Você está na página 1de 36

1

INTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE – INCISA

A EFICÁCIA DA ACUPUNTURA NA QUALIDADE DE VIDA E


MELHORA DA DOR EM INDIVÍDUOS PORTADORES DE
LOMBALGIA

ADEILZA PEREIRA DE LIMA

SALVADOR – BA
2012
ADEILZA PEREIRA DE LIMA
2

A EFICÁCIA DA ACUPUNTURA NA QUALIDADE DE VIDA E


MELHORA DA DOR EM INDIVÍDUOS PORTADORES DE
LOMBALGIA

Trabalho de Conclusão da Pós graduação


apresentado à INCISA/ IMAM – ABASI, como
requisito para conclusão da Pós Graduação
Lato Sensu de Acupuntura.

SALVADOR – BA
2012
RESUMO

O presente estudo trata-se de um acompanhamento a pacientes portadores de


3

lombalgia. Sendo um sintoma que apresenta uma grande incidência, em países


industrializados. No Brasil, a dor lombar situa-se entre as 20 queixas diagnósticas
mais comuns em adultos. O tratamento da lombalgia através da acupuntura tem
crescido nos últimos anos. Este estudo tem como objetivo avaliar a eficácia da
acupuntura como tratamento nas lombalgias. Este estudo foi realizado na Clínica
Bonfisio com uma amostra constituída por dois voluntários. A amostra foi dividida em
2 grupos e submetidas ao tratamento por acupuntura diariamente (paciente A) e
acupuntura duas vezes por semana (paciente B). Os pesquisadores realizaram
avaliação na 1ª, 5ª e 10ª sessão, sendo empregado a Ficha de Avaliação, Índice de
Incapacidade de Oswestry e a Escala Numérica da Dor, juntamente com o SF 36.
Os resultados apontaram à grande efetividade da acupuntura realizada todos os dias
no tratamento da lombalgia.

Palavras-chave: acupuntura, lombalgia, qualidade de vida

ABSTRACT
4

The present study is about a accompaniment the carrying patients of low back.Being
a symptom that presents an big incidence, in industrialized countries. In Brazil, back
pain is placed enters the more common disgnostic complaints in adults. The
treatment of the low back through the acupuncture has grown in recent years. This
study it has as objective to evaluate the effectiveness of the acupuncture as
treatment in the low back. This study it was carried through in the Clinic Bonfisio with
a sample consisting of two volunteers. The sample was divided in 2 groups and
submitted to the treatment for acupuntura every day patient (patient A) and
acupuncture twice a week (patient B). The researchers had carried through
evaluation in 1º, 5º and 10 º sessions, having been used the Fiche of Evaluation,
Index of Incapacity of Oswestry and Numerical Escala of Pain end associacion the
SF 36. The results had pointed to the bid effectiveness of the acupuncture every day
in the treatment of the low back.

Keywords: Acupuncture; low back pain; quality of life.


5

INTRODUÇÃO

A acupuntura Acus = (latim) agulha, punctura = (latim) furar é uma técnica


milenar desenvolvida na China que se utiliza da introdução de agulhas metálicas em
pontos específicos do corpo para harmonizá-lo e preservar ou devolver a saúde. Faz
parte integrante da Medicina Tradicional Chinesa (SILVA, 2007).

A acupuntura foi idealizada dentro do contexto global da Filosofia Tao e das


concepções filosóficas e fisiológicas que norteiam a Medicina Tradicional Chinesa. A
concepção dos Canais de energia, os pontos de acupuntura, o diagnóstico e o
tratamento, baseiam se nos preceitos do Yang e do Yin, dos Cinco Movimentos, da
Energia (Qi) e do Sangue (Xie). (YAMAMURA, 1993; MACCIOCIA,1996;
ROSS,1994;MANN,1971)

A palavra acupuntura, entretanto, pode ter um sentido mais amplo, o do


estímulo de acupontos segundo as várias técnicas disponíveis, além do sentido
restrito do agulhamento, como alterações de temperatura e pressão, por exemplo.
(ALTMAN, 1997)

A ciência ocidental tem uma visão diferenciada em relação à visão oriental, na


qual a dor lombar se difere de suas origens, e esta tem por conseqüência dor
debilitante, contratura muscular, imobilidade, comprometimento das atividades da
vida diária são objetos dessa pesquisa. (BARROS, 1997).

O tratamento eleito para a pesquisa foi a acupuntura que atribui ao


desequilíbrio bioenergético em determinados meridianos do organismo, os quais
levam a lombalgia. (DING, 1996)

Para o pensamento chinês o corpo e a mente não são vistos como um


mecanismo complexo, mas como um círculo de energia e substâncias vitais
interagindo uns com os outros para formar o organismo. A base de tudo é o Qi. E
todas as outras substâncias vitais são manifestações do Qi em vários graus de
6

materialidade. Essas substâncias variam do completamente material, como o


sangue e os fluidos corpóreos, para o totalmente imaterial, tal como o espírito, que
para o pensamento chinês se localiza no coração. São quatro as substâncias vitais
do corpo humano segundo a Medicina Tradicional Chinesa: o Sangue (Xue), os
Fluidos Corpóreos (Jin Ye), a Essência (Jing) e o Qi. (MACIOCIA, 1996).

Os efeitos neurológicos da acupuntura, que atua também sobre os


neurotransmissores relacionados com a dor e a depressão, qualificam o método
como útil e adequado na terapêutica da dor crônica. Entretanto, não deve ser
considerado como tratamento único para todas as síndromes dolorosas, destacando
se a necessidade de escolher a técnica mais adequada de estimulação de pontos
gatilhos ou o meio de modulação do sistema endógeno supressor da dor para obter
os melhores resultado. (THOMAS, 1994)

As manifestações clínicas gerais da dor lombar podem ser acompanhadas de


outros sintomas, como rigidez, limitação de movimentos e deformidades. Em relação
aos tipos de dor lombar, verificamos: a dor local ou irradiada podendo ser causada
por qualquer processo patológico que comprima as terminações sensoriais.
(BARROS, 1997).

DESENVOLVIMENTO

A acupuntura é uma parte importante do grande tesouro da Medicina


Tradicional Chinesa e tem uma história que remonta há mais de dois mil anos.
Durante um tempo longo de prática, os médicos das diversas dinastias chinesas
aperfeiçoaram esta especialidade desenvolvendo, além das teorias básicas, vários
métodos de manipulação de agulhas. A acupuntura compreende uma das técnicas
terapêuticas que compõem saberes e procedimentos culturalmente constituídos, e
dos quais não pode ser dissociada (ONETTA, 2005). Ela baseia-se, no princípio do
Yin e do Yang, nas teorias dos Cinco Movimentos/Elementos e do Zang Fu
(YAMAMURA, 2000).
7

O corpo humano é um todo organizado, composto por duas partes ligadas


estruturalmente, porém opostas Yin/Yang, são eles os dois pólos que estabelecem
os limites para os ciclos de mudanças (ERNST, 2001)

A acupuntura visa à terapia e cura das enfermidades pela aplicação de


estímulos através da pele, com a inserção de agulhas em pontos específicos
chamados de acupontos (SZABÓ, BECHARA, 2001).

O controle do fluxo de energia através de canais que estabelecem o equilíbrio


(Yin e Yang) do corpo é acupuntura, em que a doença é um reflexo da perda da
harmonia, segundo Ding.

Cada função possui na superfície do corpo uma série de pontos, que ligados
entre si, constituem os meridianos (SILVA, 2007). George Soulié de Mourant cita em
seu livro texto as seguintes observações clínicas: quando um órgão está alterado,
existe uma série de pontos que se tornam sensíveis, e formam uma linha; em
pessoas sensíveis, a linha dos meridianos são dolorosas; muitos doentes, no
momento da picada da agulha, referem sentir uma sensação que segue uma linha e
que coincide com o trajeto do meridiano do ponto que fora picado (MOURANT, 1990
apud.SILVA, 2007).

Há evidências que a acupuntura pode estimular a produção de endorfinas,


serotonina e acetilcolina dentro do sistema nervoso central, aumentando a analgesia
(FURLAN et al, 2005).

As respostas corticais aos estímulos de acupuntura são projetadas,


principalmente, por meio da via serotoninérgica e encefalinérgica; esta na sua
porção terminal do nível corno posterior da medula espinhal, liberando encefalina,
excitando o interneuronio inibitório da substância P no nível da lâmina II de Rexed,
bloqueando o estimulo da dor e promovendo o estado de analgesia no nível medular
(WANCURA, KÖNIG, 1974; WEI, 1979; HAN, 1986; HE, 1987; HAN et AL, 1986;
XIE, HAN, 1984; XINZHONG, 1986; KANDELL, SCHARWARTZ, JESSEL, 1991;
8

O’CONNOR, BENSKY, 1975).

O tratamento eleito para a pesquisa foi acupuntura que atribui ao desequilíbrio


bioenergético em determinados meridianos do organismo, os quais levam a
lombalgia. (DING, 1996)

Seu conceito básico atribui ao Qi, energia vital presente em todo o corpo,
equilíbrio e harmonia ou desequilíbrio e doença. Manifesta na pele, nos órgãos e
permeando todo o corpo acumula-se nos órgãos e flui, principalmente, nos canais de
energia “meridianos”, os quais têm funções importantes de defesa e proteção do
corpo.O Qi pode se manifestar como essência (jing) nascida com o indivíduo e
transformada. Sendo responsável por funções de crescimento, reprodução,
desenvolvimento e forças constitucionais básicas (pré-celestial). E ao longo da vida
o indivíduo pode ser nutrido pelos alimentos (Qi dos alimentos) e pela respiração (Qi
torácico), que em conjunto com o Qi nascido com o ser e o Qi adquirido
(póscelestial) ao longo de sua formação vai ser responsável pelo funcionamento,
nutrição e defesas do organismo. Isto aconteceria através do sangue, fluidos
corpóreos e através do próprio Qi circulante. (SAHA. 2001)

A ciência tradicional chinesa atribui à acupuntura o poder de influenciar o


fluxo de Qi dentro dos meridianos e alterar o equilíbrio dos órgãos (HOPWOOD,
2001)

A lombalgia aguda é caracterizada por um quadro doloroso associado à


limitação das atividades diárias que dura menos de 3 meses. Em cerca de 85% dos
casos não se consegue estabelecer um diagnóstico específico.Geralmente o
prognóstico é favorável caso a anamnese e o exame físico não detectem sinais de
alarme. A maioria dos pacientes apresenta melhora com medicamentos analgésicos.
Cerca de 60% dos pacientes apresenta melhora em 7 dias com tratamento
conservador. A maioria dos pacientes refere melhora do quadro em um período de
30 dias. A ausência de causas anatômicas que identifiquem o quadro representa
uma dificuldade nos estudos da lombalgia (REYNALDO, 2006).
9

Na maioria das vezes a dor é local, descrita como constante e persistente,


podendo ser intermitente e aguda, sendo sempre sentida na parte da coluna
acometida ou em suas proximidades. Em geral, há imobilização involuntária
protetora dos segmentos espinhais correspondentes, por atividade reflexa nos
músculos paravertebrais, e certos movimentos ou posturas que compensam o
espasmo e alteram a posição dos tecidos lesados tendem a agravar a dor. Os
músculos em espasmo reflexo contínuo também podem tornar se doloridos e
sensíveis à compressão profunda. (FRANÇA,2004)

A lombalgia, na ciência oriental, é atribuída ao clima frio e úmido. O início dos


sintomas pode ser insidiosos, indicando que o frio é de dentro. Na lombalgia, sendo
de caráter a síndrome de frio, consta-se na avaliação oriental a presença de alguns
sintomas, como o paciente não apresenta sede, nem vontade de ingerir líquidos,
palidez facial, camada superficial da língua lisa e esbranquiçada e pulso mais lento.
Em relação ao diagnóstico para detectar o excesso ou deficiência dos elementos
são encontradas as características de deficiência: indica fraqueza do organismo e de
seu sistema de defesa ou desgaste, decorrente de alguma doença prolongada, e o
excesso, por sua vez, indica que há reação vigorosa do organismo no decorrer da
doença. As síndromes de deficiência e excesso também indicam o tempo da
doença, longa e curta, respectivamente. (WEN, 1985)

No tratamento por acupuntura, são usados alguns pontos sensíveis locais no


meridiano da bexiga com o objetivo de fortalecer o Xu do Rim Yin. A dor também
pode ser decorrente da estagnação do Qi e sangue. A ciência oriental tem o objetivo
de restabelecer a circulação de Qi e sangue, regulando o yin e o yang, eliminando a
dor, removendo a estase e relaxando o espasmo muscular. (SENNA, 2003)

A dor lombar apresenta-se como uma síndrome de deficiência de Yin e então


há excesso de Yang. Seus sinais e sintomas são: calor, rubor facial, boca seca,
palmas e plantas dos pés quentes, ansiedade, sudorese, obstipação, língua
avermelhada. A síndrome de Yin-Yang é a que incorpora em si todas as outras
10

classificações, isso porque a síndrome Yin corresponde às síndromes profundas de


deficiência e frio, enquanto que a síndrome de Yang compreende as síndromes
superficiais de excesso e calor. (WEN, 1985)

A ciência oriental tem oito princípios para obter um diagnóstico fidedigno, os


quais incluem conhecimentos de teorias para assim associá-la para realizar a
aplicação da acupuntura. (BARROS, 1997)

Os teóricos chineses nos ensinam que não são energias opostas, ninguém é
verdadeiramente Yin ou Yang, mas sempre contêm uma pequena quantidade de
característica oposta, por exemplo, o dia seria considerado de caráter Yang,
enquanto a noite seria Yin, o dia precede a noite e vice-versa e complementam.
Características Yin: úmido, frio, lento, escuro, interno, dor contínua e localizada.
Características Yang: seco, quente, rápido, externo, claro, dor lancinante. (BARROS,
1997)

A avaliação de qualidade de vida relacionada à saúde é um método que tem


se tornado uma ferramenta importante, capaz de verificar o impacto da doença,
saúde e tratamento. Seus indicadores são multidimensionais, permitindo condições
de avaliação em que os indivíduos com a mesma doença possam apresentar
diferentes níveis de saúde e de bem-estares físico e emocional (CICONELLI, 2003).

O SF 36 é considerado uma escala apropriada para avaliar mais o aspecto


relacionado à qualidade de vida e mensurar atividades diárias. (COSTA & MATIAS,
2005).

OBJETIVO

Avaliar a eficácia da acupuntura na qualidade de vida e melhora da dor em


indivíduos com lombalgia, especificamente antes e após sessões de terapia,
diferenciada pela freqüência da acupuntura realizada diariamente ou duas vezes por
11

semana.

METODOLOGIA

A pesquisa clinica observacional de campo com abordagem analítico


qualitativa, a partir de dados coletados após atendimento de acupuntura e
preenchimento de uma ficha de avaliação subjetiva de dor e qualidade de vida.

Todos os indivíduos que participaram da pesquisa foram esclarecidos sobre o


propósito do projeto e dos procedimentos aplicados, e assinaram o termo de
participação voluntária, segundo a Declaração de Helsink (anexo 03).

O presente estudo foi realizado com 02 indivíduos portadores de lombalgia


aguda,sexo feminino, com idade média de 44 anos e não praticantes de atividades
físicas, foram excluídas aquelas com história de fraturas e/ou cirurgia na região
lombar. Todos foram tratados na Clínica Bonfisio de Senhor do Bonfim no Estado da
Bahia, em responsabilidade do fisioterapeuta e acupunturista Adeilza Pereira de
Lima CREFITO 40967-F; no período de julho a setembro de 2011, através de
levantamentos bibliográficos, explanação sobre a pesquisa para o público alvo e
coleta de dados.

As participantes tinham o diagnóstico clínico de Lombalgia (CID- M544) foram


submetidas a uma avaliação da Medicina Tradicional Chinesa inicial e final,
constando de características de identificação, observação, anmenese, avaliação
física e emocional, contendo todos os itens importantes e relevantes na medicina
oriental(pulso,língua,etiopatogenia e síndrome).

As pacientes A e B apresentavam dores localizadas sobre a parte inferior das


costas, originando na linha média, do tipo plenitude, que piora com o movimento e
melhora com o repouso; tinham transpiração noturna, depressão, boca seca à noite,
acordava várias vezes durante a noite; língua vermelha e saburra escassa. Para
12

acupuntura trata se de um diagnóstico de deficiência de yin do rim.

Os pacientes apresentavam mesma síndrome e consequentemente foram


submetidos ao mesmo tratamento, a cada sessão reavaliados os pacientes e
seguindo a mesma linha de atendimento.

Os pacientes receberam um tratamento que consiste de acupuntura por meio


de agulhas filiformes usando os seguintes pontos: ID3, B62, B40, VG3, VG4, VG14,
B23, B24, B25, B26, B60, VB34, Yintang, R7, R3, E36, IG4, F3.

A partir das características energéticas das pacientes, selecionaram os pontos


referentes ao quadro clínico de cada paciente, segundo Claudia Focks:

ID3: torna permeáveis o canal de energia e os vasos luo, problemas de coluna


vertebral, regulam o vaso Governador;

B62: tranquiliza o shen,alivia as dores no curso da coluna vertebral, abertura


do vaso maravilhoso;

B24 fortalece a parte inferior das costas;

B40: alivia as dores, beneficia a região lombar e os joelhos;

B23: fortalece a região lombar, ponto principal para fortalecimento dos rins;

B25: coindidia com o ponto ashi, fortalece a região lombar;

B26: coindidia com o ponto ashi, fortalece a região lombar, sobretudo nas
síndromes de insuficiência dos rins;
13

B60: fortalece o Qi dos rins, relaxa a musculatura e tendões, alivia a dor e


fortalece o baixo-ventre, região lombar, as costas e os joelhos;

VB34: ponto principal em doenças dos tendões e musculatura;

VG3: expulsa o frio, ponto local para tratamento de dores combinadas nas
costas e nos membros inferiores;

VG4: fortalece o yang dos rins, beneficia a região lombar;

VG14: beneficia a coluna, fortalece o Qi e o yang nos estados de insuficiência.


YINTANG: tranquiliza o shen

R7: harmoniza o Qi da bexiga, reforça a lombar e membros inferiores,


consolida os yangs dos rins;

R3: nutrir o yin do rim;

E36: fortalece condições de deficiências e fraquezas e tonifica o Qi; junto com


estes foram utilizados outros pontos para equilibrar o emocional;

IG4: libera endorfina, ponto de analgesia;

F3: sedação e melhora a circulação

Relatando em parâmetros ocidentais, através de uma avaliação postural


auxiliada pela inspeção, em que a alteração encontrada foi à escoliose e
hiperlordose que está relacionada com a dor, chegando a uma postura antálgica, e
que por dificuldades técnicas de demonstração não serão usadas com
argumentação científica no presente estudo.
14

Os pacientes foram submetidos a 10 sessões de tratamento com acupuntura


com duração em média de 30 minutos. Ressaltando que a cada cinco minutos todas
as agulhas foram manipuladas seja em tonificação ou sedação, tendo um dos
pacientes (A) atendimentos diariamente, e outro paciente (B) atendido duas sessões
por semana. Foram aplicados antes e após as 10 sessões, dois questionários,
sendo um genérico, de avaliação de qualidade de vida (SF-36), e outro
complementar, relativo à dor.

No questionário relativo à dor foi abordada localização, aparecimento em


repouso e/ou atividade, se constante ou intermitente, condição clínica e intensidade
da dor utilizando a Escala de Categoria Numérica. Em seguida, foi aplicado o
questionário genérico de avaliação de qualidade de vida SF-36, que é formado por
36 itens englobados em 8 escalas: capacidade funcional, aspectos físicos, dor,
estado geral de saúde, vitalidade, aspectos sociais, aspectos emocionais e saúde
mental.

Foi utilizada uma média de 16 agulhas descartáveis de aço inoxidável 30 por


40 mm por paciente, álcool e chumaços de algodão para limpeza dos locais a serem
puncionados,papel-toalha descartável para cobertura das macas.

A avaliação e controle da dor se deram por meio de uma escala analógica e


subjetiva graduada de “0” a “10” em que se atribuiu uma nota questionando-se
diretamente a paciente. Foi utilizada também uma escala de dor subjetiva que
relatava a dor relacionando às atividades de vida diárias dos pacientes.

TABELA 1: MÉDIA DO ESCORE DE CADA ITEM DO SF36, ANTES E APÓS O TRATAMENTO COM
ACUPUNTURA N=2

FATORES ANTES APÓS


Capacidade funcional 36,87 54,37
15

Aspecto físico 3,15 37,5

Dor 96 24

Estado geral de saúde 78 17

Vitalidade 92 13

Aspectos sociais 96 24

Aspecto emocional 89 12

Saúde mental 79 22
Fonte – Fonte – pesquisa realizada na Clínica Bonfisio – Senhor do Bonfim - Ba

A qualidade de vida melhorou no decorrer do tratamento.

A média dos escores das variáveis referentes ao questionário SF-36 estão


apresentadas na tabela 1. Quanto maior o escore, melhor o estado geral de saúde.

Após as 10 sessões de acupuntura, os pacientes deixaram de referir dor em


repouso, percebendo-se um alívio bem significante.

A intensidade da dor, medida pela escala numérica, antes do tratamento, foi


em média de 9,4 sendo que depois do tratamento diminuiu para 2,6.

IMAGEM 01: VALORES MÉDIOS DA QUANTIFICAÇÃO DA DOR DE ACORDO COM A ESCALA NUMÉRICA
DA DOR
16

10

9 PACIENTE A

    PACIENTE B
8

6    
   
5
   
4    
     
3
     
2
         
           
1            
0
1ª AVALIAÇÃO 5ª AVALIAÇÃO 10ª AVALIAÇÃO
Fonte – Fonte – pesquisa realizada na Clínica Bonfisio – Senhor do Bonfim - Ba

DISCUSSÃO

A acupuntura tem sido indicada para o tratamento de diversas condições


dolorosas (BEPPUS et al, 1992; WHITECLOUD; 2000).

Nos casos de doenças agudas, onde estão presentes as reações mais fortes,
a acupuntura tem um grande papel na diminuição do sofrimento e na rapidez da
recuperação, efeitos excepcionais na regeneração das lesões e minimizando a dor e
o desconforto. (SILVA, 2007)

Os resultados apresentados demonstraram a ocorrência da melhora da dor e


qualidade de vida nos pacientes. Em relação à dor, podemos observar que em todos
os casos houve diminuição na intensidade e localização dos pontos referidos, com
diminuição no número de pacientes que referiram dor constante e dor em repouso.

FILHO et al (2006), cita que essa patologia, em geral, não tem um tratamento
difícil, mas sim possuem uma má evolução, sendo responsáveis por uma parcela
17

significativa das causas da queda do desempenho no trabalho, porém com a


acupuntura obtivemos grandes resultados em todos os fatores avaliados.

Como tratamento de escolha para a lombalgia, a acupuntura preencheu todos


os quesitos como um recurso preparatório eficiente para a fisioterapia,
demonstrando ser eficiente como facilitador miorrelaxante e analgésico, trazendo
benefícios para as atividades da vida diária.

Segundo Waigner, a lombalgia como dor na parte inferior das costas, na qual
essa área das costas é intensamente influenciada pelos meridianos da bexiga e do
rim, resulta em baixa quantidade de energia Qi, sendo as principais causas da dor
nas costas, a deficiência rim-esforço excessivo e frio.

Já França; Senna e Cortez classificam a dor lombar em parâmetros orientais


que ocorre através da retenção da umidade e frio, estagnação de energia Qi e
deficiência do rim.

A lombalgia, para BERMAN caracteriza se pela presença de dor na região


lombar, provocado por deficiência do shun Qi - rins, uma vez que o shun Qi é que
governa a coluna vertebral principalmente a região lombar. O Shun Qi-rins está
relacionado com o Qi bexiga conseqüentemente com seu canal de energia, podendo
instalar-se bloqueio na região lombar.

Na presente pesquisa, encontramos as mesmas características citadas pela


literatura: estagnação do Qi e deficiência do rim, porém não se constatou a
correlação com a deficiência de bexiga, mas apresentou relação de deficiência de
rim devido às próprias características da amostra. Com o aparecimento do
envelhecimento ocasiona a deficiência das mesmas em relação à idade, e grau de
comprometimento da coluna decorrentes da diminuição da essência vital.

Em relação ao diagnóstico encontramos na literatura os seguintes


parâmetros: Waigner utilizou na avaliação oriental, cor da face, palpação,
18

interrogatório questionando dor aguda ou crônica e pulso; França; Senna e Cortez


realizaram o diagnóstico utilizando os mesmos parâmetros; nesta pesquisa
utilizamos apenas pulso e língua para o diagnóstico.

Neste estudo a diminuição na dor refletiu positivamente nos fatores


psicossociais dos pacientes com Lombalgia. Todas as variáveis comparadas pelo
questionário SF-36 apresentaram melhora, sendo os melhores resultados, com
aumento no escore em mais de 50%, atribuídos aos aspectos físico e emocional e a
dor. GOLDENBERG (2003) relata que a dor está intimamente envolvida com a
depressão, ansiedade, falta de condicionamento físico e problemas familiares.

Os efeitos neurobiológicos da acupuntura, que atua também sobre os


neurotransmissores relacionados com a dor e a depressão, qualificam o método
como útil e adequado na terapêutica da dor (CARNEIRO, 2001).

A freqüência do tratamento deve ser realizada diariamente ou a cada dois


dias durante 7 a 10 dias, em patologias crônicas e severas. (LEE, 2000).

Freqüência do Tratamento: Nos hospitais chineses a acupuntura é aplicada


diariamente até que o paciente se sinta melhor. Dez sessões são consideradas um
ciclo de tratamento (SPROTT et al, 1998).

Duração do tratamento: O tratamento é feito uma vez ao dia; 10 tratamentos


constituem uma série. Uma segunda série pode ser iniciada após 3 a 4 dias de
intervalo (INADA, 2003).
Segundo Silva, as sessões em geral são semanais e o tratamento pode durar
por algumas semanas ou meses, dependendo do problema e da resposta ao
tratamento.

Quanto a freqüência da acupuntura nos casos agudos ou as agudizações de


situações crônicas podem requerer diversas sessões, repetidas periodicamente no
mesmo dia, ou em dias subseqüentes. A reavaliação deve ser feita seguidamente.
19

Os casos crônicos costumam exigir tratamento prolongado. Recomenda-se seguir


um protocolo em que depois de dez sessões, realizadas uma ou duas vezes por
semana, seja procedida uma reavaliação, que indicará a necessidade e a
conveniência de programar outra série de sessões. (MENGZ, 1979)

O tempo de permanência das agulhas recomendado para a maioria dos casos


é de 15 a 20 minutos, depois da obtenção da sensação chamada Deqi, típica da
Acupuntura, que varia segundo o tipo de fibra nervosa estimulada. O mesmo padrão
de tempo é usado para a eletroestimulação. Em alguns casos o tempo de
permanência é menor, como no paciente debilitado, crianças e idosos. Nas
condições crônicas, especialmente dolorosas, com contraturas e espasmos, é
habitual uma permanência maior. (DOUGLAS, 1999)

A duração total de uma sessão de Acupuntura é aumentada quando se


aplicam, na mesma sessão, pontos situados na face anterior do corpo e
extremidades, e pontos situados na região dorsal. (STAAUSS, 2001)

Segundo Paulo Noleto a técnica de agulhamento segue etapas: Retenção das


agulhas por 30 minutos; A cada 10 minutos fazer manipulação em dispersão de
cada agulha inserida;Para casos muito agudo, tratar 2 vezes ao dia;Nos comuns,
tratamento diário;Uma série é constituída de 10 sessões. Entre séries é necessário 3
dias de intervalo.

CONCLUSÃO

Em decorrência da grande incidência de Lombalgia Aguda observada durante


os tempos de atendimentos no ambulatório aconselha-se a realização de palestra
20

educativas que abordem orientações aos profissionais quanto a freqüência de


sessões de acupuntura com atendimento diariamente mais eficaz em fases agudas
do que atendimento semanais duas vezes por semana,visando evitar a progressão
do quadro clinico do paciente e repercussões a outros sistemas do organismo

Apesar das limitações próprias do estudo, tal como a ocorrência de amostra


pouco representativa, o estudo em questão torna-se importante por contribuir com
novos dados e estimular pesquisas sobre acupuntura no tratamento da dor e
melhora na qualidade de vida. Pode-se concluir que houve efetividade da
acupuntura no tratamento da lombalgia aguda nesses pacientes, assim podemos
supor que o método utilizado é mais eficaz em tratamento de acupuntura realizados
diariamente, do que as sessões de acupuntura realizadas duas vezes por semana
para a lombalgia.

Estima-se que a pesquisa forneça subsídios para outros estudos sobre o


melhor método de tratamento de lombalgia aguda utilizando a acupuntura, diante da
escassez de informações sobre a eficácia do atendimento e freqüência da
acupuntura.

REFERÊNCIAS

ALTMAN, S. Acupunture as na emergency treatment. California.1997.

BARROS TF. Coluna vertebral, Diagnóstico e Tratamento das Principais


Patologias. SãoPaulo: Sarvier, 1997.

BEPPUS, S. et al. Pratical application of meridian acupuncture treatment


fortrigeminal neuralgia. Anesth Pain Control Dent. 1992.

BERMAN B. M; EZZO J; HADHAZY V; S WYERS JP. Is acunpucture effective in the


treatment of fibromyalgia? J Fan Pract; 48 (3):213-8, 1999.

CARNEIRO, N. M. Acupuntura no Tratamento da Dor Miofascial. Projeto


Diretrizes:Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina. 2001, 13p.
21

CICONELLI, R. M. Medidas de avaliação de qualidade de vida. Revista Brasileira


de Reumatologia. v. 43, n.2, p. IX-XIII, mar./abr., 2003.

COSTA, H. O; MATIAS, C. O impacto da voz na qualidade da vida da mulher idosa.


Revista Brasileira de Otorrinolaringologia. v.71, n.2, 172-8, mar./abr. 2005.

DING L. Acupuntura Teoria do Meridiano e Pontos de Acupuntura. São Paulo:


Roca, 1996.

DOUGLAS F. Low Back Pain: Care & Prevention with Traditional Chinese Medicine.
Blue Poppy Press, Inc. 1999.

ERNST, L; WHITE, A. Acupuntura:Uma avaliação cientifica. Manole: 1ª edição.


São Paulo. 2001.

FILHO, G. I. R.; MICHELS, G.; SELL, I. Lesões por esforços


repetitivos/distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho em
cirurgiões-dentistas. Revista Brasileira de Epidemiologia. 2006; 9(3): pág. 346-359.

FOCKS, C. et MÄRZ, U. Guia Prático de Acupuntura: localização de pontos e


técnicas de punção. [tradução Reinaldo Guarany].Barueri, SP:Manole,2008.

FRANÇA D, SENNA FV, CORTEZ MC. Acupuntura cinética como efeito


potencializador dos elementos modulares do movimento no tratamento de
lesões desportivas. Revista Brasil. 2004 mar/ abr; 5(2):

Fundação Antonio Prudente. Dor mensuração. Publicado em 28/01/2002


[capturado 2004 out] Disponível em:
http://www.saudeemmovimento.com.br/conteudos/conteudo_exibe1.asp?cod_noticia
=39.

FURLAN, A. D.; VAN TULDER, M. W; CHERKIN, D. C; TSUKAYAMA, H; LAO, L;


KOES, B. W; BERMAN, B. M. Centro Cochrane do Brasil – Acupuntura para
lombalgia. 2005. 207f. Revisão Sistemática publicada na Cochrane Library, São
Paulo, 2005.
GOLDEMBERG, J. Coluna ponto e Vírgula – Colocando um ponto nas
dúvidas.Colocando vírgula nos mitos. Rio de janeiro: Atheneu, 2003, p.3-5; 7 -12

HAN et AL, Progress in the pharmacological studies of acupuncture analgesia.

In Research on acupuncture,moxibustion,and acupuncture anesthesia, ed Xiantong


Z, Beijing,Science Press,1986; 565-72.
22

HAN, J. S. Physiologic and neurachemical basic of acupuncture analgesia. In


Research on acupuncture,moxibustion,and acupuncture anesthesia, ed Xiantong Z,
Beijing,Science Press,1986; 589-97.

HE, L. Involvemet of endogeous opioid peptides in acupuncture analgesia.


Pain,1987; 31:99-121.

HOPWOOD V, LOVESEY M, MOKONE S. Acupuntura e Técnicas relacionadas à


Fisioterapia. São Paulo: Manole, 2001.

http://www.centrobrasileiro.com.br/biblioteca/acupuntura/portugues/063.pdf->Acesso
em 10 Jun 2008.

INADA,T. Técnicas simples que complementam a acupuntura e


moxabustão.1ªed.São Paulo: Roca, 2003. 50/ Volume 1/ Numero 2.

KANDELL, E. R; SCHARWARTZ, J. H; JESSEL, T. M. Principies of neural science.


New York.Elsevier, 1991.

KWANG, W. T. YNSA, 2000. Disponível em:

LEE, T. L. Acupuncture and chronic pain management. Ann Acad Med Singapore;
29(1): 17-21, 2000.

MACIOCIA G. A Prática da Medicina Chinesa. São Paulo: Roca, 1996.

MANN, F. Acupuntura: A antiga arte chinesa de curar. São Paulo:Hemus,1971.

MENG Z.W. The Origin, Establishment and Prospect of The Theory of Channels,
in Advances in Acupuncture and Acupuncture Anaesthesia - Abstracts of
Papers, National Symposium of Acupuncture, Moxibustion and Acupuncture
Anaesthesia, Dept, of Acupuncture Anaesthesia and Channels, Anhuei College of
TCM, Beijing, June, 1979

NOLETO, PAULO. Coluna Vertebral “Como eu trato”. Apostila do curso de coluna


vertebral. Salvador.2010.

O’CONNOR,J; BENSKY, D. A summary of research concerning the effectes the


acupuncture. Am J Chin Med 1975; 3: 377-84.
23

ONETTA, R.C. Bases neurofisiológicas da acupuntura no tratamento da dor.


2005. 98f.Trabalho de Conclusão do Curso (Graduação em Fisioterapia) - Centro de
Ciências Biológicas e da Saúde da Universidade Estadual do Oeste do Paraná,
Cascavel, 2005.

RANSFORD AO, CAIRNS D, MOONEY V. The pain drawing as an aid to the


psychological evaluation of patients with low back pain. Spine.1976; 1:1–127.

Revista Oriente,2007

REYNALDO JGF, Marcos K, Francisco PES, Dan CMV, Eduardo BP. Ensaio clínico
randomizado, duplo-cego, comparativo entre a associação de cafeína,
carisoprodol, diclofenaco sódico e paracetamol e a ciclobenzaprina, para
avaliação da eficácia e segurança no tratamento de pacientes com lombalgia e
lombociatalgia agudas. Acta .Ortop Brás. 2006;14(1):11-6.

ROSS, J. Zang fu: Sistemas de órgãos e vísceras da Medicina Tradicional Chinesa.


Ed. Rocca. 2ª edição. São Paulo,1994

SAHA. 2001 Jan [capturado em 25/06/2005] Disponível em:


http://www.sahajayoga.org

SENNA F. Acupuntura cinética: TratamentoSistemático do Aparelho Locomotor


por Acupuntura associado à Cinesioterapia. Revista Brasil, 2003 Maio/Junho;
4(3)

SILVA, A. Fundamentos da Medicina Tradicional Chinesa. 43 p. 2006.


Disponívelem:<http://www.acupuntura.pro.br/Fundamentos_da_Medicina_Tradicional
_Chinesa.pdf >Acesso em: 10.Abr. 2007

SILVA,G.A. Tudo o Que Você Queria Saber Sobre acupuntura.

SPROTT H; FRANKE S; KLUGE H; HEIN G.Pain treatment of fibromyalgia by


acupuncture. Rheumatol Int; 18(1):35-6,1998

STAAUSS S. Myofascial Pain Syndromes - A short review, The Trigger Points Story.
Where East Meets West, http://www.MedicineAustralia/coverpage.html, 1997

SZABÓ, M.V.R.; BECHARA, G.H. Acupuntura: bases científicas e aplicações.


Ciência Rural, 2001.

THOMAS,M;LUNDBERG,T.Importance of modes of acupuncture in thetreatment


24

of chronic nociceptivelow back pain

WAIGNER, D.F. O estudo da lombalgia na medicina tradicional chinesa. Curitiba:


Colégio Brasileiro de Estudos Sistêmicos, 2002.

WANCURA, J; KÖNIG, G. On the neurophysiological explanation of


acupuncture nalgesia. Am J Chin Med 1974; 2: 193-4

WEI,L. I. Scientific advance in acupuncture. Am J Chin Med 1979; 7: 53-75,

WEN, S.T. Acupuntura Clássica Chinesa. São Paulo: Cultrix, 1985.

WHITECLOUD, T. S. Low back pain. In: Rake, editor. Conn´s current therapy. 52nd
ed. Phyladelphia: W. B. Saunders; 2000

XIE, G.X; HAN,J.S. Dynorphin. Important mediator for eletro-acupuncture analgesia


in the spinal cord of the rabbit. Pain,1984;18: 367-377.

XINZHONG, Q. Progress in scientific research on acupuncture, moxibustion


and acupuncture anesthesia integrating Traditional Chinese and Western
Medicine. In Research on acupuncture,moxibustion,and acupuncture anesthesia, ed
Xiantong Z, Beijing, Science Press,1986; 1-18.

YAMAMURA, Y. Acupuntura Tradicional: A arte de inserir. Ed.Rocca. São Paulo,


1993.

YAMAMURA, Y. Acupuntura na gravidez. In: TEDESCO, J. J. A. A Grávida: Suas


Indagações e as Dúvidas do Obstetra. Rio de Janeiro: Atheneu, 2000, p. 305-317.
25

ANEXOS
26

ANEXO 01
FICHA DE AVALIAÇÃO
27

ACUPUNTURA - FICHA PARA ANAMNESE

1. IDENTIFICAÇÃO

Nome:
Idade: Responsável:
Parentesco:
Endereço(s): Telefone(s):
Atividade/Profissão:
Data:
Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino
Estado civil:
Lado dominante: ( ) Direito ( ) Esquerdo

2. AVALIAÇÃO DA DOENÇA

Pressão arterial: _________________________________________________


Queixa principal:
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
Queixa secundaria:
___________________________________________________________________
28

___________________________________________________________________
_______________________________________________________
Analise do Sono. Dorme bem? Tem sonhos?
Como acorda?
Alimentação?
Sistema digestivo:
Sistema respiratório:
Sistema circulatório:
Sistema genito urinário:
Sistema osteo muscular:
Dores de cabeça?
Bebe muita água? Tem sede?
Preferência pela água: ( ) gelada ( ) natural ( ) morna
Preferência por sabor: ( )doce ( )salgado ( )picante ( )amargo ( ) azedo
Preferência por clima: ( ) quente ( ) frio
Transpiração:
Atividade física:
Sente se: ( ) ansiedade ( ) nervoso ( ) medo ( ) triste ( ) raiva

3. ATENÇÃO FARMACÊUTICA

Histórico de problemas/doenças:
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
_______________________________________________________
 Realizou alguma cirurgia? ( )Sim ( ) Não. Qual o motivo?
___________________________________________________________________
___________________________________________________________Está
fazendo algum tratamento? ( )Sim ( ) Não.
Para qual patologia ? Qual a terapia ?
___________________________________________________________________
___________________________________________________________
29

Medicamentos prescritos:
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________

Demais drogas utilizadas:


___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________

4.ANÁLISE DA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA

Pulso:
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
Língua:
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
Síndrome:
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
Etiopatogenia:
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________

Diagnóstico:
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
30

___________________________________________________________________
Conduta de tratamento:
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________

ANEXO 02
FICHA DE AVALIAÇÃO SUBJETIVA DA DOR
31

Índice Oswestry 2.0 de Incapacidade.

Por favor, você poderia completar este questionário? Ele é elaborado para nos dar
informações de como seu problema nas costas (ou pernas) têm afetado seu
dia-a-dia.Por favor, responda a todas as seções. Marque apenas um “X “ em cada
seção, aquele que mais de perto descreve você hoje.

Seção 1: Intensidade da dor.


Sem dor no momento
A dor é leve nesse momento
A dor é moderada nesse momento
A dor é mais ou menos intensa nesse momento
A dor é muito forte nesse momento
A dor é a pior imaginável nesse momento

Seção 2: Cuidados pessoais (Vestir-se, tomar banho etc.)


32

Eu posso cuidar de mim sem provocar dor extra


Posso me cuidar mas me causa dor
É doloroso me cuidar e sou lento e cuidadoso
Preciso de alguma ajuda, mas dou conta de me cuidar
Preciso de ajuda em todos os aspectos para cuidar de mim
Eu não me visto, tomo banho com dificuldade e fico na cama.

Seção 3: Pesos
Posso levantar coisas pesadas sem causar dor extra
Se levantar coisas pesadas sinto dor extra
A dor me impede de levantar coisas pesadas, mas dou um jeito, se estão bem
posicionadas
A dor me impede de levantar coisas pesadas mas dou um jeito de levantar coisas
leves ou pouco pesadas se estiverem bem posicionadas.
Só posso levantar coisas muito leve
Não posso levantar nem carregar nada.

Seção 4: Andar
A dor não me impede de andar (qualquer distância)
A dor me impede de andar mais que 2 Km
A dor me impede de andar mais que ? Km
A dor me impede de andar mais que poucos metros
Só posso andar com bengala ou muleta
Fico na cama a maior parte do tempo e tenho que arrastar para o banheiro

Seção 5: Sentar
Posso sentar em qualquer tipo de cadeira pelo tempo que quiser
Posso sentar em minha cadeira favorita pelo tempo que quiser
A dor me impede de sentar por mais de 1 hora
A dor me impede de sentar por mais de ? hora
A dor me impede de sentar por mais que 10 minutos
A dor me impede de sentar
33

Seção 6- De pé
Posso ficar de pé pelo tempo que quiser sem dor extra
Posso ficar de pé pelo tempo que quiser, mas sinto um pouco de dor
A dor me impede de ficar de pé por mais de 1 h
A dor me impede de ficar de pé por mais ? hora
A dor me impede de ficar de pé por mais de 10 minutos
A dor me impede de ficar de pé

Seção 7: Sono
Meu sono não é perturbado por dor
Algumas vezes meu sono é perturbado por dor
Por causa da dor durmo menos de 6 horas
Por causa da dor durmo menos de 4 horas
Por causa da dor durmo menos de 2 horas
A dor me impede de dormir.

Seção 8: Vida sexual (se aplicável)


Minha vida sexual é normal e não me causa dor extra
Minha vida sexual é normal, mas me causa dor extra
Minha vida sexual é quase normal, mas é muito dolorosa
Minha vida sexual é muito restringida devido à dor
Minha vida sexual é praticamente inexistente devido à dor.
A dor me impede de ter atividade sexual.

Seção 9: vida social


Minha vida social é normal e eu não sinto dor extra
Minha vida social é normal, mas aumenta o grau de minha dor.
A dor não altera minha vida social, exceto por impedir que faça atividades de
esforço, como esportes, etc
A dor restringiu minha vida social e eu não saio muito de casa
A dor restringiu minha vida social a minha casa
34

Não tenho vida social devido a minha dor.

Seção 10: Viagens


Posso viajar para qualquer lugar sem dor.
Posso viajar para qualquer lugar, mas sinto dor extra
A dor é ruim, mas posso viajar por 2 horas
A dor restringe minhas viagens para distâncias menores que1 hora
A dor restringe minhas viagens para as necessárias e menores de 30 minutos
A dor me impede de viajar, exceto para ser tratado.

ESCALA NUMÉRICA DO DOR

Marque na tabela abaixo a nota que você daria para sua DOR atual.
( ) 1 ( ) 2 ( ) 3 ( )4 ( ) 5 ( )6 ( )7 ( ) 8 ( ) 9 ( )10
0=nenhuma dor. 10= máxima dor possível

Referência:
Ransford AO, Cairns D, Mooney V. The pain drawing as an aid to the psychological
evaluation of patients
with low back pain. Spine.1976;1:1–127.
35

ANEXO 03
DECLARAÇÃO DE CONSENTIMENTO

DECLARAÇÃO DE HELSINK

Declaração de consentimento para participação da pesquisa cientifica.

Eu, ____________________________________________, declaro que dou meu


consentimento para participação na pesquisa clinica _________________________
de livre e espontânea vontade, participo voluntariamente do experimento conforme
36

Resolução 196/96 do Ministério da Saúde. Afirmo que fui informado dos objetivos
deste estudo, dos benefícios que podem resultar e dos possíveis desconfortos que
por ventura possa sentir.

Senhor do Bonfim – BA, _________/____________/____________