Você está na página 1de 10

 

CARACTERÍSTICAS  DE  UMA  EQUIPA  


DE  ALTA  PERFORMANCE  
ANÁLISE  CRÍTICA  
Pedro  Dias  Aluno  #208117,  G3NA,  2010/2011    

Trabalho  desenvolvido  no  âmbito  da  UC  Dinâmica  e  Animação  de  Grupos  orientada  
pelo  Professor  Dr.  Pedro  Ramos  
 
RESUMO:   O   trabalho   pretende   reflectir   sobre   o   texto   redigido   por   Veronica   Ahrens,   formada   em  
Educação   Física   pela   Universidade   de   São   Paulo   (USP)   e   Pós-­Graduada   em   Administração   e   Professora  
convidada  pela  Universidade  Gama  Filho  nas  áreas  de  Gestão  e  Liderança.  

ESCOLA  SUPERIOR  DE  LISBOA,  OUTUBRO  DE  2010.  


ÍNDICE  

ÍNDICE ............................................................................................................................. 2  

INTRODUÇÃO ................................................................................................................. 3  

1.   ANÁLISE  CRÍTICA .................................................................................................... 4  

CONCLUSÃO .................................................................................................................... 6  

BIBLIOGRAFIA................................................................................................................ 9  

NETGRAFIA ....................................................................................................................10  

     
Pedro  Dias,  #208117,  G3NA     2  
INTRODUÇÃO  

A  leitura  do  texto  indica-­‐nos  de  forma  muito  assertiva  quais  as  características  
que   devem   assumir   predominância   numa   equipa   de   alta   performance.   A   autora  
revela-­‐nos,  através  da  sua  experiência,  a  importância  que  têm  também  os  líderes  na  
definição  clara  das  regras,  objectivos,  gestão  de  talentos  e  gestão  da  comunicação.  

De  acordo  com  o  que  vem  sendo  apresentado  na  UC  Dinâmica  de  Animação  
de   Grupos,   conseguimos   entender   quais   as   diferenças   entre   Grupo   e   Equipa   e  
consequentemente   a   diferença   de   resultados.     Para   obter   alto   rendimento   torna-­‐se  
evidente   a   necessidade   de   transformar   um   grupo   de   trabalho   numa   equipa.   As  
equipas  permitem  uma  maior  eficácia,  esforços  partilhados,  a  liderança  repartida  em  
algumas   fases,   motivação   dos   elementos,   espírito   de   cooperação   e   aproveitamento  
das  sinergias.  

A   análise   crítica   do   artigo   foi   realizada   com   base   na   informação  


disponibilizada   em   aula   pelo   Prof.   Pedro   Ramos   e   procurando   estabelecer   também  
um   paralelismo   com   o   papel   do   líder   no   desempenho   da   equipa   apoiando   a  
argumentação  na  bibliografia  e  netgrafia  referida.  

     
Pedro  Dias,  #208117,  G3NA     3  
1. ANÁLISE  CRÍTICA  

O   ponto   de   partida   para   identificarmos   se   estamos   perante   um   grupo   com  


alguns  interesses  comuns  ou  de  uma  equipa  com  uma  meta  bem  definida  e  assimilada  
por  todos  os  participantes  é  a  forma  como  o  objectivo  é  partilhado  aos  participantes.  
A   equipa   deverá   entender   qual   o   caminho   a   percorrer   para   alcançar   o   resultado.   É  
referida   por   diversas   vezes   a   capacidade   de   identificar   os   objectivos   com   precisão  
como  uma  das  características  importantes  nas  equipas  de  alto  rendimento.  A  clareza  
como   o   objectivo   é   apresentado   e   a   forma   clarividente   como   os   elementos   a  
entendem   contribui   para   a   focalização   acentuada   de   todos   para   o   alcance   dos  
resultados.   Neste   ponto   o   papel   o   líder   toma   relevância   em   especial   por   ter   de  
transmitir   a   mensagem   e   obter   feedback   da   equipa   para   confirmar   que   o   nível   de  
entendimento  é  comum.  

Atribuindo   responsabilidades   aos   elementos   da   equipa   e   um   grau   de  


autonomia  elevado  –  empowerment  -­‐  obtêm-­‐se  um  grau  de  compromisso  muito  alto  
que  caracteriza  por  regra  as  equipas  de  alta  performance  e  distingui-­‐as  de  um  grupo  
que  tem  apenas  um  compromisso  relativo  face  aos  objectivos  traçados.    

A  diversidade  de  experiências  e  conhecimentos  dos  elementos  de  uma  equipa  


de   alto   rendimento   permite   uma   adequação   das   capacidades   de   cada   um   a   áreas  
específicas   obtendo   desta   forma   uma   valorização   do   resultado   final.   O   melhor  
paralelismo  que  se  pode  estabelecer  neste  ponto  e  para  permitir  um  entendimento  da  
importância   desta   característica   numa   equipa   é,   sem   dúvida,   com   os   desportos   em  
equipa  em  que  cada  elemento  assume  a  sua  função  e/ou  posição  no  terreno  de  jogo  
ou  em  pista,  para  que  o  objectivo  comum  (perfeitamente  interiorizado  por  todos)  seja  
alcançado.  Colocar  as  “pessoas  certas  nos  lugares  certos”  é  uma  frase  frequentemente  
utilizada   mas   por   vezes   não   colocada   em   prática   o   que   pode   comprometer   um  
resultado   melhor,   mais   eficaz.   A   experiência   de   cada   um   dos   elementos   é  
dinamizadora   da   própria   equipa   e   a   partilha   de   boas   práticas   uma   forma   de  
contribuir   para   que   se   desenvolvam   capacidades   em   diversas   áreas   chave.   Consegue-­‐
se  assim  desenvolver  uma  aprendizagem  num  contexto  global  integrado.    
     
Pedro  Dias,  #208117,  G3NA     4  
Assumimos   muitas   vezes   que   o   líder   tem   a   responsabilidade   de   transmitir  
a(s)   mensagen(s)   à   equipa   e   obter   feedback   para,   se   necessário,   colocar   em   prática  
alguma   adaptação   do   plano   inicial.   Se   o   papel   do   líder   é   determinante   a  
responsabilidade   não   se   esgota   na   sua   função   e   expande-­‐se   a   todos   os   elementos   que  
devem   adoptar   formas   de   constantemente   (ao   longo   do   processo   e   não   apenas   na  
avaliação   final   do   resultado)   manterem   os   restantes   elementos   informados   do   seu  
desempenho   colocando   as   suas   sugestões,   comentários   ou   críticas   de   forma  
construtiva.   Este   é   um   dos   desafios   mais   interessantes   pois   a   diversidade   de  
habilidades  e  competências  implica  que,  por  vezes,  existam  elementos  com  diferentes  
capacidades   de   comunicação   o   que   poderá   implicar   uma   maior   dificuldade   neste  
processo.   Talvez   neste   ponto   se   destaquem   os   líderes   com   capacidade   de  
“harmonizar”  o  processo  de  comunicação  dentro  das  equipas.  

Numa  equipa  os  elementos  entendem  que  a  interdependência  contribui  para  


o   resultado   comum   e   que,   em   determinados   momentos,   alguma   fraqueza   que   possa  
prejudicar   o   todo   é   compensada   por   um   esforço   suplementar   de   outro(s)  
elemento(s).     A   equipa   entende   que   no   final   não   se   trata   de   obter   um   somatório   da  
contribuição   individual   dos   participantes   mas   conseguir   uma   valorização   de   todos   os  
sucessos  que  vão  sendo  alcançados.  

     
Pedro  Dias,  #208117,  G3NA     5  
CONCLUSÃO  

Numa   equipa   de   alta   performance   os   membros   que   a   compõem   devem  


apresentar   algumas   características   facilitadoras   do   processo.   A   identificação   dos  
papéis  que  cada  elemento  assume  facilitará  o  papel  do  líder.  Elementos  actualizados,  
simpáticos,  interessados,  participativos,  que  aceitam  e  colocam  as  suas  críticas,  e  com  
vontade   de   evoluir   com   o   grupo   -­‐   “O   Actualizado”1   -­‐,     os   elementos   que   estão  
habitualmente   presentes,   trabalham,   apresentam   as   suas   ideias   num   espírito   aberto  
de  colaboração  e  até  transmitindo  alegria  e  animação  –  “O  Bom  Companheiro”2  -­‐,  os  
que   acreditam   na   força   que   o   grupo   tem,   lutadores   e   impulsionadores,   optimistas   e  
determinados   em   vencer   –   “O   Democrático”3-­‐,   serão   os   que   poderão   de   forma   mais  
eficaz   contribuir   para   um   melhor   resultado   e   sem   dúvida   coadjuvar   o   líder   no  
processo  que  conduzirá  ao  sucesso.  

Na  gestão  das  equipas  de  alta  performance  destaca-­‐se  o  papel  capital  que  o  
líder   terá   de   assumir   tendo   a   responsabilidade   de   conseguir   que   as   características  
subjacentes   a   uma   equipa   de   alta   performance   estejam   presentes,   divulgá-­‐las   junto  
dos   elementos   da   equipa,   gerir   conhecimentos   e   talentos   de   forma   eficaz.   A  
celebração  das  vitórias  é  mencionada  pela  autora  como  um  dos  aspectos  que  o  líder  
não   pode   esquecer   terminando   com   um   conjunto   de   questões   que   o   líder   deverá  
colocar  a  si  próprio  para  entender  em  que  estádio  se  encontra  do  desenvolvimento  da  
sua  equipa.    

MAXWELL   (1999)   apresenta   no   seu   livro   “As   21   irrefutáveis   leis   da  


liderança”  casos  práticos  que  ilustram  as  competências  necessárias  de  um  líder    que  
poderão   complementar   a   interpretação   que   a   autora   pretende   no   seu   artigo   fazer    
destas  características:  

1, 2, 3 Retirado dos slides do Prof. Dr. Pedro Ramos UC Dinâmica e Animação de Grupos / 3º ano.

     
Pedro  Dias,  #208117,  G3NA     6  
 

Objectivo  claro?    

“A   Lei   da   Navegação   –   qualquer   um   pode   pilotar   o   barco,   mas   só   um   líder  


sabe   traçar   o   percurso.”   O   caso   de   dois   grupos   de   exploradores   que   em   1911  
decidiram   viajar   até   ao   pólo   sul   e   o   diferente   resultado   alcançado   pelo   facto   de   terem  
planeado   e   envolvido   os   participantes   de   formas   diferentes.     a   importância   que   um  
dos  líderes  atribui  a  preparação  dos  elementos  da  sua  equipa  foi  fundamental    para  
atingirem  o  objectivo  e  alcançarem  o  sucesso.  

Empowerment?  

“A   Lei   do   Crescimento   Explosivo   –   Para   somar   lidere   subordinados,   para  


multiplicar   lidere   líderes.”   A   história   de   Jonh   Schnatter,   proprietário   do   Papa   Jonh’s  
(pizzarias),   desenvolveu   o   seu   negocio   apostando   na   contratação   de   líderes   que  
colaborassem  no  seu  projecto.  

Diversidade?  

“A   Lei   do   Grande   Impulso   –   o   impulso   é   o   melhor   amigo   do   homem”.   O  


exemplo   de   um   professor   de   uma   escola   da   Califórnia   que   mudou   por   completo   os  
resultados   dos   seus   alunos   apostando   na   diversidade   de   conhecimentos   e  
aproveitando  o  que  de  melhor  cada  um  teria  para  contribuir.  

Relacionamento  e  Feedback?  

“A   Lei   do   Sacrifício   –   o   líder   precisa   abrir   mão   de   algumas   coisas   para   subir”.  
A   história   de   Lee   Iacocca,   Presidente   da   Chrysler   Corporation,   do   seu   relacionamento  
com   o   Congresso   dos   EUA   e   a   sua   forma   de   liderança   assumindo   um   estreito  
relacionamento   com   a   sua   equipa,   entendendo   que   as   responsabilidades   aumentam   e  
os  direitos  diminuem  à  medida  que  se  ocupam  posições  de  maior  destaque.  

Interdependência?  

“A   Lei   das   Prioridades   –   Os   líderes   sabem   que   actividade   não   representa  


necessariamente  realização”.  Sobre  a  forma  como  Jack  Welch,  líder  da  GE,  reconhece  a  
importância   do   trabalho   de   equipa   na   avaliação   das   prioridades   de   uma   companhia  

     
Pedro  Dias,  #208117,  G3NA     7  
utilizando  para  o  efeito  as  valências  de  cada  um  e  analisando  a  relação  causa/efeito  
em  cada  uma  das  decisões  a  tomar  e  compreendendo  o  impacto  no  resultado  final.  

     
Pedro  Dias,  #208117,  G3NA     8  
BIBLIOGRAFIA  

MAXWELL,   John   C.   “As   21   Irrefutáveis   Leis   da   Liderança”,   traduzido   por  


Eduardo  Pereira  e  Ferreira,  São  Paulo:  Mundo  Cristão,  1999.  

     
Pedro  Dias,  #208117,  G3NA     9  
NETGRAFIA  

http://www.administradores.com.br/informe-­‐se/artigos/as-­‐alavancas-­‐para-­‐gestao-­‐
de-­‐equipes-­‐de-­‐alta-­‐performance/48316    [17/10/10,  19:00]  

http://www.advice-­‐business.com/pt/conselho-­‐1674366.htm  [17/10/10,  19:26]  

     
Pedro  Dias,  #208117,  G3NA     10