Você está na página 1de 3

27/04/2021

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL

Gabinete do Deputado Leandro Grass - Gab 13

                                                                                          
        

Requerimento  Nº , DE 2021

(Autoria: Deputado Leandro Grass e Outros)

Requer a criação de Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar as denúncias de direcionamento de contratação
de determinadas empresas e do sobrepreço verificado em tais contratos, os gastos dos cartões corporativos de Diretores
e o aluguel de imóvel, no prazo de 5 anos, por vultosos valores, todos atos praticados pelo Instituto de Gestão
Estratégica de Saúde do Distrito Federal (IGESDF).

Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara Legislativa do Distrito Federal. Requeremos, com fundamento no
artigo 68, § 3º, da Lei Orgânica do Distrito Federal, bem como dos artigos 72 a 74 do Regimento Interno desta Casa de
Leis, a instauração de Comissão Parlamentar de Inquérito, para investigar as denúncias de direcionamento de
contratação de determinadas empresas, os gastos dos cartões corporativos de Diretores e o aluguel de imóvel, no prazo
de 5 anos, todos atos praticados pelo Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal. 

Requer-se, desde já, a autorização para que a Comissão requisite, em caráter transitório, servidores desta Casa ou de
qualquer órgão ou entidade da Administração Pública Direta, Indireta e Fundacional do Distrito Federal, inclusive para
solicitar cessão, nas mesmas condições, de servidores da União, que se façam necessários à execução dos trabalhos
propostos pela Comissão. 

Solicita-se, ainda, a disponibilização de recursos físicos desta Casa para a realização dos trabalhos. A Comissão terá a
duração de 180 (cento e oitenta) dias, prorrogáveis por igual período e, nos termos regimentais, será composta por
cinco membros. 

JUSTIFICAÇÃO 

É de conhecimento de toda a população do Distrito Federal de que estamos em uma pandemia. E mais, todos sabemos
da gravidade da doença, que já contaminou mais de 10% da população e levou a óbito outras tantas. Sucede que,
mesmo diante desse aterrador cenário, pipocam denúncias relacionadas ao IGESDF e à sua gestão. 

Desde a sua criação, no início do ano de 2019, após a aprovação da Lei 6.270/2019, o Instituto já teve 3 Presidentes,
sendo que 1 deles foi preso, após a operação Falso Negativo, outro afastado por decisão do Conselho Deliberativo e o
outro se afastou, após denúncias de má gestão. O quarto presidente já foi indicado e assumirá um instituto cheio de
problemas, caso seja aprovado pelo Plenário desta Casa.

 Em que pese a criação de uma Controladoria, que atuaria, por certo, na prevenção de erros e na correção de rotas já
traçadas, o Instituto sequer segue as suas recomendações. Na última quinta-feira, dia 18.2.2021, o Controlador fora
sumariamente destituído por decisão unilateral do Secretário de Saúde, em procedimento desconectado das regras
constantes no Estatuto Social do IGESDF. 

1/3
27/04/2021
Há uma série de relatórios de auditoria, já finalizados, que demonstram, a não mais poder, indícios de direcionamento
de processos de contratação e ausência de motivação válida para a prática desses atos. Apenas a título de exemplo, a
Auditoria realizada pela Controladoria do IGESDF acerca do contrato entabulado com o Instituto Carlos Conce
informa que, a pedido da Superintendência Operacional do Centro de Inovação, Ensino e Pesquisa solicitou a
contratação, por inexigibilidade, para prestação de serviços de consultoria em educação continuada na área de
comunicação estratégica e cultura organizacional visando a excelência no atendimento ao cliente, sob o formato de
projeto de capacitação com foco nos servidores do Instituto de Gestão Estratégica do Distrito Federal - IGESDF. 

A justificativa dada seria a possibilidade de parceria com empresa de notória competência, sem que isso restasse
comprovado. Cumpre destacar que o instituto tem domicílio no Estado de Alagoas, Estado de origem do ex-presidente
Francisco Araújo Filho e tal competência jamais fora provada. 

O contrato com o IMAS, que tratava da gestão de leitos de UTI, também causa espécie. Há conclusão no sentido de
inexecução parcial do contrato, com prejuízo aos cofres públicos, uma vez que, além da inexecução dos serviços, a
proposta do IMAS, quando da renovação do contrato, foi superior ao valor da proposta inicial, mesmo que esta ainda
estivesse em validade. É preciso esclarecer tais fatos, sobretudo pelo fato de que se trata de sobrepreço e prejuízo aos
cofres públicos. 

A auditoria relacionada à contratação de 20 leitos de UTI para UPAS, da empresa União Médica, revela uma série de
equívocos que impediu a participação de mais de uma empresa, a inexecução de serviços e a ausência de recursos
humanos para atendimento, além da subcontratação de uma série de serviços constantes do contrato, fatos estes que
foram objeto de recomendação e, até os dias atuais, nada foi feito. 

A análise dos gastos com cartões corporativos revela o descaso com que os gestores do IGESDF lidam com a coisa
pública. Há gastos suportados pelos cartões que envolvem a compra de louças, balas toffee, compras de materiais de
manutenção, móveis, mobiliário hospitalar, locação de geradores e até mesmo, pasme-se, o pagamento de curso de pós
graduação para empregado do instituto. Em que pese recomendação do Ministério Público do Distrito Federal para
utilização racional dos cartões, é preciso ir a fundo e apurar responsabilidades em razão de seu uso inadequado. 

A existência de problemas nos contratos ensejam, por óbvio, em graves problemas de atendimento. Enquanto se
discutem gastos no mínimo inadequados, vale dizer que, em outubro de 2020, verificou-se a falta de medicamentos par
atendimento oncológico. Já no início de 2021, o próprio Chefe da Oncologia do Hospital de Base declarou que 250
(duzentos e cinquenta) cidadãos do DF aguardam a radioterapia em uma fila, 29 (vinte e nove) pacientes com o
tratamento interrompido e sem previsão de retorno, além de cinco urgências. 

O quadro é grave. Além disso, notícias veiculadas pela imprensa local dão conta da falta de insumos básicos para a
continuidade do tratamento oncológico e de medicamentos de uso contínuo. A situação é caótica e merece atenção do
Parlamento, no contexto de investigação dos contratos entabulados pelo IGESDF. 

Por fim e não menos sem importância, é preciso averiguar a situação do aluguel de imóvel da Empresa Comercial
Perboni. Com efeito, o imóvel, localizado no Setor de Indústrias, foi alugado por vultosos R$ 288.226,89 (duzentos e
oitenta e oito mil, duzentos e vinte e seis reais e oitenta e nove centavos) mensais, sendo o valor integral do aluguel, no
período de 5 anos, R$ 17.293.613,40 (dezessete milhões, duzentos e noventa e três mil, seiscentos e treze reais e
quarenta centavos). 

Sucede que o processo de contratação é bastante controverso. Em primeiro lugar, o sítio eletrônico do IGESDF só
divulga o extrato e não o contrato. Outrossim, sem o acesso ao processo de aluguel, não é possível saber se havia outra
proposta, mais adequada, para o objeto contratado e nem se a SES teria algum imóvel para cessão. Em tempo, o imóve
pertence à Comercial Perboni, empresa que patrocinou leilão em que o Governador Ibaneis Rocha participou como
pecuarista, bem como foi convidado especial do Leilão Ibaneis e convidados, o que poderia ensejar eventual conflito de
interesses. 

Reiteramos que as denúncias aqui expostas são graves. Desde a aprovação do IGESDF, questiona-se a qualidade do
serviço prestado. Mês após mês, a sociedade denuncia a má prestação de serviços e, portanto, demanda do Parlamento
necessidade de investigação dos fatos. Não há dúvida de que estamos a tratar de fatos certos e determinados – conform
já destacados acima - e, portanto, o presente requerimento preenche todos os requisitos de admissibilidade. 

Cumpre destacar que compete ao Poder Legislativo exercer a sua função legiferante, em toda a sua extensão, além da
sua função fiscalizatória, sendo que esta última compreende a fiscalização e o controle dos atos públicos, seja por
intermédio de requerimentos de informação, convocação de autoridades e investigações parlamentares, como esta que
ora se propõe, que não tem o objetivo de obstar a atuação do Poder Executivo. Ao contrário, o que se busca é a
confirmação se os atos estão sendo praticados de forma escorreita, em estrito cumprimento aos princípios que regem a
Administração Pública, sobretudo a legalidade e a moralidade. 
2/3
27/04/2021
Caso não estejam, a CLDF não pode se furtar de seu mister e tomar as providências devidas, de modo a impedir que a
população do Distrito Federal seja prejudica por ações desconectadas dos princípios que regem a Administração e que
devem ser observados pelo IGESDF, em razão do disposto no artigo 2º, III, da Lei 5.899/17, a seguir: 

Art. 2º Compete à Secretaria de Estado de Saúde supervisionar a gestão do IHBDF, observadas as seguintes normas e
disposições:(...)III - o contrato de gestão deve observar os princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade,
publicidade, eficiência e economicidade, e deve especificar o programa de trabalho proposto pelo IHBDF, estipular as
metas a ser atingidas e os respectivos prazos de execução, bem como a previsão expressa dos critérios objetivos de
avaliação de desempenho a ser utilizados, mediante indicadores de qualidade e produtividade, atendendo ao quadro
epidemiológico e nosológico do Distrito Federal e respeitando as características e a especificidade da entidade; 

Diante do exposto, requer-se a aprovação do presente requerimento, com a consequente publicação no Diário da
Câmara Legislativa do Distrito Federal e posterior instalação dos trabalhos, com a prática dos atos subsequentes. 

Sala de Sessões, em .

deputado leandro grass

Rede Sustentabilidade

                                                                                                
      

Praça Municipal, Quadra 2, Lote 5, 3º Andar, Gab 13 - CEP:  70094902 - Brasília - DF - Tel.: (61)3348-8132

www.cl.df.gov.br - dep.leandrograss@cl.df.gov.br

Documento assinado eletronicamente por LEANDRO ANTONIO GRASS PEIXOTO - Matr. Nº 154, Deputado(a)
Distrital, em 19/02/2021, às 13:02:18

Documento assinado eletronicamente por FABIO FELIX SILVEIRA - Matr. Nº 146, Deputado(a) Distrital, em
19/02/2021, às 17:02:56

Documento assinado eletronicamente por ARLETE AVELAR SAMPAIO - Matr. Nº 130, Deputado(a) Distrital, em
19/02/2021, às 17:03:24

Documento assinado eletronicamente por REGINALDO VERAS COELHO - Matr. Nº 137, Deputado(a) Distrital,
em 19/02/2021, às 17:18:24

Documento assinado eletronicamente por FRANCISCO DOMINGOS DOS SANTOS - Matr. Nº 67, Deputado(a)
Distrital, em 19/02/2021, às 17:35:44

Documento assinado eletronicamente por JORGE VIANNA DE SOUSA - Matr. Nº 00151, Deputado(a) Distrital,
em 26/02/2021, às 20:08:57

Documento assinado eletronicamente por JULIA LUCY MARQUES ARAUJO - Matr. Nº 00153, Deputado(a)
Distrital, em 03/03/2021, às 15:41:23

Documento assinado eletronicamente por JOAO ALVES CARDOSO - Matr. Nº 00150, Deputado(a) Distrital, em
27/04/2021, às 16:43:27

3/3