Você está na página 1de 12

Iniciação ao CNC Haroldo Torquetti

Pastilhas e Suportes

Chave de código de pastilha

Chave de códigos ISO para pastilhas intercambiáveis de Torneamento externo.


Extrato ISO 1832 –1985.
O código ISO para pastilhas intercambiáveis inclui 9 símbolos, representados por
Letras e Números, que definem formas, tipos e parâmetros dimensionais das mesmas. O
oitavo e nono símbolos são usados somente quando necessário, e o fabricante pode ainda
adicionar um décimo símbolo opcional, que separado por um hífen pode ser usado por
opções de simbologia própria ou seja especificações do fabricante.
Exemplo de especificação de pastilha:

CNMG 12 04 12 - QM

Figura 41 - Chave de Códigos da pastilha

Definição de parâmetros
1- Formato das pastilhas intercambiáveis

Figura 42 - Formato das pastilhas

SENAI – RIBEIRÃO PRETO 73


Iniciação ao CNC Haroldo Torquetti

2- Ângulo de folga das pastilhas


O - descrição específica

Figura 43 - Ângulo de folga

3- Tolerâncias em "S" e "d" (espessura e círculo inscrito)

* Varia de acordo com o tamanho da


pastilha.

Figura 44 - Tolerância de
intercambiabilidade

4- Tipo da pastilha (quebra cavacos e modo de fixação)


X - formato especial

Figura 45 - Quebra cavaco

5- Dimensão da pastilha, em mm
Obs: Dimensão de um só
número deve ser precedida de um 0
(zero).
Ex.: 6 mm é indicado por 06.

Figura 46 - Tamanho da aresta

SENAI – RIBEIRÃO PRETO 74


Iniciação ao CNC Haroldo Torquetti

6- Espessura da pastilha, em
milímetro Exemplo:
02 - S = 2,38 mm
04 - S = 4,76 mm
Figura 47 - Esspessura da pastilha 06 - S = 6,35 mm

7- Raio da ponta, em mm

Exemplo:
00 - r = 0
02 - r = 0,2 mm
Figura 48 - Raio da ponta da pastilha
04 - r = 0,4 mm
06 - r = 0,6 mm
08 - r = 0,8 mm
10 - r = 1,0 mm
12 - r = 1,2 mm

8- Tipo de aresta de corte

F - aresta de corte aguda


T - aresta de corte negativa

Figura 49 - Aresta de corte

9- Direção de avanço

R - Right (à direita)
L - Left (à esquerda)
N - Neutra
Figura 50 - Direção de corte

SENAI – RIBEIRÃO PRETO 75


Iniciação ao CNC Haroldo Torquetti

10- Opção do fabricante

O fabricante pode adicionar como décimo símbolo mais 3 opções de simbologia


própria.

Por exemplo:
QF - para operações de acabamento fino
QM - para operações de semi-acabado
QR - para operações de desbaste

Chave de código de suporte

Chave de códigos ISO para suportes porta pastilhas de Torneamento externo.


Extrato ISO 5608 –1980.
O código ISO para suportes porta pastilhas externo inclui 10 símbolos, representados
por Letras e Números que definem formas, tipos e parâmetros dimensionais dos mesmos. O
fabricante pode ainda adicionar um décimo primeiro símbolo opcional, separado por um
hífen, no qual pode fazer uso de opções de simbologia própria, ou seja especificação do
fabricante.

Exemplo de especificação de suporte porta pastilha


PCLNR 20 20 K 12

Figura 51 - Chave de Código do suporte

Exemplo de especificação do sistema de ferramentas modulares "BTS" (Block Tool


System)

SENAI – RIBEIRÃO PRETO 76


Iniciação ao CNC Haroldo Torquetti

BT32 P S D N N - 32 40 - 15

Figura 52 - Chave de Código do Block Tool System

Definição de parâmetros

1- Tamanho do BTS (Block Tool System)


b = Largura do acoplamento

Figura 53 - Tamanho do Block Tool


System

2- Sistema de fixação

C - fixação pela face superior

Figura 54 - Fixação do suporte


M - fixação pela face superior e
pelo furo
P - fixação pelo furo
S - fixação por parafuso

SENAI – RIBEIRÃO PRETO 77


Iniciação ao CNC Haroldo Torquetti

3- Formato das pastilhas intercambiáveis

Figura 55 - Formato de pastilha

4- Tipo de porta pastilhas

Figura 56 - Tipo de suporte

5- Ângulo de folga da pastilha

Figura 57 - Ângulo folga

6- Sentido de corte

R - Right (à direita)
L - Left (à esquerda)
Figura 58- Sentido de corte
N - Neutra
7- Altura da haste

SENAI – RIBEIRÃO PRETO 78


Iniciação ao CNC Haroldo Torquetti

* dimensão de um só número deve


ser precedida por 0 (zero) ex.: 8 mm é
indicado por 08.
Figura 59 - Altura do suporte

8- Largura da haste
* dimensão de um só número deve
ser precedida por 0 (zero) ex.: 8 mm é
indicado por 08.

Figura 60- Largura do suporte

9- Comprimento do porta pastilha

Figura 61 - Comprimento do suporte

10- Comprimento da aresta


de corte

SENAI – RIBEIRÃO PRETO 79


Iniciação ao CNC Haroldo Torquetti

Figura 62 - Comprimento da aresta

Obs: Dimensão de um só
número deve ser precedida de um 0
(zero).
Ex.: 6 mm é indicado por 06.

11- Designação do fabricante


Quando necessário um código suplementar com informações específicas poderá ser
adicionado ao código ISO pelo fabricante.

Parâmetros de corte

Em função do material a ser usinado, bem como da ferramenta utilizada e da


operação a ser executada, o programador deve estabelecer as velocidades de corte, os
avanços e as potências requeridas da máquina. Os cálculos necessários na obtenção de
tais parâmetros são os seguintes:

Velocidade de corte (Vc)

Dependendo do material a ser usinado, a velocidade de corte é um dado importante


e necessário.
A velocidade de corte é uma grandeza diretamente proporcional ao diâmetro e à
rotação da árvore, e é dada pela fórmula:
Onde: Vc = Velocidade de corte ( m/min)
∅ = Diâmetro ( mm)
N = Rotação de árvore (rpm)

Rotação do eixo árvore ( rpm )

SENAI – RIBEIRÃO PRETO 80


Iniciação ao CNC Haroldo Torquetti

Uma vez definido o valor da velocidade de corte para uma determinada ferramenta
efetuar uma usinagem, a rotação é dada pela fórmula:

Avanço ( f )

O avanço é um dado importante de corte e é obtido levando-se em conta o material,


a ferramenta e a operação a ser executada.
Geralmente nos tornos comando numérico utiliza-se o avanço em mm/rot., mas este
pode ser determinado também em mm/min.
A tabela a seguir mostra o raio de ponta e o avanço em função
da rugosidade superficial.

Raio de ponta (mm)


Valor de Ra
0,2 0,4 0,8 1,2 1,6 2,4
(µm)
avanço (a) mm/v

0,6 0,05 0,07 0,10 0,14 0,14 0,17

1,6 0,08 0,12 0,16 0,20 0,23 0,29

3,2 0,12 0,16 0,23 0,29 0,33 0,40

6,3 - 0,23 0,33 0,40 0,47 0,57

8,0 - - 0,37 0,45 0,51 0,64

Fórmula : Ra = Rugosidade (µm)

Re = Raio da ponta da pastilha

f = Ra . Re

50

sendo :

f= avanço (mm/v)

SENAI – RIBEIRÃO PRETO 81


Iniciação ao CNC Haroldo Torquetti

Potência de corte (Nc)

Área de corte para ferramentas de 90 graus

Figura 63 - Área de corte da pastilha

Para evitarmos alguns inconvenientes durante a usinagem tais como sobrecarga


do motor e conseqüente parada do eixo-árvore durante a operação, faz-se necessário um
cálculo prévio da potência a ser consumida, que pode nos ser dada pela fórmula:

Onde:

Ks = Pressão específica de corte ( kg/mm²) (visto em tabela)


ap = Profundidade de corte (mm)
f = Avanço (mm/v)
Vc = Velocidade de corte (m/min)
n = Rendimento (%)

Obs: o rendimento e a potência do motor diferem de um tipo de máquina para


outra, verificar especificações do fabricante.

Exemplo :
Centur 30RV = 7,5Cv
Galaxy = 30Cv
Discovery 4022 = 20Cv

SENAI – RIBEIRÃO PRETO 82


Iniciação ao CNC Haroldo Torquetti

Exercícios:

01 Eixo perfilado 01 Aço 1040/50 Ø 65 x 75


Peça Denominações e observações Material e dimensões

De acordo com o desenho acima, considerando o material. Para efetuar um


desbaste em um torno CNC (Centur 30RV), removendo 2mm de material no raio por
passada. Determine:

• Pastilha =>
• Suporte =>
• Avanço =>
• Velocidade de corte =>
• RPM =>

SENAI – RIBEIRÃO PRETO 83


Iniciação ao CNC Haroldo Torquetti

• Pressão especifica de corte =>


• Profundidade de corte =>
• Potência do motor =>

SENAI – RIBEIRÃO PRETO 84