Você está na página 1de 50

__________________________________________________________________________________________

ÍNDICE

ASSUNTO: PAG

1. CONCEITO....................................................................................................................................81
2. ESTRUTURA.................................................................................................................................81
3. ARQUITETURA............................................................................................................................82
4. COMPONENTES DA LINGUAGEM..........................................................................................82
IDENTIFICADORES................................................................................................................82
PALAVRAS RESERVADAS...................................................................................................82
LITERAIS................................................................................................................................82
COMENTÁRIOS:.....................................................................................................................83
5. DECLARAÇÕES...........................................................................................................................83
TIPOS DE VARIAVEIS............................................................................................................83
VARIÁVEIS SIMPLES................................................................................................83
ATRIBUTOS ESPECIAIS...........................................................................................84
PROBLEMA PROPOSTO...........................................................................................85
RESOLUÇÃO 1:...........................................................................................................85
RESOLUÇÃO 2............................................................................................................86
VARIÁVEIS COMPOSTAS.........................................................................................86
PROBLEMA PROPOSTO...........................................................................................88
RESOLUÇÃO:..............................................................................................................88
CONSTANTES...........................................................................................................88
CONVERSÃO DE TIPO DE VARIÁVEL.................................................................................89
EXEMPLOS DE DECLARAÇÕES..........................................................................................89
VARIÁVEIS ESPECIAIS.............................................................................................89
ATRIBUTOS PARA CURSOR....................................................................................90
PROBLEMA PROPOSTO ..........................................................................................91
RESOLUÇÃO:..............................................................................................................91
6. ATRIBUIÇÕES..............................................................................................................................92
7. FUNÇÕES PRÉ-DEFINIDAS.......................................................................................................92
CONTROLE DE ERROS.........................................................................................................92
SQLCODE..................................................................................................................92
SQLERRM..................................................................................................................92
NUMÉRICAS...........................................................................................................................93
ABS............................................................................................................................93
CEIL............................................................................................................................93
COS............................................................................................................................93
COSH.........................................................................................................................93
EXP............................................................................................................................93
FLOOR.......................................................................................................................93
LN...............................................................................................................................93
LOG............................................................................................................................94
MOD...........................................................................................................................94
POWER......................................................................................................................94
ROUND.......................................................................................................................94
SIGN...........................................................................................................................94
SIN..............................................................................................................................94
SINH...........................................................................................................................94
SQRT..........................................................................................................................94
TAN............................................................................................................................95
TANH..........................................................................................................................95
TRUNC.......................................................................................................................95
CARACTERES........................................................................................................................95
ASCII..........................................................................................................................95
CHR............................................................................................................................95
CONCAT.....................................................................................................................95
INITCAP......................................................................................................................95

__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________

INSTR.........................................................................................................................95
LENGTH.....................................................................................................................96
LOWER.......................................................................................................................96
LPAD..........................................................................................................................96
LTRIM.........................................................................................................................96
REPLACE...................................................................................................................96
RPAD..........................................................................................................................96
RTRIM........................................................................................................................96
SOUNDEX..................................................................................................................97
SUBSTR.....................................................................................................................97
TRANSLATE...............................................................................................................97
UPPER.......................................................................................................................97
DATAS....................................................................................................................................97
ADD_MONTHS...........................................................................................................97
LAST_DAY.................................................................................................................97
MONTHS_BETWEEN.................................................................................................97
NEW_TIME.................................................................................................................98
NEXT_DAY.................................................................................................................98
SYSDATE...................................................................................................................98
ROUND.......................................................................................................................98
TRUNC.......................................................................................................................98
CONVERSÃO.........................................................................................................................99
CHARTOROWID........................................................................................................99
HEXTORAW...............................................................................................................99
RAWTOHEX...............................................................................................................99
ROWIDTOCHAR........................................................................................................99
TO_CHAR...................................................................................................................99
MISCELÂNEA.......................................................................................................................100
DECLARE.................................................................................................................100
GREATEST..............................................................................................................101
LEAST......................................................................................................................101
NVL...........................................................................................................................101
UID...........................................................................................................................101
USER........................................................................................................................101
USERENV................................................................................................................101
VSIZE.......................................................................................................................101
PROBLEMA PROPOSTO: .......................................................................................102
Resolução..................................................................................................................102
8. COMANDOS................................................................................................................................103
LABELS................................................................................................................................103
EXIT.......................................................................................................................................103
IF THEN ELSE......................................................................................................................104
LOOP....................................................................................................................................105
PROBLEMA PROPOSTO: .......................................................................................106
RESOLUÇÃO.............................................................................................................106
WHILE LOOP........................................................................................................................107
PROBLEMA PROPOSTO: .......................................................................................107
RESOLUÇÃO:............................................................................................................107
FOR LOOP............................................................................................................................108
GOTO....................................................................................................................................109
NULL.....................................................................................................................................109
PROBLEMA PROPOSTO: .......................................................................................109
RESOLUÇÃO:............................................................................................................110
9. COMUNICAÇÃO COM O SQL.................................................................................................110
OPEN CURSOR ...................................................................................................................110
CURSOR LOOP....................................................................................................................111
PROBLEMA PROPOSTO:........................................................................................111
RESOLUÇÃO:............................................................................................................112
10. TRATAMENTO DE ERROS....................................................................................................112
EXCEÇÕES PRÉ-DEFINIDAS..............................................................................................113

__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________

PROBLEMA PROPOSTO: .......................................................................................114


RESOLUÇÃO:............................................................................................................114
EXCEÇÕES DEFINIDAS PELOS USUÁRIOS.....................................................................115
RAISE.......................................................................................................................115
PRAGMA EXCEPTION_INIT....................................................................................115
RAISE_APPLICATION_ERROR..............................................................................116
PROPAGAÇÃO DA EXCEÇÃO................................................................................116
SQLERRM................................................................................................................117
11. SUBPROGRAMAS ...................................................................................................................117
PROCEDURES.....................................................................................................................118
DECLARAÇÕES FORWARD...............................................................................................119
STORED SUBPROGRAMS..................................................................................................120
CHAMADAS DE UM STORED PROGRAM..............................................................120
CRIANDO UM STORED SUBPROGRAM................................................................120
12. DATABASE TRIGGERS..........................................................................................................121
13. PACKAGES................................................................................................................................123
CRIANDO UM PACKAGE....................................................................................................123
VANTAGENS DO USO DE PACKAGES..............................................................................124
REFERÊNCIAS A packageS................................................................................................125
14. MENSAGENS EM STORED PROCEDURES E TRIGGERS...............................................125
EXEMPLO.............................................................................................................................125
Procedures e Funções........................................................................................................125
DISABLE PROCEDURE...........................................................................................125
ENABLE PROCEDURE............................................................................................126
GET_LINE PROCEDURE.........................................................................................126
GET_LINES PROCEDURE......................................................................................126
NEW_LINE PROCEDURE .......................................................................................126
PUT PROCEDURE ..................................................................................................127
PUT_LINE.................................................................................................................127
EXEMPLO................................................................................................................127

__________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________

GUIA DE REFERENCIA DE PL/SQL COM BASE ORACLE

1. CONCEITO
A PL/SQL é uma linguagem procedural do ORACLE, extensão ao SQL. Este capítulo da apostila tem
o objetivo de dar uma visão geral da linguagem e suas potencialidades. Através de exemplos simples
veremos a aplicabilidade da linguagem. No fim do capítulo estão transcritos os principais comandos e
sua sintaxe. Com a PL/SQL pode-se usar comandos SQL para manipular os dados da base
ORACLE e fluxos de controle para processar os dados. Pode-se declarar constantes e variáveis,
definir subprogramas (procedures ou funções) e controlar erros de execução.

2. ESTRUTURA
A PL/SQL é uma estrutura em blocos, ou seja, as unidades básicas (procedures, funções, etc.)
podem conter qualquer número de sub-blocos. Um bloco permite que se façam declarações
associadas ao bloco e que deixam de existir quando o bloco termina.

Cada bloco é composto basicamente de 3 partes:

DECLARE
<declarações> ______________ opcional
BEGIN
<lógica> ___________________ obrigatória
EXCEPTION
<erros> _____________ opcional

END;

A ordem das partes é lógica, ou seja, primeiro deve-se efetuar as declarações, para depois utilizar (na
lógica) as variáveis criadas. As exceções ocorridas durante a execução podem ser resolvidas na
parte referente a erros.

Exemplo:

DECLARE
w_salario NUMBER(5);
BEGIN
SELECT vl_sal INTO w_salario FROM func
WHERE cd_mat = 150
FOR UPDATE OF;

IF w_salario < 800


THEN
UPDATE func
SET salario = w_salario * 1.3
WHERE cd_mat = 150;
ELSE
UPDATE func
SET vl_sal = w_salario * 1.15
WHERE cd_mat = 150;
END IF;

COMMIT;
END;

__________________________________________________________________________________________
81
__________________________________________________________________________________________

3. ARQUITETURA
O módulo executável da PL/SQL pode ser instalado no RDBMS ou em softwares aplicativos tais
como: SQL*REPORT, SQL*FORMS, SQL*MENU. Estes dois ambientes (RDBMS e aplicativos) são
independentes. No ambiente instalado, a PL/SQL aceita como entrada qualquer bloco ou
subprograma escrito na linguagem. Quando a instalação é feita no RDBMS, é possível a inclusão de
rotinas em PL/SQL nos aplicativos das host languages. É possível ainda, a compilação separada de
subprogramas e armazenamento na base de dados ORACLE, que serão lidos a tempo de execução.
Um Subprograma explicitamente criado usando uma ferramenta do ORACLE é chamado de “stored
subprogram”, que uma vez compilado e armazenado no dicionário de dados, poderá ser chamado por
qualquer número de aplicações conectadas à base de dados.

Ex.: no SQL *PLUS

SQL> execute teste (‘DILSON’)

4. COMPONENTES DA LINGUAGEM
IDENTIFICADORES
Consiste de uma letra opcionalmente seguida de números, “$”, ”_” ou “#”. As letras podem ser
minúsculas ou maiúsculas.

Ex.: Legais Ilegais


money$$$tree teste&teste
ab### cd_depto
novo_teste_ nmfunc

PALAVRAS RESERVADAS
Palavras que possuam um significado especial para a SQL.

Ex.: BEGIN
END

LITERAIS
É uma representação explícita de um número, caracter, string ou boleano, não representado por um
identificador.
Ex.:
Numéricos Caracteres Strings Boleanos
030 ‘Z’ ‘10-NOV-91’ TRUE
6 ‘%’ ‘hello,world’ FALSE
-14 ‘7’
+32767 ‘.‘
12.0 ‘.‘
.5 ‘z’
‘2E5 ‘(‘
-9.5E-3

__________________________________________________________________________________________
82
__________________________________________________________________________________________

COMENTÁRIOS:
O início do comentário é marcado por dois hífens em qualquer ponto da linha. O restante da linha é
considerado comentário. Para comentários que ultrapassem uma linha, pode-se usar a notação /*
(inicio) e */(fim).

Ex.:
SELECT vl_sal INTO w_salario – obtêm o salário atual

/* calculo da
bonificação */
IF w_salario > 50000

5. DECLARAÇÕES
TIPOS DE VARIAVEIS
Cada constante ou variável possui um tipo que especifica o formato de armazenamento, restrições e
intervalo de valores. O dado pode ser simples ou composto.

• SUBTIPOS – São associados aos tipos com uma restrição, que indiquem um subconjunto de
valores.

VARIÁVEIS SIMPLES

• BINARY INTEGER numérico, para armazenamento de valores inteiros de -2**31 a (2**31) - 1

sintaxe: binary_integer

subtipos: natural -de 0 a (2**31) -1


positive -de 1 a (2**31) -1

• NUMBER numérico, para armazenamento de valores em ponto flutuante com precisão de até 38
dígitos.

sintaxe: number [ (<precisão>,<escala>) ]

subtipos: dec idem a number


decimal idem a number
double precision idem a number
float idem a number
integer idem a number
int idem a number
numeric idem a number
real idem a number
smallint idem a number

• CHAR alfanumérico de tamanho fixo com até 32767 caracteres.

sintaxe: char [ (<comprimento>) ]

subtipo: string idem a char

• LONG alfanumérico de tamanho variável com comprimento de até 32760.

sintaxe: long

__________________________________________________________________________________________
83
__________________________________________________________________________________________

• VARCHAR2 alfanumérico de tamanho variável com comprimento de até 32767.

sintaxe: varchar2 [(<comprimento>) ]

subtipo: varchar idem a varchar2

• RAW para armazenamento de dados binários (tam.máx. até 32767).

sintaxe: raw (<comprimento>)

• LONG RAW para armazenamento de dados binários até o tamanho de 32760.

sintaxe: long raw

• BOOLEAN valores boleanos (true, false, ou null).

• DATE armazenamento de datas.

sintaxe: date

• ROWID valores de “rowid”do Oracle (em hexadecimal).

sintaxe: rowid

formato: BBBBBBBBB.RRRR.FFFF
onde:
BBBBBBBBB - bloco dentro do arquivo (database file)
RRRR - row dentro do bloco ( primeira row é 0)
FFFF - número do arquivo (database file)

ATRIBUTOS ESPECIAIS

As variáveis PL/SQL e constantes possuem atributos, que são propriedades que permitem a
referência ao tipo e estrutura do objeto sem necessidade de repetição de sua definição. As tabelas e
colunas do database possuem atributos similares, que podemos usar para facilitar a manutenção.

• %TYPE este atributo copia os atributos de uma variável, constante ou coluna do database. É
particularmente usado quando declaramos variáveis que pertençam as colunas do database.

sintaxe: <variável>/<constante>/<coluna>%TYPE

Ex.:

DECLARE
W_CODIGO NUMBER(3)
W_CODIGO2 W_CODIGO%TYPE; - variável de tipo idêntico a código
W_COD_DEP DEPTO.CD_DEPTO%TYPE
/* variável de tipo idêntico à variável da base de dados cd_depto */

__________________________________________________________________________________________
84
__________________________________________________________________________________________

• %ROWTYPE este atributo gera um tipo de registro que representa uma linha da tabela. O registro
pode armazenar uma linha de dados selecionados da tabela ou recebidos de um cursor (fetched).

sintaxe: <tabela>/<cursor>%ROWTYPE

Ex.:

DECLARE
W_DEP_ROW DEPTO%ROWTYPE; - variável do tipo row
W_MAT NUMBER(3);
CURSOR W_C1 Ls - cursor com apenas 2 colunas
SELECT CD_DEPTO,NM_DEPTO
FROM DEPTO; - colunas da tabela
W_C1_ROW WC1%ROWTYPE; - possui as mesmas colunas de
W_C1

BEGIN

SELECT * INTO W_DEP_ROW - contém todos os dados lidos FROM


FROM depto - da linha da tabela
WHERE cd_mat = W_MAT;
IF W_DEP_ROW.CD_DEPTO = ‘Á00’ - a referência a cada campo é THEN
- feita com o uso da variável de
tipo ROWTYPE

PROBLEMA PROPOSTO
Suponhamos a existência de uma tabela (RESULTADO) com o layout (VALOR N (30), ORDEM
N(5)). Deseja-se preenchê-la a partir da tabela funcionário, com a matrícula do funcionário (ordem) e
a expressão trunc(nr_git*vl_sal/nr_cargo) na coluna valor.

RESOLUÇÃO 1:

DECLARE
w_reg_func FUNC%ROWTYPE;
CURSOR w_c1 lS
SELECT * FROM func ORDER BY cd_mat;
BEGIN
OPEN w_c1;
LOOP
FETCH w_c1 INTO w_reg_func;
EXIT WHEN w_c1%NOTFOUND;
INSERT INTO resultado (ordem,valor)
VALUES (w_reg_func.cd_mat,
trunc(w_reg_func.nr_git * w_reg_func.vl_sal / w_reg_func.nr_cargo));
ENDLOOP;
CLOSE w_c1;
END;

__________________________________________________________________________________________
85
__________________________________________________________________________________________

RESOLUÇÃO 2

DECLARE
CURSOR w_c1 lS
SELECT cd_mat, nr_git, vl_sal, nr_cargo FROM func;
w_reg_func w_c1%ROWTYPE;

BEGIN
OPEN w_c1;
LOOP
FETCH w_c1 INTO w_reg_func;
EXIT WHEN w_c1%NOTFOUND;
INSERT INTO resultado (ordem,valor)
VALUES (w_reg_func.cd_mat,
trunc(w_reg_func.nr_git * w_reg_func.vl_sal / w_reg_func.nr_cargo));
END LOOP;
CLOSE w_c1;
END

VARIÁVEIS COMPOSTAS

• TABLE - tabelas na PL/SQL podem ter somente uma coluna e uma primary key, nenhuma das
quais nomeadas. A declaração cria um tipo de variável. Deve ser feita uma declaração de variável
com o tipo criado posteriormente para uso.

sintaxe: TYPE <nome> IS TABLE OF


{<tipo coluna> / <tabela>.<coluna>%TYPE}
[NOT NULLl] INDEX BY BINARY_INETGER

Ex.:

DECLARE
TYPE tab IS TABLE OF char(10)
INDEX BY BINARY_INTEGER;
teste TAB;

teste (1) := ’1234567890’;


teste (-1) := ‘-1234567890’;

• RECORD - Permite a criação de um item estruturado.

sintaxe: TYPE <nome> IS RECORD


(<campo1>{<tipo campo>/<tabela>.<coluna>%TYPE}[NOT NULL],
<campo2>{<tipo campo>/<tabela>.<coluna>%TYPE}[NOT NULL] ...)

__________________________________________________________________________________________
86
__________________________________________________________________________________________

Ex.:

DECLARE
TYPE registro IS RECORD
(depto CHAR(03) NOT NULL,
nome DEPTO. NM_DEPTO%TYPE);

outro_reg REGISTRO;
reg_teste REGISTRO;
...........

REG_TESTE.DEPTO := ‘A00’;
SELECT cd_depto, nm_depto INTO outro_reg FROM DEPTO
WHERE cd_depto = ‘D11’;

Ex.:

DECLARE
TYPE tab is table of CHAR(2) INDEX BY BINARY_INTEGER;
TYPE registro IS RECORD (a1 TAB, a2 CHAR(1));

teste REGISTRO;

BEGIN
teste.a1 (1) := ‘aa’;
teste.a1 (2) := ‘bb’;
teste.a1 (3) := ‘cc’;

__________________________________________________________________________________________
87
__________________________________________________________________________________________

PROBLEMA PROPOSTO
Deseja-se saber, para cada cargo, a quantidade de funcionários por departamento. O nome do cargo
deve ser apresentado no resultado.

RESOLUÇÃO:

DECLARE
TYPE t_cargo IS TABLE OF char(25)
INDEX BY BINARY_INTEGER;
TYPE t_codigo IS TABLE OF number(3)
INDEX BY BINARY_INTEGER;
cargo T_CARGO;
cod_cargo T_CODIGO;
CURSOR w_c1 IS
SELECT func.cd_depto, nr_cargo, nm_depto, count(*) conta
FROM func, depto
WHERE func.cd_depto = depto.cd_depto
GROUP BY func.cd_depto, nm_depto, nr_cargo;
w_c1_row w_c1%ROWTYPE;
BEGIN
cod_cargo(1) := 42;
cargo(1) := ‘OPERADOR’
cod_cargo(2) := 43;
cargo(2) := ‘DIGITADOR’
.
.
.
OPEN w_c1;
LOOP
FETCH w_c1 INTO w_c1_row;
EXIT WHEN w_c1%NOTFOUND;
FOR i IN 1..12 LOOP
IF cod_cargo(i) =w_c1_row.nr_cargo
THEN
INSERT INTO saida
(valor, texto, qtd)
VALUES
(w_c1_row.cd_depto, to_char(w_c1_row.nr_cargo)ll’ ‘ll
cargo(i),w_c1_row.conta);
EXIT;
END IF;
END LOOP;
END LOOP;
END;

CONSTANTES

A declaração de uma constante é semelhante à declaração de uma variável, exceto que devemos
adicionar a palavra chave CONSTANT e, imediatamente, associar um valor inicial. Seu valor não
poderá ser alterado durante o programa.

sintaxe: <nome da constante> CONSTANTE<tipo> :=/DEFAULT <valor inicial>;

Ex.:

DECLARE
W_TESTE CONSTANT REAL := 3.14159;
W_TESTE1 CONSTANT REAL DEFAULT := 3.14159;

__________________________________________________________________________________________
88
__________________________________________________________________________________________

CONVERSÃO DE TIPO DE VARIÁVEL


Pode-se converter de um tipo de variável para outro explicitamente, porém, em muitas situações a
PL/SQL pode converter o tipo de caracter em outro, implicitamente. Isto ocorre quando usamos
variável de um tipo onde era esperado outro. A PL/SQL utiliza uma das seguintes funções para
executar esta conversão:

TO_CHAR TO_DATE
TO_VARCHAR2 TO_NUMBER
CHARTOROWID ROWIDTOCHAR
HEXTORAW RAWTOHEX
TO_BINARY_INTEGER

EXEMPLOS DE DECLARAÇÕES
DECLARE
W_DATA DATE; - variável de tipo data
W_CONTADOR SMALLINT := 0; - variável iniciada com zero
W_CODIGO CHAR(O3)NOT NULL := ‘A00’ - variável c/ restrição
W_TESTE CONSTANT REAL := 3.14159; - /* constante de tipo real - o valor
inicial é obrigatório */
W_CODIGO2 W_CODIGO%TYPE := ‘B01’ - variável de tipo idêntico a código
W_COD_DEP DEPTO.CD_DEPTO%TYPE - variável de tipo idêntico a variável da
da base de dados cd_depto
W_DEP_ROW DEPTO%ROWTYPE - variável tipo row

CURSOR W_C1 IS - cursor c/ 2 colunas da tabela


SELECT cd_depto, nm_depto
FROM DEPTO;
W_C1_ROW W_C1%ROWTYPE - possui as mesmas colunas de w_c1

BEGIN
SELECT *
INTO W_DEP_ROW
FROM DEPTO
WHERE cd_depto = ‘A00’;

IF W_DEP_ROW.cd_DEPTO = ‘A00’
THEN
W_CONTADOR := WHERE_CONTADOR + 1;
END IF;
END

VARIÁVEIS ESPECIAIS

• EXCEPTION - nomeia uma exceção definida pelo usuário.

sintaxe: <nome da exceção> EXCEPTION

Ex.:

DECLARE
erro_matrícula EXCEPTION;

• CURSOR - declara um cursor.

__________________________________________________________________________________________
89
__________________________________________________________________________________________

sintaxe:
CURSOR <nome cursor>[(<parâmetro> <tipo>[,<parâmetro <tipo>...])]
RETURN<tipo>/<variável%TYPE/<table.column>%TYPE/<table>%rowtype
IS <comando SELECT >;

onde:
1. A cláusula RETURN define o tipo de dado do resultado de um cursor.
2. Pode-se usar o atributo %ROWTYPE para representar uma linha em uma tabela da
base.
3. Pode-se usar %TYPE para representar o tipo de uma variável, constante ou coluna
da base.
4. Um cursor deve estar associado a um comando SELECT com mesmo número, tipo e
ordem de elementos selecionados que os da cláusula RETURN.
Ex.:

DECLARE
CURSOR w_c1 IS SELECT cd_mat, vl_sal FROM func;
CURSOR w_c2 (dat_ini DATE) IS
SELECT cd_mat, nm_func FROM func
WHERE de_nasc > dat_ini;

ATRIBUTOS PARA CURSOR

Existem 2 tipos de cursores em PL/SQL: implícito e explícito. A PL/SQL implicitamente declara um


cursor para cada comando SQL que manipule dados, inclusive queries que retornem uma única row.

• %FOUND - indica se o último FETCH retornou uma linha ou não, para cursores explícitos. E
se alguma row foi afetada pelo último comando INSERT, UPDATE ou DELETE para cursores
implícitos.

sintaxe: <cursor> %FOUND


SQL%FOUND

Ex.:

LOOP
FETCH w_c1 INTO w_c1_row;
IF w_c1%FOUND
THEN

• %NOTFOUND - indica se o último FETCH retornou uma row ou não, para cursores explícitos.
E se alguma row foi afetada pelo último comando INSERT, UPDATE ou DELETE para cursores
implícitos.

sintaxe: <cursor>%NOTFOUND
SQL%NOTFOUND

Ex.:

LOOP
FETCH w_c1 INTO w_c1_row;
IF w_c1%NOTFOUND
THEN
EXIT;
...
END LOOP;

__________________________________________________________________________________________
90
__________________________________________________________________________________________

• %ISOPEN - permite que se verifique se um cursor está aberto ou não. No caso de cursores
implícitos o resultado será sempre FALSE, uma vez que o Oracle fecha o cursor após uma operação.

sintaxe: <cursor>%ISOPEN
SQL%ISOPEN

Ex.:

IF NOT (w_c1%ISOPEN)
THEN
...

• %ROWCOUNT - indica o número de rows lidas para o cursor associado (para cursores
explícitos) ou o número de rows afetadas no último comando INSERT, UPDATE, DELETE ou
SELECT (para cursores implícitos). Após a abertura do cursor, o valor de ROWCOUNT é zero. O
número só será incrementado SE O ÚLTIMO FETCH retornou uma row.

sintaxe: <cursor>%ROWCOUNT
SQL %ROWCOUNT

Ex.:

LOOP
FETCH w_c1 INTO w_c1_row;
IF w_c1% ROWCOUNT
THEN
...

PROBLEMA PROPOSTO
Deseja-se calcular e emitir a folha de pagamento de uma empresa. Em função da necessidade de se
emitir vários relatórios sobre o cálculo efetuado, será gerada uma tabela intermediária com os
resultados para posterior impressão.

RESOLUÇÃO:

DECLARE
CURSOR w_c1 IS SELECT cd_mat, vl_sal, vl_sal * .10 fgts FROM func;
w_c1_row w_c1 %ROWTYPE;
w_vl_lim NUMBER(15,2) :=&1;
w_vl_ir NUMBER(15,2) := 0;
w_vl_inss NUMBER(15,2) := 0
tabela inválida EXCEPTION;
PROCEDURE ir (val_sal IN NUMBER, val_ir OUT NUMBER) IS
BEGIN
IF val_sal < 300.00 THEN
val_ir := 0;
ELSIF val_sal BETWEEN 300.01 AND 1000.00 THEN
val_ir := val_sal *10;
ELSIF val_sal BETWEEN 1000.01 AND 3000.00 THEN
val_ir := val_sal *20;
ELSE
val_ir := val_sal *30;
END IF;
END;
FUNCTION inss (val_sal IN NUMBER, val_lim IN NUMBER) RETURN NUMBER
IS
val_inss NUMNER(15,2);
BEGIN

__________________________________________________________________________________________
91
__________________________________________________________________________________________

val_inss := val_sal *.08;


IF val_inss := > val_lim THEN
val_inss := val_lim;
END IF;
RETURN val_inss;
END inss;

BEGIN
DELETE FROM folha;
COMMIT;
OPEN w_c1;
LOOP
FETCH w_c1 INTO w_c1_row;
EXIT WHEN w_c1%NOTFOUND;
ir(w_c1_row.vl_sal, w_vl_ir);
w_vl_inss := inss(w_c1_row.vl_sal,w_vl_lim);
INSERT INTO folha (cd_mat, vl_sal, vl_ir, vl_inss, vl_fgts)
VALUES (w_c1_row.cd_mat, w_c1_row.vl_sal, w_vl_ir, w_vl_inss,
w_c1_row.fgts);
END LOOP;
CLOSE w_c1;
COMMIT;
END;

6. ATRIBUIÇÕES
As variáveis e constantes são inicializadas cada vez que é iniciado o bloco em que elas estão
declaradas. Por default, as variáveis são inicializadas com “NULL”. É importante, portanto que as
variáveis antes de serem usadas sejam inicializadas.

Ex.:
sim_não boolean;
...
sim_não := (contador > 500);

IF sim_não IS NULL - verifica se uma variável tem o valor = NULL


THEN

7. FUNÇÕES PRÉ-DEFINIDAS
A PL/SQL permite a utilização de diversas funções pré-definidas para manipulação dos dados. Pode-
se usá-las onde expressões do mesmo tipo são permitidas.

CONTROLE DE ERROS
SQLCODE
Função numérica que retorna o código do erro associado à última exceção.

Definição: FUNCTION SQLCODE RETURN NUMBER


Ex.: <variável> := SQLCODE;

SQLERRM
Função string que retorna a mensagem de erro associado ao último SQLCODE.
Definição: FUNCTION SQLERRM [(error_number NUMBER)] RETURN CHAR

__________________________________________________________________________________________
92
__________________________________________________________________________________________

Ex.: <variável> := SQLERRM(-1023);

NUMÉRICAS
ABS
Retorna o valor absoluto do argumento.

Definição: FUNCTION ABS (<n> NUMBER) RETURN NUMBER


Ex.: <variável> := ABS (<variável2>);

CEIL
Retorna o menor inteiro maior ou igual ao argumento.

Definição: FUNCTION CEIL(<n> NUMBER) RETURN NUMBER


Ex.: <variável> := CEIL (<variável2>);

COS
Retorna o coseno do argumento, que deve ser expresso em radianos.

Definição: FUNCTION COS (<n> NUMBER) RETURN NUMBER


Ex.: <variável> := COS (<variável2>);

Obs.: se <n> estiver em graus, basta que seja dividido por 57.29578 para ser convertido para
radianos.

COSH
Retorna o coseno hiperbólico do argumento.

Definição: FUNCTION COSH (<n> NUMBER) RETURN NUMBER


Ex.: <variável> := ABS (<variável2>);

EXP
Retorna e elevado à n-esima potência, onde e (~2.71828) é a base do logaritmo neperiano.

Definição: FUNCTION EXP (<n> NUMBER) RETURN NUMBER


Ex.: <variável> := EXP (<variável2>);

FLOOR
Retorna o maior inteiro menor ou igual ao argumento.

Definição: FUNCTION FLOOR(<n> NUMBER) RETURN NUMBER


Ex.: <variável> := FLOOR (<variável2>);

LN
Retorna o logaritmo natural do argumento, que deve ser maior que zero.

Definição: FUNCTION LN (<n> NUMBER) RETURN NUMBER


Ex.: <variável> := LN (<variável2>);

__________________________________________________________________________________________
93
__________________________________________________________________________________________

LOG
Retorna o logaritmo de <n> na base <m>, sendo que <m> deve ser maior que 1 e <n> deve ser maior
que 1 e <n> deve ser maior que zero.

Definição: FUNCTION LOG (<n> NUMBER) RETURN NUMBER


Ex.: <variável> := LOG (<variável2>);

MOD
Retorna o resto da divisão de <m> por <n>. Se <n> for zero, <m> é retornado.

Definição: FUNCTION MOD (<n> NUMBER) RETURN NUMBER


Ex.: <variável> := MOD (<variável2>), (<variável3>);

POWER

Retorna o número <m> elevado à <n>-ésima potência. Se <m> for negativo, <n> deve ser inteiro.

Definição: FUNCTION POWER (<n> NUMBER) RETURN NUMBER


Ex.: <variável> := POWER (<variável2>);

ROUND
Retorna <m> arredondado para <n> casas decimais. Se <n> for omitido, zero será assumido.

Definição: FUNCTION ROUND (<n> NUMBER) RETURN NUMBER


Ex.: <variável> := ROUND (<variável2>), (<variável3>);

SIGN
Retorna –1 se o argumento for negativo, 0 se igual a zero ou 1 se o argumento for maior que zero.

Definição: FUNCTION SIGN (<n> NUMBER) RETURN NUMBER


Ex.: <variável> := SIGN (<variável2>);

SIN
Retorna o seno de <n>, que deve ser expresso em radianos.

Definição: FUNCTION EXP (<n> NUMBER) RETURN NUMBER


Ex.: <variável> := SIN (<variável2>);

Obs.: Se <n> estiver em graus, basta que seja dividido por 57.29578 para ser convertido para
radianos.

SINH
Retorna o seno hiperbólico do argumento.

Definição: FUNCTION SINH (<n> NUMBER) RETURN NUMBER


Ex.: <variável> := SINH (<variável2>);

SQRT
Retorna a raiz quadrada do argumento, que não pode ser negativo.

Definição: FUNCTION SQRT (<n> NUMBER) RETURN NUMBER


Ex.: <variável> := SQRT (<variável2>);

__________________________________________________________________________________________
94
__________________________________________________________________________________________

TAN
Retorna a tangente de <n>, que deve ser expresso em radianos.

Definição: FUNCTION TAN (<n> NUMBER) RETURN NUMBER


Ex.: <variável> := TAN (<variável2>);

TANH
Retorna a tangente hiperbólica do argumento.

Definição: FUNCTION TANH (<n> NUMBER) RETURN NUMBER


Ex.: <variável> := TANH (<variável2>);

TRUNC
Retorna o número <m> truncado para <n> casas decimais. Se o <n> for omitido, zero será assumido.

Definição: FUNCTION TRUNC (<n> NUMBER) RETURN NUMBER


Ex.: <variável> := TRUNC (<variável2>);

CARACTERES

ASCII
Retorna o código ASCII correspondente à string informada no argumento.

Definição: FUNCTION ASCII (<str> VARCHAR2) RETURN NUMBER


Ex.: <variável> := ASCII (<variável2>);

CHR
Retorna a string correspondente à representação numérica informada como argumento. É o contrario
da função ASCII.

Definição: FUNCTION CHR (<n> NUMBER) RETURN CHR


Ex.: <variável> := CHR (<variável2>);

CONCAT
Retorna uma string que é o resultado da concatenação de <str1> (na frente) com <str2>.

Definição: FUNCTION CONCAT (<str1> VARCHAR2,<str2> VARCHAR2) RETURN


VARCHAR2
Ex.: <variável> := CONCAT (<variável2>,<variável3>);

INITCAP
Retorna a primeira letra de cada palavra do argumento em letra maiúscula e as demais em
minúsculas.

Definição: FUNCTION INITCAP (<str> VARCHAR2) RETURN VARCHAR2


Ex.: <variável> := INITCAP (<variável2>);

INSTR
Retorna a posição da <n>-ésima ocorrência de <str2> dentro de <str1>, começando na posição
<pos>.

__________________________________________________________________________________________
95
__________________________________________________________________________________________

Definição: FUNCTION INSTR (<str1> VARCHAR2,<str2> VARCHAR2) [<pos> NUMBER [,<n>


NUMBER ]]) RETURN NUMBER
Ex.: <variável> := INSTR (<variável2>, <variavel3>,<pos>,<n>);

LENGTH
Retorna o número de caracteres da string <str>. Se o argumento é um item definido como CHAR, o
comprimento incluirá os brancos. Se <str> for null, o resultado da função será NULL.

Definição: FUNCTION LENGTH (<str> VARCHAR2) RETURN NUMBER


Ex.: <variável> := LENGTH (<variável2>);

LOWER
Retorna o argumento com todas as letras minúsculas.

Definição: FUNCTION LOWER (<str> VARCHAR2) RETURN VARCHAR2


Ex.: <variável> := LOWER (<variável2>);

LPAD
Completa à esquerda, com os caracteres <pad> para que o tamanho da string resultado seja <len>.

Definição: FUNCTION LPAD (<str> VARCHAR2,<len> NUMBER [,<pad> VARCHAR2])


RETURN
VARCHAR2
Ex.: <variável> := LPAD (<variável2>, <comprimento>,’*’);

LTRIM
Retira , da esquerda para direita, os caracteres <set> até que seja encontrado um caracter diferente
de <set>.

Definição: FUNCTION LTRIM (<str> VARCHAR2 [, <set> VARCHAR2]) RETURN VARCHAR2


Ex.: <variável> := LTRIM (<variável2>, <variável3>);

REPLACE
Retorna <str1> com cada ocorrência de <str2> substituída por <str3>. Se <str3> não for informado,
todas as ocorrências se <str2> serão removidas. Se nem <str2> nem <str3> forem informadas a
função retornará NULL.

Definição: FUNCTION REPLACE (<str1> VARCHAR2,<str2> VARCHAR2[,<str3> VARCHAR2])


RETURN VARCHAR2
Ex.: <variável> := REPLACE (<variável1>, <variável2>,<variável3);

RPAD
Completa, à direita, com os caracteres <pad> para que o tamanho da string resultado seja <len>.

Definição: FUNCTION RPAD (<str> VARCHAR2,<len> NUMBER [,<pad> VARCHAR2])


RETURN VARCHAR2
(<n> NUMBER) RETURN NUMBER
Ex.: <variável> := RPAD (<variável2>, < tamanho>,’*’);

RTRIM
Retira , da direita para esquerda, os caracteres <set> até que seja encontrado um caracter diferente
de <set>.

__________________________________________________________________________________________
96
__________________________________________________________________________________________

Definição: FUNCTION RTRIM (<str> VARCHAR2 [, <set> VARCHAR2]) RETURN VARCHAR2


Ex.: <variável> := RTRIM (<variável2>, <variável3>);

SOUNDEX
Retorna um string que represente o som de <str>.

Definição: FUNCTION SOUNDEX (<str> VARCHAR2) RETURN VARCHAR2


Ex.: <variável> := SOUNDEX (<variável2>);

SUBSTR
Retorna uma parte da string <str>, a partir da posição <pos> por <len> caracteres. Se l<len> for
omitido, retorna o restante da string.

Definição: FUNCTION SUBSTR (<str> VARCHAR2, <pos> NUMBER [,<len> NUMBER])


RETURN VARCHAR2
Ex.: <variável> := SUBSTR (<variável2>, <posição inicial>, <tamanho>);

TRANSLATE
Retorna <str>, substituindo cada um dos caracteres presentes em <set1> pelo caracter
correspondente em <set2>. Se <set1> tiver mais caracteres que <set2>, e esses caracteres
estiverem presentes em <str>, serão removidos do resultado.

Definição: FUNCTION TRANSLATE (<str> VARCHAR2, <set1> VARCHAR2,<set3> CHAR)


RETURN VARCHAR2
Ex.: <variável> := TRANSLATE (<variável2>, ‘ABCDEF’, GHIJKL’);

UPPER
Retorna o argumento com todas as letras maiúsculas.

Definição: FUNCTION UPPER (<str> VARCHAR2) RETURN VARCHAR2


Ex.: <variável> := UPPER (‘texto’);

DATAS
ADD_MONTHS
Retorna a data <dte> adicionada de <n> meses. <n. deve ser um inteiro e pode ser negativo.

Definição: FUNCTION ADD_MONTHS (<dte> DATE, <n>NUMBER) RETURN DATE


Ex.: <variável> := ADD_MONTHS (v_dt_nasc,4);

LAST_DAY
Retorna a data do último dia do mês de <dte>.

Definição: FUNCTION LAST_DAY (<dte> DATE) RETURN DATE


Ex.: <variável> := LAST_DAY (<v_dt_adm>);

MONTHS_BETWEEN
Retorna o número de meses entre <dte1> e <dte2>.
Definição: FUNCTION MONTHS_BETWEEN (<dte1> DATE,<dte2> DATE) RETURN DATE
Ex.: <variável> := MONTHS_BETWEEN (sysdate, v_dt_nasc) /12;

__________________________________________________________________________________________
97
__________________________________________________________________________________________

NEW_TIME
Converte a data e hora que está no meridiano <zon1>, para a data e hora no meridiano <zon2>.

Definição: FUNCTION NEW_TIME (<dte> DATE,<zon1> VARCHAR2, <zon2> VARCHAR2)


RETURN DATE
Ex.: <variável> := NEW_TIME (v_dt_nasc, ‘AST’,’GMT’);

ABREVIATURAS PARA MERIDIANOS

AST,ADT Atlantic Standard ou Daylight Time


GMT Greenwitch
PST, PDT Pacific Standard ou Daylight Time

NEXT_DAY
Retorna a data do primeiro dia da semana nomeado por <day> que seja posterior a <dte>.

Definição: FUNCTION NEXT_DAY (<dte> DATE,<day> VARCHAR2) RETURN DATE


Ex.: <variável> := NEXT_DAY (sysdate, ‘moday’);

SYSDATE
Retorna a data e hora correntes.

Definição: FUNCTION SYSDATE RETURN DATE


Ex.: <variável> := SYSDATE ;

ROUND
Retorna <dte> arredondado para o formato especificado.

Definição: FUNCTION ROUND (<dte> [,<fmt>]) RETURN DATE


Ex.: <variável> := ROUND (sysdate,’ww’);

TRUNC
Retorna uma data no formato especificado por <fmt>, representado <dte> truncada na unidade
correspondente.

Definição: FUNCTION TRUNC (<dte> DATE [, <fmt> VARCHAR2 ) RETURN DATE


Ex.: <variável> := TRUNC (sysdate,’ww’);

FORMATOS PARA ROUND E TRUNC

CC Século
SYYY, YYYY, YEAR, SYEAR, YYY, YY, Y Ano
Q Quarto de ano
MONTH, MON, MM Mês
WW Início da semana do ano
WHERE Início da semana do mês
DDD, DD, J Dia
DAY, DY, D Último Sábado
HH, HH12, HH24 Hora
MI Minuto

__________________________________________________________________________________________
98
__________________________________________________________________________________________

CONVERSÃO
CHARTOROWID
Converte a string <str> do tipo CHAR ou VARCHAR2 para ROWID.

Definição: FUNCTION CHARTOROWID (<str> CHAR) RETURN ROWID


Ex.: <variável> := CHARTOROWID (‘00000000E.000ª0007’);

HEXTORAW
Converte uma string hexadecimal do tipo CHAR ou VARCHAR2 para RAW.

Definição: FUNCTION HEXTORAW (<str> CHAR) RETURN RAW


Ex.: FUNCTION HEXTORAW (<str> VARCHAR2) RETURN RAW
<variável> := HEXTORAW (‘F6’);

RAWTOHEX
Converte um valor binário em uma string hexadecimal do tipo VARCHAR2.

Definição: FUNCTION RAWTOHEX (<bin> RAW) RETURN VARCHAR2


Ex.: <variável> := RAWTOHEX (<variável do tipo raw);

ROWIDTOCHAR
Converte o valor binário de <bin> para uma string hexadecimal de 18 bytes.

Definição: FUNCTION ROWIDTOCHAR (<bin> ROWID) RETURN VARCHAR2


Ex.: <variável> := ROWIDTOCHAR (<variável do tipo rowid);

TO_CHAR
Converte um valor numérico ou data para o formato especificado.

Definição: FUNCTION TO_CHAR (<dte> DATE [,<fmt> VARCHAR2 [,<nls1>]])


RETURN VARCHAR2
FUNCTION TO_CHAR (<n> NUMBER) [,<fmt> VARCHAR2[,<NLS2>]])
RETURN VARCHAR2
Ex.: <variável> := TO_CHAR(5678.32, ‘9.999.99’, ‘nls_numeric_characters =’, ‘.’);

FORMATOS NUMÉRICOS PARA TO CHAR E TO NUMBER

9 9999 A quantidade de 9’s determina o comprimento


0 0999 Completa com zeros à esquerda em vez de brancos
$ $999 Prefixa o valor com o símbolo $
B B999 Substitui o valor 0 por branco
MI 999MI Mostra “-“ após um valor negativo
S S999 Coloca um “-“ ou um “+” antes do número.
PR 999PR Mostra um valor negativo entre <>
D 99D99 Inclui o caracter decimal
G 99G99 Inclui o caracter separador de milhar
, 99,99 Mostra uma “,” na posição correspondente.
. 99.99 Mostra um “.” decimal na posição correspondente.
V 999V99 Multiplica o valor por 10<n>, onde <n> corresponde ao número de
9’s após V
E 9.99EEEE Notação científica
RN,rn RN Maiúscula ou minúscula para numerais romanos

__________________________________________________________________________________________
99
__________________________________________________________________________________________

FORMATOS DE NLS

‘NLS_DATE_LANGUAGE = <language>’ ________________para <nls1>


‘NLS_NUMERIC_CHARACTERS = ‘ ‘<d> <g>’,
NLS_CURRENCY = “<text>”
NLS_ISSO_CURRENCY = “<text>” ____________ para <nls2>

Onde:

<d> caracter decimal


<g> separador de milhar
<text> símbolo monetário

TO_DATE
Converte uma string ou um número para o formato data.

Definição: FUNCTION TO_DATE (<str> VARCHAR2[,<fmt> VARCHAR2 [,<nls1>]])


RETURN DATE
Ex.: <variável> := TO_DATE (‘12/01/84’, ‘dd/mm/yy’)

FORMATOS DE DATA PARA TO_CHAR E TO_DATE

CC, SCC Século


SYYY, YYYY, YEAR, SYEAR, YYY, YY, Y Ano
Q Quarto de ano
MONTH Mês por extenso
MON Mês abreviado para três letras
MM Mês (numérico)
WW Semana do ano
WHERE Semana do mês
WHERE Início da semana do mês
DDD Dia do ano
DD Dia do mês
D Dia da semana
DAY Nome do dia
DY Dia abreviado p/ 3 letras
J Dia em data Juliana
HH, HH12, HH24 Hora
MI Minuto
SS Segundo

TO_NUMBER
Converte <str> para o valor numérico correspondente.

Definição: FUNCTION TO_NUMBER (<str> VARCHAR2 [, <nls2> ]])


RETURN NUMBER
Ex.: <variável> := TO_NUMBER (‘5.678,32’, ‘9.999,99’, ‘nls_numeric_characters = ‘ , ‘.’);

MISCELÂNEA
DECLARE
Só é permitido em comandos SQL.

__________________________________________________________________________________________
100
__________________________________________________________________________________________

GREATEST
Retorna a maior <expr> da lista de valores. Todas as expressões após a primeira são convertidas
para o tipo de dado da primeira antes da comparação ser feita.

Definição: FUNCTION GREATEST (<expr1>, <expr2>,...)


Ex.: <variável> := GREATEST (‘aaaa’, ‘bbb’, ‘cccc’);

LEAST
Retorna a menor <expr> da lista de valores. Todas as expressões após a primeira são convertidas
para o tipo de dado da primeira antes da comparação ser feita.

Definição: FUNCTION LEAST (<expr1>, <expr2>,...)


Ex.: <variável> := LEAST(‘aaaa’, ‘bbb’, ‘cccc’);

NVL
Se <expr1> for null, retorna <expr2>. Se <expr1> não for null, retorna <expr1>.

Definição: FUNCTION NVL ((<expr1>, <expr2>,) RETURN <ret>


Onde: <ret> será de tipo igual a <expr1> e <expr2>

Ex.: <variável> := NVL (v_nr_gir,0);

UID
Retorna o valor do inteiro associado a cada username pelo Oracle.

Definição: FUNCTION UID RETURN NUMBER


Ex.: <variável> := UID;

USER
Retorna o username corrente.

Definição: FUNCTION USER RETURN VARCHAR2


Ex.: <variável> := USER;

USERENV
Retorna informações sobre o user e a sessão.

Definição: FUNCTION USERENV (<str> VARCHAR2) RETURN VARCHAR2


Ex.: <variável> := USERENV (‘terminal’);

Valores de <str>

entryid identificador da entrada


sessionid Identificador da sessão
terminal identificador do terminal
language identificador da linguagem em uso

VSIZE
Retorna o número de bytes usado para armazenar a representação interna de <expr>.

Definição: FUNCTION VSIZE (<exp> DATE l NUMBER l VARCHAR2) RETURN NUMBER


Ex.: <variável> := VSIZE (sysdate);

__________________________________________________________________________________________
101
__________________________________________________________________________________________

PROBLEMA PROPOSTO:
Gravar na tabela RESULTADO a quantidade de funcionários por departamento, convertendo o código
do departamento da seguinte forma:

• departamentos AXX somar 100 ao número do departamento


• departamentos BXX somar 200 ao número do departamento
• e assim por diante

RESOLUÇÃO

DECLARE
CURSOR w_c1 IS SELECT cd_depto,count(*) total FROM func GROUP BY cd_depto;
W_c1_row w_c1%ROWTYPE
w_cd_depto number(3);
w_str_depto varchar(1);
BEGIN
OPEN w_c1;
LOOP
FETCH w_c1 INTO w_c1_row;
IF w_c1%NOTFOUND
THEN
CLOSE w_c1;
EXIT;
ENDIF;
W_str_depto := SUBSTR (w_c1_row.cd_depto, 1, 1);
IF w_str_depto = ‘A’THEN w_cd_depto := 100;
ELSIF w_str_depto = ‘B’ THEN w_cd_depto :=200;
ELSIF w_str_depto = ‘C’ THEN w_cd_depto :=300;
ELSIF w_str_depto = ‘D’ THEN w_cd_depto :=400;
ELSIF w_str_depto = ‘E’ THEN w_cd_depto :=500;
END IF;
w_cd_depto := w_cd_depto+ TO_NUMBER(SUBSTR(w_c1_row.cd_depto,2,2));
INSERT INTO RESULTADO (ordem, campo) VALUES
(w_cd_depto,w_c1_row.total);
END LOOP;
END;

__________________________________________________________________________________________
102
__________________________________________________________________________________________

8. COMANDOS
LABELS
Identifica um comando ou conjunto de comandos. Utilizado para desvios e para qualificação.
Deve existir um comando após o LABEL.

sintaxe: <<label>>

Ex.:
<<externo>>
FOR i IN 1..10 LOOP
IF externo.i
THEN
...

ENDIF;
<<Interno>>
FOR i IN 1..10 LOOP
IF inetrno i
THEN
...
ENDIF
EXIT externo WHEN... – encerra ambos os loops
END LOOP;
END LOOP externo;
<<fim>> -- este comando é ilegal porque END não é
End; -- um comando executável

EXIT
Encerra um loop.

sintaxe: EXIT [ <label>] [WHEN <condição>]

Ex.:
LOOP
FETCH w_c1 INTO w_c1_row;
IF w_c1%FOUND
THEN
calc_ir....
....
INSERT
ELSE
EXIT;
ENDIF
END LOOP;

__________________________________________________________________________________________
103
__________________________________________________________________________________________

IF THEN ELSE
A seqüência de comandos só será executada se a condição for verdadeira.

sintaxe:
IF <condição>
THEN
<seqüência de comandos>
END IF;

ou
IF <condição>
THEN
<seqüência de comandos>
ELSE
<seqüência de comandos>
END IF;

ou
IF <condição>
THEN
<seqüência de comandos>
ELSIF <condição>
THEN
<seqüência de comandos>
ELSE
<seqüência de comandos
END IF;

<condição>
[NOT] <expressão boleana> [[AND I OR ] <expressão boleana>]
<expressão boleana>]
<literal boleano> I
<variável boleana> I
<chamada de função boleana> I
(<expressão boleana>) I
<expressão PLSQL> <operador relacional> <expressão PLSQL> I
<expressão PLSQL> IS [NOT] NULL I
<expressão PLSQL> [NOT] LIKE <pattern> I
<expressão PLSQL> [NOT] BETWEEN
<expressão PLSQL> AND <expressão PLSQL> I
<expressão PLSQL> [NOT] IN (<expressão PLSQL>[,
<expressão PLSQL>]) I
<expressão PLSQL> { <nome cursor> I SQL}
{%NOTFOUND I %FOUND I%ISOPEN}

__________________________________________________________________________________________
104
__________________________________________________________________________________________

Ex.:
IF val_sal < 300.00
THEN
Val_ir := 0;
ELSIF val_sal BETWEEN 300.01 AND 1000.00+
THEN
val_ir := val_sal * .10;
ELSEIF val_sal BETWEEN 1000.01 and 3000.00
THEN
val_ir := val_sal * .20;
ELSE
val_ir := val_sal * .30;
END IF;

LOOP
A seqüência de comandos é executada num número infinito de vezes ou até que seja encontrado um
comando “EXIT” ou a condição de “WHEN” seja satisfeita.

sintaxe:

[<< <label> >>]


LOOP
<sequencia de comandos>
END LOOP

ou
LOOP
<sequencia de comandos>
IF ....
THEN
EXIT; -- encerra o loop
END IF;
END LOOP;

ou
LOOP
<sequencia de comandos>
EXIT WHEN -- encerra o loop
END LOOP;
Ex.:
OPEN w_c1;
LOOP
FETCH WHERE_C1 INTO w_c1_row;
EXIT WHEN w_c1%NOTFOUND;
calc_ir(w_c1_row.vl_sal,w_vl_lim);
...
END LOOP;
CLOSE w_c1;

__________________________________________________________________________________________
105
__________________________________________________________________________________________

PROBLEMA PROPOSTO:
Preencher a tabela TABDEP (nome, código, salário, média, totsal, totméd) com os valores abaixo
obtidos na tabela de departamento:

• nome nome do departamento


• código código do departamento
• salário somatório dos salários do departamento correspondente
• média média salarial do departamento correspondente
• totsal total de salários da tabela de funcionários
• totméd média da tabela de funcionários total

RESOLUÇÃO

DECLARE
w_tot_sal number(10,2);
w_tot_med number(10,2);
CURSOR w_ c1 IS
SELECT nm_depto, depto.cd_depto, SUM(vl_sal)soma, AVG(vl_sal) media
FROM func, depto
WHERE func.cd_depto = depto.cd_depto
GROUP BY nm_depto, depto.cd_depto;
w_c1_row w_c1%ROWTYPE;
BEGIN
SELECT SUM(vl_sal) INTO w_tot_sal FROM func;
SELECT AVG(vl_sal) INTO w_tot_med FROM func;
OPEN w_c1;
LOOP
FETCH w_c1 INTO w_c1_row;
IF w_c1%NOTFOUND
THEN
CLOSE w_c1
EXIT;
END IF;
INSERT INTO tabdep (nome, código, salário, média, totsal, totmed)
VALUES
(w_c1_row.nm_depto, w_c1_row.cd_depto, w_c1_row.soma,
w_c1_row.media, w_tot_sal, w_tot_med);
END LOOP;
END;

__________________________________________________________________________________________
106
__________________________________________________________________________________________

WHILE LOOP
A seqüência de comandos é executada enquanto a condição for verdadeira. Antes de cada iteração
do loop, a condição é avaliada. Se for verdadeira, a seqüência de comandos é executada.

sintaxe:

[<< <label> >>]


WHILE <condição> LOOP
<seqüência de comandos>
END LOOP;

Ex.:
OPEN w_c1;
FETCH w_c1 INTO w_c1_row;
WHILE w_c1%FOUND LOOP
...
INSERT INTO folha
END LOOP;
CLOSE w_c1;

PROBLEMA PROPOSTO:
Preencher a tabela TABDEP (nome, código, salário, média, totsal, totméd) com os valores abaixo
obtidos na tabela de departamento

• nome nome do departamento


• código código do departamento
• salário somatório dos salários do departamento correspondente
• média média salarial do departamento correspondente
• totsal total de salários da tabela de funcionários
• totméd média da tabela de funcionários total

Obs.:
Este problema é o mesmo anterior.

RESOLUÇÃO:

DECLARE
w_tot_sal number(10,2);
w_tot_med number(10,2);
CURSOR w_c1 IS
SELECT nm_depto, depto.cd_depto, SUM,(vl_sal)soma,AVG(vl_sal)media
FROM func, depto
WHERE func.cd_depto = depto.cd_depto
GROUP BY nm_depto, depto.cd_depto;
W_c1_row w_c1%ROWTYPE;
BEGIN
SELECT SUM(vl_sal) INTO w_tot_sal FROM func;
SELECT AVG(vl_sal) INTO w_tot_med FROM func;
OPEN w_c1;
FETCH w_c1 INTO w_c1_row;
WHILE w_c1%FOUND LOOP
INSERT INTO tabdep (nome, código, salário, média, totsal, totmed)
VALUES
(w_c1_row.nm_depto, w_c1_row.cd_depto, w_c1_row.soma, w_c1_row.media,
w_tot_sal, w_tot_med);
FETCH w_c1 INTO w_c1_row;
END LOOP;
END;

__________________________________________________________________________________________
107
__________________________________________________________________________________________

FOR LOOP
A seqüência de comandos é executada um número fixo de vezes estabelecido no comando. No início
do comando a quantidade de vezes que o mesmo será executado já é conhecida, uma vez que não
se pode alterar o valor de <contador> durante a iteração.

sintaxe:
[<< <label> >>]
FOR <contador> IN [REVERSE] <inferior>..<superior> LOOP
<seqüência da comandos>
END LOOP;

Ex.:

FOR i IN 1..3 LOOP — <seqüência de comandos>


<seqüências de comandos> — executa 3 vezes
END LOOP; — o comando vezes é inválido, pois i só
Vezes := i +1 — existe no escopo do comando FOR

FOR i IN início..fim LOOP — <seqüência de comandos>


<seqüência de comandos> — <executada n vezes dependendo
END LOOP; — do valor de início e fim

Fim := 1;
FOR i IN 3..fim LOOP — <seqüência de comados>
<seqüência de comandos> — não será executada
END LOOP;

FOR IN REVERSE 1..3 LOOP — <seqüência de comandos>


<seqüência de comandos> — será executado 3 vezes
END LOOP; — i terá o valor inicial de 3

<<início>> — a variável usada em um loop


FOR i IN 1..25 LOOP — é automaticamente declarada pela PL/SQL
FOR i IN 1..10 LOOP — no exemplo foram criadas
IF início.i > 15 — duas variáveis i
THEN... — a referência ao nível
END LOOP; — externo é feita através
END LOOP INÍCIO; — do label

<<início>> — esta forma de interrupção


FOR i IN 1..25 LOOP — do loop (exit <label> when..)
FOR i IN 1..10 LOOP — encerra os dois níveis
….. — de loops
EXIT início WHEN…
END LOOP;
END LOOP início;

__________________________________________________________________________________________
108
__________________________________________________________________________________________

GOTO
Desvia incondicionalmente para um “label”, o qual deve ser dentro do scopo e deve preceder um
comando ou um bloco da PL/SQL.

sintaxe: GOTO << <label> >>

Ex.:

BEGIN

GOTO inclui; — desvio para o comando INSERT

<<inclui>>
INSERT INTO func…
END;

BEGIN

<<altera>>
BEGIN
UPDATE func — o desvio pode ser para traz

END;
GOTO altera;

<<fim>> — este label é porque END
END; — não é um comando executavél

NULL
Este comando explicitamente indica que não há ação a ser feita. Serve para compor certas situações
em que um comando é exigido, mas nenhuma ação é realmente necessária.

sintaxe: NULL;

Ex.:

BEGIN

<<fim>> — o comando “null” resolve
NULL; — o problema anterior
END;

PROBLEMA PROPOSTO:
Preencher a tabela TABDEP (nome, código, salário, média, totsal, totméd) com os valores abaixo
obtidos na tabela de departamento:

• nome nome do departamento


• código código do departamento
• salário somatório dos salários do departamento correspondente
• média média salarial do departamento correspondente
• totsal total de salários da tabela de funcionários
• totméd média da tabela de funcionários total

Obs: Este problema é o mesmo anterior.

__________________________________________________________________________________________
109
__________________________________________________________________________________________

RESOLUÇÃO:

DECLARE
w_tot_sal number(10,2)
w_tot_med number(10,2)
CURSOR w_c1 IS
SELECT nm_depto, depto.cd_depto, SUM(vl_sal) soma, AVG(vl_sal)media
FROM func, depto
WHERE func.cd_depto = depto.cd_depto;
GROUP BY nm_depto, depto.cd_depto;
w_c1_row w_c1% ROWTYPE;
BEGIN
SELECT SUM(vl_sal) INTO w_tot_sal FROM func:
SELECT AVG(vl_sal) INTO w_tot_med FROM func;
OPEN w_c1;
<<ler>>>
FETCH w_c1 INTO w_c1_row;
IF w_c1%FOUND
THEN
INSERT INTO tabdep (nome, código, salário, média, totsal, totméd)
VALUES
(w_c1row.nm_depto, w_c1_row.cd_depto,w_c1_row.soma),
w_c1_row.media, w_tot_sal, w_tot_med);
GOTO ler;
END IF;
END;

9. COMUNICAÇÃO COM O SQL


Por ter uma extensão do SQL, a PL*SQL permite a utilização de quase todos os comandos SQL.
Foram excluídos desta lista dos comandos de “DDL” (ALTER, CREATE, RENAME,...) e os de “DDL”
(GRANT, REVOKE,...).

Consideramos que a sintaxe dos comandos SQL já é de conhecimento dos leitores e não serão
repetidos nesta apostila.

OPEN CURSOR
Executa o query associado com uma declaração explícito de cursor.

sintaxe: OPEN <cursor> [(<parâmetro> [, <parâmetro> ...])]

Ex.:

DECLARE
CURSOR w_c2 (matrícula NUMBER) IS
SELECT nm_func, cd_mat
FROM func
WHERE cd_mat <= matrícula;
BEGIN
OPEN w_c2 (350);
....
END;

__________________________________________________________________________________________
110
__________________________________________________________________________________________

CURSOR LOOP
Implicitamente declara uma área para receber a row, abre um cursor, lê cada row e fecha o cursor
quando todas as rows tiverem sido processadas.

sintaxe: [<< <label> >>]


FOR <RECORD> IN <cursor> [(<parâmetro> [,<parâmetro> ...])] LOOP
<seqüência de comandos>
END LOOP;

Ex.:
DECLARE
CURSOR w_c2 IS SELECT cd_mat, vl_sal, vl_sal * .10 fgts
FROM func;
...
BEGIN
DELETE FROM folha;
COMMIT;
FOR w_c2_row IN w_c2 LOOP
calc_ir(w_c2_row.vl_sal, w_vl_ir);
w_vl_inss := calc_inss(w_c2_row.vl_sal, w_vl_lim);
INSERT INTO folha
(cd_mat, vl_sal, vl_ir, vl_inss, vl_fgts)
VALUES
(w_c2_row.cd_mat, w_c2_row.vl_sal,
w_vl_ir, w_vl_inss, w_c2_row.fgts);
END LOOP;
COMMIT;

END;

PROBLEMA PROPOSTO:
Preencher a tabela TABDEP (nome, código, salário, média, totsal, totméd) com os valores abaixo
obtidos na tabela de departamento:

• nome nome do departamento


• código código do departamento
• salário somatório dos salários do departamento correspondente
• média média salarial do departamento correspondente
• totsal total de salários da tabela de funcionários
• totméd média da tabela de funcionários total

Obs: Este problema é o mesmo anterior.

__________________________________________________________________________________________
111
__________________________________________________________________________________________

RESOLUÇÃO:

DECLARE
w_tot_sal number(10,2)
w_tot_med number(10,2)
CURSOR w_c1 IS
SELECT nm_depto, depto.cd_depto, SUM(vl_sal) soma, AVG(vl_sal)media
FROM func, depto
WHERE func.cd_depto = depto.cd_depto;
GROUP BY nm_depto, depto.cd_depto;
BEGIN
SELECT SUM(vl_sal) INTO w_tot_sal_ FROM func;
SELECT AVG(vl_sal) INTO w_tot_med_ FROM func;
FOR w_c1row IN w_c1 LOOP
INSERT INTO tabdep (nome, código, salário, média, totsal, totméd)
VALUES
(w_c1row.nm_depto, w_c1_row.cd_depto,w_c1_row.soma,
w_c1_row.media, w_tot_sal, w_tot_med);
END LOOP;
END;

10. TRATAMENTO DE ERROS


Em PL/SQL uma warning ou error condition é chamada uma exception. Existem algumas exceções
já definidas pelo Oracle com minemônicos para referência. Para as demais, podem ser dados nome
pelo usuário, como veremos neste capítulo.

Quando um erro ocorre, uma exception é setada, isto é, a seqüência de execução do programa é
interrompida e o controle é transferido para a área de tratamento de execução do programa.

As exceções pré-definidas pelo Oracle são setadas quando a condição de erro ocorre. As exceções
criadas pelo programa deverão ser setadas explicitamente pelo verbo RAISE.

__________________________________________________________________________________________
112
__________________________________________________________________________________________

EXCEÇÕES PRÉ-DEFINIDAS
Nome da Exceção Oracle Error SQLCODE Condição de Erro
CURSOR_ALREADY_OPEN ORA-06511 -6511 É setada se for executado um
OPEN para um cursor já aberto.
DUP_VAL_ON_INDEX ORA-00001 -1 É setada se for tentada uma
inclusão de uma coluna com valor
duplicado em uma tabela que
possui um índice unique nesta
coluna.
INVALID_CURSOR ORA-01001 -1001 É setada se for feita uma
operação ilegal com um cursor.
Por exemplo: CLOSE em um
cursor não aberto.
INVALID_NUMBER ORA-01722 -1722 É setada se algum comando SQL
tentou uma conversão de uma
string para número e esta
conversão falha porque a string
não representa um número.
LOGIN_DENIED ORA-01017 -1017 É setada se for feita uma
tentativa de logon com um
username/password inválido.
NO_DATA_FOUND ORA-01403 +100 É setada se num SELECT INTO
nenhuma row foi retornada ou se
foi feita uma referência a uma row
não inicializada em uma tabela
PL/SQL.
NOT_LOGGED_ON ORA-01012 -1012 É setada se uma programa
PL/SQL tenata fazer acesso ao
database sem efetuar um logon.
PROGRAM_ERROR ORA-06501 -6501 É setada se ocorrer um problema
interno.
STORANGE_ERROR ORA-06500 -6500 É setada se PL/SQL sai da
memória ou se a memória estiver
corrompida.
TIME_ON_RESOURSE ORA-00051 -51 É setada se ocorrer timeout
enquanto o ORACLE estiver
aguardando por um recurso.
TOO_MARY_ROWS ORA-014222 -1422 É setada se um comando
SELECT INTO retormar mais que
uma row.
TRANSACTION_BACKED_O ORA-00061 -61 É setada quando a parte remota
UT de uma transação é
desmanchada. A transação local
deve ser desmanchada também.
VALUE_ERROR ORA-06502 -6502 É setada se uma operação
aritmética, conversão, constraint
error, truncation ocorrer.
ZERO_DIVIDE ORA-01476 -1476 É setada se houver ocorrido uma
divisão por zero.

__________________________________________________________________________________________
113
__________________________________________________________________________________________

Ex.:
DECLARE

BEGIN
SELECT …
SELECT …
SELECT …
EXCEPTION
WHEN NO_DATA_FOUND THEN

END;

PROBLEMA PROPOSTO:
Fazer um programa para crítica dos dados informados através de parâmetros:

• salário deve estar entre R$ 1500 e R$ 2000 mensais. Na base é gravado o salário atual.
• departamento deve existir na tabela de departamentos.
• grau de instrução deve estar entre 15 e 20.
• ramal deve iniciar com 2.
• sexo deve ser F ou M.

RESOLUÇÃO:

DECLARE
w_salario number(7,2) := &1;
w-depto char(3) := &2;
w_git number(2) := &3;
w_ramal number(4) := &4;
w_nome char(8) := &5;
w_sexo char(1) := &6;
e_salario exception;
e_salario exception;
e_depto exception;
e_git exception;
e_ramal exception;
e_sexo exception;
w_aux number(3) := );
BEGIN
IF w_salario < 1500 OR w_salario > 2000 THEN
RAISE e_salario;
END IF;
select count(*) into w_auxi FROM depto WHERE cd_depto = w_depto;
IF w_aux = o THEM
RAISE e_depto;
END IF;
IF w_git < 15 OR w_git > 20 THEM
RAISE e_git;
END IF;
IF SUBSTR(TO_CHAR (nr_ramal),1,1) <> ‘2’ THEM
RAISE e_ramal;
END IF;
IF w_sexo <> ‘F' AND w_sexo <> ‘M’ THEM
RAISE e_sexo;
END IF;
SELECT MAX(cd_mat) INTO w_aux FROM func;
INSERT INTO func (cd_mat, vl_sal, cd_depto, nr _ramal, in_sexo, nm _func, nr _git)
VALUES (w_aux + 1, w_sal * 12, w_depto, w_ramal, w_sexo. w_func, w_git);
EXCEPTION
WHEN e_sexo THEM

__________________________________________________________________________________________
114
__________________________________________________________________________________________

RAISE_APPLICATION_ERROR (-20001, ‘SEXO INVALIDO’);


WHEN e_ramal THEM
RAISE_APPLICATION_ERROR (-20003, ‘GRAU DE INSTRUCAO
INVALIDO’);
WHEN e_depto THEM
RAISE_APPLICATION_ERROR (-20004, ‘DEPARTAMENTO INVALIDO’);
WHEN e_salario THEN
RAISE_APPLICATION_ERROR (-20005, ‘SALARIO INVALIDO’);
WHEN OTHERS THEN
RAISE_APPLICATION_ERROR (-20999, SQLERRM(SQLCODE));
END;

EXCEÇÕES DEFINIDAS PELOS USUÁRIOS


A PL/SQL permite que sejam definidas exceções de um programa. Este tipo de exceção deve ser
setada explicitamente pelo verbo RAISE.

RAISE

Seta uma exceção.

sintaxe: RAISE <exceção>

Ex.:
DECLARE
erro_soma EXCEPTION;

BEGIN
IF …
THEN
RAISE erro_soma;
END IF;
EXCEPTION
WHEN erro_soma THEN

WHEN OTHERS THEN

END;

Obs.: O desvio de execução do programa é transferido para a exceção OTHERS quando o erro
ocorrido não foi tratado em outras exceções mais específicas. É uma opção para diminuição da
lista de exceptions.

PRAGMA EXCEPTION_INIT

Associa um nome de exceção com um número de SQLCODE. Isto permite que se façam testes se
erro mais específicos em vez de usar OTHERS.

sintaxe: PRAGMA EXCEPTION_INIT (<nome da exceção>,<número>)

__________________________________________________________________________________________
115
__________________________________________________________________________________________

Ex.:

DECLARE
sem_privilegio EXCEPTION;
PRAGMA EXCEPTION_INIT (sem_privilegio, -1031);
— O ORACLE retorna o erro -1031 se, por exemplo, for feita uma tentativa de alterar uma
tabela em que o usuário só tem autorização de SELECT.
BEGIN

EXCEPTION
WHEN sem_privilegio THEN

END;

RAISE_APPLICATION_ERROR

É uma procedure que permite ao usuário enviar mensagens de um subprograma ou database trigger.

sintaxe: RAISE_APPLICATION_ERROR (<número>,<mensagem>);

Ex.:

CREATE TRIGGER checa_salario



DECLARE

BEGIN

IF (:new.vl_sal <salario_minimo OR :new.vl_sal > salário_maximo)
THEN
RAISE_APPLICATION_ERROR (-20225, ‘Salário fora de faixa’);

END IF;
END;

Obs.: <número> deve variar de -20000 a -20999 e a <mensagem> deve possuir até 512 bytes de
comprimento.

PROPAGAÇÃO DA EXCEÇÃO

Quando uma exceção é setada, se PL/SQL não encontrar um tratamento para ela no bloco correto ou
subprograma, a exceção se propaga. Isto é, a exceção se reproduz no bloco externo e assim por
diante até que a PL/SQL retorne um erro para o ambiente (abortando o programa).

Ex.:
BEGIN

BEGIN
IF x=1 THEN RAISE A;
ELSIF x=2 THEN RAISE B;
ELSE RAISE C;
END IF;

EXCEPTION
WHEN A THEN

END;

__________________________________________________________________________________________
116
__________________________________________________________________________________________

…A’
EXCEPTION
WHEN B THEN

END;

• A exceção A é tratada no bloco mais interno. Após seu tratamento o programa continua no
comando A.
• A exceção B se propaga para o bloco mais externo, é tratada e o programa termina
normalmente.
• A exceção COMANDO SQL: se propaga para o bloco mais externo, não e tratada e o erro
passa para o ambiente, isto é, o programa é abortado.

SQLERRM

String procedure para traduzir um SQLCODE.

sintaxe: SQLERRM (<sqlcode>)

Ex.:

DECLARE
msg CHAR(100)
BEGIN
FOR num IN 1..9999 LOOP
msg := SQLERRM (num * -1);
INSERT INTO tab_erro VALUES (msg);
END LOOP;
END;

11. SUBPROGRAMAS
Subprogramas são blocos PL/SQL com nome, que podem receber parâmetros e ser invocados. A
PL/SQL possui dois tipos de subprogramas chamados procedures e funções. Geralmente usa-se
uma procedure para executar uma ação e uma função para calcular um valor.

Da mesma forma que qualquer outro bloco (anônimo) PL/SQL, os subprogramas possuem uma parte
declarativa, uma parte executável e uma parte opcional para tratamento de exceção.

Os subprogramas podem ser definidos em qualquer ferramenta ORACLE que suporte PL/SQL.
Podem ser declaradas dentro de blocos, procedures, funções e packages. Os subprogramas devem
ser declarados no fim da parte declarativa, após todos os outros objetos do programa.

Ex.:
DECLARE
w_vl_lim NUMBER(15,2) := &1;

PROCEDURE calc_ir (val_sal IN NUMBER, val_ir OUT NUMBER) IS
BEGIN

END calc_ir;
FUNCTION calc_inss (val_sal IN NUMBER, val_lim IN NUMBER)
RETURN NUMBER IS
val_inss NUMBER(15,2);
BEGIN

__________________________________________________________________________________________
117
__________________________________________________________________________________________

BEGIN

END;
PROCEDURES
As procedures são subprogramas que executam uma ação específica.

sintaxe: PROCEDURE <nome da procedure> [(<parâmetro>[,<parâmetro>,…])] IS


BEGIN
<comandos>
[EXCEPTION
<tratamento das exceções>]
END <nome da procedure>];

onde: parâmetro possui a seguinte sintaxe:

<nome da variável> [IN | OUT |IN OUT] <tipo> [{:= | DEFAULT} <valor>]

Quando [IN | OUT …] não for especificado, será assumido IN.

Ex:

PROCEDURE calc_ir (val_sal IN NUMBER, val_ir OUT NUMBER) IS


BEGIN
IF val_sal < 300.00
THEN
val_ir := 0;
ELSIF val_sal BETWENN 300.01 AND 1000.00
THEN
val_ir := val_sal * .10;
ELSIF val_sal BETWEEN 1000.01 AND 3000.00
THEN
val_ir := val_sal *.20;
ELSE
val_ir := val_sal *.30;
END calc_ir;

FUNCTIONS

Uma função é um subprograma que calcula um valor. Funções e procedures são estruturalmente
iguais, exceto que as funções possuem uma cláusula RETURN que especifica o tipo de retorno da
função.

sintaxe: FUNCTION <nome da função> [(<parâmetro>[,<parâmetro>,…])]


RETURN <tipo da função> IS
[<variáveis locais>]
BEGIN
<comando>
[EXCEPTION
<tratamento das exceções>]
END <nome da função>];

onde: parâmetros possui a seguinte sintaxe:

<nome da variável> [IN | OUT | IN OUT] <tipo> [{:=| DEFAULT} <valor>]

Quando [IN | OUT …] não for especificado, será assumido IN.

__________________________________________________________________________________________
118
__________________________________________________________________________________________

Ex.:

FUNCTION calc_inss (val_sal IN NUMBER, val_lim IN NUMBER)


RETURN NUMBER IS
val_inss NUMBER(15,2);
BEGIN
val_inss := val_sal * .08;
IF val_inss > val_lim
THEN
val_inss := val_lim;
END IF;
RETURN val_inss;
END calc_inss;

DECLARAÇÕES FORWARD
A PL/SQL exige que se declare um subprograma antes de chama-lo. No caso de recursividade,
porém isto não é possível. A PL/SQL resolve este problema com uma declaração forward. Esta
declaração pode ser usada para:

• definir subprogramas em ordem alfabética


• definir subprogramas recursivos
• grupar subprogramas dentro de packages

Uma declaração forward consiste de uma declaração de subprograma terminada por um ;.

Ex:

DECLARE
w_vl_lim NUMBER(15,2) := &1;

PROCEDURE calc_ir(val_sal IN NUMBER, val_ir OUT NUMBER); — declaração

— forward
FUNCTION calc_inss (val_sal IN NUMBER, val_lim IN NUMBER)
RETURN NUMBER IS
val_inss NUMBER(15,2);
BEGIN

RETURN val_inss;
END calc_inss;
PROCEDURE calc_ir (val_sal IN NUMBER, val_ir OUT NUMBER) IS
BEGIN

END calc_ir;
BEGIN

END;

__________________________________________________________________________________________
119
__________________________________________________________________________________________

STORED SUBPROGRAMS
No ORACLE é possível armazenar um subprograma PL/SQL na base da dados após a compilação.
Várias vantagens são adquiridas com este procedimento, tais como:

Produtividade Vários programas podem fazer rotinas previamente gravadas na base de


dados, diminuindo a redundância de codificação.
Performance Subprogramas podem reduzir a necessidade de calls nas aplicações. Por
exemplo, para executar 10 comandos SQL individuais, 10 calls são
necessárias, porém para executar um subprograma contendo dez comandos
SQL, apenas um call é necessário.
Memória Subprogramas rem a vantagem de compartilhar memória. Ou seja, somente
uma cópia de um subprograma necessita ser carregado na memória para
execução por múltiplos usuários.
Integridade A utilização de librarys diminui a possibilidade de erros na codificação de
rotinas de consistência, uma vez que só há a necessidade de se efetuar a
validação da rotina uma vez e ela poderá ser usada por qualquer número de
aplicações.
Segurança Pode haver um aumento na segurança, uma vez que o DBA pode restringir o
acesso a determinadas operações, fornecendo autorização somente através de
subprogramas.

CHAMADAS DE UM STORED PROGRAM

Local Sintaxe:
De outro <nome da procedure> (<parâmetro>…);
subprograma
De um programa EXEC SQL EXECUTE
de aplicação BEGIN <nome da procedure> (<parâmetro)…); END;
(HOST) END-EXEC;
De uma ferramenta EXECUTE <nome da procedure> (<parâmetro>…);
ORACLE (SQL*PLUS)
ou
BEGIN <nome da procedure> (<parâmetro>…); END;

CRIANDO UM STORED SUBPROGRAM

sintaxe: CREATE [OR REPLACE]


PROCEDURE <nome da procedure>[(<parâmetro>,…])]
AS/IS [<variáveis locais>]
BEGIN
<comandos>
[EXCEPTION
<tratamento das exceções>]
END <nome da procedure>];

CREATE [OR REPLACE]


FUNCTION <nome da função> [(<parâmetro>[,<parâmetro>…])]
RETURN <tipo da função>
AS/IS [<variáveis locais>]
BEGIN
<comandos>
[EXCEPTION
<tratamento das exceções>]
END <nome da função>];

A sintaxe é semelhante à de um subprograma definido dentro de um programa PL/SQL.

__________________________________________________________________________________________
120
__________________________________________________________________________________________

12. DATABASE TRIGGERS


Um DATABASE TRIGGER é um programa PL/SQL armazenado em um banco ORACLE, associado
com uma tabela específica. O ORACLE irá disparar a execução do DATABASE TRIGGER
automaticamente quando uma determinada operação SQL afeta a tabela.

Deste forma, pode-se usar um DATABASE TRIGGER para:

• Logar modificações
• garantir críticas complexas
• Gerar o valor de colunas
• Implementar níveis de segurança mais complexos
• Manter tabelas duplicadas

Pode-se associar até 12 DATABASE TRIGGERS a cada tabela, um de cada tipo (BEFORE UPDATE
<row>, BEFORE DELETE <row>, BEFORE INSERT <row>, BEFORE INSERT <comando>, BEFORE
UPDATE <comando>, BEFORE DELETE <comando> e as mesmas sintaxes para AFTER). Um
DATABASE TRIGGER é composto de 3 partes:

• evento
• constraint (opcional)
• ação

Quando o evento ocorre, o trigger é disparado e um bloco PL/SQL “anônimo” executa a ação.

Deve-se observar que os DATABASE TRIGGERS executam com os privilégios do OWNER e não do
usuário corrente.

sintaxe: CREATE [OR REPLACE] TRIGGER <nome trigger>


{BEFORE | AFTER}
{DELETE | INSERT | UPDATE [OF <coluna>[,<coluna>]
[OR DELETE | INSERT | UPDATE [OF <coluna>[,<coluna>]…}
ON <tabela>
[REFERENCING {OLD [AS] <nome> | NEW [AS] <nome>
[OLD [AS] <nome> | NEW [AS] <nome>]}
FOR EACH ROW [WHEN (<condição>)]] <bloco PL/SQL/>

__________________________________________________________________________________________
121
__________________________________________________________________________________________

Ex.:

CREATE TRIGGER checa_salario


BEFORE UPDATE OF vl_sal, nr_git ON FUNC
FOR EACH ROW WHEN (NEW.nr_git < 56)
DECLARE
salario_minimo NUMBER(5) := 0;
salario_maximo NUMBER(5) := 0;
faixa EXCEPTION;
negativo EXCEPTION;
excede EXCEPTION;
BEGIN
SELECT MIN(vl_sal), MAX(vl_sal)
INTO salario-minimo, salario_maximo
FROM folha
WHERE nr_git = :new.nr_git;
IF (:NEW.vl_sal < salario_minimo OR
:NEW.vl_sal > salario_maximo)
THEN
RAISE faixa
ELSIF (:NEW.vl_sal < OLD.vl_sal)
THEN
RAISE negativo;
ELSIF (:New.vl_sal > 1.1 * :OLD.vl_sal)
THEN
RAISE excede;
END IF;
EXCEPTION
WHEN faixa THEN
RAISE_APPLICATION_ERROR(-20225, ‘Salário fora da faixa’);
WHEN negativo THEN
RAISE_APPLICATION_ERROR(-20230, ‘Incremento negativo’);
WHEN excede THEN
RAISE_APPLICATION_ERROR(-20235, ‘Incremento excede 10%’);
WHEN OTHERS THEN
RAISE_APPLICATION_ERROR(-20999, SQLERRM(SQLCODE));
END;

__________________________________________________________________________________________
122
__________________________________________________________________________________________

13. PACKAGES
Um package é um objeto que grupa logicamente subprogramas, objetos e tipos PL/SQL. Packages
são compostos de duas partes: A especificação e o corpo do pacote. A especificação é a interface
com as aplicações. Nela são declarados os tipos, variáveis, constantes, exceções, cursores e
subprogramas. No corpo do pacote é concluída a definição dos cursores e subprogramas e feita a
implementação da especificação.

Um package não pode ser chamado, receber parâmetro nem ser aninhado (declarado dentro de outro
package).

sintaxe: PACKAGE <nome do pacote> IS — parte da especificação


<declarações>
END [<nome do pacote>];

PACKAGE BODY <nome do pacote> IS — corpo do pacote


<corpo dos subprogramas>
[BEGIN
<comandos de inicialização>]
END [<nome do pacote>];

A parte de especificação são declarações públicas, visíveis pelas aplicações. O corpo implementa
detalhes e declarações privadas que são invisíveis pelas aplicações. O corpo seria uma caixa preta.

CRIANDO UM PACKAGE
Um pacote pode ser criado internamente no SQL*PLUS ou no SQL*DBA usando-se os comandos
CREATE PACKAGE e CREATE PACKAGE BODY.

sintaxe: CREATE [OR REPLACE]


PACKAGE <nome do pacote> AS/IS
<declarações>
END <nome do pacote>

CREATE [OR REPLACE]


PACKAGE BODY <nome do pacote> AS/IS
<corpo dos subprogramas<
[BEGIN
<inicializações>]
END <nome do pacote>

__________________________________________________________________________________________
123
__________________________________________________________________________________________

Ex:
CREATE PACKAGE funcionario AS
TYPE func_reg_type IS RECORD )cd_depto_mat NUMBER, vl_sal NUMBER);
CURSOR salario (mat NUMBER) RETURN func_reg_type;

PROCEDURE admissão
(nome CHAR, grau NUMBER, sal NUMBER, depto CHAR);
PROCEDURE demissão (mat NUMBER);
END funcionario;

CREATE PACKAGE BODY funcionario As


CURSOR salario (mat NUMBER) RETURN func_reg_type IS
SELECT cd_mat, vl_sal FROM func
WHERE cd_mat = mat
ORDER BY vl_sal DESC;

PROCEDURE admissão
(nome CHAR, grau NUMBER, sal NUMBER, depto CHAR) IS
BEGIN
INSERT INTO func
(nm_func, nr_git, vl_sal, cd_mat, cd_depto)
VALUES
(nome, grau, sal, cd_mat_seq.NEXTVAL, depto);
END admissão;

PROCEDURE demissão (mat NUMBER) IS


BEGIN
DELETE FROM func WHERE cd_mat = mat;
END demissão;
END funcinario;

Deve-se observar que somente a especificação do pacote é visível e acessível pela aplicação.
Detalhes da implementação que se localizam do body são invisíveis e inacessíveis. Desta forma
pode-se alterar o body sem haver necessidade de se recompilar os programas que usarem os
packages

VANTAGENS DO USO DE PACKAGES


Packages oferecem várias vantagens:

Modularidade Packages permitem que se encapsule logicamente tipos, objetos e


subprogramas relacionados.
Desenho da aplicação quando uma aplicação é desenhada, tudo que á necessário
inicialmente é a informação da especificação do package. Pode se
codificar e compilar a especificação sem o corpo do package. Uma vez
que armazenado a referência ao pacote pode ser compilada também.
Segurança Com pacotes pode-se especificar que tipos, objetos e subprogramas
são públicos ou privados. Os públicos são especificados na parte de
especificação dos packages. Já os privados são totalmente
especificados do body do package. Eles são usados dentro do próprio
pacote e não precisam ficar visíveis a quem usar os pacotes.
Funcionalidade Variáveis públicas e cursores empacotados podem ser compartilhados
por todas as procedures que executarem no ambiente.
Performance Quando é feita a primeira chamada de um package subprogram pela
primeira vez, todo o pacote é carregado na memória. Assim,
subsequentes chamadas a outros subprogramas dentro do pacote não
requerem I/O de disco

__________________________________________________________________________________________
124
__________________________________________________________________________________________

REFERÊNCIAS A PACKAGES
Para fazer uma referência aos tipos, objetos e subprogramas declaradas dentro da especificação de
packages deve-se usar a seguinte notação:

<nome de package>. <tipo>


<nome de package>. <objeto>
<nome de package>. <subprograma>

Pode-se fazer referência a pacotes de dentro de database triggers, stored subprograms e blocos
PL/SQL dentro de programas e blocos PL/SQL anônimos.

A inicialização da parte executável do package é feita uma única vez, na primeira vez que for feita
referência ao package (por sessão).

14. MENSAGENS EM STORED PROCEDURES E TRIGGERS


Podemos enviar mensagens a partir de procedures ou packag’s usando package DBMS_OUTPUT.
Este package possui duas procedures PUT e PUT_LINE, que farão com que a mensagem seja
armazenada em um buffer que pode ser mostrado quando o trigger, procedure ou package for
executado.

Estas mensagens poderão ser mostradas com o uso da procedure GET_LINE ou com o uso do
comando SET SERVER OUTPUT ON no SQL*PLUS ou SQL*DBA, caso contrário estas mensagens
serão ignoradas.

Este package pode ser especialmente útil para depuração.

EXEMPLO
Suponha que desejássemos depurar um trigger. Neste caso devemos incluir uma ou mais linhas de
mensagens, da seguinte forma:

DBMS_OUTPUT.PUT_LINE (‘O novo valor é’||:new.col);

Devemos usar o SQL*PLUS ou SQL*DBA com a opção SERVER UOTPUT setada para ON, para
executar o trigger e depurar as mensagens incluídas.

PROCEDURES E FUNÇÕES
Veremos, agora cada uma das procedures e funções contidas no package DBMS_OUTPUT:

DISABLE PROCEDURE

Esta procedure desabilita as chamadas para PUT, PUT_LINE, NEW_LINE, GET_LINE e GET_LINES
e limpa o buffer.

Esta rotina não é necessária se estivermos usando a opção SERVER UOTPUT no SQL*PLUS ou
SQL*DBA.

sintaxe: DISABLE;

__________________________________________________________________________________________
125
__________________________________________________________________________________________

ENABLE PROCEDURE

Esta procedure habilita chamadas para PUT, PUT_LINE, NEW_LINE, GET_LINE e GET_LINES. As
chamadas a estas procedures são ignoradas se o package DBMS_OUTPUT não estiver habilitado.

Deve-se especificar a quantidade de informação (em bytes) as ser armazenada no buffer. Se o buffer
for excedido, receberemos a seguinte mensagem de erro:
-20000, ORU-10027: buffer overflow, limit of buffer_limit bytes.

São permitidas múltiplas chamadas à ENABLE. Não é necessária a chamda a esta procedure quando
utilizamos a opção SQL*DBA ou SQL*PLUS. Se existirem múltiplas chamadas a esta procedure, é o
maior valor dentre os especificados. O tamanho máximo é 1.000.000 e o mínimo é 2.000 bytes.

sintaxe: ENABLE (buffer_size in integer);

GET_LINE PROCEDURE

Esta procedure recupera uma linha da informação do buffer, excluindo o caracter newline final. O
tamanho máximo da linha é 255 bytes.

Todas as linhas não recuperadas serão descartadas quando usadas as procedures PUT, PUT_LINE
ou NEW_LINE.

Se a procedure concluir com sucesso, o status retornado é zero, caso contrário é 1 (não existem
linhas no buffer).

sintaxe: GET_LINE(line out varchar2, status out integer);

GET_LINES PROCEDURE

Esta procedure recupera um array de linhas e pode ser usada no lugar de GET_LINE para reduzir o
número de chamadas ao servidor. Devemos especificar o número de linhas que desejamos recuperar
do buffer. Após recuperar o número de linhas especificado, a procedure retorna o número de linhas
realmente recuperado. Se este número for menor que o número de linhas requisitado, significa que
não existem mais linhas no buffer.
Todas as linhas não recuperadas serão descartadas quando usadas as procedures PUT, PU_LINR
ou NEW_LINE.
Cada linha no array pode ter até 255 bytes de comprimento.

Sntaxe: GET_LINES (lines out chararr, numlines in out integer);

NEW_LINE PROCEDURE

Esta procedure coloca uma marca de fim da linha no buffer. Normalmente usamos esta procedure
após uma ou mais chamadas à procedure PUT, para indicar fim de mensagem. Cada chamada a
NEW_LINE gerará uma linha a ser retornada pelo GET_LINE.

sintaxe: NEW_LINE;

__________________________________________________________________________________________
126
__________________________________________________________________________________________

PUT PROCEDURE

Esta procedure especifica a informação que desejamos armazenar no buffer. Devemos usar esta
procedure para adicionar pedaços de informação ao buffer. As procedures GET_LINE e GET_LINES
não retornam uma linha que não tenham sido terminadas com o caracter newline. Se o tamanho
especificado pelo buffer for excedido, será recebido uma mensagem de erro.

Sintaxe: PUT (item varchar2 | number | date);

Obs.: Se passarmos como parâmetro um number ou date, quando o item for recuperado será
convertido (com TO_CHAR) para string no formato default. Se desejarmos um formato particular,
devemos passar o parâmetro já convertido (VARCHAR2).

PUT_LINE

Esta procedure especifica a informação que desejamos armazenar no buffer. Esta procedure
armazena, automaticamente, um caracter de fim de linha a cada texto enviado. Cada chamada a
PUT_LINE gera uma linha a ser recuperada pela procedure GET_LINE.

EXEMPLO

O package DBMS_OUTPUT é, normalmente, usado para depuração de stored procedures e


tringgers, como veremos no exemplo abaixo:

CREATE FUNCTION depto_sal (p_cd_depto IN CHAR) RETURN NUMBER IS CURSOR func_cursor


IS
SELECT vl_sal FROM func WHERE cd_depto = p_cd_depto;
v_total_sal NUMBER(11,2) := 0;
v_conta NUMBER(10) := 1;
func_rec func_cursor%ROWTYPE;
BEGIN
FOR func_rec IN func_cursor LOOP
v_total_sal := v_total_sal + func_rec.vl_sal;
PUT_LINE (‘loop NO. = ‘ || TO_CHARY(v_conta) || ‘; salário = ‘||
TO_CHAR(v_conta_sal));
v_conta := v_conta + 1;
END LOOP;
PUT_LINE (‘Total de salários = ‘|| TO_CHAR(v_total_sal));
RETURN v_total_sal;
END depto_sal;

__________________________________________________________________________________________
127