Você está na página 1de 95

Este material é gratuito.

Você pode e deve compartilhar enviando-o


para quem desejar. Não é permitido copiar o conteúdo parcialmente
nem modificá-lo. Mesmo sendo gratuito, este material é propriedade
intelectual do autor, protegido pela Lei n.º 9.610/98.

Cristiano Marques – Analista de Sistemas SAP, sênior no módulo SAP SD


e em programação SAP ABAP/UI5. Autor do site UI5 Brasil. Tem
fomentado a capacitação das pessoas através de seus Cursos e
Treinamentos de formas On-Line (Via internet para todo o Brasil e o
restante do mundo) e Presenciais (Em cidades como Curitiba e Belo
Horizonte), bem como por meio de instrução individual On-Line (Via
internet). Com sua experiência e determinação já beneficiou e continua
beneficiando empresas e profissionais SAP no mundo inteiro, com
capacitação e atendimento em SAPUI5.
Formado em Licenciatura da Computação pelo UNASP-SP. Sólida carreira
em consultoria, tendo participado de projetos nacionais e internacionais
de implementação, migração, manutenção e rollout de sistemas SAP ERP.

Contato: cristiano.marques@gmail.com
Linkedin: https://www.linkedin.com/in/cristianosantos1/

2
CURSO BÁSICO DE SAP FIORI -
A Nova Experiência do Usuário (UX) dos sistemas SAP
ui5brasil.com.br
cromosit.com.br

Aplicável para seguintes questões:

• Aplicativos Standard • Links Externos


• Aplicativos Customizados (Z´s) • Programas WebDynpro
• Transações WebGUI

Última atualização: 13 de fevereiro de 2020

O SAP Fiori, o SAP S4/HANA e as telas do sistema apresentadas neste


livro são propriedades da empresa SAP SE.

3
Conteúdo
1 - Mensagem Importante .............................................................................. 7
2 - Eu Conheci a Tecnologia SAP Fiori e SAPUI5 ......................................... 8
3 - Como a Internet funciona ........................................................................12
4 - Introdução ao SAP Fiori ...........................................................................13
4.1 - Design Guidelines ..............................................................................15
Princípios de Design ...............................................................................15
4.2 - Arquitetura de alto nível – Landscape .............................................16
4.3 - Tipos de aplicação .............................................................................18
Transacionais ..........................................................................................18
Factsheet..................................................................................................18
Analíticas ..................................................................................................19
5 – Conhecendo o SAP Fiori Launchpad ....................................................20
5.1 – Versões do Launchpad ....................................................................20
SAP Fiori 2.0.............................................................................................20
SAP Fiori 3 ................................................................................................21
5.2 – Seções do Launchpad ......................................................................22
5.2.1 - Me Area .........................................................................................22
5.2.2 - App Finder ....................................................................................24
5.2.3 - Notification Center.......................................................................25
5.3 - Elementos do SAP Fiori Launchpad .................................................25
5.3.1 - Tiles (blocos) ................................................................................25
5.3.2 - Target Mappings ..........................................................................26
5.3.3 - Catálogos......................................................................................26
5.3.4 - Grupos ...........................................................................................27
6 - Configurações do sistema ......................................................................28
7 - Gestão do Usuário e Autorizações .........................................................29
8 - Tutorial: Instalação de aplicativos Standard .........................................31
Passo 1: Localizar manual de implantação do aplicativo ......................32

4
Passo 2: Instalando add-ons do aplicativo ..............................................33
Passo 3: Ativar serviço ICF ........................................................................34
Passo 4: Ativar serviço oData ...................................................................36
Passo 5: Manutenção de catálogos .........................................................38
Passo 6: Adicionar Blocos .........................................................................41
Passo 6.1: Adicionar Blocos por Referencia ........................................41
Passo 6.2: Adicionar Blocos manualmente ..........................................44
Passo 7: Manutenção de grupos ..............................................................44
Passo 8: Criação de função PFCG para catálogos de grupos ...............47
Passo 9: Atribuição de função de aplicativos a usuário front-end........49
Passo 10: Atribuição de Autorização de acesso ao Launchpad ...........50
Passo 10.1 – Criar função de acesso ao Launchpad ..........................50
Passo 10.2 – Atribuir função ao usuário ..............................................54
Passo 11: Atribuição de Autorização RFC a Usuários ............................56
Passo 12: Criação Função PFCG no Back-End para serviços oData ....58
Passo 12.1 – Localizando perfil genérico de autorização para todos
serviços oData .........................................................................................58
Passo 12.2 – Localizando Nome do Serviço oData para adição
manual ......................................................................................................60
Passo 12.2 – Cadastrando Nome do Serviço oData na função PFCG
...................................................................................................................61
Passo 13: Atribuição Funções aos Usuários no Back End ....................65
Passo 13.1 – Testando o aplicativo ......................................................65
9 - Tutorial: Tiles (Blocos) e Target Mappings ...........................................68
Passo 12: Criação Objeto Semântico .......................................................68
Passo 13: Criação de atribuição de destino ............................................69
Passo 13.1: Configurações para aplicações URL ................................71
Passo 13.2: Criação do bloco do aplicativo .........................................72
Passo 13.3: Adição de bloco do aplicativo no grupo ..........................74
Passo 14: Configurações para transações WEB GUI .............................76
Passo 15: Configurações para SAPUI5 Fiori Apps .................................79
5
Passo 16: Configurações para apps Fiori baseado em LPD_CUST ......85
Passo 16.1 – Consultando configuração LPD_CUST de app já
configurado ..............................................................................................85
Passo 16.2 – Criando nova configuração LPD_CUST .........................87
Passo 17: Configurações para apps Web Dynpro...................................92
10 - Cursos e Treinamentos para o Público em Geral e Para Profissionais
.........................................................................................................................94
11 – Mais Material Gratuito..........................................................................94

6
1 - Mensagem Importante

O sistema SAP S/4HANA vem produzindo resultados


surpreendentes e este curso trará, indiscutivelmente, benefícios
extraordinários para todos os alunos. Além disso, cresce a cada dia o
número de tecnologias criadas pela SAP, empresas implantando essas
tecnologias, e evidências da eficácia dessas tecnologias na condução
dos negócios da empresa.

Apesar disso, os profissionais SAP em geral devem assumir total


responsabilidade pelo uso da técnica descrita nesse manual, bem como
consultar profissionais da área de TI mais capacitados quando tiverem
algum problema técnico.

Este material é parte integrante do curso online que ministro e você


pode compartilhar com quem bem entender, e começar a aprender o SAP
S4/HANA através dele. No entanto, por mais simples e eficaz que seja,
sempre haverá dúvidas, e casos onde você vai se perguntar por que não
se atingiu o resultado esperado. E para tudo tem uma resposta.

Esse manual tem um conteúdo básico sobre o método, mas a


tecnologia vai muito além do que está aqui. Participando dos cursos, a
compreensão fica mais fácil e se aprofunda. Além da parte teórica,
fazemos exercícios práticos de SAPUI5 em grupo, todo mundo praticando
cada qual para o seu tema de maior interesse/dificuldade (SAP Gateway,
ABAP, oData, JavaScript). Há demonstrações de aplicações de casos de
uso reais. Assim, todos podem sentir os efeitos da técnica em seu dia a
dia, para os mais diversos tipos de projetos.

Essa experiência facilita bastante o aprendizado e amplia a visão


sobre a tecnologia. Dessa maneira, você verá o SAPUI5 funcionar tão bem
em tantos tipos diferentes de cenários que será impossível negar a
eficácia da tecnologia. Agora, aproveite bem o curso!

7
2 - Eu Conheci a Tecnologia SAP Fiori e SAPUI5

Antes de chegar ao momento em que conheci essa incrível


tecnologia capaz de criar aplicativos para tablets e celulares em poucos
minutos, vou contar, de forma resumida, um pouco da minha trajetória e
da mudança radical que fiz de profissão saindo da analise funcional e me
tornando programador.
Me formei em Licenciatura da Computação no Centro Universitário
Adventista de São Paulo no ano de 2007. Desde adolescente, quando tive
acesso ao meu primeiro computador (Pentium 2 com Windows 95 e
internet discada a 56Kb por segundo) eu descobri que queria trabalhar
com informática e ser programador de sistemas. Na faculdade estudei
linguagens de programação como C++, Python, Java, Visual Basic e
Pascal (vulgo “Delphi”).
Em 2006, ainda antes de me formar na faculdade, conheci o sistema
SAP e fiz uma academia ABAP na Consultoria Softtek, no Centro
Empresarial São Paulo – CENESP. Em Janeiro de 2007, entrei como
estagiário na consultoria Accenture, onde trabalhei até maio de 2011. A
vaga era para Analista Funcional do módulo SAP SD, para trabalhar com
suporte de primeiro nível. As vagas de programador ABAP já estavam
preenchidas, e aceitei a vaga porque ser estagiário em SAP na consultoria
Accenture era uma grande oportunidade profissional para quem estava
terminando a faculdade. Devido aos conhecimentos que eu tinha
adquirido na Academia ABAP, logo me destaquei tecnicamente e ajudei a
reduzir significativamente o backlog de chamados. Pois naquela época
os analistas funcionais não eram incentivados a aprender ABAP, e toda
vez que precisavam analisar o código fonte de um programa, solicitavam
auxílio de um programador do time ABAP. Eu consegui cortar essa etapa,
realizando analise do código fonte dos programas por conta própria.
Mais ou menos da metade para o final de 2008 declarei que gostaria
de trabalhar full-time como programador ABAP. Mas devido à crise
financeira de 2008, o cliente estava com problemas financeiros, e a
movimentação no time estava congelada. Então durante 2009 trabalhei

8
como programador ABAP part-time e a outra parte do tempo como
Analista funcional SD no segundo nível de atendimento.
Em Janeiro de 2010 foi possível realizar a conversão para
programador ABAP. De Janeiro de 2010 até maio de 2011 trabalhei full-
time como programador, quando saí da Accenture. Abri empresa e
trabalhei como programador ABAP no formato Pessoa Jurídica até Maio
de 2013. Atuei em diversos tipos de projetos: fábrica de software, rollout
internacional, implantação, migração. Atuei com GRC NFE e até com SAP
PI, configurando os cenários de comunicação com a Sefaz.
Neste período, trabalhei na consultoria Agile Solutions, que era uma
das pioneiras de SAP Hana no Brasil. Na época a Agile já atendia clientes
nos Estados Unidos, e enviou consultores brasileiros para aprender e
trabalhar com Hana nos EUA. Por muito pouco eu também não fui para os
Estados Unidos trabalhar com SAP Hana. Pelo jeito meu destino não era
esse.
Em 2012 eu estava atuando em implantação de SAP na Hering, em
Blumenau, onde começaram as primeiras conversas entre consultores
sobre SAP Fiori. Naquela época o SAP Fiori ainda era pouco conhecido, e
não tinha muita credibilidade entre os programadores, devido ao
insucesso do WebDynpro. Mas eu fiquei curioso e não descartei a
possibilidade de aprender.
Em maio de 2013, a consultoria Resource IT me deu a oportunidade
de escolher entre duas vagas: Programador ABAP com base em Itajaí-SC,
ou Analista Funcional SD com base em Curitiba-PR. Escolhi Curitiba
devido ao fato de ter parentes nessa cidade, logo por isso voltei a atuar
como Analista Funcional SD, em projetos de grande porte.
Mas o desejo de ser programador nunca me abandonou. No início
de 2014, já estávamos no boom da mobilidade, e eu comecei a estudar
programação para dispositivos móveis. Comecei com Android nativo,
utilizando a ferramenta MIT App Inventor.
Em 2015 foi um ano muito puxado para mim, pois eu era líder do
time de SD em um projeto de implantação do módulo SAP SD em uma

9
empresa de grande porte. Neste ano que ouvi falar de SAP S/4HANA, e
comecei a fazer os cursos básicos do OpenSAP.
Em 2016, já tendo mais conhecimento do que era S/4HANA, precisei
fazer uma escolha: estudar o back-end em ABAP, que já era território
conhecido, ou encarar o desconhecido, estudando o front-end em UI5
(que é uma biblioteca JavaScript). Naquele momento tive um
entendimento de que devia seguir o caminho do front-end. Porque não
havia ambiente SAP disponível para praticar ABAP 4 HANA, e para praticar
UI5 não era necessário ambiente SAP.
Então o ano de 2016 foi dedicado a aprender UI5 e JavaScript. Foi
bem difícil no começo. Muitos conceitos novos para quem está
acostumado com programação ABAP. Fiz cursos do OpenSAP, me
dediquei, e consegui construir algumas aplicações básicas.
E para minha sorte e alegria, mais para o fim do ano de 2016, a
consultoria criou um ambiente SAP interno para estudos. E juntamente
com o Basis, eu fiz a instalação e configuração de SAP Fiori neste
ambiente.
Depois de ter o ambiente configurado, fiz então todas as atividades
que eram possíveis: implantar aplicativo standard, configurar Fiori
Launchpad, hospedar aplicativo UI5 customizado, e enfim, praticar a parte
ABAP, na criação de serviços oData.
No primeiro semestre de 2017, no SAP Certification Day, fiz a prova
de certificação em SAP Fiori, e passei na prova. Assim obtive a
certificação SAP Certified Technology Associate - SAP Fiori
Implementation and Configuration [C_SAPXIMP_20]. Com a certificação
em mãos, no segundo semestre de 2017 saí da Resource trabalhei na
Fusion Consultoria como programador UI5. Nesta consultoria tive
oportunidade de praticar em projetos do cliente tudo o que eu tinha
estudado por conta própria em ambiente SAP de estudos. Fiz diversos
tipos de desenvolvimentos, e estes desenvolvimentos foram implantados
no ambiente produtivo. No fim de 2017 senti vontade de montar um curso
de SAPUI5, pois era, e ainda é, uma tecnologia em expansão.

10
No início de 2018 fui chamado para voltar para a Resouce IT, pois
vários projetos de SAP Fiori começaram a aparecer. De volta à Resource
IT, tive a oportunidade de participar de projetos cujo escopo era
justamente os assuntos que eu já tinha praticado no ambiente de estudos:
configuração de ambiente, implantação de aplicativos standard,
desenvolvimentos customizados. No segundo semestre de 2018 e todo o
ano de 2019 atuei em projetos de grande complexidade, onde pude
aprofundar os conhecimentos em SAPUI5 e formar uma base sólida para
ministrar esse curso que agora ofereço para vocês.
Bom, vou ficando por aqui, pois essa história em detalhes daria mais um
ebook!
Abraços!
Cristiano Marques

11
3 - Como a Internet funciona

Você recebeu este ebook pela internet, certo? Para que isso fosse
possível, uma sequência de passos tecnológicos foi executada. E esses
passos estão mostrados de forma resumida na imagem abaixo:

Você normalmente precisa de um programa navegador da Web


(browser), o endereço do documento que deseja ler ou a URL (Uniform
Resource Locator), e um servidor da Web em execução no sistema em
que o documento está localizado.
O browser é um software responsável por recuperar e apresentar
recursos na Web. O browser analisa a resposta HTML recebida da Web e
prepara uma Árvore DOM. DOM significa Document Object Model e é uma
convenção de representar objetos em HTML na tela, independente da
linguagem. O browser atua como uma interface entre você e a Internet.
Você pode solicitar um documento localizado em algum lugar deste
planeta, fornecendo seu endereço URL através do navegador, que envia
solicitações HTTP ao servidor da web. O servidor da Web envia uma
resposta HTTP, que é analisada pelo browser para que você possa
visualizar o documento em sua máquina.
Servidor Web é um programa que fica em um servidor físico e
aguarda solicitações de um cliente. Sempre que uma solicitação é
recebida, o servidor Web prepara uma resposta e a envia de volta ao
cliente usando o protocolo HTTP.

12
É importante observar que o HTTP não é o único, mas, de longe, o
protocolo mais comumente usado e que o cliente aqui pode ser um
navegador ou qualquer outro software que se comunique no HTTP.
Saiba mais em:
Uma visão geral do HTTP
Introdução às Redes de Computadores/WWW e HTTP
HTTP, HTTPs e TLS - Uma breve introdução
O protocolo Http - introdução

4 - Introdução ao SAP Fiori

O que é?
Baseado em como a internet funciona, o SAP Fiori é um produto da
SAP, contendo um conjunto de tecnologias cliente-servidor para realizar
operações pela internet.

Pra que serve?


SAP Fiori serve para melhorar a Experiencia do Usuário (UX) de
sistemas SAP, simplificando e descomplicando a realização de negócios.
Convenhamos que o sistema SAP ERP que conhecemos atualmente é
engessado, nada intuitivo e visualmente feio! Não é de se espantar
quando os usuários mostrem insatisfação em projetos de implantação de
SAP ERP!

SAP Fiori serve também para oferecer UX “Enterprise Grade” para


aplicativos empresariais. Experiência “Enterprise Grade” significa tratar o
usuário do sistema como um consumidor de serviços (exemplos: Uber,
IFood, NuBank), e não mais como um executor de tarefas.
Repare que hoje a maioria das telas do SAP ERP são desenhadas
“conforme o sistema permite”, e não de acordo com “o que o usuário
gostaria de vivenciar”. No final os usuários não estão satisfeitos com a
experiencia, mas consentem com o sistema por obrigação!

Como funciona?
No SAP Fiori ocorre uma mudança de paradigma, de soluções
monolíticas para aplicativos leves e personalizados. Exemplos:

13
- Remoção de complexidade informando ao usuário somente o
necessário
- Padronização da experiencia do usuário através dos Princípios de
Design:
> baseados em funções, adaptáveis, coerentes, simples e
prazerosos.
Essa mudança de paradigmas é o que mais afasta os consultores mais
antigos! É muito mais fácil continuar fazendo como sempre fez, do que
pensar fora da caixa! (Alo? Alguém já ouviu falar em Design Thinking?)

Qual é a diferença entre SAP Fiori, SAPUI5 e SAP Gateway?


- SAPUI5 é linguagem de programação front-end baseada em JavaScript,
que oferece elementos de User Interface (UI), como botões, listas, caixas
de texto, etc;
- SAP Gateway um sistema com API RESTful para atuar como webserver;
- SAP Fiori é um produto de UX, composto de: aplicação front-end +
webserver + Launchpad + Princípios de Design

Benefícios do SAP Fiori nas Empresas


- Aumenta produtividade do usuário
- Design intuitivo e facilidade de uso
- Possibilita melhor personalização
- Diminui erros operacionais e change requests
- Expande a experiência do usuário para os dispositivos móveis

- Aumenta produtividade de TI e Reduz custos


- Facilita adoção de novas soluções
- Melhora relação entre TI e negócio
- Melhor integração com SAP Hana
- Reduz tempo de treinamentos
- Reduz tempo de construção de soluções

14
4.1 - Design Guidelines

Em poucas palavras, as diretrizes de design do SAP Fiori oferecem


um único ponto de referência para qualquer pessoa envolvida no design
de aplicativos SAP Fiori, com objetivo de garantir uma experiência
agradável para o usuário.
As diretrizes fornecem todas as informações necessárias para criar
uma experiência unificada e harmoniosa em todos os dispositivos do
conjunto de aplicativos SAP Fiori.
Entre as informações disponíveis nas diretrizes, estão os Princípios
de Design, que definem a linguagem visual dos aplicativos, e os Layouts
e Templates, que são blocos pré-construídos visando acelerar o tempo de
construção de aplicativos, ao invés de construir do zero.
Princípios de Design
O SAP Fiori fornece uma experiência do usuário consistente e
holística para o software SAP. Ao criar designs visualmente agradáveis,
com um forte foco na facilidade de uso, a experiência é intuitiva e simples
em todos os dispositivos. Com padrões de interação sem esforço, o SAP
Fiori UX foi projetado para causar um impacto poderoso em toda a
empresa.
A filosofia de design do SAP Fiori é baseada em cinco princípios
fundamentais:
➢ BASEADO EM FUNÇÕES:
Cada aplicativo é específico para uma função de usuário: pessoa de
vendas / RH / gerente. Assim elimina aqueles cenários onde usuários de
áreas diferentes acessam a mesma transação, cada um cuidando de
campos específicos.

➢ ADAPTATIVO:
O mesmo programa adapta-se a vários dispositivos (desktop, tablet,
celular), sem necessidade de reescrita de programa. No celular os
elementos encolhem, no desktop os mesmos elementos se expandem!

➢ COERENTE:
Ao padronizar o design visual e forma de interação, em toda a
empresa desfrutamos da mesma experiência intuitiva e consistente.

15
Quando um usuário mudar de área, a aparência forma de utilizar os
aplicativos desta área serão semelhantes.
Repare que as principais transações de cada módulo são totalmente
diferentes e nada intuitivas! VA01, ME21N, FB01, F-28... e por aí vai.

➢ SIMPLES:
Focar no que é importante: telas simples, contendo somente a
informação necessária. Sem informações desnecessárias. Voltamos ao
caso da transação VA01. A maior parte dos treinamentos de VA01 é
explicando para o usuário o que ele não deve fazer e quais campos ele
não deve preencher!

➢ AGRADÁVEL/PRAZEROSO:
Faz uma conexão emocional. O SAP Fiori também enriquece a
experiência de trabalho, permitindo simplesmente fazer o trabalho. Sim, o
usuário gosta de telas coloridas com ícones girando! Começar o dia
vendo uma tela colorida é muito mais prazeroso do que vendo uma tela
sem graça azul e cinza...

Saiba Mais em https://experience.sap.com/fiori-design-web/

4.2 - Arquitetura de alto nível – Landscape

Essa arquitetura é conhecida como “Arquitetura de 3 camadas”. As


configurações de rede neste momento não são consideradas uma
camada da arquitetura, pois são configurações gerais válidas para
qualquer empresa e sistema que tenha rede interna e externa. Vamos falar
das camadas SAP:

➢ 1 - Os aplicativos SAP Fiori são construídos com a tecnologia SAPUI5


no Front-End e hospedadas num servidor web, que no produto da SAP é o
SAP Gateway. Estes aplicativos SAP Fiori são lançados e executados no
SAP Fiori Launchpad.

➢ 2 – A parte Back-end dos aplicativos SAP Fiori são construídos com a


tecnologia ABAP. O Serviço oData é gerado ou no SAP ECC ou no SAP

16
Gateway. O Serviço oData é sempre registrado e publicado no SAP
Gateway.

➢ 3 – Os dados de negócio do ERP são recuperados em tempo de


execução via serviços OData, serviços esses que foram gerados no SAP
Gateway.

A figura 1 mostra a arquitetura de um ambiente SAP On Premise.

Figura 1 - Arquitetura de um ambiente SAP On Premise

A figura 2 mostra a arquitetura de um ambiente SAP Cloud Platform.

Figura 2 - Arquitetura de um ambiente SAP Cloud Platform


17
4.3 - Tipos de aplicação

O SAP Fiori tem três tipos de aplicativos, cada um distinto por seu
foco e requisitos de infraestrutura:

Transacionais
Esses aplicativos permitem que você execute tarefas transacionais,
como a criação de uma solicitação de viagem para um funcionário, ou
criar uma requisição de compra. Eles representam visualizações
simplificadas e interação com processos e soluções de negócios
existentes.
Eles funcionam melhor em um banco de dados SAP HANA, mas
também podem ser portados para outros bancos de dados com
desempenho aceitável.
Factsheet
Esses aplicativos exibem informações contextuais e fatos
importantes sobre objetos centrais usados em operações comerciais.
A partir de uma área ficha técnica, você pode se aprofundar em seus
detalhes. Você pode navegar de uma ficha informativa para suas fichas
informativas relacionadas. Por exemplo, você pode navegar de um
documento para o parceiro de negócios relacionado ou para os dados
mestre. Você pode navegar para um item do documento de vendas e
visualizar todas as vendas contendo aquele item.
Em outras palavras, é um relatório onde cada campo abre um novo
relatório!
Você pode também iniciar apps transacionais a partir de app Fact Sheets.
As fichas técnicas são executadas apenas em um banco de dados SAP
HANA.

18
Analíticas
Esses aplicativos permitem que você obtenha uma visão em tempo
real das operações da sua empresa, coletando e exibindo figuras-chave
diretamente em seu navegador.
Os aplicativos analíticos combinam os dados e o poder analítico do
SAP HANA com os componentes de integração e interface do SAP
Business Suite. Eles fornecem informações em tempo real sobre dados
de grandes volumes em um front-end simplificado para controle
corporativo.
Com aplicativos analíticos, você pode monitorar de perto os seus
principais indicadores de desempenho (KPIs) em tempo real e reagir
imediatamente às mudanças nas condições ou operações de mercado.
Os aplicativos analíticos do SAP Fiori são executados apenas no
banco de dados SAP HANA.

19
5 – Conhecendo o SAP Fiori Launchpad

SAP Fiori Launchpad é o ponto de entrada central para acesso a


todos os aplicativos. É baseado em perfil de usuário, permite
personalização, e é atualizado em tempo real.
O Launchpad pode ser acessado pela transação /UI2/FLP, ou pelo link
abaixo:

http://<host>:<porta>/sap/bc/ui5_ui5/ui2/ushell/shells/abap/FioriLaunc
hpad.html

Figura 3 - SAP Fiori Lauchpad

5.1 – Versões do Launchpad

SAP Fiori 2.0


A janela de visualização representa uma visão parcial de uma
superfície maior. O SAP Fiori 2.0 usa essa superfície para oferecer espaço
adicional para dados específicos do usuário e do sistema (Me Area) um
espaço para notificações (Notification Area).

20
Figura 4 - SAP Fiori Launchpad Viewport

SAP Fiori 3
O SAP Fiori 3.0 trouxe mudanças de conceito, como um novo tema
(esquema de cores), e alteração no design do Launchpad, com o novo
componente “Cards”.

Figura 5 - SAP Fiori 3

21
Cards
Os Cards fornecem mais informações na página inicial. Eles
mostram uma visualização das informações que o usuário final pode
encontrar no aplicativo específico.
Cada card possui seu próprio arquivo de configuração
(manifest.json), que pode ser vinculado a diferentes fontes de dados.
Você pode usar cards com layout pré-definido, ou definir o layout do
seu card.

Temas
O novo tema do SAP Fiori 3 já está disponível na UI5. É chamado
SAP Quartz Light. É simples e minimalista, facilitando para os clientes a
personalização para sua marca.

O SAPUI5 recebeu os componentes Fiori 3 (cards e tema) a partir da


versão 1.65
Saiba mais em https://sapui5.hana.ondemand.com/test-
resources/sap/ui/integration/demokit/cardExplorer/index.html

5.2 – Seções do Launchpad

5.2.1 - Me Area
A seção “Me Area” é o espaço do usuário no SAP Fiori. Ele aparece
sob demanda como uma janela de visualização no lado esquerdo da tela
e contém informações e atalhos específicos do usuário.

22
Figura 6 - Me Area
A parte superior contém a foto do usuário (ou o ícone do usuário).
Ao lado, você vê o nome do usuário e a opção Sair.
A parte inferior contém:
App Finder: Uma ferramenta conveniente para encontrar aplicativos e
adicioná-los à sua página inicial. Pode ser encontrado somente os
aplicativos permitidos para o perfil do usuário.
Configurações: Uma área central onde você pode visualizar e manter as
configurações do Launchpad, como temas e idioma.
Editar Página Inicial: Abre a página inicial no modo de edição, para que
você possa organizar sua página inicial para se adequar às suas tarefas
diárias.
Contatar suporte: Permite que você entre em contato com o suporte
diretamente do launchpad (ativação opcional).
Enviar Feedback: Permite que você forneça feedback à SAP sobre um
aplicativo ou a barra de ativação (ativação opcional).
Atividade recente: exibe um histórico interativo dos itens que você
pesquisou (apenas no localizador de aplicativos) e trabalhou
recentemente. Os aplicativos ou objetos são listados cronologicamente.
Utilizado com frequência: exibe os itens que você pesquisou (apenas no
localizador de aplicativos) e usou com mais frequência nos últimos 30
dias. Os aplicativos ou objetos são listados em ordem de frequência de

23
uso, com os mais usados listados primeiro. Um aplicativo deve ser usado
pelo menos duas vezes para aparecer na lista.

5.2.2 - App Finder


O localizador de aplicativos lista todos os aplicativos disponíveis
para a função do usuário, que pode potencialmente ser usada em seu
trabalho diário. Você pode encontrar aplicativos pelo localizador e
adicioná-los à sua página inicial.

Figura 7 - App Finder


O app finder exibe:

Catálogo: Um repositório de todos os aplicativos atribuídos à sua função.

Menu do usuário: Um menu personalizado que inclui pastas dessas


transações SAP GUI do SAP e aplicativos Web Dynpro ABAP atribuídos à
sua função em um sistema específico (ativação opcional).

Menu SAP: Um menu padrão entregue pela SAP que inclui pastas de
todas as transações da GUI SAP e aplicativos Web Dynpro ABAP
oferecidos por um sistema SAP específico. Este menu não depende da

24
função e, portanto, exibe o mesmo conteúdo para todos os usuários
(ativação opcional).

5.2.3 - Notification Center

O centro de notificações do SAP Fiori é o local central onde os


usuários podem obter uma visão geral de todas as notificações
decorrentes de várias fontes, como a caixa de entrada do fluxo de trabalho
ou o SAP CoPilot, e tomar medidas imediatas. Ele oferece aos usuários
acesso a informações orientadas pelo sistema que os ajudam a tomar
conhecimento de informações críticas em tempo real.

Figura 8 - Notification Center

5.3 - Elementos do SAP Fiori Launchpad

5.3.1 - Tiles (blocos)


Funcionalidade executável de negócios, representado no Fiori
Launchpad como um bloco. Tecnicamente cada bloco tem um
mapeamento de destino relacionado.
Tiles podem ser Estáticos (sem informação adicional) ou Dinâmicos
(com informação adicional). Um bloco de aplicativo também pode se
referir a um aplicativo Web Dynpro ou HTML GUI.

25
Figura 9 - Blocos Estáticos e Dinâmicos
5.3.2 - Target Mappings
Target Mapping (mapeamento de destino) define o aplicativo de
destino, que é iniciado ao clicar em um bloco, em um link ou em uma
navegação de aplicativo para outro aplicativo.
Os aplicativos UI5 são hospedados no servidor gateway como
Aplicação BSP. O Target Mapping “liga” o bloco ao aplicativo, como se
fosse uma corda. Em uma ponta da corda é informado o nome da
aplicação BSP, e na outra ponta da corda existe o “objeto semântico”.
Dentro do bloco é cadastrado o objeto semântico, e este objeto chama o
aplicativo BSP, sacou? No passo 6 do tutorial “Instalação de aplicativos
Standard” você vai entender na pratica! No item 10 (Tutorial Tiles e Target
Mappings) também vai ter um reforço!

5.3.3 - Catálogos
Um catálogo é um conjunto de aplicativos que você deseja
disponibilizar e autorizar para seus usuários. Os usuários podem navegar
pelo catálogo, escolher aplicativos do catálogo e adicioná-los à página de
entrada do Fiori Lauchpad.
Os catálogos são os aplicativos que o usuário tem permissão de
acessar! Mas não quer dizer que todos estes aplicativos vão aparecer na
tela do usuário assim que ele acessar o sistema!
Um catálogo de blocos Fiori pode incluir dois componentes em sua
configuração:
• Blocos: representam a parte visual do acesso ao app, como título,
subtítulo, informações, ícone e o objeto e ação semânticos para a
navegação baseada em intenções.

26
• Mapeamentos de destino: definem o aplicativo de destino que é
iniciado quando uma intenção (objeto / ação semântica) é
acionada.

o Catálogos Técnicos
Contém todos os blocos e respectivos mapeamentos de destino
relevantes por área do sistema (Ex: módulos SD, FI, etc). Como
administrador, você pode usá-los como um repositório para criar seus
próprios catálogos de negócios específicos da função.

o Catálogos de Negócio
Os catálogos de negócios contêm uma coleção de amostra de
blocos e mapeamentos de destino relevantes para uma função de
negócios.
O conteúdo do catálogo de negócios é um subconjunto do conteúdo
do catálogo técnico. Esse subconjunto reflete os requisitos de um usuário
comercial específico.

5.3.4 - Grupos
Grupos de negócios contêm um conjunto de aplicativos de um
catálogo de negócios. Esses aplicativos são exibidos para um usuário por
padrão na página de entrada do SAP Fiori Launchpad. Os usuários podem
personalizar grupos adicionando ou removendo aplicativos do SAP Fiori
Launchpad.
Estes sim são os aplicativos que o usuário enxerga na sua tela! O
usuário tem permissão de acessar aplicativos de determinado catálogo,
e adiciona estes aplicativos a um grupo! Os aplicativos contidos no grupo
são os que aparecem na tela!

27
6 - Configurações do sistema

Há tarefas adicionais obrigatórias que devem ser executadas para


configurar o cenário do sistema SAP Fiori, como instalar os componentes,
configurar os canais de comunicação ou configurar a autenticação do
usuário e o logon único (SSO).
A lista a seguir contém tarefas predefinidas que estão disponíveis
para o ambiente SAP Fiori. Estas configurações geralmente são
executadas por equipe de SAP Basis.
• Ativar Sap Gateway
• Configurar Fiori Launchpad
• Conectar SAP Gateway ao backend
• Configurar canais de comunicação
• Configurar logon SSO
• Criar Alias de sistemas
Saiba mais em: SAP Gateway Foundation Configuration Guide

A lista a seguir contém tarefas para configurações iniciais do


Launchpad: Estas configurações geralmente são executadas por equipe
de SAP Basis.
• Ativar SAP Gateway e Serviços oData
• Configurar nós ICF
• Configurar SAP Web Dispatcher
• Configurar Authorization Roles
• Configurar tela de Login para Launchpad
• Customizar a URL do Launchpad
• Atualizar Índices de Aplicativos SAPUI5
• Setup Inicial do Launchpad Designer

É possível executar algumas dessas tarefas de configuração de


maneira automatizada usando a lista de tarefas predefinida
SAP_FIORI_LAUNCHPAD_INIT_SETUP.
Saiba mais em: Initial Setup of the Launchpad

28
7 - Gestão do Usuário e Autorizações

Os aplicativos SAP Fiori adotam os conceitos de gerenciamento e


autorização de usuário fornecidos pelo SAP NetWeaver ABAP. As
recomendações e diretrizes de segurança para administração e
autorização de usuário e função, conforme descritas no Guia de
Segurança do SAP NetWeaver Application Server para ABAP, também se
aplicam aos aplicativos SAP Fiori.
Para usar aplicativos SAP Fiori, os usuários precisam de entidades
interface do usuário (UI) e autorizações específicas do aplicativo SAP
Fiori. Você atribui esses objetos aos usuários por meio de funções do
PFCG.

UI
As entidades da interface do usuário do SAP Fiori que definem quais
aplicativos do SAP Fiori são exibidos para o usuário. Os aplicativos são
organizados através de catálogos e grupos.

Autorizações
As autorizações necessárias para usar SAP Fiori Launchpad, iniciar
aplicativos do SAP Fiori e usar a lógica de negócios e os dados dos
aplicativos.
A figura a seguir mostra as dependências entre as entidades. Pode
parecer difícil de entender à primeira vista, mas com um pouco de
paciência e dedicação, tudo é possível.
• As entidades da interface do usuário do SAP Fiori que definem quais
aplicativos do SAP Fiori são exibidos para o usuário
• Os serviços OData que recuperam os dados dinâmicos a serem
exibidos na lógica de negócios dos aplicativos SAP Fiori
• As autorizações necessárias para iniciar e usar a lógica de negócios
dos aplicativos SAP Fiori. Essas autorizações são definidas pelos
serviços OData.

29
Figura 10 - dependências entre as entidades

Explicando a imagem acima:


- No Launchpad o usuário visualiza grupos na tela.
- Os grupos contêm blocos representando aplicativos, transações e links.
- No Launchpad o usuário pode buscar aplicativos em catálogos e
adicioná-los em grupos que aparecem na tela.
- No catálogo são configurados os blocos. Os blocos dos catálogos são
adicionados em um grupo.
- Os blocos dos catálogos contêm o objeto chamado Target Mapping.
- O Target Mapping contém aponta para o aplicativo/transação/link de
destino.
- O Catalogo e o Grupo é adicionado a uma função PFCG.
- A função PFCG é atribuída ao cadastro do usuário.

30
8 - Tutorial: Instalação de aplicativos Standard

Depois de ter instalado e configurado o Landscape do sistema, você


implementa os aplicativos SAP Fiori que deseja usar: instalando os
respectivos add-ons, e executando diferentes tarefas no servidor front-
end e no servidor back-end.

Dependendo dos aplicativos SAP Fiori que você deseja usar,


diferentes tarefas de implementação são necessárias. Todas as
informações estão disponíveis no Sap Fiori Library:
https://fioriappslibrary.hana.ondemand.com
A figura a seguir mostra o cenário detalhado do sistema para
aplicativos SAP Fiori. Basicamente cada aplicativo tem um add-on no
front-end e um add-on no back-end.

Figura 11 - Arquitetura de aplicativos SAP Fiori Standard


Para implementar aplicativos SAP Fiori, você executa diferentes
tarefas:
- No servidor front-end.
• Ativação os Serviços OData para Diversos Aplicativos SAP Fiori
• Ativação os Serviços ICF do Aplicativo SAPUI5

31
• Manutenção de Catálogos de Negócios e Grupos de Negócios do
Launchpad
• Criação Função PFCG no Front End e designação de Catálogos e
Grupos
• Atribuição Funções aos Usuários no Front End

- No servidor back-end.
• Atribuição Autorização RFC a Usuários
• Criação Função PFCG no Back End para serviços oData
• Atribuição Funções aos Usuários no Back End

Saiba mais em : SAP Fiori: App Implementation


Para as seguintes tarefas de implementação, você precisa de
informações específicas do aplicativo, como nomes técnicos de serviços
ou funções.
Para mais informações, consulte a documentação do aplicativo SAP
Fiori no site help.sap.com, ou na biblioteca de aplicativos
https://fioriappslibrary.hana.ondemand.com .

E abaixo começamos os exercícios passo a passo:

Passo 1: Localizar manual de implantação do aplicativo


Vamos começar com um case clássico, que é o aplicativo My Travel
Requests.
- Acessar a biblioteca de aplicativos, e pesquisar o app pelo nome ou por
categorias

32
Vou escolher a Versão 1 (a que não está escrito Version). Repare
que são exibidas informações básicas do app, como por exemplo, este
app só roda em banco de dados Hana (Hana DB Exclusive).

- Ao localizar o app, acessar aba Implementation Information

Passo 2: Instalando add-ons do aplicativo


Na seção Installation do manual, será exibido Software Component
Version para sistema Back-End e para o sistema Front-End. A instalação
desses add-ons é realizada pela equipe Basis.

33
- Para conferir se os componentes estão instalados, acessar o menu
Sistema > Status. Na seção ‘Dados do Sistema SAP’, acessar o botão de
Ver Detalhes.

Passo 3: Ativar serviço ICF


O nó ICF é ativado no servidor front-end.
! Atenção: os passos 3 em diante também são executados para
aplicativos customizados (aplicativos Z) usando os objetos
customizados, ao invés dos objetos standard. Os passos 1 e 2 são
somente para aplicativos Standard!
- Na seção Configuration do manual, localizar o nome técnico do
aplicativo SAP UI5

34
Os aplicativos UI5 são hospedados no servidor Gateway como
aplicação BSP (SE80), e ativados na transação SICF. Exemplo:

- Para ativar os aplicativos, acessar transação SICF, informar o nome


técnico do app ou acessar o caminho ICF /default_host/sap/bc/ui5_ui5/sap/

- Clicar com botão direito no nome do app e clicar em Ativar Serviço


35
OBS: ao pesquisar pelo nome do app, pode aparecer outra versão no
caminho bsp\sap. A ativação deste serviço é opcional.

Passo 4: Ativar serviço oData


O serviço oData é ativado no servidor front-end.
Usuários necessitam de autorização PFCG no sistema que o serviço foi
gerado (pela SEGW).
- Na seção Configuration do manual, localizar o nome do serviço oData

- Acessar transação /IWFND/MAINT_SERVICE, localizar e ativar o serviço.


- Se o serviço não estiver disponível na lista exibida, deve primeiro ser
adicionado ao catalogo, usando a opção Inserir Serviço.

- Escolha o Alias do sistema, que é o apelido do sistema onde o serviço


oData foi gerado.
- Selecione o serviço oData, e clique em Inserir serviços selecionados.

36
- Informe o pacote de desenvolvimento, e clique em avançar. Eu hoje
escolhi objeto local.

- Avance até concluir, e volte para a tela anterior.


Agora o serviço está ativado.

37
- O serviço também pode ser ativado direto pela transação SICF. Mas é
necessário que antes tenha sido inserido na lista da
/IWFND/MAINT_SERVICE

Passo 5: Manutenção de catálogos


Os catálogos, grupos e blocos são configurados no servidor front-
end.
! Atenção! O usuário que configura catálogos e grupos deve ser algum
administrador do sistema (basis, funcional ou programador).
! Atenção! Para acessar a configuração de catálogos e grupos, é
necessário que o usuário tenha a função SAP_UI2_ADMIN_700
cadastrada em seu perfil na transação SU01.
- Na seção Configuration do manual, localizar o nome do catálogo de
negócios.

- Acessar a transação /UI2/FLPD_CUST - Fiori Lpd. Designer (client-spec.)


Será aberta a url do Launchpad Designer. Essa url pode ser salva nos
favoritos.
http://<host>.<domain>:<port>/sap/bc/ui5_ui5/sap/arsrvc_upb_admn/m
ain.html?sap-client=<client>?scope=CUST

38
- Pesquisar pelo catálogo informado

Os catálogos e grupos standard contém vários aplicativos


cadastrados, mas nem sempre todos estes aplicativos estão sendo
instalados na empresa. Neste caso, podemos “copiar” os tiles desejados
para um novo catálogo, criando bloco ‘por referência’.

39
! Atenção! Para transportar as configurações de catálogos e grupos para
outros ambientes, deve-se primeiro informar a request clicando no ícone
de engrenagem (Configurações) no canto superior direito da página.

- Desmarcar “Sem (objeto local)” e escolher request de customizing da


lista.

Dando continuidade:
- Clicar no botão Criar Catálogo (botão “+” no canto inferior esquerda
pagina)
- Escolher catalogo Standard, informar título e ID (nome técnico). Clicar
em Gravar.
Observação: Existe uma convenção, de se usar o prefixo BC_ para
catálogos de negócios ou TC_ para catálogos técnicos.

40
O catálogo será criado vazio.

Passo 6: Adicionar Blocos


Agora existem duas formas de adicionar blocos: copiando de outro
catálogo (criação por referência), ou adicionando a configuração
manualmente.
Passo 6.1: Adicionar Blocos por Referencia
Em caso de criação de bloco por referência (copiar bloco existente para
outro catalogo):
- Acessar o catálogo original, acessar a segunda aba de nome Blocos, que
exibe os tiles em forma de lista.
41
- Selecionar o app na lista, clicar em Criar Referência.
! Observação! Prestar atenção no objeto semântico e ação informados na
linha selecionada, pois será necessário identifica-los no próximo passo.

- Informar catálogo de destino.

- Ainda no catálogo original, acessar aba Atribuições de Destino (Target


Mappings)

42
Lembra que falei no passo anterior para prestar atenção no objeto
semântico e ação? Essa informação vai ser usada aqui.
- Selecionar na lista a linha que tem o mesmo objeto semântico e ação do
passo anterior, e clicar em Criar Referência.

- Informar catálogo de destino.

43
Pronto! Agora seu catálogo tem um bloco configurado!

Passo 6.2: Adicionar Blocos manualmente

Em caso de criação de bloco novo com configuração manual:


- Consultar abaixo o tópico 10 - Tutorial Criação de Tiles e Target
Mappings

Passo 7: Manutenção de grupos


O grupo é o conjunto de aplicativos que aparece para o usuário na
tela inicial do Fiori Launchpad.
- Na seção Configuration do manual, localizar o nome do grupo de
negócios.

- Caso você queira utilizar o grupo standard, nenhuma modificação deve


ser feita.
- Caso você queira utilizar um novo grupo, clicar no botão Criar Grupo.
Observação: Existe uma convenção, de se usar o prefixo BCG_ para
grupos com apps contidos em catálogos de negócios.

44
- Marcar a opção “Permitir aos usuários a personalização do seu grupo”,
para que os usuários fiquem livres para adicionar e remover blocos de seu
launchpad pessoal.

- Dentro do grupo clicar em Inserir bloco

e escolher o catálogo.

45
Serão exibidos todos os aplicativos cadastrados neste catálogo.
- Clicar no ícone “+” embaixo do bloco, para que este seja adicionado ao
grupo.

- Clique em Voltar. O bloco será exibido no grupo.

46
Passo 8: Criação de função PFCG para catálogos de grupos
A função PFCG é configurada no servidor front-end, e contém o
nome do catálogo e o nome do grupo de blocos.
Essa função é adicionada ao perfil do usuário na transação SU01.
- Na seção Configuration do manual, localizar o nome da função (Business
Role).

- A função standard já contém o catalogo e grupo standard (reveja o


manual de implantação). Caso você deseje usar os catálogos e grupos
standard. Deve-se apenas atribuir essa função ao usuário.

47
- Em caso de catalogo customizado, acessar transação PFCG, e criar nova
função, informando o nome da função, e clicando no botão Função
individual.
Observação: Existe uma convenção, de se usar o prefixo BCR_ para
funções contendo catálogos de negócios e grupos, e o prefixo TCR_ para
funções contendo catálogos técnicos.

- Na aba Menu, clicar no botão inserir nó, e selecionar Catalogo de Blocos


SAP Fiori

- Informar o catálogo definido no passo 5. Avançar.

48
- Na aba Menu, clicar no botão inserir nó, e selecionar Catalogo de Grupos
SAP Fiori

- Informar o catálogo definido no passo 6. Avançar.

Passo 9: Atribuição de função de aplicativos a usuário front-end


A função PFCG contendo catálogos e grupos é atribuída ao usuário
no servidor front-end.
O ID do usuário no servidor front-end deve ser igual ao do servidor
back-end.
- Na transação Manutenção de Função (PFCG), na aba Usuário, atribua a
função que contém os catálogos e grupos a um usuário, especificando o
ID do usuário.

49
- Repare no farol do botão ‘Ajuste usuários’. Se o farol ficar diferente de
verde, clique no botão ‘Ajuste usuários’
Outra forma de executar esse passo é:
- Acessar transação SU01 e informar ID do usuário
- Acessar aba Funções e informar função PFCG

Passo 10: Atribuição de Autorização de acesso ao Launchpad


Os usuários precisam de uma autorização específica para abrir o SAP
Fiori Launchpad.
Passo 10.1 – Criar função de acesso ao Launchpad
Este passo é executado somente uma única vez no front-end durante a
configuração final do sistema.
A SAP entrega função padrão como exemplo, de nome
SAP_UI2_USER_700.

50
- Na transação PFCG, copie a função SAP_UI2_USER_700 para outro nome
de sua preferência. Clique em Copiar Tudo.

- Na aba menu, selecione Proposta de Autorização.

Na Proposta de Autorização, escolha serviço TADIR

- Na tabela, informe os seguintes serviços e clique em Transferir:


ZINTEROP_0001
ZPAGE_BUILDER_PERS_0001

51
- Na aba Autorizações, escolha Propor Nome do perfil, perto do campo
Nome do Perfil.

Vai ser gerado um nome automaticamente.

52
- Clique em Modificar dados de autorização

- Clique em Gerar

53
- De volta à tela da transação PFCG, se o farol da aba usuário ficar
diferente de verde, clique em ‘ajuste usuários’.

Passo 10.2 – Atribuir função ao usuário


Este passo é executado somente uma única vez no front-end, para cada
novo usuário que vai começar a utilizar o sistema SAP Fiori.

- Atribuir essa função ao usuário pela transação SU01, aba funções.

54
Se você tiver feito todos os passos corretamente até aqui, o bloco
já estará disponível no Launchpad do usuário:

Mas ao clicar no bloco, será exibido um erro. O que falta??? Siga os


próximos passos e confira.

55
Passo 11: Atribuição de Autorização RFC a Usuários
Este passo é executado somente uma única vez no back-end, para
cada novo usuário que vai começar a utilizar o sistema SAP Fiori.
Se o serviço de back-end do OData estiver localizado em um back-
end remoto (servidor diferente do SAP Gateway), os usuários precisarão
de permissão para executar a chamada RFC no sistema de back-end para
Trusted RFC. Se o servidor back-end e o servidor front-end estiverem no
mesmo ambiente, não é preciso realizar esse passo (Mais detalhes das
formas de instalação do SAP Gateway são ensinados no curso que
ministro).
- Na transação SU01, atribuir ao usuário as funções que contém os
objetos de autorização S_RFC e S_RFCACL (entregues pela SAP).
• Utilizar transação SUIM para encontrar perfil/função contendo os
objetos:
- Menu funções > Funções segundo critérios seleção complexos > por
objeto de autorização

- Pesquisar objeto S_RFC

56
- Escolher uma das funções exibidas e atribuir ao usuário na transação
SU01 aba funções. Repetir para o objeto de autorização S_RFCACL.
Observação: Conferir os demais objetos da função na transação PFCG,
para não atribuir ao usuário mais autorizações que ele deve ter. Se for o
caso, criar uma função nova.
- Hoje eu escolhi a função SAP_SLOP_RFC_USER para objeto S_RFC, e
função SAP_PAGEBUILDER_REMOTE para objeto S_RFCACL.

57
Passo 12: Criação Função PFCG no Back-End para serviços oData
A função PFCG contendo serviços oData é atribuída ao usuário no
servidor em que o serviço foi desenvolvido. O serviço pode ter sido
desenvolvido no front-end ou no back-end.
Este passo parece mais complicado no início, então preste bastante
atenção!
Os usuários precisam de autorização para iniciar serviços oData. Em
casos de aplicativo standard, o serviço oData está informado no manual
de implantação do app.
A recomendação da SAP para o front-end é colocar as autorizações para
serviços oData na mesma função PFCG contendo os catálogos e grupos
do aplicativo que vai chamar esse serviço oData (No caso de o serviço ter
sido gerado no front-end). Assim você mantém junto os blocos de
aplicativos com suas autorizações necessárias.
Informando explicitamente os serviços oData na função PFCG, você provê
uma segurança adicional. Mas você também pode dar autorização para
todos os serviços oData ativados, informando um perfil com objeto o
objeto de autorização S_SERVICE = * (asterisco).
Passo 12.1 – Localizando perfil genérico de autorização para todos
serviços oData
- Na transação SUIM, acessar menu Perfis > Perfis segundo critérios
seleção complexos > por valores de autorização

58
- Em objeto de autorização informe S_SERVICE
- Clique em Valores entrada
- Informe * (asterisco)

- Navegue pelos resultados: Clique duas vezes no perfil, abra as pastas


para verificar se a função tem o objeto de autorização S_SERVICE = *
SRV_TYPE deve ser * ou HT (HT significa TADIR Service. Veja passo
12.2)

59
- Caso deseje informar manualmente o serviço OData, siga os próximos
passos.
Passo 12.2 – Localizando Nome do Serviço oData para adição manual

No caso de aplicativos standard, o nome do serviço oData vai ser exibido


no manual de implantação.

- Para encontrar o nome do serviço técnico, acesse a transação


/IWFND/MAINT_SERVICE, filtre a coluna ‘Nome do serviço externo’ com o
nome do serviço oData.
- Filtrando este nome da transação /IWFND/MAINT_SERVICE vai aparecer
o nome do serviço técnico, geralmente iniciado por Z:

60
- Anote o texto exibido na coluna ‘Nome serviço técnico’ para informar na
PFCG.
No caso de serviços customizados, o nome do serviço a ser sado no filtro
vai constar na transação SEGW, pasta Runtime Artifacts (Mais detalhes
de como criar serviços oData são ensinados no curso que ministro).

- Filtrando na transação /IWFND/MAINT_SERVICE, por coincidência os


nomes são iguais, mas nem sempre serão:

Passo 12.2 – Cadastrando Nome do Serviço oData na função PFCG

- Na transação Manutenção de Função (PFCG) criar uma nova função, ou


usar função existente. Hoje eu vou criar uma nova função:

61
- Na aba Menu, clicar no botão Adicionar, e escolher Proposta de
Autorização (Authorization Default).

- Na tela Serviço, escolher na lista a opção TADIR Service e informar:


- ID Programa: R3TR
- Tipo Objeto: IWSG

- Na tabela, informar o nome do serviço oData que você registrou na


transação /IWFND/MAINT_SERVICE.

62
O nome deve ser informado usando o seguinte padrão abaixo. É mais fácil
se você usar o matchcode na PFCG para buscar o serviço:
<nome técnico> _ <número da versão de quatro dígitos com zeros à
esquerda>

- Novamente na aba Menu, clicar no botão Adicionar, e escolher Proposta


de Autorização (Authorization Default).
- Na tela Serviço, escolher na lista a opção TADIR Service e informar:
- ID Programa: R3TR
- Tipo Objeto: IWSV

- Na tabela, agora deve ser informado o nome original do serviço. Use o


matchcode pra ajudar na busca.

-- Na aba Autorizações, escolha Propor Nome do perfil, perto do campo


Nome do Perfil.

63
Vai ser gerado um nome automaticamente.

- Clique em Modificar dados de autorização

- Clique em Gerar

64
Passo 13: Atribuição Funções aos Usuários no Back End
A função PFCG contendo o serviço oData é atribuída ao usuário no
servidor em que o serviço foi desenvolvido.
- Na transação Manutenção de Função (PFCG), na aba Usuário, atribua a
função que contém os catálogos e grupos a um usuário, especificando o
ID do usuário.
- Também pode ser utilizada a transação SU01, aba funções.

Passo 13.1 – Testando o aplicativo


- Agora o aplicativo não apresenta mais erro ao abrir:

65
ATENÇÃO!!!
No caso de aplicativos standard, depois que o aplicativo está configurado
com os passos acima, o restante envolve também CONFIGURAÇÃO
FUNCIONAL! Escolhi esse aplicativo intencionalmente, para dar este
exemplo pra vocês.
Por exemplo, para este aplicativo de solicitações de viagem, o id usuário
que abre o aplicativo precisa estar cadastrado como funcionário no
módulo SAP HR. Veja o que acontece ao clicar no botão Novo (+).

Aviso aos DESENVOLVEDORES! Se é aplicativo standard, e os passos


acima estão ok, não receie em partilhar o problema com o Funcional do
respectivo módulo, para checar se tem configuração funcional para
realizar. Porque FIORI NÃO É UM MÓDULO! TEM QUE TER
ENVOLVIMENTO DO ANALISTA FUNCIONAL!

66
Aviso aos FUNCIONAIS! Ter em conta que todo aplicativo standard tem
um customizing funcional por trás, que faz com que os dados de negócio
apareçam no aplicativo! Tem casos que é customizing já existente na
SPRO (o aplicativo lê o customizing que existe), tem casos que os add-
ons criam novos itens na SPRO. Tem casos que o customzing é na
transação SIMGH. Confira sempre os detalhes no manual de implantação,
ok? No SAP Fiori Library sempre terá um link para um manual mais
detalhado. Vai estar assim:

- O link vai abrir uma nova página do help.sap, com mais informações:

- Leia atentamente todas as instruções do site help.sap . A primeira parte


tem as mesmas informações do Fiori App Library, porém mais pro final
tem as informações relacionadas a customizing funcional específicas
para o aplicativo.

67
9 - Tutorial: Tiles (Blocos) e Target Mappings

Agora vou ensinar como criar e configurar blocos manualmente do zero.


Lembra que eu falei acima no item 6.3.2 que target mapping é como uma
corda, onde em uma ponta você tem o bloco, e na outra ponta você tem o
aplicativo de destino. Vamos entender isso melhor agora na prática.
Na configuração de mapeamento de destino, você mapeia um destino de
navegação para a combinação de um objeto semântico e uma ação,
também conhecida como intenção (intent).
Um mapeamento de destino não é necessariamente exclusivo no tempo
de execução. A mesma ação, parâmetro e alias do sistema podem ocorrer
em mais de um destino, dependendo de como você define seus catálogos
e grupos e atribui as funções relacionadas. Por exemplo, um mapeamento
de destino pode ocorrer em vários catálogos e pode ser atribuído a
funções que estão todas atribuídas ao mesmo usuário. Certifique-se de
estruturar seu mapeamento de destino com base em suas necessidades
específicas.
Entendendo como isso funciona, você cria depois o bloco facilmente,
“com o pé nas costas”!

Passo 12: Criação Objeto Semântico

Objeto semântico é o fio que passa por dentro da corda, que vai ligar o
bloco ao aplicativo de destino.
Os objetos semânticos standard são gravados na transação
/UI2/SEMOBJ_SAP - Define Semantic Object – SAP. Não alterar essa
tabela manualmente.
Os objetos semânticos customizados são mantidos na transação
/UI2/SEMOBJ - Define Semantic Object – Customer. Atualizar essa tabela
conforme necessidade.
Não é obrigatório criar objeto semântico customizado, pode ser usado os
existentes. Fica a seu critério. Vou criar alguns para exemplificar o
processo.

68
Os seguintes caracteres são permitidos: letras maiúsculas [A-Z], letras
minúsculas [a-z], números [0-9]. O primeiro caractere deve ser uma letra
maiúscula ou minúscula.

Atenção! Esse objeto não é possível salvar em pacote local! Precisa de


request!

Passo 13: Criação de atribuição de destino


Atribuição de destino liga o objeto semântico ao aplicativo de destino.
Vamos usar o mesmo catálogo que já foi criado anteriormente.
- Dentro do catálogo no Launchpad Designer, acessar aba atribuição de
destino

69
- Para criar um novo mapeamento de destino, clique em Criar Atribuição
de Destino. Para alterar um mapeamento existente, selecione o registro
da tabela e clique ‘Configurar’. Vamos criar um novo

Perceba que a tela que aparece tem 3 partes: Intenção, Destino e Geral.
Intenção: é composto de um objeto semântico (criado no passo anterior),
e uma ação. A ação é de caráter informativo, pois como o objeto
semântico pode ser reutilizado, a ação indica que tipo de ação você quer
fazer com aquele objeto (criar, alterar, deletar, visualizar, etc.)
Geral: o campo informação permite inserir comentário sobre o
app/configuração. Os flags Tipo de Dispositivo são para informar em
quais dispositivos esse app pode ser executado. A seção parâmetros é
para fixar alguns parâmetros de seleção para o programa que vai ser
chamado. É mais utilizado em aplicativos analíticos e complexos do
S4/HANA.
Destino: é onde você informa os detalhes técnicos do aplicativo de
destino. Nome do programa, caminho do serviço, etc... Vou mostrar
todos.

70
- Se você deseja criar ou alterar os mapeamentos de destino para o SAP
GUI, selecione Transação.
- Se você deseja criar ou alterar os mapeamentos de destino para
aplicativos SuccessFactors, outros aplicativos da web, ou qualquer link
externo, selecione URL.
- Se você deseja criar ou alterar os mapeamentos de destino para um
aplicativo SAP Fiori, selecione SAPUI5 Fiori App.
- Se você deseja reutilizar as definições de configuração existentes da
transação LPD_CUST, selecione SAP Fiori App usando LPD_CUST.
LPD_CUST funciona também para aplicativo SAP Fiori. Mas eu prefiro a
opção anterior, por ser uma simplificação desta.
- Se você deseja criar ou alterar os mapeamentos de destino para o Web
Dynpro ABAP, selecione Web Dynpro.

Passo 13.1: Configurações para aplicações URL


Vamos começar com o mais fácil.
- Escolha o Tipo de aplicação URL e informe os seguintes parâmetros:
- Título: Título do aplicativo
- URL: Você pode inserir qualquer URL.

- Na intenção, informe objeto semântico e ação. Clique em Gravar.

71
Você pode informar o objeto semântico criado anteriormente. Para o
nome da ação, escolha um verbo que mais pareça com a ação que você
quer realizar com aquele objeto. Exemplos são exibição, criação ou
liberação.
Se a página já estava aberta antes de criar objeto semântico, precisa fazer
refresh no browser.

Entendeu agora porque a configuração chama intenção?


- A seção Geral não precisa ser alterada. Somente se certifique que os
flags estão marcados.

Passo 13.2: Criação do bloco do aplicativo


Agora vamos criar o bloco que aparece no Launchpad, ou seja, na tela
inicial do usuário.
- Selecione a aba Blocos. Qualquer uma das duas serve. A diferença é que
a primeira aba exibe em formato de ícones, e a segunda aba exibe em
formato de lista.

72
- Clique em Inserir Bloco (primeira aba), ou Criar bloco (segunda aba).

- Escolha App launcher – estático. Esse bloco não vai exibir informações
adicionais dinamicas.

Na seção Geral, você informa:


- Titulo: aparece no topo do bloco
- Subtítulo: aparece embaixo do título

73
- Palavras-chave: tags para usar na função de busca de aplicativos, no
Launchpad
- Ícone: use a ajuda de pesquisa para selecionar
- Informações: aparece no rodapé do bloco

- Na seção Navegação, agora sim você vai informar o objeto semântico e


a ação informados no passo anterior, fazendo enfim a ligação com a
atribuição de destino. Clique em Gravar.
- Garantir que o flag “Utilizar navegação de objetos semântica” esteja
marcado!

Passo 13.3: Adição de bloco do aplicativo no grupo


Esse passo é repetição do passo 7. Vamos fazer novamente para o
mesmo grupo já criado:
- Clique em Inserir bloco

74
Escolha o catálogo, e marque o bloco.

Como utilizamos catálogos e grupos já configurados na PFCG, o bloco


vai aparecer automaticamente na tela do usuário, depois de fazer refresh
no browser ou logar novamente.

- Clique no bloco e confira!


Não apareceu o site conforme esperado? Me manda uma mensagem
que a gente confere junto!
75
Passo 14: Configurações para transações WEB GUI
Este passo vai mostrar como configurar uma transação WebGUI no Fiori
Launchpad.
Pré-requisito: Conexão RFC segura entre front-end e back-end. Na
transação SM59, vai ser uma conexão do tipo H, geralmente finalizada em
_RFC ou _HTTPS.
Advertência: se a forma de instalação do SAP Gateway for “embedded”
(front-end e back-end na mesma máquina), não vai existir essa conexão
RFC.
Procedimento:
- Dentro do catálogo no Launchpad Designer, acessar aba atribuição de
destino.
- Clicar Criar Atribuição de Destino
- Informar os seguintes parâmetros:
- Título: Título da transação
- Transação: Código de transação
- Alias do sistema: Alias do sistema de destino

??Como saber o alias do sistema???


O servidor remoto (vulgo back-end, geralmente SAP ERP) geralmente fica
em um servidor diferente do servidor front-end, que o usuário acessa para
visualizar o Fiori Launchpad.

76
Como as transações SAP ficam no servidor back-end, é necessária uma
conexão RFC na transação SM59.
A conexão é criada usando a seguinte convenção de nomenclatura:
<alias do sistema> _RFC ou <alias do sistema> _HTTPS.

- Este alias do sistema é o nome que informado que deve ser informado
no target mapping, sem o sufixo.
Observação: se a forma de instalação do SAP Gateway for “embedded”
(front-end e back-end na mesma máquina), deixar esse campo em branco.
- Na intenção, você escolhe o objeto semântico e o verbo. Clique em
Gravar.

- Crie um bloco novo, informando os dados gerais. Na seção Navegação,


informar a intenção da etapa anterior.

77
Atenção! A transação precisa estar com o flag ‘SAP GUI para HTML’
marcado na transação SE93.

- Adicione o bloco no grupo (passo 13.3). O bloco vai ficar disponível no


launchpad.

- Clique no bloco, a transação vai ser exibida.

78
Passo 15: Configurações para SAPUI5 Fiori Apps
Este caso é para aplicativos SAPUI5, aqueles gravados como aplicação
BSP na transação SE80. Serve tanto para aplicativos standard quanto
customizados. Vamos utilizar o aplicativo que já estávamos
configurando, o My Travel Requests.
- Localize novamente no manual de implantação o nome do aplicativo.
- Se for aplicativo customizado, veja com o programador! Ou busque na
transação SE80 > Aplicação BSP.

Encontre o caminho completo do aplicativo na transação SICF:


- Acessar transação SICF, informar o nome técnico do app.

79
- Aparece 2 registros. Mas queremos o caminho do ui5:
/default_host/sap/bc/ui5_ui5/sap/
Precisamos de mais uma informação importante, que é ID do aplicativo.
Os aplicativos são indexados no servidor pelo ID, e não pela aplicação
BSP. Quando um aplicativo chama outro aplicativo, ele usa esse ID
interno. O Launchpad também usa esse ID interno para abrir os
aplicativos.
Existem duas formas de localizar o id: pela URL do browser e pela
transação SE80
a) Encontrar ID informando URL do aplicativo do browser
Um aplicativo UI5, como qualquer aplicativo web, é um conjunto de
arquivos de texto. Você precisa abrir o arquivo Component.js deste
aplicativo usando a seguinte sintaxe:
http://<server>:<port>/<path>/Component.js

onde path é o caminho da SICF concatenado com o nome do


aplicativo. A parte /default_host/ não deve ser informada. Exemplo:
http://<host>:<porta>/sap/bc/ui5_ui5/sap/fin_tr_cre/Component.js
- No código do arquivo Component.js, localize uma linha começando com
jQuery.sap.declare.
- Esta linha tem a seguinte sintaxe:

80
jQuery.sap.declare ("<componentName> .Component")
Por exemplo, se a parte entre parênteses aparecer
("travel.request.create.Component"), o ID do aplicativo é
travel.request.create.

- Outra forma de encontrar o ID do aplicativo pelo browser, é abrindo o


arquivo manifest.json, usando a mesma sintaxe:
http://<host>:<porta>/sap/bc/ui5_ui5/sap/fin_tr_cre/manifest.json

- No código do arquivo manifest.json, localize uma linha começando com


“id”, dentro da chave de “sap.app”

O ID do aplicativo é “travel.request.create”.

b) Encontrar ID informando Aplicação BSP na SE8

81
- Acessando a transação SE80 no servidor front-end, escolher Aplicação
BSP e informar nome do aplicativo. Clicar em Exibir.

- Abrir a pasta ‘fragmentos de página’, e clicar duas vezes no arquivo


manifest.json (é o mesmo arquivo que vimos pela URL).

- E no arquivo manifest.json, visualizamos o id do aplicativo:

82
- Com essas informações em mãos (aplicação BSP, caminho SICF e ID),
crie uma nova atribuição de destino no Launchpad Designer, do tipo App
SAPUI5 Fiori:

- Título: Título do aplicativo SAPUI5


- URL: caminho completo do nó SICF para aplicação UI5, incluindo o nome
da aplicação BSP:
Exemplo: /sap/bc/ui5_ui5/sap/FIN_TR_CRE
- ID: Nome do Component da aplicação UI5.

- Os passos seguintes são criar Intenção, criar o Bloco, e adicionar o bloco


no catálogo. O procedimento dessas atividades já foi detalhado no passo
13:

83
- Intenção

- Para o bloco, vamos criar outro título, para diferenciar dos demais:

- E adicionamos o bloco no catálogo.

- O bloco fica disponível no Launchpad, e abre o app igualmente.

84
Passo 16: Configurações para apps Fiori baseado em LPD_CUST
Transação LPD_CUST é um tipo de irmão mais velho das opções
anteriores. Antes todas as configurações eram feitas na LPD_CUST, e
seus dados informados no Launchpad Designer. Essa etapa foi
simplificada em updates do Fiori Launchpad, mas mostrarei aqui como
funciona, caso um dia você precise fazer manutenção em uma
configuração já existente.
Vou mostrar a configuração do aplicativo standard que configuramos no
passo 6.1: Adicionar blocos por referência.
Passo 16.1 – Consultando configuração LPD_CUST de app já
configurado
- Essa é a informação que visualizamos no Launchpad Designer, na aba
Atribuição de Destino

Função de Launchpad: este objeto aparece na primeira tela da LPD_CUST.


É um agrupamento de configurações. Você pode utilizar uma função de
Launchpad existente ou criar uma nova.
Quando o add-on do aplicativo standard é instalado, o add-on traz uma
função de Launchpad. Clique duas vezes na função para ver mais
detalhes.

85
Na segunda tela você pode visualizar o título das configurações e tipo.
Perceba que são opções equivalentes as exibidas no Launchpad
Designer.
Clique duas vezes em ‘Minhas Solicitações de Viagem’

As informações exibidas são as que já localizamos no passo 15. A URL é


o caminho da transação SICF. Em informações adicionais consta o ID da
aplicação, que segue o padrão SAPUI5.Component=id da aplicação.
O que tem de novo nessa tela é o Alias Aplicação. Os dados que
encontramos antes são informados aqui na LPD_CUST, e o alias que é
informado no Launchpad Designer. Percebe a diferença deste passo com
o passo 15?

86
Passo 16.2 – Criando nova configuração LPD_CUST
Vamos criar uma nova configuração.
- Acesse a transação LPD_CUST e clique em Launchpad Novo:

- Informar os seguintes parâmetros:


- Função: nome da função
- Instancia: TRANSACTIONAL
- Descrição: informe uma descrição
87
- Espaço de Nomes. Escolha um namespace, ou crie um digitando um
nome novo nesse campo. Clique em avançar.

- Clique em Aplicação Nova

- Informe uma descrição, e escolha o tipo de aplicação URL

- Em parâmetros da aplicação, informar o caminho SICF do aplicativo

88
- Clique em ‘visualizar parâmetros ampliados’

- Em ‘parâmetros específicos da aplicação ‘, clicar em ‘editor alias da


aplicação ‘

- Crie um nome para o alias

- Em Informações adicionais, informar o texto usando o seguinte padrão:


SAPUI5.Component=id da aplicação (no nosso caso,
travel.request.create)

89
- Não precisa alterar os valores padrão de ‘Parâmetro de portal’. Clique em
Salvar.
Agora voltamos ao Launchpad Designer, onde criamos nova atribuição de
destino (se a página já estava aberta, fazer refresh no browser para
carregar a nova Função Launchpad):
- Em Destino, Informar os seguintes parâmetros:
- Função de Launchpad: Chave de uma função do Launchpad, conforme
definido em LPD_CUST
- Instância de Launchpad: Chave de uma instância função do Launchpad,
conforme definido em LPD_CUST
- Alias de aplicação: conforme definido em LPD_CUST

90
- Em Intenção, vamos usar o mesmo objeto semântico, porém mudando
a ação. Assim reaproveitamos os objetos semânticos:

- Criamos o bloco com esse objeto semântico e ação:

- Adicionamos o bloco ao grupo

- O bloco fica disponível no Launchpad, e abre o app igualmente.

91
Passo 17: Configurações para apps Web Dynpro
Para finalizar este manual, vamos usar o aplicativo de
demonstração DEMODYNAMIC. Informar os seguintes parâmetros:
- Título: Título do aplicativo
- Aplicação: ID do aplicativo Web Dynpro
- Alias do sistema: Alias do sistema de destino (ver no passo 14 como
encontrar Alias)

- Na intenção, informamos objeto semântico e ação:

- Criamos o Bloco

92
- Adicionamos o bloco no Grupo.

- O bloco agora aparece no Launchpad

- E ao ser acionado, abre o aplicativo

93
10 - Cursos e Treinamentos para o Público em Geral e Para
Profissionais

A Cromos IT , buscando acompanhar as evoluções do mercado


produtivo mundial, frente às transformações tecnológicas da realidade
brasileira de Tecnologia da Informação, e alterações impostas ao perfil
do trabalhador, participa efetivamente da realidade da Informática, no que
diz respeito às necessidades de capacitação, qualificação e
requalificação profissional dos trabalhadores do setor produtivo.
Assim, considerando-se o disposto pelos requisitos do mercado de
trabalho e a evolução do emprego do setor, a Cromos IT ministra os
seguintes treinamentos:

• ABAP para Funcionais


• SAP FIORI PONTA A PONTA
• LOCALIZAÇÃO BRASIL AVANÇADA MM e SD
• Formação Profissional em Administração de Materiais MM
• Localização Brasil S4HANA 1809
• SAP Activate
• SAP FIORI SIMPLIFIED
• SAP LTMC - Migration Cockpit
• SAP Pricing MM
• SAP Pricing SD
• SAP S4HANA para MM
• SIMPLE FINANCE FI-CO S4HANA

11 – Mais Material Gratuito


Artigos sobre SAP Fiori, e como aplicar para diversos temas...
São artigos esclarecedores que ajudam inclusive na capacitação
profissional.
Você pode acessar o site www.ui5brasil.com.br para ler este material.

94
95