Você está na página 1de 20

FACULDADE ANHANGUERA – UNIDERP

POLO PIRITUBA
CURSO: SERVIÇO SOCIAL

Raquel Francelina Gonçalves Santiago

RA:2317059008
RELATÓRIO SOCIAL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO II

SÃO PAULO – SP
2020
FACULDADE ANHANGUERA – UNIDERP
POLO PIRITUBA
CURSO: SERVIÇO SOCIAL

Raquel Francelina Gonçalves Santiago

RA: 2317059008

RELATÓRIO SOCIAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO II


PROJETO PESSOAS EM SITUAÇÃO DE RUA

Relatório de estágio apresentado ao Curso de Serviço


Social do Centro de Educação a Distância CEAD da
Universidade Anhanguera UNEDERP como requisito
obrigatório para cumprimento da disciplina de estágio
supervisionado lI.

SÃO PAULO – SP
2020
SUMÁRIO
1. IDENTIFICAÇÂO............................................................................................4
2 .INTRODUÇÂO................................................................................................5
3. DESENVOLVIMENTO....................................................................................6
4. CONSIDERAÇÕES FINAIS............................................................................7
5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS................................................................7
1. IDENTIFICAÇÂO
Nome do Estagiário: Raquel Francelina Gonçalves Santiago
Curso: Serviço Social
Telefone: (11) 3942 6371
E-mail: raquelfgsantiago@yahoo.com.br

Nível de Estágio Supervisionado : estagio Il


Local de Estágio: AMAS – ASSOCIAÇÃO METODISTA DE AÇÃO SOCIAL
CNPJ: 47.685.896/0001-53
Endereço: Av. Liberdade,659
CEP: 01503 - 001
São Paulo/SP.

Nome da supervisora Acadêmica: Marcia Baco


Cress: 31219 .9ª Região

Nome da supervisora de Campo: Rosângela Brasil Silva


CRESS: 51522 9ª Região
Carga Horária: 150 horas Início: 26/03/2020 Término: a 04/05/2020
De segunda a sexta-feita Ch:06 hrs 07:00 as 13: 00 hs. 
2. INTRODUÇÃO

O relatório de estagio II e uma exigência do curso de serviço social, que proporcionando


análise em: teoria e prática no exercício de aprendizagem de um futuro profissional que
deve intervir de forma planejada e criativa, diante de uma dificuldade vivenciada na
instituição, como objetivo Projeto de Intervenção social
AMAS – Associação Metodista de Ação Social
Oferecer proteção social a pessoas adultas em situação de rua.
Por meio de desenvolvimento de suas potencialidades, bem como favorecer aquisições
para a conquista da autonomia, do protagonismo e da cidadania, mediante o
fortalecimento .
3. Desenvolvimento
O projeto de intervençâo social e questâo foi desenvolvido com objetivo de traze mais
qualidade de vida as pessoas em situação de Rua.
Realizamos uma análise de sua demanda e de sua realidade social, os resultados
obtidos, no entanto parcial, pois o trabalho é continuo.
As informações apresentadas foram coletadas por meio de entrevistas com a
Assistente Social, seguindo as questões previstas em roteiro previamente
elaborado.

4. Considerações Finas
Experiência de informar e formar o cidadão de seus direitos e deveres, através de ações
de formação e reinserção do indivíduo na sociedade.
Constatamos que as pesquisas possuem interesse em compreender as razões e os
motivos das pessoas viverem nas ruas, bem como os diferentes modos de se
relacionarem nas e com as ruas. Estão comprometidas com a desconstrução de
estereótipos, estigmas e preconceitos relacionados essas pessoas; apresentam e as
descrevem de forma humanizada e objetivam desenvolver um conhecimento que possa
contribuir para melhorar de alguma forma suas dificuldades.
Acolhida; escuta; estudo social; diagnóstico socioeconômico; informação, comunicação e
defesa de direitos;
5.Bibliografia

ROCHA, Ana Lúcia. Cartografia – aposta para ir além: o contágio potente da vida
modificando planos de ação. In: Boletim educação & Participação. Ano IV - n°14.
Cenpec, ago/set 2005.

ROCHA, M. C. A experiência de educar na rua: descobrindo possibilidades de


ser-no-mundo. Dissertação. Mestrado no Instituto de Psicologia da USP, 2000.

ROCHA, M. C. Juventude: apostando no futuro. Revista


Imaginário - USP, v. 12,

www.scielo.br acesso 22abril 2020


FACULDADE ANHANGUERA – UNIDERP
POLO PIRITUBA
CURSO: SERVIÇO SOCIAL

Raquel Francelina Gonçalves Santiago

RA:2317059008

RELATÓRIO SOCIAL ESTÁGIO ll


PROJETO DE INTERVENÇÃO

SÃO PAULO – SP
2020
FACULDADE ANHANGUERA – UNIDERP
POLO PIRITUBA
CURSO: SERVIÇO SOCIAL

Raquel Francelina Gonçalves Santiago

RA: 2317059008

PROJETO DE INTERVENÇÃO - Estagio II

Relatório de estágio apresentado ao Curso de Serviço


Social do Centro de Educação a Distância CEAD da
Universidade Anhanguera UNEDERP como requisito
obrigatório para cumprimento da disciplina de estágio
supervisionado lI.

SÃO PAULO – SP
2020
SUMÁRIO
INTRODUCÃO.........................................................................................................4
IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO.......................................................................5
DADOS DO PROJETO
Problema Diagnosticado

OBJETIVO GERAL.................................................................................................6
OBJETIVO ESPECÍFICO........................................................................................6
JUSTIFICATIVA......................................................................................................6
PÚBLICO ALVO......................................................................................................7
METODOLOGIA......................................................................................................7
AÇÕES....................................................................................................................8
ATIVIDADES.........................................................................................................8.1
ATIVIDADES LÚDICAS........................................................................................8.3
OFICINAS TEMÁTICAS/ PALESTRAS................................................................8.5
AÇÕES/RESULTADO X METAS............................................................................9
EQUIPE RESPONSÁVEL.....................................................................................10
CONSIDERAÇÃOS FINAIS
Bibliografia
INTRODUÇÃO
O presente relatório de Estágio Il é uma exigência do Curso de Serviço Social, que visa
possibilitar a identificação na questão social e do reconhecimento teórico e prático das
intervenções públicas.
Durante o estagio foram observados as realizações de: O acolhimento as pessoas em
vulnerabilidade social em São Paulo
especialmente nas ruas, vielas, viadutos e praças, mostram-nos a difícil tarefa de pessoas
que compartilham de uma triste situação, homens, mulheres, velhos e crianças em
situação de pobreza extrema, vínculos familiares rompidos e em muitas situações de uma
fragilidade tão grande que são expostas as mazelas dos mais fracos evidenciando assim
a necessidade do nosso compromisso social. A história da nossa AMAS Catedral SP,
portanto, se mistura com a história sofrida do povo.
1 – Identificação
1.DADOS DA INSTITUIÇÃO
IDENTIFICAÇÃO DO CAMPO
Nome do Estagiário: Raquel Francelina Gonçalves Santiago
Curso: Serviço Social
Telefone: (11) 3942 6371
E-mail: raquelfgsantiago@yahoo.com.br

Nível de Estágio Supervisionado : estagio Il


Local de Estágio: AMAS – ASSOCIAÇÃO METODISTA DE AÇÃO SOCIAL
CNPJ: 47.685.896/0001-53
Endereço: Av. Liberdade,659
CEP: 01503 - 001
São Paulo/SP.

Nome da supervisora Acadêmica: Marcia Baco


Cress: 31219 .9ª Região

Nome da supervisora de Campo: Rosângela Brasil Silva


CRESS: 51522 9ª Região
Carga Horária: 150 horas Início: 26/03/2020 Término: 04/05/2020
De segunda a sexta-feita Ch:06 hrs 07:00 as 13: 00 hs. 
Histórico da Instituição
A história que marcou e têm marcado a vida da Associação Metodista de Ação Social
AMAS – Catedral SP com uma atuação desde 16 de novembro de 1975. Na sua história
possui inicialmente um serviço que se mantem até os dias atuais chamado Centro para
Criança e Adolescentes, que atende crianças e adolescentes de 6 a 14 anos no período
de contraturno escolar, de segunda a sexta-feira.
Sua atuação continuou junto a pessoas em vulnerabilidade em São Paulo se expandiu na
década de 80, especialmente por entender sua responsabilidade social como um
chamado a ser e também por acreditar que seu envolvimento com as pessoas em
situação de sofrimento é uma importante forma de contribuição para a construção de um
mundo mais justo, mais amoroso e cheio de vida. Ao longo destes anos a AMAS Catedral
SP dedica-se a estas importantes pessoas com o objetivo de oportunizar uma vida digna,
produtiva e baseada nos princípios cristãos.
A realidade encontrada na cidade de São Paulo, especialmente nas ruas, vielas, viadutos
e praças, mostram-nos a difícil tarefa de pessoas que compartilham de uma triste
situação, homens, mulheres, velhos e crianças em situação de pobreza extrema, vínculos
familiares rompidos e em muitas situações de uma fragilidade tão grande que são
expostas as mazelas dos mais fracos evidenciando assim a necessidade do nosso
compromisso social. A história da nossa AMAS Catedral SP, portanto, se mistura com a
história sofrida do povo.
De 1987 a 1991 um grupo de pessoas serviam nas manhãs de domingo, no Parque Dom
Pedro um café da manhã para cerca de 700 pessoas em situação de rua.
O ano de 1991 tem uma relativa importância nesta caminhada, através da inserção de
metodistas na ação realizada pela Comunidade dos Sofredores de Rua, os quais
auxiliavam na preparação e distribuição de uma sopa comunitária para cerca de 400
pessoas, utilizando verduras e legumes doados por feirantes no viaduto do Glicério às
quartas-feiras, a AMAS Catedral SP viu uma excelente oportunidade de ação e
cumprimento do seu chamado.
No segundo semestre do ano de 1991 uma supervisora da Secretaria de Assistência
Social observou o trabalho que estava sendo desenvolvido, propondo a realização de um
trabalho mais estruturado para o atendimento à população em situação de rua.
No dia 12 de março de 1992, nasce a Comunidade Metodista do Povo de Rua – Morada
do SOL, sendo estabelecida no Viaduto Pedroso, na região do bairro da Bela Vista.

O acolhimento as pessoas em vulnerabilidade social em São Paulo se estendem até os


dias atuais através de 4 projetos com objetivos e públicos diferentes, porém todos
cumprindo a missão de participar da ação de Deus e Seu propósito de libertar o ser
humano e a sociedade de tudo o que os escraviza.
Atualmente contamos com Quatro projetos em andamento:
- Núcleo Socioeducativo para Crianças e Adolescentes (CCA) – 120 atendimentos dia
- Centro de Acolhida “Morada do Sol” para pessoa em situação de Rua - 350
atendimentos dia / 24 horas por dia / Homens e Mulheres
- República “Morada do Sol” para pessoas em situação de Rua - 16 moradores / 24 horas
por dia
- Serviço de Acolhimento de Crianças e Adolescentes em situação de Vulnerabilidade –
15 moradores / 24 horas por dia
2. Dados do Projeto
2. 1 Titulo do projeto
Pessoas em situações de Rua
 pessoas em situação de rua, de ambos os sexos, acima de 18 anos.
Elaborado é uma ação social planejada, estruturada em objetos, resultados em
atividades e foco no trabalho.
2.2 Local e Desenvolvimento das atividades
AMAS – ASSOCIAÇÃO METODISTA DE AÇÃO SOCIAL
CNPJ: 47.685.896/0001-53
Endereço: Av. Liberdade,659
CEP: 01503 - 001
São Paulo/SP.

2.3 Area de abrangencia


Zona Sul – Lalibedade Cidade: São Paulo/SP.

3. Problema Diagnosticado
Investimento econômico e social de grupos populares, a partir de iniciativas de
capacitação que lhes garantam meios para o desenvolvimento da capacidade produtiva e
de gestão, a fim de viabilizar a transição de pessoas/ famílias e grupos em situação de
vulnerabilidade e risco, para a situação de autonomia, possibilitando acesso a condições
mínimas de sobrevivência e elevação do padrão de qualidade de vida. O serviço deve
estar articulado com as demais políticas setoriais.
3.Objetivo Geral
Projetos e Programas da Instituição
O acolhimento as pessoas em vulnerabilidade social em São Paulo se estendem até os
dias atuais através de 4 projetos com objetivos e públicos diferentes, porém todos
cumprindo a missão de participar da ação de Deus e Seu propósito de libertar o ser
humano e a sociedade de tudo o que os escraviza.
Atualmente contamos com Quatro projetos em andamento

4.Objetivo Especifico
Acolher e ofertar refeições adequadas, e propiciar o desenvolvimento da sociabilidade por
meio da promoção de atividades orientadas que norteiem a construção de vínculos
interpessoais, inter geracionais e familiares na perspectiva da reinserção social.
Forma de acesso ao serviço: Demanda encaminhada pelo CRAS, CREAS, Centros
POP, rede socioassistencial e procura espontânea.
Encaminhamentos dos acolhidos; inserção e acompanhamento na rede sócio-
assistencial; construção, com os demais profissionais do serviço, do acompanhamento
individualizado; participação na construção do Plano Individual de Atendimento (PIA);
participar das reuniões de equipe, discussões de caso e espaços de formação
continuada; elaboração de relatórios aos órgãos competentes e ações em grupo.
5.Justificativa
Caracterização do serviço: Serviço ofertado para pessoas adultas que utilizam as ruas
como espaço de moradia e sobrevivência, com a finalidade de garantir a guarda de
pertences pessoais, inserção na rede de serviços socioassistenciais e acompanhamento
social na perspectiva da construção do processo de saída das ruas. A permanência da
bagagem no serviço será de 3 meses, podendo ser prorrogada por mais um mês, a
critério da avaliação feita pelo assistente social.

6. Público Alvo

 Pessoas adultas em situação de rua


E fortalecimento de vínculos dos grupos familiares .

7- Descrição do espaço físico

E dos recursos institucionais, físicos, materiais e humanos necessários para o


desenvolvimento das atividades.
• Alimentação;
• Sala(s) de atendimento individualizado: Ambiente(s) que deve(m) garantir a privacidade
do atendimento prestado aos usuários e o estabelecimento de vinculo de confiança com
os profissionais do serviço;
• Acessibilidade em todos seus ambientes para pessoas com deficiências;
• Iluminação e ventilação adequadas;
• Limpeza e conservação do espaço;
• Mobiliários compatíveis com o atendimento proposto;
• Computador com configuração que comporte acesso a sistemas de dados e provedores
de internet de banda larga;

7.1 Relação de Atividades e datas de execução


Para atender aos objetivos deste estudo e obtenção das informações, optou-se pela
técnica de Discussão de Grupo, com pequeno número de participantes e presença de um
coordenador técnico, com o intuito de focalizar e aprofundar a discussão. Foram
efetuadas duas reuniões com intervalo de 15 dias.

8 . Parceiros Técnicos/ Financeiros

Gerente de Serviço Ensino Superior

Assistente Técnico Ensino Superior

Serviço Geral Ensino Fundamental

Assistente Social Ensino Superior

Psicóloga Ensino Superior

Serviço social Estagiaria

Seguanga Ensino Médio

Cozinheros Ensino Médio

Agente Operacional II Ensino Médio

Orientador Sócio Educativo II Ensino Médio

9. Produtos dos Projetos

Oferecer proteção social á pessoas , em situação de vulnerabilidade e risco, por meio de


desenvolvimento de suas potencialidades, bem como favorecer aquisições para a
conquista da autonomia, do protagonismo e da cidadania, mediante o fortalecimento de
vínculos comunitários.
10 . Impactos Esperados
Participação de pessoas em situação de Rua .
11 – Cronograma Fisico
Estrutura Física
Alimentação;
 Sala(s) de atendimento individualizado: Ambiente(s) que deve(m) garantir a
privacidade do atendimento prestado aos usuários e o estabelecimento de vinculo
de confiança com os profissionais do serviço;
 Cozinha, despensa e refeitório: espaço para organização e elaboração das refeições
 Instalações sanitárias exclusivas para uso feminino e masculino;
 Acessibilidade em todos seus ambientes para pessoas com deficiências;
 Iluminação e ventilação adequadas;
 Limpeza e conservação do espaço;
 Mobiliários compatíveis com o atendimento proposto;

Planejamento do Plojeto
Contatos com profissionais
Reuniões, paletras direcionada para todos usuários.

12. Investimentos .

orçamento simplificado

PAN-Programa

Governo do Estado
13 .Meta de Público/Alvo
Participantes Quantidade
Pessoas em situação de Rua 300 pessoas por dia

14 . Metodologia
Pesquisa, aprofundar e ampliar o conhecimento da população atendida;
A visita domiciliar, acolhimento e escuta, atendimento individual .

CONSIDERAÇÃOS FINAIS
Realizar supervisão de forma direta á estudantes de cursos de serviço social; orientar e
estimular o desenvolvimento critica do fazer profissional, respeitando os preceitos
contidos no código de ética profissional do assistente social e no projeto ético politico da
profissão e legislação de âmbito Federal, Estadual e Municipal vigente.
Aprofundar e ampliar o conhecimento da população atendida;
Reconhecer e trabalhar o potencial dos usuários e famílias da Assistência Social;
Participação em cursos, seminários, palestras e fóruns relacionados com o campo de
estagio.

Bibliografia
Avaliação e Linguagem – Selma Marques; Livro: O mito da Assistência Social – Ana
Elisabete Moura;
ROCHA, M. C. Juventude: apostando no futuro. Revista Imaginário - USP, v. 12, n°12, p.
205-224,2006.
SÊDA, E. Construir o passado ou como mudar hábitos, usos e costumes, tendo como
instrumento o Estatuto da Criança e do Adolescente. Série Direitos da Criança 2. São
Paulo: Malheiros, 1993.
TEIXEIRA, P. (coord.). juventude e cidadania em São Paulo: o direito ao futuro. Grupo de
Trabalho Juventude e Cidadania. São Paulo: Instituto Florestan Fernandes, s/d

Você também pode gostar