Você está na página 1de 4

Teoria Musical

Nesse texto, irei descrever resumidamente conceitos básicos de teoria musical, necessários para
a compreensão dos textos seguintes. Primeiramente, irei introduzir alguns conceitos:

- Propriedades dos sons:


1- altura: diferente entoação das notas.
2- duração: espaço de tempo em que soa o som.
3- intensidade: mesmo que volume.
4- timbre: característica que difere os sons. Ex: timbre de piano e timbre de guitarra.

- Elementos fundamentais da música:


1- Melodia: sucessão de sons, para a formação de uma linha musical. Ex: um solo de guitarra.
2- Harmonia: seqüência de sons simultâneos. Ex: uma progressão de acordes.
3- Ritmo: Movimento dos sons de acordo com a sua duração.

Para representar os sons, foram criadas as notas musicais. São 7 fundamentais, mais 5
acidentes, formando uma escala cromática de 12 notas:

C C# D D# E F F# G G# A A# B

Fundamentais: C=Dó D=Ré E=Mi F=Fá G=Sol A=Lá B=Si

As notas sem o “#”, são as notas naturais (fundamentais), que todo mundo conhece. Aquelas
com o “#”, são chamadas “notas sustenidas” (por exemplo: C#=Dó Sustenido). Elas também
podem ser escritas como “bemóis” (por exemplo: Db=Ré Bemol).

C Db D Eb E F Gb G Ab A Bb B

Quando você adiciona um sustenido à nota, você está a elevando ½ tom acima e quando você
adiciona um bemol à nota, você está a elevando ½ tom abaixo. Assim, temos as notas
organizadas de uma maneira cromática (em seqüência de ½ em ½ tom), uma após a outra.

Nota: Dois semitons (1/2 tom) corresponde a um tom.

Quando aplicamos essa teoria na guitarra, fica fácil de entender. Para cada traste que você sobe
ou desce no braço, tem-se um intervalo de ½ tom (ou 1 semitom). Então, a cada 2 trastes, temos
1 tom. Por exemplo: na corda E (Mi ou 6ª corda), temos, da corda aberta até o 12º traste:

E F F# G G# A A# B C C# D D# E

Outro exemplo para visualização das notas pode ser um diagrama de acordes:

E A
e-0-(E)---|--5-(A)----|
B-0-(B)---|--5-(E)----|
G-1-(G#)--|--6-(C#)---|
D-2-(E)---|--7-(A)----|
A-2-(B)---|--7-(E)----|
E-0-(E)---|--5-(A)----|
Temos aqui dois acordes: E (Mi Maior) e A (Lá Maior). As notas entre parênteses são as que
compõem os dados acordes. Se você observar a organização cromática das notas descritas
anteriormente, e sair contando nas casas do braço a seqüência delas até chegar em um dos
números indicados no diagrama, irá perceber que corresponde justamente àquela nota entre
parênteses.

Lendo notação musical:

As notas musicais são escritas em partituras, compostas de pautas (ou pentagramas), que são
aquele conjunto de cinco linhas e quatro espaços. As linhas (de baixo para cima), representam
as notas E, G, B, D e F; os espaços, as notas F, A, C e E. Veja um exemplo abaixo:

Para podemos dar nomes às notas que colocamos na pauta, devemos colocar, no seu início, um
sinal chamado clave. Existem 3 tipos de claves: de sol (sons médios), de fá (sons graves) e de
dó (sons agudos). Na figura abaixo, temos, respectivamente, as claves de sol, fá e dó. Nas
partituras para guitarra, é mais comum encontrarmos a clave de sol, por isso, trabalharemos
apenas com essa nessa lição.

Na armadura da clave (logo a sua frente), temos uma fração que determina o número de tempos
por compasso (numerador) e a figura que irá determinar 1 tempo nesse compasso
(denominador). Os compassos são conjuntos de tempos, divididos por barras. Todas as músicas
são divididas em vários compassos. Quando o primeiro compasso de uma música vem
incompleto (em um que caibam 4 tempos, existem somente 2, por exemplo), chamamos esse de
anacruse.

Na pauta, são escritas as figuras musicais, que indicam o tempo de duração das notas. Também
são escritas as pausas, que indicam silêncio. A seguir, temos uma tabela com os valores-padrão
(compasso 4/4) de cada figura e pausas, além de outros símbolos utilizados freqüentemente:

- 1=Semibreve (4 tempos)
- 2= Mínima (2 tempos)
- 3= Semínima (1 tempo)
- 4 e 5= Colcheia (1/2 tempo)
- 6= Mínima com Ponto de Aumento (3 tempos) -- O Ponto de Aumento aumenta o tempo da
nota em 50% do valor original.
- 7 e 8= Semicolcheias (1/4 de tempo)
- 9= Pausa de semicolcheia (1/4 de tempo)
- 10= Fusa (1/8 de tempo)
- 11= Pausa de fusa (1/8 de tempo)
- 12= Semifusa (1/16 avos de tempo)
- 13= Pausa de semifusa (1/16 avos de tempo)
- 14= Pausa de semínima (1 tempo)
- 15= Pausa de mínima (2 tempos)
- 16= Pausa de semibreve (4 tempos)
- 17= Acidentes -- Respectivamente: bemol (abaixa a nota 1/2 tom), sustenido (eleva a nota 1/2
tom), bequadro (anula os bemóis e sustenidos) e nota natural (sem acidentes).
- 18= Tercinas (3 notas por tempo)
- 19= Ligaduras -- une duas notas. Se as notas forem iguais, não devemos tocar a segunda nota.

Esses valores podem mudar de acordo com a fórmula de compasso. A seguir, temos a lista dos
valores de denominadores nos compassos simples:

1 = Semibreve = 1 tempo
2 = Mínima = 1 tempo
3 = Semínima = 1 tempo
4 = Mínima = 1 tempo
8 = Colcheia = 1 tempo
16 = Semicolcheia = 1 tempo
32 = Fusa = 1 tempo
64 = Semifusa = 1 tempo

Seguindo essa tabela, temos que num compasso 4/2, por exemplo, uma Mínima vale 1 tempo, e
assim por diante.

Como já vimos, os compassos são divididos por barras. Cada tipo de barra representa uma coisa
diferente:
- Barras simples: separam um compasso do outro.
- Barras duplas: indicam mudança de trecho musical.
- Barras de repetição: uma das barras é mais grossa e essas possuem dois-pontos (:) ao seu
lado -- indicam repetição de um trecho.
- Barras finais: visualmente iguais às barras de repetição, porém, indicam o final da música.

Quanto aos acidentes, anteriormente mencionados, podem aparecer de 3 maneiras distintas:


- Na armadura da clave: são os sinais fixos, que valem para toda a música.
- No decorrer da partitura: sinais ocorrentes -- aparecem no decorrer da partitura, tendo efeito
apenas no compasso em que estão.
- Entre parênteses: sinais de precaução, para evitar erros numa eventual leitura rápida.

Para finalizar, temos o seguinte exemplo para leitura e referência no braço:


Essa subida em Am (ou C), começa na nota Lá (A), no 5º traste da corda 6.