Você está na página 1de 7

................ angular, mantendo-se constantes ao longo do que está sendo abordado.

Além disso,
1
tempo. Dessa forma, o experimento produzido com as atividades experimentais contri-
Lanna Isabely Morais Sinimbu , materiais alternativos e Arduíno mostrou-se viável buem para desenvolver a capacidade
Ricardo Gondim Sarmento2, para uma aula prática de física sobre MRUV.
de trabalhar em grupo, a iniciativa pes-
Nilton Ferreira Frazão3,4 and soal e a tomada de decisão; estimular a
Michelle de Paula Madeira5,6,# Palavras-chave: experimento didático; criatividade, a elaboração de hipóteses
Arduíno; movimento retilíneo uniformemente
e a análise de dados; aprimorar a capa-
................
1
Departamento de Física, Universidade variado
cidade de observação e registro de in-
Federal do Piauí, Teresina, PI, Brasil.
2 formações, e compreender conceitos
Centro de Ciência das Natureza,
científicos, o papel do cientista em uma
Universidade Federal do Piauí,
investigação e relações entre ciência,
Teresina, PI, Brasil. 1. Introdução

O
3 tecnologia e sociedade [3].
Centro de Educação e Saúde,
estudo do movimento retilíneo Na literatura, existem vários traba-
Universidade Federal de Campina
uniformemente variado lhos sobre as aplicações de experimen-
Grande, Cuité, PB, Brasil.
4 (MRUV) trata da descrição físi- tos didáticos de física no Ensino Médio
Departamento de Física, Universidade
ca e matemática da posição, da veloci- [4-6], a exemplo de: o experimento de
Federal de Campina Grande, Campina
dade e da aceleração de um móvel que baixo custo sobre dinâmica de rotação
Grande, PB, Brasil.
5 percorre uma trajetória reta com velo- produzido por Duarte [7], o experimen-
Departamento de Métodos e Técnicas
cidade variando uniformemente em to didático para o ensino inclusivo de
de Ensino, Universidade Federal do
função do tempo. Esse conteúdo tem ondas de Silveira e cols. [8] e a proposta
Piauí, Teresina, PI, Brasil.
6 amplas aplicações práticas na socieda- experimental para análise das variáveis
Curso de Licenciatura em Educação
de contemporânea, principalmente em de estado dos gases de Cardoso e cols.
do Campo, Campus Amílcar Ferreira
aparelhos tecnológicos com o Sistema [9]. Todos esses recursos didáticos são
Sobral, Floriano, PI, Brasil.
de Posicionamento Global (GPS). Isso vistos como estratégias para amenizar
RESUMO posto, há que se considerar que o dificuldades encontradas e tornar a
O uso de experimentos didáticos, como prática MRUV é tema de difícil assimilação pa- aprendizagem dos assuntos mais efici-
educacional, em laboratórios de ensino ou em salas ra a maioria dos alunos do Ensino Mé- ente.
de aula é um importante recurso para o ensino e a dio, em virtude da excessiva aborda- Atualmente, os experimentos didá-
aprendizagem de física. Nesse sentido, gem do formalismo matemático e da ticos com o Arduíno vêm ganhando
apresentamos um experimento para a medição de
posição, velocidade e aceleração de um corpo em falta de discussão dos conceitos físicos espaço no ambiente escolar, sendo um
movimento retilíneo uniformemente variado (MRUV). em sala de aula, causando neles certa recurso tecnológico promissor para o
O experimento consiste em um corpo, com roldanas, resistência à aprendizagem do assunto processo de ensino-aprendizagem de fí-
sobre um barbante esticado com as extremidades [1-2]. sica de forma significativa [10-11]. O Ar-
presas por hastes em uma estrutura semelhante ao
plano inclinado convencional, movendo-se em
Por conseguinte, os experimentos duíno é uma plataforma de prototipa-
direção a um sensor de presença acoplado a um didáticos sobre MRUV podem ser um gem eletrônica de código aberto basea-
Arduíno. Os dados experimentais foram obtidos por recurso eficiente na abordagem dos da em hardware e software de fácil
meio do sensor de presença, durante a passagem do seus conceitos fundamentais (posição, manuseio. A versatilidade da platafor-
corpo e, em seguida, codificados pelo Arduíno. No
velocidade e aceleração), visto que a ma permite a realização de vários expe-
cálculo das referidas grandezas físicas,
consideraram-se as inclinações de 30°, 45° e 60°. Os prática experimental pode atrair a aten- rimentos físicos, uma vez que suas fun-
resultados experimentais apresentaram ção do aluno para o fenômeno físico, fa- cionalidades mudam de acordo com o
concordância com os modelos teóricos, o que zendo com que ele interaja por meio de uso dos dispositivos eletrônicos especí-
demostra uma uniformidade na coleta dos dados. As medições, compreenda que as equações ficos que podem ser acoplados a ela. Ge-
acelerações aumentam conforme a elevação
matemáticas têm significados físicos e ralmente, utiliza-se o sensor de presen-
comprove por meio da experimentação ça photogate com a finalidade de estu-
as previsões do MRUV [2]. Esse processo dar queda livre, medir os períodos de
#Autor de correspondência. E-mail: possibilita aos alunos um momento ím- um pêndulo e calcular a velocidade de
mmadeira@ufpi.edu.br. par de contato prático com o fenômeno um corpo, entre outros [12]. A vanta-

A Física na Escola, v. 19, n. 1, 2021 Sinimbu e cols. 1


gem de utilizar esse recurso tecnológico mos o corpo inicialmente em re-
no experimento didático está na possi- pouso, próximo à extremidade li-
bilidade de coleta de dados em menor vre do eixo e com uma inclinação
tempo e com maior precisão, permitin- θ considerável para que houves-
do resultados mais confiáveis à inter- se contato com o barbante e a
pretação física. possibilidade de movimento. Ao
Diante do exposto, o presente tra- abandoná-lo, ele adquire movi-
balho tem como objetivo propor um ex- mento acelerado em direção à ex-
perimento didático desenvolvido com tremidade fixa do eixo, devido à
materiais alternativos e Arduíno para ação da componente da força
estudar o MRUV, com base nas medidas gravitacional. Durante o movi-
da posição, da velocidade e da acelera- mento, o corpo passa pelo photo-
ção de um corpo em movimento sobre gate, que acusa sua passagem, en-
um sistema similar ao plano inclinado viando um sinal ao Arduíno, que
convencional. o converte em contagem de tem-
pos.
2. Elaboração do experimento O processo ocorre da seguin- Figura 1 - Visão geral do experimento didático.
didático para o MRUV te forma: o photogate emite um
A Fig. 1 mostra o arranjo experi- raio de luz infravermelha (IR) do
mental elaborado. Na construção do ex- emissor para o receptor. O raio de luz do sensor o tempo de transição dos es-
perimento, utilizou-se um corpo no for- recebido pelo receptor é enviado para o tados alto (1) e baixo (0) e o converte
mato de cerca piquete (30 cm × 6 cm) Arduíno, que o identifica como sinal de em tempo da passagem do comprimen-
com zonas preenchidas, recobertas estado baixo (LOW); quando o raio é to unitário do corpo, Δx. Ainda no algo-
com fita isolante, e lacunas igualmente bloqueado, o Arduíno o identifica como ritmo, a posição do corpo x foi determi-
espaçadas de 2 cm de comprimento. O estado alto (HIGH). Assim, essas caracte- nada pelo múltiplo inteiro de Δx, ou se-
corpo também apresenta roldanas em rísticas de estados baixos ou altos po- ja, x ¼ iΔx, com i ¼ 1; …;  n, sendo x o
cada extremidade superior, suspenso dem ser usadas como medidor do tem- número total de comprimento unitário
por um barbante de 100 cm, esticado po em que há mudança de estado. Aqui, do corpo. Dessa forma, podemos estabe-
em uma estrutura de cano e conectores observando o movimento do corpo, as- lecer as posições do corpo em função do
de PVC. A estrutura tem um eixo central sumimos que a medida de tempo é o in- tempo ao longo da trajetória, assim,
com uma extremidade fixa ao solo e a tervalo de transição entre a zona preen- xðt0 Þ;   xðt1 Þ;   xðt2 Þ; …; xðtn Þ.
outra livre, de modo que possa girar no chida e a lacuna, prioritariamente nes- Assumimos as condições iniciais t0
sentido anti-horário, no plano vertical, sa ordem, ou seja, do HIGH para LOW. = 0 e xðt0 Þ ¼ 0 para um corpo em movi-
com ângulo θ em relação ao solo. O eixo A vantagem da existência de zonas mento acelerado passando pelo sensor
central tem um sensor de presença en- preenchidas e lacunas deixadas pelo na primeira transição dos estados alto
tre duas hastes perpendiculares. O sen- corpo possibilitou a utilização de ape- (1) e baixo (0). Agora, quando o corpo
sor de presença, conhecido por photo- nas um sensor de presença para o regis- passar pela segunda transição dos esta-
gate, está acoplado ao Arduíno, que por tro do tempo, que é equivalente a medir dos alto (1) e baixo (0), o tempo registra-
sua vez é ligado ao computador. Esses a passagem instantânea do movimento do será t1 e a posição será xðt1 Þ ¼ 1Δx,
sistemas, photogate, Arduíno e compu- de uma zona preenchida. Enquanto os que corresponde a um comprimento
tador, são os responsáveis pela coleta tempos são determinados pelo sistema unitário do corpo ou à distância entre a
de dados, armazenamento e cálculo das photogate e Arduíno, o comprimento segunda e a primeira transições. Para
grandezas físicas do MRUV. No experi- unitário é determinado pela zona pre- t2 , o registro do tempo será na terceira
mento, também foi acoplado um siste- enchida mais a lacuna do corpo, corres- transição dos estados alto (1) e baixo (0)
ma formado por um barbante, uma bo- pondendo a 4 cm ðΔx ¼ 4 cmÞ; isso per- e a posição será xðt2 Þ ¼ 2Δx, ou seja,
la de “bolimbolacho” e um transferidor mite um passo adiante na determina- duas vezes o comprimento unitário ou
para medição de qualquer ângulo θ. ção das demais grandezas físicas. a distância entre a terceira e a primeira
A produção do experimento foi rea- Para que seja possível a determina- transição. Caso análogo ocorrerá para
lizada com materiais acessíveis, leves e ção das grandezas físicas relacionadas as demais posições e tempos. A Fig. 3
de fácil transporte, podendo ser montá- ao MRUV, adotamos o plano cartesiano mostra, de maneira simplificada, a rea-
vel por meio de conectores de PVC, pre- com inclinação igual à do experimento, lização da contagem do tempo e a posi-
sentes em toda a estrutura. O design do ou seja, com o eixo x formando um ân- ção do corpo.
experimento e a forma do corpo foram gulo igual ao do eixo central em relação
pensados para reduzir ao máximo o ao solo, e o eixo y, perpendicular ao ei-
atrito entre as partes móveis e com o ar, xo x. Sendo assim, o movimento do cor-
evitando um possível retardo do movi- po pode ser estudado em uma dimen-
mento que influenciasse nos resultados são, ao longo do eixo x, conforme a
das grandezas físicas do MRUV. As eta- Fig. 2.
pas detalhadas para a construção do ex- As operações para a realização dos Figura 2 - Esboço do corpo sobre o
perimento didático descrito acima estão cálculos da posição, da velocidade ins- plano cartesiano, percorrendo uma tra-
no Apêndice A e o esquema do circuito tantânea e da aceleração instantânea jetória reta ao longo do eixo x positivo.
para confecção do photogate encontra- são feitas na plataforma Arduíno. Para Aqui, Δx é o comprimento unitário cor-
-se no Apêndice B. essa finalidade, foi desenvolvido um al- respondente à zona preenchida mais a
Para o estudo do MRUV, considera- goritmo em linguagem C++ que recebe lacuna do corpo.

2 Experimento didático com Arduíno para o estudo do MURV A Física na Escola, v. 19, n. 1, 2021
A partir das informações da posi- grandezas físicas do MRUV na tela do
ção do corpo em função do tempo, a ve- computador em forma de gráficos. O
locidade instantânea v pode ser calcula- comando para enviar os dados para o
da pela seguinte expressão Excel está incluso no código em lingua-
gem C++, na plataforma Arduíno, con-
xi − xi − 1
v ¼ lim   ; (1) forme o MS1.
Δt!0 ti − ti − 1
3. Resultados experimentais
onde x é a posição do corpo e t é o tem-
po correspondente, sendo i o ponto de A posição, a velocidade e a acelera-
transição dos estados alto (1) e baixo (0) ção dos comprimentos unitários do cor-
e i − 1 o ponto de transição subsequen- po, em função do tempo, para os ângu-
te. los θ de 30°, 45° e 60° são mostradas na
A aceleração instantânea a do Fig. 4. Abaixo, estão as equações horári-
MRUV pode ser obtida desta forma: as que descrevem o corpo em MRUV:
a
vi − vi − 1 xðtÞ ¼ x0 þ v0 t þ t2 ; (3)
 a ¼ lim   ; (2) 2
Δt!0 ti − ti − 1
vðtÞ ¼ v0 þ at; (4)
onde v é a velocidade do corpo e t é o
aðtÞ ¼ a ¼ constante: (5)
tempo correspondente, sendo i o ponto
de transição dos estados alto (1) e baixo onde x0 é a posição inicial e v0 é a velo-
(0) e i − 1 o ponto de transição subse- cidade inicial do comprimento unitário
quente. Vale ressaltar que as operações do corpo.
da aceleração, da velocidade e da posi- A Fig. 4(a) apresenta a curva da po-
ção foram realizadas no algoritmo. Para sição em função do tempo. O formato
maiores informações da operação, con- de parábola crescente indica que os
sulte o Material Suplementar 1 (MS1). comprimentos unitários do corpo estão
O processo de execução do progra- se deslocando no sentido positivo do ei-
ma relacionado à posição em função do xo x.
tempo, que resulta na velocidade e na A Fig. 4(b) apresenta a velocidade
aceleração, foi acompanhado pelo pro- em função do tempo. Os gráficos em
grama Processing, uma plataforma com formato de reta crescente sinalizam
linguagem de programação de código que os comprimentos unitários do cor-
aberto, em Java Script, que mostra, por po percorrem distâncias iguais em in-
meio de interface, o sinal digital coleta- tervalos de tempo iguais e esse tipo de
do pelo sensor durante a execução do movimento é dito progressivo. Final-
experimento. O Processing garante a es- mente, a Fig. 4(c) exibe os resultados ex-
tabilidade do photogate e a confiabilida- perimentais da aceleração, cujos valo- Figura 4 - Resultados do experimento
de do resultado do experimento didáti- res aproximados, para os ângulos de do MRUV para os ângulos θ de 30°
co. O código do programa está descrito 30°, 45° e 60°, foram, respectivamente, (preto), 45° (azul) e 60° (vermelho). (a)
no Material Suplementar 2 (MS2). 4,873 m/s2, 6,840 m/s2 e 8,446 m/s2. Ob- Posição do comprimento unitário em
Além do Processing, o programa serva-se um aumento da aceleração função do tempo, (b) velocidade do
Microsoft Excel pode ser utilizado como conforme a elevação angular. Não há comprimento unitário em função do
receptor dos dados obtidos pelo Arduí- alterações significativas na aceleração tempo, (c) aceleração do comprimento
no para a projeção, em tempo real, das ao longo do tempo, sendo ela pratica- unitário em função do tempo.
mente constante. Todas as acelerações
são positivas, assim como as velocida- se aproxima dos resultados experimen-
des; portanto, os movimentos são consi- tais de Dionisio e Magno para um corpo
derados acelerados. em queda livre [12].
Para os ângulos de 30°, 45° e 60°, o Vale ressaltar que os resultados das
móvel permanece em contato com o grandezas físicas foram obtidos para
barbante; no entanto, para θ ¼ 90°, o um corpo com zonas preenchidas e la-
contato é perdido e o corpo passa a es- cunas, igualmente espaçadas, com com-
tar em queda livre e, dessa forma, a ace- primento fixo de 2 cm. Experimentos
leração do móvel é igual à aceleração com zonas de larguras diferentes apre-
da gravidade g, aproximadamente, sentaram resultados similares para o
Figura 3 - Representação do registro de 9,807 m/s2. O valor de g pode ser obtido MRUV, como o trabalho já citado de
tempo da passagem do corpo pelo pho- por meio da expressão a ¼ g senθ, para Dionisio e Magno.
togate e a contagem da posição do um corpo com aceleração a em um pla-
corpo. Aqui, a linha cheia na vertical no com ângulo de inclinação θ. Por 4. Conclusões
representa o photogate, as bolinhas ver- exemplo, sabendo que a ≅ 4; 873 m/s2, Em síntese, um experimento didáti-
melhas marcam a transição do estado para θ ¼ 30°, temos o valor de co confeccionado com materiais alter-
alto (1) e baixo (0), ou HIGH e LOW, t é o g ≅ 9; 746 m/s2, que já é um valor pró- nativos e Arduíno foi apresentado para
tempo e x a posição do corpo. ximo de 9,807 m/s2. Esse valor também a medição da posição, da velocidade e

A Física na Escola, v. 19, n. 1, 2021 Sinimbu e cols. 3


Apêndice A 12 - Tubo de PVC de 70 cm;
A construção do experimento didático para o MRUV foi 13 - Tê de PVC;
dividida em três partes, nomeadas A, B e C (Fig. 5). A parte A 14 - Tê de PVC;
corresponde à extremidade inferior do experimento, que 15 - Cotovelo de PVC;
fica apoiada no solo, permitindo a formação de um ângulo θ 16 - Tubo de PVC de 3 cm;
em relação ao solo sobre um plano vertical, além do corpo 17 - Cotovelo de PVC com Led Sensor Infravermelho IR
de prova. A parte B refere-se ao photogate e a parte C repre- (Emissor);
senta a extremidade móvel do experimento. Abaixo são 18 - Tê de PVC com Led Sensor Infravermelho IR (Recep-
mostrados os materiais e suas respectivas partes. tor);
Descrição de cada item 19 - Tubo de PVC de 3 cm;
1 - Tê de PVC; 20 - Cotovelo de PVC;
2 - Tubo de PVC de 2 cm; 21 - Tê de PVC;
3 - Tê de PVC; 22 - Tubo de PVC de 70 cm;
4 - Tubo de PVC de 12 cm; 23 - Placa de PVC para fixar o transferidor.
5 - Cotovelo de PVC; Obs.: pode ser substituída por chapa de madeira Mdf Cru
6 - Tubo de PVC de 2 cm; 3 mm;
7 - Cap PVC, com um furo no centro da face do cap para 24 - Transferidor plástico de 180o ou 360°;
colocar a extremidade do barbante ou do fio; 25 - Barbante de 105 cm;
8 - Barbante esticado (fio); 26 - Bola de “bolimbolacho”.
9 - Corpo em forma de cerca piquete feito de placa de 27 - Tê de PVC;
cano de PVC, suspenso por duas roldanas de varal de teto. As 28 - Tubo de PVC de 2 cm;
marcações em preto são fitas isolantes, para evitar ao máxi- 29 - Cap PVC;
mo a reflexão do infravermelho. Obs.: O corpo pode ser pro- 30 - Tubo de PVC de 12 cm;
duzido também com chapa de madeira Mdf ou palitos de 31 - Cotovelo de PVC;
picolé; 32 - Tubo de PVC de 5 cm;
10 - Tubo de PVC de 43 cm; 33 - Cap PVC, com um furo no centro da face do cap para
11 - Tê de PVC; colocar a extremidade do barbante ou do fio.

Figura 5 - Construção do experimento didático: (A) extremidade inferior do experimento apoiado no solo e o corpo de prova,
(B) posição do photogate e (C) extremidade móvel do experimento.

da aceleração de um corpo em MRUV. do eixo central do experimento causa física sobre MRUV, potencializando as
Os resultados experimentais apresenta- um aumento na aceleração do corpo. A aulas teóricas dos conteúdos pré-esta-
ram concordância com os modelos teó- aceleração da gravidade obtida por belecidos.
ricos, tendo a posição obedecido uma meio de dados do experimento e de
função quadrática do tempo, a veloci- uma expressão matemática foi próximo
dade uma função linear e a aceleração ao valor de g, conforme a literatura. Recebido em: 17 de Julho de 2020
uma função constante. Constatou-se Portanto, o experimento didático mos-
que o aumento do ângulo de inclinação trou-se viável para uma aula prática de Aceito em: 14 de Dezembro de 2020

Material suplementar
MS1:: Código em linguagem C++, na plataforma Arduíno, para o cálculo da posição, da velocidade e da aceleração do mó-
vel, em função do tempo.
MS2:: Código em linguagem Java, na plataforma Processing, para leitura dos sinais LOW e HIGH do Arduíno.

4 Experimento didático com Arduíno para o estudo do MURV A Física na Escola, v. 19, n. 1, 2021
Apêndice B
O circuito elétrico do photogate teve como base o programa gratuito Tinkercad e as informações do trabalho de Galeriu
(2013). A Fig. 6 apresenta os esquemas do circuito e os componentes do photogate.

Figura 6 - Esquema do circuito para photogate: (A) representação do circuito elaborado na plataforma gratuita do Tinkercad e
(B) diagrama do circuito esquemático do photogate com Vcc, Vout e Gnd, que devem ser ligados aos pinos do Arduíno 5 V,
digital 2 e Gnd, respectivamente.

Referências
[1] M.R. Matthews, Caderno Catarinense de Ensino de Física 12, 164 (1995).
[2] A.D. Ribeiro, J.G.O. Techio, S.M. Reviliau, V.M, Menezes, Revista Brasileira de Iniciação Científica 4, 71(2017).
[3] J.R.S Oliveira, Acta Scientiae 12, 139 (2010).
[4] S.S. França, M. Siqueira, Física na Escola 17(1), 56 (2019).
[5] W.R. Silva, A.C. Silva, Experiências em Ensino de Ciências 13, 181 (2018).
[6] J.G.S. Lima Junior, L.M. Gomes, E.R.P. de Novais, F.C.L. Ferreira, Scientia Plena 15, 1 (2019).
[7] S.E. Duarte, Caderno Brasileiro de Ensino de Física 29, 525 (2012).
[8] M.V. Silveira, R.B. Barthem, A. C. Santos, Revista Brasileira de Ensino de Física 41, 1 (2019).
[9] J.M. Cardoso, M. Zannin, Revista Brasileira de Ensino de Física 41, 1 (2019).
[10] C.A. Martinazzo, D.S. Trentin, D. Ferrari, M.M. Piaia, Perspectiva 38, 21 (2014).
[11] L.G.R. Genovese, J.A.R. Cunha, Física na Escola 14(2), 48 (2016).
[12] G. Dionisio, W.C. Magno, Revista Brasileira de Ensino de Física 29, 287 (2007).
[13] C. Galeriu, The Physics Teacher 51, 156 (2013).

A Física na Escola, v. 19, n. 1, 2021 Sinimbu e cols. 5


6 Experimento didático com Arduíno para o estudo do MURV A Física na Escola, v. 19, n. 1, 2021
A Física na Escola, v. 19, n. 1, 2021 Sinimbu e cols. 7