Você está na página 1de 51

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO

Área de Formação 862. Segurança e Higiene no Trabalho

Itinerário de Formação 86201. Segurança e Higiene no Trabalho

Designação: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho


Saída Profissional
Nível de Formação: 3

Educação e Formação de Adultos – Tipologias de nível secundário


Modalidades de
Formação Contínua
desenvolvimento

Observações

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3


Índice

1. Introdução 3

2. Perfil de Saída 4

3. Organização do Referencial de Formação 5

4. Metodologias de Formação 7

5. Desenvolvimento da Formação 8

5.1. Formação de Base – Unidades de Competência 8


5.2. Formação Tecnológica – Unidades de Formação de Curta Duração (UFCD) 16

6. Alternativa para a Organização da Formação - Unidades Capitalizáveis 32

6.1. Unidades de Formação Capitalizáveis 32


6.2. Matriz de Correspondência Unidades Capitalizáveis/Unidades de Formação de Curta Duração 44

7. Sugestão de Recursos Didácticos 45

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 2/51
1. INTRODUÇÃO

As questões relacionadas com a segurança, higiene e saúde no trabalho têm sido preocupação crescente
nas sociedades ocidentais. A atenção à qualidade de vida e bem-estar dos cidadãos, também nos
contextos laborais, constitui-se como um factor preponderante. Mas as evoluções tecnológicas e
organizacionais sentidas no tecido produtivo levam ao reequacionar das condições em que a actividade
profissional é desenvolvida e à procura dos meios mais eficazes para as melhorar. O desenvolvimento e
a consolidação de uma cultura de segurança nos locais de trabalho vai-se transformando, cada vez mais,
num valor dominante.

A primeira responsabilidade para com a saúde e segurança dos trabalhadores é, necessariamente, das
organizações patronais, que beneficiam directamente da sua actividade laboral. A permanente mutação
tecnológica e organizativa no trabalho obriga as empresas a reunir competências no domínio da
prevenção de riscos profissionais, tendo a obrigação generalizada de assegurarem o desenvolvimento de
serviços de prevenção contra riscos profissionais, quer organizando serviços internos, quer recorrendo a
serviços de empresas especializadas. Salienta-se a importância da contratação e formação de técnicos
superiores e de técnicos de segurança e higiene no trabalho, de médicos e enfermeiros do trabalho, bem
como o investimento em equipamentos e recursos técnicos, tendo em vista a melhoria generalizada dos
serviços de prevenção.

Todavia, quer o Estado, quer os cidadãos/trabalhadores, a título individual e associativo, têm


responsabilidades na implementação das medidas adequadas de segurança, higiene e saúde nos postos
de trabalho.

Um destaque a um grupo em particular: os jovens. Os jovens trabalhadores tendem a registar uma taxa
de acidentes superior à dos trabalhadores mais velhos, designadamente nas primeiras semanas de
trabalho. Entre os motivos apontados contam-se a sua falta de experiência, maturidade física e
psicológica dos jovens, bem como a falta de sensibilização para as questões de saúde e segurança.

Embora actuando também em situação de crise, esta área tem uma forte componente de acção na
promoção da prevenção e combate à sinistralidade laboral. De facto, a acção sobre a prevenção joga um
papel fundamental, procurando alcançar de forma mais eficaz, nomeadamente, a redução dos acidentes
de trabalho e das doenças profissionais, um impacto directo positivo nos custos com a segurança social,
um conhecimento efectivo da legislação e a aplicação de novos procedimentos por parte dos industriais,
bem como evidenciar a associação entre a viabilização e rentabilização das empresas e a segurança,
higiene e saúde no trabalho.

Neste contexto, revela-se fundamental uma oferta de formação profissional específica que permita
aumentar as competências numa área com níveis de exigência tão elevados. A formação em segurança e
higiene no trabalho deve visar a identificação, avaliação e controlo dos factores que têm influência sobre
o ambiente profissional, reflectindo sobre áreas como o ambiente de trabalho, ergonomia, higiene,
protecção, segurança, stress etc.

(Fonte: www.ishst.pt)

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 3/51
2. PERFIL DE SAÍDA

Descrição Geral

O/A Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho é o/a profissional que, de forma autónoma ou
integrado numa equipa, aplica os instrumentos, metodologias e técnicas específicas para o
desenvolvimento das actividades de prevenção e protecção contra riscos profissionais, tendo em vista a
interiorização na empresa de uma verdadeira cultura de segurança e a salvaguarda da segurança e
saúde dos trabalhadores, de acordo com a Legislação e as normas em vigor.

Actividades Principais

• Colaborar no planeamento e na implementação do Sistema de Gestão de Prevenção da Empresa.

• Colaborar no processo de avaliação de riscos profissionais e desenvolver e implementar as medidas


de prevenção e protecção.

• Colaborar na concepção ou reengenharia de locais, postos e processos de trabalho.

• Colaborar no processo de utilização de recursos externos nas actividades de prevenção e protecção.

• Assegurar a organização da documentação necessária ao desenvolvimento da prevenção na


empresa.

• Colaborar nos processos de informação e formação dos trabalhadores e demais intervenientes nos
locais de trabalho.

• Colaborar na integração da prevenção no sistema de comunicação da empresa.

• Colaborar no desenvolvimento de processos de consulta e de participação dos trabalhadores.

• Colaborar no desenvolvimento das relações da empresa com os organismos da rede de segurança e


prevenção.

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 4/51
3. ORGANIZAÇÃO DO REFERENCIAL DE FORMAÇÃO

Educação e Formação de Adultos (EFA)1

Cidadania e Profissionalidade UC1 UC2 UC3 UC4 UC5 UC6 UC7 UC8
Formação de Base

(CP) 50h 50h 50h 50h 50h 50h 50h 50h


COMPETÊNCIAS - CHAVE

Sociedade, Tecnologia e
ÁREAS DE

UC1 UC2 UC3 UC4 UC5 UC6 UC7


Ciência
50h 50h 50h 50h 50h 50h 50h
(STC)

Cultura, Língua e
UC1 UC2 UC3 UC4 UC5 UC6 UC7
Comunicação
50h 50h 50h 50h 50h 50h 50h
(CLC)

Área de Carácter Transversal


PORTEFÓLIO REFLEXIVO DE APRENDIZAGEM - PRA
100 – 200 h

Código UFCD Horas

3769 1 Probabilidades e estatística 50

3770 2 Desenho técnico 25

3771 3 Normativos legais aplicados à actividade profissional 50

3772 4 Informática na óptica do utilizador – fundamentos 25


Formação Tecnológica2

3773 5 Técnicas de planeamento de prevenção de riscos profissionais 50

3774 6 Planos específicos de prevenção de riscos profissionais 25

3775 7 Ergonomia do posto de trabalho 50

3776 8 Informática aplicada à higiene e segurança do trabalho 25

3777 9 Fundamentos gerais de higiene do trabalho 25

3778 10 Agentes químicos e biológicos 25

3779 11 Agentes físicos 50

3780 12 Fundamentos gerais de segurança no trabalho 25

3781 13 Segurança no trabalho – avaliação e controlo de riscos 50

3782 14 Segurança no trabalho – equipamentos 25

3783 15 Fases do projecto 25

1
Os cursos EFA implicam obrigatoriamente a passagem por um processo de Reconhecimento e Validação de Competências
(RVC), associado a uma carga horária entre 70 e 110 horas.
2
A formação em Contexto Real de Trabalho (FCRT) pode estar integrada na Formação Tecnológica (sendo obrigatória para activos
desempregados - 210 horas).
REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 5/51
Código UFCD (cont.) Horas

3784 16 Planificação do projecto 50


Formação Tecnológica

3785 17 Metodologias de avaliação de riscos profissionais 25

3786 18 Controlo de riscos profissionais 50

3787 19 Plano de emergência - definição 50

3788 20 Plano de emergência – implementação 50

3789 21 Projecto de Segurança e Higiene do Trabalho – definição 50

3790 22 Projecto de Segurança e Higiene do Trabalho – planeamento 50

3791 23 Projecto de Segurança e Higiene do Trabalho – implementação 50

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 6/51
4. METODOLOGIAS DE FORMAÇÃO

A organização da formação com base num modelo flexível visa facilitar o acesso dos indivíduos a
diferentes percursos de aprendizagem, bem como a mobilidade entre níveis de qualificação. Esta
organização favorece o reingresso, em diferentes momentos, no ciclo de aprendizagem e a assunção por
parte de cada cidadão de um papel mais activo e de relevo na edificação do seu percurso formativo,
tornando-o mais compatível com as necessidades que em cada momento são exigidas por um mercado
de trabalho em permanente mutação e, por esta via, mais favorável à elevação dos níveis de eficiência e
de equidade dos sistemas de educação e formação.

A flexibilização beneficia, assim, a construção de percursos formativos de composição e duração


variáveis conducentes à obtenção de qualificações completas ou de construção progressiva,
reconhecidas e certificadas.

A nova responsabilidade que se exige a cada indivíduo na construção e gestão do seu próprio percurso
impõe, também, novas atitudes e competências para que este exercício se faça de forma mais
sustentada e autónoma.

As práticas formativas devem, neste contexto, conduzir ao desenvolvimento de competências


profissionais, mas também pessoais e sociais, designadamente, através de métodos participativos que
posicionem os formandos no centro do processo de ensino-aprendizagem e fomentem a motivação para
continuar a aprender ao longo da vida.

Devem, neste âmbito, ser privilegiados os métodos activos, que reforcem o envolvimento dos formandos,
a auto-reflexão sobre o seu processo de aprendizagem, a partir da partilha de pontos de vista e de
experiências no grupo, e a co-responsabilização na avaliação do processo de aprendizagem. A
dinamização de actividades didácticas baseadas em demonstrações directas ou indirectas, tarefas de
pesquisa, exploração e tratamento de informação, resolução de problemas concretos e dinâmica de
grupos afiguram-se, neste quadro, especialmente, aconselháveis.

A selecção dos métodos, técnicas e recursos técnico-pedagógicos deve ser efectuada tendo em vista os
objectivos de formação e as características do grupo em formação e de cada formando em particular.
Devem, por isso, diversificar-se os métodos e técnicas pedagógicos, assim como os contextos de
formação, com vista a uma maior adaptação a diferentes ritmos e estilos de aprendizagem individuais,
bem como a uma melhor preparação para a complexidade dos contextos reais de trabalho. Esta
diversificação de meios constitui um importante factor de sucesso nas aprendizagens.

Revela-se, ainda, de crucial importância o reforço da articulação entre as diferentes componentes de


formação, designadamente, através do tratamento das diversas matérias de forma interdisciplinar e da
realização de trabalhos de projecto com carácter integrador, em particular nas formações de maior
duração, que contribuam para o desenvolvimento e a consolidação de competências que habilitem o
futuro profissional a agir consciente e eficazmente em situações concretas e com graus de complexidade
diferenciados. Esta articulação exige que o trabalho da equipa formativa se faça de forma concertada,
garantindo que as aprendizagens se processam de forma integrada.

É também este contexto de trabalho em equipa que favorece a identificação de dificuldades de


aprendizagem e das causas que as determinam e que permite que, em tempo, se adoptem estratégias de
recuperação adequadas, que potenciem as condições para a obtenção de resultados positivos por parte
dos formandos que apresentam estas dificuldades.

A equipa formativa assume, assim, um papel fundamentalmente orientador e facilitador das


aprendizagens, através de abordagens menos directivas, traduzido numa intervenção pedagógica
diferenciada no apoio e no acompanhamento da progressão de cada formando e do grupo em que se
integra.

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 7/51
5. DESENVOLVIMENTO DA FORMAÇÃO

5.1. Formação de Base - Unidades de Competência

Carga horária
CP Cidadania e Profissionalidade
50 horas

y Identificar direitos e deveres pessoais, colectivos e globais e compreender da sua emergência e


UC1
aplicação como expressões ora de tensão ora de convergência.

Competências

• Reconhecer constrangimentos e espaços de liberdade pessoal.


• Assumir direitos laborais inalienáveis e responsabilidades exigíveis ao/à trabalhador/a.
• Reconhecer o núcleo de direitos fundamentais típico de um Estado democrático contemporâneo.
• Elencar direitos e deveres na comunidade global.

Carga horária
CP Cidadania e Profissionalidade
50 horas

y Relacionar-se de modo confiante com a complexidade da informação, identificando diferentes


UC2
ângulos de leitura e diferentes escalas da realidade.

Competências

• Contextualizar situações e problemas da vida quotidiana e integrar as suas diferentes dimensões.


• Exercer iniciativa e criatividade em novos processos de trabalho.
• Identificar constrangimentos à construção de dinâmicas associativas e actuar criticamente face a esses
obstáculos.
• Reconhecer factores e dinâmicas de globalização.

Carga horária
CP Cidadania e Profissionalidade
50 horas

UC3 y Questionar e desconstruir preconceitos próprios e estereótipos sociais.

Competências

• Assumir preconceitos pessoais na representação dos/as outros/as e demonstrar capacidade de os desconstruir.


• Reconhecer os limites pessoais no desempenho profissional e seu questionamento à luz de uma cultura de rigor.
• Mapear diferentes modelos institucionais de escala local e nacional e reconhecer o seu conteúdo funcional.
• Identificar estereótipos culturais e sociais, compreendendo os mecanismos da sua formação e revelando
distanciamento crítico.

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 8/51
Carga horária
CP Cidadania e Profissionalidade
50 horas

UC4 y Valorizar a diversidade e actuar segundo convicções próprias.

Competências

• Reconhecer princípios de conduta baseados em códigos de lealdade institucional e comunitária.


• Exprimir sentido de pertença e de lealdade para com o colectivo profissional.
• Identificar e avaliar políticas públicas de acolhimento face à diversidade de identidades.
• Relacionar património comum da humanidade com interdependência e solidariedade.

Carga horária
CP Cidadania e Profissionalidade
50 horas

UC5 y Avaliar a realidade à luz de uma ordem de valores consistente e actuar em conformidade.

Competências

• Distinguir as várias hierarquizações de valores, escolher e reter referentes éticos e culturais.


• Adoptar normas deontológicas e profissionais como valores de referência não transaccionáveis em contextos
profissionais.
• Identificar a convicção e firmeza ética como valores necessários para o desenvolvimento institucional.
• Elencar escolhas morais básicas para a comunidade global: dignidade vs. desumanidade, desenvolvimento vs.
pobreza, justiça vs. assimetria, …

Carga horária
CP Cidadania e Profissionalidade
50 horas

UC6 y Adoptar a tolerância, a escuta e a mediação como princípios de inserção social.

Competências

• Identificar exigências de tolerância e actuar em conformidade.


• Assumir princípios de negociação, escuta activa e respeito por intervenções e ideias diversas.
• Assumir o pluralismo como um valor da comunidade política.
• Relaciona-se com a diversidade cultural segundo uma lógica de interacção e mediação.

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 9/51
Carga horária
CP Cidadania e Profissionalidade
50 horas

UC7 y Capacidade de intervenção pública em contextos de antagonismo de pontos de vista.

Competências

• Calibrar a iniciativa argumentativa própria com o acolhimento de pontos de vista divergentes.


• Identificar e compreender a interacção dos vários âmbitos problemáticos do dia-a-dia.
• Participar activamente em instituições deliberativas de escala diversa.
• Intervir em debates públicos.

Carga horária
CP Cidadania e Profissionalidade
50 horas

UC8 y Conceber e desenvolver projectos pessoais e sociais.

Competências

• Pensar prospectivamente a vida pessoal.


• Mobilizar vários saberes para resolução de problemas profissionais complexos.
• Conceber, desenvolver e cooperar em projectos colectivos.
• Posicionar-se prospectivamente em contextos macro-sociais de incerteza e ambiguidade.

Carga horária
STC Sociedade, Tecnologia e Ciência
50 horas

y Intervir em situações de relacionamento com equipamentos e sistemas técnicos tendo como base
a identificação e compreensão dos seus princípios e o conhecimento das normas de boa
UC1
utilização, conducentes ao reforço de eficiência e de capacidade de entendimento das relações
sociais.
Competências

• Operar com equipamentos e sistemas técnicos em contextos domésticos, identificando e compreendendo as suas
normas de boa utilização e os seus diferentes utilizadores.
• Operar equipamentos e sistemas técnicos em contextos profissionais, identificando e compreendendo as suas
normas de boa utilização e seus impactos nas organizações.
• Interagir com instituições, em situações diversificadas com base nos direitos e deveres de utilizadores e
consumidores de equipamentos e sistemas técnicos.
• Mobilizar conhecimentos e práticas para a compreensão e apropriação das transformações e evoluções técnicas e
sociais.

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 10/51
Carga horária
STC Sociedade, Tecnologia e Ciência
50 horas

y Identificar e intervir em situações de tensão entre o ambiente e a sustentabilidade,


UC2 fundamentando posições relativas a segurança, preservação e exploração de recursos, melhoria
da qualidade ambiental e influência no futuro do planeta.
Competências

• Promover a preservação e melhoria da qualidade ambiental através de práticas quotidianas que envolvam
preocupações com o consumo e a eficiência energética.
• Incluir processos de valorização e tratamento de resíduos nas medidas de segurança e preservação ambiental.
• Diagnosticar as tensões institucionais entre o desenvolvimento e a sustentabilidade face à exploração e gestão de
recursos naturais.
• Mobilizar conhecimentos sobre a evolução do clima ao longo do tempo e a sua influência nas dinâmicas
populacionais, sociais e regionais.

Carga horária
STC Sociedade, Tecnologia e Ciência
50 horas

y Compreender que a qualidade de vida e bem-estar implicam a capacidade de accionar


fundamentada e adequadamente intervenções e mudanças biocomportamentais, identificando
UC3
factores de risco e de protecção, e reconhecendo na saúde direitos e deveres em situações de
intervenção individual e do colectivo.
Competências

• Adoptar cuidados básicos de saúde em função de diferentes necessidades e situações de vida.


• Promover comportamentos saudáveis e medidas de segurança e prevenção de riscos, em contexto profissional.
• Reconhecer os direitos e deveres dos cidadãos e o papel da componente científica e técnica na tomada de
decisões racionais relativamente à saúde.
• Prevenir adequadamente patologias em função da evolução das realidades sociais, científicas e tecnológicas.

Carga horária
STC Sociedade, Tecnologia e Ciência
50 horas

y Identificar, compreender e intervir em situações de gestão e economia, desde o orçamento


privado e familiar até a um nível mais geral através da influência das instituições monetárias e
UC4
financeiras na economia em que se está inserido e tendo em conta princípios das ciências
económicas.
Competências

• Organizar orçamentos familiares tendo em conta a influência dos impostos e os produtos e serviços financeiros
disponíveis.
• Interagir com empresas, instituições e organizações mobilizando conhecimentos de gestão de recursos.
• Perspectivar a influência dos sistemas monetários e financeiros na economia e na sociedade.
• Diagnosticar os impactos das evoluções sociais, tecnológicas e científicas nos usos e gestão do tempo.

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 11/51
Carga horária
STC Sociedade, Tecnologia e Ciência
50 horas

y Identificar, compreender e intervir em situações onde as TIC sejam importantes no apoio à gestão
UC5 do quotidiano, a facilidade de transmissão e difusão da informação socialmente controlada,
reconhecendo que a relevância das TIC tem consequências na globalização das relações.
Competências

• Entender a utilização das comunicações rádio em diversos contextos familiares e sociais.


• Perspectivar a interacção entre a evolução tecnológica e as mudanças nos contextos e qualificações profissionais.
• Discutir o impacto dos media na construção da opinião pública.
• Relacionar a evolução das redes tecnológicas com as redes sociais.

Carga horária
STC Sociedade, Tecnologia e Ciência
50 horas

y Identificar, compreender e intervir em questões de relação entre habitação, meios de


UC6 subsistência, relacionamento social e mobilidade em ambiente rural ou urbano, na perspectiva da
contribuição para a harmonização e melhoria da qualidade de vida.
Competências

• Associar conceitos de construção e arquitectura à integração social e à melhoria do bem-estar individual.


• Promover a qualidade de vida através da harmonização territorial em modelos de desenvolvimento rural ou
urbano.
• Mobilizar informação sobre o papel das diferentes instituições no âmbito da administração, segurança e território.
• Reconhecer diferentes formas de mobilidade territorial – local e global – e sua evolução.

Carga horária
STC Sociedade, Tecnologia e Ciência
50 horas

y Identificar, compreender e agir criticamente em questões relacionadas com a visão científica do


UC7
indivíduo, da sociedade e do universo.

Competências

• Mobilizar o saber formal para o reconhecimento do elemento como uma unidade estrutural e organizativa.
• Recorrer a processos e métodos científicos para actuação em diferentes domínios da vida social.
• Intervir racional e criticamente em questões públicas com base em conhecimentos científicos e tecnológicos.
• Mobilizar o saber formal na interpretação de leis e modelos científicos num contexto de coexistência de
estabilidade e mudança.

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 12/51
Carga horária
CLC Cultura, Língua e Comunicação
50 horas

y Identificar e explorar as diversas funcionalidades dos equipamentos e sistemas técnicos,


UC1 mobilizando competências linguísticas e culturais, com vista ao seu máximo aproveitamento e a
obtenção de desempenhos mais eficazes e participativos.
Competências

• Lidar com equipamentos e sistemas técnicos em contexto privado acedendo à multiplicidade de funções que
comportam e reconhecendo a sua dimensão criativa.
• Agir perante equipamentos e sistemas técnicos em contexto profissional conjugando saberes especializados e
rentabilizando os seus variados recursos no estabelecimento e desenvolvimento de contactos.
• Utilizar conhecimentos sobre equipamentos e sistemas técnicos para facilitar a integração, a comunicação e a
intervenção em contextos institucionais.
• Relacionar transformações e evoluções técnicas com novas formas de acesso à informação, à cultura e ao
conhecimento proporcionado também pelos novos suportes tecnológicos de comunicação.

Carga horária
CLC Cultura, Língua e Comunicação
50 horas

y Intervir em questões relacionadas com ambiente e sustentabilidade, descodificando símbolos,


UC2 produzindo indicações claras a favor de práticas de defesa dos recursos naturais e argumentando
em debate, tendo em conta o papel dos mass media na opinião pública.
Competências

• Regular consumos energéticos aplicando conhecimentos técnicos e competências interpretativas.


• Agir de acordo com a percepção das implicações de processos de reciclagem em contexto profissional,
reconhecendo a mais-valia da sua utilização, recorrendo à comunicação de mensagens eficazes.
• Agir perante os recursos naturais reconhecendo a importância da sua salvaguarda e participando em actividades
visando a sua protecção.
• Agir de acordo com a compreensão dos diversos impactos das alterações climáticas nas actividades humanas.

Carga horária
CLC Cultura, Língua e Comunicação
50 horas

y Intervir em situações relacionadas com a saúde, aplicando capacidades de expressão,


descodificação e comunicação no desenvolvimento de uma cultura de prevenção, no
UC3
cumprimento de regras e meios de segurança e sendo receptivo à diversidade de terapêuticas na
resolução de patologias.
Competências

• Interpretar e comunicar conteúdos com objectivos de prevenção na adopção de cuidados básicos de saúde, em
contexto doméstico.
• Intervir em contexto profissional apreendendo e comunicando regras e meios de segurança e desenvolvendo uma
cultura de prevenção.
• Relacionar a multiplicidade de terapêuticas com a diversidade cultural, respeitando opções diferenciadas.
• Mobilizar saberes culturais, linguísticos e comunicacionais para lidar com patologias e cuidados preventivos
relacionados com o envelhecimento e o aumento da esperança de vida.

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 13/51
Carga horária
CLC Cultura, Língua e Comunicação
50 horas

y Intervir em situações relacionadas com a gestão e a economia descodificando terminologias,


sabendo exprimir-se sobre diversos temas financeiros e aplicando em diversos contextos
UC4
competências culturais e procedimentos que contribuam para agilizar a organização do trabalho e
a gestão do tempo.
Competências

• Definir orçamentos familiares e preencher formulários de impostos dominando terminologias e aplicando


tecnologias que facilitam cálculos, preenchimentos e envios.
• Saber adequar-se a modelos de organização e gestão que valorizam o trabalho em equipa em articulação com
outros saberes especializados.
• Agir de acordo com a compreensão do funcionamento dos sistemas monetários e financeiros (como elemento de
configuração cultural e comunicacional das sociedades actuais).
• Identificar os impactos de evoluções técnicas na gestão do tempo reconhecendo ainda os seus efeitos nos modos
de processar e transmitir informação.

Carga horária
CLC Cultura, Língua e Comunicação
50 horas

y Intervir face às tecnologias de informação e comunicação em contextos diversificados,


mobilizando competências linguísticas e culturais no potenciar das suas funcionalidades,
UC5
identificando a relação entre estas tecnologias, o poder mediático e respectivos efeitos em
processos de regulação institucional.
Competências

• Operar com as comunicações rádio em contexto doméstico adequando-as às necessidades da organização do


quotidiano e compreendendo de que modo incorporam e suscitam diferentes utilizações da língua.
• Lidar com a micro e macro electrónica em contextos socioprofissionais identificando as suas mais valias na
sistematização da informação, decorrentes também da especificidade de linguagens de programação empregues.
• Relacionar-se com os mass media reconhecendo os seus impactos na constituição do poder mediático e tendo a
percepção dos efeitos deste na regulação institucional.
• Perceber os impactos das redes de internet nos hábitos perceptivos, desenvolvendo uma atitude crítica face aos
conteúdos aí disponibilizados.

Carga horária
CLC Cultura, Língua e Comunicação
50 horas

y Intervir em questões relacionadas com mobilidade e urbanismo, mobilizando recursos linguísticos


e comunicacionais no reconhecimento das funcionalidade dos diversos sistemas de
UC6 ordenamento, da existência de planeamento urbano, das oportunidades de trabalho em contextos
rurais e urbanos e do enriquecimento cultural que os fluxos migratórios geram, interpretando-os
como factores que reforçam a qualidade de vida.
Competências

• Participar no processo de planeamento e construção de edifícios recorrendo a terminologias próprias e procurando


garantir condições para as práticas de lazer.
• Intervir em contextos profissionais considerando a ruralidade ou urbanidade que os envolvem e procurando retirar
daí benefícios para a integração socioprofissional.
• Identificar sistemas de administração territorial e respectivos funcionamentos integrados.
• Relacionar mobilidades e fluxos migratórios com a disseminação de patrimónios linguísticos e culturais e seus
impactos.

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 14/51
Carga horária
CLC Cultura, Língua e Comunicação
50 horas

y Agir em contextos diversificados conseguindo identificar os principais factores que afectam quer a
mudança social quer a evolução dos percursos individuais e sendo capaz de mobilizar saberes
UC7
relativos à ciência e a dinâmicas institucionais de modo a poder formular opiniões críticas perante
variadas questões.
Competências

• Intervir tendo em conta que os percursos individuais são afectados pela posse de diversos recursos, incluindo
competências ao nível da cultura, da língua e da comunicação.
• Agir em contextos profissionais, com recurso aos saberes em cultura, língua e comunicação.
• Formular opiniões críticas mobilizando saberes vários e competências culturais, linguísticas e comunicacionais.
• Identificar os principais factores que influenciam a mudança social, reconhecendo nessa mudança o papel da
cultura, da língua e da comunicação.

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 15/51
5.2. Formação Tecnológica - Unidades de Formação de Curta Duração (UFCD)

Carga horária
UFCD 1 Probabilidades e estatística
50 horas

Objectivo(s) y Identificar os fundamentos gerais de estatística e de probabilidades.


Conteúdos

Estatística – probabilidades
• Obtenção, análise e classificação de amostras
• Tratamento estatístico de amostras (parâmetros estatísticos)
• Intervalos de confiança
• Conceito de probabilidade

Carga horária
UFCD 2 Desenho técnico
25 horas

y Identificar, interpretar e enunciar as formas de representação, vistas e normas de projecções


ortogonais utilizadas no desenho técnico.
Objectivo(s) y Proceder à representação gráfica de figuras simples e identificar e interpretar a simbologia
convencional utilizada no desenho técnico.
y Ler e interpretar desenhos técnicos em geral e da construção civil em particular (plantas).
Conteúdos

Formas de desenho técnico


• Equipamentos, materiais e ferramentas para a execução de desenho técnico
• Desenho geométrico
• Projecções ortogonais e perspectivas
• Representação de vistas, corte e secções
• Cotagem, normalização e simbologia
• Métodos convencionais de representação de desenho técnico, especialmente os utilizados na construção civil
(plantas)

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 16/51
Carga horária
UFCD 3 Normativos legais aplicados à actividade profissional
50 horas

y Interpretar e aplicar a legislação, regulamentos e normas relativos a Segurança, Higiene e Saúde


Objectivo(s)
no Trabalho.
Conteúdos

Legislação específica da actividade profissional


• Ética e deontologia da actividade profissional
• Evolução do quadro normativo de segurança, higiene e saúde ocupacional
• Legislação de carácter específico
• Normas vinculativas e normas de recomendação
• Quadro normativo da prevenção de riscos profissionais relativo à gestão de um sistema de prevenção na empresa
− Decreto-lei n.º 441/91, de 14 de Novembro
• Organização e funcionamento dos serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho
• Legislação relativa à elaboração de planos detalhados de prevenção e protecção
• Legislação de âmbito sectorial
• Legislação relativa à segurança e saúde de grupos particularmente vulneráveis
• Legislação relativa à prevenção de acidentes graves
• Legislação aplicável ao licenciamento industrial e à segurança de produtos
• Reparação de acidentes de trabalho e doenças profissionais

Carga horária
UFCD 4 Informática na óptica do utilizador – fundamentos
25 horas

y Utilizar um processador de texto.


Objectivo(s) y Pesquisar informação na Internet .
y Utilizar uma aplicação de correio electrónico .
Conteúdos

Fundamentos de informática
• Informática – conceitos gerais
• Operações elementares com o sistema operativo
• Processamento de texto
− Características e vantagens do processador de texto
− Criação, gravação e edição de documentos
− Formatação de documentos
− Impressão de documentos
• Internet
− Características e vantagens da Internet e do correio electrónico
− Pesquisa de informação
− Elaboração, envio, recepção e leitura de mensagens de correio electrónico

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 17/51
Carga horária
UFCD 5 Técnicas de planeamento de prevenção de riscos profissionais
50 horas

Objectivo(s) y Aplicar técnicas de planeamento num sistema de gestão da prevenção de riscos profissionais.
Conteúdos

Prevenção - técnicas de planeamento


• Conceitos associados à gestão da prevenção de riscos profissionais
− Trabalho
− Saúde
− Perigo
− Risco, acidente e acidente grave
− Incidente
− Doença profissional e doença relacionada com o trabalho
− Condições de trabalho
− Prevenção e prevenção integrada
− Protecção
− Avaliação e controlo de riscos
• Terminologia específica em francês e inglês
• Principais funções da gestão
− Recursos humanos
− Organização do trabalho
− Formação e informação
− Produção
− Aprovisionamento
− Manutenção
− Qualidade
− Ambiente
− Prevenção de riscos profissionais
− Sistemas de informação e de comunicação
• Princípios e as técnicas de planeamento
• Indicadores de segurança, higiene e saúde no trabalho
• Custos directos e indirectos de
− Acidentes de trabalho,
− Doenças profissionais,
− Absentismo
• Indicadores estatísticos de sinistralidade e doenças profissionais

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 18/51
Carga horária
UFCD 6 Planos específicos de prevenção de riscos profissionais
25 horas

y Identificar situações que exigem a elaboração de planos específicos de prevenção.


Objectivo(s) y Reconhecer as técnicas e procedimentos de verificação dos sistemas e equipamentos de
prevenção.
Conteúdos

Planos específicos de prevenção de riscos


• Modelos de gestão da prevenção de riscos profissionais
• Medicina do trabalho
− Conceitos
− Objectivos
− Metodologia
• Planos de prevenção
• Competências e capacidades dos organismos da rede nacional de prevenção de riscos profissionais
• Âmbitos, metodologias e técnicas de auditorias e de inspecções
• Sistemas e critérios de qualidade relativos aos recursos externos existentes no mercado
• Elementos e conteúdos a considerar nos cadernos de encargos
• Critérios de selecção de recursos externos
• Órgãos de consulta e participação dos trabalhadores no âmbito da prevenção de riscos profissionais
• Domínios e momentos da consulta e participação dos representantes dos trabalhadores
• Princípios de ética e de deontologia aplicáveis aos profissionais da prevenção dos riscos profissionais
• Domínios de intervenção das diferentes valências que resultam de normativos legais

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 19/51
Carga horária
UFCD 7 Ergonomia do posto de trabalho
50 horas

y Aplicar as técnicas adequadas à avaliação dos riscos profissionais associados às condições de


Objectivo(s)
segurança e higiene no trabalho devido a factores ergonómicos.
Conteúdos

Riscos profissionais associados a factores ergonómicos


• Ergonomia
− Conceito
− Objectivos
− Metodologia de estudo
• Fisiologia
• Antropometria
• Postos de trabalho – ergonomia
• Equipamentos de trabalho – ergonomia
• Interface homem-máquina
• Factores ambientais incómodos
− Ruído
− Vibrações
− Ambiente térmico
− Qualidade do ar
• Sistemas de iluminação
− Tipos
− Parâmetros e unidades de medição
− Equipamentos de medição – tipos e funcionamento
− Efeitos sobre a visão
− Critérios para avaliação do risco
− Medidas de prevenção e de protecção
− Parâmetros básicos de dimensionamento de sistemas de iluminação artificial
– Localização,
– Intensidade luminosa
– Selecção de armaduras
− Critérios de manutenção e limpeza do sistema de iluminação
− Níveis de iluminação recomendados
− Normas técnicas
• Trabalho com ecrãs de visualização
− Riscos
− Medidas de prevenção e de protecção
− Legislação

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 20/51
Carga horária
UFCD 8 Informática aplicada à higiene e segurança do trabalho
25 horas

Objectivo(s) y Utilizar aplicações informáticas de folha de cálculo e de base de dados.


Conteúdos

Folha de cálculo e base de dados


• Folha de cálculo
− Características
− Vantagens e desvantagens
− Criação, gravação e edição de uma folha de cálculo
− Formatação
− Gráficos com recurso a modelos pré-definidos
− Preparação de conteúdos para a Internet
• Base de dados
− Características
− Vantagens e desvantagens
− Modo de funcionamento
− Componentes de uma base de dados
− Manutenção de bases de dados
− Publicação de conteúdos para a Internet.

Carga horária
UFCD 9 Fundamentos gerais de higiene do trabalho
25 horas

Objectivo(s) y Identificar os princípios e domínios da Higiene do Trabalho.


Conteúdos

Princípios fundamentais de higiene no trabalho


• Princípios e domínios da Higiene do Trabalho
• Noções de toxicologia (vias de penetração dos tóxicos no organismo, concentrações e doses letais, toxicidade
aguda e crónica, efeito dose-resposta, efeitos fisiológicos dos tóxicos)
• Efeitos resultantes de exposições combinadas (exposição simultânea ou sequencial a vários factores de risco)
• Procedimentos de calibração dos instrumentos de medição
• Sistemas de ventilação e condicionamento do ar: parâmetros básicos de dimensionamento (taxas de renovação,
caudal, localização e tomadas de ar), critérios de manutenção e limpeza dos sistemas

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 21/51
Carga horária
UFCD 10 Agentes químicos e biológicos
25 horas

y Aplicar métodos e técnicas de avaliação e controlo da exposição aos agentes químicos e


Objectivo(s)
biológicos.
Conteúdos

Métodos e técnicas de avaliação e controlo da exposição aos agentes


• Agentes químicos
− Tipos e classificação de perigo
− Vias de penetração no organismo
− Efeitos da exposição e valores limite de exposição e níveis de acção
− Índices biológicos de exposição
− Instrumentos de medição e seus princípios de funcionamento
− Metodologia e estratégia de amostragem
– Localização dos pontos de recolha de amostras
– Duração e momentos da amostragem
– Número e frequência de amostras
– Tratamento estatístico de resultados
− Medidas de prevenção e de protecção colectiva e individual
− Exposição a agentes químicos específicos
– Cancerígenos
– Amianto
– Chumbo
– Cloreto de vinilo
− Legislação aplicável
• Agentes biológicos
− Noções de microbiologia e epidemiologia
− Classificação
− Perigos
− Efeitos da exposição
− Critérios de avaliação da exposição
− Medidas de prevenção e de protecção colectiva e individual
− Legislação

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 22/51
Carga horária
UFCD 11 Agentes físicos
50 horas

Objectivo(s) y Aplicar métodos e técnicas de avaliação e controlo da exposição aos agentes físicos.
Conteúdos

Métodos e técnicas de avaliação e controlo da exposição aos agentes


• Agentes físicos
− Ruído, vibrações e radiações
– Parâmetros e unidades de medição
– Equipamentos de medição - funcionamento
– Efeitos da exposição
– Valores limite de exposição e nível de acção
– Metodologia e estratégia de amostragem
– Medidas de prevenção e de protecção colectiva e individual
– Legislação e normas técnicas
− Amostragem
– Localização dos pontos de medição
– Duração e momentos da amostragem
– Número e frequência de amostras
– Tratamento estatístico de resultados
– Medidas de prevenção e de protecção colectiva e individual
– Legislação
− Ambiente térmico
– “Stress térmico” e conforto térmico
– Parâmetros e unidades de medição
– Equipamentos de medição – funcionamento
– Efeitos da exposição ao “stress térmico”
– Valores limite de exposição
– Metodologia e estratégia de amostragem
– Medidas de prevenção e de protecção colectiva e individual
– Critérios para avaliação do conforto térmico
– Legislação e normas técnicas

Carga horária
UFCD 12 Fundamentos gerais de segurança no trabalho
25 horas

y Identificar os conceitos fundamentais de segurança do trabalho e as principais causas e


Objectivo(s)
consequências dos acidentes de trabalho.
Conteúdos

Princípios fundamentais de segurança do trabalho


• Princípios e domínios da Segurança do Trabalho
• Causas e consequências dos acidentes de trabalho

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 23/51
Carga horária
UFCD 13 Segurança no trabalho – avaliação e controlo de riscos
50 horas

y Avaliar e proceder ao controlo de riscos, de âmbito geral e específico, associados às condições


Objectivo(s)
de segurança do trabalho.
Conteúdos

Riscos associados à segurança do trabalho


• Avaliação e controlo de riscos associados a
− Locais e postos de trabalho
– Riscos
– Medidas preventivas e de protecção
– Legislação aplicável
− Equipamentos de trabalho
– Riscos
– Medidas preventivas e de protecção
– Legislação aplicável
− Armazenagem - utilização e eliminação de produtos químicos perigosos
– Riscos
– Medidas preventivas e de protecção
– Legislação aplicável
− Transporte mecânico de cargas
– Riscos
– Medidas preventivas e de protecção
– Legislação aplicável
− Actividades e operações particularmente perigosas
– Soldadura,
– Trasfega de líquidos inflamáveis
– Processamento de produtos químicos
– Trabalhos em espaços confinados
– Trabalhos hiperbáricos
– Trabalhos em altura
• Avaliação e controlo de riscos específicos
− Riscos da electricidade
– Técnicas de avaliação de riscos
– Medidas preventivas e de protecção
– Legislação aplicável
− Risco de incêndio e explosão
– Técnicas de avaliação de riscos
– Medidas preventivas e de protecção
– Legislação aplicável
− Riscos de emissão e dispersão de produtos tóxicos
– Técnicas de avaliação de riscos
– Medidas preventivas e de protecção
– Legislação e normalização

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 24/51
Carga horária
UFCD 14 Segurança no trabalho – equipamentos
25 horas

y Seleccionar equipamentos de protecção individual em função das características dos utilizadores,


Objectivo(s) da natureza dos riscos e dos tipos de trabalho.
y Identificar os instrumentos de detecção e de medição de leitura directa no domínio da segurança.
Conteúdos

Equipamentos de protecção de riscos e instrumentos de detecção


• Selecção de equipamentos de protecção individual face aos riscos, natureza e tipo de trabalho
− Metodologias para concepção de listas de verificação a partir de diplomas legais
− Normas técnicas
− Códigos de boas práticas
− Informação técnica
− Manuais de instruções dos equipamentos
– Por sector de actividade
– Por tipo de risco
– Por profissão
– Por operação
– Por componente material do trabalho
• Instrumentos de detecção e de medição de leitura directa no domínio da segurança e seus princípios de
funcionamento
− Explosivímetros
− Detectores de gases
− Vapores manómetros

Carga horária
UFCD 15 Fases do projecto
25 horas

Objectivo(s) y Identificar as diferentes fases de um projecto.


Conteúdos

Etapas de um projecto
• Diagnóstico da situação
− Objectivos
− Prioridades
− Descrição de meios
• Planificação das actividades
• Realização do projecto
• Avaliação
• Divulgação dos seus resultados mais significativos
• Reflexão sobre o trabalho realizado

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 25/51
Carga horária
UFCD 16 Planificação do projecto
50 horas

y Definir a área de intervenção do projecto.


Objectivo(s)
y Planificar um projecto de higiene e segurança do trabalho.
Conteúdos

Projecto – planificação
• Identificação da área de intervenção – higiene e segurança do trabalho
− Princípios
− Metodologias
− Técnicas
− Procedimentos
• Diagnóstico e análise das condições laborais da organização
• Definição dos objectivos do projecto
− Efeitos esperados
• Planificação das etapas do projecto e das respectivas actividades
− Identificação temporal
• Selecção das actividades que exijam colaboração
− Métodos de colaboração
• Identificação dos recursos
− Tipologias
− Recursos existentes e recursos necessários
− Internos e externos
• Identificação dos equipamentos e materiais
• Preparação do projecto
− Estudos prospectivos e de viabilidade e consecução do projecto
• Análise da exequibilidade do projecto
• Tomada de decisão
− Aceitação ou rejeição do projecto
• Execução do projecto
− Formas e fases de avaliação
− Parecerias
• Avaliação, controlo e difusão dos resultados do projecto

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 26/51
Carga horária
UFCD 17 Metodologias de avaliação de riscos profissionais
25 horas

y Aplicar as técnicas adequadas à avaliação e controlo dos riscos associados às condições de


Objectivo(s)
segurança e higiene no trabalho.
Conteúdos

Avaliação de riscos – técnicas


• Processo de avaliação de riscos - conceitos e a terminologia
− Metodologias de avaliação dos riscos
− Por sector de actividade
− Por tipo de risco
− Por profissão
− Por operação
− Por componente material do trabalho
• Metodologias e técnicas de avaliação de riscos potenciais na fase de concepção
• Metodologias e técnicas de identificação de perigos
− Observação directa
− Entrevistas
− Consulta dos trabalhadores
− Informação técnica especializada
− Listas de matérias-primas
− Produtos intermédios
− Subprodutos
− Resíduos e produtos finais
− Rotulagem e fichas de segurança de produtos químicos
− Listas de absentismo
− De doenças profissionais e de acidente de trabalho
− Investigação de acidentes e incidentes
• Técnicas qualitativas e quantitativas de estimativa de riscos
• Técnicas de análise indutivas e dedutivas
• Critérios e valores de referência contemplados nomeadamente na legislação, na normalização e nos códigos de
boas práticas aplicáveis aos riscos profissionais
− Valores limite de concentração
− Indicadores biológicos de exposição
− Indicadores estatísticos de sinistralidade e de doenças profissionais
− Índices de explosividade
− Pressões máximas admissíveis
− Tensões de segurança

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 27/51
Carga horária
UFCD 18 Controlo de riscos profissionais
50 horas

y Identificar instrumentos, domínios e conteúdos dos registos relativos à prevenção dos riscos
profissionais.
Objectivo(s)
y Seleccionar medidas de prevenção e protecção em função da avaliação dos riscos e da
legislação vigente.
Conteúdos

Instrumentos e prevenção de riscos


• Princípios gerais de prevenção
• Medidas de prevenção e de protecção
− Medidas de engenharia
− Organização do trabalho
− Formação
− Informação
− Protecção colectiva e individual
• Medidas de engenharia
− Modificação de processos e equipamentos
− Processos por via húmida
− Manutenção
− Ventilação
− Acústica
− Isolamentos
− Barreiras
− Amortecedores
• Medidas organizacionais
− Gestão dos tempos de exposição aos factores de risco
− Procedimentos
− Rotação e permuta de trabalhadores
− Sistemas de coordenação
− Arrumação e limpeza dos locais de trabalho
• Medidas de informação e de formação
• Medidas de protecção colectiva
− Critérios de selecção
− Manutenção e conservação dos equipamentos de protecção colectiva
• Equipamentos de protecção individual
− Tipos
− Componentes
− Órgãos a proteger
− Classes de protecção
− Critérios de selecção
• Equipamentos de protecção individual
− Critérios de utilização, manutenção e conservação
• Sinalização de segurança
− Critérios de selecção, instalação e manutenção
• Medidas de prevenção e protecção adequadas à fase do projecto
• Critérios para a programação da implementação de medidas
− Hierarquização das medidas
− Recursos disponíveis
− Articulação com os diferentes departamentos da empresa
• Técnicas de acompanhamento e controlo da execução das medidas de prevenção

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 28/51
Carga horária
UFCD 18 Controlo de riscos profissionais
50 horas

Conteúdos (Continuação)

Instrumentos e prevenção de riscos


• Manutenção de equipamentos e sistemas
• Metodologias e técnicas para avaliação do grau de cumprimento de procedimentos
• Critérios de avaliação do custo e beneficio das medidas de prevenção e de protecção
• Técnicas de avaliação da eficácia das medidas
− Reavaliação dos riscos
− Entrevistas
− Questionários

Carga horária
UFCD 19 Plano de emergência - definição
50 horas

y Identificar as situações que exigem planos de emergência e recolher informação relativa aos
Objectivo(s)
recursos disponíveis.
Conteúdos

Plano de emergência
• Planos de emergência
− Recolha de informação
− Recursos disponíveis
− Metodologias
− Meios
− Equipamentos
− Procedimentos
− Adequação à situação

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 29/51
Carga horária
UFCD 20 Plano de emergência – implementação
50 horas

y Aplicar técnicas de primeira intervenção em socorrismo.


Objectivo(s)
y Reconhecer os procedimentos estabelecidos nos planos de emergência.
Conteúdos

Plano de emergência – procedimentos e técnicas de 1.ª intervenção


• Procedimentos de emergência
− Conforme o previsto no plano de emergência delineado
• Equipamentos de combate
− Critérios de localização e manutenção
• Equipamentos de evacuação
− Critérios de localização e manutenção
• Equipamentos de primeiros socorros
− Critérios de localização e manutenção
• Equipamentos de protecção individual
− Características
− Utilização pelas equipas de intervenção
• Entidades e organismos responsáveis pela protecção civil

Carga horária
UFCD 21 Projecto de Segurança e Higiene do Trabalho – definição
50 horas

y Identificar a área de higiene e segurança do trabalho.


Objectivo(s)
y Reconhecer os métodos utilizados na definição de um projecto.
Conteúdos

Definição do projecto

• Enquadramento do projecto – fundamentos relativos à área de intervenção


− Planeamento e implementação do sistema de gestão de prevenção da empresa
− Avaliação dos riscos profissionais
− Desenvolvimento e implementação de medidas de prevenção e de protecção
− Concepção de locais, postos e processos de trabalho
− Utilização de recursos externos nas actividades de prevenção e de protecção
− Organização da documentação necessária ao desenvolvimento da prevenção na empresa/instituição
− Processos de informação, formação e participação dos trabalhadores no âmbito da prevenção e protecção
• Identificação do projecto
• Definição do projecto
− Metodologias
− Objectivos
− Recursos humanos e financeiros
− Estratégias especificas
− Definição de métodos de consecução dos objectivos
− Participantes
− Equipamentos e materiais
− Formas e fases de avaliação
− Análise da viabilidade do projecto

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 30/51
Carga horária
UFCD 22 Projecto de Segurança e Higiene do Trabalho – planeamento
50 horas

Objectivo(s) y Aplicar as técnicas de planeamento de um projecto.


Conteúdos

Planeamento do projecto
• Planeamento do projecto
− Elaboração do plano
ƒ Definição da data de início
ƒ Definição de actividades
ƒ Definição de durações
ƒ Alocação de recursos
ƒ Ligação de actividades
ƒ Impressão do plano
ƒ Ajustamento ao plano

Carga horária
UFCD 23 Projecto de Segurança e Higiene do Trabalho – implementação
50 horas

Objectivo(s) y Implementar um projecto na área da Segurança e Higiene do Trabalho.


Conteúdos

Implementação do projecto
• Execução e controlo do projecto
• Gestão e acompanhamento do plano
− Definição da linha base
− Actualização
− Ajustamentos ao plano
• Encerramento/conclusão do projecto
• Avaliação do projecto
− Observação
− Análise
• Difusão dos resultados obtidos
− Reflexão

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 31/51
6. Alternativa para a Organização da Formação – Unidades Capitalizáveis

6.1. Unidades de Formação Capitalizáveis

1. Gestão da prevenção – metodologias, técnicas e procedimentos 270 horas


1.1 Estatística e probabilidade – noções básicas 40
1.2 Desenho técnico – noções básicas 30
1.3 Legislação, regulamentos e normas de segurança, higiene e saúde do trabalho 30
1.4 Tecnologias de informação e comunicação 40
1.5 Gestão da prevenção 90
1.6 Ergonomia – noções básicas 40

2. Higiene, segurança e ergonomia – princípios, técnicas e procedimentos 275 horas


2.1 Tecnologias de informação e comunicação 30
2.2 Higiene do trabalho 90
2.3 Segurança do trabalho 90
2.4 Higiene, segurança e ergonomia - projecto 65

3. Avaliação e controlo de riscos – metodologias, técnicas e


procedimentos 295 horas
3.1 Avaliação e controlo de riscos 60
3.2 Procedimentos de emergência e práticas de socorrismo 90
3.3 Segurança e Higiene do Trabalho - projecto 145

Nota: Para efeitos de atribuição de CAP, acresce a esta componente de formação o desenvolvimento da
Componente de Formação Sociocultural, em função da modalidade de formação.

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 32/51
Unidade de Formação 1. Gestão da prevenção – metodologias, técnicas e procedimentos

Itinerário Saída Profissional


Segurança e Higiene do Trabalho Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho

Objectivos
ƒ Identificar os normativos relativos à área de segurança, higiene e saúde no trabalho.
ƒ Reconhecer os métodos, técnicas e procedimentos inerentes à gestão da prevenção.
ƒ Identificar a ergonomia do posto e do local de trabalho.

Subunidades de Formação
N.º / Designação / Conteúdos programáticos
Duração Objectivos Específicos

1.1. Estatística e Estatística – probabilidades


probabilidades – x Obtenção, análise e classificação de amostras
40 horas noções básicas x Tratamento estatístico de amostras (parâmetros estatísticos)
x Intervalos de confiança
Identificar os x Conceito de probabilidade
fundamentos gerais de
estatística e de
probabilidades

1.2. Desenho técnico – Formas de desenho técnico


noções básicas x Equipamentos, materiais e ferramentas para a execução de Desenho
30 horas técnico
Identificar, interpretar e x Desenho geométrico
enunciar as formas de x Projecções ortogonais e perspectivas
representação gráfica, a x Representação de vistas, corte e secções
simbologia convencional, x Cotagem, normalização e simbologia
as vistas e normas de x Métodos convencionais de representação de desenho técnico,
projecções ortogonais especialmente os utilizados na construção civil (plantas)
utilizadas no desenho
técnico

1.3. Legislação, Legislação específica da actividade profissional


regulamentos e normas x Ética e deontologia da actividade profissional
30 horas sobre segurança, x Evolução do quadro normativo de segurança, higiene e saúde
higiene e saúde no ocupacional
trabalho x Legislação de carácter específico
x Normas vinculativas e normas de recomendação
Interpretar e aplicar a x Quadro normativo da prevenção de riscos profissionais relativo à gestão
legislação, regulamentos de um sistema de prevenção na empresa
e normas relativos a − Decreto-lei n.º 441/91, de 14 de Novembro
Segurança, Higiene e x Organização e funcionamento dos serviços de segurança, higiene e
Saúde no Trabalho saúde no trabalho
x Legislação relativa à elaboração de planos detalhados de prevenção e
protecção
x Legislação de âmbito sectorial
x Legislação relativa à segurança e saúde de grupos particularmente
vulneráveis
x Legislação relativa à prevenção de acidentes graves
x Legislação aplicável ao licenciamento industrial e à segurança de
produtos
x Reparação de acidentes de trabalho e doenças profissionais

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 33/51
Subunidades de Formação
N.º / Designação / Conteúdos programáticos
Duração Objectivos Específicos

1.4. Tecnologias de Fundamentos de informática


informação e x Informática – conceitos gerais
40 horas comunicação x Operações elementares com o sistema operativo
x Processamento de texto
Reconhecer um − Características e vantagens do processador de texto
processador de texto, − Criação, gravação e edição de documentos
pesquisar informação na − Formatação de documentos
Internet e utilizar uma − Impressão de documentos
aplicação de correio x Internet
electrónico − Características e vantagens da Internet e do correio electrónico
− Pesquisa de informação
− Elaboração, envio, recepção e leitura de mensagens de correio
electrónico

1.5. Gestão da prevenção Técnicas de planeamento de prevenção


Aplicar técnicas de x Conceitos associados à gestão da prevenção de riscos profissionais
90 horas planeamento num − Trabalho
sistema de gestão da − Saúde
prevenção de riscos − Perigo
profissionais − Risco, acidente e acidente grave
− Incidente
− Doença profissional e doença relacionada com o trabalho
− Condições de trabalho
− Prevenção e prevenção integrada
− Protecção
− Avaliação e controlo de riscos
x Terminologia específica em francês e inglês
x Principais funções da gestão
− Recursos humanos
− Organização do trabalho
− Formação e informação
− Produção
− Aprovisionamento
− Manutenção
− Qualidade
− Ambiente
− Prevenção de riscos profissionais
− Sistemas de informação e de comunicação
x Princípios e as técnicas de planeamento
x Indicadores de segurança, higiene e saúde no trabalho
x Custos directos e indirectos de
− Acidentes de trabalho
− Doenças profissionais
− Absentismo
x Indicadores estatísticos de sinistralidade e doenças profissionais

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 34/51
Subunidades de Formação
N.º / Designação / Conteúdos programáticos
Duração Objectivos Específicos

1.5. Gestão da prevenção Planos específicos de prevenção de riscos


x Modelos de gestão da prevenção de riscos profissionais
Identificar situações que x Medicina do trabalho
exigem a elaboração de − Conceitos
planos específicos de − Objectivos
prevenção e reconhecer − Metodologia
as técnicas e x Planos de prevenção
procedimentos de x Competências e capacidades dos organismos da rede nacional de
verificação dos sistemas prevenção de riscos profissionais
e equipamentos de x Âmbitos, metodologias e técnicas de auditorias e de inspecções
prevenção. x Sistemas e critérios de qualidade relativos aos recursos externos
existentes no mercado
x Elementos e conteúdos a considerar nos cadernos de encargos
x Critérios de selecção de recursos externos
x Órgãos de consulta e participação dos trabalhadores no âmbito da
prevenção de riscos profissionais
x Domínios e momentos da consulta e participação dos representantes
dos trabalhadores
x Princípios de ética e de deontologia aplicáveis aos profissionais da
prevenção dos riscos profissionais
x Domínios de intervenção das diferentes valências que resultam de
normativos legais

1.6. Ergonomia – noções Riscos profissionais associados a factores ergonómicos


básicas x Ergonomia
40 horas − Conceito
Aplicar as técnicas − Objectivos
adequadas à avaliação − Metodologia de estudo
dos riscos profissionais x Fisiologia
associados às condições x Antropometria
de segurança e higiene x Postos de trabalho – ergonomia
no trabalho devido a x Equipamentos de trabalho – ergonomia
factores ergonómicos x Interface homem-máquina
x Factores ambientais incómodos
− Ruído
− Vibrações
− Ambiente térmico
− Qualidade do ar
x Sistemas de iluminação
− Tipos
− Parâmetros e unidades de medição
− Equipamentos de medição – tipos e funcionamento
− Efeitos sobre a visão
− Critérios para avaliação do risco
− Medidas de prevenção e de protecção
− Parâmetros básicos de dimensionamento de sistemas de iluminação
artificial
– Localização,
– Intensidade luminosa
– Selecção de armaduras
− Critérios de manutenção e limpeza do sistema de iluminação
− Níveis de iluminação recomendados
− Normas técnicas
x Trabalho com ecrãs de visualização
− Riscos
− Medidas de prevenção e de protecção
− Legislação

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 35/51
Unidade de Formação 2. Higiene, segurança e ergonomia – princípios, técnicas e procedimentos

Itinerário Saída Profissional


Segurança e Higiene do Trabalho Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho

Objectivos
ƒ Identificar os princípios e domínios da Higiene do Trabalho.
ƒ Aplicar métodos e técnicas de avaliação e controlo da exposição aos agentes físicos, químicos e biológicos.
ƒ Identificar as principais causas e consequências dos acidentes de trabalho.
ƒ Avaliar e proceder ao controlo de riscos, de âmbito geral e específico, associados às condições de segurança do
trabalho.
ƒ Seleccionar equipamentos de protecção individual em função das características dos utilizadores, da natureza dos
riscos e dos tipos de trabalho.
ƒ Definir um projecto na área da segurança e higiene do trabalho.

Subunidades de Formação
N.º / Designação / Conteúdos programáticos
Duração Objectivos Específicos

2.1. Tecnologias de Folha de cálculo e base de dados


informação e x Folha de cálculo
30 horas comunicação − Características
− Vantagens e desvantagens
Utilizar aplicações − Criação, gravação e edição de uma folha de cálculo
informáticas de folha de − Formatação
cálculo e de base de − Gráficos com recurso a modelos pré-definidos
dados − Preparação de conteúdos para a Internet
x Base de dados
− Características
− Vantagens e desvantagens
− Modo de funcionamento
− Componentes de uma base de dados
− Manutenção de bases de dados
− Publicação de conteúdos para a Internet.

2.2. Higiene do trabalho Princípios fundamentais de higiene no trabalho


x Princípios e domínios da Higiene do Trabalho
90 horas Identificar os princípios e x Noções de toxicologia (vias de penetração dos tóxicos no organismo,
domínios da Higiene do concentrações e doses letais, toxicidade aguda e crónica, efeito
Trabalho dose-resposta, efeitos fisiológicos dos tóxicos)
x Efeitos resultantes de exposições combinadas (exposição simultânea ou
sequencial a vários factores de risco)
x Procedimentos de calibração dos instrumentos de medição
x Sistemas de ventilação e condicionamento do ar: parâmetros básicos de
dimensionamento (taxas de renovação, caudal, localização e tomadas
de ar), critérios de manutenção e limpeza dos sistemas

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 36/51
Subunidades de Formação
N.º / Designação / Conteúdos programáticos
Duração Objectivos Específicos

2.2. Higiene do trabalho Métodos e técnicas de avaliação e controlo da exposição aos agentes
x Agentes químicos
Aplicar métodos e − Tipos e classificação de perigo
técnicas de avaliação e − Vias de penetração no organismo
controlo da exposição aos − Efeitos da exposição e valores limite de exposição e níveis de acção
agentes físicos, químicos − Índices biológicos de exposição
e biológicos. − Instrumentos de medição e seus princípios de funcionamento
− Metodologia e estratégia de amostragem
– Localização dos pontos de recolha de amostras
– Duração e momentos da amostragem
– Número e frequência de amostras
– Tratamento estatístico de resultados
− Medidas de prevenção e de protecção colectiva e individual,
− Exposição a agentes químicos específicos
– Cancerígenos
– Amianto
– Chumbo
– Cloreto de vinilo
− Legislação aplicável
x Agentes físicos
− Ruído, vibrações e radiações
– Parâmetros e unidades de medição
– Equipamentos de medição - funcionamento,
– Efeitos da exposição
– Valores limite de exposição e nível de acção
– Metodologia e estratégia de amostragem
– Medidas de prevenção e de protecção colectiva e individual
– Legislação e normas técnicas
− Amostragem
– Localização dos pontos de medição
– Duração e momentos da amostragem
– Número e frequência de amostras
– Tratamento estatístico de resultados
– Medidas de prevenção e de protecção colectiva e individual
– Legislação
− Ambiente térmico
– “Stress térmico” e conforto térmico,
– Parâmetros e unidades de medição
– Equipamentos de medição – funcionamento
– Efeitos da exposição ao “stress térmico”
– Valores limite de exposição
– Metodologia e estratégia de amostragem
– Medidas de prevenção e de protecção colectiva e individual
– Critérios para avaliação do conforto térmico
– Legislação e normas técnicas
x Agentes biológicos:
− Noções de microbiologia e epidemiologia;
− Classificação
− Perigos
− Efeitos da exposição
− Critérios de avaliação da exposição
− Medidas de prevenção e de protecção colectiva e individual
− Legislação

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 37/51
Subunidades de Formação
N.º / Designação / Conteúdos programáticos
Duração Objectivos Específicos

2.3. Segurança do trabalho Princípios fundamentais de segurança do trabalho


x Princípios e domínios da Segurança do Trabalho
90 horas Identificar os conceitos x Causas e consequências dos acidentes de trabalho
fundamentais de
segurança do trabalho e
as principais causas e
consequências dos
acidentes de trabalho

Avaliar e proceder ao Riscos associados à segurança do trabalho


controlo de riscos, de x Avaliação e controlo de riscos associados a
âmbito geral e específico, − Locais e postos de trabalho
associados às condições – Riscos
de segurança do trabalho – Medidas preventivas e de protecção
– Legislação aplicável
− Equipamentos de trabalho
– Riscos
– Medidas preventivas e de protecção
– Legislação aplicável
− Armazenagem - utilização e eliminação de produtos químicos
perigosos
– Riscos
– Medidas preventivas e de protecção
– Legislação aplicável
− Transporte mecânico de cargas
– Riscos
– Medidas preventivas e de protecção
– Legislação aplicável
− Actividades e operações particularmente perigosas
– Soldadura,
– Trasfega de líquidos inflamáveis
– Processamento de produtos químicos,
– Trabalhos em espaços confinados
– Trabalhos hiperbáricos
– Trabalhos em altura
x Avaliação e controlo de riscos específicos
− Riscos da electricidade
– Técnicas de avaliação de riscos
– Medidas preventivas e de protecção
– Legislação aplicável
− Risco de incêndio e explosão
– Técnicas de avaliação de riscos
– Medidas preventivas e de protecção
– Legislação aplicável
− Riscos de emissão e dispersão de produtos tóxicos
– Técnicas de avaliação de riscos
– Medidas preventivas e de protecção
– Legislação e normalização

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 38/51
Subunidades de Formação
N.º / Designação / Conteúdos programáticos
Duração Objectivos Específicos

2.3. Segurança do trabalho Equipamentos de protecção de riscos e instrumentos de detecção


x Selecção de equipamentos de protecção individual face aos riscos,
Seleccionar natureza e tipo de trabalho
equipamentos de − Metodologias para concepção de listas de verificação a partir de
protecção individual em diplomas legais
função das características − Normas técnicas
dos utilizadores, da − Códigos de boas práticas
natureza dos riscos e dos − Informação técnica
tipos de trabalho e − Manuais de instruções dos equipamentos
aplicar os instrumentos de – Por sector de actividade
detecção e de medição – Por tipo de risco
de leitura directa no – Por profissão
domínio da segurança. – Por operação
– Por componente material do trabalho
x Instrumentos de detecção e de medição de leitura directa no domínio da
segurança e seus princípios de funcionamento
− Explosivímetros
− Detectores de gases
− Vapores manómetros

2.4. Higiene, segurança e Fases de um projecto


ergonomia – projecto x Diagnóstico da situação
65 horas − Objectivos
Identificar as diferentes − Prioridades
fases de um projecto − Descrição de meios
x Planificação das actividades
x Realização do projecto
x Avaliação
x Divulgação dos seus resultados mais significativos
x Reflexão sobre o trabalho realizado

Definir a área de Planificação do projecto


intervenção do projecto e x Identificação da área de intervenção – higiene e segurança do trabalho
planificar um projecto de − Princípios
higiene e segurança do − Metodologias
trabalho − Técnicas
− Procedimentos
x Diagnóstico e análise das condições laborais da organização
x Definição dos objectivos do projecto
− Efeitos esperados
x Planificação das etapas do projecto e das respectivas actividades
− Identificação temporal
x Selecção das actividades que exijam colaboração
− Métodos de colaboração
x Identificação dos recursos
− Tipologias
− Recursos existentes e recursos necessários
− Internos e externos
x Identificação dos equipamentos e materiais
x Preparação do projecto
− Estudos prospectivos e de viabilidade e consecução do projecto
x Análise da exequibilidade do projecto
x Tomada de decisão
− Aceitação ou rejeição do projecto
x Execução do projecto
− Formas e fases de avaliação
− Parecerias
x Avaliação, controlo e difusão dos resultados do projecto

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 39/51
Unidade de Formação 3. Avaliação e controlo de riscos – metodologias, técnicas e procedimentos

Itinerário Saída Profissional


Segurança e Higiene do Trabalho Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho

Objectivos

ƒ Aplicar as técnicas adequadas à avaliação e controlo dos riscos associados às condições de segurança e higiene
no trabalho.
ƒ Identificar instrumentos, domínios e conteúdos dos registos relativos à prevenção dos riscos profissionais.
ƒ Seleccionar medidas de prevenção e protecção em função da avaliação dos riscos e da legislação vigente.
ƒ Identificar as situações que exigem planos de emergência e recolher informação relativa aos recursos disponíveis.
ƒ Aplicar técnicas de primeira intervenção em socorrismo e os procedimentos estabelecidos nos planos de
emergência.
ƒ Implementar um projecto na área da segurança e higiene do trabalho.

Subunidades de Formação
N.º / Designação / Conteúdos programáticos
Duração Objectivos Específicos

3.1. Avaliação e controlo de Avaliação de riscos – métodos


riscos x Processo de avaliação de riscos - conceitos e a terminologia
60 horas − Metodologias de avaliação dos riscos
Aplicar os métodos − Por sector de actividade
adequados à avaliação e − Por tipo de risco
controlo dos riscos − Por profissão
associados às condições − Por operação
de segurança e higiene − Por componente material do trabalho
no trabalho x Metodologias e técnicas de avaliação de riscos potenciais na fase de
concepção
x Metodologias e técnicas de identificação de perigos
− Observação directa
− Entrevistas
− Consulta dos trabalhadores
− Informação técnica especializada
− Listas de matérias-primas
− Produtos intermédios
− Subprodutos
− Resíduos e produtos finais
− Rotulagem e fichas de segurança de produtos químicos
− Listas de absentismo
− De doenças profissionais e de acidente de trabalho
− Investigação de acidentes e incidentes
x Técnicas qualitativas e quantitativas de estimativa de riscos
x Técnicas de análise indutivas e dedutivas
x Critérios e valores de referência contemplados nomeadamente na
legislação, na normalização e nos códigos de boas práticas aplicáveis
aos riscos profissionais
− Valores limite de concentração
− Indicadores biológicos de exposição
− Indicadores estatísticos de sinistralidade e de doenças profissionais
− Índices de explosividade
− Pressões máximas admissíveis
− Tensões de segurança

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 40/51
Subunidades de Formação
N.º / Designação / Conteúdos programáticos
Duração Objectivos Específicos

3.1. Avaliação e controlo de Instrumentos e prevenção de riscos


riscos x Princípios gerais de prevenção
x Medidas de prevenção e de protecção
Identificar instrumentos, − Medidas de engenharia
domínios e conteúdos dos − Organização do trabalho
registos relativos à − Formação
prevenção dos riscos − Informação
profissionais e − Protecção colectiva e individual
seleccionar medidas de x Medidas de engenharia
prevenção e protecção − Modificação de processos e equipamentos
em função da avaliação − Processos por via húmida
dos riscos e da legislação − Manutenção
vigente − Ventilação
− Acústica
− Isolamentos
− Barreiras
− Amortecedores
x Medidas organizacionais
− Gestão dos tempos de exposição aos factores de risco
− Procedimentos
− Rotação e permuta de trabalhadores
− Sistemas de coordenação
− Arrumação e limpeza dos locais de trabalho
x Medidas de informação e de formação
x Medidas de protecção colectiva
− Critérios de selecção
− Manutenção e conservação dos equipamentos de protecção
colectiva
x Equipamentos de protecção individual
− Tipos
− Componentes
− Órgãos a proteger
− Classes de protecção
− Critérios de selecção
x Equipamentos de protecção individual
− Critérios de utilização, manutenção e conservação
x Sinalização de segurança
− Critérios de selecção, instalação e manutenção
x Medidas de prevenção e protecção adequadas à fase do projecto
x Critérios para a programação da implementação de medidas
− Hierarquização das medidas
− Recursos disponíveis
− Articulação com os diferentes departamentos da empresa
x Técnicas de acompanhamento e controlo da execução das medidas de
prevenção
x Manutenção de equipamentos e sistemas
x Metodologias e técnicas para avaliação do grau de cumprimento de
procedimentos
x Critérios de avaliação do custo e beneficio das medidas de prevenção e
de protecção
x Técnicas de avaliação da eficácia das medidas
− Reavaliação dos riscos
− Entrevistas
− Questionários

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 41/51
Subunidades de Formação
N.º / Designação / Conteúdos programáticos
Duração Objectivos Específicos

3.2. Procedimentos de Plano de emergência


emergência e práticas x Planos de emergência
90 horas de socorrismo − Recolha de informação
− Recursos disponíveis
Identificar as situações − Metodologias
que exigem planos de − Meios
emergência e recolher − Equipamentos
informação relativa aos − Procedimentos
recursos disponíveis − Adequação à situação

Aplicar técnicas de Plano de emergência – procedimentos e técnicas de 1.ª intervenção


primeira intervenção em x Procedimentos de emergência
socorrismo e os − Conforme o previsto no plano de emergência delineado
procedimentos x Equipamentos de combate
estabelecidos nos planos − Critérios de localização e manutenção
de emergência x Equipamentos de evacuação
− Critérios de localização e manutenção
x Equipamentos de primeiros socorros
− Critérios de localização e manutenção
x Equipamentos de protecção individual
− Características
− Utilização pelas equipas de intervenção
x Entidades e organismos responsáveis pela protecção civil

3.3. Segurança e higiene do Definição do projecto


trabalho – projecto x Enquadramento do projecto – fundamentos relativos à área de
145 intervenção
horas Identificar a área de − Planeamento e implementação do sistema de gestão de prevenção
higiene e segurança do da empresa
trabalho e os métodos − Avaliação dos riscos profissionais
utilizados na definição de − Desenvolvimento e implementação de medidas de prevenção e de
um projecto protecção
− Concepção de locais, postos e processos de trabalho
− Utilização de recursos externos nas actividades de prevenção e de
protecção
− Organização da documentação necessária ao desenvolvimento da
prevenção na empresa/instituição
− Processos de informação, formação e participação dos trabalhadores
no âmbito da prevenção e protecção
x Identificação do projecto
x Definição do projecto
− Metodologias
− Objectivos
− Recursos humanos e financeiros
− Estratégias especificas
− Definição de métodos de consecução dos objectivos
− Participantes
− Equipamentos e materiais
− Formas e fases de avaliação
− Analise da viabilidade do projecto

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 42/51
Subunidades de Formação
N.º / Designação / Conteúdos programáticos
Duração Objectivos Específicos

3.3. Segurança e higiene do Planeamento do projecto


trabalho – projecto
x Planeamento do projecto
Aplicar as técnicas de − Elaboração do plano
planeamento de um ƒ Definição da data de início
projecto ƒ Definição de actividades
ƒ Definição de durações
ƒ Alocação de recursos
ƒ Ligação de actividades
ƒ Impressão do plano
ƒ Ajustamento ao plano

Implementar um projecto Implementação do projecto


na área da segurança e
higiene do trabalho x Execução e controlo do projecto
x Gestão e acompanhamento do plano
− Definição da linha base
− Actualização
− Ajustamentos ao plano
x Encerramento/conclusão do projecto
x Avaliação do projecto
− Observação
− Análise
x Difusão dos resultados obtidos
− Reflexão

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 43/51
6.2. Matriz de correspondência unidades capitalizáveis/unidades de formação de curta duração

Unidades de Formação Capitalizáveis Unidades de Formação de Curta Duração

N.º N.º

1 1a7

2 8 a 16

3 17 a 23

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 44/51
7. SUGESTÃO DE RECURSOS DIDÁCTICOS

y Acordo de segurança, higiene e saúde no trabalho - Conselho Permanente de Concertação Social, Lisboa, 1991
y Ambiente térmico - Lisboa, Direcção-Geral de Higiene e Segurança no Trabalho, 1985
y Arneses de convés e cabos de segurança para uso em embarcações de recreio. Requisitos e métodos de
ensaio - NP EN 1095, 2000
y Bonés de protecção individual - NP EN 812, 2000
y Cabeças de ensaio a utilizar nos ensaios dos capacetes de protecção - NP EN 960:1997/A1, Novembro 00
y Cabeças de ensaio a utilizar nos ensaios dos capacetes de protecção - NP EN 960, Setembro 97
y Calçado de protecção para uso profissional. Parte 2: especificações adicionais - NP EN 346-2, Agosto 99
y Calçado de segurança para uso profissional. Parte 2: especificações adicionais - NP EN 345-2, Outubro 99
y Calçado de segurança, de protecção e de trabalho para uso profissional. Parte 2: Requisitos adicionais e
métodos de ensaios - NP EN 344-2, Dezembro 99
y Calçado de trabalho para uso profissional. Parte 2: especificações adicionais - NP EN 347-2, Agosto 99
y Capacetes de protecção contra os choques para crianças pequenas - NP EN 1080, Maio 99
y Capacetes de protecção para a indústria - NP EN 397, Abril 97
y Capacetes de protecção para desportos hípicos - NP EN 1384, 2000
y Capacetes para bombeiros - NP EN 443, 2000
y Capacetes para canoagem – Kayak e desportos de águas bravas - NP EN 1385, 2000
y Capacetes para ciclistas e para utilizadores de pranchas de rolos e patins de rodas - NP EN 1078, Julho 99
y Capacetes para desportos aéreos - NP EN 966, Abril 97
y Colóquio internacional sobre segurança e higiene do trabalho, 22 e 23 de Fevereiro de 2001 - Porto, Ordem dos
Engenheiros, 2001
y Concepção de locais de trabalho - A. Fonseca, M. F. Rodrigues, J.S. PINA, Lisboa, trabalho realizado com o
apoio do IDICT, 1998
y Efeitos fisiológicos e físicos da corrente eléctrica - EDP, Lisboa, Órgão Central Formação
y Equipamento de protecção individual para a prevenção de quedas em altura. Arneses de cintura e pernas - NP
EN 813, 2000
y Ergonomia, higiene e segurança no trabalho - Lisboa, IEFP, 1994
y Fogo: definição, características, extinção, classificação - Lisboa, Quimiparque
y Higiene e segurança no trabalho - ferramentas portáteis manuais. Requisitos de segurança - NP 2198, Maio 86
y Higiene, segurança e saúde no local de trabalho: indústria metalomecânica - Lisboa, Instituto de Soldadura e
Qualidade, 1993
y Higiene, segurança, saúde e prevenção de acidentes de trabalho, F. Cabral e R. Veiga, Lisboa, Verlag
Dashofer, 2000
y Iluminação e a segurança no trabalho (A) - Lisboa, Ministério do Emprego e da Segurança Social -
Direcção-Geral de Higiene e Segurança do Trabalho, 1987
y Livro branco dos serviços de prevenção das empresas - Comissão do livro branco dos serviços de prevenção,
Lisboa, IDICT, 1999
y Medições básicas do corpo humano para a concepção tecnológica - NP EN ISO 7250, 2000
y Noções de prevenção: prevenção, Quimiparque - Direcção Operacional Estudos e Formação
y Organização do trabalho - Luís Barros, Lisboa, Instituto de Soldadura e Qualidade, 1998
y Prevenção de acidentes na construção civil: exemplos práticos para os trabalhadores, a fim de evitar acidentes -
Gabinete de Prevenção dos Acidentes da Sociedade Suíça de Empresários, Lisboa, IEFP, 1992
y Protecção contra as quedas de altura. Dispositivos de amarração. Requisitos e ensaios - NP EN 795, Junho 99
y Protecção contra quedas em altura incluindo cintos de segurança - NP EN 1891, 2000
y Protecção individual dos olhos. Óculos para utilizadores de motociclos e ciclomotores - NP EN 1938, 2000
y Protecção individual dos olhos. Óculos solares e filtros de protecção contra as radiações solares para uso geral
- NP EN 1836, Junho de 1999

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 45/51
y Protectores auditivos - recomendações relativas à selecção, à utilização, aos cuidados na utilização e à
manutenção - documento guia - NP EN 458, Novembro 96
y Protectores auditivos - requisitos de segurança e ensaios - parte 2: tampões auditivos - NP EN 352-2, Dezembro
97
y Protectores auditivos - requisitos de segurança e ensaios - parte 3: protector auricular montado num capacete
de protecção para a indústria - NP EN 352-3, 36312
y Protectores auditivos - requisitos de segurança e ensaios parte 1: protectores auriculares - NP EN 352-1,
Novembro 66
y Protectores da cabeça para jogadores de hóquei no gelo - NP EN 967, 2000
y Protectores dos olhos e da face tipo rede, para uso industrial e não industrial, para protecção contra os riscos
mecânicos e/ou contra o calor - NP EN 1731, Junho 99
y Qualificações e perfil profissional - Nair Laves, Rafael Santos, Lisboa, Escola Profissional Bento de Jesus
Caraça, 1997
y queda dos corpos e o uso de capacete (A) - Maria Lucinda de Almeida Lopes, Lisboa, Escola Profissional Bento
de Jesus Caraça, 1997
y Reparação Automóvel: manual de prevenção - Victor Rocha Ribeiro, Lisboa, IDICT, 1998
y Representações dos empregadores: módulo de formação - Eduardo Leandro, Lisboa, IDICT, 1997
y Representações dos trabalhadores: guia do formador - Lisboa, IDICT, 1997
y Riscos da armazenagem - Aníbal Fernandes, Lisboa, Ministério do Trabalho e da Segurança Social - Direcção-
Geral de Higiene e Segurança do Trabalho, 1989
y Segurança de máquinas - medidas do corpo humano - parte 1 - princípios de determinação das dimensões
requeridas pelas aberturas destinadas à passagem do corpo nas máquinas - NP EN 547-1, 1998
y Segurança de máquinas - medidas do corpo humano - parte 2 - princípios para a determinação das dimensões
exigidas para as aberturas de acesso - NP EN 547-2, 2000
y Segurança de máquinas - sinais auditivos de perigo - requisitos gerais, concepção e ensaios - NP EN 457,
Agosto 97
y Segurança de máquinas. Medidas do corpo humano. Parte 3: Dados antropemétricos - NP EN 547-3, 2000
y Segurança de máquinas. Requisitos ergonómicos para a concepção de dispositivos de sinalização e órgãos de
controlo. Parte 1: Princípios gerais das interacções entre o homem e os dispositivos de sinalização e órgãos de
controlo - NP EN 894-1, 2000
y Segurança de máquinas. Requisitos ergonómicos para a concepção de dispositivos de sinalização e órgãos de
controlo. Parte 2: Dispositivos de sinalização - NP EN 894-2, 2000
y Segurança de máquinas. Sinais visuais de perigo. Requisitos gerais, concepção e ensaios, NP EN 842,
Dezembro 98
y Segurança de máquinas. Sistema de sinais sonoros e visuais de perigo e de informação - NP EN 981, 2000
y Segurança de máquinas. Temperaturas de superfícies acessíveis. Factores ergonómicos para a fixação dos
valores limite de temperaturas nas superfícies quentes - NP EN 563, Dezembro 96
y Segurança e saúde no local de trabalho: manual de auto-auditoria para as PME - Comissão Europeia,
Luxemburgo, 1996
y Segurança, higiene e saúde no trabalho – legislação portuguesa - Lisboa, IDICT, 1994
y Segurança, higiene e saúde no trabalho: a iluminação nos locais e postos de trabalho - Lisboa, IEFP, 2000
y Segurança, higiene e saúde no trabalho: o ruído nos locais de trabalho - Lisboa, IEFP, 2000
y Segurança, higiene e saúde no trabalho: organização e gestão da prevenção nas empresas - Lisboa, IEFP,
2000
y Segurança, higiene e saúde no trabalho: prevenção e protecção contra incêndios - Lisboa, IEFP, 2000
y Segurança, higiene e saúde no trabalho: riscos eléctricos - Lisboa, IEFP, 2000
y Serviço de prevenção das empresas: livro verde - Lisboa, IDICT, 1998
y Técnico de higiene, saúde e segurança do trabalho – J. Alves Caixinhas R. Santos, Lisboa, Escola Profissional
Bento Jesus Caraça, 1997

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 46/51
y Agentes Extintores. Selecção segundo classes de fogos - NP 1800, 1981
y BS 8800 – Safety Management. Guide to Management Principles, British Standard Institution - London, UK,
1996
y Condições gerais de higiene e segurança na indústria de panificação em Portugal - Domingos Antunes Valente,
Lisboa, Ministério do Trabalho e da Segurança Social, 1989
y Construção Civil: manual de segurança no estaleiro - Luís Fontes Machado, AECOPS, 1996
y Construção Civil - Ana Paula Soromenho, Lisboa, Escola Profissional Bento de Jesus Caraça, 1997
y Construção: qualidade e segurança no trabalho - L. M. Alves Dias e Jorge M. H. Pires, Lisboa, IDICT, 1998
y Contaminantes químicos - Aníbal Fernandes, Ministério do Trabalho e da Segurança Social, Lisboa, 1985
y Cuidado, manipulação e armazenagem de lubrificantes - Serviços de Segurança da Mobil Portuguesa, Lisboa,
Mobil Portuguesa, 1976
y Hazards (The) of Work : how to fight them - Patrick Kinnersly, London, Pluto Press, 1979
y Higiene e segurança em soldadura - João Fernando P. Gomes, Lisboa, Instituto de Soldadura e Qualidade,
1993
y Higiene e segurança no trabalho. Higiene e segurança nas operações de metalização por projecção - NP 1837,
Maio 86
y Higiene e segurança no trabalho. Higiene e segurança nas operações de pintura por projecção - NP 1563,
Fevereiro 78
y Higiene e segurança no trabalho. Segurança na utilização de equipamentos mecânicos de transmissão de força
motriz - NP 1562, Fevereiro 78
y Higiene e segurança no trabalho. Valores limites de exposição para substâncias nocivas existentes no ar dos
locais de trabalho - NP 1796, Março 90
y Higiene e segurança no trabalho - Ministério da Educação, Departamento da Educação Básica. Núcleo de
Educação Recorrente e Extra Escolar, Lisboa, Departamento da Educação Básica PRODEP/FSE, 1999
y Higiene e segurança nos estabelecimentos industriais. Instalações sanitárias de vestiários e refeitórios.
Dimensionamento e disposições construtivas, NP 1572, Dezembro 78
y Iluminação - Ana Paula Soromenho, Lisboa, Escola Profissional Bento de Jesus Caraça, 1997
y Manual construção - Plano de Segurança e de Saúde na Construção - L. M. Alves Dias e Santos Fonseca,
Lisboa, Trabalho realizado com o apoio do IDICT, 1996
y Manual construção - Qualidade e segurança no trabalho - L. M. Alves Dias e Santos Fonseca, Lisboa, Trabalho
realizado com o apoio do IDICT, 1998
y Manipulação de substâncias químicas - Ministério da Educação, Departamento da Educação Básica. Núcleo de
Educação Recorrente e Extra Escolar, Lisboa, Direcção de Serviços de Formação e Divulgação, 1991
y Manual de higiene do trabalho na indústria - Ricardo Macedo, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 1988
y Manual de higiene e segurança do trabalho - Alberto Sérgio S. R. Miguel, Porto Editora, 1989
y Manuseamento de substâncias perigosas - João Fernando P. Gomes, Oeiras, Instituto de Soldadura e
Qualidade, 1996
y Medidas de segurança a tomar na produção e utilização de ar comprimido das oficinas - Ministério do Trabalho
e da Segurança Social, Lisboa, Direcção-Geral de Higiene e Segurança do Trabalho, 1986
y Movimentação de materiais - João Fernando P. Gomes, Oeiras, Divisão de Ambiente, Energia e Soldadura,
1996
y Movimentação de materiais - João Fernando P. Gomes, Oeiras, Instituto de Soldadura e Qualidade, 1996
y Movimentação manual de cargas, Filomena Teixeira, Lisboa, IDICT, 1998
y New Frontiers in Occupational Health and Safety Management System: A Management System Approach and
ISO Model - American Industrial Hygiene Association , USA, Virgínia, 1996
y Occupational Health and Safety Management System: An AIHA guidance document - American Industrial
Hygiene Association , USA, Virgínia, 1996
y Ordem e limpeza, cor e sinalização - Ministério da Educação, Departamento da Educação Básica. Núcleo de
Educação Recorrente e Extra Escolar, Lisboa, Direcção de Serviços de Formação e Divulgação, 1990
y Pela defesa da saúde e vida dos trabalhadores: documentos do 1.º seminário sindical sobre higiene e
segurança no trabalho - realizado pela CGTP/IN, em Lisboa, em 12-5-1979, CGTP, Lisboa, Edições Alavanca,
1980
y Protecção de máquinas: 1.ª parte, Ministério da Educação, Departamento da Educação Básica. Direcção de
Serviços de Formação e Divulgação. Núcleo de Educação Recorrente e ExtraEscolar, Lisboa, 1987
y Regulamento de segurança de linhas eléctricas de alta tensão, Assembleia da República, Lisboa, Imprensa
Nacional – Casa da Moeda, 1979
REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 47/51
y Regulamento de segurança de subestações e postos de transformação e de seccionamento - República
Portuguesa, Lisboa, Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1979
y Safety and Health in Construction Convention (n.º 167) - Organização Internacional do Trabalho, Genebra,
Suíça, 1988
y Saúde e segurança no Trabalho: guia das PME - Comissão das Comunidades Europeias, Luxemburgo, Serviço
das Publicações Oficiais das Comunidades Europeias, 1993
y Segurança (A) nas oficinas que utilizam o acetileno e o oxigénio - Ministério do Trabalho e da Segurança Social,
Lisboa, Direcção-Geral de Higiene e Segurança do Trabalho, 1986
y Segurança na construção: glossário - Germano Rodrigues, Lisboa, IDICT, 1996
y Segurança, higiene e saúde no local de trabalho: conceitos - Luís Filipe Cardim e Américo Counhago, Lisboa,
IEFP, 1992
y Segurança, higiene e saúde no local de trabalho: conceitos - Luís Filipe Cardim e Américo Counhago, Lisboa,
IEFP, 1996
y Segurança, higiene e saúde no local de trabalho - Ana Pedro, Lisboa, IEFP, 1992
y Segurança, higiene e saúde no trabalho: escritórios e serviços - Maria Odete de Brito Silva, Lisboa, IEFP, 1998
y Segurança, higiene e saúde no trabalho: escritórios e serviços - Serviços de Segurança da Mobil Portuguesa,
Lisboa, IEFP, 1998
y Segurança, higiene e saúde no trabalho - Introdução à Segurança, Higiene e Saúde no local de Trabalho -
Cândido Dias Gaspar, IEFP, Lisboa, 2000
y Segurança, higiene e saúde no trabalho - Carlos Otero, Cristina Matos e João Costa, Lisboa, Instituto de
Soldadura e Qualidade, 2001
y Segurança, higiene e saúde no trabalho - João A.Gomes e Susana Caldeira, Lisboa, Citeforma, 2000
y Sinalização de segurança. Símbolo da radiação ionizante - NP 442, Junho 66
y Sistemas de gestão de segurança e saúde do trabalho. Especificações - pr NP 4397, 2000
y Soldadura - João Fernando P. Gomes, Oeiras, Instituto de Soldadura e Qualidade, 1996
y Trabalho em andaimes - João Fernando P. Gomes, Oeiras, Instituto de Soldadura e Qualidade, 1996
y Trabalho em valas - João Fernando P. Gomes, Lisboa, Instituto de Soldadura e Qualidade, 1996
y Transporte (O) de cargas a braço - Ministério da Educação, Departamento da Educação Básica. Núcleo de
Educação Recorrente e Extra Escolar - Lisboa, Direcção de Serviços de Formação e Divulgação, 1989
y Utilização de pesticidas agrícolas - Filomena Teixeira, Lisboa, IDICT, 1998

y Aparelhos de protecção respiratória para evacuação. Aparelhos de protecção respiratória isolantes autónomos
de circuito a ar comprimido com capuz (aparelhos de evacuação de ar comprimido com capuz). Requisitos,
ensaios e marcações - NP EN 1146/A1, 2000
y Aparelhos de protecção respiratória para evacuação. Aparelhos de protecção respiratória isolantes autónomos
de circuito fechado. Aparelhos de evacuação de oxigénio químico (NaCIO3). Requisitos, ensaio, marcação - NP
EN 1061, Outubro 00
y Aparelhos de protecção respiratória para evacuação. Aparelhos de protecção respiratória isolantes autónomos
de circuito, a ar comprimido com capuz (aparelhos de evacuação de ar comprimido com capuz).
Requisitos,ensaios e marcações - NP EN 1146, 2000
y Aparelhos de protecção respiratória. Aparelhos autónomos de circuito fechado, tipo oxigénio comprimido ou
oxigénio-nitrogénio comprimido. Requisitos, ensaios e marcação - NP EN 148-3, 1997
y Aparelhos de protecção respiratória. Aparelhos de protecção respiratória de adução por ar comprimido com
capuz. Requisitos, ensaios e marcação - NP EN 270, Setembro 98
y Aparelhos de protecção respiratória. Aparelhos de protecção respiratória de ar fresco com máscara completa,
semi-máscara ou corpo do conjunto bucal. Requisitos, ensaios e marcação - NP EN 138, Dezembro 97
y Aparelhos de protecção respiratória. Aparelhos de protecção respiratória de ar fresco de ventilação assistida
com capuz. Requisitos, ensaios e marcação - NP EN 269, Setembro 98

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 48/51
y Aparelhos de protecção respiratória. Aparelhos de protecção respiratória isolantes de adução de ar comprimido
o de ar fresco de ventilação assistida com capuz utilizados para as operações de projecção de abrasivos.
Requisitos, ensaios e marcação - NP EN 271, Setembro 98
y Aparelhos de protecção respiratória. Aparelhos filtrantes de ventilação incorporando máscaras completas, semi-
máscaras ou máscaras de contado. Requisitos, ensaios, marcação - NP EN 12942, 2000
y Aparelhos de protecção respiratória. Aparelhos filtrantes de ventilação incorporando um capacete ou capuz.
Requisitos, ensaios, marcação - NP EN 12941, 2000
y Aparelhos de protecção respiratória. Ar comprimido para aparelhos de protecção respiratória isolantes - NP EN
12021, 2000
y Aparelhos de protecção respiratória. Classificação - NP EN 133, Maio 96
y Aparelhos de protecção respiratória. Definição de termos e pictogramas - NP EN 132, Outubro 00
y Aparelhos de protecção respiratória. Filtro antigás do tipo AX e filtros combinados contra compostos orgânicos
de baixo ponto de ebulição. Requisitos, ensaios e marcação - NP EN 371, Setembro 96
y Aparelhos de protecção respiratória. Filtro antigás do tipo SX e filtros combinados contra determinados
compostos específicos. Requisitos, ensaios e marcação - NP EN 372, Setembro 96
y Aparelhos de protecção respiratória. Filtros com tubos de respiração (filtros exteriores à máscara). Filtros de
partículas, filtros de gás e filtros combinados. Requisitos, ensaios e marcação - NP EN 12083, 2000
y Aparelhos de protecção respiratória. Lista de termos equivalentes - NP EN 135, Outubro 00
y Aparelhos de protecção respiratória. Máscaras completas. Requisitos, ensaios e marcação - NP EN 136, Julho
99
y Aparelhos de protecção respiratória. Nomenclatura de componentes - NP EN 134, Janeiro 00
y Aparelhos de protecção respiratória. Semi-máscaras filtrantes de partículas. Requisitos, ensaios e marcação -
NP EN 149, Dezembro 97
y Aparelhos de respiratória. Válvulas para garrafas de gás. Parte 2: Peças de ligação de saída - NP EN 144-2,
2000
y Avaliação de condições de trabalho na indústria de tintas e vernizes - Olga Mayan, Ministério do Emprego e da
Segurança Social , Lisboa, Instituto de Desenvolvimento e Inspecção das Condições de Trabalho, 1995
y Classes de fogos (errata 1994) - NP EN 2 , 1995
y Elementos constituintes dos sistemas automáticos de detecção de incêndio. Parte 5: Detectores térmicos.
Detectores pontuais contendo um elemento estático - NP EN 54-5, 1990
y Elementos constituintes dos sistemas automáticos de detecção de incêndio. Parte 6: Detectores térmicos.
Detectores volucimétricos pontuais sem elemento estático - NP EN 54-6, 1990
y Elementos constituintes dos sistemas automáticos de detecção de incêndio. Parte 7: Detectores pontuais de
fumo. Detectores funcionando segundo o principio da difusão da luz, da transmissão da luz ou da ionização - NP
EN 54-7, 1990
y Elementos constituintes dos sistemas automáticos de detecção de incêndio. Parte 8: Detectores térmicos. De
funcionamento a temperatura elevada - NP EN 54-8, 1990
y Elementos constituintes dos sistemas automáticos de detecção de incêndio. Parte 9: Ensaios de sensibilidade
com fogos tipo - NP EN 54-9, 1990
y Equipamento de segurança e de combate a incêndio. Símbolos gráficos para as plantas de projecto de
segurança contra incêndio. Especificação - NP 4303, 1994
y Equipamentos de salvamento. Arneses de salvamento - NP EN 1497, Julho 99
y Equipamentos de salvamento. Cintas de salvamento - NP EN 1498, Outubro 99
y Equipamentos de salvamento. Dispositivos de salvamento por elevação - NP EN 1496, Julho 99
y Especificação para filtros de soldadura com factor de transmissão no visível comutável e filtros de soldadura
com duplo factor de transmissão no visível - NP EN 379:1996/A1, Novembro 2000
y Especificação para filtros de soldadura com transmitância luminosa comutável e filtros de soldadura com
transmitância luminosa dupla - NP EN 379 / A1, 2000
y Especificações para filtros de soldadura com factor de transmissão no visível comutável e filtros de soldadura
com duplo factor de transmissão no visível - NP EN 379, Agosto 98
y Extintores de incêndio móveis - NP EN 1866, Junho 2000

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 49/51
y Extintores de incêndio portáteis. Parte 1: Designação, duração de funcionamento, fogos-tipo das classes A e B -
NP EN 3-1, 1997
y Extintores de incêndio portáteis. Parte 2: Estanquidade, ensaio dieléctrico, ensaio de compactação, dispositivos
especiais - NP EN 3-2, 1997
y Extintores de incêndio portáteis. Parte 3: Construção, resistência à pressão, ensaios mecânicos - NP EN 3-3,
1994
y Extintores de incêndio portáteis. Parte 4: Cargas, fogos tipo mínimo exigidos - NP EN 3-4, 1997
y Extintores de incêndio portáteis. Parte 5: Especificações e ensaios complementares - NP EN 3-5, 1997
y Extintores de incêndio portáteis. Parte 5: Especificações visando a avaliação da conformidade dos extintores
portáteis de acordo com a EN3 – Parte 1 a 5 - NP EN 3-5, 1997
y Higiene e segurança no trabalho. Colheitas de ar para análise de películas sólidas e líquidas por locais de
trabalho. Método por filtração - NP 2266, Maio 86
y Higiene e segurança no trabalho. Equipamento de protecção individual. Luvas de protecção. Definições,
classificação e dimensões - NP 2310, Fevereiro 90
y Higiene e segurança no trabalho. Ferramentas portáteis. Requisitos gerais de concepção e utilização - NP 2036,
31533
y Higiene e segurança no trabalho. Técnicas de colheitas de ar para análise de gases e vapores nos ambientes
dos locais de trabalho - NP 2199, Maio 86
y Instalações fixas de combate a incêndio. Sistemas armados com mangueiras. Parte 1: Bocas-de-incêndio
armadas com mangueiras semirígidas - NP EN 671-1, 1995
y Instalações fixas de combate a incêndio. Sistemas armados com mangueiras. Parte 2: Bocas-de-incêndio
armadas com mangueiras flexíveis - NP EN 671-2, 1995
y Mantas anti-extintores de incêndio móveis - NP EN 1869, Junho 2000
y Normas de segurança contra riscos de incêndio a aplicar em estabelecimentos comerciais, Olga Mayan,
Ministério do Emprego e da Segurança Social - Lisboa, Direcção-Geral de Higiene e Segurança do Trabalho,
1991
y Normas de segurança contra riscos de incêndio a aplicar em estabelecimentos comerciais - Olga Mayan,
Ministério do Emprego e da Segurança Social , Lisboa, Direcção-Geral de Higiene e Segurança no Trabalho,
1986
y Plano de segurança e de saúde na construção - L. M. Alves Dias e M. Santos Fonseca, Lisboa, IDICT, 1996
y Poluição do meio ambiente. Chumbo. Colheita das amostras na atmosfera dos locais de trabalho - NP 1024,
Julho 74
y Poluição do meio ambiente. Chumbo. Colheita das amostras nas emissões das chaminés - NP 1025, Julho 74
y Poluição do meio ambiente. Chumbo. Determinação qualitativa e expedita pelo método de reacção de gota
(comparação visual) - NP 1026, Julho 74
y Poluição do meio ambiente. Chumbo. Determinação quantitativa pelo método colorimétrico de comparação
visual - NP 1027, Julho 74
y Projecto ao estaleiro: condições de trabalho: qualidade: resultados económicos (Do) - Fundação Europeia para
a Melhoria das Condições de Vida e de Trabalho, Lisboa, GPOCE, DGHST, IEFP, 1989
y Protecção individual dos olhos. Especificações - NP EN 166, Setembro 97
y Protecção individual dos olhos. Filtros de protecção solar para uso industrial - NP EN 172, Dezembro 97
y Protecção individual dos olhos. Filtros protectores dos olhos contra as radiações. Laser (óculos de protecção
laser) - NP EN 207, 2000
y Protecção individual dos olhos. Óculos de protecção para operações da regulação de lasers e sistemas laser -
NP EN 208, 2000
y Protecção individual dos olhos. Vocabulário - NP EN 165, Setembro 97
y Protecção individual. Equipamentos de protecção dos olhos e da cara durante a soldadura e processos afins -
NP EN 175, Outubro 00
y Protecção pessoal dos olhos. Óculos para sku alpino - NP EN 174, Outubro 2000
y Protectores dos pés e das pernas. Requisitos e métodos de ensaio para biqueiras protectoras e palmilhas
metálicas resistentes à penetração - NP EN 12568, 2000

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 50/51
y Regulamento de protecção e segurança radiológica nas minas e anexos de tratamento de minério e de
recuperação de urânio: Decreto Regulamentar n.º 78/84 - Olga Mayan, Ministério do Emprego e da Segurança
Social, Lisboa, Direcção-Geral de Higiene e Segurança no Trabalho, 1985
y Riscos de intoxicação e explosão nas garagens, túneis de lavagem e oficinas de reparação de automóveis -
Olga Mayan, Ministério do Emprego e da Segurança Social, Lisboa, Direcção-Geral de Higiene e Segurança no
Trabalho, 1986
y Riscos de soterramento na construção - Instituto de Desenvolvimento e Inspecção das Condições de Trabalho,
Lisboa, IDICT, 1996
y Segurança contra incêndio. Agentes extintores. Dióxido de Carbono - NP EN 25923, 1996
y Segurança contra incêndio. Agentes extintores. Especificações para os pós (distintos dos pós da classe “D”) -
NP EN 615, 1995
y Segurança contra incêndio. Agentes extintores. Hidrocarbonetos halogenados. Parte 1: especificações para
halons 1211 e 1301 - NP EN 27201-1, 1995
y Segurança contra incêndio. Agentes extintores. Hidrocarbonetos halogenados. Parte 2: especificações para
manipulação em segurança e métodos de trasfega - NP EN 27201-2, 1995
y Segurança contra incêndios. Sinais de segurança - NP 3992, 1994
y Segurança contra incêndios. Sinalização de dispositivos de combate a incêndio - NP 4280, 1995
y Segurança contra incêndios. Terminologia. Parte 1: termos gerais. Fenómeno do fogo - NP 3874-1, 1995
y Segurança contra incêndios. Terminologia. Parte 2: protecção estrutural contra incêndios - NP 3874-2, 1993
y Segurança contra incêndios. Terminologia. Parte 3: detecção e alarme de incêndios - NP 3874-3, 1997
y Segurança contra incêndios. Terminologia. Parte 3: equipamentos e meios de extinção de incêndios -
NP 3874-4, 1994
y Segurança contra incêndios. Terminologia. Parte 5: desenfumagem (controlo de fumos) - NP 3874-5, 1994
y Segurança contra incêndios. Terminologia. Parte 6: meios de evacuação e salvamento - NP 3874-6, 1994
y Segurança contra incêndios. Terminologia. Parte 7: meios de detecção e supressão de explosões - NP 3874-7,
1994
y Segurança contra incêndios. Utilização de extintores de incêndio portáteis - NP 3064, 1988
y Segurança contra incêndios. Utilização de líquidos quanto ao ponto de inflamação - NP 1936, 1983
y Segurança de máquinas. Princípios de concepção ergonómica. Parte 1: Terminologia e princípios gerais -
NP EN 614-1, Abril 97
y Segurança no manuseamento de maquinaria agrícola: (tractores), Olga Mayan, Ministério do Emprego e da
Segurança Social, Lisboa, Direcção-Geral de Higiene e Segurança do Trabalho,
y Sistemas de detecção e alarme de incêndio. Parte 1: Introdução, NP EN 54-1, 1997
y Sistemas de detecção e alarme de incêndio. Parte 4: equipamento de alimentação de energia - NP EN 54-4,
1999
y Sistemas de protecção contra explosões. Parte 1: determinação dos índices de explosão das poeiras
combustíveis no ar - NP EN 26184-1, 1994
y Sistemas de protecção contra explosões. Parte 2: determinação dos índices de explosão dos gases
combustíveis no ar - NP EN 26184-2, 1994
y Sistemas de protecção contra explosões. Parte 3: determinação dos índices de explosão de misturas
combustíveis no ar distintas das misturas de poeiras/ar e gases/ar - NP EN 26184-3, 1994
y Sistemas de protecção contra explosões. Parte 4: determinação da eficácia dos sistemas de supressão de
explosões - NP EN 26184-4, 1994

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Técnico/a de Segurança e Higiene do Trabalho y Nível 3 51/51

Você também pode gostar