Você está na página 1de 10

Boletim Eletrônico da

Sociedade Brasileira de Espeleologia


ISSN 1809-3213 - Ano 14 - nº 391 - 01 de janeiro de 2019

Abertas as inscrições para o 35° CBE e 3° CIACT


E stão abertas oficialmente as inscri-
ções para o 35° Congresso Brasilei-
ro de Espeleologia e 3° Congresso Ibero-
Americano de Cavernas turísticas, a serem
realizados entre os dias 19 e 22 de junho. A
inscrição para acessar o Centro de Conven-
ções de Bonito durante as atividades princi-
pais poderá ser realizada através do ende-
reço www.cavernas.org.br/35cbe. O paga-
mento deverá ser feito através de boleto
bancário ou cartão de crédito e o inscrito
terá acesso para os auditórios de ambos os
eventos 35° CBE e 3° CIACT. A submissão
de trabalhos para apresentação oral e ban-
ner também estarão disponíveis até o dia
17/03.
Allan Calux

Além disso, o con- Aparecida (outras a confirmar) e visita com


gressista também pode- rapel e flutuação no Abismo Anhumas.
rá aderir aos minicursos Serão ofertados também minicursos relaci-
e saídas de campo sepa- onados ao mapeamento de cavernas, bio-
radamente. Estão con- logia subterrânea, espeleoturismo, hidro-
firmadas até o momento geologia e arqueologia. As inscrições para
as saídas de campo ao as atividades paralelas ao congresso esta-
Cânion do rio Salobra, no rão abertas nos próximos dias de fevereiro.
Parque Nacional da Serra Acompanhe em
da Bodoquena; o circuito www.cavernas.org.br/35cbe.
Grutas de Bonito, com Vamos juntos comemorar os 50 anos
visita às grutas o Lago da Sociedade Brasileira de Espeleologia!
Cânion do rio Salobra, Parque Nacional da Serra da Bodoquena Azul e Nossa Senhora

Nota pública de pesar pela tragédia em Brumadinho - MG


com imensa consternação e perple- Espeleo Resgate, através de seu coordena- A SBE ao longo dos anos vem estreitan-
É xidade que a Sociedade Brasileira de
Espeleologia vem, através de sua diretoria,
dor, colocou à disposição do Estado seus
recursos materiais e pessoais para auxiliar
do laços com órgão públicos e tem constru-
ído com a iniciativa privada parcerias que
emitir esta nota pública de pesar sobre a nas operações de resgate. viabilizam importantes projetos de pesqui-
tragédia ocorrida na última sexta-feira, dia sa.
Análises preliminares em ambiente
25, em Brumadinho - Minas Gerais.
computacional de informações geográficas Mas no último dia 25 esses esforços se
Nós da comunidade espeleológica e demonstraram que o patrimônio espeleo- mostraram, mais uma vez, insuficientes. É
ambientalista lamentamos profundamente lógico conhecido não foi atingido, sendo preciso urgentemente fortalecer as pautas
termos que reviver, com mais esse rompi- que os conjuntos de cavernas mais próxi- ambientais e pensar em um modelo de
mento de barragem de rejeitos da Vale, os mas estão a quatro e sete quilômetros de fórum que seja permanente e que garanta
momentos de angústia vividos na tragédia distância, localizadas à alta montante. a participação da sociedade civil ambienta-
de Mariana – MG em novembro de 2015. lista de uma maneira mais efetiva.
Todavia o momento é de grande apre-
Lamentamos as vidas ceifadas, as per- ensão e requer uma mobilização dos diver- Esperamos que, passados os clamores e
das ambientais e os impactos socioeconô- sos atores envolvidos. É preciso um diálogo manifestações do momento, essa pauta
micos vindouros. Pouco podemos fazer profundo e honesto entre a iniciativa priva- não se arrefeça.
nesse momento além da ajuda já oferecida da, os diversos órgãos da administração
Belo Horizonte, 28 de janeiro de 2019
ao Corpo de Bombeiros. A Comissão de pública, governantes e a sociedade civil
organizada. Diretoria da SBE.

SBE 1° de fevereiro de 2019 | N° 392 | www.cavernas.org.br 1


IS 08 e o licenciamento ambiental em Minas Gerais
E m junho de 2017 foi publicada pela
Secretaria de Estado de Meio Am-
biente e de Desenvolvimento Sustentável
onde também estava presente o CECAV.
Em outubro de 2018, a SEMAD soltou
tido, mesmo com todo o entendimento
contrário da comunidade espeleológica
especializada.
uma revisão da referida IS e, novamente, o
de Minas Gerais – SEMAD, a Instrução de
MPMG solicitou posicionamento da SBE. Também foi destacado como ponto
Serviço n° 08/2017 que trata dos procedi-
frágil pelo grupo de trabalho da SBE, a
mentos para a instrução dos processos de Após análise, a SBE identificou um claro
questão da simplificação e redução dos
licenciamento ambiental de empreendi- esforço por parte do Grupo Interdisciplinar
estudos espeleológicos exigidos. Alguns
mentos efetiva ou potencialmente capazes de Espeleologia – GRUPE da SEMAD em
dos estudos são propostos em fases muito
de causar impactos sobre cavidades natu- melhorar o referido documento, mas ainda
adiantadas do rito do licenciamento, o que
rais subterrâneas e suas áreas de influên- é preciso continuar avançando.
pode colocar em risco o patrimônio espele-
cia. Alguns pontos discutidos na reunião ológico pela falta de conhecimento prévio.
Na ocasião, a coordenadoria das Pro- com o MPMG e CECAV como, por exemplo,
Nesse momento em que a sociedade se
motorias de Justiça de Defesa do Patrimô- a possibilidade de manejo em áreas de
preocupa com a possível flexibilização das
nio Cultural e Turístico de MG solicitou que influência e a possibilidade de utilizar Avali-
leis ambientais, Minas Gerais não pode
a SBE realizasse uma análise do documento ações de Impacto Ambiental para definição
ignorar as considerações da sociedade civil
e fizesse considerações sobre a adequação do grau de detalhamento dos estudos fo-
especializada e da academia.
de suas diretrizes em relação aos preceitos ram inseridos no documento e configuram
mais modernos de preservação do patri- efetivos ganhos. Com a certeza de que o GRUPE está
mônio espeleológico. alinhado aos preceitos conservacionistas
Entretanto, conceitos inadequados,
mais contemporâneos, esperamos ver em
A SBE montou, em agosto e setembro como “reentrâncias” e “cavernas desco-
breve uma nova revisão desse documento.
de 2017, um grupo com associados de di- nhecidas”, foram mantidos, não obstante
versos campos do conhecimento e áreas apontamentos anteriores. Para ver o documento original enviado
de atuação e, em 29 de setembro do mes- ao MPMG acesse: Of_Dir_001/2019.
Outra questão que merece atenção é a
mo ano, as contribuições foram apresenta- concernente ao conceito de “área de in- Diretoria da SBE.
das em uma reunião na sede do MPMG, fluência provisória”, que também foi man-

SBE disponibiliza Espeleo-Tema volume 14 na internet


Por Marcelo Rasteiro (SBE 1089) Ω Proposta preliminar de uma Unidade de
Editor Assistente da Espeleo-Tema Conservação para as cavernas de São Do-
William Sallun Filho (SBE 1434) e mingos, Goiás. Por Ivo Karmann; Luis Enri-
Maria Elina Bichuette (SBE 0585) que Sánchez; Peter Milko.
Editores-Chefes da Espeleo-Tema
Ω Conjunto espeleológico São Mateus-
A Sociedade Brasileira de Espeleologia Imbira: principais aspectos físicos e históri-
(SBE) acaba de disponibilizar na internet o co da exploração. Por Ivo Karmann; João
volume 14 da Espeleo-Tema, revista brasi- Carlos Setúbal.
leira dedicada ao estudo de cavernas e
Ω Proteção legal e monumentos naturais:
carste. Este volume, publicado em 1984,
cavernas. Por João Allievi; Clayton F. Lino.
estava disponível apenas em meio impres-
so e agora pode ser consultado em PDF. Ω Topografia em cavernas: metodologia
de trabalho. Por Cláudio José Mendes Pe-
A capa traz a caverna Casa de Pedra
drosa; Nivaldo Destro.
(SP-9), sumidouro do córrego Maximiano,
no Parque Estadual Turístico do Alto Ribei- Ω Técnicas de comunicação em cavernas.
ra, em Iporanga SP. A descrição da foto na Por Paulo Cesar Ceragioli.
publicação informava “pórtico com 173 m Ω Caverna dos Guácharos – Colômbia. Por
de altura, em calcário”, contudo medições Clique para acessar o vol. 14
Peter Milko.
mais recentes ultrapassam os 200 metros Ω Explorações auxiliadas pela topografia.
de altura, colocando a caverna como o Ω Cuevas que cruzan la frontera Venezue- Por Wolfgang Valle Walter.
maior pórtico de caverna do mundo. la-Brasil. Por Franco Urbani.
Ω Medidas físicas e químicas - Expedição
Confirma os artigos desta edição : Ω Forma física e alimentação em explora- Goiás 79. Por Peter Milko.
ção espeleológica. Por Guy Christian Collet.
Ω Cavernas e paisagem cárstica do alto Ω RESENHA: Merveilleux Brésil souterrain.
Vale do Ribeira/SP: uma proposta de tom- Ω Histoplasmose. Por Tonyan Khallyhabby. Por Luis Enrique Sánchez.
bamento. Por Luis Enrique Sánchez. Ω Situación de la espeleología en la Repu- Ω TRADUÇÃO: Uma colônia de espeleo-
Ω Abismo "Ponta de Flecha": um projeto blica Argentina. Por Enrique F. Lipps.
cobras. Por Peter Milko.
arqueológico, paleontológico e geológico Ω Levantamento bioespeleológico de algu-
no médio curso do Ribeira de Iguape, SP. Consulte as edições disponíveis e as
mas grutas de Minas Gerais. Por Flávio
Por Cristiana N. Barros Barreto; Paulo A. D. normas de submissão em:
Chaimowicz.
De Blasis; Erika M. Robrahn; Coriolano M.
Ω Lapinha e helictites. Por Gilberto A. R.
www.cavernas.org.br/
e Dias-Neto; Ivo Karmann; Clayton F. Lino.
Martins. espeleo-tema.asp

SBE 1° de fevereiro de 2019 | N° 392 | www.cavernas.org.br 2


Bonito até quando?
O crescimento da lavoura mecanizada
sobre o carste da Serra da Bodoquena

Allan Calux
Por Lívia Medeiros Cordeiro (SBE 1835)
Vice Presidente da SBE
Grupo de Espeleologia Serra da
Bodoquena—GESB (SBE G112)

E m sincronia com a política do de-


senvolvimento do agronegócio
nacional, a região de Bonito e Serra da
Bodoquena, área cárstica conhecida como
paraíso das águas cristalinas e capital do
ecoturismo do Brasil, também não escapa
aos avanços da fronteira agrícola no cen-
tro-oeste. É fato que a região já passou por
outros ciclos como este, mas nunca antes
com conversão tão rápida da paisagem. Os
rios cristalinos já mostram sinais preocu-
pantes de degradação ambiental, sobretu-
do os rios Formoso e Prata que sofrem com
a ampliação das áreas de lavoura mecani- Imagem aérea das lavouras nos entornos de Bonito
zada de soja/milho sobre os banhados que
formam suas cabeceiras. Os principais si- ração dos rios cristalinos, como a obrigato- lação mais restritiva para o uso do solo na
nais de alteração ambiental são o assorea- riedade da construção de curvas de nível região da Serra da Bodoquena. Neste con-
mento e o turvamento das águas que de- nas áreas de plantio e caixas de contenção texto, o tema do 35° CBE “Cavernas, carste
moram cada vez mais para retornar à ao longo das estradas. Na ocasião da audi- e águas para os próximos 50 anos” traz
transparência característica, afetando sig- ência, o Secretário de Estado de Meio Am- uma provocação oportuna para reunir a
nificativamente as atividades de flutuação biente, Desenvolvimento Econômico Pro- comunidade espeleológica em torno da
e banhos em grande parte dos passeios da dução e Agricultura Familiar, Jaime Ver- discussão sobre uso das águas e conserva-
região. Sem falar, ainda, na contaminação ruck, deixou claro que o Imasul (Instituto ção do carste brasileiro.
por insumos agrícolas das águas subterrâ- de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul)
Os impactos causados pelas atividades
neas e superficiais, com graves consequên- não solicitará licenciamento ambiental
do agronegócio devem ser avaliados no
cias à biodiversidade e a própria saúde da para abertura de novas áreas de lavouras
processo de licenciamento, considerando o
população. se o produtor estiver regular junto ao CAR
Decreto 6640 e Instruções Normativas. A
e cumprir as obrigações ambientais como
Após uma série de denúncias, no dia 11 exemplo da Serra da Bodoquena, outras
preservação das APPs. Infelizmente, as
de dezembro de 2018 realizou-se uma au- áreas cársticas encontram-se na mesma
condições legais para o desenvolvimento
diência pública na câmara municipal de situação. Num momento de grande pres-
do agronegócio hoje estão longe garantir a
Bonito convocada pelo Ministério Público são do governo para flexibilizar o licencia-
sustentabilidade dos rios cristalinos a longo
Estadual com a presença de diferentes mento ambiental, a comunidade espeleo-
prazo. Após a audiência, algumas ações
frentes da sociedade (poderes públicos lógica deve se unir para mostrar aos diri-
emergenciais foram executadas pela pre-
municipais e estaduais, produtores rurais, gentes públicos e proprietários o verdadei-
feitura, como curvas de nível em área mais
moradores, guias de turismo e outros re- ro valor do patrimônio espeleológico, do
problemáticas e caixas de contenção ao
presentantes do trade). Foram discutidas carste e suas águas .
longo de algumas estradas.
as ações necessárias para conter a deterio- Veja mais em:
A arrecadação do município de
Bonito se divide igualmente Ω https://globosatplay.globo.com/globon
Prefeitura de Bonito/SEMA

entre a produção agrícola e o ews/v/7333360/


turismo, contudo a força do Ω http://www.diariodigital.com.br/videos
turismo se sobrepõem quando é /cidade-alerta-ms-a-poluicao-dos-rios-
levado em consideração seu de-bonito/18643/
potencial empregador, o setor
ocupa cerca de 80% da popula- Ω http://www.diariodigital.com.br/videos
ção de Bonito em trabalhos dire- /sos-bonito/18630/
ta ou indiretamente ligados ao Ω http://www.diariodigital.com.br/videos
setor. Temendo a perda de tra- /sos-bonito/18724/
balhos ligados ao ecoturismo, a
comunidade tem se manifestado e Ω http://www.diariodigital.com.br/videos
grupos organizados da sociedade /sos-bonito/18778/
civil se mobilizam cada vez mais Ω http://www.bonito.ms.gov.br/noticias/
Construção de curvas de nível como ações para chamar atenção dos políticos secretaria-recupera-curvas-de-nivel-na-
imediatas após provocação do MPE e da mídia, pedindo por uma legis- fazenda-sao-domingos

SBE 1° de fevereiro de 2019 | N° 392 | www.cavernas.org.br 3


Descoberta em 1993, maior pintura
rupestre do Peruaçu é reencontrada
tura já encontrada em todo o Vale do

Leo Giunco
Por Léo Giunco (SBE 0509) - Trupe Vertical
Revisão Nivaldo Colzato (SBE 0181) - EGMS Peruaçu é o desenho que foi batizado
carinhosamente de “Nivaldão” e que
U m grupo de espeleólogos, junta-
mente com uma emissora de TV,
reencontrou em Janeiro de 2019, no Par-
ilustra uma pessoa de braços aber-
tos, pintada na cor vermelha, medin-
do 1,47 metros de altura, ao lado de
que Nacional Cavernas do Peruaçu, locali- várias outras figuras.
zado entre os municípios de Januária e
Itacarambi, norte de Minas Gerais, um sítio O Sítio do Homem Grande foi
arqueológico batizado de Sítio do Homem descoberto há 26 anos quando os
Grande que havia sido avistado pela pri- espeleólogos Carlos Adalberto Dal-
meira vez em 1993 pelo Espéleo Grupo dosso (Carlito), Eduardo Glória e Ni-
Monte Sião (EGMS) durante atividades de valdo Colzato, membros do EGMS,
prospecção e exploração na região da Gru- realizavam trabalhos de prospecção
ta do Arco do André. no trecho entre o Arco do André e a
Toca da Onça,

J.Ayrton Labegalini
na margem
esquerda do
rio Peruaçu.
Na ocasião,
sem equipa-
mento fotográ-
fico, acabaram
não registrando
as figuras. Edu-
ardo Glória este- Mariana ao lado do “Nivaldão”,
a maior pintura do Vale do Peruaçu
ve uma segunda
vez no local, em 2002, da Unesco. O Grupo foi guiado por José
juntamente com o Santana e sua filha Gilsara, e acompanhado
Registro da descoberta no livro de atividades do EGMS em 1993 espeleólogo Rogério por Joe Caverna, todos moradores locais.
Magalhães, da Trupe
O sítio possui várias pinturas, ganhando Vertical, mas também não fizeram o regis- Como o trajeto da reportagem engloba-
destaque uma longa linha pintada na hori- tro fotográfico do sítio. Depois disso, o Sítio va a região do Arco do André e, de posse
zontal que parece representar uma estrela do Homem Grande passou a ser pratica- de algumas informações passadas pelos
cadente e seu percurso, com uma luz no mente uma lenda, onde várias pessoas descobridores do local, Léo Giunco pediu
final em formato de sol entre os braços de comentavam ter escutado histórias sobre aos guias “Seo” Norim e José Santana que,
uma figura humana que parece estar cele- sua existência, mas nunca mais foi visitado. na véspera da visita da equipe de TV, reali-
brando o evento. Várias outras pinturas zassem uma exploração da região indicada,
podem ser vistas no sítio, sempre nas cores Mês passado os espeleólogos Léo Giun- e acabaram reencontrando o Sítio do Ho-
preto, amarelo e vermelho. A mais interes- co e Mariana Giunco, da Trupe Vertical mem Grande.
sante, no entanto, e também a maior pin- (SBE G083), juntamente com os espeleólo-
gos Eduardo Gomes e Ronaldo Sarmento, Desta vez vários registros fotográficos e
do Espéleogru- em vídeo foram realizados. O local não
Leo Giunco

po Peter Lund, está no roteiro turístico do Parque, portan-


estiveram no to fechado à visitação e de agora em diante
Parque acom- reservado exclusivamente para pesquisas
panhando uma arqueológicas.
equipe da EPTV
Leo Giunco

(afiliada da Rede
Globo no interior
de São Paulo e
sul de Minas)
para a gravação
do programa
Terra da Gente
com ênfase na
questão da can-
didatura do Par-
que como Patri-
Possível representação de sol e estrela cadente mônio Mundial
atravessando entre os braços da figura humana Outras pinturas do sítio

SBE 1° de fevereiro de 2019 | N° 392 | www.cavernas.org.br 4


Descrição geológica e geomorfológica da Gruta MPF usa drone para
Santuário do Mocós Xique-Xique BA constatar dano em
Por Elisa Schneider Espeleologia Guano Spe- área de cavernas
Colaboradora do boletim leo, Belo Horizonte – MG,

L ocalizada a 518 km da capital da


Bahia, Salvador, o município de
produziram um trabalho
para o 34º Congresso Brasileiro de Espeleo-
P ela primeira vez, o uso de drones
pelo Ministério Público Federal
(MPF) possibilitou a produção de provas
logia, com o intuito de caracterizar mais
Xique-Xique reserva diversas belezas natu- que foram cruciais para a comprovação do
precisamente os aspectos que tornam a
rais, em meio a região do Vale do São Fran- dano ambiental causado por uma minera-
pequena cavidade Santuário dos Mocós
cisco. Entre elas a caverna Santuário dos dora. Alvo de uma ação civil pública, a em-
digna de olhares.
Mocós, “inserida em um afloramento ro- presa tinha licença para prospectar minério
choso de calcário com lentes de argila”. Para tanto, foram utilizados softwares de ferro na área conhecida como Sítio Ser-
Apesar de suas pequenas dimensões, a como ArcGIS, para a elaboração de croquis ra da Cruz, em Caicó, no interior do Rio
cavidade se destaca pela suas formas, es- in loco, e levantamento de dados secundá- Grande do Norte (RN). A região recebe
tratigrafia e pinturas rupestres. rios além dos adquiridos em bancos de turistas de todo o Brasil e é conhecida pela
dados, visando traçar um perfil morfológi- grande concentração de cavernas, onde há
Dos autores

co para a cavidade em estudo. Realizou-se pinturas rupestres e rios subterrâneos.


também “um mapeamento utilizando a
metodologia padronizada pelo British Cave Estudos realizados por espeleólogos do
Research Association (BCRA)... onde o re- RN indicaram a degradação ambiental na
sultado são croquis feitos a mão com utili- área de influência daquelas cavidades,
zando as medidas realizadas nas estações inclusive, com o aumento do aspecto turvo
de pesquisa na caverna”. Outras caracterís- do rio subterrâneo. Embora a suspeita fos-
ticas, como temperaturas ambientes, tam- se de dano ambiental decorrente da ativi-
bém são abordadas no artigo. Um dos ob- dade de mineração, não existiam meios
jetivos também tratados pelos pesquisado- adequados para comprovar a hipótese.
res no trabalho é a evolução das paisagens “Foi por meio das análises geográficas
que influenciam estrutural, mineral e estra- realizadas com o auxílio do drone que con-
tigraficamente os aspectos geológicos. O seguimos assegurar a existência do dano às
trabalho ainda dispõe de fotos que exem- grutas, consistentes na supressão da cober-
plificam as características citadas, bem tura vegetal e na modificação da topogra-
Santuário dos Mocós (BA-644)
como croquis das fases de estudo. fia. Foi possível atestar esses danos pela
Diante destas peculiaridades, pesquisa-
Fonte: Anais 34° CBE, Junho de 2017. presença de cortes, aterros e terraplana-
dores do Grupo de Pesquisa e Extensão em
gem executada para abertura de vias de
acesso e praças de sondagem”, comemora
a procuradora Maria Clara Lucena, respon-
Curso de introdução a espeleologia do Guano sável pela investigação.

Canal MPF
os dias 09, 16 e 17 de fevereiro, o O curso integra as inici-
MM Gerdau – Museu das Minas e ativas do CoMciência, pro-
do Metal em parceria com o grupo de es- jeto realizado pelo MM
peleologia Guano Speleo (SBE G075) pro- Gerdau para fomento e
move o Curso de Introdução à Espeleolo- divulgação da ciência. Mais
gia. As aulas são voltadas à estudantes e informações pelo site do
demais interessados no universo da espele- MM Gerdau (mmgerdau.org.br) ou pelo e-
ologia. Uma ótima dica pra quem é fascina- mail: cursoguanospeleo@gmail.com. Os
Clique na imagem para a vídeo reportagem
do pelas grutas e cavernas naturais e dese- valores da inscrição já incluem transporte
ja conhecer um pouco mais sobre a forma- para o campo. O cruzamento das imagens obtidas pela
ção desses espaços. aeronave com outros bancos de dados
demonstrou que a água da chuva poderia
As inscrições podem ser realizadas até ter levado os detritos da atividade minera-
o dia 06 de fevereiro pelo site dora para o interior da caverna. “O caso de
www.guanospeleo.blogspot.com, as vagas Caicó é emblemático porque o uso do dro-
são limitadas. Haverá uma lista de espera ne foi essencial para produção da prova
e, em caso de desistência de algum candi- técnica que subsidiou a atuação do MPF.
dato, novos interessados serão chamados. Sem ele, dificilmente a procuradora conse-
O curso contará com 3 encontros. Se- guiria fortalecer a tese de que a contami-
rão ministradas duas aulas teóricas nos nação da bacia hidrográfica da caverna
dias 09 e 16 de fevereiro (dois sábados), pode ter sido causada pela atividade de
das 8h às 17h, no MM Gerdau – Museu das mineração”, afirmou Marcelo Pires da Sil-
Minas e do Metal. Já no dia 17 de fevereiro va, diretor do Centro Nacional de Perícia
(domingo) a turma fará um trabalho de do MPF.
campo no Parque Estadual do Sumidouro, Fonte: Portal MPF, 23/01/2019.
em Lagoa Santa/MG.

SBE 1° de fevereiro de 2019 | N° 392 | www.cavernas.org.br 5


Bulha d’ Água, 15 anos de explorações

A.Camargo (Iscoti)
Por Alexandre Lopes Camargo e
Thomaz Rocha e Silva
Grupo Bambuí de Pesquisas Espeleológicas

E m 2018, comemoramos 15 anos de


exploração na região de Bulha d'Á-
gua (PETAR – PEI) e durante este período,
trabalhando de forma sistemática e pro-
gressiva. Com a participação de espeleólo-
gos do Bambuí e de diversos outros gru-
pos, pesquisadores e amantes de cavernas,
descobrimos 64 novas cavernas, remapea-
mos outras 12 sendo algumas delas com
novas áreas descobertas. Abrimos dezenas
de quilômetros de trilhas na floresta para
facilitar o acesso às regiões remotas, onde
as promessas de novas cavernas são atrati-
vas para todos que estejam dispostos a
aceitar os desafios da região como mosqui-
tos, lama, espinhos, carrapatos, rios e as
longas caminhadas na mata pelo desco-
nhecido. Grande salão da gruta Buenos IV—note o tamanho dos espeleólogos na foto
Para marcar a data e os resultados al- dadas pelo dono da fazenda, o senhor Ro- até uma passagem estreita com grande
cançados ao longo desses anos, em dezem- que e nosso guia, Zé Guapiara. A primeira probabilidade de se conectar ao Abismo
bro passado marcamos uma expedição de caverna descoberta foi batizada de Buraco Los Três amigos.
5 dias para celebrarmos e avançarmos em do Sufoco, porque o acesso é, digamos,
O resultado final da viagem foi: 5
algumas atividades em desenvolvimento. um pouco sufocante, e a segunda desco-
cavernas descobertas, topografadas e
Como sempre, a região reservou grandes berta foi batizada de Caverna VAMIZ em
mapeadas, uma topografia e mapeamento
surpresas para nós. homenagem aos cinco descobridores
concluído, dados de topografia coletados
A primeira surpresa foi encontrar uma (Vagalume, Adrian, Mike, Iscoti e Zé). Tam-
para conclusão do mapa da Buenos IV e
nova galeria na Gruta da Lontra, mapeada bém tentamos acessar a cachoeira dentro
uma nova galeria descoberta que precisa
em 2004. Andando pelas paredes de calcá- da já conhecida caverna Louco de Alegre,
ser explorada e mapeada.
rio expostas fora da caverna, descobrimos mas a nossa circunferência abdominal não
nos permitiu avançar nas galerias para exe- Esta é apenas uma gota no oceano das
uma nova passagem superior ligada à gale-
cutar a topografia. oportunidades que temos em Bulha d'Á-
ria principal do rio e que ainda precisa ser
gua. No entanto, o grande desafio que
mapeada e explorada. Ao final deste pri- Na continuidade de nossas atividades,
temos hoje para trabalhar em novas áreas
meiro dia tivemos a festa de 15 anos de no dia seguinte fomos à caverna Buenos IV,
de exploração é a distância que requer, por
exploração com churrasco, cerveja, cacha- uma das maiores cavernas da região. Usan-
vezes, mais de dois dias de caminhada na
ça e música, com direito a banho de rio e a do um DistoX, fizemos a medição radial do
mata.
observar as estrelas no céu límpido que se grande salão conectando a topografia com
fez em alguns momentos a noite. as galerias inferiores. Com esses dados

A.Camargo (Iscoti)
No segundo dia, fomos para a Fazenda coletados será possível concluir o mapa
Cabeceira do Pilões, onde descobrimos desta cavidade que possui grande relevân-
mais duas cavernas seguindo as indicações cia para a região de Bulha d’Água.
Concluindo as
A.Camargo (Iscoti)

atividades, durante a
exploração do Vale do
Buenos em busca de
outra entrada para o
Abismo Los Três Ami- Entrada da Buenos IV
gos, a Gruta da Borbo-
leta foi finalmente
Participaram da expedição: Adrian Bol-
topografada e mapeada
ler; Alexandre Lopes Camargo (Iscoti), Cilas
e duas novas cavernas
Ramos Ribeiro, Fábio von Tain, Heber Araú-
foram descobertas, to-
jo, Ivo Paris, José Aparecido Ribeiro (Zé
pografadas e mapeadas:
Guapiara), Lívia Keismanas de Ávila, Micha-
a Gruta Achatada e Gru-
el Knauer e Thomaz Rocha e Silva
ta do Sapo. Outra caver-
(Vagalume).
na chamada Fenda do
Fábio, descoberta 20 Vejam as fotos da viagem no blog:
A equipe equipe na casa de pesquisa do Núcleo Bulha D'água dias antes, foi mapeada https://iscoti.wordpress.com/.

SBE 1° de fevereiro de 2019 | N° 392 | www.cavernas.org.br 6


Lançada áreas prioritárias para Municípios
conservação de cavernas também podem
O Centro de Pesquisa e Conserva-
ção de Cavernas (Cecav) lançou as
Áreas Prioritárias para a Conservação do
a conservação de áreas protegidas atuais e
futuras”, explana Cruz. tombar cavernas
A priorização de áreas para a conserva-
Patrimônio Espeleológico. A publicação é
um marco para a espeleologia no Brasil e
traz priorização de áreas para a conserva-
ção do patrimônio espeleológico nacional é
a Ação 7.2 do PAN - Cavernas do São Fran- U m artigo do Promotor de Justiça
Dr. Marcos Paulo de Souza Miran-
da faz uma minuciosa análise da legislação
cisco, fundamentado nas diretrizes do Pro-
ção. Segundo o coordenador do Cecav, e conclui que “Municípios possuem compe-
grama Nacional de Conservação do Patri-
Jocy Cruz, o mapa define as ações prefe- tência administrativa plena para a efetiva-
mônio Espeleológico (Portaria MMA nº
renciais para as áreas de ocorrência de ção do tombamento de bens privados e
358/2009). Essa ação é parte de um con-
cavernas no país. públicos, sejam estes últimos próprios ou
junto de atividades refe-
rentes à criação e manu- pertencentes ao Estado ou à União”, como
tenção de áreas protegi- cavernas, sítios arqueológicos e paleonto-
das para a conservação lógicos, entre outros.
do Patrimônio Espeleoló- Conclui também que “a regra de veda-
gico (Objetivo Específico ção prevista no artigo 1º, parágrafo 2º do
7) e tem previsão de Decreto-lei 3.365/41 tem aplicação restrita
revisão em 4 anos. e específica ao instituto da desapropriação
O produto é fruto do e não pode ser estendida, analogicamente,
esforço de diversas ofici- ao instituto do tombamento”.
nas participativas com Assim, os Municípios podem e devem
especialistas e diversos tomar ações práticas e conclusivas para
setores e órgãos, incluin- cumprir a obrigação solidária de preserva-
do a WWF Brasil e a Soci- ção de seu patrimônio cultural, lançando
edade Brasileira de Espe- mão do já conhecido instrumento do tom-
leologia. A metodologia bamento regido pelo Decreto-lei 25 de
usada foi adaptada da 1937.
utilizada pelo Ministério do Meio Ambiente
As cavernas foram divididas em catego- Este conhecimento é extremamente
na elaboração de Áreas Prioritárias de Con-
rias voltadas para a criação ou ampliação importante à comunidade espeleológica
servação da Biodiversidade.
de UCs; fiscalização e monitoramento; edu- que pode atuar também junto ao poder
cação ambiental e patrimonial; manejo; Para acessar o documento, basta cli- público local para promover ações de con-
pesquisa e ampliação do conhecimento. “O car aqui. Além do arquivo em pdf com os servação do patrimônio espeleológico.
documento é importante e estratégico resultados, é possível fazer o download dos
Leia o artigo completo clicando na fon-
para a gestão dessas áreas, norteando, em dados vetoriais em formato shapefile.
te.
especial, as políticas públicas voltadas para Fonte: Portal ICMBio, 14/01/2019.
Fonte: Consultor Jurídico, 05/01/2019.

Foto do Leitor
São Sebastião
Local: Gruta de São Sebastião
(SP-824), Ibiúna - SP
Desenv.: 50 m. (estimado)
Litologia: Granito
Autor: Marcelo Rasteiro
Data: 15/10/2017
A capela de São Sebastião e
suas grutas são tidas como
milagrosas. Desde 1919, no
final de maio, é realizada uma
romaria e a festa de São
Sebastião, por ter ele livrado o
povo de Ibiúna do flagelo da
gripe espanhola no início do
século XX. A população acredita
que a água da gruta tem
poderes milagrosos.

Mande sua foto com nome, data e local para: sbenoticias@cavernas.org.br

SBE 1° de fevereiro de 2019 | N° 392 | www.cavernas.org.br 7


Espeleotemas registram anomalia Botuverá busca
parcerias para
magnética do Atlântico Sul desenvolver o turismo
A anomalia magnética do Atlântico
Sul é uma região onde o campo
magnético terrestre é anormalmente bai-
magnético. “Estudos com solos queimados
na África mostraram que em certos perío-
dos aconteciam variações muito rápidas do E m uma retrospectiva de 2018, José
Luiz Colombi—Nene, prefeito de
xo, o que interfere no funcionamento de campo magnético”, relata o professor. Botuverá (PR) destaca que o município
satélites artificiais e em voos interconti- “Para estudar o fenômeno na América do precisa avançar no turismo e ir além do
nentais. Em busca da sua origem, pesquisa- Sul, havia uma dificuldade causada pela potencial das cavernas.
dores do Instituto de Astronomia, Geofísica falta de dados, pois não há registros no
Para isso, está trabalhando para buscar
e Ciências Atmosféricas (IAG) da USP anali- continente anteriores à chegada dos euro-
parcerias com a iniciativa privada. “O poder
saram o magnetismo de uma rocha coleta- peus, no século XVI.”
público não consegue fazer turismo porque
da na caverna Pau D’Alho, localizada no
Os pesquisadores utilizaram no traba- tem limitações. Em 2019 vamos trabalhar
Estado de Mato Grosso. Os cientistas des-
lho um material pouco analisado em estu- muito com as parcerias, inclusive, estamos
cobriram que a anomalia é recorrente,
dos sobre a evolução do campo magnético pensando em terceirizar as cavernas e en-
possivelmente originária da África, e pro-
terrestre, as estalagmites. “Esse tipo de tregar para a iniciativa privada. Acredito
vocada por variações no fluxo térmico den-
rocha se forma em cavernas, de baixo para que a terceirização é viável, e vamos estu-
tro da Terra. Os resultados do trabalho são
cima”, conta Trindade. A pesquisa utilizou dar qual a melhor forma de fazer. Uma boa
apresentados em artigo na revista PNAS,
uma estalagmite da coleção do Instituto de concessão é a saída”, diz.
dia 10 de dezembro.
Geociências (IGc)
O prefeito também ressalta o projeto
Dos autores
da USP, em colabo-
de construção de um hotel em parceria
ração com o grupo
com a iniciativa privada, próximo às caver-
do professor Fran-
nas, no Ribeirão do Ouro. “Estamos desa-
cisco Cruz. “Ela se
propriando uma área de 50 hectares para
formou há 1.500
depois ceder para a iniciativa privada cons-
anos na caverna Pau
truir um hotel, a prefeitura também dará
D’Alho, que fica no
incentivos como terraplanagem.”
município de Rosário
Oeste, em Mato Nene diz que a ideia é trabalhar outros
Grosso, onde foi pontos turísticos existentes no município
coletada.” . como cachoeiras e parques. “Nesses seis
anos não consegui trabalhar o turismo
“Neste trabalho,
Espeleotemas estudados são da Caverna Pau D’Alho (MT-83) como eu queria, porque não tem o investi-
foi medida a variação
mento necessário. Não adianta termos as
do campo magnético, por meio de um
“O trabalho buscou responder três cavernas, que atraem muitos turistas, mas
magnetômetro muito sensível, já que as
grandes questões: Quando a anomalia aí o turista vem a Botuverá e não tem pos-
amostras possuem pouco material magné-
surgiu? Qual a sua causa? Ela é recorrente to de gasolina aberto, não tem padaria,
tico”, descreve o professor do IAG. “Com
em milhares de anos, sempre vai ocorrer?”, não tem farmácia. Hoje não temos infraes-
base nas medições, seria possível saber
aponta Ricardo Trindade do IAG. trutura para que o turista fique. Vamos ter
quantas vezes a anomalia ocorreu, se é
que repensar isso.”
Em 2015, o pesquisador John Tarduno, recorrente.”
dos Estados Unidos, sugeriu que o fenôme- Segundo ele, o turismo será trabalhado
A análise revelou que as variações rápi-
no surgia em função de uma anomalia tér- em parceria com o Núcleo de Empresários
das do campo magnético no Atlântico Sul,
mica na interface entre o manto e o núcleo de Botuverá. O prefeito diz ainda que é
além de serem recorrentes, acontecem
da Terra, que provocava um maior fluxo preciso pensar o turismo regional.
200 anos depois de seu registro na África.
Fonte: O Município, 15/01/2019.
Fonte: Jornal USP, 11/01/2019.
Humor

Veja mais trabalhos do desenhista Paulo Baraky Werner em www.terradelund.com.br

SBE 1° de fevereiro de 2019 | N° 392 | www.cavernas.org.br 8


Moro e Lava Jato inspiram nome de molusco
U

Do autor
m molusco translúcido descober- coletados ficam depositados no
to no Ceará ganhou nome científi- Museu e só depois chegam a ser
co um tanto quanto curioso dado pelo bió- estudados.
logo paulista Luiz Ricardo Simone, do Mu-
O material "grande e vistoso"
seu de Zoologia da Universidade de São
(de 3 cm a 4 cm), como classifica o
Paulo (USP). A espécie coletada
cientista, estava preservado com
nas cavernas de Santa Quitéria, distante
álcool, o que possibilita o estudo
229,2 km de Fortaleza, foi batizada
da anatomia. Lavajatus moroi é
de Lavajatus moroi, em homenagem
de uma subulinina - subfamília de
a Sergio Moro, ministro da Justiça e Segu-
caramujos terrestres encontrados
rança Pública.
em áreas tropicais. "Nossa fauna é
O malacologista, como é conhecido o muito mal conhecida. É quase
profissional que estuda os moluscos, publi- uma rotina encontrar, em revi-
cou a descoberta na revista científica ale- sões, esse tipo de material que
mã Spixiana, em dezembro último. Luiz está no museu porque algum bió-
Ricardo começou o estudo há dois anos, logo encontrou e resolveu deposi-
após revisar o material que estava guarda- tar", explica.
do no Museu de Zoologia da USP. O estudo Molusco Lavajatus moro. Ainda não se sabe
Embora não existam expedições
ficou pronto há cerca de um ano, quando se Sérgio Moro gostou da homenagem.
recentes para a região de Santa
foi enviado à publicação europeia.
Quitéria, os biólogos calculam que agora vai entrar na lista de animais amea-
"Vi que a concha era totalmente trans- a espécie ainda exista na área. "É um ani- çados. Animais muito restritos correm esse
parente. Essa transparência lembra muito mal relativamente frágil porque só dá na grande risco porque a caverna pode inun-
a Lava Jato e resolvi homenagear tanto a caverna. Chamamos de animal endêmico dar, pode ser derrubada, por exemplo, aí a
operação quanto o ex-juiz Sergio Moro, que quando a distribuição é muito restrita", espécie é extinta".
é quem estava à frente na época", frisa o elabora. "É um animal que precisa ser pre-
Fonte: O Povo, 29/01/2019.
cientista. Ele explica que muitos materiais servado. Antes ninguém conhecia, mas

Estudo avalia comunidade de Mineradora precisa


invertebrados em caverna dolomítica respeitar área da
Gruta da Igrejinha
O artigo Comunidade de inverte-
brados de uma gruta dolomítica
no Alto Paranaíba, Minas Gerais dos pes-
em “A composição de espécies foi mais
dissimilar no setor 4 e 5, no que seria a
‘saída’ da gruta, seguida do setor 1, a O estudo Análise da in-
fluência da presença
quisadores da Universidade Federal de ‘entrada’ da gruta. A composição da fauna de cavidades naturais nos proje-
Viçosa, Agenor de Oliveira Nativo e Sabrina diferiu de acordo com o setor amostrado, tos de mineração: confronto
Almeida, avaliou a estrutura da fauna da sendo que a maioria das espécies encontra- entre a concessão de lavra
caverna, identificando sua composição nas das nas regiões intermediárias, constituída 002.918/1936 e APP da Gruta da
diferentes zonas, mais próximas ou distan- por organismos com maior mobilidade, Igrejinha de Syro Gusthavo
tes do ambiente exterior. provavelmente migrantes das regiões pró- Lacerda e Adilson Curi, membros da Socie-
ximas das aberturas das ca- dade Excursionista e Espeleológica (SBE
Dos autores

vernas”. G001), avaliou o processo em concessão de


lavra da Mineração Geral do Brasil S.A. que
As coletas foram realiza-
intercepta a área de preservação perma-
das em janeiro de 2017 ao
nente (APP) da Gruta da Igrejinha.
longo de três visitas e por
meio de coleta ativa. Foram Segundo os autores, a gruta é de máxi-
capturados 136 indivíduos de ma relevância e o Decreto Estadual Nº
22 morfoespécies. A classe 26.420 de 09/12/1986 institui a Área de
Insecta representou 49% do Preservação Permanente (APP) Gruta da
total coletado. A classe Arach- Igrejinha, com área de 607,46 hectares,
nida foi a segunda mais repre- assim “Esta interseção de áreas pode forçar
sentativa com 22% dos indiví- a mineradora a modificar seu plano e se-
duos coletados. quenciamento de mina ou até a paralisar
suas atividades. Neste cenário, discussões
Equipe em trabalho de coleta no setor 1 Devido à escassez de estu-
das leis vigentes e análise dos impactos
(entrada) da Gruta do Sr. Vantuil (MG-2203) dos espeleológicos no Alto Para-
gerados pela atividade mineradora nas
naíba, o trabalho é importante
“As cavernas são ambientes que abri- cavidades naturais protegidas por lei são
para mostrar o potencial da região para
gam uma fauna específica devido à ausên- de grande importância e repercussão naci-
espeleólogos de todas as áreas.
cia de luz e a falta de organismos fotossin- onal”, destacam os autores.
tetizantes”, destacam os autores e conclu- Fonte: Anais 34° CBE, Junho de 2017.
Fonte: Anais 34° CBE, Junho de 2017.

SBE 1° de fevereiro de 2019 | N° 392 | www.cavernas.org.br 9


Expediente Aquisições Biblioteca
Boletim Spelunca, nº152, Fédération Française de
Revista da
Speleologie (França), dez/2018.
Sociedade Brasileira
Boletim NSS News, v.76, nº12, National Speleological
de Espeleologia Society (EUA), dez/2018.
Editorial:
Alexandre Lobo Boletim Mitteilungen, v.64, nº04, Verbandes der
Delci Ishida deutchen Höhlen-und Karstforsche e.v. VdHK
Elvis Barbosa (Alemanha), 2018.
Josi Moura
Diagramação: Lívia Cordeiro Boletim eletrônico Sopra e Soto il Carso, nº12,
Marcelo Rasteiro Xavier Prous Centro Ricerche Carsiche “C. Seppenhofer”
(Itália), dez/2018.

Boletim eletrônico The Journal of the Sydney


Todas as edições estão disponíveis em Speleological Society, v.63, nº01, Sydney
www.cavernas.org.br/sbenoticias.asp Speleological Society (Austrália), jan/2019.
A reprodução é permitida, desde que citada a fonte.
Boletim eletrônico Toca News, nº45, Projeto
Participe! Mande suas matérias para Paleotocas, dez/2018.
sbenoticias@cavernas.org.br
O boletim é divulgado no dia 1° de cada mês, mas CARVALHO, R.. Os meninos da caverna: o passeio de
qualquer contribuição deve chegar com pelo menos 8 dias um sábado à tarde que durou dezoito dias,
de antecedência para entrar na próxima edição. Torne seu preocupou o mundo e mobilizou mil pessoas em
texto atraente ao leitor, seja sintético, foque o mais um resgate quase impossível na Tailândia. Rio
importante de história e evite citar listas de nomes. Inicie de Janeiro: Globo Livros, 2018.
com um parágrafo explicativo, sempre que possível
respondendo perguntas simples, como: "O quê" e/ou
"Quem?", "Quando?", "Onde?", "Como?", e "Por quê?" As edições impressas estão disponíveis
na Biblioteca da SBE.
Você também pode contribuir na seção “Foto do Leitor”, As eletrônicas podem ser solicitados via e-mail em:
basta enviar suas fotos com nome do fotógrafo, caverna, secretaria@cavernas.org.br
data, município onde a imagem foi captada.

A SBE é filiada
Agenda SBE
35° Congresso Brasileiro de Espeleologia
19-22 de junho de 2019, Bonito—MS

3° Congresso Ibero-Americano de
Apoio Cavernas Turísticas
Visite Campinas e conheça a Biblioteca 19-21 de junho de 2019, Bonito—MS
Guy-Christian Collet, sede da SBE.

Seja um associado da SBE


Venha para o mundo das cavernas!

Curta nossa página


no Facebook
&
inscreva-se em nosso
canal no Youtube
www.cavernas.org.br/35cbe

SBE 1° de fevereiro de 2019 | N° 392 | www.cavernas.org.br 10