Você está na página 1de 4

Apresentação

O trabalho que a seguir se apresenta foi elaborado com o intuito de contribuir para a preparação de

actividades que visem a interdisciplinaridade entre a Matemática e a Língua Portuguesa, em articulação transversal

com a Formação Cívica.

Esta ideia nasce no seio do Projecto “Divertir como Saber”, sendo este um programa de incentivo às

aprendizagens matemáticas, destinado às crianças dos empreendimentos sociais de Vila Nova de Gaia,

desenvolvido em parceria pela ESE/IPP, Gaianima E.M. e GaiaSocial E.M., sendo coordenado pedagogicamente

pela Dr.ª Dárida Fernandes da Escola Superior de Educação do Porto

Com as actividades que aqui são propostas, pretende-se aprofundar a área da Geometria, na sua vertente

manipulativa, nomeadamente com o uso do tangram, origami e explorando simetrias. No entanto, os Números e

Cálculo são também abordados ao nível da resolução de problemas, procurando, sobretudo, desenvolver a

Comunicação Matemática. Os ficheiros anexos, destinam-se à criação de cartões a serem distribuídos aos alunos

para efectuarem as construções com tangram e origami. A apresentação em Powerpoint é o ponto de partida para

dar a conhecer a história aos alunos.

Neste trabalho, sugere-se a leitura de um texto, no qual podemos encontrar, destacada por cores diferentes,

a contextualização das diferentes actividades propostas. Sugerem-se, a seguir ao texto, as actividades para serem

efectuadas com os alunos, construindo, desta forma, uma ilustração da história que pode ser afixada nas paredes da

sala, ao longo das diferentes aulas. Pretende-se, assim, promover nos alunos um trabalho contínuo e uma maior

identificação com o mesmo que levará a uma maior motivação para a aprendizagem.

Por fim, queria deixar um simbólico agradecimento ao grupo de teatro Faunas que, com a peça “contos com

contas”, serviu de inspiração e motivação para esta iniciativa; ao Dr. José Manuel Santos dos Santos, pelas imagens

cedidas nos origamis durante o campeonato final do Projecto “Divertir como Saber” levado a cabo na escola E.B, 2,3

de Santa Marinha, em Gaia; à Dr.ª Daniela Cício da Gaianima E.M., pela oportunidade de participar no projecto e à

Dr.ª Dárida Fernandes pelo constante apoio, incentivo e disponibilidade.

Sílvia Couto
O aniversário da Tia Carolina

Num sábado de Verão, o João e a Inês foram passar o fim-de-semana a casa da tia Carolina, que
fazia 43 anos.
O quentinho da manhã que acabava de chegar, convidava a umas brincadeiras no parque.
Os dois irmãos acordaram, tomaram o leite e comeram o pão com queijo que a tia tinha
preparado, fizeram a cama, deram de comer aos gatos e puseram-se a caminho.
Enquanto percorriam, extasiados, a Avenida das Árvores encontraram uma vendedora de flores
que apregoava: “Por uma dúzia de tulipas, querida freguesa, 2 euros e quarenta, pagará com certeza!
Venha até aqui, veja bem esta cena, são só cinco euros, as rosas à dezena!” E dizia outros pregões
engraçados que fazia sempre a rimar.
Perante aquele cenário, os dois irmãos pararam a observar o cartaz que estava exposto na
bancada ambulante.
“Vamos levar um ramo para oferecer à tia logo à noite?” – perguntou a Inês toda entusiasmada.
“É isso mesmo!” – disse o João. “Tenho aqui 2 euros. Podemos gastar este dinheiro no ramo para
lhe dar de prenda de aniversário!”
E assim fizeram. Escolheram gladíolos e tulipas que eram as flores favoritas da tia Carolina.
Pediram à vendedora para lhes guardar o ramo e disseram-lhe que o iriam buscar quando voltassem de
brincar.
O parque era enorme. Tinha um lago gigante, salpicado de pequenas folhas que caíam das
árvores quando soprava uma brisa mais forte. A Inês abeirou-se do lago para apanhar uma das folhas e
sorriu.
“Olha quem ali está!” – exclamou a menina enquanto via a sua imagem reflectida na água
límpida – “Anda cá João! Vais encontrar o teu gémeo!” – brincou ela com o irmão que estava já
deitado na relva a observar uma pequena rã que por ali passava.
O João levantou-se e ficou espantado com a nitidez da imagem. Parecia mesmo que se estava a
ver ao espelho. Resolveram, então, ficar ali entretidos a brincar durante algum tempo. Com uma folha do
caderno que a Inês levava na mochila, construíram um pequeno barco de papel e fizeram-no “navegar”
por entre as folhas até à hora de voltarem para casa.
O caminho de regresso foi o mesmo, efectuado no sentido inverso, mas com paragem obrigatória
na bancada da florista para levar o ramo da Tia Carolina. As flores que agora havia eram poucas,
restando apenas duas rosas e três tulipas para vender.
Chegados a casa, tentaram entrar às escondidas para que a Tia não visse o presente que tinham
preparado. Não fosse o ladrar do Cão Tobias, até tinham conseguido esconder o ramo.
Ao subirem as escadas exteriores da casa a correr, o ladrar alertou a Tia, que veio à janela e
descobriu a surpresa.
“Meninos! Que correria é essa?” – perguntou a Tia já com um largo sorriso nos lábios, e com o
coração a palpitar, como que a adivinhar o que se passava.
“Oh… Oh… Oh Tia… era uma surpresa que te queríamos fazer… Compramos com muito gosto
para te dar os parabéns!” – justificou o João com o ramo escondido atrás das costas.
“Eu já vi que é um ramo lindo, feito com as minhas flores favoritas!” – disse a Tia enquanto sorria.
“Vocês são os meus sobrinhos favoritos!... Também, a verdade é uma, eu não tenho mais nenhuns!!!”
Os sobrinhos riram-se e entraram em casa a cantar-lhe os parabéns.

Sílvia Couto e Sónia Guedes


Histórias Geométricas de Contar

SUGESTÃO DE ACTIVIDADES
Azul – Tangram
Cartões com as construções em tangram e pedir aos alunos que as reproduzam.

Verde – Origami
Cartão com as diferentes indicações das dobragens a efectuar.
Explorar o aparecimento de diferentes figuras geométricas que se obtêm por dobragem. P.e.: “Ao dobrar o quadrado
pela sua diagonal, perguntar que outras figuras geométricas surgem (2 triângulos). Questionar se quisermos obter 4
triângulos como devemos fazer? E se quiséssemos antes obter 4 quadrados como deveríamos dobrar?” Explorar
também a noção de área.
Muitas outras questões podem ser exploradas.

Laranja – Simetrias
Imagina que a recta azul que vês na figura é a água do lago. Desenha a figura simétrica da Inês.

s
Cor-de-rosa – Resolução de Problemas

12 tulipas 2,40 €
10 rosas 5,00 €
10 cravos 3,00 €
1 gladíolo 1,00 €

Explorar as situações de dúzia e dezena, referidas no texto e, com os alunos, construir o cartaz fornecendo os
preços que faltam. Este deve ser elaborado em cartolina e exposto na sala, para, de seguida, se apresentarem as
seguintes situações problemáticas:

1ª sessão

1. Sabendo que os irmãos só tinham 2 euros, quantas flores de cada tipo levou o ramo que eles escolheram para a
tia. Explica o teu raciocínio. (podes usar esquemas, desenhos ou cálculos) (Notar que no texto diz que eles
escolheram gladíolos e tulipas que eram as flores favoritas da tia)

2. Se as flores preferidas da tia Carolina fossem cravos, os dois irmãos poderiam comprar meia dezena? Justifica a
tua resposta. (podes usar esquemas, desenhos ou cálculos)

2ª sessão

3. Quando o João e a Inês regressaram a casa, a florista tinha apenas algumas flores. Quanto teriam de pagar se
quisessem comprar as flores que restavam à florista? (apresenta os cálculos que efectuaste)

3.1. Imagina que os dois irmãos pagavam essas flores com 5 euros. Quanto iriam receber de troco? (apresenta os
cálculos que efectuaste)

Roxo – Formação Cívica

Explorar as seguintes situações:


- Hora de deitar e acordar;
- Pequeno-almoço saudável;
- Higiene pessoal;