Você está na página 1de 5
Calor de Neutralização José Guerchon
Calor de Neutralização
José Guerchon

Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons.

de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons . http://creativecommons.org.br

http://creativecommons.org.br

http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/br/legalcode

Calor de Neutralização

Visualizações

Calor de Neutralização

Objetivo

Em todas as reações químicas, há absorção ou liberação de calor. Através de um experimento simples de laboratório, baseado na medição da massa e variação de temperatura da vizinhança, podemos determinar se o calor é absorvido ou liberado e em que quantidade. Isto leva o aprendiz a compreender o conceito de calor de reação. O objetivo deste vídeo é mostrar como é possível se chegar experimentalmente ao calor liberado na reação de neutralização de um ácido forte (HCl) com uma base forte (NaOH).

Informações Importantes

1) As propriedades de uma solução diluída de ácido forte ou base forte são as dos seus íons devido à dissociação e ionização completas.

seus íons devido à dissociação e ionização completas. 2) Na reação entre soluções aquosas de HCl

2) Na reação entre soluções aquosas de HCl e NaOH os íons Na + e Cl - entram e saem sem sofrer qualquer tipo de transformação. São, por isso, chamados de íons espectadores. Apenas os íons H + e OH - reagem formando H 2 O (l) . Essa reação é exotérmica.

3) O calor liberado para a vizinhança na reação de 1 mol de ácido forte (ionização total) com 1 mol de base forte (dissociação total) e formação de 1 mol de água; ou seja, reação de 1 mol de H + com 1 mol de OH - e formação de 1 mol de água é chamado de calor de neutralização.

4) Nesse experimento (vídeo) a quantidade de calor liberado é determinada por simples medidas de massa e de temperatura e utilizando o calor específico do vidro e da solução aquosa diluída. Mediante o uso da expressão Q = m . c . ΔT; onde Q é a quantidade de calor (cal), m é a massa (g), c é o calor

a quantidade de calor (cal), m é a massa (g), c é o calor específico e

específico e ΔT a variação de temperatura (temperatura final - temperatura inicial). A determinação experimental desta expressão pode ser verificada na visualização “Calorimetria, uma base para o estudo do calor de reação”.

.

1 .

Visualizações

Calor de Neutralização

O calor liberado na reação é o calor absorvido pela vizinhança (vidro e solução).

5) Reagente limitante é aquele que está em quantidade menor que a necessária para seguir a estequiometria da reação. No experimento, NaOH é o reagente limitante (0,047 mol de OH- reagem

NaOH é o reagente limitante (0 ,047 mol de OH- reagem com 0,047 mol de formando

com 0,047 mol de formando 0,047 mol de H2O). HCl é o reagente em excesso (haverá sobra de 0,062-0,047=0,015 mol de HCl que não participa da reação).

Reações mostradas nos experimentos

Representação convencional da reação com a quantidade de calor determinada no experimento:

com a quan tidade de calor determinada no experimento: ou, segundo a IUPAC, Representação da reação

ou, segundo a IUPAC,

de calor determinada no experimento: ou, segundo a IUPAC, Representação da reação iônica completa: Íons

Representação da reação iônica completa:

a IUPAC, Representação da reação iônica completa: Íons espectadores: Na + e Cl - Representação da

Íons espectadores: Na + e Cl -

Representação da reação iônica (sem os íons espectadores):

completa: Íons espectadores: Na + e Cl - Representação da reação iônica (sem os íons espectadores):

.

2 .

Fotos

Fotos Visualizações Calor de Neutralização Figura 1: Cálculos do experimento . 3 .
Fotos Visualizações Calor de Neutralização Figura 1: Cálculos do experimento . 3 .

Visualizações

Calor de Neutralização

Fotos Visualizações Calor de Neutralização Figura 1: Cálculos do experimento . 3 .

Figura 1: Cálculos do experimento

.

3 .

Vídeo

Visualizações

Calor de Neutralização

Vídeo Visualizações Calor de Neutralização Figura 2: Vídeo das fases do experimento . 4 .
Vídeo Visualizações Calor de Neutralização Figura 2: Vídeo das fases do experimento . 4 .

Figura 2: Vídeo das fases do experimento

.

4 .