Você está na página 1de 24

UNIVERSIDADE DE CABO VERDE

FCT

UNICV/FCT
1º ANO EE 2018-2019
Analise de Circuitos
AC3 – Indutância e Capacitância
Jailson Moreira
UNIVERSIDADE DE CABO VERDE
DCT

Sumario

✓ Indutância-Bobinas

✓ Capacitância-Condensadores

✓ Combinação de indutância e capacitância em série e em paralelo


UNIVERSIDADE DE CABO VERDE
DCT

Objetivo
✓ Conhecer e saber usar as equações para tensão, corrente, potencia
e energia numa bobina. Entender como uma bobina se comporta na
presença de corrente constante e o requisito de que a corrente deve
ser função continua numa bobina

✓ Conhecer e saber usar as equações para tensão, corrente, potencia


e energia num condensador. Entender como um condensador se
comporta na presença de uma tensão constante e o requisito de que
a tensão deve ser função continua num condensador

✓ Saber combinar bobinas com condições iniciais em série e em


paralelo para formar uma única bobina equivalente com uma
condição inicial

✓ Saber combinar condensadores com condições iniciais em série e em


paralelo para formar um único condensador equivalente com uma
condição inicial
UNIVERSIDADE DE CABO VERDE
DCT

Bobina
✓ Uma bobina é um componente elétrico que se opõe a qualquer
alteração na corrente elétrica. É composto de um condutor espiral,
enrolado num núcleo de suporte cujo material pode ser magnético ou
não magnético.

✓ O comportamento das bobinas é baseado nos fenómenos associados


a campos magnéticos. A fonte do campo magnético são cargas em
movimento ou corrente elétrica

✓ Se a corrente variar com o tempo, o campo magnético variará com o


tempo. Um campo magnético que varia com o tempo induz uma
tensão em qualquer condutor imerso no campo.

✓ O parâmetro indutância relaciona a tensão induzida com a corrente e


serve para descrever uma bobina. Ela é simbolizada pela letra 𝐿, é
medida em henry (𝐻) e é representada graficamente como uma
espiral
UNIVERSIDADE DE CABO VERDE
DCT

Bobina
✓ Equação que relaciona a corrente e atenção na bobina

✓ A equação reflete a convenção passiva, isto é, a referencia de


corrente está na direção da queda de tensão na bobina

✓ A tensão na bobina é proporcional á variação temporal da corrente na


bobina

1. Se a corrente for constante a tensão na bobina é zero e a


bobina comporta como um curto-circuito.

2. A corrente não pode variar instantaneamente numa bobina, isto


é, a corrente não pode variar por uma quantidade finita em
tempo zero, essa variação exigiria uma tensão infinita que não
são possíveis.
UNIVERSIDADE DE CABO VERDE
DCT

Bobina
UNIVERSIDADE DE CABO VERDE
DCT

Corrente numa bobina em termos da tensão na bobina


✓ Equação que relaciona a corrente e atenção na bobina

✓ Para determinar 𝑖 em função de 𝑣, reformulamos a equação


diferencial apresentada em cima da seguinte forma:

o Multiplicamos a equação pelo tempo diferencial 𝑑𝑡

𝑑𝑖
o 𝑣𝑑𝑡 = 𝐿 𝑑𝑡 𝑑𝑡 → 𝑣𝑑𝑡 = 𝐿𝑑𝑖

o Integramos ambos os lados da equação entre um dado período


de tempo [𝑡0 ; 𝑡]
𝑡 𝑡 1 𝑡
𝐿 ‫ 𝑡𝑑𝑣 𝑡׬ 𝐿 = )𝑡(𝑖 → 𝑡𝑑𝑣 𝑡׬ = )𝑡(𝑖𝑑 𝑡׬‬+ 𝑖(𝑡0 )
0 0 0

o 𝑖 𝑡0 é a corrente inicial na bobina, em muitas aplicações


práticas 𝑡0 = 0 → 𝑖 𝑡0 = 𝑖(0) = 𝐼0
UNIVERSIDADE DE CABO VERDE
DCT

Corrente numa bobina em termos da tensão na bobina


UNIVERSIDADE DE CABO VERDE
DCT

Potência e energia numa bobina


✓ As relações entre potência e energia para uma bobina podem ser
deduzidas diretamente das relações entre a corrente e tensão.

✓ Se a referência da de corrente estiver no sentido da queda de tensão


nos terminais da bobina, a potência é: 𝑃 = 𝑣𝑖

✓ Se expressarmos a tensão em função da corrente da bobina a


𝑑𝑖
potência será P = 𝐿𝑖 𝑑𝑡

✓ Se expressarmos a corrente em função da tensão da bobina a


𝑡
potência será P = 𝑣[1𝐿 ‫ 𝜏𝑑𝑣 𝑡׬‬+ 𝑖(𝑡0 )]
0
UNIVERSIDADE DE CABO VERDE
DCT

Potência e energia numa bobina


✓ A potência é a taxa da variação da energia em relação ao tempo,
𝑑𝑤 𝑑𝑖
portanto P = 𝑑𝑡 = 𝐿𝑖 𝑑𝑡

✓ Multiplicar a equação pelo tempo diferencial 𝑑𝑡 ,temos que: 𝑑𝑤 = 𝐿𝑖𝑑𝑖

✓ Considerando que a referência para energia zero corresponde a uma


corrente zero na bobina e integrando ambos os lados da equação,
𝑤 𝑖
temos que: ‫׬‬0 𝑑𝑤 = 𝐿 ‫׬‬0 𝑖𝑑𝑖 → 𝑤 = 12𝐿𝑖 2

✓ A energia na bobina é dado por 𝑤 = 12𝐿𝑖 2


UNIVERSIDADE DE CABO VERDE
DCT

Potência e energia numa bobina


UNIVERSIDADE DE CABO VERDE
DCT

Potência e energia numa bobina


UNIVERSIDADE DE CABO VERDE
DCT

Potência e energia numa bobina


UNIVERSIDADE DE CABO VERDE
DCT

Condensador
✓ Um condensador é um componente elétrico que consiste em duas
placas condutoras separadas por um material dielétrico ou isolante. O
condensador é único dispositivo, para alem da bateria, que pode
armazenar carga elétrica.

✓ O comportamento dos condensadores é baseado em fenómenos


relacionados com campo elétricos. A fonte do campo elétrico é a
separação de cargas ou tensão.

✓ Se a tensão variar com o tempo, o campo elétrico variará com o


tempo. Um campo que varia com o tempo gera uma corrente de
deslocamento no espaço onde existe o campo,

✓ O parâmetro capacitância relaciona a corrente de deslocamento à


tensão, em que a corrente de deslocamento é igual a corrente de
condução nos terminais do condensador.
UNIVERSIDADE DE CABO VERDE
DCT

Condensador
✓ Ele é simbolizado pela letra 𝐶, é medida em farads (𝐹) e é
simbolizado como uma duas placas condutoras curtas e paralelas.
Equação que relaciona a corrente e a tensão no condensador

✓ A equação reflete a convenção passiva, isto é, a referencia de


corrente está na direção da queda de tensão no condensador

✓ A corrente no condensador é proporcional á variação temporal da


tensão no condensador

1. Se a tensão for constante a corrente no condensador é zero, a


razão é que uma corrente de condução não pode ser
estabelecida no material dielétrico do condensador

2. A tensão não pode variar instantaneamente nos terminais de um


condensador, isto é, essa variação produziria uma corrente
infinita que não é possível.
UNIVERSIDADE DE CABO VERDE
DCT

Condensador
✓ Somente uma tensão que varie com o tempo pode produzir uma
corrente de deslocamento, fazendo o condensador se comportar
como uma malha aberta na presença de uma tensão constante

✓ Para determinar 𝑣 em função de 𝑖 reformulamos a equação


diferencial apresentada em cima da seguinte forma:

o Multiplicamos a equação pelo tempo diferencial 𝑑𝑡 e depois


integramos a equação diferencial resultante

𝑡 𝑡 𝑡
o 𝑖𝑑𝑡 = 𝐶𝑑𝑣 𝑜𝑢 ‫𝐶 = )𝑡(𝑣𝑑 𝑡׬‬1 ‫𝐶 = 𝑡 𝑣 → 𝑡𝑑𝑖 𝑡׬‬1 ‫ 𝑡𝑑𝑖 𝑡׬‬+ 𝑣(𝑡0 )
0 0 0

o 𝑣 𝑡0 é a tensão inicial no condensador, em muitas aplicações


práticas 𝑡0 = 0 → 𝑣 𝑡0 = 𝑣(0) = 𝑉0
UNIVERSIDADE DE CABO VERDE
DCT

Potência e energia num condensador


✓ As relações entre potência e energia para uma bobina podem
ser deduzidas diretamente das relações entre a corrente e
tensão.

✓ Se a referência da de corrente estiver no sentido da queda de


tensão nos terminais do condensador, a potência é: 𝑃 = 𝑣𝑖

✓ Se expressarmos a corrente em função da tensão no


condensador a potência será P = 𝐶𝑣𝑑𝑣
𝑑𝑡

✓ Se expressarmos a tensão em função da corrente do


𝑡
condensador, a potência será P = 𝑖[𝐶1 ‫ 𝜏𝑑𝑖 𝑡׬‬+ 𝑣(𝑡0 )]
0
UNIVERSIDADE DE CABO VERDE
DCT

Potência e energia num condensador


✓ A potência é a taxa da variação da energia em relação ao tempo,
𝑑𝑤
portanto P = 𝑑𝑡 = 𝐶𝑣𝑑𝑣
𝑑𝑡

✓ Multiplicar a equação pelo tempo diferencial 𝑑𝑡 ,temos que: 𝑑𝑤 = 𝐶𝑣𝑑𝑣

✓ Considerando que a referência para energia zero corresponde a uma


tensão zero e Integrando ambos os lados da equação, temos que:
𝑤 𝑖
‫׬‬0 𝑑𝑤 = 𝐶 ‫׬‬0 𝑣𝑑𝑣 → 𝑤 = 12𝐶𝑣 2

✓ A energia no condensador é dado por 𝑤 = 12𝐶𝑣 2


UNIVERSIDADE DE CABO VERDE
DCT

Condensador
UNIVERSIDADE DE CABO VERDE
DCT

Condensador
UNIVERSIDADE DE CABO VERDE
DCT

Condensador
UNIVERSIDADE DE CABO VERDE
DCT

Associação série paralelo de indutância e capacitância


✓ Exatamente como combinações de resistências em série e em paralelo
podem ser reduzidas numa única resistência equivalente, as
combinações de bobinas e condensadores podem ser reduzidas numa
única bobina ou num único condensador.

✓ As bobinas em série são forçados a conduzir a mesma corrente.

𝑑𝑖 𝑑𝑖
✓ As quedas de tensão nas bobinas individuais são: 𝑣1 = 𝐿1 𝑑𝑡 , 𝑣2 = 𝐿2 𝑑𝑡
𝑑𝑖
e 𝑣3 = 𝐿3 𝑑𝑡

✓ A tensão nos terminais da ligação em série é: 𝑣 = 𝑣1 + 𝑣2 + 𝑣3

𝑑𝑖
✓ 𝑣 = (𝐿1 +𝐿2 +𝐿3 ) 𝑑𝑡 𝐿𝑒𝑞 = 𝐿1 + 𝐿2 + 𝐿3 + … + 𝐿𝑛
UNIVERSIDADE DE CABO VERDE
DCT

Associação série paralelo de indutância e capacitância


✓ As bobinas em paralelo tem a mesma tensão terminal.

✓ Considerando as correntes para cada bobina e aplicando a LCK

✓ Para n bobinas em paralelo:


UNIVERSIDADE DE CABO VERDE
DCT

Associação série paralelo de indutância e capacitância


✓ Condensadores ligados em série podem ser reduzidos num único
condensador equivalente

✓ A reciproca da capacitância equivalente é igual à soma das reciprocas


das capacitâncias individuais

✓ Se cada condensador apresentar a própria tensão inicial no


condensador, a tensão inicial no condensador equivalente será a soma
algébrica das tensões iniciais nos condensadores individuais

Você também pode gostar