Você está na página 1de 2

Informações adicionais de cabeçalho removidas .

Assunto: Aterramento do Caminhão Comboio

Edmo,

O Cerutti da MN tem uma demanda que deve ser verificada sobre aterramento do caminhão comboio
durante abastecimento de veiculos e equipamentos.
Ele repassou diretamente a mim, pois a PR tem elaborado um padrão que contemplará os riscos com
eletricidade estática, inclusive no uso do caminhão comboio.
O que tenho a dizer a ele é que colocaremos no padrão e que te encaminho com algumas
considerações a mais. Favor retornar para o mesmo se aprova ou não, pois é um parecer tecnico.

Temos diversas normas que tratam dos perigos da eletricidade estática no manuseio de liquidos
inflamáveis (ABNT NBR 17505-5, API RP 2003, NFPA 77 e CENELEC CLC/TR 50404:2003)
A exemplo da ABNT NBR 17505-5 elas tratam da ligação e do aterramento (vide figura abaixo).
Porém as mesmas não fazem referência se a ligação (sem aterramento) obtida pela mangueira de
abastecimento do caminhão-comboio (que possui um fio de cobre interno/malha de aço para
proporcionar a ligação ) é o suficiente para inibir faiscas entre os dois equipamentos .

"A ligação é utilizada para minimizar a diferença de potencial entre objetos condutivos,
mesmo onde o sistema resultante não esteja aterrado".

Porém, não devemos descartar que poderia haver uma faísca entre os equipamentos e o chão. Por
isso que algumas empresas (aviação) fazem o aterramento, adicionalmente.
No entanto, sabemos que os riscos de incêndio a partir de eletricidade estática aumentam com o
volume dos recipientes e com a volatilidade do líquido a ser manuseado . Então, abastecimento de
tanques de equipamentos (baixa quantidade) com oleo diesel (Ponto de fulgor >38ºC) na area
industrial e de mineração, não deveriam gerar potencias para eletricidade estática, ainda que eles
não estejam aterrados devido aos dois veículos estarem isolados do solo pelos seus pneus de
borracha.
Se o equipamento a ser abastecido tiver contato direto (aterramento) ou indireto (parte metálica no
chão) (Ex: Torre de iluminação, bomba de hidrojato com aterramento conectado, etc) reduzimos a
"zero" o risco de faiscamento, pois o aterramento é caminho preferencial para descarga de corrente
elétrica. e a mangueira do caminhão possui malha condutora interna que proporciona a ligação.

Portanto, faço as seguintes considerações para quando o caminhão comboio (não aterrado)
abastecer veiculos que não tem aterramento:

1) Deve-se aterrar o caminhão-comboio no momento de seu abastecimento no posto, o que evita


acumular eletricidade estática no mesmo durante seu abastecimento (transferência de combustivel);
2) Dar preferência ao abastecimento nas horas frias do dia (manhã e final da tarde) para evitar a
formação de vapores;
3) Manter as mangueiras de abastecimento sempre em boas condições para evitar o interrupção da
ligação elétrica, por rachaduras, quebras, erosão, etc;.(já é deve ser observada em rotina)
4) O operador deve usar roupas externas antiestáticas (algodão, por exemplo), evitando o uso de
roupas de fibras sintéticas e seda.(já é usual)
5) O calçado deve ser condutivo ou antiestático; (já é usual)

Caso as medidas acima sejam impossiveis de cumprirem -se, deve-se usar o aterramento provisorio
via haste de aterramento no solo, garantindo via aparelhos de medição uma resistência de
aterramento de até no máximo 1000 ohms (menor valor indicado entre as normas NFPA 77 e ABNT
NBR 17505-5)
Atenciosamente,

Ezequiel Francisco Ribas


UO-SIX/GPI/ETE
Tecnico Operação
Ramal: 856 - 67198
São Mateus do Sul

Você também pode gostar