Você está na página 1de 9

PLANO DE AULA

Curso: METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA


Tutor: ANTÔNO JOSE FERREIRA GOMES
Carga Horária: 60
E-mail: antoniogomesead@gmail.com

AGENDA DO CURSO
Ord. Atividade Período Valor Peso

01 Fórum de 22/02 a 22/03 Não pontua Não pontua


Apresentação

02 Atividade 01 01/03 a 31/03 00 a 100 30%

03 Atividade 02 01/04 a 30/04 00 a 100 30%

04 Atividade 03 10/04 a 10/05 00 a 100 40%

TOTAL 100 PONTOS

ATENÇÃO: As datas e atividades desse documento são REFERENCIAIS e podem sofrer ALTERAÇÕES. Esteja
sempre atento às mensagens da Caixa Postal e aos avisos do Tutor.
CHAT

O Tutor estará disponível as Quartas-feiras das 21h às 22h (horário de Brasília), para atendimento
online no Chat: Para tirar as dúvidas dos alunos.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS DO CURSO

Ao final do estudo deste curso, você será capaz de:


• Reconhecer a importância da Pesquisa Científica para produção do conhecimento;
• Compreender os procedimentos metodológicos da pesquisa científica;
• Elaborar projeto de Pesquisa, Monografia e Artigos Científicos.
CONTEÚDOS

O curso compreende os seguintes módulos:


•Módulo 1 – Aspectos Introdutórios
•Módulo 2 – Elaboração do projeto de pesquisa: o que pesquisar e como planejar a pesquisa
•Módulo 3 – Procedimentos metodológicos
•Módulo 4 – Tipos de pesquisa, técnicas de coleta e de análise dos dados
•Módulo 5 - Elaboração de trabalhos científicos

ESTRATÉGIAS DE ENSINO

As aulas ocorrerão no Ambiente Virtual de Aprendizagem, com a utilização de recursos audiovisuais,


onde o tutor irá aferir o aprendizado por meio das atividades, buscando uma abordagem permeada
de aspectos éticos, culturais, sociais, discussões e estudos de casos que estimulem a reflexão,
sensibilização e construção de conceitos para o profissional de Segurança Pública a respeito da
importância da Pesquisa Científica.
A complexidade dos problemas de segurança pública exige buscar alternativas que melhorem a
prestação do serviço. A produção de conhecimento científico constitui-se em uma variável
estratégica das transformações necessárias para enfrentar os novos desafios da segurança pública e
de proteção dos direitos dos cidadãos. Este curso de Metodologia é um guia prático sobre a pesquisa
científica.
O pesquisador iniciante encontrará aqui uma disciplina metodológica da pesquisa científica, prática
e objetiva que o auxiliará na elaboração de projetos de pesquisa, monografias e artigos científicos
relevantes para sua área de atuação.

RECURSOS DIDÁTICOS

O estudo deverá ser através dos recursos tecnológicos como: Computador Pessoal, Notebook,
Tablet, Celular com acesso à Internet.
Os Alunos possuem a possibilidade de imprimir a apostila do curso para o estudo off-line da
disciplina, contudo as participações das atividades ocorrem exclusivamente dentro do sistema de
Ensino.
Os alunos serão adicionados pelo Tutor a um Grupo de WhatsApp, para facilitar a comunicação entre
o aluno/tutor e aluno/aluno.
AVALIAÇÃO
Orientamos aos discentes que não deixem de participar, realizando as atividades, buscando atender
o proposto, como forma de garantir nota máxima nas atividades.

Ressaltamos que todas as atividades serão avaliadas individualmente de 0 (zero) a 100 (cem) e cada
uma delas possuem pesos diferentes que ao irão compor a nota final.

A avaliação será composta por:

Avaliação da atividade nº 01:

 Primeiramente precisamos saber o que é um projeto de pesquisa. Vamos lá?

O projeto de pesquisa é uma ferramenta indispensável à atividade de investigação, devendo servir


para orientar seu estudo e poder comunicar às outras pessoas (orientador, membros de uma banca,
membros de outras instituições, entre outros) o que você pretende fazer.

 A diferença entre Tema e Problema:

Tema:

Os temas de pesquisa podem surgir das observações do seu ambiente de trabalho, da conversa com
colegas, da leitura dos jornais e de artigos científicos de sua área de atuação profissional, disponíveis
nas bases e bibliotecas virtuais, entre outros.

Problema:

Um problema de pesquisa é “um problema que se pode resolver com conhecimentos e dados já
disponíveis ou com aqueles factíveis de serem produzidos” (LAVILLE e DIONNE, 1999, p.87).

 Entender o que é o método:

O método é o caminho traçado pelo pesquisador para alcançar os objetivos da pesquisa científica.

Exemplo:

Observe os seguintes exemplos de formulação de perguntas-problemas sobre o tema homicídios.

a) O consumo de drogas ilícitas e de álcool está vinculado à ocorrência de homicídios no Brasil, na


última década?

b) Pode-se reduzir a taxa de homicídios legalizando o consumo de drogas no Brasil?

Essas duas perguntas constituem-se em problemas de pesquisa que podem ser redigidos da seguinte
forma, quando seu orientador olhar para você e perguntar: Qual é seu problema de pesquisa?
• Meu problema de pesquisa é analisar a relação entre os homicídios e o consumo de drogas ilícitas
e de álcool no Brasil.

• Meu problema de pesquisa é analisar em que medida a legalização do consumo das drogas ilícitas
pode contribuir para reduzir a taxa de homicídios no Brasil. (Apostila página 18)

Agora é com você Aluno(a), percorra os (6) passos, respondendo o que se pede em cada um:

1º passo

Pense num tema em seu campo de atuação que podem causar problemas e esse podem ser
solucionados.

2º passo

Agora imagine um problema que você acredite poder estudado cientificamente. Elabore uma
pergunta. Essa pergunta será nosso problema.

Dica: Pesquise na página 18 da Apostila os exemplos de formulação de perguntas-problemas sobre


o tema.

3º passo

Quais objetivos você pretende alcançar com a sua pesquisa? Descreva os objetivos gerais e
específicos.

Lembre-se:

O Objetivo Geral é o resultado que se pretende alcançar com a pesquisa. (você deve inserir apenas
um Objetivo Geral)

Os objetivos específicos expressam os passos necessários para se alcançar o objetivo geral. (pelo
menos dois objetivos específicos)

4º passo

Agora que já sabemos seu problema vamos continuar nosso estudo e elaborar
uma justificativa contando como você pretende realizar sua pesquisa. (Mínimo 20 linhas.)

Como auxílio, pesquise na apostila em formato PDF, página 30. O material poderá auxiliá-lo na
elaboração da sua justificativa.

Sabe-se que você tem que justificar sua pesquisa, isto é, explicitar porque você acredita ser
importante seu estudo, ou seja: porque você deseja fazer essa pesquisa

5ª Passo

Descreva o(s) método(s) a ser(em) utilizado(s) em sua investigação.


6º Passo

Elenque os possíveis resultados que você deverá obter.

Avaliação da atividade nº 02: A revisão bibliográfica e às referências bibliográficas. Sua resposta


deverá conter 2 partes:

1ª parte: Revisão bibliográfica:

Você deverá consultar as principais correntes e teorias dominantes em relação ao problema de sua
pesquisa. Estabeleça um diálogo com a literatura de teóricos que abordam a temática e o
desenvolvimento do trabalho proposto, bem como a de outros trabalhos que propuseram produto
similar a sua proposta.

Descreva qual é o painel apresentado por estudiosos consolidados sobre o problema abordado.

Identifique as principais linhas de abordagem existentes para o seu tema.

Não esqueça de colocar a fonte, ou seja, citar o local de onde você retirou sua pesquisa conforme
padrão ABNT.

2ª Parte: Referências bibliográficas:

Faça um levantamento teórico sobre seu tema de pesquisa: quais as obras importantes existentes?
Quais você consultou e quais deverá consultar, quais as pesquisas realizadas e seus principais
autores. Relacione conforme padrão ABNT.

Avaliação da atividade nº 03: O projeto de pesquisa constitui-se em uma ferramenta indispensável


à atividade de investigação, devendo servir para orientar seu estudo e poder comunicar às outras
pessoas (orientador, membros de uma banca, membros de outras instituições, entre outros) o que
você pretende fazer.
Para a ATIVIDADE 3, você deverá consultar o MANUAL DE APOIO AO ALUNO – TCC.
Nas atividades anteriores, elaboramos os elementos que compõem o projeto de pesquisa. Agora
você deverá reuni-los, incluir a capa, consultar o padrão estabelecido pelo IFPR e anexá-lo em
formato WORD para correção.
Observação: Todos os materiais deverão estar no padrão do IFPR, conforme normativa estabelecida
no Guia: NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS DO INSTITUTO FEDERAL
DO PARANÁ (IFPR).
Disponível em:
https://reitoria.ifpr.edu.br/wp-content/uploads/2010/05/normas_ifpr_completa_alta_impressao.pdf

Para ter acesso as atividades avaliativas e prova final na parte do curso Autoinstrucional, o aluno
deverá realizar a leitura de todos os módulos.
A Avaliação da parte do curso Autoinstrucional será teórica através de questões objetivas,
elaboradas e retiradas dos conteúdos das aulas.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
• ANDER-EGG, E. Introducción a las técnicas de investigación social: para trabajadores sociales. Buenos Aires:
Humanitas, 1978.

• BACHELARD, G. Epistemologia. Barcelona: Anagrama, 1971.

• BACON, F. Novum Organum; Nova Atlântida. Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1973.

• BARBETTA, P. A. Estatística aplicada às ciências sociais. Florianópolis: Ed. Da UFSC, 2006.

• BARBIER, R. Pesquisa-ação na instituição educativa. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.

• BAUER, M.; GASKELL, G.; ALLUM, N. “Qualidade, quantidade e interesses do conhecimento Evitando
confusões”. In: BAUER, Martin, W. GASKELL, George. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. Um
manual prático. Petrópolis, Vozes, 2002.

• BAUER, M. W.; GASKELL, G. (editores). Pesquisa qualitativa com texto: imagem e som: um manual prático.
Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

• BECKER, H. Segredos e Truques da Pesquisa. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.

• BONACH B. P. R. Tratamentos efetivos de criminosos para a redução da reincidência penal: um estudo


comparado das melhores práticas canadenses, britânicas e japonesas. Monografia do Curso de Especialização
em Segurança Pública e Cidadania do Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília,2007.

• BOURDIEU, P.; PASSERON, J.C. La reproducción, Elementos para una teoria del sistema de enseñanza.
Madrid: Editora Popular, 1996.

• BOURDIEU, P.; CHAMBOREDON, J.C. PASSERON, Jean-Claude. A profissão de sociólogo. Petrópolis: Vozes,
2002.

• BOURDIEU, P. O campo científico. In: ORTIZ, Renato. Sociologia. São Paulo: Ática, 1983.

• BRICEÑO-LEON, R. Trabalhando com a diversidade metodológica Quatro modelos de integração de técnicas


qualitativas e quantitativas de investigação nas ciências sociais (PARTE III). In: GOLDENBERG, P., MARSIGLIA,
RMG and GOMES, MHA., orgs. O Clássico e o Novo: tendências, objetos e abordagens em ciências sociais e
saúde. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2003.

• BRUNIERI, C. M. Guia básico para Elaboração de Referências Bibliográfica segundo ABNT, Revista Entreteses,
Departamento de Comunicação Institucional Unifesp,2014.

• CANO, I. Sociologias, Porto Alegre, ano 14, no 31, set./dez. 2012, p. 94-119.

• CARLINO, P. La escritura en la investigación. Serie Documentos de Trabajo, Escuela de Educación.


Universidad de San Andrés, 2006.

• CARVALHO, L.; FORTUNATO C. O Estudo Psicossocial Forense como Subsídio para a Decisão Judicial na
Situação de Abuso Sexual Psic.: Teor. e Pesq., Brasília, 2008, Vol. 24 n. 2, pp. 161-169.

• CASSIRER, E. A filosofia do Iluminismo. SP, Campinas: Editora da UNICAMP, 1994.


• CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A. Metodologia Científica. 3 ed. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1983.

• COLLARES, A. C. Uma questão de método: desafios da pesquisa quantitativa. Ideias Campinas (SP). Edição
Especial, nova série 2013.

• DAVIS, J. A. Levantamento de dados em sociologia. Rio de Janeiro: Zahar: 1976.

• DINIZ, D.; MEDEIROS, M. Aborto no Brasil: uma pesquisa domiciliar com técnica de urna. Ciência & Saúde
Coletiva, 15(Supl. 1):959-966, 2010.

• DURKHEIM, E. As Regras do Método Sociológico, São Paulo: Martins Fontes, 2007.

• FESTINGER L. Experimentos de laboratório. FESTINGER, L. & KATZ, D. Los Métodos de Investigación en las
ciencias sociales. Buenos Aires: Editorial Paidos, 1979.

• FRENCH, J. R. P. “Experimentos em contextos de campo”. In: FESTINGER, L. & GIL, Antonio Carlos. Como
elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

• GALVAM SIMÕES, R. C. Francis Bacon: Teoria e Método. Revista Eletrônica de Ciências.

• GERHARDT ENGEL, T.; SILVEIRA TOLFO, D. (Org). Métodos de pesquisa. Coordenado pela Universidade
Aberta do Brasil – UAB/UFRGS e pelo Curso de Graduação Tecnológica – Planejamento e Gestão para o
Desenvolvimento Rural da SEAD/UFRGS. – Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

• HENING SILVA, A.; TREVISAN FOSSÁ, M. I. Análise de Conteúdo: Exemplo de Aplicação da Técnica para
Análise de Dados Qualitativos. IV Encontro de Ensino e Pesquisa em Administração e Contabilidade.
Brasília/DF, 3 a 5 de nov. de 2013.

• HUSSERL, E. A crise da humanidade europeia e a filosofia. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2008.

• JAPIASSÚ, H.; MARCONDES, D. Dicionário Básico de Filosofia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.

• KERLINGER, F. Investigación del Comportamiento. México DF: Ed. Mc Graw Hill. 1996.

• LAKATOS, E. M.; MARCONI ANDRADE, M. Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo: ATLAS S. A.
1991.

• LAKATOS, E. M.; MARCONI ANDRADE, M. Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo: ATLAS S. A.
1991.

• LAVILLE C.; DIONNE, J. A construção do saber. Manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas.
Porto Alegre: Editora Artes Médicas Sul Ltda; Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999.

• LAVILLE, C.; DIONNE, J. A construção do saber. Manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas.
Porto Alegre: Editora Artes Médicas, Sul Ltda; Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999.

• LEMGRUBER, J. Controle da criminalidade: mitos e fatos. Revista Think Tank, Instituto Liberal de Rio de
Janeiro, 2001.

• MACEDO COUTINHO, W. et.al. Redação técnico-científica: algumas sugestões para o aprimoramento de


textos científicos. Rev. bras. ol. fibros., Campina Grande, Rev. bras. ol. fibros., Campina Grande, v.9, n.1/3,
p.957-967, jan./dez. 2005.

• MALINOWSKI, B. Introdução: o assunto, o método e o objetivo desta investigação. In: DURHAM, E.R.
(Org.).Malinowski. São Paulo: Ática, 1986.

• MARTIN, E. Ler, escrever e publicar no mundo das ciências. Mimeo. 2015.


• MATTAR, J. Metodologia científica na era da informática., São Paulo: Saraiva, 2005.

• MINAYO, M. C. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2001.

• MINAYO, M. C.; RAMOS DE SOUZA, E.; CONSTANINO, P. Riscos percebidos e vitimização de policiais civis e
militares na (in)segurança pública Cad. Saúde Pública vol.23 no.11 Rio de Janeiro Nov. 2007.

• MINAYO, M. C.; SANCHES. Odecio 1993. Quantitativo-qualitativo: oposição ou complementaridade?


Caderno de Saúde Pública 9(3):239-262.

• MOORE, D. S.; McCABE, G. P. Introdução à prática da estatística. Rio de Janeiro: LTC , 2002.

• MORIN, E. Ciência com consciência. 5. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

• MORIN, E. Por uma reforma do pensamento. In: PENA VEGA, Alfredo e PINHEIRO DE ALMEDIA, Elimar (Org.).
O pensar complexo e a Crise da modernidade. Rio de Janeiro: Garamond, 1999.

• OLIVEIRA FUNARO, V. Diretrizes para apresentação de dissertações e teses da USP: documento eletrônico
e impresso Parte I (ABNT) / Sistema Integrado de Bibliotecas da USP. São Paulo: Sistema Integrado de
Bibliotecas da USP, 2009

• PENNA VEJA, A.; NASCIMENTO, E. P. O pensar complexo. Edgar Morin e a crise da modernidade. Rio de
Janeiro: Garamond, 1999.

• POPPER, K. Die Logik der Sozialwissenschaften. In: ADORNO, T. et al (Ed.). Der Positivismusstreit in der
deutschenSoziologie. Darmstadt, Neuwied: Luchterhand, 1976. p.103-123. (traduzido).

• QUIVY, R. e CAMPENHOUDT, L. V. Manuel de recherche en sciences sociales. Paris: Dunod, 1995.

• RAZUK, P. C. O método científico. (s/d).

• REY, F. Pesquisa qualitativa e subjetividade. Os processos de construção da informação. São Paulo: Thomson,
2005.

• RICHARDSON, R. J. Pesquisa social, métodos e técnicas. São Paulo: ATLAS, 2011.

• SALE, M. G. Resenha Crítica de MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). Pesquisa social: teoria, método e
criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010. (Coleção temas sociais).

• SHUSTER, F. Explicación y predicción. La validez del conocimiento en ciencias sociales. Buenos Aires: CLACSO,
2005.

• SORIA BATISTA, A. A fragilidade do controle externo das policiais brasileiras. Sociedade e Estado, Brasília, v.
21, n. 1, p. 235-238, jan./abr. 2006.

• SORIA BATISTA, A. Estado e controle nas prisões. Cad. CRH, 2009, vol.22, n.56, pp. 399-410.ISSN 1983-8239.
• SOUSA SANTOS, B. Um discurso sobre as ciências na transição para uma ciência pós-moderna Estudos
Avançados. vol.2 no.2 São Paulo May/Aug. 1988.

• TEÓFILO, A. Gestão prisional no DF: Mecanismos de controle da população encarcerada. Monografia do


Curso de Especialização em Segurança Pública e Cidadania do Departamento de Sociologia da Universidade
de Brasília, 2009. TRIPP, D. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.
31, n. 3, p. 443-466, set./dez. 2005.

• WACQUANT, L. 2002. Corpo e Alma Notas Etnográficas de um Aprendiz de Boxe. Rio de Janeiro: Relume
Dumará.
CRITÉRIOS DE DISTRIBUIÇÃO DE NOTAS
Os Critérios de Distribuição de Notas seguirão o quadro abaixo.

NÃO
REGULAR RUIM
Pontuação MUITO BOM BOM PARTICIPOU
Período (RE) (RU)
máxima
da Item
para a Acima de 75 Entre 51 e (NP) - 00%
atividade Entre 26 e Entre 01 e
atividade pontos 75 pontos
50 pontos 25 pontos
00 ponto
01/03 Atendeu
A plenamente ou Não atendeu
31/03: 1ª Atividade 100 em grande parte ao
ao questionamen
Atendeu ao Atendeu
questionamento to proposto;
questionamen parcialmente
proposto; a apresentou
to proposto; a ao
01/04 resposta é fragilidade na Deixou de
resposta é questionament
A 2ª Atividade 100 coerente e argumentação realizar as
coerente; o proposto com
30/04 original; a demonstrand atividades.
demonstrou postagem de
argumentação é o pouca ou
assimilação resposta
fundamentada nenhuma
do conteúdo. incompleta
demonstrando assimilação
10/04 assimilação do do conteúdo
3º Atividade 100
A conteúdo apresentado.
10/05 apresentado.

Você também pode gostar