Você está na página 1de 2

6 Universalização

Implantação de MCH beneficia interior do Pará


Modelo piloto para geração de energia elétrica prevê atendimento sustentável em comunidade isolada
Fabiana Gama Viana
Cristiane Peres Bergamini
Flavia Maia
Hoje, mais de 12 milhões de brasileiros não se o projeto piloto for positivo, outros serão Energia do Ministério de Ciência e Tecnologia),
têm acesso à energia elétrica, o que equivale à implantados em outras comunidades”, afirma ainda não foi implantado. “Estamos esperando a
soma da população dos estados do Piauí, Mato André Ramón, Coordenador Geral do Programa liberação dos recursos desde março de 2004. A
Grosso do Sul, Amazonas e Distrito Federal. Luz para Todos. expectativa é de que os recursos sejam liberados
Destes, mais de 10 milhões vivem no meio rural Estimado em R$ 1 milhão, o projeto em Janeiro deste ano”, conclui Viana.
(CERPCH). No Brasil, a exclusão elétrica financiado pelo CT-Energ (Fundo Setorial de
predomina em áreas com menor Índice de
Desenvolvimento Humano (IDH) e entre famílias Etapas do Projeto
de baixa renda. Percentualmente, o maior número 1. Levantamento de dados no local e construção e implantação da microcentral e da mini
de pessoas que não tem acesso à energia elétrica rede;
no meio rural reside na Região Norte, isto devido 2. Ensaios da microcentral e treinamento de operação da mesma junto à comunidade;
às dimensões da região, dificuldade de utilização 3. Construção e instalação de uma Unidade de beneficiamento de grãos e Instrução de
de rede de transmissão e pelo alto índice de Operação (equipamentos);
pulverização das comunidades. 4. Construção e implantação de uma Movelaria Comunitária e Instrução de Operação;
Dentro deste cenário, o Centro Nacional de 5. Modelo de gestão da microcentral e organização da comunidade com os novos empreen-
Referência em Pequenas Centrais Hidrelétricas dimentos.
(CERPCH), em parceria com a Universidade
Federal de Itajubá (UNIFEI), o Instituto Winrock,
a PSA Projeto Saúde e Alegria e a CELPA (Centrais
Elétricas do Pará), está implementando um MCHs: Alternativa às Comunidades Rurais Isoladas
projeto que prevê a instalação de uma Micro A utilização de energia elétrica no meio rural representa um dos processos mais importantes
Central Hidrelétrica (MCH) na comunidade Vila a serem incentivados no Brasil, pois é fato que a eletrificação rural é fundamental para levar
Cachoeira do Aruã, a dez horas de barco de adiante programas de desenvolvimento de uma região. Dessa forma, ela deve ser vista não só
Santarém, no Pará. como um fator capaz de aumentar a produtividade no campo, permitindo a melhoria das condições
O projeto prevê o atendimento a 59 famílias de trabalho, mas também elevando as condições de vida do homem no meio rural.
com a implantação de uma MCH de 50kW. De Apesar do fornecimento de energia elétrica no campo por meio do sistema interligado ter
acordo com Augusto Viana, Coordenador do aumentado no país, ainda assim, em muitas localidades isso é inviável. De acordo com Geraldo
projeto e Professor da UNIFEI, se houver Lúcio Tiago Filho, secretário executivo do Centro Nacional de Referência em Pequenas Centrais
possibilidade financeira, a potência da MCH será Hidrelétricas (CERPCH), dos 5,5 milhões de propriedades rurais brasileiras, somente pouco mais
ampliada para 100kW. Atualmente, o de 1 milhão são abastecidas com energia elétrica das concessionárias. Os 4,5 milhões restantes
abastecimento de energia elétrica na comunidade têm como opção o uso de moto-geradores (Diesel e gasolina), da energia solar (aquecimento de
é praticamente nulo, já que falta Diesel para um água, iluminação e acionamento de motores de baixa potência), da energia eólica (geração de
pequeno gerador existente. eletricidade e bombeamento de água) e por meio do aproveitamento de cursos d’água que fazem
O objetivo do projeto é levar os serviços de o acionamento de microcentrais para gerar energia elétrica.
energia elétrica à comunidade numa arquitetura Os micro aproveitamentos hidroenergéticos (MCHs) são aqueles que disponibilizam potência
sustentável de longo prazo, cujos pilares são o útil de 1 kW a 100 kW. A construção de uma microcentral hidrelétrica é viabilizada quando o
aproveitamento de recursos energéticos locais e empreendedor informa à Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) a localização do
renováveis, a organização comunitária e o uso empreendimento e as características do aproveitamento hidráulico, isentando-se de maiores
produtivo da energia gerada na fabricação de burocracias. Quanto à questão ambiental, esta, mesmo mais simplificada do que em outros
móveis e canoas de madeira e beneficiamento de empreendimentos hidroenergéticos, depende da decisão dos órgãos ambientais, já que as
grãos. microcentrais causam impactos ambientais, mesmo que atenuados.
A iluminação e o conforto são os benefícios Não se tem, atualmente, um censo que determine o estado geral das microcentrais no Brasil.
mais evidentes, mas o projeto também estimulará O fato é que elas são operadas, em sua maioria, por autoprodutores para fins de consumo próprio
atividades produtivas como o beneficiamento de e normalmente estão associadas a empreendimentos agroindustriais. De acordo com Angelo
grãos triplicando o preço in-natura e o aumento Stano, engenheiro responsável pela MCH Luiz Dias, localizada em Itajubá (MG), estima-se que
da produção e a qualidade de móveis produzidos haja hoje mais de 1.000 minicentrais e microcentrais com potências médias de 300kW, entre
na região. “A própria prestação de serviço de centrais desativadas e em funcionamento. E em relação ao estado de conservação e de operação
energia elétrica constitui-se numa cadeia destes empreendimentos, não se tem nenhum dado a respeito.
produtiva, da qual a comunidade participa como
agente econômico, principalmente na geração”, Classificação dos Pequenos Aproveitamentos Hidroenergéticos
completa Viana.
Potências – P
Para a gestão do projeto será criada uma Pico Central Hidrelétrica: P = 10 kW
associação sem fins lucrativos, que será treinada Microcentral Hidrelétrica: 10 < P = 100 kW
pelo Instituto Winrock, para operar e gerenciar Mini Central Hidrelétrica: 100 kW < P = 1000 kW
o empreendimento. Pequena Central Hidrelétrica: 1000 kW < P = 30000 kW Área inundada = 3 km2
“Como outras comunidades vizinhas estão Fonte: Manuais de Micro, Mini e Pequenas Centrais Hidrelétricas e Resolução da ANEEL nº 394 de
sabendo do projeto, muitas pessoas estão querendo 04 de Dezembro de 1998.
migrar para Aruã. O governo já sabe disso. Então,
Universalization 7

Implementation of MCH benefits Pará’s


Countryside
Pilot model for the generation of electric energy forecasts sustainable assistance in isolated
community
Trad. Adriana Candal
Today, more than 12 million Brazilians do Center of Reference for Small Hydropower there is shortage of Diesel that is used by a small
not have access to electric energy. This number Plants), in a partnership with UNIFEI (Federal generator.
equals the sum of the population of the states of University of Itajubá), Winrock Institute, PSA The objective of the project is to take electric
Piauí, Mato Grosso do Sul, Amazonas and the Projeto Saúde e Alegria and CELPA (Electricity energy services to the community in a long-term
Federal District. Out of this number, more than Company of the state of Pará), is implementing sustainable way, of which pillars are the use of
10 million live in rural areas (CERPCH). In Brazil, a project that forecasts the installation of a Micro local and renewable energy resources, the
the electric exclusion is predominant in areas Hydropower Plant (MHP) in the community of organization of the community and the productive
presenting low Human Development Indexes Vila Cachoeira do Aruã, located ten hours by use of the generated energy to manufacture
(HDI) and among low-income families. Speaking boat from Santarém, Pará. wooden furniture and canoes and process grains.
in terms of percentages, most of the people who The project forecasts assistance to 59 Lighting and comfort are the most evident
do not have access to electric energy in rural families with the implementation of a 50kW MHP. benefits, but the project will also encourage
areas live in the North Region, The reasons for According to Mr. Augusto Viana, Coordinator of productive activities such as grain processing,
this are the size of the region, the difficulty in the project and Professor at UNIFEI, if it is which will increase the production and the price
using the transmission grid and the high level of financially feasible, the power of the plant will be of the product in-natura by three times, and the
dispersion presented by these communities. enhanced to 100kW. Today, the electric energy quality of the furniture produced in the region.
Within this scenario, CERPCH (National supply of the community is practically null, for “The rendering of electric energy services itself is
a productive chain, and the community
participates as an economic agent, mainly at the
MHPs: An Alternative in Rural Isolated Communities generation”, completes Mr. Viana.
A non-profiting association will be created
The use of electric energy in the rural area represents one of the most important processes to manage the project. The association will
that must be encouraged in Brazil, for it is a fact that rural electrification is mandatory for the receive training given by Winrock to operate and
development programs of a region to keep on going forwards. This way, it must be seen not only manage the enterprise.
as a factor that can increase the productive in the country, improving working conditions, but as “As neighboring communities are aware of
a factor that can improve life conditions of the people who live in the country. the project, a lot of people want to move to Aruã.
Although the electric energy supply in rural areas through the interconnected system has The government knows about this. So, if the pilot
increased, there are still many places where this is unfeasible. According to Mr. Geraldo Tiago, project give positive results, others will be
executive secretary of CERPCH (National Center of Reference for Small Hydropower Plants), implemented in different communities,” says Mr.
out of the 5.5 million Brazilian rural properties only a million or so are supplied with electric André Ramón, General Coordinator of the
energy coming from the utilities. The others, 4.5 million, have options: the use of generators program ‘Light for Everyone’.
(Diesel or Gasoline); solar energy for heating water, lighting and driving low power engines; Estimated in R$ 1 million, the project
wind energy for generating electricity or pumping water; and the use of streams that drive micro financed by CT-Energ (a sectorial energy fund of
hydropower plants (MHP) to generate electric energy. the Ministry of Science and Technology) has not
Micro Hydropower Plants can generate a useful power ranging from 1 kW to 100 kW. The been implemented yet. “We have been waiting
construction of a MHP is possible when the entrepreneur informs ANEEL (National Agency for for the resources to be released since March 2004.
Electric Energy) the location of the enterprise and the hydraulic features of the potential, The resources are expected to be released by
avoiding greater bureaucracy. As far as the environmental issue is concerned, even though it is January 2005),” concludes Mr. Viana.
more simplified than the process of other hydropower enterprises, it depends on the decision of
environmental organs, for although they are small, micro plants cause impacts.
Today, there is no census that can determine the general state of micro plants in Brazil. The
fact is that most of them are operated by self-producers whose purpose is their own consumption Project Phases
and, also, they are normally associated with agro-industrial enterprises. According to Mr.
Ângelo Stano, engineer who is responsible for Luiz Dias SHP, located in Itajubá (MG), it is 1. Collection of data at the place and
estimated that there are over 1,000 mini and micro plants, active and inactive ones, off which construction and implementation of the
powers range about 300kW. However, there are no data regarding the conditions and operation Micro hydropower Plant and the mini grid;
of these enterprises. 2. Tests at the plant and operation training
at the community;
3. Construction and installation of a grain
Classification of Small Hydroenergy Potentials processing unit and Operation
Powers – P Instructions (equipment);
Pico Hydropower Plants: P = 10 kW 4. Construction and implementation of a
Micro Hydropower Plants: 10 < P = 100 kW community furniture factory and
Mini Hydropower Plants: 100 kW < P = 1000 kW Operation Instruction;
Small Hydropower Plants: 1000 kW < P = 30000 kW Flooded Area = 3 km2 5. Managing model of the Micro plant and
organization of the community with the
Source: Manuais de Micro, Mini e Pequenas Centrais Hidrelétricas and ANEEL Resolutiion nº 394,
December 4th 1998. new enterprises.