Você está na página 1de 17

“A exclusão é uma pobreza

insidiosa, pois priva os homens


dos meios de ação. Depois de tê-
los reduzido à impotência, ela os
torna totalmente dependentes da
sociedade através dos
mecanismos de ajuda.”
Maria Nowalk

“Tornar-me humano, tornar-me fraterno e solícito;


Só humanitariamente é que se pode viver.”
FERNANDO PESSOA 1
Através do Comércio Justo (FAIRTRADE).

2
INTRODUÇAO AO COMÉRCIO JUSTO E SOLIDÁRIO

Comércio Justo (FAIRTRADE) é "uma parceria entre


produtores e consumidores que trabalham para ultrapassar as
dificuldades enfrentadas pelos primeiros, para aumentar o seu
acesso ao mercado e para promover o processo de
desenvolvimento sustentado. O Comércio Justo procura criar
os meios e oportunidades para melhorar as condições de vida
e de trabalho dos produtores, especialmente os pequenos
produtores desfavorecidos. “

(definição da NEWS! - Network of European World Shops,


a rede européia de lojas de Comércio Justo.)

3
Comércio Justo e solidário – Objetivos:
• Proporcionar aos produtores um rendimento justo pelo seu trabalho e
oferecer-lhes pré-financiamento ou acesso a outras formas de crédito.
• Transparência quanto à estrutura, margens praticadas e a todos os
aspectos da sua atividade.
• Organizar o comércio da forma mais direta possível, de forma a reduzir
os custos e aproximar os intervenientes.
• Trabalhar no sentido de estabelecer um mercado seguro para os
produtores e fornecer-lhes apoio sob a forma de treinamento, consultoria
técnica, pesquisa de mercados e desenvolvimento de novos produtos.
• Fornecer informação ao consumidor sobre os seus objetivos, a origem
dos produtos, os produtores, as margens praticadas e as regras do
comércio mundial.
• Promover os direitos humanos, das mulheres, crianças e minorias, bem
como a igualdade de oportunidades entre os sexos.
• Minimizar o impacto dos métodos de produção, produtos e embalagens,
de forma a garantir a sustentabilidade ambiental.

4
Principais entidades

NEWS! - Network of European World Shops: estrutura


coordenadora de 15 associações de "World Shops", oriundas
de 13 países europeus;
IFAT - International Federation for Alternative Trade: agrupa
120 organizações de 47 países da Europa, América do Norte,
África, Ásia e América Latina;
EFTA - European Fair Trade Association: associação de
importadores europeus. As "World Shops"
FLO – Fairtrade Labelling Organization. Entidade que reúne e
regula as entidades certificadoras de comércio justo

5
SOMAR: Objetivo estratégico
 
Investir o pobre de poder e capacitação para produção de bens
agrícolas para comercialização no mercado Internacional.

PARA ALCANÇAR ESTE OBJETIVO, A SOMAR SE PROPÕE A

Aumentar o acesso aos serviços financeiros e mercados


consumidores do pobre rural, intermediando o fortalecimento
de suas capacidades e suas organizações e acesso justo aos
recursos naturais produtivos , alternativas de Insumos e
tecnologia.

6
SOMAR: Objetivo estratégico
Seu objetivo estratégico é desdobrado em
Certificação de selo “fairtrade”(Comércio Justo) junto a entidades
internacionais da FLO – Fair Trading Labeling Organization
•produção agrícola sustentável
•gestão da água e irrigação (em pequena escala)
•formação de associações, cooperativas e micro-
empreendimentos rurais
•estocagem e processamento da produção agrícola
•comercialização no mercado internacional, evitando, ao
máximo, os intermediadores
•logística da produção do campo para o porto
•processamento da documentação de exportação
•contratações de serviços: seguro, frete marítimo etc

7
Fairtrade no Mundo
• O mercado solidário movimenta anualmente na Europa
cerca de US$ 230 milhões;
• Nos EUA e Canadá este mercado movimenta cerca de
US$ 100 milhões anuais;
• 44% dos consumidores estão dispostos a pagar mais
por produtos éticos (Dinamarca - 64%)
• 70% consideram a conexão entre o produto e o
desenvolvimento social (Holanda – 84% e Espanha –
89%);
• 37% compraram produtos éticos no ano de 2000;
• 58% acreditam que a indústria e o comércio não dão
atenção a fatores ligados à responsabilidade social.

8
SOMAR: somando experiências
A SOMAR soma experiências capazes de viabilizar
projetos de comércio justo:

• A redução da pobreza rural requer políticas e programas com


objetivos claros e realísticos

• Os esforços para melhorar a renda devem focar não apenas a


produção rural,mas também a geração de oportunidades de
trabalho nas zonas rurais e urbanas

• O pobre rural deve participar,eficazmente, da formatação e


planejamento dos projetos de desenvolvimento

• O desenvolvimento de pequenos municípios e a promoção de


corredores econômicos criam um ambiente favorável à
redução da pobreza.

9
POBREZA RURAL
Uma Nova Abordagem no combate à pobreza (trade, not aid)

10
POBREZA RURAL EM MINAS GERAIS – Norte e
Jequititnhonha/Mucuri: 35% do PIB de M.G

11
TRAVESSIA DA SOMAR

Entraves para atingir o desenvolvimento rural e a


erradicação da pobreza:
• Políticas macroeconômicas adversas.
• Instabilidade política.
• Falta de acesso aos bens: terra, água e recursos
financeiros.
• Investimento escasso em capital humano e social, infra-
estrutura precária e acesso insuficiente aos serviços de
desenvolvimento e apoio.
• Falta de acesso aos serviços de logística e comercialização,
nacional e internacional
12
SOMAR - Estratégias para reduzir a pobreza rural
• Apoiando as comunidades nativas e minoritárias
• Eliminando as desigualdades sociais
• Desenvolvendo e fortalecendo o capital social
• Promovendo competitividade e internacionalização dos mercados
• Desenvolvendo tecnologia, alternativavas de insumos e
• Pequenos agro-negócios
• Fornecendo serviços técnicos eficazes
• Disponibilizando serviços financeiros locais inovadores
• Fomentando o Micro-empreendimento
• Criando condições para o Desenvolvimento e regulação dos mercados
rurais de mão-de-obra
• Assessorando o acesso à terra e direitos de propriedade
13
SOMAR: UMA ALTERNATIVA

• ECONOMIA DE MERCADO
Multinacionais dominam o comércio mundial, controlando os preços e
pressionando os governos e as instituições multilaterais que regulam o
comércio internacional, como a Organização Mundial do Comércio.

• ECONOMIA JUSTA E SOLIDÁRIA


O Comércio Justo oferece aos pequenos produtores uma alternativa,
comprando-lhes diretamente o produto a um preço superior ao do
mercado convencional,assegurando um rendimento mínimo,
independente das flutuações do mercado. As organizações de Comércio
Justo oferecem assistência técnica na melhoria da qualidade do
produto, apoiando ainda a capacitação das organizações de
produtores.

14
ECOBRAZIL ORGANICS
• ECOBRAZIL ORGANICS - associada da SOMAR na produção e
comercialização de produtos orgânicos.
 
• Fundada  e sediada em Belo Horizonte, com sua filial industrial em
Florinea – São Paulo, a EcoBrazil Organics Ltda, tem por objetivos
produzir,  beneficiar, industrializar e comercializar produtos orgânicos,
fornecer insumos e estimular o desenvolvimento e a defesa das atividades
econômicas no setor em que atua, dentro das premissas do Comércio
Justo e solidário.

• A EcoBrazil Organics Ltda possui a CERTIFICAÇÃO DE PRODUÇÃO,


ARMAZENAMENTO, TRANSPORTE E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS
ORGÂNICOS, concedida pelo Instituto Biodinâmico IBD, e obedecendo as
normas Internacionais para os produtos orgânicos, de acordo com as
normas internacionais estabelecidas pela IFOAM . 

15
ECOBRAZIL ORGANICS

• Nos anos 2000, quando a demanda de produtos orgânicos deu


sinais de sensível aumento, a EcoBrazil Organics começou a
trabalhar fortemente um programa de divulgação de agricultura
orgânica e suas atividades. O programa de divulgação e produção,
começou por uma grande mobilização do quadro de produtores
através de  treinamentos técnicos, buscando difundir tecnologias
para o desenvolvimento de manejo orgânico.  

• Além da atividade industrial produzindo farelos e óleos


orgânicos, a EcoBrazil Organics  incentiva e orienta tecnicamente
a produção de diversos produtos como soja, milho, gergelim,
feijão, girassol, frutas e outros, formando uma gama de 25
produtos agrícolas recebidos pela EcoBrazil através de seus
parceiros/produtores.

16
A EMERGÊNCIA DE DESEMPENHAR UM PAPEL ESPECÍFICO
NA ECONOMIA JUSTA E SOLIDÁRIA

A SOMAR acredita que as pessoas pobres do campo são


capazes de assegurar sua própria segurança alimentar e
aumentar a sua renda, desde que os projetos e atividades
sejam formulados de acordo com seus sistemas de produção
e suas estratégias de subsistência e os recursos sejam
empregados com critério.

A proposta do SOMAR é de promover o comércio justo com


os desfavorecidos, e NÃO o assistencialismo. (traduzido na
máxima – trade, not aid).

“Não favoreceis ao pobre, nem serás complacente com o


rico.”(levíticos 19:36)
17