Você está na página 1de 21

Fundamentos de Mecânica

dos Sólidos
Vasos de Pressão e Esforços Combinados em Barras

www.esss.co
Vaso de Pressão de Paredes Finas

Vaso de Pressão Cilíndrico de Parede Fina


A distribuição das tensões nos vasos de parede fina são facilmente obtidos pela aplicação da
condição de equilíbrio estático em um diagrama de corpo livre.

SFx= 0

Extraído do livro Resistência dos Materiais, Hibbler R.C., Prentice Hall.


www.esss.co
Vaso de Pressão de Paredes Finas

Vaso de Pressão Cilíndrico de Parede Fina

SFy= 0

Extraído do livro Resistência dos Materiais, Hibbler R.C., Prentice Hall.


www.esss.co
Vaso de Pressão de Paredes Finas

Vaso de Pressão Esférico de Parede Fina


Para qualquer plano as tensões são iguais

SFy= 0

Extraído do livro Resistência dos Materiais, Hibbler R.C., Prentice Hall.


www.esss.co
Vaso de Pressão de Paredes Finas

Exercício Proposto
Construir os círculos de Mohr para os casos de vaso de pressão de parede fina cilíndrico e
esférico. Obter as relações e ângulos entre as tensões principais e máxima de cisalhamento

Extraído do livro Resistência dos Materiais, Hibbler R.C., Prentice Hall.


www.esss.co
Vaso de Pressão de Paredes Finas - Exemplo

Determinar a tensão normal perpendicular e a tensão de cisalhamento tangencial ao


cordão de solda. O vaso tem espessura de 10 mm e a pressão interna é de 1260 kN. Para o
raio interno adotar o valor de 0,4 m. O ângulo formado pelo filete de solda com a vertical é
de 25º.

Extraído do livro Resistência dos Materiais, Hibbler R.C., Prentice Hall.


www.esss.co
Barras Carregadas Axialmente

Força que atua perpendicular a seção transversal da barra gerando tensões normais de
tração ou compressão uniformes.

FN FN= Força Normal


 = A= Área da seção transversal
A

Extraído do livro Resistência dos Materiais, Hibbler R.C., Prentice Hall.

www.esss.co
Torção em Barras com Seção Circular

O momento em torno do eixo longitudinal de uma barra gera tensões de cisalhamento.

Mt Mt= Momento torçor em torno do eixo longitudinal


= y I= Momento de inércia polar da seção em torno do eixo
Ip longitudinal
y= Distância do centro da seção até o ponto da tensão
d 4
Ip =
32

Extraído do livro Resistência dos Materiais, Hibbler R.C., Prentice Hall.

www.esss.co
Torção em Barras de Seção Fechada com Parede Fina

O momento em torno do eixo longitudinal de uma barra gera tensões de cisalhamento.

Mt= Momento torçor em torno do eixo longitudinal


Mt Am= Área média compreendida pelo limite da linha
 Média =
2  t  Am de centro da espessura do tubo
t= Espessura da parede na posição de obtenção da
tensão

Extraído do livro Resistência dos Materiais, Hibbler R.C., Prentice Hall.

www.esss.co
Torção em Barras de Seção Aberta com Parede Fina

=
Mt
 ti It =
 Li  ti 3

It 3

Mt= Momento torçor em torno do eixo longitudinal


Li= Largura da chapa na posição de obtenção da tensão
ti= Espessura da parede na posição de obtenção da tensão

www.esss.co
Flexão em Vigas

Esforço gerado por carregamentos transversais as barras provocando tensões normais de


tração e compressão.
Mf= Momento fletor em torno do eixo da linha neutra
Mf I= Momento de inércia da seção em torno da linha neutra
 = y y= Distância perpendicular ao eixo da linha neutra até o ponto da
I tensão

Extraído do livro Resistência dos Materiais, Hibbler R.C., Prentice Hall.


www.esss.co
Flexão em Vigas

Momento de inércia de figuras planas:

Centro de gravidade: y=
 Ai  yi
 Ai
b  h3
Seção retangular: I = b= largura paralela ao eixo de inércia
12 h= altura transversal ao eixo de inércia
d4
Seção circular maciça: I = d= diâmetro da seção
64

Teorema dos eixos paralelos (Teorema de Steiner):

(
I Total =  I Figura + AFigura  d 2 )
www.esss.co
Flexão em Vigas

Exemplo de momento de inércia de figuras planas

Figuras extraídas do Examples in Structural Analysis, McKenzie, W. M. C.


www.esss.co
Força Cortante em Vigas

Os carregamentos transversais geram também esforços cortantes provocando tensões de


cisalhamento.
Q= Força cortante na seção
Q  Ms Ms= Momento estático determinado pela área acima
 =
I b ou abaixo do ponto de determinação da tensão
vezes a distância do centro desta área até a linha
neutra
I= Momento de inércia da seção em torno da linha
neutra
b= Largura da área da seção transversal na posição de
determinação da tensão

Figuras extraídas do Examples in Structural Analysis, McKenzie, W. M. C. www.esss.co


Força Cortante em Vigas

Cisalhamento por força seção retangular

Seção retangular Seção circular maciça


3 Q 4 Q
 =  =
2 A 3 A

Seção circular vazada Perfil I


2 Q Q Q
 =  = =
A Aalma h.tw

h= Altura da alma
tw= Espessura da alma

Extraído do livro Resistência dos Materiais, Hibbler R.C., Prentice Hall.


www.esss.co
Esforços Combinados

Na maioria dos casos práticos existem seções nas estruturas onde ocorrerão a combinação dos
esforços internos de força normal, força cortante, momento fletor e torçor.

Diâmetro: 30 mm

Nestes casos são obtidos os esforços e tensões para cada caso e depois superpostos obtendo-se a
distribuição de tensões resultante. Isto é possível quando a relação entre tensão e carga é linear
assim como as deformações pequenas.

Figuras extraídas do livro Mechanics of Materials, 4th. Beer and Johnston, Mc Graw Hill
www.esss.co
Esforços Combinados - Solução

Figuras extraídas do livro Mechanics of Materials, 4th. Beer and Johnston, Mc Graw Hill
www.esss.co
Esforços Combinados - Solução

Figuras extraídas do livro Mechanics of Materials, 4th. Beer and Johnston, Mc Graw Hill
www.esss.co
Esforços Combinados

Exemplo de Aplicação

Extraído do livro Resistência dos Materiais, Hibbler R.C., Prentice Hall.


www.esss.co
Esforços Combinados

Exemplo de Aplicação

www.esss.co
Esforços Combinados

Exemplo de Aplicação

www.esss.co

Você também pode gostar