Você está na página 1de 10

1

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA – LICENCIATURA - EAD

MUNICIPIO: SÃO BERNARDO DO CAMPO


ESTADO: SÃO PAULO
TURMA: 461
POLO: COLEGIO PROJEÇÃO
TUTORA: REGIANE JOAQUIM
ANO: 2009

O LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL.

BRINCAR E EDUCAR

MARILDA VALERIO PEREIRA


2

SUMARIO

INTRODUÇÃO ................................................................................ 3

1. DESVENDANDO O MISTERIO DO BRINCAR .......................... 5

1.1 O LUDICO NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL .................... 6

2. CONCLUSÃO ............................................................................. 8

3. REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS ........................................... 9


3

INTRODUÇÃO

Brincadeiras, brinquedos e jogos fazem parte do mundo da criança, pois estão


presentes na humanidade desde o seu inicio. Este artigo vem tratar da busca e introdução do
lúdico no processo educativo, mostrando que trabalhar ludicamente não será abandonado à
seriedade e a importância dos conteúdos apresentados às crianças, pois as atividades lúdicas
são importantes para o desenvolvimento dos conhecimentos, possibilitando melhor percepção
da imaginação da fantasia e dos sentidos. Através das atividades lúdicas a criança passa a
perceber e aceitar o outro estabelecendo relações sociais construindo conhecimentos e
desenvolvendo-se integralmente.
O brincar é com certeza um dos meios pelo qual o ser humano explora uma variedade
de novas experiências e diversas situações em diversos propósitos.
A infância é a fase das brincadeiras, então é por meio dela que a criança satisfaz seus
interesses, necessidades e desejo, sendo uma forma privilegiada de inserção na realidade, pois
reflete e expressa a maneira como a criança ordena, organiza, constrói, desorganiza e
reconstrói o seu espaço, mundo.
Para a aprendizagem das crianças é inevitável o processo de brincarem valorizados
por aqueles envolvidos na educação e na criação da criança.
O brincar e a escolha dos materiais lúdicos são reservados como uma atividade para
após o termino de um trabalho diminuindo assim o efeito sobre o desenvolvimento da criança.
Muitas crianças chegam as escolas maternais incapazes de se envolver no brincar, tudo isso
por virtude de uma educação passiva que mostra o brincar como uma atividade barulhenta,
desorganizada e muitas vezes desnecessárias.
É importante a utilização de brincadeiras e jogos no processo pedagógico, pois o
conteúdo pode ser ensinado por intermédio de atividades lúdicas permitindo assim um
desenvolvimento global com visão para um mundo real por meio de descobertas e da
criatividade a criança pode se expressar, analisar, criticar e transformar a realidade. Quando
bem aplicada à educação lúdica pode contribuir para a melhoria do ensino, tanto na
qualificação quanto na formação critica do educando valorizando-o para o melhor
relacionamento na sociedade.
4

“a educação lúdica é uma ação inerente na criança e aparece sempre como forma
transacional em direção a algum conhecimento, que se redefine na elaboração
constante do pensamento individual em permutações constantes com o
pensamento coletivo”
(ALMEIDA, 1995, p.11)

Este trabalho não é uma definição de brincar, mas sim desafiar as concepções de que o
brincar pode e deve proporcionar as crianças dentro do conceito escolar, visando um clima
educacional norteador em temas e em currículo competitivo elevando o brincar ao ultimo
degrau de qualquer escala de importância.
Ciente da grande importância do lúdico na formação integral da criança encaminha o
estudo abordado a uma breve questão: Qual a importância das atividades lúdicas na educação
infantil?
5

1. DESVENDANDO O MISTERIO DO BRINCAR

Tentar definir o brincar pode sugerir uma abordagem quantitativa que se pode
acontecer raramente.
Segundo Piaget (1975) e Winnnicot (1975), conceitos como jogo, brinquedo e
brincadeiras são formados ao longo de nossa vivencia. É a forma que cada um utiliza para
nomear o seu brincar. No entanto, a palavra jogo quanto à palavra brincadeira pode ser
sinônimos de divertimento.
Neste artigo, jogo, brincadeira, brinquedo e lúdico se apresentam em um sentido bem
abrangente a educação. Por isso, a necessidade de defini-los: brincadeira refere-se a ação de
brincar dentro de um comportamento espontâneo que seja resultado de uma atividade não
estruturada; jogo é compreendido como brincadeira onde se envolvem regras; brinquedo o
objeto designado para o brincar e a atividade lúdica abrange completamente todos os
conceitos anteriores.
Dentro de escolas de educação infantil e fundamental existem evidencias das
dificuldades de se trabalhar atividades lúdicas onde o “brincar” é desprezado freqüentemente e
os jogos e brinquedos só se é escolhidos pelas crianças após terminarem suas tarefas de classe,
como um mérito pelo seu desenvolvimento diário.
Os professores devem compreender que por algum tempo da historia pedagógica, a
educação foi um dos instrumentos da imobilização da vida e que a evolução desse conceito
passa a sugerir que educar passe a ser a criatividade e que aprender significa o mesmo que
acumular conhecimentos sobre fatos, dados e informações. De acordo com o Referencial
Curricular da Educação Infantil (1998, pág. 23).

“educar significa, portanto propiciar situações de cuidados, brincadeiras


aprendizagens orientadas de forma integrada que possam contribuir para o
desenvolvimento das capacidades infantis de relação interpessoal, de ser e estar
com os outros em uma atitude básica de aceitação, respeito e confiança, e o
acesso, pelas crianças aos conhecimentos mais amplos da realidade social e
cultural.”
6

Para se chegar a este propósito é necessário que educadores, professores repensem o


conteúdo de seu trabalho e sua pratica pedagógica substituindo a severidade e a rigidez pela
alegria e entusiasmo de aprender, observar, analisar e ensinar como metodologia de ensino.

1.1 O LUDICO NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL

Grande parte de nossas crianças brasileira enfrenta um cotidiano adverso que conduz
muito cedo ao trabalho infantil, ao abuso e exploração dos adultos, algumas são protegidas de
tidas as maneiras, recebendo os cuidados necessários de suas famílias e da sociedade em geral.
O grande desafio na educação é conhecer o jeito particular de cada criança, pois a
criança é antes de tudo um ser que gosta, deseja brincar.O jogo é um dos artifícios que a
própria natureza encontrou para levar a criança a desenvolver uma atividade em seu meio
físico e mental, no entanto o brincar é uma atividade fundamental para o desenvolvimento da
identidade e autonomia, a criança se comunica desde cedo com gestos, sons e mais tarde
representando um determinado papel dentro de uma, brincadeira se utilizando a
imaginação.Com o brincar a criança desenvolve importantes capacidades como: atenção,
imaginação, criatividade, observação, memorização, imitação e ainda a capacidade de
socialização através da interação e da utilização de regras.
Através de atividades lúdicas elaboradas pelo faz de conta e da imaginação que a
criança reproduz situações de seu cotidiano, mostrando estas experiências passadas e novas
possibilidades para interpretar suas necessidades, desejos e afeições.Sendo assim as atividades
lúdicas só tem a contribuir para o desenvolvimento global da criança em todas as dimensões
da inteligência, afetiva, motora e social.
A criança por meio da brincadeira reproduz discurso extremo e internaliza para
construção de seu próprio pensamento; segundo Vygotisky (1984), tem importante papel
desenvolvimento cognitivo da criança.
7

“A brincadeira cria para as crianças uma zona de desenvolvimento proximal que


não é outra coisa se não a distância entre o nível atual de desenvolvimento,
determinado pela capacidade de resolver independentemente um problema, e o
nível atual de desenvolvimento potencial, determinado através da resolução de
um problemas sob a orientação de um adulto ou com a colaboração de um
companheiro mais capaz.”
(Vygotisky 1984, p.97)

Com o brincar a criança cria e possibilita situações para que se desenvolva dentro de
um mundo de faz de conta, onde é um mundo mágico, que se faz presente entre as crianças
dos dois aos cinco anos, freqüentemente este mundo da fantasia se faz moralmente nesta faze
da vida, pois a criança quando se envolve neste mundo assumem diversos papeis da vida
adulta proporcionando a ela o intermédio entre o imaginário e o real.
8

CONCLUSÃO:

É de grande importância resgatar o brincar para as nossas crianças, dentro da realidade


de nossa educação falta profissionais que assumam o gosto pelo brincar.
Hoje são poucos os profissionais da educação que aplicam em seu currículo o ato de
faz de conta, teatro, fantoches, brincadeiras de roda, cantigas e jogos educacionais com o
intuito de ensinar, educar, alfabetizar, pois pensam q sentem que este caminho é falho.
Deve-se considerar que o brincar é um ato de enorme importância que traz
oportunidades às crianças escolher entre variados tipos de brinquedos a elas oferecidos dentro
da nossa sociedade.Então, podemos afirmar que tanto as brincadeiras de roda cantadas,
dramatizações, brinquedos artesanais e ou brinquedos industrializados é muito mais que
necessário no desenvolvimento infantil.
Na educação infantil não existe necessariamente um único conteúdo para se
desenvolver então é necessário que as aulas sejam criativas, explorado sempre o faz de conta e
a criatividade.
9

REFERENCIAS:

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984.

WINNICOTT, Donald. O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago editora, 1975.

PIAGET, Jean. A formação da simbologia na criança. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.

ALMEIDA, Paulo Nunes de. Educação Lúdica: técnicas e jogos pedagógicos, São Paulo:
Loyola, 1995.

BRASIL. Ministério de Educação e Deporto. Secretaria de Educação Fundamental.


Referencial curricular nacional para a educação infantil. Brasília. 1998.v2.
This document was created with Win2PDF available at http://www.win2pdf.com.
The unregistered version of Win2PDF is for evaluation or non-commercial use only.
This page will not be added after purchasing Win2PDF.