Você está na página 1de 7

INTRODUÇÃO

Sabe-se que a enfermagem atua em contato direto com o ser humano, valendo-se
do conhecimento de muitas outras ciências, para o seu desenvolvimento. No entanto, é
pacífico o entendimento da necessidade de aprofundar e desenvolver uma base teórica
própria, até pelo fato de ser crescente o movimento de busca por esse
conhecimento.Para a identificação dessa base, são importantes alguns conceitos,
modelos e teorias específicas de enfermagem, os quais estão sendo reconhecidos e
desenvolvidos. Martha E. Rogers foi uma enfermeira que nasceu e morreu no século
passado nos EUA e que se preocupava com a necessidade de educação superior
também para as mulheres. Ela chegou a publicar vários trabalhos em periódicos
de enfermagem, escreveu livros e contribuiu com capítulos para outros livros.

Neste trabalho faremos uma abordagem relacionada à Teoria de


Enfermagem de Martha E. Rogers, baseando-nos em sua definição de
enfermagem, à definição de ser humano ao processo de enfermagem teorizados
por ela. Ela acreditava que devemos conhecer a história da humanidade e o
passado da enfermagem para podermos evoluir com criação de novas técnicas e
aperfeiçoamento na prática. Ela enfatizava que os seres humanos estão no centro
da enfermagem sendo necessário assim que a enfermagem seja humanística e
humanitária e, portanto a ciência da humanidade.

Enfatiza que o ser humano está em constante troca com o ambiente e


que o indivíduo é um todo unificado, a partir de pressupostos criou-se alguns
princípios para serem usados no processo de enfermagem, porém a sua
dificuldade de compreensão pode ser uma limitação ao uso efetivo desta teoria.
Seu sistema abstrato propõe estudos mais aprofundados para a prática de
enfermagem.

ENFERMAGEM: DEFINIÇÃO SEGUNDO MARTHA ROGERS

1
Baseado em conhecimentos em várias áreas que Rogers tinha, em 1970
desenvolveu um sistema abstrato para a enfermagem. Esse sistema sofreu modificações,
seus termos e definições foram refinados, mas aqui é relatado a conceitualização mais
recente. A ideia principal era de que os seres humanos estão no centro do objetivo da
enfermagem, tendo que olhá-los como um todo, sendo assim a enfermagem é
uma ciência humanística e humanitária, uma ciência da humanidade.

PRESSUPOSTOS BÁSICOS
Existem cinco pressupostos sobre os seres humanos subjacentes ao trabalho
original de Rogers:
-O primeiro, é o de que o ser humano é um todo, portanto temos que deixar as
particularidades de lado e avaliá-lo como um ser em constante mudança.
-O segundo presume que o ambiente e o indivíduo troquem matéria e energia entre si
continuamente, sendo cada um deles um sistema aberto.
-O terceiro afirma que o indivíduo jamais será algo que foi um dia, ele acumula
experiências e é influenciado por elas.
-O quarto é o padrão que identifica os indivíduos e reflete a sua totalidade inovadora.
-O quinto é de que o ser humano é o único ser pensante e consciente.

Baseado nesses pressupostos estão os quatro blocos constituintes


identificados por Rogers – campo de energia, abertura, padrão, e
pandimensionalidade. Como o indivíduo é capaz de tirar, liberar energia e informação
do ambiente, ele é um sistema aberto, um pressuposto subjacente e
um bloco constituinte.

A enfermagem gira em torno do núcleo que são os processos de


enfermagem, sendo o indivíduo o receptor dos serviços de enfermagem. Segundo
Roger, a ciência da enfermagem é o estudo dos campos humano e ambiental e é
dirigida à descrição dos processos de vida da humanidade e à explicação e
previsão da natureza e da direção de seu desenvolvimento.

TEORIA DE ROGERS: PRINCÍPIOS DA HOMEODINÂMICA

Os princípios de homeodinâmica são compostos de três princípios


separados: a integralidade, a ressonância e a helicidade que são implantados nos
cinco pressupostos básicos e nos quatro blocos constituintes formando-se a teoria

2
de que a enfermagem é o uso dos princípios de homeodinâmica a serviço da
humanidade.

Integralidade
É o processo de interação contínua, mútua e simultânea entre os
campos humanos e ambientais devido a inseparabilidade dos seres humanos e de
seu ambiente.

Ressonância
É a identificação do campo humano e do campo ambiental por padrões
de ondas que manifestam mudanças contínuas, de ondas longas de baixa
frequência para andas curtas de alta frequência.

Helicidade
Ela engloba os conceitos de mudança rítmica, influência evolutiva e campos humano

ambientais unitários. Ela propõe que a mudança da direção, que ocorre entre os campos

humano e ambiental, sempre visa a diversidade e a complexidade e que é vista em

ritmos que não se repetem precisamente.

TEORIA DE ROGERS E METAPARADIGMA DE ENFERMAGEM

Martha Rogers fala sobre o metaparadigma de enfermagem.O ambiente é um


campo de energia irredutível, indivisível, pandimensional identificado por padrões e
integrado ao campo humano.

A enfermagem é uma arte e uma ciência humanística e humanitária. O objetivo


das enfermeiras é participar no processo de mudança de forma que as pessoas possam se
beneficiar. A saúde não é vista como um estado na teoria de Rogers.

PROCESSO DE ENFERMAGEM: USO DOS PRINCÍPIOS DE ROGERS

Utilizando as diretrizes dos princípios da homeodinâmica, a


enfermagem vai usá-las no processo de enfermagem. Para isso deve haver um
envolvimento tanto da enfermeira quanto do cliente no processo de enfermagem,
então a enfermagem é trabalhar com o cliente, não para ou pelo cliente. Tal fato
demonstra a preocupação com o seu todo.

Na fase de investigação do processo de enfermagem, são coletados fatos e


opiniões sobre o indivíduo e o ambiente. A primeira série de perguntas reflete o

3
princípio da integralidade. A próxima série de perguntas reflete o princípio da
ressonância e a última série de perguntas seria influenciada pelo princípio da helicidade.

A investigação de enfermagem é então, uma investigação total do


ser humano e não apenas de seu estado físico ou mental. O principal é o
indivíduo, não a doença. É então formada uma conclusão, que é o diagnóstico de
enfermagem, segundo passo no processo de enfermagem.

O diagnóstico de enfermagem proporciona direção para o resto do


plano de cuidados de enfermagem. O enfoque sobre a integralidade exige
implementação no ambiente assim como no indivíduo.

A ressonância exige que o plano de enfermagem tenha como alvo a sustentação


ou a modificação das variações no processo de vida do ser humano completo. A
enfermeira deve ajudar o indivíduo a mover-se em direção a um nível de existência mais
alto e mais diversificado.

O planejamento de enfermagem na área da helicidade exige uma aceitação das


diferenças do indivíduo como expressão de emergência evolutiva e
que seja orientado para a promoção da repadronização dinâmica de todo o ser
humano e isso inclui o relacionamento do indivíduo consigo mesmo e com o
ambiente de forma que todo o potencial do ser humano possa ser desenvolvido.

O alvo do plano de enfermagem é a obtenção de um estado ideal


de saúde para o indivíduo, que pode não ser o ideal, mas é o máximo possível
para a pessoa sendo este o enfoque da avaliação, fase final do processo. Apenas
quando a meta de enfermagem foi atingida, as intervenções de enfermagem
podem ser avaliadas como efetivas.

O modelorogeriano também pode ser aplicado às famílias, que pode


incluir a família nuclear, a família de uma só pessoa, a família ampliada, a família
homossexual ou qualquer outra estrutura que o cliente considere como tal.

DELIMITAÇÕES DOS PRINCÍPIOS DE HOMEODINÂMICA DE


ROGERS

As delimitações para a implementação dos princípios da


homeodinâmica deve-se ao fato de ser de difícil compreensão causando assim
resultados questionáveis. O uso dos princípios da homeodinâmica é limitado em sua

4
totalidade, pois é difícil medir o indivíduo como uma unidade ou medir os campos
de energia e os padrões de onda.

TRABALHO DE ROGERS E AS CARACTERÍSTICAS DE


SUA TEORIA
1-Podem-se criar novas maneiras de ver um determinado fenômeno interrelacionando
conceitos. O sistema abstrato de Rogers faz com que se veja a enfermagem de uma
forma diferente.

2-As teorias devem ser de natureza lógica. Rogers desenvolveu os pressupostos, através
dos blocos constituintes, para os princípios da homeodinâmica.

3-As teorias devem ser relativamente simples e ainda generalizáveis. A teoria de


Rogers é simples na concepção do homem, porém não é nada simples para sua
compreensão.

4-As teorias podem ser as bases para as hipóteses serem testadas ou para a teoria ser
expandida.

5-As teorias aumentam o conhecimento dentro da disciplina, mas Rogers utiliza de


diversos estudos tornando-se uma pesquisa de difíceis definições operacionais e
instrumentos válidos para medir os resultados e prejudicada pela falta de simplicidade.

6- As teorias servem para que melhorem e orientem a prática dos profissionais


e podemos aplicar as ideias de Rogers para isso. Porém é necessário que
tenha resultados positivos para das intervenções de enfermagem derivadas
desse modelo.

7-As teorias devem ser consistentes com outras teorias e a de Rogers é, mas devem
deixar abertas as questões não respondidas que devem ser
investigadas.

O trabalho de Rogers é de uma natureza abstrata e seu sistema proporciona o


desenvolvimento de novas questões para estudo mais aprofundado e intervenções
destinadas à prática de enfermagem.

5
CONCLUSÃO

A procura pelo conhecimento próprio da enfermagem tem progredido muito, ao


longo dos anos, com o estudo das teorias de enfermagem, voltando sua atenção para o
ensino, as pesquisas e a assistência. Daí a importância de analisarmos as teorias, para
adequá-las à nossa realidade, contribuindo, assim, para a ampliação do conhecimento da
enfermagem.

6
BIBLIOGRAFIA

Hickman, Janet S. Introdução à Teoria da Enfermagem. In: George Julia B. Teorias


de enfermagem: os fundamentos à prática profissional. 4ª ed. Porto Alegre: Artes
Médicas; 2000.p 11-20.

Souza MF. Marcos teóricos e teorias de enfermagem: contribuição para a


construção do conhecimento em enfermagem no Brasil. In: Garcia TR, Pagliuca
LMF. A construção do Conhecimento em Enfermagem: coletânea de trabalhos.
Fortaleza: RENE; 1998.