia – conceitos e princípios

E por que AGROECOLOGIA ?

• Diferencial AMBIENTAL

• Diferencial SOCIAL
Diferencial AMBIENTAL

Historicamente ...

 A floresta tropical, com toda a sua riqueza e


diversidade, representa pouco mais do que um
“embaraço”.
Padre jesuíta Antonil (1711)
Diferencial AMBIENTAL

Historicamente ...

 110 milhões de hectares de mata atlântica

 400 milhões de hectares de floresta amazônica.

 Mais de 200 milhões de hectares de cerrados.


Diferencial AMBIENTAL

Historicamente ...

 Sensação de inesgotabilidade dos recursos naturais.

 Postura destrutiva e parasitária diante desses recursos,


origem de tecnologias descuidadas e extensivas.

 Pouca atenção para com a biodiversidade e a especificidade


ecológica do ambiente tropical.
“ O aquecimento do sistema climático é inequívoco...”
© IPCC, 2007
Diferencial AMBIENTAL
Mudanças relativas na precipitação (em percentagem) para o
período de 2090 a 2099, em relação ao período de 1980 a 1999

© IPCC, 2007
Diferencial AMBIENTAL
Diferencial AMBIENTAL
Diferencial AMBIENTAL

Sabemos produzir muito ...

Fig. Produtividade de algumas culturas nos EUA no período de


1960 a 1990 (Departamento de Agricultura dos EUA, 1995, FAO-
AGROSAT, 1996)
Diferencial AMBIENTAL

 Equilíbrio delicado, relacionado à eficiência dos nossos sistemas


produtivos;
 Melhorar a eficiência significa produzir mais por unidade
investida.
Diferencial AMBIENTAL

Isso sem falar nos AGROTÓXICOS ...


Diferencial AMBIENTAL

O que rege a proibição do uso de agrotóxicos nos sistemas


agroecológicos é a menor dependência externa, o menor uso
de recursos não renováveis e a preservação da saúde humana
e dos animais
Princípio da precaução ...
“Ante a complexidade do mundo biológico e das interações
ecológicas, o tamanho descomunal de nossa ignorância, a
muito humana tendência à pressa, as não elimináveis
imprevisões, azar e imprevistas distorções introduzidas pelo
mundo capitalista e outros relevantes aspectos de nossas
relações sociais, e ante a magnitude dos riscos em jogo, se
impõe uma atitude de prudência ao intervir na natureza.”
Barry Commoner
Diferencial AMBIENTAL

AGROTÓXICOS ...

 O valor das vendas de agrotóxicos no mercado brasileiro,


especialmente de herbicidas, aumentou de um bilhão de
reais em 1990 para 2,18 bilhões em 1997;

 no Paraná, o aumento da produção agrícola entre 1970 e


1980 foi de 8,4%, concomitante, porém com o aumento no
uso de fungicidas de 197% e de herbicidas de 1346%.
Diferencial SOCIAL

 Criação em 1966 de um “Sistema Nacional de Crédito”,


especialmente intenso até os anos 90, (apoio financeiro +
assistência técnica + sementes + insumos).

 Estímulo à transformação da grande propriedade em grande


empresa, com o uso da mecanização, monocultura, uso
intensivo de insumos.

 Desinteresse pela agricultura familiar, levando ao abandono


de propriedades pela incapacidade de competir nesse novo
ambiente socioeconômico.
Diferencial SOCIAL

Renda agrícola líquida, bruta e custos de produção nos EUA


(Departamento de Agricultura dos EUA, 1990)
Diferencial SOCIAL

 Na década de 1990, estabelecimentos com mais de 1000


hectares, representavam 1% do total, detinham 45,1% da
área ocupada pela agricultura.

 Estabelecimentos com menos de 100 hectares, 89,3% do


total, detinham apenas 20% da mesma área (em 1985 era de
44,1% ).

 Êxodo Rural (Desruralização)


Diferencial SOCIAL

Os sistemas produtivos convencionais priorizavam o aumento da


eficiência de utilização da mão de obra.

Fig. Número de propriedades agrícolas nos EUA no período entre


1945 e 1992 (Rosset & Altieri, 2002)
Agroecologia – conceitos e princípios

 Em 1940, a percentagem da população urbana do país era


de 31,2%. Em 2000 essa população passou a ser de 81,2%.
Diferencial SOCIAL

Centrado basicamente em:

Valorização/adaptação
Valorização/adaptação à agricultura familiar;
 Valorização do conhecimento popular (etnociência);
 Menores custos de produção;
 Melhor Saúde da Família
A mudança ...

Mudança de enfoque na produção agrícola


 Pesquisas agronômicas na última década têm mostrado que
as limitações à produção na região tropical são melhor
evitadas por meio de tecnologias baseadas em processos
biológicos (Sieverding, 1991)

 O enfoque ecológico da produção agrícola visando


sustentabilidade e não apenas produtividade
Menor uso de recursos depende de aumento de
eficiência da produção (processos biológicos,
diversidade e pequena escala (?)
Mas seria a agricultura familiar capaz de
produzir alimentos suficientes ?
Agricultura familiar em números

 entre 1989 e 1999, as propriedades com menos de 100


hectares apresentaram taxa de crescimento anual médio
do rendimento ($) da produção da ordem de 5,80% contra
3,29% na agricultura patronal.

 A taxa anual média de crescimento da quantidade


produzida na agricultura familiar no mesmo período, por
outro lado, foi de 3,79% ao ano, contra 2,60% na
agricultura patronal.
Agricultura familiar - produção de alimentos

 A Agricultura familiar produz alimentos de consumo básico


sendo responsável, por exemplo, por 84% da mandioca,
67% do feijão e 49% do milho produzidos.

 Para a exportação, a produção familiar é expressiva,


representando 32% da soja, 33% do algodão e 25% do café
produzidos.

 Em 1995-96, a agricultura familiar era responsável por


37,9% do valor bruto da produção e empregava 13,8
milhões de trabalhadores, apesar de receber apenas 25,3%
do financiamento total (cerca de 938 milhões de reais).
Agricultura familiar - produção de alimentos

Porcentagem da produção familiar na produção de alimentos nacional

90 84
80 72
67
70
58 58
% 60
52 49
50 47 46
40
40
33 32 31
30 27 25 24
20
10 10
0
a o s a a os o z a r
oc
a ol i jã no an ei
te
ilh
o
uv go dã
ja ro nj fé r te ça
i b f e í n l tri ov o so ar ra ca co çú
an
d ce su ba de m e al
g la de -a
m ir a es d e Produtos
á av á ria a-
e cu cu ca
n
p pe

Fonte: IBGE, 1995/1996 – Censo Agropecuário


A mudança ...

Mudança de enfoque na produção agrícola


 Pesquisas agronômicas na última década têm mostrado que
as limitações à produção na região tropical são melhor
evitadas por meio de tecnologias baseadas em processos
biológicos (Sieverding, 1991)

 O enfoque ecológico da produção agrícola visando


sustentabilidade e não apenas produtividade
Menor uso de recursos depende de aumento de
eficiência da produção (processos biológicos,
diversidade e pequena escala (?)
Mas seria a agricultura familiar capaz de
produzir alimentos suficientes ?
A mudança ...

 A disponibilidade de nutrientes, e a proteção e


conservação da superfície do solo.

 A utilização eficiente dos recursos água, luz e solo.

 A manutenção de um nível alto de fitomassa.

 A exploração de adaptabilidade, diversidade e


complementaridade no uso de recursos genéticos
animais e vegetais.

 A preservação e integração da biodiversidade.


A “Agroecologia” cresce ! E rápido !
Distribuição mundial das áreas em agricultura orgânica,
segundo os diferentes continentes (milhões de ha):
A Mudança para a Agroecologia ...

Percentual médio de unidades de produção, segundo as


razões que influenciaram os agricultores na decisão de
produzir organicamente
Razões para Produzir Organicamente Média Total
Saúde pessoal e da família 68,4
Razões econômicas 66,7
Convicção ideológica 35,1
Conservação dos recursos naturais 19,3
Saúde do consumidor 14,0
Conjuntura político-econômica 12,3
Melhorar a produtividade 5,3
Fonte: Darolt, 2000.
A Mudança para a Agroecologia ...

Comparativo de algumas características entre feijão convencional e


orgânico para o estado do Paraná
Características Feijão Convencional Feijão Orgânico
Padrões Tipo 1 e 2 Tipo 1 e 2
Feijão Preto - R$ 23,10/sc * Incremento de 30% com acordo de
Preços (pago ao produtor)
Feijão Cor - R$ 29,28/sc* preço mínimo de R$ 40,00/sc
Produtividade Média (Paraná) 1046 kg/ha 1035 kg/ha**
Custo Produção (Variável) R$ 28,00/saca R$ 12,00 - 14,00/saca
Mercado Interno Externo
Tendências Melhoramento genético de novas variedades Resgate de variedades tradicionais
*Dados da SEAB-PR, Média de preços pago ao produtor no Paraná, safra 1999/2000.
**Dados obtidos pela Emater/Lapa.

Um exemplo da Zona da Mata: café em SAF.


Algumas dificuldades ...

Canais e margens de comercialização de produtos orgânicos

Fonte: Darolt, 2000.


Algumas dificuldades ...

Percentual médio de unidades de produção, segundo os principais


entraves da agricultura orgânica na visão dos produtores

Entraves da Produção Orgânica % média de unidades


Falta de crédito agrícola específico 61,4
Comercialização da produção 56,1
Falta de experiência e informação técnica 40,4
Falta de mão-de-obra especializada 10,5
Dificuldade para obtenção de insumos orgânicos 3,5
Fonte: Darolt, 2000.
Agroecologia

“ A agroecologia é um aprendizado infinito ...”

OBRIGADO

dúvidas ?

Você também pode gostar