Você está na página 1de 2

Doutrina da Mordomia

Texto Básico: Mateus 25.14-46

Leituras recomendadas:
Deus criou o homem Gn 1.1,26-31; 2.1-3,15
Quem são os filhos de Deus? Jo 3.3-5, Rm 8.17, Gl 3.26, 4.4-5
Diferentes dons I Co 12.27-30, I Pe 4.10
Somos administradores I Co 4.1-2, Tt 1.7
Glória do Senhor Rm 14.7-9, II Co 3.18, I Co 6.20
Consequência da mordomia Lc 12.37-48

Introdução:

A doutrina da mordomia, cujos fundamentos bíblicos vão do Gênesis ao Apocalipse, contém


ensinamentos que ajudam a compreender qual a nossa verdadeira posição perante Deus e o que Ele
deseja que façamos com a nossa vida.
A prática das verdades espirituais reveladas pelo estudo da Doutrina da Mordomia produz:

• Crescimento espiritual;
• Vida com propósitos divinos;
• Produção de “frutos”;
• Cooperação na expansão do Evangelho de Jesus Cristo na Terra
• Vida abençoada;
• Verdadeira felicidade e realização;

Nesta lição estudaremos os fundamentos e princípios básicos da doutrina.

Os fundamentos da doutrina:

1. Deus, o Criador e Dono absoluto do Universo.

a. Deus criou o Universo;


b. A criação foi obra de Deus, mas também depende inteiramente dEle para continuar;
c. Deus é transcendente, mas também imanente em relação à obra criada;
d. Deus é o dono de todas as coisas criadas;
e. Deus é que concede todos os recursos e capacidades;
f. Houve um alvo e um propósito para a criação;

2. O Homem, mordomo do Senhor.

a. Deus é o único que é dono de tudo, por isso é Senhor;


b. Deus não deu ao homem nenhum direito de propriedade;
c. Deus deu qualidades e delegou poderes ao homem para administrar e governar a criação
conforme o padrão divino;
d. Após a queda, a mordomia exercida pelo homem natural entra em desacordo com o plano
e propósito de Deus;
e. Pela fé em Jesus Cristo, Deus restabelece a correcta mordomia;

3. Relação do mordomo com Deus, o Dono.

a. Somos de Deus, o Senhor, por criação;


b. Somos de Deus, o Senhor, porque fomos por Ele resgatados do domínio do pecado;
c. Somos de Deus, o Senhor, por sua misericórdia e providência;
d. Somos criados para glorificar a Deus, o Senhor;
e. Somos filhos de Deus, o Senhor;
f. Somos servos de Deus, o Senhor;
g. Somos amigos de Deus, o Senhor;
h. Somos colaboradores de Deus, o Senhor;
i. Somos mordomos de Deus, o Senhor.

4. O mordomo tem de dar contas da sua mordomia. (Mt 25.14-30)

a. Os bens são do Senhor e confia-os a todos os servos;


b. Confiou bens diferentes, conforme a capacidade dos servos;
c. Cada servo exerceu sua mordomia como entendeu;
d. O dono pedirá contas aos seus servos;
e. O Senhor recompensou os servos fiéis;
f. O Senhor penalizou o servo negligente;

Conclusão:

O entendimento de que a mordomia abrange todos os bens, ou talentos que Deus nos confia
na vida e que tudo vem das suas mãos, deverá motivar-nos a um redobrado empenho para sermos
achados MORDOMOS FIÉIS.
Os resultados imediatos desta atitude são encontrar, por um lado, um claro sentido para a vida
e passar a vivê-la com paz, alegria e satisfação, mesmo nas dificuldades, por outro, é ter a percepção
de que a vida é só uma, não há divisão entre vida religiosa e vida secular.
Uma crescente preocupação e um elevado sentido de responsabilidade quanto à forma como
se está a governar os bens que Deus confia, são, certamente, questões que fazem parte do quotidiano:
em casa, na empresa, nos negócios, na escola, nos tempos livres, nas diversões e na igreja.
As bênçãos de Deus, certamente, serão visíveis em recompensa da fidelidade. Segundo as
escrituras a fidelidade na mordomia cristã será premiada e o mordomo abençoado, mas, a
infidelidade será punida e o mordomo amaldiçoado. Quem tem ouvidos, ouça!