Você está na página 1de 1

E STA D O D E M I N A S ● D O M I N G O , 1 3 D E J U L H O D E 2 0 0 8

24 GERAIS

SOB O PESO DO OURO


OBRAS NA MINA INFLACIONAM SERVIÇOS, CONGESTIONAM O TRÂNSITO E GERAM PASSIVOS
COM MORADORES POBRES DESLOCADOS PELO AUMENTO DA ÁREA DE LAVRA
FOTOS: BETO MAGALHÃES/EM/ D. A PRESS

Aureliano Lopes dos Reis se queixa da perda de terras e de água incorporadas pela mineradora A matriarca Ana Lopes de Morais teme o empobrecimento da família fora do Vale do Machadinho

ESPECULAÇÃO E PREJUÍZOS
Dona de uma forte e sofisticada pro-
dução agrícola com cerca de 40 mil hec-
tares irrigados, rebanho bovino de alta
qualidade, duas universidades particu-
lares e comércio robusto, Paracatu vive
uma bolha de crescimento provocada
pela expansão da Rio Paracatu Minera-
ção (RPM). A onda traz dinheiro, mas
também muitos inconvenientes para a
população. Os melhores hotéis estão
sempre ocupados por funcionários gra-
duados da mineradora ou de empreitei-
ras contratadas, os aluguéis de imóveis e
os serviços de pedreiro e carpinteiro, por
exemplo, estão inflacionados. No fim de
semana de 4 a 6 de julho, de manhã à
noite, quem quis usar os caixas eletrôni-
cos da maior agência bancária local teve
de esperar horas devido à intensa procu-
ra de trabalhadores de empreiteiras da
RPM. Contudo, as reclamações mais re-
correntes da população são contra a
poeira da mina e o tráfego pesado de ca-
minhões, máquinas e ônibus de trans-
porte de operários.
A Rua Prata, no Bairro Amoreiras, é o
exemplo mais claro da incorporação do
espaço urbano à área de serviço da mine-
radora. Formada por casas que variam de
um padrão modesto até residências am-
plas de acabamento sofisticado, a rua
não tinha saída. Há oito meses, quando a
expansão começou, a RPM estendeu a
via até a portaria principal da mina e pas-
sou a usá-la como acesso para máquinas,
equipamentos e pessoal. O motorista Jair
Marques, morador da rua desde o início
da década de 1990, diz que colocou o
imóvel à venda porque não suporta mais
o barulho, a poeira e as trincas nas pare-
des. “Anunciei por R$ 60 mil, mas nem
por R$ 50 mil apareceu interessado até Ruínas da escola municipal do Bairro Lavrado, de onde a maioria dos habitantes saiu e se espalhou pela cidade, depois de vender as casas para a mineradora canadense
agora.” Segundo ele, já se espalhou pela
cidade a informação de que a Rua Prata

População reclama de indenizações baixas


virou um inferno.
A própria RPM sofreu recentemente
danos por causa da avalanche de pessoas
atraídas pela expansão da mina. Segundo
o Boletim de Ocorrência nº 2.852/08 da A construção da nova barragem de tinha se tornado uma prática recorrente mercúrio, 100 vezes acima. Foi registra- ríodo de pelo menos um ano. “O certo é
Polícia Militar, em 11 de março, trabalha- rejeitos também provocará desloca- que a mineradora tentava reprimir. Luiz do arsênio dentro do limite de 10 partes que a água na região do Santa Rita está
doresmigrantesdaobra,pormotivos ain- mento de população. A maioria dos morreu na hora. José ficou paraplégico por bilhão, muito questionado por téc- péssima e há um nível alarmante de
da não totalmente esclarecidas, atearam atingidos, cerca de 200 pessoas, está na e faleceu um ano depois. Deixaram cin- nicos da área que defendem uma redu- doenças na comunidade”, acrescenta.
fogo a quatro galpões do alojamento comunidade rural de Machadinho, no co órfãos. Evandro ficou com seqüela ção do teto de detecção para a casa de
montado na área da mineradora. Foram vale formado pelo córrego de mesmo em um dos braços. Em abril de 2006, o cinco partes por bilhão, adotado em paí- CACHOEIRA Além de suspeitas de con-
destruídos 28 dormitórios com 56 beli- nome. O clã Lopes, comandado pela segurança foi absolvido sumariamente ses como o Canadá. A iniciativa do labo- taminação da água, os moradores do
ches, armários, ventiladores e banheiros. viúva Ana Lopes de Morais, de 80, ex- pela Justiça sob o argumento de ter ati- ratório deveu-se ao parentesco de Célio Vale do Córrego São Domingos recla-
Na ocasião, havia quase 1 mil operários plora 120 hectares. São seis filhos e de- rado em legítima defesa. com uma técnica do Labiotec. mam a indenização por terras hoje ocu-
migrantes alojados. Não houve feridos. zenas de netos. Elson Oliveira Lopes, O responsável pelo laboratório de padas pela mineradora e que no passa-
por exemplo, tira 80 litros de leite ven- PASSIVO AMBIENTAL As reinvidicações Uberlândia, o químico Giovani Salviano do eram lugar de plantio de roças, pas-
DEMOLIÇÃO Na casa pobre do Bairro La- didos a R$1,20 a unidade de casa em ca- de reparação pela RPM partem também Melo, tem uma hipótese para explicar a toreio e garimpo da comunidade. Os
vrado onde mora há mais de duas déca- sa no Centro de Paracatu. de comunidades atingidas desde o início presença de mercúrio no poço, embora cerca de 300 sitiantes são predominan-
das, a aposentada Nair de Aragão Silva, “A gente consegue viver com decên- das operações da empresa, quando ain- esse elemento não faça parte da compo- temente negros e há um processo em
de 86 anos, é uma das últimas resisten- cia porque a terra está perto da cidade. da pertencia ao grupo inglês Rio Tinto sição das rochas locais e tampouco é usa- curso no Instituto Nacional de Coloniza-
tes à expansão da área de lavra da em- São 20 minutos a cavalo”, diz Elson. Ele Zinc e à TVX, do empresário Eike Batista, do no processo industrial da minerado- ção e Reforma Agrária (Incra) de reco-
presa. Em volta dela, restaram escom- teme não conseguir comprar uma área acusado na sexta-feira, durante a Opera- ra. “A extração de ouro onde está a lavra nhecimento do status de comunidade
bros de casas e de uma escola pública. De parecida com dinheiro da indenização ção Toque de Midas, da Polícia Federal, da RPM remonta ao século 18 e até um remanescente de quilombo. A maioria
vizinhos, só sobrou um casal instalado da RPM. “A empresa têm de nos pagar de suposta sonegação de impostos em passado recente era corriqueiro o empre- dos moradores é de posseiros, ou seja,
numa casa a uns 200m. A mineradora um valor bem mais alto do que vem ofe- suas empresas e de fraude numa licita- go de mercúrio para a apuração do me- não tem título oficial de propriedade.
comprou aos poucos os imóveis por va- recendo por aí”, afirma. ção de uma estrada no Amapá. tal no Brasil”, observa Melo. Ocupado em acertar arestas de tijo-
lores que Nair considera muito baixos. Não é a primeira vez que o nome No Vale do Ribeirão Santa Rita, os O químico defende uma investiga- los velhos para usar na reforma da casa,
“O negócio mais forte aqui saiu por R$ 20 RPM é associado a más notícias para a moradores suspeitam que os poços de ção profunda da qualidade da água nas Aureliano Lopes dos Reis, de 96 anos,
mil”, conta. A aposentada afirma que re- família Lopes. Em 1998, três filhos de água para uso doméstico estão contami- imediações da mina da RPM. Segundo conta que, até a década de 1980, o Vale
cebeu uma proposta de R$ 19 mil. Resis- Ana, Luiz, José e Evandro, foram balea- nados por arsênico e metais. Há um for- ele, no Brasil estão capacitados para reali- do São Domingos era muito diferente.
tiu e a oferta subiu para R$ 23 mil, tam- dos por um segurança da mineradora. te indício. O laboratório Labiotec, de zar esse trabalho o Instituto Adolfo Lutz, “Havia uma cachoeira muito bonita, su-
bém recusada. “Para gente pobre como Acompanhados de vizinhos, eles ti- Uberlândia, detectou em amostras colhi- a Universidade de Campinas (Unicamp), biam dourados e curimatãs, tínhamos
eu, é muito dinheiro, mas para sair da- nham invadido a área de descarga de das em janeiro no poço do sitiante Célio a Cetesb, empresa ambiental do governo campo onde plantávamos roças e se fais-
qui, de um lugar de que a gente gosta e rejeitos da empresa para tentar recupe- José de Carvalho teores muito acima do de São Paulo, e a UFMG. Segundo ele, os cava ouro no córrego”, diz. Segundo ele,
é perto do Centro sem saber para onde rar resíduos de ouro usando pedaços de permitido pela legislação. Chumbo, oito ensaios são caros. Ele calcula que seriam essas terras hoje estão na área da RPM. O
ir, é muito pouco”, justifica. carpete. Na época, esse tipo de invasão vezes acima, cádmio, 24 vezes acima, e necessários R$ 50 mil por mês num pe- São Domingos praticamente secou.

Interesses relacionados