Você está na página 1de 35

CAPÍTULO III

TRANSPORTE DE NUTRIENTES NO SOLO

A comparação entre o comportamento de uma planta durante uma

estação seca e aquele observado durante uma chuvosa permite verificar

alterações bem distintas nesta planta. Os sistomas de deficiência nutricional que

podem ser intensos em condições de baixa disponibilidade de água no solo

diminuem em intensidade ou desaparecem durante os períodos chuvosos. Os

lançamentos curtos do caule, quando em déficit hídrico, são seguidos de

lançamentos longos com o aumento da umidade do solo. Essa situação é

comumente observada no colmo de cana-de-açúcar que numa mesma planta

pode apresentar regiões de entrenós curtos alternadas com outras de entrenós

longos. É fácil verificar, ao acompanhar o crescimento da planta, a íntima

relação entre o observado e a distribuição de chuvas ao longo do ano. Como a

deficiência de zinco é a responsável pelo menor alongamento celular observado

nos entrenós curtos, pode-se deduzir que houve naquele solo, onde a planta

cresceu, períodos de maior e de menor disponibilidade real do zinco durante o

crescimento da cana. Uma análise de zinco disponível numa amostra daquele

solo, ao longo desse período, não deverá acusar variações maiores, que

justifiquem o observado.

À medida que a raiz cresce num solo ela absorve os nutrientes que

inicialmente se encontram no trajeto de seu crescimento. Com o tempo, há um

decréscimo da concentração desses elementos junto à superfície das raízes, à

medida que eles são absorvidos, criando-se um gradiente de concentração

entre esta região e aquela mais distante da raiz. Para que novo suprimento

1
chegue à superfície de absorção torna-se necessário seu transporte até esse

ponto. E, este transporte tem como veículo a água.

Pode-se entender, conseqüentemente, que os elementos a serem

transportados e absorvidos deverão estar na solução do solo, em suas formas

iônicas, para que o veículo possa atuar. Um exemplo prático da importância

desse transporte na nutrição de planta é o alumínio que em solos ácidos pode

se encontrar em solução e ser transportado, absorvido e trazer problemas de

toxicidade para uma planta, e, quando precipitado pela calagem, já não entra

mais em solução, não sendo, portanto, transportado e não sendo,

conseqüentemente, absorvido por essa planta.

Fluxo de Massa, Difusão e Interceptação de Raízes

Dependendo do nutriente e de suas interações com o solo, dois

mecanismos distintos são responsáveis pelo seu transporte no solo:

. Fluxo de Massa e

. Difusão

Além destes dois mecanismos de transporte, há um terceiro pelo qual a

planta tem acesso ao nutriente. À medida que uma raiz cresce no solo ela

encontra, ao longo da trajetória, nutrientes que podem ser, então, absorvidos. Este

processo, denominado Interceptação Radicular, embora seja conseqüência do

crescimento das raízes apenas, ele também, indiretamente, facilita aqueles dois

mecanismos de transporte, principalmente a difusão, por diminuir as distâncias

entre os elementos e a raiz, de maneira mais intensa na sua região apical de

crescimento.

2
A quantidade de nutriente interceptado é aquela encontrada em um

volume de solo igual ao volume de raiz. Assim, a contribuição desse processo

na quantidade total de nutrientes absorvidos pela planta é variável com o

elemento e suas interações (ligações) com o solo e, evidentemente, com a

quantidade de raízes por unidade de volume de solo, ou densidade de raízes.

Embora o volume interceptado varie de 0,1 a 2 % da camada superficial do solo

(de 0 a 15 cm), a quantidade interceptada de cálcio, por exemplo, pode

satisfazer aquela requerida por uma cultura (Barber, 1974), dada a grande

concentração deste elemento no volume de solo (solução) interceptado.

De modo geral, considera-se que a contribuição da interceptação de

raízes comparada aos mecanismos de transporte, fluxo de massa e difusão, é

pequena (Quadro 1)

Elementos que se encontram em maiores concentrações na solução do

solo, como cálcio e nitrogênio, por serem retidos com menor energia na fase

sólida do solo que outros elementos, como o zinco e o fósforo, são

transportados preferencialmente pelo fluxo de massa (Quadro 1). O fluxo de

massa é conseqüência da existência de um potencial de água no solo maior do

que aquele junto à raiz. Esta diferença de potencial que causa um movimento

de massa da água em direção à raiz, arrastando nela os íons que se encontram

em solução, é causada pela transpiração da planta. Assim, o fluxo de massa

segue o fluxo transpiracional da planta. Pode-se imaginar que condições que

causem o fechamento de estômatos, como falta d'água, deverão causar menor

absorção de cálcio e de nitrogênio entre outros de maior mobilidade no solo.

Tecidos que apresentem uma baixa transpiração como os meristemas das

plantas e os frutos, como no caso do tomate, ficam em desvantagem, pelo

cálcio absorvido, com relação às folhas já desenvolvidas.

3
Para elementos como o fósforo que se encontra em concentrações

extremamente baixas na solução do solo, algo em torno de 0,05 mg/L ou menor

ainda em solos mais intemperizados, como os de cerrado (Bahia Filho, 1982), a

contribuição do fluxo de massa é muito pequena, algo em torno de 1 % do

fósforo absorvido (Barber, 1974, 1980; Vargas et al., 1983).

Quadro 1 - Teores médios de fósforo, potássio e cálcio na solução de amostras


de doze solos do Rio Grande do Sul e contribuição relativa da
interceptação de raízes, fluxo de massa e difusão no suprimento
destes nutrientes para plantas de milho, em casa de vegetação

Interceptação de
Nutriente Solução do solo Fluxo de massa Difusão
raízes

mg/L ---------------------------- % ----------------------------

Fósforo 0,35 3,5 2,6 93,9

Potássio 12,4 0,9 10,1 89,0

Cálcio 168,2 35,0 337,5(1) ---

(1)
Este valor indica que, potencialmente, apenas o fluxo de massa seria capaz de suprir, em mais de três
vezes, a quantidade de cálcio absorvida pela planta.
FONTE: Vargas et al. (1983).

Para aqueles elementos, como o fósforo e o zinco, que se encontram

fortemente adsorvidos ao solo e, portanto, com baixo teor na solução, a difusão

torna-se o mecanismo de transporte responsável pela quase totalidade

absorvida destes elementos. Este tipo de transporte ocorre quando a absorção

é superior à chegada do elemento à superfície da raiz, criando-se, assim, um

gradiente de concentração que proporciona a difusão dos nutrientes.

Todos aqueles que têm um fogão a gás em casa já devem ter sentido o

odor do gás proveniente de vazamento. A intensidade desse odor vai depender

4
do tamanho do vazamento, ou seja, da quantidade de gás liberada; vai

depender também da distância que estamos do fogão, do labirinto, maior ou

menor, entre o fogão e o local em que nos encontramos e de possíveis

obstáculos entre esses dois pontos, como portas parcial ou totalmente

fechadas. Quanto maior o vazamento, mais rápida a percepção do gás;

semelhantemente, se mais próximos do fogão, como na cozinha, perceberemos

o odor mais rapidamente; se mais distantes, como na sala, demoraremos mais.

Se o labirinto ou tortuosidade entre o fogão e o local em que nos encontramos

for maior, o gás vai demorar mais para chegar até nós. Se houver alguma porta

fechada, que possa criar algum obstáculo ou impedimento à passagem do gás,

vamos demorar mais ainda para percebê-lo, ou, até mesmo, poderemos não o

perceber. Nesse exemplo do gás, percebe-se que se estabelece um gradiente

de concentração entre o local de alta concentração, junto ao vazamento, e

locais em que a concentração do gás tende a decrescer até os locais mais

distantes, onde ele ainda não está presente. Quanto maior esse gradiente,

quanto menores a tortuosidade de sua trajetoria e o grau de impedimento dessa

trajetória, mais rapidamente o gás será difundido até nós. Uma colher de NaCl

colocada em um litro de água fará com que, depois de algum tempo, todo o sal

se dissolva e se difunda até os locais de menor concentração. Com o tempo, a

concentração do sal em toda a solução será uniforme. O gás se difundiu no ar,

como meio de transporte ou meio de dispersão, enquanto o sal utilizou a água.

Não haveria transporte do gás nem do sal sem o meio de dispersão, ar e água,

respectivamente. Observa-se que, em ambos os casos, haverá difusão, sem

que haja necessidade de vento que neste caso caracterizaria o fluxo de massa,

como o de uma janela aberta, por exemplo, para o gás ou de agitação da água

5
com o sal. Esse movimento, ou turbulência, do meio de transporte, do “veículo”,

ar e água, arrastando consigo o disperso, foi o que se caracterizou anteriormente

como fluxo de massa. Portanto, mesmo que a planta não esteja transpirando,

haverá difusão de íons até as raízes, onde poderão ser absorvidos. Quando

saímos da sala e vamos em direção ao fogão estamos interceptando o gás.

Um exemplo hipotético da contribuição estimada da interceptação

radicular, fluxo de massa e difusão como meios que viabilizam a chegada de um

nutriente, fósforo como exemplo, até a superfície das raízes de soja é

apresentado a seguir:

Para boa produtividade de soja, a quantidade total de fósforo acumulado

em sua biomassa - grãos e parte vegetativa - fica em torno de 20 kg ha-1. Para

absorver todo esse fósforo, o sistema radicular precisa, de alguma maneira, criar

mecanismos para acessar esse nutriente, que se encontra na solução do solo.

Enquanto cresce, a raiz intercepta o fósforo que se encontra em sua

trajetória. O crescimento da raiz causa a exploração de novas regiões do solo

ainda não submetidas à absorção do nutriente, portanto, mais ricas que as

anteriormente interceptadas. Se for considerado que apenas de 0,1 a 2,0% do

volume de solo explorado pelo sistema radicular, nos primeiros quinze

centímetros superficiais do perfil, é ocupado pelas raízes (Barber, 1974), pode-

se verificar que a quantidade do fósforo em solução mais o P-lábil ou trocável

que o abastece, à medida que o primeiro vai sendo absorvido, não é suficiente

para se chegar à quantidade de fósforo absorvida pela cultura da soja.

6
Concentrações críticas(1) do fósforo na solução do solo, para muitas

plantas, como já foi dito, podem ser inferiores a 0,05 mg L-1 de P, para solos

altamente intemperizados e, ou, argilosos (Yost et al., 1979), e tão altas como

0,2 mg L-1, para solos menos intemperizados e, ou, mais arenosos. Se for

considerado um nível crítico médio do P-lábil ou trocável, entre o início e o fim

do crescimento da cultura, de 50 mg dm -3 de P no solo, verifica-se que uma

interceptação de 1% da somatória deste valor, com um nível crítico médio na

solução do solo de 0,1 mg L-1, permitiria um suprimento de 0,751 kg ha-1 de P

nos 15 cm superficiais de profundidade, valor bem inferior aos 20 kg ha-1

absorvidos pela cultura, considerado inicialmente. Algum mecanismo adicional

de suprimento de fósforo para as raízes torna-se necessário para explicar todo

aquele fósforo absorvido.

Um potencial hídrico decrescente na seqüência solução do

solo > raízes > folhas > atmosfera faz com que a solução do solo se movimente

nessa direção, do solo até a atmosfera, estabelecendo-se o fluxo

transpiracional. Depreende-se desse fluxo que o arraste da solução do solo até a

raiz significa o transporte até ela do fósforo na solução do solo, que vai indicar o que

poderá ser absorvido. Assim, o volume de água transpirado durante o ciclo da

cultura multiplicado pelo teor de fósforo na solução dá a contribuição

potencialmente esperada desse mecanismo de transporte, denominado fluxo de

massa, para com o fósforo acumulado pela cultura da soja. Se for considerado

que durante o ciclo dessa cultura o volume de água transpirada é da ordem de

três milhões de litros (Barber, 1974), pode-se verificar que, para um teor crítico

(1)
Concentração crítica pode ser definida como a concentração de um nutriente, por determinado método de
análise, acima da qual a probabilidade de resposta de uma planta à aplicação desse nutriente no solo não é
significativa.

7
médio de fósforo na solução do solo da ordem de 0,1 mg/L, a contribuição do

fluxo de massa será de 0,3 kg ha-1 de P, apenas.

Verifica-se que o total de fósforo absorvido pela soja não pode ser

explicado pelo crescimento de raízes (interceptação radicular) e pelo fluxo de

massa somados; ainda falta muito para chegar aos 20 kg ha-1 de P.

Quando se somam as contribuições do crescimento das raízes,

interceptando o fósforo, e da transpiração, causando o fluxo de massa, verifica-

se que o valor encontrado contribui com muito pouco do valor acumulado na

cultura da soja. Essa grande diferença [20,0 - (0,3 + 0,751) = 18,949 kg ha-1] é

satisfeita pela difusão. Portanto, a contribuição da difusão é determinada pela

diferença entre o absorvido ou acumulado na planta e as contribuições da

interceptação radicular e do fluxo de massa. Esse mecanismo de transporte,

que tem como força motriz o gradiente de concentração, é chamado, portanto,

de fluxo difusivo ou difusão(2).

Pelo que se viu, para que mais fósforo chegue às raízes de uma planta,

por fluxo difusivo, é necessário que o solo seja mais rico em P-disponível, para

que haja gradiente maior entre o que há na solução do solo e junto à raiz. O

fluxo difusivo aumenta com esse gradiente; será maior também com o aumento

do teor de água do solo, uma vez ser este o meio através do qual a difusão

ocorre. O fluxo difusivo vai depender, ainda, da existência ou não de obstáculos

entre o fósforo na solução do solo, mais distante da raiz, e aquele junto à raiz;

se o caminho for mais tortuoso, se a interação do elemento (íon) que se difunde

na solução e as partículas do solo que poderão adsorvê-lo, limitando seu

(2)
Difusão é utilizado como sinônimo de fluxo difusivo em muitos trabalhos; não deve ser confundido
com coeficiente de difusão (D).

8
transporte, forem maiores ou menores, etc. Numa viagem, preocupamo-nos com

o veículo, com a distância, com a qualidade da estrada, sendo a nossa vontade

ou a necessidade de fazer a viagem sua grande força indutora. Na difusão, essa

“força indutora” é o gradiente de concentração do elemento a ser transportado e

no fluxo de massa é o gradiente de potencial hídrico.

O suprimento de um nutriente da solução do solo até a superfície das raízes,

por meio do fluxo difusivo (Wiethölter, 1985), é expresso pela Lei de Fick:

F = - DAδc/δx (Eq.1)

em que F é o fluxo difusivo do nutriente, em moles s-1, através de uma superfície

de área A, disponível ao transporte, em cm 2, proporcionado pelo decréscimo de

sua concentração (δc), em moles cm-3, com o aumento da distância de

transporte (δx), em cm; D(3) é denominado coeficiente de difusão, na verdade

uma constante de proporcionalidade, em cm2 s-1, que faz com que F seja

matematicamente relacionado com Aδc/δx. Assim, a variável δc/δx é

denominada gradiente de concentração ao longo da distância de transporte do

nutriente. O sinal negativo do segundo termo da equação advém do decréscimo

de δc com o aumento de δx, o que faz com que a variável δc/δx seja negativa.

O coeficiente de difusão, D, é definido pela equação (Nye & Tinker, 1977):

D = D1 θ ƒ δI/δQ (Eq.2)

em que D1 é o coeficiente de difusão do elemento em solução (água) pura - é

uma constante para cada elemento, em cm2 s-1; θ é o conteúdo volumétrico de

água no solo, em cm3 cm-3; ƒ é o fator de impedância, adimensional, variável

(3)
Deve se compreender a unidade de D, em cm2 s -1, como uma constante de proporcionalidade na Eq.1,
para satisfazer as mesmas unidades nos componentes daquela igualdade: Moles s-1 = [(cm2 s -1) cm2
(moles cm-3 cm-1)] = moles s-1.

9
conforme a tortuosidade da trajetória da difusão. A tortuosidade é variável

conforme a textura do solo, uma vez que partículas maiores, como nos solos

mais arenosos, aumentam a tortuosidade, em relação às partículas menores,

como nos solos argilosos; partículas menores permitem trajetória mais retilínea

do nutriente até a raiz. O fator de impedância varia, também, conforme o

aumento da viscosidade da água que se encontra mais próxima das superfícies

das partículas coloidais do solo com cargas elétricas. A viscosidade é alterada,

também, negativamente, pela temperatura do solo. Outro componente do fator

de impedância é a adsorção negativa de ânions, caracterizada pela repulsão

dos ânions de superfícies dos colóides pelas cargas negativas predominantes,

aumentando a concentração de ânions em solução. À medida que a

tortuosidade e a viscosidade diminuem e a adsorção negativa aumenta, o fator

de impedância aumenta(4), determinando maior valor do coeficiente de difusão.

Por outro lado, a compactação do solo, causando poros muito finos, como

também delgados filmes d’água, quando os solos tornam-se mais secos,

causam diminuição do fluxo difusivo dos elementos, particularmente daqueles

adsorvidos ao solo com maior energia (Figura 1). De acordo com Nye & Tinker

(1977), o valor de ƒ aproxima-se de zero nos solos mais secos, apenas com

uma camada de moléculas de água; nos solos saturados são encontrados

valores de ƒ entre 0,4 e 0,7.

Ainda, na Eq. 2, I é a concentração do nutriente na solução do solo (fator

intensidade) e Q é a concentração deste elemento adsorvido ao solo (trocável

ou lábil), denominado fator quantidade. A diferencial δI/δQ representa, na

verdade, o inverso do poder tampão ou fator capacidade do nutriente no solo

(4)
Embora impendância tenha como sinônimos resistência ou o inverso da admitância, os valores de f é o inverso
de qualquer restrição à difusão. Por exemplo, quanto maior a tortuosidade menor é o D e porconseguinte
menor F. Portanto, matematicamente, este componente da impedância é utilizado como o intervalo de
tortuosidade.

10
(δQ/δI). Em termos práticos, o poder tampão de um nutriente apresenta

correlação positiva com o teor de argila de solos, particularmente naqueles

solos com tipos de argila semelhantes.

Seca Seca

Difusão
H 2PO4- Raiz
Adsorção
Filme
de água - - +++ - - Filme de água
- ++- - +++ - -+ ++ mais delgado
+- COLÓIDE
- -
+ +
+ +

Figura 1. Efeito do teor de água em solo altamente intemperizado (com


predomínio de cargas positivas) sobre o fluxo difusivo de fósforo no
solo. Fonte: Novais & Smyth (1999).

Embora o coeficiente de difusão (D) esteja diretamente ligado ao fluxo

difusivo (F) de um nutriente no solo, como se vê na Eq.1, deve ser ressaltado

que ele não é, por si só, uma medida de F. Todavia, correlações significativas

entre valores de D e absorção de nutriente, em diferentes condições, têm sido

obtidas (Barber, 1974).

Deve-se compreender que quando se altera um componente da Eq.2

outros são, de alguma maneira, também, alterados, direta ou indiretamente. Por

exemplo, quando se aumenta o valor de θ, altera-se o valor de ƒ, por diminuir a

tortuosidade e a viscosidade, aumentando o fator de impedância e, por

conseguinte, o valor de D.

11
Os componentes das Eq. 1 e 2 podem ser, também, indiretamente

alterados pela adoção de técnicas agrícolas usuais como calagem e a adição de

fertilizantes fosfatados ao solo. Para zinco, ferro e alumínio, o aumento do pH

do solo com a calagem ou a adição de fósforo ao solo causam precipitação de

suas formas iônicas que se encontravam em solução, diminuindo seus valores

de δI/δQ e, como esperado, de seu valor de δc/δx. Como conseqüência há

diminuição dos fluxos difusivos destes elementos nos solos, o que é

inconveniente para a planta quanto ao zinco e o ferro mas conveniente quanto

ao alumínio.

A deficiência de ferro em plantas de café cultivadas em Latossolos ricos

neste nutriente pode ser causada por condições que afetam o transporte deste

nutriente no solo, como teores de fósforo e valores de pH elevados, e déficit

hídrico no solo. O fluxo difusivo do ferro (FFe) em solos foi avaliado como

variável de doses de fósforo e de níveis de acidez e umidade (Nunes et al.,

2004). Para isso, amostras superficiais de dois solos, um Latossolo Vermelho

distroférrico típico A moderado textura muito argilosa e um Latossolo Vermelho-

Amarelo distroférrico A moderado textura média, receberam 20 mg dm-3 de ferro

na forma de FeSO4 e, posteriormente, foram submetidas aos tratamentos: sem

ou com calagem (para V = 60 %), sem ou com P (500 mg dm -3, na forma de

NH4H2PO4 ) e três níveis de umidade correspondentes aos potenciais: -0,01,

-0,04 e -0,1 MPa. Para a determinação do FFe foram montadas câmaras de

difusão que receberam uma lâmina de resina de troca catiônica como dreno de

ferro. O ferro total adsorvido às lâminas foi extraído após 10 dias de contato

com os solos, estimando-se o FFe.

12
A umidade foi um fator preponderante sobre o FFe em ambos os solos,

mas teve maior importância na ausência da calagem com ou sem a adição de

fósforo (Quadro 2). Isso se deve ao fato de que a precipitação de ferro em seus

compostos de menor solubilidade previne maior FFe, mesmo sob condições de

maior umidade.

Quadro 2 - Fluxo difusivo de ferro no solo de João Pinheiro (textura média) e de


Sete Lagoas (muito argiloso) como variável de níveis de umidade e
doses de fósforo e de calcário

Potencial hídrico (Ψ) Testemunha +P + Cal Média geral (Ψ)

-2
______________________________________________________________________ µmol cm /10 dias ______________________________________________________________________

João Pinheiro (Latossolo Vermelho-Amarelo distroférrico)


-0,01 MPa 4,17 Aaα 3,59 Aaα 1,83 Aaβ 2,91
-0,04 MPa 3,03 Abα 2,88 Aabα 1,74 Aaβ 2,23
-0,10 MPa 2,02 Acα 2,35 Abα 1,55 Aaα 1,78
Média 3,07 2,94 1,71 2,28
Sete Lagoas (Latossolo Vermelho distroférrico)
-0,01 MPa 6,15 Aaα 2,62 Aaα 0,81 Baβ 2,92
-0,04 MPa 4,00 Abα 2,11 Bbα 0,59 Baβ 2,11
-0,10 MPa 2,77 Acα 1,28 Bcα 0,47 Baβ 1,43
Média geral 4,31 2,00 0,62 2,15

Valores seguidos pela mesma letra maiúscula na linha (dentro da dose de calagem, efeito de P),
minúscula na coluna (dentro de solo, efeito de umidade) e pela mesma letra grega na mesma linha, para
a comparação do efeito de calagem, dentro dos tratamentos sem e com P, respectivamente, não diferem
entre si pelo teste de Tukey a 5 %.
Fonte: Nunes et al. (2004).

Os resultados obtidos mostram que a calagem, bem como teores

elevados de fósforo disponível em solos, particularmente naqueles mais

argilosos, como no Latossolo Vermelho férrico argiloso de Patos de Minas, onde

lavouras de café apresentaram sintomas de deficiência de ferro (Nunes et al.,

2002), podem causar absorção insatisfatória deste nutriente pelas plantas, de

modo particular quando estes solos são submetidos a déficits hídricos.

13
Curiosamente, o ânion acompanhante da fonte de zinco aplicada ao solo

tem também significativa influência sobre a difusão deste nutriente (Oliveira et

al., 1999), como também acontece com o fósforo e será visto mais tarde, no

capítulo sobre fósforo. No trabalho de Oliveira et al. (1999) amostras de dois

solos foram submetidas a dois níveis de pH e duas fontes de zinco (ZnCl2 e

ZnSO4) nas doses de 0, 20 e 40 mg dm-3 de zinco no solo. A umidade dos solos

tratados foi elevada à capacidade de campo. O fluxo difusivo de zinco (FZn)

para uma resina de troca de cátions, durante um período de 15 dias foi avaliado

(Quadro 3). O aumento do pH do solo acarretou grande diminuição do FZn.

Quadro 3 - Fluxo difusivo de zinco como variável de solo, pH, dose e íon
acompanhante (fonte) após 15 dias de contato da lâmina de resina e
amostras dos solos

Dose (mg dm -3)


Solo
pH 0 10 20 40

-2
___________________________________________________________________________________ µmol cm /15 dias ___________________________________________________________________________________

ZnCl2
PV 4,87 0,003 0,035 0,088 0,169
6,00 0,002 0,006 0,012 0,029
ZnSO 4
4,87 0,027 0,060 0,126
6,00 0,006 0,011 0,021

ZnCl2
LV 4,64 0,002 0,064 0,251 1,064
ZnSO 4
4,64 0,031 0,072 0,188

PV: Argissolo Vermelho (22% argila).


LV: Latossolo Vermelho (12% argila).
Fonte: Oliveira et al. (1999).

14
Efeito semelhante foi observado para o teor de argila do solo: solo com

maior teor de argila com menor FZn. O FZn foi maior quando a fonte utilizada

foi ZnCl 2 . Tal fato parece ser conseqüência da baixa capacidade de adsorção
-
de Cl pelos solos em geral e da alta solubilidade do ZnCl 2 , e sua

conseqüente maior presença na solução do solo como ânion acompanhante

do zinco.

Uma análise da Eq. 2, considerando um dado solo, com um dado teor de

um nutriente (δI/δQ e δC/δX constantes), a difusão deste nutriente até a raiz de

uma planta variará diretamente com o conteúdo de água do solo (θ).

Esse efeito de conteúdo de água do solo sobre a difusão de fósforo em

amostra de um Latossolo Vermelho-Escuro textura média (LEm) de cerrado, em

casa de vegetação, foi estudado por Costa (1998) (Quadro 4) e por Ruiz (1985).

Ruiz (1985) cultivou soja, utilizando a técnica de raízes subdivididas, sendo que

a metade das raízes encontrava-se no vaso com solução nutritiva completa

menos fósforo, e a outra metade em outro vaso com solo, onde se testaram

doses de fósforo em três níveis de umidade (Quadro 5). O exsudato xilemático

foi coletado, analisando-se seu conteúdo de fósforo e avaliando-se, também, o

fluxo xilemático deste elemento para a parte aérea da soja. Os resultados

mostraram que mesmo para uma elevada dose de fósforo, como 240 mg/kg de

P, que corresponde, na prática, a 5,5 t/ha de superfosfato simples incorporados

nos 20 cm superficiais do solo, seu fluxo xilemático caiu mais de trezentas

vezes quando o conteúdo de água retida a -0,01 MPa (-0,1 bar) caiu para

aquele correspondente a -0,3 MPa (-3,0 bar) (Quadro 4). É interessante

considerar que este menor conteúdo de água no solo era bastante para manter

a planta com turgidez sem déficit hídrico aparente. E nessa condição, o fluxo de

15
fósforo caiu para valores menores que aquele observado no solo sem a adição

de fósforo (solo com praticamente zero de fósforo disponível pelo extrator de

Mehlich-I), com umidade próxima à capacidade de campo (-0,01 MPa).

Quadro 4 - Fluxo difusivo de fósforo em três solos influenciado pela umidade do


solo. A dose de fósforo aplicada foi constante, correspondente a
50 % da capacidade máxima de adsorção de fósforo do solo

Solo Nível de umidade (% porosidade)


Teor de argila 20 60 80

_____________________________ µmol cm -2 / 15 dias _____________________________

LE1 130 g kg -1 0,41 0,61 0,91

LV 560 g kg -1 0,08 0,42 0,88

LE2 760 g kg -1 0,07 0,17 0,24

Fonte: Costa (1998).

Quadro 5 - Efeito do conteúdo de água em amostra de um Latossolo Vermelho-


Escuro textura média sobre a translocação de fósforo para a parte
aérea da planta e crescimento da soja

Dose de P Água no solo Exudato Área foliar

mg/kg solo MPa (%)(1) µg/h de P cm2

0 -0,01 (17,4) 0,059 165,8


-0,04 (13,6) 0,033 150,3
-0,30 (11,0) 0,012 109,5

240 -0,01 (17,4) 5,999 525,2


-0,04 (13,6) 0,065 154,8
-0,30 (11,0) 0,018 160,5
(1)
Volume/volume.
FONTE: Ruiz (1985).

16
Este fato permite levantar algumas hipóteses:

• A difusão de fósforo em solos mais intemperizados, como o utilizado

nesse trabalho, parece ser praticamente interrompida em condições de umidade

ainda, aparentemente, elevada. A elevada capacidade de adsorção de fósforo

neste tipo de solo, caracterizado por baixo valor de δI/δQ, parece ser a razão.

• O suprimento (transporte) e conseqüente absorção de fósforo pela

planta parece ser um processo descontínuo. Períodos de grande absorção

quando o conteúdo volumétrico de água no solo é alto, próximo à capacidade de

campo, são alternados com outros de transporte limitado ou nulo, quando a

umidade do solo decresce a valores críticos para o transporte, embora, ainda,

satisfatórios para a manutenção de plantas em crescimento.

• A tentativa de compensar a menor disponibilidade de água no solo,

como meio de transporte de fósforo, por meio de maiores doses deste nutriente, com

o objetivo de aumentar o fluxo difusivo e, por conseguinte, aumentar a absorção

de fósforo, é pouco efetiva, principalmente em solos com maior fator capacidade

de fósforo (Ruiz et al., 1988; Novais & Smyth, 1999). Esta compensação é mais

viável em solos menos intemperizados e, ou, mais arenosos, com maior δI/δQ.

• O mecanismo de acúmulo de formas de reserva de fósforo na planta,

principalmente para aquelas perenes, deve ser evoluído, isto em razão dos

maiores e mais prolongados déficits hídricos, ao longo do ano, a que essas

plantas estão sujeitas, se comparadas às anuais.

Sobre essas formas de reserva de fósforo na planta, sabe-se que

principalmente fósforo inorgânico (Pi) acumula-se nos vacúolos daquelas plantas

em condições de maior disponibilidade de fósforo (Bieleski, 1973; Bieleski &

Ferguson, 1983). Em condições de estresse, o Pi seria utilizado para a síntese de

17
compostos orgânicos essenciais ao crescimento e desenvolvimento da planta. Essas

grandes variações no conteúdo de Pi na folha de uma planta parece ser a razão

para variações na concentração crítica de fósforo em plantas cultivadas em solos

com diferentes valores de poder tampão ou fator capacidade deste elemento (δQ/δI),

como observadas por Muniz et al. (1985). Detalhes adicionais relativos a esse

comportamento das plantas serão apresentados no capítulo referente ao fósforo.

Sobre os valores dos coeficientes de difusão (D) em solos (Quadro 6),



pode-se tirar algumas informações práticas interessantes. O valor de D do NO3
-
é algo em torno de 100.000 vezes maior que o do H2PO4 . Disso pode-se

assegurar sobre a alta mobilidade de NO 3 nos solos, o que lhe pode acarretar

expressivas perdas por lixiviação, pequeno ou nulo efeito residual ao longo dos

anos de cultivo e fluxo de massa como o mecanismo de maior suprimento de



nitrogênio para as plantas. O muito menor valor de D para H2 PO4 assegura-lhe

sua “imobilidade” no solo (a difusão ocorre de distâncias não superiores a 1 mm da

raiz, aproximadamente), sua virtual não-lixiviação e a difusão como mecanismo

de suprimento predominante deste nutriente para a planta. O zinco, com valor



de D mais próximo ao do H2PO4 , apresenta comportamento semelhante a este

quanto ao seu transporte, lixiviação, etc.


+
O valor de D para NH4 , aproximadamente dez vezes menor que o de
- -
NO3 , garante-lhe menor lixiviação qua a observada para o NO 3 , justificando os

estudos no sentido de utilizar inibidores da nitrificação (Tysdale & Nelson,

1966). Assim, a manutenção no solo de nitrogênio na forma amoniacal por mais

tempo, sem sua nitrificação, assegura ao fazendeiro que utilizou a fonte

amoniacal menores perdas de nitrogênio por lixiviação.

18
Quadro 6 - Valores médios dos coeficientes de difusão (D) de alguns íons no
solo

ÍON D

cm2 s-1
Na+ 1,0 x 10 - 5
NH4+ (0,4 a 3,0) x 10 - 7
K+ 2,3 x 10 - 7
Ca2+ (3,2 a 7,4) x 10 - 8
Zn2+ (3,1 a 266,0) x 10 -10
NO3- (0,5 a 5,0) x 10 - 6
H2PO4- (2,0 a 4,0) x 10 -11

FONTE: Barber (1974).

+
Observa-se que o valor de D do NH4 é semelhante ao do potássio

(Quadro 6), o que confere a este comportamento semelhante àquele discutido

para o amônio.

A presença de micorrizas em plantas deverá contribuir com a absorção de

nutrientes com pequenos valores de D, como do fósforo e do zinco, e não



daqueles com grandes valores, como os do NO3 e do cálcio.

É necessário enfatizar, também, a importância de raízes mais finas, como

as capilares, aumentando o volume de solo explorado, para elementos, com

menores valores de D, como o de fósforo e zinco, com mobilidade restrita em

termos de distância. Outro ponto que merece destaque é o efeito indireto que a

interceptação radicular tem sobre o fluxo difusivo de nutrientes no solo. À

medida que o sistema radicular cresce, explorando novas áreas do solo ainda

ricas naqueles elementos de menor D, diminuem as distâncias para que a

difusão ocorra, facilitando-a. Para ânions com maior mobilidade no solo, como o

nitrato, esse efeito indireto do crescimento das raízes, facilitando a difusão,

deverá ser muito menor, se presente.

19
As menores respostas à adubação observadas em nossos solos, com os

anos de cultivo, em boa parte, seriam resultantes da degradação das propriedades

físicas desses solos, levando ao aumento de suas densidades e, como

conseqüência, à retenção com maior energia pelo solo de nutrientes como

menores valores de D, preferencialmente ao fluxo difusivo (Figura 2). Com a

compactação, aumenta a participação de microporos, com o aumento da energia de

retenção da água no solo; aumenta sua viscosidade e a interação desses íons e

superfície dos colóides ao longo de sua trajetória de difusão, fazendo com que o

íon tenha de se difundir cada vez mais próximo de superfícies adsorventes, que

os retêm. Para que o íon continue chegando até às raízes, doses cada vez

maiores terão de ser aplicadas, de modo que aumente a saturação nessas

superfícies adsorventes pelo elemento e possibilite a manutenção do fluxo

difusivo em níveis pelo menos razoáveis, em termos de demanda da planta

(Figura 2 e Quadros 7 e 8). Nessas condições de degradação das propriedades

físicas dos solos, há forte diminuição do fator de impedância, ƒ, diminuindo o

coeficiente de difusão D (Eq.2) e, como conseqüência, também o fluxo difusivo

(F) de íon no solo (Eq.1).

Compactação
+++--++--+++--++

+++--++ -+++--+
Difusão
H2PO4- Raiz

Adsorção
+++--++ -+++--+

+++--++--+++--++
Compactação

Figura 2. Efeito da compactação de uma amostra de um solo altamente


intemperizado (com predomínio de cargas positivas) sobre o fluxo
difusivo de fósforo no solo. Fonte; Novais & Smyth (1999).

20
Quadro 7 - Fluxo difusivo de potássio um solo, influenciado pela umidade do
solo. A dose de potássio aplicada foi correspondente a 40 % da CTC
efetiva do solo

Nível de umidade (% porosidade)


Solo - teor de argila
20 60 80

_____________________________ µmol cm -2 / 15 dias _____________________________

LE - 130 g kg -1

Sem compactação 9,9 28,7 51,5


Com compactação 7,6 15,6 24,9

Fonte: Costa (1998).

Quadro 8 - Crescimento e conteúdo de fósforo em mudas de eucalipto


influenciados pela dose de fósforo e pela compactação de um
Latossolo Vermelho-Amarelo textura média

Densidade do solo Dose de P Altura da mudas Conteúdo de P

kg dm-3 mg dm -3 cm g vaso-1

1,30 0 4,6 0,366


150 31,1 26,73

1,70 0 2,7 0,05


150 23,7 11,90

Fonte: Ribeiro et al. (1987).

Um solo “cansado”, como freqüentemente denominado pelos fazendeiros,

que se torna menos responsivo à aplicação de fertilizantes, como de fósforo,

deve ter como característica principal a queda drástica do fluxo difusivo desse

nutriente, que, embora presente em teores adequados no solo, não chega

21
satisfatoriamente às raízes. A análise do solo indica teor alto do disponível,

enquanto a planta indica acúmulo baixo. Assim, doses requeridas para

manutenção da produtividade têm de ser bem maiores que as anteriormente

usadas, particularmente nos solos com maior adsorção de fósforo, por exemplo

(Figura 3). A correção geralmente utilizada pelos fazendeiros nos solos

“cansados” é deixá-los com pastagens por alguns anos, quando suas

propriedades físicas são melhoradas pela estruturação proporcionada pela

atividade intensa e qualidade dos resíduos do sistema radicular das gramíneas.

Figura 3. Efeito da compactação de um Latossolo Vermelho0-Escuro, com 61 %


de argila, com uma dose de 450 mg/dm -3 de P comum aos três vasos,
sobre o crescimento de soja. Fonte: Ribeiro et al. (1985).

22
Nutrientes com menores valores de D são, de modo geral, mais críticos

na fase inicial de crescimento da planta, dado o pequeno volume de solo

explorado pelas raízes e o ainda não estabelecimento da micorrização.



Contrariamente, a demanda de nutrientes com grande valor de D, como de NO3 e

de potássio é crítica mais tarde, coincidente com estádios de crescimento de

maior demanda. Esses nutrientes de maior valor de D são pouco dependentes

do volume de raízes, como de micorriza, uma vez serem transportados de

grandes distâncias por fluxo de massa. Zinco tende a ser problema mais crítico

para o milho em seus estádios iniciais de crescimento e o nitrogênio,

transportado preferencialmente por fluxo de massa, mais tarde.

Aspecto importante, intimamente relacionado à mobilidade dos nutrientes

no solo - valores de D -, diz respeito aos estudos sobre a interação doses de

nutrientes x populações de plantas. Estudos sobre essa interação no plantio de

milho são freqüentes na literatura, enquanto para elementos como o fósforo,

dado seu pequeno valor de D, este estudo não tem muito sentido. Esse conceito

foi desenvolvido por Bray (1954) (Figura 4).

Observa-se que, à medida que se aumenta a densidade de plantio ou

população de plantas, a competição pelo nutriente mais móvel aumenta

grandemente, o que não acontece para o nutriente "imóvel". A competição pelo

"imóvel" somente vai existir, em pequena ou mínima intensidade uma vez que

sua distância de transporte é algo não mais que 1 mm de distância da raiz.

Assim, apenas naqueles locais onde raízes de duas plantas se tocam haverá

competição entre elas pelo H 2PO4 . Como o volume de solo explorado pelas

raízes de uma planta é, em média, 1 %, o contato de raízes entre plantas

vizinhas é bastante pequeno. Disso, pode-se dizer que a quantidade de fósforo

23
a ser utilizada em um plantio de milho com 40.000 plantas/ha será,

basicamente, a mesma a ser utilizada se essa população for aumentada para

60.000 plantas, para produtividades semelhantes nas duas condições. Para

nitrogênio, esse aumento na densidade de plantio de milho acarretará na

necessidade de um aumento significativo na sua dose, comparativamente à

recomendada para a menor densidade.

Zona de absorção Zona de Área de Área de competição


do sistema absorção da competiçã (nutriente imóvel)
radicular superfície de o
(nutriente móvel) raízes (nutriente (nutriente
imóvel) móvel)

Figura 4. Competição entre plantas por nutrientes de alta mobilidade no solo,



com grande valor de D, como NO3 , por exemplo, e por nutrientes

“imóveis”, com pequeno valor de D, como H2PO4 , por exemplo. Fonte:
Adaptado de Bray (1954).

Outros aspectos práticos relacionados à mobilidade de nutrientes no solo

e sua grande dependência à disponibilidade de água são demonstrados nos

experimentos de localização da fonte de fósforo em maior profundidade. Em

anos mais secos, a localização mais profunda da fonte de fósforo em relação à

semente pode trazer aumentos significativos na produtividade de feijão, em

solos de cerrado, por exemplo. A manutenção da umidade em níveis mais

24
elevados, por mais tempo, em maiores profundidades, comparativamente à da

superfície do solo, que seca mais rapidamente, seria a razão para esse

resultado. Com mais umidade em profundidade, a difusão do fósforo é mantida

por mais tempo durante um período de estiagem. Naturalmente, essa

localização de fósforo em profundidade não trará os resultados esperados se o

ano for chuvoso ou se houver irrigação suplementar.

Uma consideração final e de amplo aspecto de aplicação prática é a

dependência direta que o fluxo de massa tem da abertura estomática (condutância

estomática), enquanto a difusão não, ou apenas indiretamente, mais tardiamente,

por limitações na absorção ativa de nutrientes (gasto de energia). Assim,

tecidos que transpiram menos, variações rápidas na abertura estomática, ao

longo do dia, estarão em fase com o fluxo de massa e não com a difusão.

25
EXERCÍCIOS

1 – Conhecendo-se as fórmulas do fluxo difusivo (F) de nutrientes no solo e do coeficiente de


difusão (D):
F = -DA δc D = D1 θƒ δI
δx δQ

Identifique, a partir da(s) fórmula(s), os efeitos de:


a. Compactação do solo;
b. Adição de fertilizantes;
c. Teor de argila do solo;
d. Intemperismo do solo;
e. Veranico (períodos com déficits hídricos);
f. Temperatura ambiente;
g. Superfície de raízes;
h. Localização (distância) do fertilizante em relação às raízes;
i. Diferentes nutrientes;
j. Aumento da matéria orgânica do solo;
k. Micorrização;
l. Estruturação do solo;
m. CTC do solo;
n. Capacidade máxima de adsorção de ânions com ligação covalente (troca de ligantes)
com o solo.

2 – Compare fluxo de massa com fluxo difusivo, como mecanismos de transporte de


nutrientes no solo, quanto a:

a. Micorrização de plantas;
b. Pequeno déficit hídrico com pequena perda da condutância estomática;
c. Grande déficit hídrico com grande ou total perda da condutância estomática;
d. Transporte de nutrientes à noite;
e. Transporte de nutrientes durante o dia;
f. Suprimento de nutriente à plantas MAC (metabolismo ácido das crassuláceas)
durante o dia;
g. Suprimento de nutriente à plantas MAC (metabolismo ácido das crassuláceas)
durante à noite;
h. CTC (capacidade de troca catiônica do solo);
i. CTA (capacidade de troca aniônica do solo);
j. Intemperismo, alterando o mecanismo de transporte, quando comparados Ca2+ e
SO42-;
k. Lixiviação de nutrientes;
l. Textura do solo;
m. Teor de matéria orgânica do solo

26
3 – Qual a importância (contribuição) da intercepção radicular para o suprimento de nutrientes
(aproximação à raiz), dadas as condições:

a. Nutrientes com D da ordem de 10-12cm2s-1, como fósforo e zinco,


comparativamente a nutrientes com D da ordem de 10-5cm2 s-1 como NO3-;
b. Para nutrientes com D da ordem de 10-6cm2 s-1, como K+ e NH4+, quando presentes
em um solo muito argiloso, comparativamente a um solo arenoso;
c. Para o mesmo nutrientes em solos com diferentes valores de CTC;
d. Para o mesmo nutriente em solos com diferentes valores de CTA;
e. Plantas micorrizadas versus não-micorrizadas;
f. Déficit hídrico.

4 – Em uma lavoura de milho, o proprietário observou uma faixa com um crescimento das
plantas bem inferior ao restante da lavoura. Esse fazendeiro o convida para estudar o caso. O
que você faria para identificar o problema, assumindo que o menor crescimento foi causado
por deficiência nutricional. A quantidade de fertilizante aplicada em toda a lavoura foi a
mesma.

5 – Com os anos de cultivo, a “terra torna-se cansada” como dizem os fazendeiros. O solo
torna-se menos responsivo às doses de fertilizantes que no passado eram satisfatórias,
requerendo doses cada vez maiores para se manter a produtividade.
Justifique.

6 – Irrigar ou adicionar fertilizantes ao solo tem, às vezes, o mesmo efeito sobre a correção de
deficiências nutricionais em plantas. Como você justifica esta semelhança de efeitos
utilizando técnicas tão distintas? Apresente informações necessárias á plena compreensão
dessa afirmativa.

7 – Por que, de modo geral, os solos de cerrado de textura média têm apresentado maiores
produtividades de soja que os argilosos?
Justifique,

8 – Dissemos que irrigar pode ser mais crítico (“mais essecial”) à produção agrícola em
regiões mais chuvosas do que naquelas semi-áridas, como no nordeste do Brasil (estas em
anos não extremamente secos).
Justifique (ou conteste).

9 – As alterações, a nível de rizosfera, que interferem muito na absorção de um elemento com


coeficiente de difusão da ordem de 10-11cm2seg-1 deverá ter efeito bem menor, se algum,
sobre a absorção de outro elemento que apresente D = 10-5cm2seg-1.
Justifique.

27
10 – Algumas características do solo atuam de maneira interativa sobre a difusão de fósforo
no solo:
a. Compactação x conteúdo volumétrico de água no solo;
b. Compactação x doses de fósforo aplicadas;
c. Compactação x intemperismo.

Justifique.

11 – Você sabe que D = D1θƒ δI/δQ, onde D1 é a difusão do íon1 em água (uma constante), θ
é o conteúdo volumétrico de água no solo, ƒ é um fator impedância e δI/δQ o inverso do fator
capacidade ou poder tampão. Como um mesmo teor de argila em dois solos diferentes, um
muito intemperizado e outro não, atua sobre os componentes dessa equação, alterando a
difusão?

12 – Se aumentarmos a dose de fósforo aplicada em um solo, ou se aumentarmos o teor de


água deste solo, de uma maneira ou de outra favorecemos a difusão. Por meio de qual destes
aumentos, o efeito esperado será maior? Em quais condições? Justifique.

13 – Informações disponíveis permitem compreender a razão para as maiores produtividades


de soja obtidas em solo de cerrado de textura média (entre 15 a 35% de argila) do que nos
argilosos (> 35% de argila). Para o cultivo de primeiro ano desses solos, as tabelas de
recomendação indicam a necessidade de 120 kg/ha de P2O5 no sulco de plantio da soja,
igualmente para ambos os solos. O que você acha desta recomendação? Justifique.

14 – No trabalho de Tanaka et al. (Water stress induces calcium deficiency and petiole
collapse in soybean leaves. Better Crops, 9(2):20-21, 1993), há um comentário sobre a
deficiência de cálcio em soja, cultivada em solo rico neste elemento (7,1 cmolc/dm3),
induzida por falta d’água, causando o que se chama de “colapso do pecíolo” (o pecíolo não
agüenta o peso dos folíolos e se quebra). Este comentário é o seguinte: “O stresse de água
reduz a evapotranspiração e a capacidade de transporte, decrescendo, portanto, a absorção de
cálcio e aumentando a absorção de fósforo e de potássio...”. O que você acha deste
comentário?

28
15 – Justifique a figura:

Produtividade

Densidade do solo

16 – Foi conduzindo um experimento para testar o efeito de doses de fósforo sobre o


crescimento de plantas de sorgo em amostras de dois solos com características semelhantes
quanto a pH, P e K disponíveis e Ca, Mg, e Al trocáveis. Foram feitas correção e adubação
básica com outros nutrientes que não o fósforo, de modo a corrigir possíveis limitações ao
crescimento do sorgo.

Os resultados obtidos foram:

Dose de P (mg/kg)
Solo
0 100 200 400 600

Matéria seca (g/vaso)

A 1,0 6,1 8,5 8,4 8,5

B 0,8 3,2 5,6 7,0 8,3

Perguntas:

a. Para a mesma dose de fósforo aplicada, em qual dos dois solos a difusão deste
nutriente deverá ser maior?
b. Em qual dos dois solos, se igualmente compactados, a difusão de fósforo deverá ser
mais limitada? Justifique.
c. Qual dos dois solos deverá apresentar a maior relação Q/I? Justifique.
d. Se ambos os solos tivessem o mesmo teor de argila, qual dos dois deverá ser o mais
intemperizado?

29
17 – Em áreas com agricultura de sequeiro, observam-se problemas de deficiência de
micronutrientes quando da utilização de calcário em doses elevadas (supercalagem). Já, em
áreas irrigadas (com pivô-central, por exemplo), essas deficiências não ocorrem ou não são
tão freqüentes e intensas em resposta à supercalagem. Qual o seu parecer a respeito?

18 – Discuta brevemente os resultados apresentados quanto ao transporte de fósforo no solo:


Peso da matéria seca da parte aérea de eucalipto em função de solos e de doses de fósforo
aplicado na forma de superfosfato triplo.

Solo (1)

Dose LVm LE AQ

mg/dm -3 ---------------------------------------------- g/vaso ----------------------------------------------

0 0,02 0,04 0,26


100 15,98 2,34 15,21
200 15,65 5,23 18,87
400 17,49 12,84 18,68

(1)
LVm: Latossolo Vermelho-Amarelo textura média (17,6% argila); LE: Latossolo Vermelho-Escuro (74,7%
argila) e AQ: Neossolo Quartzarênico (14,1% argila).

19 – Plantas apresentando sintomas de deficiência de zinco têm, muitas vezes, com a


evolução do estádio de crescimento, esse problema resolvido. Justifique.

20 – Com o objetivo de estudar o efeito da localização profunda de fósforo em comparação à


localização tradicional (menos profunda) sobre a produtividade de feijão, conduziu-se um
experimento em duas regiões distintas de cerrado, com solos apresentando características
químicas, físicas e mineralógicas semelhantes, chegando-se aos seguintes resultados:

Produtividade
Localização de P
Região A Região B

kg/ha

Tradicional 1.055 b 1.832 a

Profunda 1.847 a 1.830 a

Na mesma coluna, as médias seguidas pela mesma letra não diferem entre si a 5%. Justifique os resultados.

30
21 – Para a mesma superfície, raízes grossas, como as pivotantes de árvores, absorvem muito
menos fósforo que as finas. Apresente uma hipótese para este fato.

22 – Partindo-se da equação do coeficiente de difusão (D = D1θƒδI/δQ), qual de seus


componentes está mais estreitamente relacionado com o nível crítico de fósforo em plantas?
Como é esta relação? Justifique.

23 – Um pesquisador verificou que numa região costeira (próxima ao mar) o fluxo difusivo de
zinco era maior que numa região distante, no interior do país, para um solo, um Latossolo
Vermelho-Escuro, com o mesmo teor de zinco disponível e de argila, densidade aparente,
umidade etc. Justifique.

24 – Uma clorose internerval em folhas mais novas de cafeeiro, indicando deficiência de


ferro, tem sido observada em Latossolos argilosos extremante ricos neste nutriente e com pH
(H2O) em torno de 5,5. Qual a hipótese para justificar o observado e que determinações
(análises) de planta podem permitir compreender o que está acontecendo?

25 – O cultivo de uma área onde anteriormente passava uma estrada apresentou plantas de
milho com pior crescimento do que na área ao lado. Justifique o observado, sabendo-se que
naquele ano não houve déficit hídrico.

26 – Qual a influência do potássio aplicado em um solo, na forma de KCl, sobre a difusão de


zinco neste mesmo solo, aplicado na forma de sulfato de zinco? Justifique.

27 – Um fazendeiro plantava milho numa população de 25.000 plantas/ha, aplicando 40 kg de


N, 50kg de P2O5 e 30 kg de K2O/ha. Por sugestão de uma propaganda de televisão, ele
pretende fazer os novos plantios com 50.000 plantas/ha. Para isso, ele irá dobrar a adubação
utilizada anteriormente, aplicando 80, 100 e 60 kg/ha, respectivamente. O que você acha de
sua iniciativa de dobrar a adubação, uma vez que a população de plantas foi também dobrada?
Justifique.

28 – Deve haver estreita relação entre o fluxo difusivo de um elemento e a atividade de argila
de solos (solos com argila 2:1 comparativamente a solos com argila oxídica), mantendo-se
outras características que definem esse transporte em níveis supostamente constantes.
Comente essa relação para:
a. Fósforo (H2PO4-).
b. Nitrogênio (NO3-)

29 – Como você explica a maior difusão de zinco em um solo de textura média, em relação a
um argiloso, para o mesmo valor de Q (fator quantidade) e ambos com a umidade
correspondente a -0,03MPa?

31
30 – Porque plantas fertilizadas com ZnCl2 obsorveram mais zinco que aquelas fertilizadas
com ZnSO4, no mesmo solo para ambas as fontes deste micronutriente?

- -
31 – Por que o NO3 é em torno de 106 vezes mais móvel no solo do que o H2PO4 ?

32 – A limitação de fósforo em solos de várzea é bem menor, de modo geral, que em solos
bem drenados. Justifique.

33 – A compactação de solos do semi-árido brasileiro não deverá trazer tantos problemas


nutricionais às plantas como no caso de solos mais intemperizados do cerrado, de modo geral.
Justifique.

34 – A soja em plantios comerciais tem se comportado de maneira bem diferente em solos


mais argilosos, comparativamente aos texturas-médias, para a mesma tecnologia de cultivo
adotada. Como você justifica essa diferença?

35 – “Irrigar pode ser mais crítico (essencial) à produção agrícola em regiões mais chuvosas
do que naquelas semi-áridas, como no Nordeste do Brasil (estas em anos não extremamente
secos)”. Esta frase tem algum fundamento? Justifique.

36 – Considere dois solos: um LV (52% de argila) e uma Neossolo Quartzarênico (14% de


argila). Comente sobre a contribuição relativa do fluxo de massa e da difusão para movimento
de potássio até as raízes, nesses solos.

37 – O tráfego de máquinas para aplicação de fertilizantes, herbicidas, fungicidas,


micronutrientes etc., bem como o de trabalhadores, nas entrelinhas de cafezais, deve causar,
com o tempo, alguns problemas nutricionais no cafeeiro. Discuta sobre esses problemas.

38 – Por que o conteúdo volumétrico de água do solo é mais crítico, de modo geral, ao fluxo
difusivo de P em solos mais intemperizados (argila 1:1 e óxidos) do que nos menos
intemperizados (argila 2:1, predominante)? Justifique.

39 – Qual a contribuição esperada do crescimento de raízes sobre a difusão e o fluxo de massa


dos íons:
- -
a) H2PO4 ; b) NO3

40 – Por que falta de água em solos menos intemperizados, como em alguns do Nordeste, não
afeta tanto a difusão de fósforo como em solos mais intemperizados, como os de cerrado, em
geral? Justifique.

32
41 – Por que cálcio é transportado no solo predominantemente por fluxo de massa e fósforo
por difusão? Justifique.

42 – Os sintomas de deficiência de cálcio aparecem, inicialmente, em meristemas apicais. É o


caso da podridão apical (ou fundo preto) do tomate. Explique a razão do aparecimento desses
sintomas preferencialmente nesses tecidos.

43 – Na tabela abaixo, são apresentados valores dos coeficientes de difusão para dois
nutrientes:

Nutriente D

cm2/s-1
X
Y 2 x 10 -6
3 x 10 -11

Com base nesses valores, responda:


a. Qual deve ser lixiviado mais facilmente no solo? Justifique.
b. Qual desses nutrientes deve ser transportado até as raízes das plantas principalmente
por difusão? Justifique.
c. Qual deve ter sua absorção, pelas plantas, significativamente favorecida pela presença
de micorrizas no sistema radicular? Justifique.
d. Considerando um aumento na população de plantas, qual desses nutrientes deve ser,
preferencialmente, adicionado em doses mais elevadas na adubação? Justifique.

-
44 – Estime a extensão de depleção de H2PO4 (D ~ 10-11 cm2s-1), K+ e NH4+ (1~10-10 cm2s-1)
-
e de NO3 (D ~ 10-5 cm2s-1) em torno de raízes (distância linear média percorrida).
Respostas:
-
H2PO4 = 0,013 mm dia-1
K+ = 4,2 mm dia-1
NH4+ = 4,2 mm dia-1
NO3- = 13,1 mm dia-1

Observação: Para esta estimativa veja Novais & Emyth (1999), página 218.

33
LITERATURA CITADA

BAHIA FILHO, A.F.C. Índices de disponibilidade de fósforo em Latossolos do planalto


central com diferentes características texturais e mineralógicas. Viçosa,
Universidade Federal de Viçosa, 1982. 179p. (Tese de Doutorado)

BARBER, S.A. Influence of the plant root on ion movement in soil. In: CARSON, E.W.,
ed. The plant root and its environment. Charlottesville, University Press of Virginia,
1974. p.525-564.

BARBER, S.A. Soil-plant interactions in the phosphorus nutrition of plants. In:


KHASAWNEH, F.E.; SAMPLE, E.C. & KAMPRATH, E.J., eds. The role of
phosphorus in agriculture. Madison, American Society of Agronomy, 1980. p.591-
615.

BIELESKI, R.L. Phosphate pools, phosphate transport, and phosphate availability.


Ann. Rev. Plant Physiol., 24:225-252, 1973.

BIELESKI, R.L. & FERGUSON, I.B. Physiology and metabolism of phosphate and its
compounds. In: LÄUCHLI, A. & BIELESKI, R.L., eds. Inorganic plant nutrition.
Encyclopedia of Plant Physiology. Berlin, Springer-Verlag, 1983. v.15a, p.422-449.

BRAY, R.H. A nutrient mobility concept of soil-plant relationships. Soil Sci., 78:9-22,
1954.

COSTA, J.P.V. Fluxo de fósforo e de potássio em Latossolos. Viçosa, Universidade


Federal de Viçosa, 1998. 67p.(Tese de Doutorado)

MUNIZ, A.S.; NOVAIS, R.F.; BARROS, N.F. & NEVES, J.C.L. Nível crítico de fósforo
na parte aérea da soja como variável do fator capacidade de fósforo no solo. R.
Bras. Ci. Solo, 9:237-243. 1985.

NOVAIS, R.F. & SMYTH, T.J. Fósforo em solo e planta em condições tropicais.
Viçosa, Universidade Federal de Viçosa, 1999. p.399.

NUNES, F.N.; NOVAIS, R.F.; SILVA, I.R.; GEBRIM, F.O. & SÃO JOSÉ, J.F.B. Fluxo
difusivo de ferro em solos sob influência de doses de fósforo e de níveis de acidez
e umidade. R. Bras. Ci. Solo, 28:423-429, 2004.

NUNES, F.N.; NOVAIS, R.F.; SILVA, I.R.; GEBRIN, F.O. & FONTES, P.C.R.
Deficiência de ferro em cafezais induzida por excesso de fósforo na planta. In: III
FERTBIO, Rio de Janeiro, 2002. Resumos. Rio de Janeiro, SBCS, 2002. p.35.

NYE, P.H. & TINKER, P.B. Solute movement in the soil-root system. Berkeley,
University of California Press, 1977. 342p.

34
OLIVEIRA, F.H.T.; NOVAIS, R.F.; NEVES, J.C.L.; ALVES, V.M.C. & VASCONCELLOS,
C.A. Fluxo difusivo de zinco em amostras de solo influenciado por textura, íon
acompanhante e pH do solo. R. Bras. Ci. Solo, 23:609-615, 1999.

RIBEIRO, M.A.V.; NOVAIS, R.F. & BARROS, N.F. Effect of soil compaction and
moisture levels on phosphorus uptake and translocation in eucalypt. In: IUFRO.
MANAGEMENT OF WATER AND NUTRIENT RELATIONS TO INCREASE
FOREST GROWTH. SEMINAR. Poster 23, Canberra, 1987. Program and Abstracts.
Canberra, IUFRO Division, 1987.

RIBEIRO, M.A.V.; FABRES, A.S.; NOVAIS, R.F. & COSTA, L.M. Efeito da
compactação do solo e de níveis de fósforo sobre o crescimento da soja em casa
de vegetação. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA DO SOLO, 20., Belém,
1985. Resumo. Belém, SBCS, 1985.

RUIZ, H.A. Efeito do conteúdo de água sobre o transporte de fósforo ou dois


Latossolos. Viçosa, Universidade Federal de Viçosa, 1985. 74p. (Tese de
Doutorado)

RUIZ, H.A.; FERNANDES, B.; NOVAIS, R.F. & ALVAREZ V., V.H. Efeito da umidade
do solo sobre o volume e o conteúdo de fósforo no exsudato xilemático de soja. R.
Bras. Ci. Solo, 12:39-42, 1988.

TYSDALE, L.S. & NELSON, L.W. Fertilidad de los suelos y fertilizantes. Barcelona,
Montaner y Simon. S.A. 760p. 1970.

VARGAS, R.M.B; MEURER, E.J. & ANGHINONI, I. Mecanismos de suprimento de


fósforo, potássio, cálcio e magnésio às raízes de milho em solos do Rio Grande do
Sul. R. Bras. Ci. Solo, 7:143-148, 1983.

WIETHÖLTER, S. Um modelo para avaliar a disponibilidade de nutrientes baseado em


teoria de difusão. In: CABALA R., P., coord. RECICLAGEM DE NUTRIENTES E
AGRICULTURA DE BAIXOS INSUMOS NOS TRÓPICOS. 16., Ilhéus, 1985.
Resumos. CEPLAC/ SBCS. Reunião Brasileira de Fertilidade do Solo, 1985. p.103-
148.

YOST, R.S.; KAMPRATH, E.J.; LOBATO, E. & NADERMAN, G. Phosphorus response


of corn on an Oxisol as influenced by rates and placement. Soil Sci. Soc. Am. J.,
43:338-343, 1979.

35

Você também pode gostar