Você está na página 1de 46

Fundamentos

Históricos, Teóricos
e Metodológicos do
Serviço Social III
Unidade 4 | Projeto ético-político do
Serviço Social

Nelma dos Santos Assunção Galli


Unidade 4 | Projeto
ético-político do
Serviço Social
• Unidade de Ensino: 04 – Leitura da teoria social de
Marx.
• Competência da Unidade: Apresentar a vertente
teórico profissional, projeto ético político e a inserção
do Serviço Social na divisão socio técnica do trabalho.
• Resumo: Contextualizar a prática profissional de
trabalho dos assistentes sociais.
• Palavras-chave: Projeto ético-político, Prática
profissional, Serviço Social.
• Título da Teleaula: Projeto ético-político do Serviço
Social.
• Teleaula nº: 04
Contextualização
Intuito: Apresentar ao discente os fundamentos do
Projeto Ético Político do Serviço Social.

Objetivo: Debater o conceito de projeto societário e de


projeto profissional, de caráter hegemônico à categoria
profissional.
 Percurso teórico:
• Projetos societários;
• Projetos Profissionais;
• Pluralismo e Ecletismo no Serviço Social;
• Construção do novo projeto profissional do Serviço
Social;
• A estrutura do novo projeto profissional;
• Projeto político hegemônico.
Projetos societários
Teoria social crítica e a concepção de sociedade
• A sociedade não tem objetivos nem finalidades, não é
uma entidade de natureza intencional ou teleológica.
• Já os membros da sociedade, homens e mulheres,
sempre atuam teleologicamente, ou seja, as ações
humanas sempre são orientadas para objetivos, metas
e fins.
• A ação humana, seja individual, seja coletiva, tendo
em sua base necessidades e interesses, implica
sempre um projeto que, em poucas palavras, é uma
antecipação ideal da finalidade que se pretende
alcançar, com a invocação dos valores que a legitimam
e a escolha dos meios para lográ-la.
Projetos societários
• Trata-se daqueles projetos que apresentam uma
imagem de sociedade a ser construída, que reclamam
determinados valores para justificá-la e que privilegiam
certos meios (materiais e culturais) para concretizá-la.
• Os projetos societários são projetos coletivos, são
propostas para o conjunto da sociedade.
• Em sociedades, os projetos societários são, necessária
e simultaneamente, projetos de classe.
• Nos projetos societários há uma dimensão política.
• A experiência histórica demonstra que os projetos
societários constituem estruturas flexíveis e
cambiantes: incorporam novas demandas e aspirações,
transformam-se e se renovam conforme as conjunturas
históricas e políticas.
• Na ordem do capital, por razões econômico-sociais e
culturais, mesmo num quadro de democracia política,
os projetos societários que respondem aos interesses
das classes trabalhadoras e subalternas sempre
dispõem de condições menos favoráveis para enfrentar
os projetos das classes proprietárias e politicamente
dominantes.
Projetos profissionais
• Inscrevem-se no marco dos projetos coletivos (relacionados
às profissões) especificamente as profissões que, reguladas
juridicamente, supõem uma formação teórica e/ou técnico-
interventiva, em geral de nível acadêmico superior.

• Apresentam a auto-imagem de uma profissão, elegem os


valores que a legitimam socialmente, delimitam e priorizam
seus objetivos e funções, formulam os requisitos (teóricos,
práticos e institucionais) para o seu exercício, prescrevem
normas para o comportamento dos profissionais e
estabelecem as bases das suas relações com os usuários de
seus serviços, com as outras profissões e com as
organizações e instituições sociais privadas e públicas.
Projetos Profissionais
Projetos profissionais
• São construídos por um sujeito coletivo – o respectivo
corpo (ou categoria) profissional, que inclui não
apenas os profissionais “de campo” ou “da prática”,
mas que deve ser pensado como o conjunto dos
membros que dão efetividade à profissão.
• É através da sua organização que um corpo
profissional elabora o seu projeto.
• Para que um projeto profissional se afirme na
sociedade é necessário que ele tenha em sua base um
corpo profissional fortemente organizado.
São estruturas dinâmicas respondendo às alterações no
sistema de necessidades sociais sobre o qual a profissão
opera, às transformações econômicas, históricas e
culturais, ao desenvolvimento teórico e prático da própria
profissão e, ademais, às mudanças na composição social
do corpo profissional. Se renovam e se modificam.
Projetos profissionais e pluralismo
O sujeito coletivo que constrói o projeto profissional
constitui um universo heterogêneo: os membros do corpo
(categoria) profissional são necessariamente indivíduos
diferentes – têm origens, situações, posições e
expectativas sociais diversas, condições intelectuais
distintas, comportamentos e preferências teóricas,
ideológicas e políticas variadas, ou seja, configura um
espaço plural do qual podem surgir projetos profissionais
diferentes.
Pluralismo e Ecletismo
• O pluralismo é um elemento factual da vida social e da
própria profissão, que deve ser respeitado. Mas este
respeito, que não deve ser confundido com uma
tolerância liberal para com o ecletismo.

• Em relação aos projetos profissionais, sua organização


engloba processos de debate e elaboração,
investigações teórico-práticas.
Pluralismo e
Ecletismo no Serviço
Social
Pluralismo
Como referência na construção do conhecimento:
Presente na modernidade, com a ascensão burguesa.
Sustentada na valorização do individuo. São valores
pluralistas:
a) A concepção do conflito como valor positivo, ou seja, a
consideração de que a diferença e a competição são
fatores positivos;
b) A concepção da tolerância como valor positivo em face
das opiniões, propostas e opções diversas;
c) A concepção da necessária divisão dos poderes como
fundamental ao impedimento da formação do
poder absoluto;
d) A concepção do direito das minorias.
Pluralismo e o Serviço Social
• A profissão surge como uma das respostas forjadas
pelo Estado e tendo como coadjuvante a Igreja
católica
• Em função do seu projeto de recuperação da
hegemonia ideológica católica, insere o Serviço Social
nas políticas sociais contribuindo durante longo tempo
para que certos interesses da classe trabalhadora
fossem ‘refuncionalizados’ em prol da lógica capitalista.
• Percorreu ao longo da história um percurso crítico que
envolveu segmentos profissionais, com significativos
avanços tanto no plano intelectual quanto no
organizativo do Serviço Social.
Pluralismo
1. Não pode ser confundido com a ausência de
parâmetros analíticos, ou seja, com a possibilidade da
aceitação da junção sem critério de vertentes teórico-
filosóficas que não se complementam;
2. Não podemos confundir o pluralismo com a fusão de
diferentes matrizes do pensamento, indistintamente,
nem para a análise nem para a orientação da nossa
ação profissional na realidade social.
• o pluralismo é sinônimo de abertura para o diferente,
ao se julgar fundamental a tolerância para o progresso
da ciência, para o enriquecimento da própria posição,
mesmo sabendo que a verdade não significa a ideia
construída pelos sujeitos, mas sim algo que a eles
convém captar, utilizando meios compatíveis.
Projetos profissionais
Os projetos profissionais são projetos coletivos que dizem
respeito às categorias profissionais e que apresentam a
intencionalidade de determinada profissão. Configuram-
se como respostas profissionais à realidade concreta e
objetiva, que, a partir de fundamentos teórico-
metodológicos, sustentam a direção ética e política
impressa nos processos interventivos. Embora projetos
de caráter conservador e emancipatório estejam em
disputa, apenas um deles conquista hegemonia para
conduzir a profissão em determinado período histórico-
social.
Com base na trajetória histórico-social do Serviço Social
brasileiro, avalie as afirmações a seguir.
I. No contexto das influências teóricas positivistas e
fenomenológicas no Serviço Social brasileiro, o projeto
profissional apresentava, entre os anos 1960-1970, caráter
conservador.
II. O amadurecimento de um projeto profissional sob bases
emancipatórias ocorreu nos anos 1990, sustentado pelo
Código de Ética (1993), pela Lei de Regulamentação da
Profissão (1993), e pelas Diretrizes Curriculares da
Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço
Social (1996).
III. O Serviço Social no Brasil, desde a sua origem aos tempos
atuais, busca constituir um projeto profissional que não
esteja assentado em bases conservadoras, as quais estão
hegemonicamente presentes na profissão.
É correto o que se afirma em:
O CFESS e o CRESS surgiram nos
anos 1950 e, ao longo da história,
podemos identificar mudanças em
seus objetivos.
Qual a finalidade do CFESS/CRESS
até a década 80 e como está
configurada atualmente?
Construção do novo
projeto profissional
do Serviço Social
Construção do novo projeto profissional do Serviço Social

• Primeira condição para a construção deste novo


projeto se viabilizou com a recusa e a crítica ao
conservadorismo profissional;
• No contexto histórico, marcado pela ditadura militar,
modernização do Serviço Social brasileiro, pelas lutas e
movimentos sociais, pela redemocratização, incidências
do modelo econômico vigente, entre outros, que a
profissão se reconhece inserido no conjunto das
camadas trabalhadoras.
Como todo universo heterogêneo, o corpo profissional
não se comportou de modo idêntico na constituição de
um novo projeto profissional.
As aspirações democráticas e populares, irradiadas a
partir dos interesses dos trabalhadores, foram
incorporadas e até intensificadas pelas vanguardas do
Serviço Social.
Pela primeira vez, no interior do corpo profissional,
repercutiam projetos societários distintos daqueles que
respondiam aos interesses das classes e setores
dominantes.
Compromissos do PEP
Tem em seu núcleo o reconhecimento da liberdade como
valor ético central – a liberdade concebida
historicamente, como possibilidade de escolher entre
alternativas concretas; daí um compromisso com a
autonomia, a emancipação e a plena expansão dos
indivíduos sociais. Consequentemente, o projeto
profissional vincula-se a um projeto societário que propõe
a construção de uma nova ordem social, sem dominação
e/ou exploração de classe, etnia e gênero. (NETTO, 1999,
p.104).
Netto (1992, p. 131), a negação histórica da herança
tradicional conservadora coloca-se como finalidade do
projeto profissional, que se caracteriza pela busca de
ruptura com o conservadorismo em suas várias
dimensões e configurações: o projeto de “intenção de
ruptura”, hoje denominado projeto ético-político.

PEP significou um novo ethos marcado pelo


posicionamento de negação do conservadorismo e
afirmação da liberdade e incorporação de novos
referenciais ético-morais.
A estrutura do novo
projeto profissional
Projeto Profissional do Serviço Social
• O projeto ético político do Serviço Social está vinculado
a um projeto de transformação da sociedade.
• Elege os valores que a legitimam profissionalmente;
• Prioriza os objetivos e funções;
• Prescreve normas e comportamentos;
• Estabelece sua relação com o usuário;
• Sua relação com outras profissões e organizações;
• Fornece insumos para enfrentar as dificuldades
profissionais;
• Estabelece os compromissos construídos
coletivamente.
• Núcleo central: o reconhecimento da liberdade como
valor central – a liberdade concebida historicamente,
como possibilidade de escolha entre alternativas
concretas; daí um compromisso com a autonomia, a
emancipação e a plena expansão dos indivíduos
sociais.
• Se vincula a um projeto societário que propõe a
construção de uma nova ordem social, sem
exploração/dominação de classe, etnia e gênero. A
partir destas opções que o fundamentam, tal projeto
afirma a defesa intransigente dos direitos humanos e o
repúdio do arbítrio e dos preconceitos.
Dimensão política: se posiciona a favor da equidade e
da justiça social, na perspectiva da universalização do
acesso a bens e a serviços relativos às políticas e
programas sociais; a ampliação e a consolidação da
cidadania são explicitamente postas como garantia dos
direitos civis, políticos e sociais das classes trabalhadoras.

Do ponto de vista profissional: compromisso com a


competência, com o aperfeiçoamento intelectual do
assistente social e com a formação acadêmica
qualificada.
Relação com os usuários: compromisso com a
qualidade dos serviços prestados à população, aí incluída
a publicidade dos recursos institucionais, instrumento
indispensável para a sua democratização e
universalização e, sobretudo, para abrir as decisões
institucionais à participação dos usuários.
Projeto político
hegemônico
Conquista da hegemonia
Pode-se afirmar que este projeto ético-político,
fundamentado teórica e metodologicamente, conquistou
hegemonia no Serviço Social, no Brasil, na década de
noventa do século XX.
Contribuiu para essa hegemonia:
1. Envolvimento de segmentos cada vez maiores do
corpo profissional nos fóruns, nos espaços de
discussão e nos eventos profissionais.
2. Vinculação a um projeto societário que, antagônico ao
das classes proprietárias e exploradoras, tem raízes
efetivas na vida social da massa dos trabalhadores
brasileiros.
Regulamentação legal da profissão
• A construção deste projeto profissional acompanhou a
promulgação da Constituição de 1988.
• A regulamentação legal da profissão, por meio da Lei
nº 8.662/93, foi seguida pela regulamentação da Lei
nº 8.742/93, que criou a Lei Orgânica da Assistência
(LOAS).
• configurando-se como uma nova perspectiva de
Política Pública Social - assistência social no Brasil.
• Tem nos assistentes sociais seus aliados para a
implementação e efetivação das ações para assegurar
os serviços e benefícios à população em situação de
vulnerabilidade social.
Direção social da profissão

SANTINI, 2020, p.
103.
A direção social que orienta este projeto de profissão tem
como referência a relação orgânica com o projeto das
classes subalternas, reafirmado pelo:
 Código de Ética de 1993,
 Pelas Diretrizes Curriculares de 1996 e
 Pela legislação que regulamenta o exercício
profissional (Lei nº 8.662, de 7 de junho de 1993).
Fundamentos Históricos,
Teóricos e Metodológicos e
a garantia do Pluralismo
(ENADE 2016) A garantia do pluralismo é resultado de
um amplo e importante debate ocorrido no âmbito do
Serviço Social brasileiro nos anos 1980.
Em consonância com os princípios ético-políticos do
Serviço Social, a defesa do pluralismo pressupõe:
A) a compreensão de que o diálogo democrático e a equivalência
entre os diversos campos teórico- metodológicos são necessários
para o fortalecimento do projeto ético-político.
B) a presença do relativismo no debate da ética profissional,
assegurado pela participação de vários segmentos profissionais
oriundos de correntes teórico-metodológicas diversas durante o
processo de constituição do código de ética vigente.
C) o entendimento de que nem todas as posições teóricas e
político-profissionais se equivalem e o reconhecimento de que o
direito à expressão teórica e política garante as condições de
debate.
D) a conquista da homogeneidade do projeto ético-político junto à
categoria profissional, comprometida com os interesses da classe
trabalhadora.
E) o reconhecimento de que as inúmeras perspectivas teórico-
metodológicas presentes historicamente no Serviço Social podem
contribuir de forma igualitária na análise dos processos sócio-
históricos e sociais.
Quais são os desafios
para a consolidação do
projeto ético-político do
Serviço Social?
Recapitulando
• Projeto societário = são ações humanas, orientadas
por objetivos, metas, fins, etc. De caráter individual ou
coletivo (político);
• Projetos profissionais = referem-se a determinada
profissão, com formação teórica e interventiva.
• São construídas por sujeitos coletivos (no Serviço
Social CFESS/CRESS, ENESSO, ABEPSS, etc);
• São dinâmicos e se renovam e modificam;
• Pluralismo, enquanto respeito a outras matrizes do
pensamento, desde que fundamentadas teoricamente;
• Projeto ético político, rompe com o conservadorismo
profissional, apresenta valores para um novo projeto
societário (transformação da realidade).
Obrigada!