Você está na página 1de 5

A alanina, o aspartato e o glutamato são derivados dos seguintes cetoácidos: piruvato, oxalacetato e a-cetoglutarato,

respectivamente. A síntese de cada um destes aminoácidos é uma reação de transaminação.

A asparagina e a glutamina são sintetizadas a partir do aspartato e do glutamato por amidação. A glutamina sintetase
catalisa a formação da glutamina numa reação onde a NH3 assimilada não vem de nenhum composto. Nesta reação
acontece a hidrólise do ATP em ADP+Pi.

Síntese de glutamato: Sintetizado a partir da adição de amônia ao a-cetoglutarato.

Síntese de aspartato: Sintetizado a partir da transferência de um grupo amônia do glutamato para o oxaloacetato

Síntese de alanina: Sintetizada a partir da transaminação do glutamato para o piruvato.

Síntese de glutamina: Sintetizada a partir da adição de outra molécula de amônia ao glutamato.

Síntese de asparagina: Esta síntese pode ser feita através da transaminação da glutamina ou por adição direta da
amônia ao aspartato.
ou

Curiosidade

SINTASE:
Enzima que catalisa uma reação de síntese na qual duas unidades se unem sem a
participação direta do ATP ou de qualquer outro nucleosídeo trifosfato.

SINTETASE:
A reação de síntese catalisada por esta enzima usa o ATP ou outro nucleosídeo
trifosfato para unir dois compostos.

http://www.icb.ufmg.br/prodabi/prodabi3/grupos/grupo4/links/alanina.html

Aminotransferases:

Quando necessário, pode ocorrer a transferência do grupo amino de um aminoácido para um alfa-cetoácido gerando um
outro aminoácido e o alfa-cetoácido correspondente. Essa reação é catalisada pelas aminotransferases, também
conhecidas como transaminases. Para cada aminoácido existe uma aminotransferase correspondente. A determinação dos
níveis séricos das transaminases glutâmico pirúvica (TGP) e glutâmico oxaloacética (TGO) é um dado diagnóstico utilizado
rotineiramente na confirmação de problemas cardíacos ou hepáticos. A concentração dessas enzimas no plasma é baixa.
No entanto, quando ocorre rompimento de tecido - no enfarto do miocárdio, p.e. - a concentração plasmática aumenta,
denunciando a lesão.

Estas enzimas têm como coenzima o piridoxal fosfato e transferem o grupamento amino de um aminoácido (alanina, na
figura) para o alfa-cetoglutarato gerando glutamato e o alfa-cetoácido (piruvato, na figura) derivado do aminoácido que
perdeu o grupamento amino. Essa reação é necessária uma vez que a amônia não pode participar do ciclo da uréia
diretamente a partir de qualquer aminoácido, mas pode ser doada pelo glutamato. A reação inversa ocorre quando há
necessidade de um determinado aminoácido para a síntese de proteína.
Glutamato desidrogenase:

No fígado, essa enzima está localizada na mitocôndria, onde têm início as reações do ciclo da uréia. A enzima catalisa a
incorporação de amônia, como grupo amino, no alfa-cetoglutarato gerando glutamato e utiliza NADPH como coenzima,
envolvendo consumo de ATP. A reação reversa é catalisada pela mesma enzima utilizando NAD como coenzima.

Glutamina sintetase e glutaminase:

Amônia livre é tóxica e é, prefencialmente, transportada no sangue, na forma de grupos amino ou amida, incorporados
em aminoácidos. Glutamina representa cinqüenta por cento desses aminoácidos circulantes.A produção de glutamina é
catalisada pela glutamina sintetase utiliza glutamato e amônia como substrato. A remoção da amônia - na reação reversa -
é feita pela glutaminase.

-Aminoácido oxidase:

Muitos aminoácidos sofrem a ação da L-aminoácido oxidase. A enzima tem flavina mononucleotídeo (FMN) como
coenzima e gera além de amônia e alfa-cetoácido, peróxido de hidrogênio.
5- Ciclo da Uréia

A uréia é a forma de excreção de amônia em mamíferos terrestres. A enzima carbamoilfosfato sintetase I (presente
na micotôndria e sua atividade depende de N-acetil glutamato) catalisa a condensação da amônia com bicarbonato, para
formar carbamoilfosfato. O ciclo da uréia tem início, na mitocôndria, com a condensação da ornitina e do
carbamoilfosfato gerando citrulina, que sai da mitocôndria e reage com aspartato gerando argininosuccinato e fumarato.
A formação da citrulina é catalisada pela transcarbamoilase, enquanto a argininosuccinato sintetase gera
argininosuccinato, que sofre a ação da argininosuccinato liase e produz arginina. Finalmente a arginase transforma
arginina em uréia e ornitina. Este último composto volta para a mitocôndria, dando continuidade ao ciclo. Este ciclo requer
4 ATP para excretar duas moléculas de amônia na forma de uréia, através dos rins.

O ciclo da uréia é o principal mecanismo de eliminação de amônia. Defeito na atividade de enzimas do ciclo causam
aumento nos níveis de amônia circulante (hiperamonemia), que gera coma e morte. Deficiência parcial dessas enzimas
causam retardamento mental, letargia e vômitos episódicos. Uma explicação para esses distúrbios talvez seja porque
níveis altos de amônia favorecem a transformação de alfa-cetoglutarato em glutamato. Isso deve comprometer as
reações do ciclo do ácido cítrico gerando uma redução na produção de ATP. Já foram identificados pacientes com
deficiência de cada uma das enzimas do ciclo da uréia. O tratamento pode ser feito pela redução na ingestão de
aminoácidos, substituindo-os, se necessário, pelos alfa-cetoácidos equivalentes; ou pela remoção do excesso de amônia,
através da administração de fármacos que se ligam covalentemente aos aminoácidos e que são excretados através da
urina.

http://www.ufpe.br/dbioq/portalbq04/metabolismo_de_aminoacidos.htm

Alanina transporta amônia dos músculos para o fígado. Aminoácidos são degradados no músculo pra servir como
combustível. Grupos amino são coletados por transaminação na forma de glutamato. Glutamato pode ser transformado em
glutamina ou transferir seu grupo amino pra o piruvato Através ação da alanina aminotransferase produz se alanina, a qual
é transportada pelo sangue até o fígado. No citosol a alanina aminotransferase transfere o grupo amino para o α-
cetoglutarato, formando piruvato e glutamato. A reação da glutamato desidrogenase libera amônia

Ciclo Glucose Alanina

•Aminoácido pode ser catabolizado no tecido do músculo onde o esqueleto carbono é oxidado para energia.
•Amônia (tóxica) deve ser removida e transportada ao fígado onde será convertida em uréia.
•Grupo Amino do Glu é transferido para piruvato para formar alanina.
•Alanina é exportada para o fígado via corrente sanguínea onde é desaminada à piruvato

•Piruvato é convertido para glicose a qual retorna ao músculo como combustível.

Ciclo Glucose-Alanina
http://webcache.googleusercontent.com/search?
q=cache:_jicDPf7c8kJ:www.rc.unesp.br/ib/bioquimica/catabolismo.pdf+Oxida%C3%A7%C3%A3o+dos+amino
%C3%A1cidos+nos+animais+Pode+ocorrer+em+tr%C3%AAs+circunst%C3%A2ncias:+Durante+s%C3%ADntese+e+degrada
%C3%A7%C3%A3o+de+prote%C3%ADnas+celulares,+alguns+amino%C3%A1cidos+liberados+podem+sofrer+oxida
%C3%A7%C3%A3o+Quando+em+uma+dieta+rica+em+prote%C3%ADnas+amino%C3%A1cidos+excedentes+s
%C3%A3o+catabolizado+Durante+jejum+severo+e+ou+diabetes+melitoprote%C3%ADnas+corporais+s
%C3%A3o+hidrolizadase+seus+amino%C3%A1cidos+empregado+como+combust%C3%ADveis&cd=1&hl=pt-
BR&ct=clnk&gl=br&client=firefox-a