Você está na página 1de 2

DIREITO DO TRABALHO

Exame final – Época especial 2021


I

A EDITORIA é uma empresa que tem por objeto a edição de publicações de natureza
jornalística e tem a sua sede na rua de São Nicolau, em Lisboa. Gil trabalha
diariamente nas instalações da sede, exercendo a atividade de “designer”, numa sala
“open space”, onde dispõe de uma secretária, cadeira e módulo de gavetas com chave e
armário. No exercício dessa atividade, compete a Gil proceder à paginação das revistas
“Sport” e “Xadrez”, o que faz integrado no âmbito de uma equipa. Gil utiliza o material
existente nas instalações da EDITORIA, nomeadamente equipamento informático com
programa de paginação e Photoshop, embora por vezes fique em casa a trabalhar, sem
utilização do mencionado equipamento. Entre Gil e a EDITORIA vigorou um acordo
escrito, datado de 01.08.2015, intitulado de “contrato de trabalho a termo incerto”, de
que constava que foi admitido “para exercer, sob a sua autoridade, direção e
fiscalização, a atividade inerente à categoria profissional de Paginador”, em regime de
isenção de horário de trabalho. Do contrato constava também que fora celebrado “pela
necessidade temporária de substituir uma das várias trabalhadoras, pertencentes aos
quadros de pessoal da EDITORIA, que planeiam estar ausentes por seis meses por
motivo de licença parental”. Por carta datada de 15.11. 2015, a EDITORIA informou
Gil de que tal contrato caducaria no último dia desse mês. No entanto, desde esta última
data, Gil continuou a exercer a sua atividade de “designer” /paginador das duas referidas
revistas. Embora entrasse e saísse do serviço às mesmas horas que o restante pessoal, não
se encontrava sujeito a qualquer horário de trabalho, nem sabia se estava sujeito ao
cumprimento de algum período normal de trabalho diário ou semanal, determinado pela
EDITORIA. Para a paginação de um número especial de Natal da revista “Xadrez”, Gil
trabalhou trinta horas seguidas. Pediu que lhe fossem pagas horas extraordinárias, mas a
EDITORIA recusou, alegando que, desde o fim de novembro de 2015, só existia um
contrato de prestação de serviço entre eles. Em maio de 2020, a EDITORIA vendeu a
outra empresa de publicações (a PRINTER), com sede em Alcobaça, as duas revistas em
que Gil trabalhava, e comunicou-lhe que ele devia passar a relacionar-se com a
PRINTER; ele, porém, alegando que a gerência desta empresa não lhe inspirava
confiança e que a mudança para Alcobaça lhe causaria grande prejuízo, exigiu manter-se
ao serviço da EDITORIA.
Identifique as questões jurídicas que esta situação suscita e pronuncie-se sobre elas (12
valores).
II
Desenvolva apenas dois dos seguintes temas (4 valores cada):

1) A evolução do regime jurídico do banco de horas.


2) A compensação retributiva na suspensão de contratos ou redução de horários por crise
empresarial.
3) A subordinação jurídica no teletrabalho.