Você está na página 1de 11

O GRANDE REINO DE PAZ DO MILÊNIO, QUEM DEVERÁ IMPLANTÁ-LO?

A resposta se evidencia na própria pergunta, uma vez que um Reino jamais


poderá existir sem a presença de uma liderança para isso, ou seja, um Rei para
implantá-lo.
Antes, porém, de responder, vamos expor aqui a verdadeira finalidade do Juízo
final e do reino do milênio.
Os dois Filhos de Deus, Jesus e o Filho do Homem, só foram ligados à matéria
grosseira da terra por causa da queda de Lúcifer e Amfortas, que em
consequência dessa queda acabaram provocando um corte no anel de irradiações
que ligava o Espirito-Primordial ao Espirito-Criado assim como a Criação-
Posterior e consequentemente esse acontecimento acabou por influenciar tudo o
que também recebia dessa mesma irradiação para baixo.
Depois desse corte no anel de irradiações ficou faltando um mediador nessa parte
da criação, “na cópia do templo”, onde Amfortas atuava como guardião mediador
da Luz proveniente de Parsival.
Depois dessa ocorrência o Espirito-Criado e a Criação-posterior se encontravam
sem um mediador, porque Anfortas não atuava mais como guardião do Graal na
cópia do templo do Graal nesse limite. A consequência dessa ocorrência, acabou
por provocar a interrupção temporária no fluxo de irradiações proveniente de
cima, ou seja, do Espirito-Primordial. O efeito desse corte se elevou como uma
súplica a Parsival através de Loheragrin, fazendo com que ele solicitasse por
auxilio.
Diante dessa ocorrência é que houve a necessidade de Imanuel/Parsival preparar
um novo guardião mediador que pudesse conter o derrame no fluxo de irradiação
e auxiliar os espíritos humanos em desenvolvimento na Criação-Posterior, foi só
a partir de então, que Parsival fez a promessa.
A promessa era de primeiro preparar um novo guardião mediador para ocupar o
lugar de Amfortas e somente depois é que seria possível a esse mesmo guardião,
auxiliar o espirito humano em desenvolvimento nas matérias, porque Amfortas
fora deposto da função de mediador nessa primeira cópia do templo do Graal.
Foi somente a partir dessa ocorrência que Parsival cumpriu então a promessa de
percorrer as criações, o que ocorreu através do escolhido de Parsival, ou o querer
de Parsival, conforme fora esclarecido na Mensagem do Graal.
Porém antes do escolhido de Parsival como novo mediador ocupar essa função,
fora necessário colocar no lugar de Amfortas um Guardião mediador temporário
que pudesse conter o mais rápido possível o derrame no fluxo de irradiação.
Cristo foi, portanto, esse mediador escolhido temporariamente, ele ocupou essa
função de mediador temporário até que o novo mediador estivesse preparado
para ocupar definitivamente essa função.
Eis a razão de Cristo também ter vindo até a terra para auxilio e proteção ao
espirito humano da Criação-Posterior.
Sua vinda não estava inicialmente prevista “a vinda de Cristo”, mas fora
necessária para auxilio e proteção ao espirito humano da Criação-Posterior, ainda
antes do inicio do Juízo final para poder auxiliar ainda em tempo a humanidade
da terra.
Portanto, se Jesus não tivesse vindo em caráter de urgência para auxiliar o
espirito humano antes da vinda do Filho do Homem no solo Austríaco, o espirito
humano da Criação-Posterior e da terra, teriam sucumbido ao principio tentador
de lúcifer. Essa foi à verdadeira finalidade da vinda de Cristo a terra e dessa
forma, fora dado ao espirito humano da parte de Èfeso da Criação-Posterior, mais
uma possibilidade de salvação antes do juízo Final, do contrário o espirito
humano não teria mais essa possibilidade.
Portanto, são dois grandes acontecimentos colossais, os quais estavam
relacionados à missão de Cristo; o primeiro era de ocupar a função de mediador
temporário no lugar de Amfortas e o segundo de auxiliar o espirito humano na
terra de matéria grosseira. Essa foi, portanto, à verdadeira razão de Cristo ter
assumido essa posição como mediador temporário no lugar de Amfortas, bem
antes de sua vinda a terra, pois, a principal missão de Cristo foi de primeiro
restabelecer esse corte no anel de irradiações, ocupando o lugar de Amfortas até
que o raio de irradiação de Parsival, ou seja, “o Filho do Homem” pudesse se
desenvolver na forma e ser preparado para assumir essa posição de “Eterno
mediador definitivo”.
Portanto, era necessário urgentemente primeiro restabelecer a ligação através de
um mediador temporário para ocupar imediatamente o lugar de Amfortas nessa
parte da criação, e depois ainda auxiliar os espíritos humanos da criação-
Posterior e esse foi “Cristo” que passou a ocupar temporariamente essa função
de mediador.
Todos esses acontecimentos foram esclarecidos em conceitos básicos na
Mensagem do Graal, dissertação sobre os “Planos espíritos primordiais” a
respeito da missão de Parsival na Criação, onde o Senhor esclareceu que a
missão de Parsival para a Criação e Criação Posterior fora cumprida em três
grandes etapas de acontecimentos colossais, os quais deveriam ser interpretados
de maneira individual em suas respectivas épocas, assim como também a
necessidade da missão de Cristo.
Abdruschin não entrou em detalhes sobre a verdadeira missão de Cristo, por se
tratar de um acontecimento de Amor a parte, mas que em um futuro próximo ele
ainda falará sobre a missão de Cristo e de toda trajetória pela qual ele percorreu
para chegar até os limites da matéria grosseira da terra.
Portanto, toda essa trajetória dos dois enviados da Luz, “Jesus e o Filho do
Homem” Já se encontra na fase final desse processo, porque, todas essas etapas
as quais estavam previstas, já foram cumpridas através do Filho do
Homem/Abdrushin no Egito, “vide Livro A vida de Abdruschin”, de Jesus em
Jerusalém, “vide livro, Jesus o Amor de Deus” e do Filho do Homem/Abdruschin
na Alemanha, “vide documentos escritos sobre a vida de Abdruschin na
Alemanha” e da “Mensagem do Graal, Na Luz da verdade”. E hoje após o
cumprimento de todas essas etapas, inclusive das partes do universo material, as
quais já foram julgadas, com exceção da parte da terra de Èfeso, que por ser o
último baluarte de luz, ou o final da irradiação da luz, será o último ponto dessa
parte do universo a passar por esse processo do Juízo final.
No trecho abaixo o Senhor deixou claro sobre o final desse processo, o qual será
finalizado pelas irradiações da Trindade Divina e do Grande cometa.
A Terra foi nesse caminho o ponto decisivo como limite extremo da matéria
grosseira, porque através da espécie espiritual de poucos seres humanos ainda
ofereceu um ancoradouro para isso e por essa razão pode ser salva
conjuntamente como último planeta, muito embora já pertença ao reino das
trevas. Aquilo que jaz ainda mais baixo do que a Terra, portanto mais envolto
pelas trevas, será abandonado à decomposição, a que serão submetidas todas as
trevas com tudo aquilo que elas mantêm agarrado.
A Terra ficou sendo, por conseguinte, o último baluarte da Luz em terreno
inimigo. Por isso se encontra ancorado aqui também o ponto final da Luz.
Quanto mais esticada ficar dia a dia a linha direta da trindade da atuação
da Luz: Imanuel – Parsival – Abdrushin, tanto mais perceptível e visível se
tornará o efeito da força da vontade divina, a qual estabelece a ordem e
endireita novamente à força tudo o que a humanidade entortou, isto é, até onde
se deixar endireitar. Aquilo que não se deixar endireitar terá de quebrar. A
força da Luz jamais admite um meio termo.
Somente na tensão direta dessa linha da Luz o mundo estremecerá com a
força divina, e a humanidade reconhecerá então Imanuel em Abdrushin!”
Dissertação Faça-se a Luz!
Eis a razão pela qual o Reino fora prometido, o qual estava previsto para ser
implantado logo após esse evento do Juízo final, por tratar-se de um “Reino de
Mil anos na terra”, que terá inicio e fim e para o qual fora definido mil anos de
existência, prazo esse definido pelo próprio Senhor como tempo destinado ao
verdadeiro desenvolvimento daqueles seres humanos que restarem depois do
fechamento do ciclo do Juízo. Mil anos foi o novo prazo destinado à humanidade
da terra, como tempo de aprendizado.
Muitos querem colocar em xeque essa promessa, mas querer colocar em xeque
uma promessa de tamanha grandeza expressa por um Filho do Deus é como
querer esconder-se atrás da própria estupidez, ou querer sobrepor-se a própria
vontade Criadora. Uma promessa de tamanha grandeza, jamais poderia ser
colocada em xeque por um espirito humano em desenvolvimento, por tratar-se de
uma promessa proveniente de Deus e não de um ser humano.
Sobre isso o Senhor já expressou em sua palavra ao se referir que a palavra de
Deus não é Palavra humana, pois, a palavra de Deus é perfeita desde a sua
origem e cumpre-se independente da forma como o espirito humano tentar
interpretá-la, para com isso alimentar a própria satisfação e cobiça.
Por isso, diante de tais afirmações ditas por alguns adeptos e acreditada por
outros, é possível afirmar que nenhum espírito humano poderá estar acima da lei,
ou seja, nenhum espírito humano pode estar acima da vontade de Deus, para com
sua vontade querer sobrepor-se a vontade criadora.
Disse o Senhor
É exatamente a imutabilidade da vontade divina, em sua perfeição, que exclui
uma intervenção arbitrária de Deus na Criação. Mas é também ela que após a
queda de Lúcifer, por causa de seu procedimento falso,* não pode excluí-lo
simplesmente, e do mesmo modo tem de permitir um abuso das leis naturais, da
vontade divina, por parte dos seres humanos, visto que ao espírito humano fica
reservada a livre decisão devido à sua origem, proveniente do eterno espírito-
enteal-Criado.*
Como o Criador nada pode alterar na perfeição de Sua vontade, assim também
observará rigorosamente as leis existentes nesses auxílios. Com outras palavras:
Sua vontade é perfeita desde os primórdios. Cada novo ato de Sua vontade
evidentemente também será perfeito. Isso condiciona que cada novo ato de
vontade proveniente Dele também tem de trazer em si, exatamente, as mesmas
leis como as já precedentes. A consequência disso é novamente a inserção exata
no fenômeno de desenvolvimento do mundo de matéria fina e grosseira.
Palavras do Senhor: Fenômeno universal
E sobre essa promessa, há mesmo muitos adeptos que se consideram até mesmo
muito superiores, inclusive, querendo com o seu querer saber melhor mais do que
o Próprio Senhor, pois, se o Senhor prometeu que ele pessoalmente fundaria o
“Reino do milênio”, isso significa que essa promessa terá de cumprir-se. O que
não é possível é prever o tempo exato em que esse reino terá inicio, pois, não está
nos designíos da vontade do espirito humano, mas da vontade Criadora de Deus.
Como nesse caso especifico esse reino refere-se ao reino do milênio na terra,
conforme prometido pelo próprio Senhor na Mensagem do Graal, é preciso saber
que sua implantação só poderá ocorrer através do Próprio Filho do Homem
prometido, que de acordo com a Mensagem do Graal é o único que cumpre a
vontade criadora de Deus como eterno mediador na Criação e por isso o único
que poderá implanta-lo.
Porém antes que o grande reino de paz do milênio possa ser implantado, há uma
condição pré-determinada pelo próprio Senhor para esse inicio, e essa condição
está expressa no trecho da Mensagem do Graal abaixo; Vamos juntos fazer mais
uma análise, lendo os parágrafos abaixo:
Disse o Senhor:
Antes, porém do grande reino de Paz, “tudo deve tornar-se Novo”
Na realização da promessa, “tudo deve tornar-se Novo”, não se encontra o
sentido de transformação, mas de uma nova formação após o desmoronamento
de tudo quanto o espírito humano entortou e envenenou. E visto nada existir
que o ser humano, em sua presunção, ainda não tenha tocado nem
envenenado, assim tudo tem que ruir, para então se tornar novo, mas não
segundo a vontade humana, como até agora, e sim segundo a vontade de Deus,
que nunca foi compreendida pela alma humana corroída devido á vontade
própria.
Mas há quem diga que por conta do falhar de quase todos os 144.000 convocados
“com exceção dos duzentos que se mantiveram fiéis” o Senhor retirou todas
essas afirmações e que o Reino do Milênio não será mais instituído; Porém, na
minha compreensão, isso não passa de uma interpretação equivocada, e querer
afirmar a impossibilidade da implantação do Reino Milênio só por conta do
falhar dos convocados. Essa não é uma interpretação coerente com a palavra da
Mensagem do Graal.
“Cavaleiros, Apóstolos, Discípulos e portadores da Cruz de Ouro” e de prata na
época do Senhor na Alemanha/Áustria, contribuíram decerto com sua morte
prematura e decerto também contribuíram para que o final do Juízo e o Reino do
Milênio não se processassem no tempo previsto para isso, porém, jamais esse
acontecimento poderia impedir a realização de um evento de tamanha grandeza e
de ordem universal, determinado pela vontade de Deus, o qual não abrange
apenas a terra de matéria grosseira, mas todas as sete partes do universo Material,
as quais já foram inclusive julgadas. Portanto, mesmo com o Falhar daqueles
convocados, o Juízo e sua conclusão final na terra para o inicio do reino do
milênio, jamais poderiam deixar de ser concluídos, pois, era uma promessa de
Deus e não de espíritos humanos.
Diante do esclarecimento acima, podemos afirmar que só o Filho do Homem
pessoalmente poderia nos proporcionar a instituição do Reino do Milênio
conforme trecho abaixo extraído da dissertação “A chama do discípulo”.
Assim foi providenciado pela Luz. Hoje vedes apenas indícios disso e por essa
razão ainda não podeis formar um quadro completo; virá, porém, o tempo em
que ficareis admirados e vereis que já hoje estava constituído precisamente todo
o alicerce para isso e que só falta colocar algumas pedras nos lugares ainda
vazios por aqueles discípulos, que ainda serão convocados, para terminar a
magnífica obra de mosaico, sobre a qual deverá fundamentar-se o grande Reino
de Paz do Milênio, que está prometido por Deus, e que só por Deus pode ser
criado, nunca pela espécie humana, mesmo que muitos seres humanos se
considerem escolhidos para tal.
Palavras do Senhor – A Chama do discípulo
Em todos estes casos a ausência do sucesso, no momento em que tal ser humano
julga tê-lo alcançado, provará que foi apenas um ser humano que tentou
alcançá-lo!
Tudo isto vivenciareis agora. Por essa razão olhai em redor de vós e despertai, ó
seres humanos! Rogai a Deus, com humildade pura, pelo auxílio tão
ardentemente almejado. Não confieis no raciocínio humano, mesmo se ele vos
prometer, com palavras altissonantes, um paraíso. Só Deus, unicamente, vo-lo
poderá dar e ninguém mais em toda a Criação! Dirigi-vos a Ele, pois Sua
Sagrada Palavra quer cumprir-se em vós!
Depois, porém, os seres humanos cumprirão aquilo que é seu dever na
Criação. Virão a ser o elo, pela sua capacidade de haurir do espiritual, isto é,
deixar-se-ão guiar pela intuição purificada, transmitindo-a para a matéria
grosseira, para o que é terreno, servindo-se então do intelecto e das
experiências adquiridas apenas como ferramentas, de modo a, contando com
todas as coisas terrenas, aplicar tais intuições puras na vida grosso-material,
com o que toda a Criação de matéria grosseira será constantemente beneficiada,
purificada e elevada. Através disso, nos efeitos recíprocos, pode também algo
mais sadio refluir da matéria grosseira para a matéria fina, surgindo então um
mundo novo, uniforme e harmônico. Os seres humanos, porém, tornar-se-ão,
no cumprimento acertado de sua atuação, os tão desejados seres completos e
nobres; pois também eles, pela sintonização adequada na grande obra da
Criação, receberão forças bem diferentes do que até agora, que os deixarão
intuir permanentemente contentamento e felicidade.
Palavras do Senhor - O mistério do nascimento
Hoje, contudo, estamos finalmente perto da hora em que surgirá o próximo
grande período na Criação, que será de progresso incondicional e trará o que já
o primeiro período com a encarnação do ser humano devia trazer: o
nascimento do ser humano pleno e espiritualizado!
Do ser humano que atua favorecendo e enobrecendo em toda a Criação de
matéria grosseira, como é a verdadeira finalidade dos seres humanos na Terra.
Então não haverá mais lugar para o materialista acorrentado ao espaço e
tempo, que retém tudo embaixo. Será um estranho em todos os países, um
apátrida. Secará e desaparecerá como o joio que se separa do trigo. Atentai para
que não vos encontreis demasiado leves nessa separação!
Palavra do Senhor: A criação do Ser humano
E surgirá paz, alegria, porque tudo quanto perturba será removido da Terra à
força e mantido afastado no futuro. A isso pertence agora, em primeira linha, a
criatura humana. Pois unicamente ela trouxe a perturbação na Criação e na
Terra. Mas de determinada hora em diante um perturbador não mais
conseguirá viver nesta Terra.
Isso será realizado pela alteração das irradiações, que chegará a efetivar-se
através da estrela do Filho do Homem, “o Grande cometa”. A paz será imposta,
não presenteada, e a manutenção da paz, então, exigida de modo rigoroso e
implacável!
Assim será o reino da paz e da alegria, o reino de Deus na Terra, no qual o ser
humano terá de ser destituído do domínio de sua vontade, que até agora lhe foi
permitido, uma vez que ele, como espiritual entre os desenvolvidos nesta Terra,
como a criatura mais elevada, também tem de dominar, correspondendo
incondicionalmente às leis primordiais da Criação.
Assim, o Reino dos Mil Anos será uma escola para a humanidade, onde
deverá aprender como tem de se portar nesta Criação posterior, de que
maneira pensar e agir, para cumprir corretamente a missão que lhe compete e
assim ser feliz!
Para tal finalidade, fica a vontade humana, em sua função dominadora,
impedida na Criação posterior por mil anos, depois que no Juízo for destruído o
que ela semeou e conduziu erroneamente!
Durante mil anos imperará somente a vontade de Deus, a que todo espírito
humano tem de se sujeitar, assim que conseguir passar no Juízo!
“Hoje ninguém quer admitir que haja nisso uma exigência! A expressão “Reino
de Deus na Terra” não deve ser compreendida de outra forma senão que nele
reina somente a vontade de Deus, totalmente incondicional e imutável! Que a
vontade dos seres humanos e seu desejar tenham, finalmente, que se orientar
inteiramente de acordo com a vontade de Deus!
Reflitam, pois, seriamente sobre as palavras acima, a condição essencial para
implantação do grande reino de paz do milênio é de que tudo antes tem de tornar-
se novo. Portanto não será um Reino alicerçado na base do velho, mas alicerçado
completamente sobre uma nova base depois que ruir o velho.
Uma outra comprovação de que o Reino do Milênio, também denominado pelo
Senhor de: Reino da Paz de Mil Anos ou Reino de Deus do Milênio etc., só
poderia ser instituído por Ele está também expresso nos parágrafos abaixo:
“Quando os seres humanos, devido aos graves acontecimentos, ficarem
desanimados, desesperados e exaustos, pequenos, bem pequenos, então terá
chegado a hora em que ansiarão pelo prometido Enviado de Deus e o
procurarão! E quando souberem onde ele se encontra, enviarão, como outrora,
mensageiros. Contudo, estes não trarão dentro de si, então, pensamentos de
destruição e de ódio, mas sim, através deles, a humanidade virá dessa vez
exausta, humilde, suplicante e cheia de confiança em direção daquele que foi
escolhido pelo Supremo Dirigente de todos os mundos para libertá-los do
banimento; daquele que lhes traz ajuda e libertação das aflições, tanto
espirituais como terrenais.
Também esses mensageiros perguntarão. E assim como outrora o Filho de
Deus, no Getsemani, pronunciou as palavras: “Eu o sou!”, com o que o carma
da humanidade teve início, de igual maneira o Enviado de Deus responderá
com as mesmas palavras: “Eu o sou!”, e com isso dissolver-se-á, então, o pesado
carma da humanidade. As mesmas palavras, que fizeram rolar a grande culpa
sobre a humanidade cheia de ódio daquela época, retirá-la-ão novamente com
a mesma pergunta da humanidade, que chega agora receosa e, contudo,
confiante e suplicante.
O movimento circular desse carma é imenso e, no entanto, conduzido de
modo tão firme e exato, que as profecias se cumprirão nele. E desde o momento
em que essas palavras forem pronunciadas para a humanidade, pela segunda
vez por um Enviado de Deus, toma a direção ascendente. Só então se inicia, de
acordo com a vontade do Supremo, o Reino da Paz, não antes!”
Palavras do Senhor: Filho de Deus e Filho do Homem
O Senhor, o “Filho do Homem” ainda não pronunciou pela última vez, portanto,
as palavras: “está consumado!”, porque ainda não ocorrera o fechamento do
juízo, o qual só ele presente na terra poderia ter proferido a sentença “está
consumado”, e esse pronunciamento previsto para aquela época só não ocorrera
por causa do falhar dos convocados, os quais em sua maioria entre os 144.000
não compareceram e os poucos que estavam presentes, ainda falharam conforme
tantas vezes o Senhor alertou na Mensagem. Porém essa falha não determinou a
sentença final do Juízo e nem com isso eliminou o carma da humanidade, foi
apenas temporariamente adiado!
Alguns adeptos até acreditam que ele tenha pronunciado a sentença: “Está
consumado!”, mas, onde está escrito sobre esse acontecimento, na “Mensagem
do Graal?” ou em outras dissertações das ressonâncias ou escritos que possam
comprovar que essa sentença fora proferida? Se essa sentença já tivesse sido
proferida eu poderia acreditar que o Reino da Paz já houvesse iniciado, pois essa
era uma das condições para o inicio. Diante disso eu vos pergunto: já iniciou?
Estamos a vivenciar hoje na terra o pleno Reino do Milênio? Da maneira como a
humanidade hoje vive, é possível acreditar que vivemos um reino do milênio?
Devemos então refletir, levando em consideração que o Reino do
Milênio ainda não começou, pois, o senhor deixou claro na Mensagem as
condições preliminares para esse inicio.
Se, portanto, ainda não começou é porque o Juízo ainda não findou e o “Filho
do Homem” ainda não pronunciou as palavras “está consumado” Essa foi a
condição expressa por ele na Palavra, que a condição para o inicio do Reino do
Milênio era de que o Juízo final tinha que se fechar primeiro e o fechamento só
poderia ocorrer após o proferir da sentença “está consumado” pelo Filho do
Homem.
Continuemos, pois, a refletir. Quando ele poderia pronunciar as palavras “está
consumado” se ele não se encontrava mais aqui na Terra? Por isso a necessidade
da sua presença novamente na terra para o fechamento do ciclo do Juízo e o
inicio do reino do Milênio.
Diante dessa nova possibilidade, muitos adeptos da Mensagem do Graal
passaram a receber novos anúncios sobre o seu nascimento e sobre o seu retorno
a este planeta Terra e que agora no presente só está aguardando pelo fim
da purificação para mostrar-se à humanidade.
Outra prova evidente de que o reino do milênio só poderá ser implantado por ele
está nesse outro trecho abaixo:
“Somente o espiritual evoluiu para o lado errado, para a perturbação da
harmonia. É lhe concedido agora, depois do Juízo, mais uma vez um prazo para
a modificação, por meio do “Reino do Milênio desejado por Deus”. Se até aí não
conseguir alcançar a sua absoluta firmeza para o bem, então o espiritual terá de
ser recolhido novamente até aquele limite, onde não poderá se desenvolver para
a autoconsciência, a fim de que finalmente reinem a paz e o júbilo para as
criaturas nos reinos de Deus!”
Palavra do Senhor: O Enteal!
O senhor prometera que “A própria Vontade de Deus, ou seja, “o Filho do
Homem”, estaria entre os seres humanos durante o Juízo, para que ele mesmo
pessoalmente através de um raio Inenteal Divino pudesse desencadear
automaticamente o Juízo através de um rápido desfecho, para governar então, ela
própria, ou seja, “O Filho do Homem” também a nova estruturação para a bênção
de todas as criaturas, de toda a Criação, para que a humanidade aprenda com isso
no vivenciar!
O senhor esclareceu que somente com a elevação da Terra, é que terá inicio o
Reino do Milênio, não antes.
E para que isso venha ocorrer, será necessário primeiro o fechamento do Juízo
conforme já estava previsto, porque esse evento final fazia parte dos
acontecimentos que antecederiam o Reino do milênio.
Portanto, a própria Vontade de Deus estará presente na terra para iniciar o
evento do Reino do milênio, o qual permanecerá sobre sua condução durante 33
anos. Somente após esse tempo de preparação e enquadramento da vontade
humana á vontade de Deus através da palavra do Filho do Homem, é que findará
o tempo destinado a missão do Filho do Homem e iniciará o tempo para atuação
na terra do Guardião do Graal, aquele que fora prometido e que assumirá então a
direção do Reino do Graal na terra, durante o intervalo de tempo restante dos mil
anos.
Portanto, somente depois do tempo previsto na lei para a missão do Filho do
Homem na terra é que terá inicio a missão do primeiro Guardião do Graal que o
substituirá, quando chegar o tempo para isso, esse guardião do Graal será um
espirito humano do Espiritual-Criado do Paraíso convocado pelo próprio Filho
do Homem atuando na irradiação da Justiça, para continuar com o governo
iniciado por ele na Terra durante os mil anos.
Conforme fora prometido pelo próprio Senhor, esse Guardião será sempre
um espirito humano do Espiritual-Criado. Esse guardião, já pela sua espécie,
atuará em ligação direta com um outro guardião mediador “ que já está preparado
para essa atuação no Paraíso dos espíritos-Criados e em ligação com outro criado
que já se encontra no quarto plano dos Espiritos-Criados.
Como sabemos através da Mensagem, foram escolhidos sete espíritos do
Espiritual-Criado onde tem origem o espirito humano, irradiando na justiça, para
atuar em ligação com o raio Inenteal do Filho do Homem, o primeiro desses setes
espíritos, já se tornou conhecido através da Mensagem do Graal, o qual cumpriu
duas missões na terra em ligação temporária com o raio do Filho do Homem,
seus nomes terrenos em suas duas missões na terra foram Omaram e Oskar.
Omaram/Oskar como o primeiro dos sete guardiões, após sua última missão
terrena na Alemanha/Áustria, a qual cumpriu fielmente, fora erguido para o
quarto plano do Espiritual-Criado, ele ultrapassou os limites do paraíso em
direção ascendente e passou a atuar agora no quarto plano, na cópia da Ilha da
Justiça, em ligação com o Filho do Homem que agora já se encontra como eterno
mediador no Burgo do Graal entre o Reino do Espirito-Criado e o Reino do
Espirito-Primordial.
O Reino do milênio na terra será, portanto, depois da partida do Filho do
Homem da terra depois de sua missão terrena, dirigido a cada geração posterior,
por um desses Guardiões vindos do paraíso, origem do germe espiritual humano.
Cada um desses guardiões atuará na terra em ligação com a corrente de
mediadores acima no espiritual-Criado, desde a última cópia do Burgo do Santo
Graal do Paraíso no Espiritual-Criado e em direção ascendente em ligação com
Oskar no quarto plano na Ilha da Justiça até o Burgo do Graal onde se encontra o
Filho do Homem, “o eterno mediador”.
Esses Guardiões já são espíritos Criados conscientes e já estão
preliminarmente preparados para atuar no raio de irradiação da justiça, do “ Filho
do Homem”, a Vontade de Deus na Criação, o eterno mediador.
Será sempre um Guardião vindo do Burgo do Graal do paraíso no Espiritual-
Criado, porque esses já estão preparados para atuar nessa ligação como polos
receptores do raio Inenteal do Filho do Homem de forma temporária, porque o
Próprio Filho do Homem não poderia atuar diretamente na terra de matéria
grosseira como único governante, eis a razão pela qual foram preparados sete
espíritos no Espiritual-Criado para atuarem em ligação temporária com o raio
Inenteal do Filho do Homem, ligações essas que só se efetivarão nas épocas das
solenidades da irradiação da força no dia da Pomba sagrada e nas épocas grandes
das grandes realizações na terra.
Dessa forma haverá sempre entre os sete, um Guardião substituindo o outro
na terra de matéria grosseira para cada sucessão, para que não haja mais falha por
parte de um Guardião. Portanto, durante o Reinado dos Mil Anos na terra, haverá
sempre um Guardião do Graal presente na direção de todos os povos da terra
durante o Reino do milênio, formando assim o ciclo completo, tanto para baixo
como para cima, essa é a verdadeira finalidade do Grande reino de Paz do
Milênio, restabelecer também o elo de ligação do Anel de irradiações na Criação
posterior até a terra de matéria grosseira. Agora com o Filho do Homem atuando
já como eterno mediador no limite de saída entre o Espirito-Criado e o Espirito-
Primordial na cópia do Templo do Graal localizada nesse limite como a primeira
cópia do Burgo do Graal abaixo do Espirito-Primordial, copia essa onde antes da
queda de Lúcifer, se encontrava o Guardião Amfortas.
Somente após os mil anos, é que o espirito humano na terra passará por um
novo exame e encerrará o ciclo de desenvolvimento nessa parte da terra de Èfeso,
assim como das sete partes do universo material. Isso se dará quando a terra que
pertence à parte de Èfeso se aproximar do seu ciclo final. Até lá a humanidade já
deverá ter retornado ao Paraíso, se isso não ocorrer, ou seja, se a humanidade
incorrer novamente em falhas, então a terra deixará de existir como planeta,
deverá ser recolhida, conforme o Senhor expressou no trecho abaixo:
Caso advenha depois ainda uma falha, como até agora, então a humanidade
tem de contar com a aniquilação total!
Será durante esse período de mil anos, que a nova humanidade, deverá
aprender a vivenciar de forma rigorosa sempre respeitando em primeiro plano, as
leis primordiais da Criação, para que dessa forma ela possa vivenciar plenamente
no cumprimento de seu dever como espirito humano na Criação-Posterior, o de
tornar-se autoconsciente.
Assim é o Reino dos Mil Anos e sua finalidade! A humanidade, em sua
presunção e na ilusão de sua importância, imaginou isso de forma muito
diferente. Mas aprenderá e terá de vivenciar como é realmente!”
Palavra do Senhor: O Reino de Mil anos
Um Servo da Luz

Você também pode gostar