Você está na página 1de 4

A verdade sobre Ananias e Safira

Quebra-Gelo: Você tem medo da morte?

Louvor e Adoração: Canto, danço e não me canso de louvar ao que me deu salvação!!!
Tão grande salvação!!! 

Confissão da Palavra: Hebreus 2. 14-15

Edificação: Atos 5. 1-5

    

Setembro  02, 2018

Postado por Igreja Videira Penápolis ,  Palavra da Célula

O que traz morte à vida da igreja é a mistura da graça com a lei

>

    Uma das perguntas que me fazem mais frequentemente é sobre Ananias e Safira. Muitos
querem saber como eles ficaram debaixo de condenação se estamos hoje debaixo da graça.
Alguns enxergam neles uma evidência contra o ensino do evangelho da graça.

    Entretanto, certo homem, chamado Ananias, com sua mulher Safira, vendeu uma
propriedade, mas, em acordo com sua mulher, reteve parte do preço e, levando o restante,
depositou-o aos pés dos apóstolos. Então, disse Pedro: Ananias, por que encheu Satanás teu
coração, para que mentisses ao Espírito Santo, reservando parte do valor do campo?
Conservando-o, porventura, não seria teu? E, vendido, não estaria em teu poder? Como, pois,
assentaste no coração este desígnio? Não mentiste aos homens, mas a Deus. Ouvindo estas
palavras, Ananias caiu e expirou, sobrevindo grande temor a todos os ouvintes. (At 5.1-5) Essa
história é realmente assustadora, e ela parece dar apoio àqueles que ensinam que, quando
quebramos a lei, podemos morrer. Isso faz com que muitos irmãos vivam com medo da morte.

Seja livre do medo da morte

    Isto, pois, que os filhos têm participação comum de carne e sangue, destes também ele,
igualmente, participou, para que, por sua morte, destruísse aquele que tem o poder da morte,
a saber, o diabo, e livrasse todos que, pelo pavor da morte, estavam sujeitos à escravidão por
toda a vida. (Hb 2.14-15)

    Pela sua morte, o Senhor destruiu aquele que tinha o poder da morte. Não é que o diabo
deixou de existir, mas seu poder foi anulado pela morte do Senhor na cruz. Toda escravidão é
baseada no medo da morte. A Palavra de Deus diz claramente que a lei traz a morte. 1
Coríntios 3.7-9 diz que a lei é um ministério de condenação e morte gravado em pedra.
Sabendo que a lei produz morte, o que faz o diabo? Ele procura levar o crente a viver pela lei
para dessa forma poder trazer acusação e condenação. Ele diz ao crente que cada vez que ele
faz algo errado deve esperar que algo ruim aconteça como punição. Por causa disso, as
pessoas até mesmo esperam pela morte. O poder da morte está na acusação e na
condenação. Se você aceita a condenação, o inimigo ganha espaço e o subjuga pelo medo.
Quando você aceita acusação, você entra debaixo do poder da morte. Nós vivíamos sujeitos à
escravidão por causa do medo da morte, então hoje precisamos receber uma revelação de
Deus que nos livre do medo da morte. É certo que o Senhor Jesus fez algo para nos libertar. O
que Ele fez? Pela sua morte, Ele destruiu o diabo. A palavra “destruir” aqui não significa
aniquilar, mas significa destituir o diabo do poder que ele tinha.

    E ser achado nele, não tendo justiça própria, que procede de lei, senão a que é mediante a
fé em Cristo, a justiça que procede de Deus, baseada na fé; para o conhecer, e o poder da sua
ressurreição, e a comunhão dos seus sofrimentos, conformando-me com ele na sua morte. (Fp
3.9-10)

    A justiça própria é aquela justiça que procede da lei. Quando tentamos produzir a nossa
própria justiça pela nossa obediência, nós estamos agindo baseados na lei. Paulo, porém, diz
que ele não tem justiça própria, mas somente a que é mediante a fé em Cristo, a justiça que
procede de Deus, baseada na fé.

    O resultado disso é que podemos conhecer o Senhor e o poder da sua ressurreição. Por que
ainda somos tão pobres no conhecimento de Cristo? Por que experimentamos tão pouco do
poder da ressurreição? Simplesmente porque a justiça da fé não tem sido pregada. Alguns,
porém, rejeitam o ensino da graça porque se apoiam no exemplo de Ananias e Safira. Vamos
ver se a história deles realmente se aplica a nós.

Ananias e Safira não eram crentes genuínos

    Alguns ficam impressionados com o fato de Ananias e Safira ofertarem e estarem na igreja.
Para essas pessoas, esta é uma evidência de que eram crentes. Isso, porém, não deveria nos
surpreender, pois mesmo hoje nem todos os que frequentam nossos cultos são realmente
nascidos de novo. Sempre houve incrédulos no meio de crentes.

    Se Ananias era crente, então nós temos um problema, pois ele caiu morto sem ter a chance
de se arrepender. Romanos 8.1 diz que agora não há mais nenhuma condenação para os que
estão em Cristo, todavia Ananias caiu morto. A única resposta possível é que Ananias e Safira
não eram crentes verdadeiros. Por que eu ouso afirmar que Ananias e Safira não crentes
verdadeiros? Baseado no fato de que todas as vezes que um crente é mencionado no livro de
Atos ele é chamado de discípulo ou homem de Deus. Mas quando fala de um não convertido
sempre se refere a ele apenas como homem. Todas as vezes que o livro de Atos se refere a um
crente, ele o chama de discípulo. Mas quando se refere a um descrente, ele é chamado apenas
de homem. Atos 5.1 Ananias é chamado apenas de homem. Vamos ver algumas provas dessa
verdade no livro de Atos. Em Atos 9, Deus manda que um outro Ananias vá até Paulo, mas esse
Ananias é chamado de discípulo.

    Ora, havia em Damasco um discípulo chamado Ananias. Disse-lhe o Senhor numa visão:
Ananias! Ao que respondeu: Eis-me aqui, Senhor! (At 9.10)
    Em Atos 9, quando se menciona oração e jejum a Tabita, se diz que ela era uma discípula.
Isso mostra que os crentes genuínos são sempre chamados de discípulo em Atos.

     Havia em Jope uma discípula por nome Tabita, nome este que, traduzido, quer dizer
Dorcas;era ela notável pelas boas obras e esmolas que fazia. (At 9.36)

    A respeito de Timóteo, a Palavra de Deus diz que ele também era um discípulo.

    Chegou também a Derbe e a Listra. Havia ali um discípulo chamado Timóteo, filho de uma
judia crente, mas de pai grego. (At 16.1)

    Muitos discípulos são mencionados em Atos 21 e até mesmo um velho discípulo.

     E alguns dos discípulos também vieram de Cesaréia conosco, trazendo consigo Mnasom,
natural de Chipre, velho discípulo, com quem nós deveríamos hospedar. (At 21.16)

    Mas quando se trata de pessoas não convertidas, o livro de Atos sempre se refere a eles
meramente como homens. A respeito de Simão, o mágico, a escritura o chama simplesmente
de homem.

    Ora, havia certo homem, chamado Simão, que ali praticava a mágica, iludindo o povo de
Samaria, insinuando ser ele grande vulto. (At 8.9)

    Em Atos 10, Cornélio é chamado de homem, pois ainda não tinha se convertido. Apesar de
ser piedoso e dar muitas esmolas, ele ainda precisava ouvir o evangelho para ser salvo, por
isso o anjo mandou que ele buscasse Pedro.

    Morava em Cesaréia um homem de nome Cornélio, centurião da corte chamada Italiana. (At
10.1)

    Em listra, ("Foi um dos locais por onde o apóstolo Paulo anunciou o Evangelho em suas
viagens missionárias, conforme relata o livro de Atos dos Apóstolos do Novo Testamento da
Bíblia. De acordo com o capítulo 14"), havia um homem paralítico. Ele seria salvo depois, mas
antes de ser salvo é descrito apenas como um homem.

    Em Listra, costumava estar assentado certo homem aleijado, paralítico desde o seu
nascimento, o qual jamais pudera andar. (At 14.8)

    Depois de tudo isso, você pode comprovar em Atos 5 que, quando se menciona Ananias e
Safira, se diz que havia um homem com sua mulher. Nada se diz de serem discípulos ou cheios
do Espírito. Como base nisso, defendemos que eles não eram mesmo convertidos e a
experiência deles não se aplica a nós que fomos regenerados.

A mistura da lei com a graça

    Os nomes na Bíblia possuem significado. Veja, por exemplo, Zacarias e Isabel, pais de João
Batista. O nome Zacarias significa “Deus se lembra”, e o de sua esposa, Isabel, significa
“promessa de Deus ou aliança de Deus”. Esse casal deu à luz um filho chamado João, que
significa “Deus é gracioso”. Não é maravilhoso que o Novo Testamento comece com a história
de um “Deus que se lembra” (Zacarias) aliançado com a sua “promessa” (Isabel) para trazer a
sua graça sobre todo homem?

    O nome Ananias possui o mesmo significado de João. A diferença é que, em João (Iohannes),
o nome de Deus aparece no começo, e em Ananias (Ananiah), o nome de Deus aparece no fim,
mas significa “o Senhor é gracioso” ou “graça do Senhor”. Deus mandou que Ananias, um
discípulo, fosse até Paulo, restaurasse a visão dele e o batizasse, de maneira que a primeira
pessoa que Paulo viu depois de convertido foi a “graça de Deus”, o significado de Ananias. Foi
a graça de Deus que abriu os olhos de Paulo. É a graça que nos dá luz e revelação da verdade.
Mas, em Atos 5, temos um Ananias casado com Safira. O nome Safira se refere à pedra com
esse mesmo nome. O Talmud, o livro das tradições judaicas, diz que Deus escreveu a lei em
tábuas de safira ou lápis lazúli. Se é assim, podemos dizer que Safira representa a lei. Ananias
significa a graça de Deus que estava casado com Safira, que simboliza a lei. O resultado da
mistura entre a lei e a graça é a morte.

    O que traz morte à vida da igreja é a mistura da graça com a lei. As pessoas acreditam que a
graça precisa ser equilibrada com a lei e, quando acrescentam a lei, o resultado é morte. Talvez
hoje não vejamos muita morte física, mas é possível perceber muitas igrejas que estão mortas.
Tudo sobre a lei tem a ver com você olhando para si mesmo. Mas tudo sobre a graça tem a ver
com você vendo Jesus. Você consegue perceber a gravidade da mistura da graça com a lei?
Você não vai encontrar nas igrejas um ensino exclusivo da lei. Você sempre vai ouvir um
ensinamento combinando um pouco de graça com a lei. Você vai ouvir coisas como: “Você foi
salvo pela graça, mas agora precisa se esforçar para guardar os mandamentos”. Eles temem
que o ensino da graça se torne desequilibrado, então resolvem balanceá-lo com a lei. Mas ao
fazerem isso, estão mudando o evangelho e tornando-o impotente para mudar a sua vida.

    Os crentes confessam sempre que foram salvos pela graça de Deus, no entanto vivem
procurando merecer, com suas boas obras, as bênçãos de Deus. Quando fazem algo bem feito,
eles esperam ser abençoados, mas quando falham, amontoam culpa sobre si e esperam ser
punidos. Foram salvos pela graça, mas vivem pela lei. Isso é mistura. Deus odeia a mistura.
Evidentemente, não podemos definir uma doutrina baseados nos significados de nomes, mas
certamente são uma evidência que não pode ser ignorada. Ananias e Safira são colocados para
nós como exemplo e advertência, mas eles mesmos não eram crentes genuínos.

    Perguntas e respostas:

1. Quais os benefícios da pregação da justiça da fé?


2. O que o faz livre do medo e da morte?