Você está na página 1de 21

Capítulo 5: Materiais Compósitos

Questões a abordar...
• Classes e tipos de compósitos
• Vantagens de utilizar compósitos

• Materiais utilizados nos compósitos

• Propriedades dos compósitos


• Processos de fabrico e aplicações – capítulo 11

Capítulo 5 - 1
Capítulo 5: Materiais Compósitos
•  Compósito
material multifásico que resulta da mistura de materiais
com o objectivo de obter combinações de propriedades
adequadas e por vezes únicas

Ex: obter um material com a flexibilidade & o peso de um polímero


combinado com a resistência de um cerâmico

mas…

as fases constituintes são quimicamente dissimilares e


encontram-se separadas por uma interface

Capítulo 5 - 2
Terminologia
Compósitos: matriz + reforço
Fibras
tecido
• Matriz:
- Fase contínua
- Objectivo:
- ligação do reforço 0.5 mm
- transferir tensão para reforço secção
- proteger fases do ambiente transversal

• Reforço (fase dispersa):


- Objectivo:
0.5 mm
- melhorar propriedades matriz
- suportar a maior parte da tensão
- Tipos: Partículas, fibras, estruturais
Capítulo 5 - 3
Materiais Compósitos - Classificação
- De acordo com o material da matriz:
- Compósitos de matriz metálica (CMM)
- Compósitos de matriz cerâmica (CMC)
- Compósitos de matriz polimérica (CMP)

- De acordo com a geometria do reforço:


Compósitos

Reforçados com Reforçados Estruturais


partículas com fibras

Partículas Endurecidos Contínuas Descontínuas Laminados Painéis Sandwich


grandes por Dispersão (alinhadas) (curtas)

Alinhadas Aleatórias

Capítulo 5 - 4
Vantagens dos Compósitos
• CMP: Elevado E/ρ
• CMC: Tenacidade elevada
cerâmicos
F Reforçado partículas 103
E(GPa) CMPs
102
10 metais/ligas
Reforçado fibra
1
Não reforçado
.1 polímeros

deformação .01
.1 .3 1 3 10 30
10 -4 Densidade, ρ [mg/m3]
6061 Al
ε (s-1)
• CMM: 10 -6
elevada
resistência -8
10
à fluência 6061 Al
c/ whiskers SiC
σ( MPa)
10 -10
20 30 50 100 200 Capítulo 5 - 5
Compósitos: Partículas - I
Reforçados com partículas Reforçados com fibras Estruturais
• Exemplos:
- Aço matriz: partículas:
esferoidizado ferrite (α) cementite
(dúctil) (Fe3 C)
(frágil)
60 µm

- WC/Co matriz: partículas:


cermet cobalto WC
(dúctil) (duras,
Vm : frágeis)
10-15 vol% 600 µm

- Pneus matrix: Partículas C


automóvel borracha
(rígidas)
(tenaz)

0.75 µm Capítulo 5 - 6
Compósitos: Partículas - II
Reforçados com Reforçados com fibras Estruturais
partículas
Betão – brita + areia+ cimento + água
Betão armado - Reforçado com aço para aumentar a resistência à tracção/flexão

Betão Pré-esforçado – vazamento do betão sobre cabos de aço sob tensão


de tracção. Após cura do betão a força de tracção é retirada e o material
tende a recuperar elasticamente ficando sob tensões de compressão
- Betão muito mais resistente à tracção
- Tensão aplicada tem que exceder tensão de compressão para que material
fique em tracção

cabo

Capítulo 5 - 7
Compósitos: Partículas - III
Reforçados com Reforçados com fibras Estruturais
partículas
• Módulo de elasticidade do compósito (Ec):
- 2 aproximações limite superior: “regra das misturas linear”
Ec = fm Em + fp Ep
E(GPa)
Limite inferior:
350
“regra das misturas inversa”
Matriz Cu 30 0
1 f f
c/partículas 250 = m+ p
W 20 0 Ec Em Ep
150

0 20 4 0 6 0 8 0 10 0 vol% tungsténio
(Cu) (W)
• Outras propriedades:
- Conductividade eléctrica, σe: substituir E por σe nas equações
- Conductividade térmica, k: substituir E por k nas equações
Capítulo 5 - 8
Compósitos: Fibras - I
Reforçados com Reforçados com fibras Estruturais
partículas

•  Fibras muito resistentes


–  Permitem aumento significativo resistência do
material
–  Ex: fibra-vidro
•  Filamentos contínuos de vidro em matriz polimérica
•  Resistência elevada devido às fibras
•  Densidade baixa devido à matriz polimérica
•  Polímero apenas une as fibras

Capítulo 5 - 9
Compósitos: Fibras - II
Reforçados com Reforçados com fibras Estruturais
partículas

•  Fibras (materiais)
–  Whiskers – Monocristais finos – elevada relação comprimento
/diâmetro
•  grafite, SiN, SiC
•  Elevada perfeição cristalina – mais resistentes que se conhece
•  Muito caros

–  Fibras
•  policristalinas ou amorfas
•  geralmente poliméricas ou cerâmicas
•  Ex: Al2O3 , Aramida, E-vidro, Boro, UHMWPE

–  Fios
•  Metal – aço, Mo, W
Capítulo 5 - 10
Alinhamento das Fibras

contínuas descontínuas
alinhadas alinhadas aleatórias

Anisotrópico Anisotrópico Isotrópico


Capítulo 5 - 11
Compósitos: Fibras - III
Reforçados com Reforçados com fibras Estruturais
partículas
• Fibras contínuas alinhadas
Exemplos:
- Metálicas: γ'(Ni3Al)-α(Mo) -  Cerâmicas: Vidro c/ fibras SiC
por solidificação eutéctica Evidro = 76 GPa; ESiC = 400 GPa

Matriz: α ( Mo) (ductil)

(a) superfície
de fractura

2 µm
(b)
fibras: γ ’ (Ni3Al) (frágil)

Capítulo 5 - 12
Compósitos: Fibras - IV
Reforçados com partículas Reforçados com fibras Estruturais

• Fibras descontínuas, aleatórias


C fibras:
Exemplo: Carbono-Carbono muito rígidas
- usos: travões de disco, e resistentes
exaustão em turbinas de gas,
C matriz:
cones de nariz de avião menos rígida
plano menos resistente

fibras
no plano

Capítulo 5 - 13
Módulo de Young do Compósito:
Isodeformação
Fibras contínuas – Estimar o módulo de elasticidade do compósito

Deformação longitudinal (tensão aplicada paralelamente às fibras)

Isodeformação εc = εm = εf
Fc
matriz
fibras f = fibra
Fc = Fm + Ff m = matriz
c = compósito

L F
como σ=
A
σc Ac = σm Am + σf Af

multiplicando
€ por L = Lc = Lm = Lf

Fc σc Ac L = σm Am L + σf Af L
Capítulo 5 - 14
Módulo de Young do Compósito:
Isodeformação

σc Ac L = σm Am L + σf Af L

Vc Vm Vf volume

dividindo por Vc

σc = σm Vm / Vc + σf Vf / Vc

fm ff fracção volúmica

σc = σm fm + σf ff

Capítulo 5 - 15
Módulo de Young do Compósito:
Isodeformação
σc = σm fm + σf ff

em regime elástico: σ = E ε

Ec εc = Em εm fm + Ef εf ff

em isodeformação: ε = εc = εm = εf

dividindo por ε

Ec = Em fm + Ef ff Lei de misturas linear

Capítulo 5 - 16
Módulo de Young do Compósito:
Isotensão
Fibras contínuas – Estimar o módulo de elasticidade do compósito

Deformação transversal (tensão aplicada perpendicularmente às fibras)

•  As fibras suportam menos esforço - isotensão


σc = σm = σf = σ ΔLc= ΔLm + ΔLf
σc ΔL
matriz como ε=
L0
Ac=Af=Am
εcL0c= εmL0m + εfL0f

multiplicando por A
Lc

fibras εcL0c A= εmL0m A + εfL0f A


σc Capítulo 5 - 17
Módulo de Young do Compósito:
Isotensão
εcL0c A = εmL0m A + εfL0f A

Vc Vm Vf

dividindo por Vc

εc = εm Vm / Vc + εf Vf / Vc

fm ff

εc = εm fm + εf ff

Capítulo 5 - 18
Módulo de Young do Compósito:
Isotensão
εc = εm fm + εf ff
σ
Em regime elástico ε =
E
σc/Ec= σm/Em fm + σf/Ef ff

em isotensão €
σc = σm = σf = σ

1 fm ff
= +
Ec Em E f

Lei de misturas inversa


Capítulo 5 - 19

Compósitos: Estruturais
Reforçados com Reforçados com fibras Estruturais
partículas
• Laminados
Folhas reforçadas com fibras empilhadas e coladas
- sequência de empilhamento: ex: 0º/90º
- vantagem: equilibrado, rigidez no plano
• Painéis sandwich
- baixa densidade, interior em favo de mel
- vantagem: baixo peso, elevada rigidez à flexão
folha face
camada adesivo
favo de mel

Capítulo 5 - 20
Resumo
• Compósitos classificados de acordo com:
- material da matriz (CMM, CMC, CMP)
- geometria do reforço (partículas, fibras, laminados)

• Compósitos melhoram propriedades da matriz :


- CMM: aumentam σced, σmax, resistência à fluência
- CMC: aumentam KIC
- CMP: aumentam E, σced, σmax, resistência à fluência

• Reforçados com partículas


- Módulo de elasticidade pode ser estimado por leis de misturas
- Propriedades são isotrópicas

• Reforçados com fibras:


- Módulo de elasticidade e σmax podem ser estimados por leis de misturas
- Propriedades podem ser isotrópicas ou anisotrópicas

• Estruturais:
- laminados ou em sandwich
Capítulo 5 - 21

Você também pode gostar