Você está na página 1de 2

Lei 7.

990/2001 (Estatuto do Policial Militar)


Art. 108 - O serviço extraordinário será remunerado com acréscimo de 50%
cinquenta por cento) em relação à hora normal de trabalho, incidindo sobre o
soldo e a gratificação de atividade policial ou outra que a substitua, na forma
disciplinada em regulamento.
Colegas, como eu já vinha, ha algum tempo, dizendo, considerando o que preceitua o art. 7º inciso
XVI da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, combinado com o art. 108 da Lei
7.990/2001 (Estatuto do Policial Militar), bem como o que estabelece o Decreto nº 8.095 de 09 de
janeiro de 2002 da Bahia, que dispõe sobre a prestação de serviços extraordinários por servidores
policiais militares, entendo que temos direito sim a este adicional. Observem nos seus
contracheques, pois o Estado desrespeita todos estes institutos! Anexei este decreto que descobri
fazendo algumas pesquisas acerca da matéria.

Exemplificando: atualmente nossa hora normal é de R$ 11,4969, se o Estado observasse os


preceitos supramencionados deveria nos pagar a título de hora extra R$ 11,4969 mais 50% sobre
este valor (R$ 5,748) resultando, assim, em R$ 17,24. Deste modo, um soldado que faz 60 horas
extras durante o mês, ao invés de perceber uma remuneração de R$ 689,81, deveria perceber um
valor de R$ 1.034,40. Ou seja, temos uma perda de R$ 344,59! Não se trata de pouca coisa!

Importante também é expor aos nobres colegas o que versa o art. 109 do Estatuto do Policial Militar.
Prestem atenção ao que dispõe o parágrafo único do referido artigo:

Art. 108 - O serviço extraordinário será remunerado com acréscimo de 50%


(cinquenta por cento) em relação à hora normal de trabalho, incidindo sobre o
soldo e a gratificação de atividade policial ou outra que a substitua, na forma
disciplinada em regulamento.
Parágrafo único - Somente será permitida a realização de serviço extraordinário
para atender situações excepcionais e temporárias, respeitado o limite máximo de
duas horas diárias, podendo ser elevado este limite nas atividades que não
comportem interrupção.

Art. 109 - O serviço noturno, prestado em horário compreendido entre vinte e duas
horas de um dia e cinco do dia seguinte, terá o valor-hora acrescido de cinquenta
por cento sobre o soldo na forma da regulamentação correspondente.
Parágrafo único - Tratando-se de serviço extraordinário, o acréscimo a que
se refere este artigo incidirá sobre a remuneração prevista no artigo anterior.

Isto quer dizer o seguinte: Como disse supra, nossa hora trabalhada custa R$ 11,4969, que é
calculada sobre o soldo e a GAP. O art. 109 do nosso Estatuto reza que o serviço noturno, prestado
em horário compreendido entre vinte e duas horas de um dia e cinco do dia seguinte, terá o valor-
hora acrescido de cinquenta por cento sobre o soldo, ou seja, R$1,61 para cada hora trabalhada
entre o horário referido.

Ocorre que, no que tange ao adicional noturno extra, que é sobre serviço extraordinário, este
acréscimo deve incidir sobre o soldo e a GAP mais o adicional de 50% sobre hora extra,
conforme previsão dos arts. 108 e 109 do Estatuto. Basta interpretá-los! Ou seja, sobre R$ 17,24
que é o valar da hora com os 50% de adicional sobre hora extra e não sobre, somente, R$ 11,4969
como eles fazem atualmente, pagando apenas R$5,748 enquanto que o valor devido está na ordem
de R$ 8,62.

Para ilustrar, vejamos a hipótese de um soldado que trabalha num serviço extraordinário das 22 h às
6 h da manhã. Terá direito a 7 horas de adicional noturno extra. Isto corresponde a um valor de
R$8,62 x 7 que resulta em R$ 60,34. Contudo, o que é feito atualmente pelo Estado, em flagrante
desrespeito ao nosso Estatuto, é pagar um valor de R$5,748 para cada hora referente ao adicional
noturno extra, resultando num valor de R$ 40. 24.

Isto representa uma perda de R$ 20,10 somente neste exemplo com apenas 7 horas! Imaginem
vocês que tiram nazireu todos os meses com, no mínimo, 3 horas extras com adicional noturno extra
(das 22 a 1 da manhã) !!!

Observem que nem mesmo o adicional noturno normal que é de 50% sobre o soldo é respeitado
visto que pagam apenas 44,5% e não 50% como deveriam!

Outra questão é a respeito do que versa o artigo 5º do referido decreto, a saber, auxílio-alimentação.
Acho que é mais uma falta de respeito do Estado para conosco. Temos que pesquisar a este
respeito!

Não tenho certeza, mas acho que temos sim direito ao que acabei de expor! Está muito claro!
Pesquisem e leiam os institutos que citei acima. É importante!

Já fiz um requerimento administrativo para entregar na unidade esta semana e levarei, com o
recebido, à AJUPM para movimentação junto ao Judiciário.

Grande abraço a todos!

Att,,

Lacerda.