Você está na página 1de 5

EX-MILITARES DA FAB SEMPRE FORAM

INVESTIGADOS E PERSEGUIDOS
POLITICAMENTE DURANTE O
GOVERNO MILITAR, E AGORA PELO
GOVERNO ATUAL
Postado em 6.março.2011
porGVLIMA em Postagens 2011

ANISTIA – AVISO 190-MJ/2011 – Parecer CEP-014/2011


Caros FABIANOS e leitores em geral,

Com a necessária autorização do remetente, reproduzo abaixo mensagem que recebemos do ex-
Cabo da FAB – LINDEMBERG CASTORINO DA COSTA cujo conteúdo, por se tratar de mais
uma DENUNCIA contra o Comando da Aeronáutica por perseguição política aos praças da ativa da
FAB durante o Governo Ditatorial Militar(1964 a 1985), tornamos público para expormos, através
de documentos probantes, o que ocorria nas fileiras da Aeronáutica aos soldados, cabos e sargentos,
verbis:

De: Lindemberg Costa [mailto: lindemberggeuar@yahoo.com.br ]


Enviada em: quarta-feira, 2 de março de 2011 15:50
Para: Doraiton Espirito Santo (doraiton@gmail.com )
Cc: Gilvan Vanderlei ( gvlima@terra.com.br ) e Outros
Assunto: Enc: RE: ANISTIA – AVISO 190-MJ/2011 – Parecer CEP-14/2011

Doraiton ótima tarde!

REPASSANDO PARA CONHECIMENTO.

(Favor abrir os sites abaixo e baixar o aviso 190 e ofício 14)

No Aviso 190, o ministro José Eduardo corta totalmente a chance dos ex-Cabos Pós 64, ou seja, ele
cita que ”a partir deste pronunciamento da AGU, o Ministério da Justiça passou a negar os
pedidos de anistia pautados na Portaria n° 1.104-GM3, de 12 de outubro de 1964, do ministro
da Aeronáutica, cujos interessados tenham ingressado na Aeronáutica em período posterior a
sua edição, bem como instaurou procedimento de revisão daqueles que tinham sido
concedidas anistias nestes termos…“

Por aí você tira uma base de que nos processos que foram julgados no dia 05.05.2004 pela
Comissão de Anistia, não observaram o nosso mérito, em especial o seu e do Paulo Soares Cruz que
foram recentemente INDEFERIDOS pela CA, ou seja:

1º) Foi criado o projeto da Portaria 1.104 através do Ofício Reservado 04 para normatizar o período
em que o Soldados e Cabos deveriam ficar na FAB:

2º) Dentro da Portaria 1.104 ficou estabelecido que deveríamos fazer o concurso público para a
EEAer, do contrário seríamos desligados automaticamente: Nós fizemos as provas para ingressar na
FAB; para soldados de primeira classe, mais o concurso público para a EEAer; passamos nos
exames médicos e psicotécnicos e o Comando não nos desligou para que fosse considerados alunos
da especialistas.

3º) Quando fizemos a prova para EEAer, o Comando da Aeronáutica ordenou que todos os cursos
preparatórios fossem fechados em Belo Horizonte (Orvilhe Carneiro, Braz Navarro, Aeronaval etc),
além de pressionar os sargentos, 2S Queiroz e 2S Oswaldo, a paralisarem as aulas de reforço.

4º) Vários Cabos foram procurados nos arquivos do DOPS, conforme documentos constantes
do anexo (Doc. 01 – 02 – 03 – 04 e 05), com o objetivo de ser constatado se pertenciam ao
partido comunista do Brasil. Esta perseguição durou mais de 10 (dez)anos. Pior ainda, o Cabo
Vicente de Paula Moreira estava como aluno e foi automaticamente desligado sem ter
conhecimento do motivo.

5º) Conclusão: cumprimos o que estava estabelecido na portaria, além do mais, antes mesmos de
fazermos as provas de seleção já estávamos autorizados pelo Comando da Aeronáutica a fazê-las,
mesmo assim ninguém nos deu satisfação do que de fato estava acontecendo, principalmente com
respeito ao cancelamento de nosso desligamento e cancelamento da matrícula. Através de Oficio
GEUAr-016/2006 (Fls. 1 e 2) endereçado ao Exmo Sr. Brig. Mingorance da EEAer, em resposta,
deixou bastante claro de que nem mesmo a administração da Escola teve conhecimento da falta da
nossa inclusão no concurso público, bem como, no desligamento para a EEAer.

Agora, eu pergunto isto não é perseguição?

Pelo visto, todos nós teremos que dar entrada em processos para o juízo federal definir a nossa
situação.

Estou aguardando o seu retorno.

Abraço.

Lindemberg Costa

NOSSA OPINIÃO:
Estes procedimentos eram comuns, corriqueiros e obrigatórios dentro da AERONÁUTICA para
com todos os praças (Soldados e Cabos) que pretendessem se matricular para o Concurso da
EEAER, cuja investigação interna nas Unidades, se concluindo favoravelmente, após a “informação
sigilosa/confidencial” contendo o NADA CONSTA do DOPS, era fornecido então, ao militar, o
Cartão de Inscrição na EEAR, para submeter-se às provas, conforme modelo anexo ao presente e-
mail.

Na realidade, TODOS os praças da FAB daquela época, que se inscreviam pelas suas ZONAS
AÉREAS (COMZAE’s que depois passou a ser COMAR) para o concurso público da EEAer
tinham seus nomes e suas vidas pessoais submetidas a essa investigação de antecedentes no
D.O.P.S. por pura “presunção” do COMAER, o que configurava, SIM!, perseguição
política/ideológica aos praças da FAB e, quando constando quaisquer ANOTAÇÕES nos
arquivos do D.O.P.S. sua inscrição na EEAer não era permitida e o nome do praça, querendo ou
não, já passava a FIGURAR/CONSTAR nos registros daquele órgão repressor (D.O.P.S.) como
“investigado”, inclusive, é bom que se ressalte que, por ocasião dos nossos DESLIGAMENTOS,
ou seja, nossas baixas obrigatórias, por força da malfadada Portaria 1.104GM3/64, também
éramos investigados pelo “A2” (Segunda Seção de Investigações do Comando Aéreo Regional da
Zona Aérea, ligada diretamente ao Chefe do Estado Maior, criada pelo Decreto 73.368 de
26.12.1973, que aprovou o Regulamento dos Comandos Aéreos Regionais e dava outras
providências – arquivos anexo) e no DOPS e, se constasse em nossas “FICHAS” algum registro
considerado por “elles” de ligação a “células de organizações de esquerda“, “grupos armados
contrários ao regime” e/ou ao “partido comunista”, por exemplo, o praça era encaminhado direto
ao D.O.P.S. da Secretaria de Segurança Pública (salvo equívoco de minha parte).

Dito isto, gostaria que todos os demais EX-FABIANOS que passaram por tais desventuras,
enviassem por e-mail para o Site quaisquer Documentos da época, que possa comprovar
perseguição política e/ou de atos de exceção praticados pelo Comando da Aeronáutica, a fim de
disponibilizarmos neste PORTAL DOS CABOS DA F.A.B. (www.miltarpos64.com.br/sitev2) para
o conhecimento público geral, uma vez que precisamos ESCLARECER e MOSTRAR a todos
quantos acessem este site, bem como para as nossas autoridades do Executivo e Judiciário, o que de
fato ocorreu conosco durante o período do Governo Militar, pelos menos comigo foi assim também
no período de 02.01.1968 até 31.12.1975 (contaram 7 anos 11 meses e 30 dias de serviço ativo na
FAB – não entendi porquê não foi computado exatos 8 anos …[eles se esqueceram dos anos
bissextos nesse meu período]…) e a que tipo de PERSEGUIÇÃO todos nós fomos submetidos, daí
por que o tempo todo fomos tidos como “SUSPEITOS COMUNISTAS” e nessa condição fomos
EXCLUÍDOS, EXPULSOS e LICENCIADOS do serviço ativo da Aeronáutica.

EM TEMPO:

Estimados colegas FABIANOS.

Os interessados nos documentos (aviso 190 e ofício 14 ) abaixo linkados, poderão baixá-los com
toda a segurança e facilidades clicando no link da URL desejada:

http://www.nelioschmidt.com/Aviso190-2011-MJ-ADG-de-11-02-2011.pdf
http://www.nelioschmidt.com/Parecer14-2011-CEP-CGLEG-CONJUR-MJ-de-09-02-2011.pdf

Postado por Gilvan Vanderlei


Ex-Cabo da FAB – Vítima da Portaria 1.104GM3/64
E-mail gvlima@terra.com.br